A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

10º Simpósio de Intervenção Percutânea para o Clínico Anatomia Angiográfica Coronariana e Cardíaca Dr. Antônio F. C. Bahia Neto Hospital Nossa Senhora.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "10º Simpósio de Intervenção Percutânea para o Clínico Anatomia Angiográfica Coronariana e Cardíaca Dr. Antônio F. C. Bahia Neto Hospital Nossa Senhora."— Transcrição da apresentação:

1 10º Simpósio de Intervenção Percutânea para o Clínico Anatomia Angiográfica Coronariana e Cardíaca Dr. Antônio F. C. Bahia Neto Hospital Nossa Senhora das Graças – Sete Lagoas Hospitais Semper e Socor – BH Hospital Santa Rita – Contagem Anatomia Angiográfica Coronariana e Cardíaca Dr. Antônio F. C. Bahia Neto Hospital Nossa Senhora das Graças – Sete Lagoas Hospitais Semper e Socor – BH Hospital Santa Rita – Contagem

2 Cineangiocoronariografia Considerações Gerais Visualização dos principais ramos epicárdicos (DA, CX e CD), além de seus ramos de segunda e terceira ordens Visualização dos principais ramos epicárdicos (DA, CX e CD), além de seus ramos de segunda e terceira ordens Vasos intramiocárdicos Vasos intramiocárdicos Pequenos ramos de quarta ordemPequenos ramos de quarta ordem Normalmente não visualizadosNormalmente não visualizados Papel principal na autorregulação do fluxo coronarianoPapel principal na autorregulação do fluxo coronariano Podem limitar perfusão durante o estresse (HVE, HAS...)Podem limitar perfusão durante o estresse (HVE, HAS...)

3 Anatomia Coronariana Vasos principais

4

5 Anatomia Coronariana Sulcos interventricular e atrioventricular

6 Anatomia Coronariana Visão anterior

7 Anatomia Coronariana Visão posterior

8 Dominância Coronária Crux cordis Crux cordis Ponto de interseção entre o sulcoPonto de interseção entre o sulco átrio-ventricular e os sulcos inter-atrial e inter-ventricular, na face posterior do coração. Definições Definições 1.Artéria que atinge a crux cordis e emite o ramo DP 2.Artéria que emite o ramo DP e um ramo VP extenso* * Permite evidenciar co-dominância

9 Padrões de Circulação Coronária Dominância Direita 70 a 85% dos pacientes 70 a 85% dos pacientes Coronária direita estende-se além do crux cordis e dá origem aos ramos descendente posterior e ventriculares posteriores Coronária direita estende-se além do crux cordis e dá origem aos ramos descendente posterior e ventriculares posteriores

10 Padrões de Circulação Coronária Dominância Direita OAE cranial CX DA CX OAD caudal ME

11 Padrões de Circulação Coronária Dominância Esquerda 8 a 15% dos pacientes 8 a 15% dos pacientes Os ramos descendente posterior e ventriculares posteriores originam-se da porção distal da artéria circunflexa Os ramos descendente posterior e ventriculares posteriores originam-se da porção distal da artéria circunflexa Coronária direita hipoplásica Coronária direita hipoplásica OAD caudal CX ME VP DP AV

12 Padrões de Circulação Coronária Dominância Esquerda CD hipoplásica DA DP CX AV OAE cranial

13 Padrões de Circulação Coronária Dominância Balanceada Aproximadamente 7% dos pacientes Aproximadamente 7% dos pacientes Co-dominância Co-dominância A coronária direita dá origem ao ramo descendente posterior e a circunflexa aos ramos ventriculares posteriores (e, eventualmente, a outro ramo DP) A coronária direita dá origem ao ramo descendente posterior e a circunflexa aos ramos ventriculares posteriores (e, eventualmente, a outro ramo DP) DP CD

14 Padrões de Circulação Coronária Dominância Balanceada VP ME VP AV CX OAD caudal

15 O ramo do nó sinusal origina-se da coronária direita em 60% dos pacientes, independente do padrão de dominância. Nos outros 40%, o nó sinusal é irrigado por um ramo atrial esquerdo, originário da artéria circunflexa; O ramo do nó sinusal origina-se da coronária direita em 60% dos pacientes, independente do padrão de dominância. Nos outros 40%, o nó sinusal é irrigado por um ramo atrial esquerdo, originário da artéria circunflexa; A artéria do nó AV origina-se da coronária direita quando a dominância é direita e da artéria circunflexa quando a dominância é esquerda. A artéria do nó AV origina-se da coronária direita quando a dominância é direita e da artéria circunflexa quando a dominância é esquerda. Anatomia Coronariana Irrigação do Sistema de Condução

16 Anatomia Coronariana Cineangiocoronariografia Coronária Direita Ramo do nó sinoatrial VP DP

17 Anatomia Coronariana Cineangiocoronariografia Coronária Direita Ramo do nó AV DP VP

18 Ramo do cone Ramo do cone Origina-se da coronária direita em 50% dos casos e diretamente da aorta na outra metade dos casos.Origina-se da coronária direita em 50% dos casos e diretamente da aorta na outra metade dos casos. Irriga a via de saída do VDIrriga a via de saída do VD Anel de VieussensAnel de Vieussens Ramo do nó sinusal Ramo do nó sinusal Ramos marginais agudos Ramos marginais agudos Irrigam a parede livre do VDIrrigam a parede livre do VD Ramo descendente posterior Ramo descendente posterior Irriga a porção inferior do septo interventricular e do ventrículo esquerdoIrriga a porção inferior do septo interventricular e do ventrículo esquerdo Ramos ventriculares posteriores Ramos ventriculares posteriores Irrigam a parede póstero-lateral do ventrículo esquerdoIrrigam a parede póstero-lateral do ventrículo esquerdo Anatomia Coronariana Ramos da Coronária Direita Anatomia Coronariana Ramos da Coronária Direita

19 Anatomia Coronariana Cineangiocoronariografia Coronária Direita Ramo do cone Ramo do nó sinoatrial Ramo marginal agudo VP AV DP

20 Visualização da coronária direita Visualização da coronária direita OAE simplesOAE simples −1/3 proximal PA cranialPA cranial −Bifurcação DP/VP e leito distal da CD OAD simplesOAD simples −1/3 médio e origens dos ramos marginais agudos Cineangiocoronariografia Projeções Angiográficas

21 Anatomia Coronariana Cineangiocoronariografia Projeções Coronária Direita OAE VP DP AV Ramo marginal agudo

22 Anatomia Coronariana Cineangiocoronariografia Projeções Coronária Direita PA cranial Ramos marginais agudos DP AV VP

23 Anatomia Coronariana Cineangiocoronariografia Projeções Coronária Direita OAD Ramos marginais agudos DP VP Ramo do nó sinoatrial

24 Tronco da coronária esquerda Tronco da coronária esquerda Cursa por detrás da via de saída do ventrículo direitoCursa por detrás da via de saída do ventrículo direito Dá origem às artérias descendente anterior e circunflexaDá origem às artérias descendente anterior e circunflexa Um ramo intermediário pode originar-se diretamente do tronco em 20 a 37% dos pacientes (artéria diagonalis) Um ramo intermediário pode originar-se diretamente do tronco em 20 a 37% dos pacientes (artéria diagonalis) Artéria descendente anterior Artéria descendente anterior Percorre a porção anterior do septo interventricular em direção ao ápexPercorre a porção anterior do septo interventricular em direção ao ápex Ramos diagonais: irrigam a parede livre anterolateral do VERamos diagonais: irrigam a parede livre anterolateral do VE Ramos septais: que penetram no septo interventricularRamos septais: que penetram no septo interventricular Anatomia Coronariana Ramos da Coronária Esquerda Anatomia Coronariana Ramos da Coronária Esquerda

25 Artéria circunflexa Artéria circunflexa Percorre o sulco atrioventricular esquerdoPercorre o sulco atrioventricular esquerdo Ramos marginais obtusos: irrigam a parede lateral do VERamos marginais obtusos: irrigam a parede lateral do VE Ramo atrioventricular: continua pelo sulco atrioventricular após origem dos ramos marginais e sua magnitude e importância estão relacionados ao padrão de dominânciaRamo atrioventricular: continua pelo sulco atrioventricular após origem dos ramos marginais e sua magnitude e importância estão relacionados ao padrão de dominância Anatomia Coronariana Ramos da Coronária Esquerda Anatomia Coronariana Ramos da Coronária Esquerda

26 Visualização coronária esquerda Visualização coronária esquerda Projeções caudaisProjeções caudais −TCE −Porção proximal DA −CX e ramos marginais Projeções craniaisProjeções craniais −DA −Diagonais −Porções distais dos ramos da CX Cineangiocoronariografia Projeções Angiográficas

27 Nas projeções craniais o diafragma é visualizado na porção inferior do campo; em projeções caudais não Nas projeções craniais o diafragma é visualizado na porção inferior do campo; em projeções caudais não Nas projeções direitas a coluna está posicionada à esquerda no campo Nas projeções direitas a coluna está posicionada à esquerda no campo Nas projeções esquerdas a coluna está posicionada à direita no campo Nas projeções esquerdas a coluna está posicionada à direita no campo Cineangiocoronariografia Projeções Angiográficas “Macetes”

28 Anatomia Coronariana Cineangiocoronariografia Projeções Coronária Esquerda OAD caudal CX ME MO DA Di DA TCE

29 Anatomia Coronariana Cineangiocoronariografia Projeções Coronária Esquerda OAD cranial Di DA CX ME Septais TCE

30 Anatomia Coronariana Cineangiocoronariografia Projeções Coronária Esquerda OAE cranial Septais Di DA CX TCE

31 Anatomia Coronariana Cineangiocoronariografia Projeções Coronária Esquerda OAE caudal “Spider” CX ME DA Septal Di TCE

32 Anatomia Coronariana Cineangiocoronariografia Projeções Coronária Esquerda OAE caudal “Spider” TCE CX DA Diagonalis

33 Anatomia Coronariana Cineangiocoronariografia Projeções Coronária Esquerda OAD“Flat” DA TCE CX

34 Anatomia Cardíaca Ventriculografia Esquerda Diástole ventricular OAD Aorta Valva aórtica Via saída VE Valva mitral Parede inferior Parede anteriror Ápex

35 Anatomia Cardíaca Ventriculografia Esquerda Sístole ventricular OAD Parede anteriror Ápex Parede inferior Valva mitral

36 OBRIGADO


Carregar ppt "10º Simpósio de Intervenção Percutânea para o Clínico Anatomia Angiográfica Coronariana e Cardíaca Dr. Antônio F. C. Bahia Neto Hospital Nossa Senhora."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google