A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

1 Computação Gráfica. 2 A computação gráfica é a área da computação destinada à geração de imagens em geral — em forma de representação de dados e informação,

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "1 Computação Gráfica. 2 A computação gráfica é a área da computação destinada à geração de imagens em geral — em forma de representação de dados e informação,"— Transcrição da apresentação:

1 1 Computação Gráfica

2 2 A computação gráfica é a área da computação destinada à geração de imagens em geral — em forma de representação de dados e informação, ou em forma de recriação do mundo real. Ela pode possuir uma infinidade de aplicações para diversas áreas. Desde a própria informática ao produzir interfaces gráficas para software, sistemas operacionais e sites na Internet, quanto para produzir animações e jogos.

3 3 Computação Gráfica A computação gráfica é a área da ciência da computação que estuda a transformação dos dados em imagem. Esta aplicação estende-se à recriação visual do mundo real por intermédio de fórmulas matemáticas e algoritmos complexos.

4 4 Introdução O que é computação gráfica ? Aplicações

5 5 A computação gráfica intervém em diversas áreas, tais como: Design Visual: para o desenvolvimento de mídias visuais, desde a impressa (como propagandas em revistas e outdoors) quanto para o auxílio cinematográfico dos comerciais televisivos. Geoprocessamento : Para geração de dados relacionados à cidades, regiões e países.

6 6 Aplicações Entretenimento CAD (Computer-aided design) Visualização Científica Treinamento Educação E-commerce Arte Computacional

7 7 Entretenimento Filmes Animações Jogos: A indústria do entretenimento atualmente dá mais lucro que a cinematográfica! Jogos são a maior aplicação da computação gráfica, e a grande motivação para seu desenvolvimento. Cinema: para produção de efeitos especiais, retoques nas imagens do filme, e filmes de animação.

8 8 CAD Construções de Aeroportos Construção de um avião Arquitetura e Design de Produto: desenvolvimento gráfico dos projetos de forma visual e com a aplicação dos cálculos matemáticos para os testes dos projetos quanto a resistência, a variação de luz e ambientes.

9 9 Visualização Científica Estudo do fluxo de ar em uma tempestade Visualização do corpo humano Medicina: Para análise de exames como tomografia, radiografia, e mais recentemente o ultra-som (que consegue gerar a partir deste uma imagem em 3D)

10 10 Treinamentos Simuladores de direção Simuladores de vôo Montagens em geral (ex, como montar um determinado aparelho)

11 11 Educação Visualização de monumentos históricos Estudo do esqueleto humano

12 12 E-Commerce Planejamento de uma cozinha planejada Loja virtual de telefones

13 13 Arte computacional Artes : Para expressão artística utilizando os ambientes gráfico- computacionais como meio ou fim, tais como gravura digital, arte digital, web arte.

14 Primitivas gráficas em 2D

15 15 Primitivas Gráficas Chamamos de primitivas gráficas os comandos e funções que manipulam e alteram os elementos gráficos de uma imagem. Também entra na definição de primitivas os elementos básicos de gráficos a partir dos quais são construídos outros, mais complexos.

16 16 Pontos Um ponto é uma unidade gráfica fundamental (também pode ser chamado pixel) Propriedades Posição no plano gráfico Sua cor Primitivas Pintar um pixel Ler um pixel

17 17 Linhas retas y = mx + b m é chamado de coeficiente angular (está ligado ao ângulo que a reta faz com o eixo x) m<=1  ângulo entre 0º e 45º com o eixo x m>1  o ângulo encontra-se entre 45º e 90º. b é o coeficiente linear e dá o valor do eixo y cruzado pela reta

18 18 Linhas Retas Dado dois pontos P1 e P2, pode-se obter m e b, ou seja, a equação da reta que passa pelos pontos: m=(y2-y1)/(x2-x1) b=y1-mx1

19 19 Segmento de reta definido entre dois pontos

20 20 Algoritmos para desenhar retas DDA – Digital Differential Analyser (Analisador Diferencial Digital) Algoritmo de Breseham

21 21 Algoritmo DDA (Digital Differential Analyser)

22 22 Algoritmo DDA (Digital Differential Analyser)

23 23

24 24 Algoritmo de Breseham

25 25 Algoritmo de Breseham

26 26 Polilinhas Retas são a base para uma grande variedade de figuras que são composta por segmentos de retas: polígonos caracteres figuras geométricas complexas

27 27 Polilinhas Uma polilinha é um conjunto de segmentos de retas, cujas extremidades coincidem, ou seja, um segmento começa no ponto em que o segmento anterior termina

28 28 Polilinhas Exemplos de Polilinhas

29 29 Propriedades é composta de n segmentos de retas (n >= 1) é definida por n + 1 pontos Polilinha fechada

30 30 Polígono Pode ser definido como uma polilinha fechada Propriedades: n segmentos de retas (n >= 2) definida por n pontos

31 31 3 – Tópico Teórico: Frame Buffer dispositivo gráfico – o acesso ao dispositivo gráfico é mais lento que ao acesso à memória controlador gráfico – responsável pela exibição dos gráficos

32 32 Frame Buffer É uma técnica de construção de imagem em memória Por que construir uma imagem em memória ?

33 33 Usando a memória um pixel será representado por um certo número de bytes a quantidade de memória do frame- buffer deverá comportar todos os pixels que a serem representados correspondência aritmética entre a posição (x,y) de um pixel genérico e seu endereço no frame-buffer

34 34 Exemplo Representação de uma imagem true color (32 bits) de 800x600 pixels Qual o tamanho do frame-buffer ? 800 x 600 x 4 = bytes ou 1,92Mb

35 35 Exemplo Uma possível representação em linguagem C seria: unsigned long FrameBuffer[800][600]; Obs: o tamanho do long é 4 bytes

36 36 Exemplo Acesso ao pixel: FrameBuffer[x][y]=0; // pixel é apagado FrameBuffer[x+1][y+1] = FrameBuffer[x][y];

37 37 Exemplo Representação usando apenas um vetor cada linha da imagem é representada por uma seqüência de bytes que se agrupam como seqüência consecutivas

38 38 Exemplo

39 39 Exemplo FB é o endereço do primeiro byte do Frame- buffer o segundo pixel encontra-se no endereço FB+4 o terceiro pixel encontra-se no endereço FB+2*4 o quarto pixel encontra-se no endereço FB+3*4 o último byte da primeira linha encontra-se em FB+799*4

40 40 Exemplo O primeiro byte da segunda linha encontra-se em FB+800*4 De forma genérica, podemos mapear qualquer posição (x,y) em FB+[800*y+x]*4

41 41 Exemplo m = FB + [ x + Ly ] * b onde: m: endereço do inicio do pixel no frame- buffer FB: L: número de pixels numa linhas da imagem b: tamanho do pixel (em bytes)

42 42 Exemplo x = resto ((m-FB)/bL) y = (m-FB)/bL

43 43 4 – Círculos e elipses Introdução traçado de círculos

44 44 Círculos Um círculo é definido como um conjunto de pontos que estão a mesma distância de um ponto A distância é o raio do círculo, e o ponto equidistante de todos é o centro do círculo Matematicamente: (x-x 0 ) 2 + (y-y 0 ) 2 = r 2

45 45 Círculos x = x c +- sqrt(r 2 – (y-y c ) 2 ) y = y c +- sqrt(r 2 – (x –x c ) 2 )

46 46 Círculo de raio r

47 47 Sistema de Coordenadas Coordenadas cartesianas Coordenadas polares

48 48 Sistemas de Coordenadas x = x c + r cos θ y = x c + r sen θ onde θ é um ângulo que varia entre 0 e 2π (os ângulos devem ser tratados com unidades em radianos)

49 49 Imprecisões no traçado de círculos

50 50 Divisão da Circunferência em 8 segmentos

51 51 Aplicação do algoritmo do ponto médio para círculos

52 52 Algoritmo do ponto médio para círculos

53 53 Elipse Uma elipse é definida como o conjunto de pontos cuja soma das distâncias para dois pontos fixos é constantes. Os dois pontos fixos são chamados os focos da elipse Sua definição matemática é: sqr((x-x 1 ) 2 + (y-y 1 ) 2 ) + sqr((x-x 2 ) 2 + (y- y 2 ) 2 ) = d1 + d2

54 54 Representação de uma elipse e suas grandezas principais onde (x1,y1) e (x2,y2) são as posições dos focos, e d1 e d2 são as do ponto P distancia até os focos.

55 55 Elipse – quatro quadrantes

56 56 Algoritmo do ponto médio para elipses

57 57 5 – Preenchimento de Áreas Algoritmo ponto dentro – ponto fora

58 58 Prenchimento de Áreas Exemplo 1 Exemplo 2 No Exemplo 1, os pontos A e C está fora do polígono, enquanto o ponto B encontra-se no interior do polígono

59 59 Preenchimento de Áreas Exemplo 1Exemplo 2

60 60 Algoritmo de Preenchimento de Áreas

61 61 Algoritmo de Preenchimento

62 62 6 – Atributos de primitivas

63 63 Atributos de pontos: cores Um pixel tem somente um atributo possível: sua cor Sistema de Cores RGB (Red, Green e Blue) Cada cor é caracterizada por três componentes cada qual especificando uma intensidade de cada uma das cores básicas

64 64 Profundidade de uma cor Profundidade (é uma grandeza): número de bits disponível por pixel: 3, 6, 12, 24

65 65 Tabela de Cores São tabelas que relacionam a intensidade de cada cor básica para gerar todas as cores existentes em uma imagem. Por exemplo, podemos ter uma tabela de 256 entradas que representem todas as cores existentes em uma imagem onde cada pixel possui certa profundidade. O uso de tabela de cores agiliza a geração e o tratamento de imagens

66 66 Atributos de linhas tipo de linha espessura da linha (ou largura da linha) padrão de pincel

67 67 Tipo de linha Uma linha, quanto a seu traçado, pode ser: contínua pontilhada tracejada ponto-traço

68 68 Exemplos de Tipos de Linhas

69 69 Espessura da linha (largura)

70 70 Atributos de áreas Uma área pode ser definida pelas linhas que definem seu perímetro.

71 71 Atributos de área cor textura

72 72 Aplicação de um padrão para o preenchimento de uma área

73 73 7 – Tópico Teórico: antialias Introdução Método de superamostragem adaptativo Método de superamostragem recursivo

74 74 Método de superamostragem recursivo

75 75 8 – Transformações geométicas em duas dimensões Transformações básicas Translação Rotação Escala

76 76 Transformações básicas

77 77 Translação x’ = x + tx y’ = y + ty Chamamos de translação o ato de levar um objeto de um ponto para outro num sistema de referência O par (tx,ty) é chamado vetor de translação ou vetor de deslocamento P’ = P + T

78 78 Rotação x’ = xcos0 – ysen0 y’ = xsen0 – ycos0 Dá-se o nome de rotação ao ato de girar um objeto de um ângulo, num sistema de referências P’=R.P

79 79 Escala x’ = x. sx y’ = y. sy Quando se aplica uma transformação de escala a um objeto, o resultado é um novo objeto semelhante ao original, porém “esticado” ou “encolhido” P’=S.P O par (sx,sy) é chamado vetor de escala

80 80 9 – Transformações compostas Introdução às coordenadas homogêneas Transformações compostas em coordenadas homogêneas Transformações especiais Transformações afins

81 81 Como rotacionar um objeto deslocado da origem 1) deslocar o ponto pivot para origem das coordenadas 2) aplicar a rotação no objeto deslocado 3) transladar de volta o ponto pivot para o local original

82 82 Aplicação de Transformações Sucessivas

83 83 Introdução as coordenadas homogêneas Coordenadas homogêneas são uma representação especial dos pontos, vetores e matrizes, a qual facilita a generalização das operações entre esse tipo de objetos Ao expressarmos posições em coordenadas homogêneas, as equações de transformações geométricas ficam reduzidas a multiplicação de matrizes 3 x 3 elementos As coordenadas são representadas por colunas (vetores) de três elementos, e as operações de transformação são matrizes 3x3 elementos

84 84 Translação / Rotação e Escala em coordenadas homogêneas Translação Rotação Escala x’ y’ 1 cos0 –sen0 0 sen0 cos xy1xy1 x’ y’ 1 sx sy xy1xy1 x’ y’ tx 0 1 ty xy1xy1

85 85 Transformações Compostas em coordenadas homogêneas Concatenação de translações Concatenação de rotações Concatenação de escalas Concatenações de transformações genéricas

86 86 Transformações especiais Reflexões sobre eixos notáveis Distorções angulares em uma única direção: shears

87 87 Reflexões sobre eixos notáveis Reflexão com relação ao eixo X Reflexão com relação ao eixo Y Reflexão com relação à origem Reflexão com relação a reta Y = X Reflexão com relação a reta Y = -X

88 88 Reflexão com relação ao eixo X Matriz de transformação:

89 89 Reflexão com relação ao eixo Y Matriz de transformação:

90 90 Reflexão com relação a origem Matriz de transformação:

91 91 Reflexão com relação a reta Y = X Matriz de transformação:

92 92 Reflexão com relação a reta Y = -X Matriz de transformação:

93 93 Distorções angulares em uma única direção: shears As distorções do tipo shear resultam numa inclinação do objeto numa dada direção. Uma de suas aplicações é a transformação de fontes de texto no estilo itálico. Shear na direção X Shear na direção Y

94 94 Shear na direção X 1 shx Matriz de transformação:

95 95 Shear na direção Y shy Matriz de transformação:

96 96 Transformações afins Uma transformação na forma: x’ = a xx x + a xy y + b x y’ = a yx x + a yy y + b y é chamada de transformação afim bidimensional

97 97 10 – Primitivas básicas em 3D Introdução Planos Paralelepípedos e Cubos Superfícies curvas Superfícies quadráticas Esferas Elipsóides Toróides Superfícies superquadráticas: os supereelipsóides Blobs

98 98 Planos Os planos são os objetos mais simples que podemos definir na geometria em três dimensões Caracterização Ax + Bx + Cz + D = 0 onde A, B e C e D são constantes

99 99 Um plano ao pôr-do-sol, com seu vetor normal

100 100 Paralelepípedos São objetos com aparências de “caixas”, isto é, objetos com seis faces retangulares que são paralelas e iguais duas a duas Cubo é um paralelepípedo com faces quadradas.

101 101 Paralelepípedos Um paralelepípedo Um paralelepípedo com uma diagonal e os pontos que o definem

102 102 Superfícies curvas

103 103 Superfícies quadráticas Ax 2 +By 2 +Cz 2 +Dxy+Exz+Fyz+Gx+Hy+I z = J

104 104 Esferas x 2 +y 2 +z 2 =r 2 onde: x, y e z são as coordenadas de pontos que pertencem a superfície da esfera, e r é o raio

105 105 Uma esfera Uma esfera: todos os pontos estão a mesma distância do centro

106 106 Elipsóides (x/r x ) 2 + (y/r y ) 2 + (z/r z ) 2 = 1

107 107 Elipsóides Um elipsóide com três raios diferentes

108 108 Toróides

109 109 Toróides Representação de um toróide

110 110 Superfícies superquadráticas: os superelipsóides

111 111 Blobs Blobs podem ser descritos como aglomerações (conjuntos) de pequenas esferas (em alguns casos, cilindros) que mudam de forma quando se aproximam uns dos outros

112 112 Blobs Um objeto blob composto por três elementos

113 – Tópico teórico: métodos de interpolação* Queremos calcular o valor de uma função f(x) num ponto genérico x sem o uso da expressão analítica de f(x)

114 – Luz e sombra Introdução As fontes de luz o comportamento das superfícies iluminadas propagação da luz As cores objetos iluminados por luzes de cores diferentes

115 115 Introdução Fontes de luz corpos opacos corpos transparentes propagação da luz

116 116 As fontes de luz Primária: Secundária: emite a luz que ela própria produz Ex: o Sol, as chamas de uma fogueira, o filamento de uma lâmpada incandescente, uma tela de TV reemite a luz produzida por uma fonte primária Ex: o teto, as paredes, a Lua, os planetas, fontes de luz

117 117 Comportamento das superfícies iluminadas corpos opacos: as superfícies opacas reemitem a luz em várias direções, mas não se deixam atravessar por ela (esse fenômeno é chamado difusão da luz) corpos translúcidos: deixam atravessar por uma parte da luz que recebem mas trabalham como difusores de luz corpos transparente: deixa-se atravessar pela luz

118 118 Objeto opaco Um objeto opaco: a luz não o atravessa, e é gerada uma sombra

119 119 Objeto translúcido Um objeto translúcido é parcialmente atravessado pela luz

120 120 Objeto transparente Um objeto transparente permite a passagem total da luz

121 121 Propagação da luz A luz se propaga em linha reta em um meio transparente e homogêneo O sentido de propagação é sempre partindo da fonte (primária ou secundária)

122 122 As cores luz branca (ex: luz do sol, luz de uma lâmpada incandescente) luz branca é decomposta em suas componentes (por um prisma, ou um disco de CD) espectro de luz: é o nome dado a seqüência de cores obtidas pela decomposição da luz branca Cores presentes no espectro da luz branca: vermelho, laranja, amarelo, verde, azul, índigo e violeta

123 123 Objetos iluminados por luzes de cores diferentes A cor observada de um objeto depende da cor que o ilumina. Um objeto que reemite todas as cores da luz apresenta-se com a cor branca Um objeto que absorve todas as cores da luz apresenta-se com a cor preta o aspecto de um objeto depende da cor da luz que o ilumina

124 124 Tabela com a cor aparente de um objeto em função da luz que o ilumina Cor da Luz Cor observada do objeto BrancaVermelhaAzulVerdeBrancaPreta Vermelha Preta VermelhaPreta AzulPretaAzulPretaAzulPreta VerdePreta Verde Preta

125 125 Imagem e a decomposição em suas componentes uma imagem e a decomposição em suas componentes, obtidas através da iluminação nas três cores básicas: vermelho, verde e azul

126 126 Síntese aditiva e subtrativa Síntese aditiva: é o fenômeno de obter uma luz de uma determinada cor a partir da soma das luzes de outras cores Síntese subtrativa: pode-se subtrair de uma luz colorida uma de suas componentes com a utilização de filtros, e assim obter uma luz de outra cor. Os filtros atuam como componentes subtrativos, absorvendo a luz da cor que os compõe, e deixando-se atravessar pelas outras

127 127 Síntese aditiva Luz azul + luz vermelha = luz magenta Luz verde + luz azul = luz ciano Luz verde + luz vermelha = luz amarela Luz verde + luz vermelha + luz azul = luz branca

128 128 Síntese aditiva de cores primárias Três fontes de luz cores diferentes iluminam uma parede branca. Note-se a síntese aditiva na regiões de sobreposição

129 129 Síntese subtrativa Filtro amarelo + filtro ciano = filtro verde Filtro amarelo + filtro magenta = filtro vermelho Filtro ciano + filtro magenta = filtro azul Filtro amarelo + filtro ciano + filtro magenta = filtro preto = opaco

130 Síntese subtrativa Um fonte de luz branca atravessa filtros amarelos e ciano, resultando em luz verde

131 131 Síntese subtrativa Uma fonte de luz branca atravessa filtros magenta e ciano, resultando em luz azul

132 132 Síntese subtrativa Uma fonte de luz branca atravessa filtros amarelo e magenta, resultando em luz vermelha

133 133 Geração de imagens coloridas em monitores usa RGB (Red, Green, Blue) ou (Vermelho, Verde ou Azul) em impressoras e fotografias usa CMYB (Ciano, Magenta, Amarelo, Black)

134 134 Geração de imagens coloridas em monitores Utiliza o mesmo princípio da televisão em cores Usa a síntese aditiva

135 135 Geração de imagens coloridas em impressoras e fotografias As impressoras e gráficas usam quatro cores de tintas: ciano, amarelo, magenta e preto. A geração de cores é obtida através da síntese subtrativa

136 136 Sombras: fonte de luz pontal Uma fonte de luz pontual é o caso mais simples de geração de sombra Quando um objeto é iluminado por uma fonte de luz pontual, este tem o lado voltado para a fonte iluminada e o lado oposto escurecido sombra própria – nome dado a sombra formada no lado escurecido sombra projetada – nome dado a sombra vista na região iluminada de um anteparo cone de sombra – nome dado a porção do espaço que ficou escurecida pela presença do objeto

137 137 Fonte de luz pontual um objeto iluminado por uma fonte de luz pontual gera uma sombra bem nítida

138 138 Duas fontes de luz Utilizando-se duas fontes de luz pontuais, observam se duas regiões de sombra projetada, mas, mesmo assim, existem regiões que são iluminadas por apenas uma das fontes. Esse efeito recebe o nome de penumbra. Quando um objeto é colocado entre as duas fontes de luz pontuais, existe a formação da penumbra. A sombra total somente será observada se as regiões de penumbra forem sobrepostas

139 139 Duas fontes de luz A sombra gerada por duas fontes de luz pontuais é, na verdade, a sobreposição das duas sombras distintas

140 140 Fonte de luz extensa Pode ser modelada por quantidade infinita de fontes pontuais região de transição entre a iluminação e a sombra é chamada de penumbra

141 141 Fonte de luz extensa Uma fonte de luz extensa pode ser modelada por uma quantidade infinita de fontes pontuais. A sombra desse tipo de fonte de luz apresenta uma penumbra que varia da iluminação total até a sombra total

142 142 Simulando a propagação da luz Três cores básicas: Vermelho (Red) Verde (Green) Azul (Blue) Intensidade controlada por números

143 143 Raios luminosos de cor RGB atravessando um filtro cinza (50%) e um filtro vermelho

144 – Efeitos especiais: cuidando das superfícies Texturas Pigmentos Normal Finalizações Brilhos superficiais

145 145 Texturas O material (ou materiais) que compõem um objeto é representado através da superfície visível. Em teoria, as características da textura podem ser divididas em três categorias combinadas entre si: os pigmentos vetor normal finalização (ou revestimento)

146 146 Texturas As texturas ainda podem ser modeladas segundo três tipos básicos: lisa: consiste em um único pigmento, com efeitos uniformes ao longo de sua superfície combinada: associa, em regiões da superfície, duas ou mais texturas com camadas: é feita através da sobreposição de texturas diferentes, nas quais existem regiões transparentes ou semitransparentes

147 147 Esferas com vários efeitos de superfície e finalização

148 148 Pigmentos Representam as cores ou padrões de cores do material Todas texturas lisas devem ter um pigmento cor contínua --> é o tipo mais simples de um pigmento

149 149 Normal Vetor normal estabelece as irregularidades da superfície

150 150 Normal os vetores normais de uma superfície lisa e de uma irregular O vetor normal de uma superfície é, por definição, um vetor perpendicular a essa superfície, isto é, apontando para cima

151 151 Finalização (ou Revestimento) Descreve as propriedades reflexivas de um material reflexão especular --> obtida quando a luz incide sobre uma superfície lisa difusão --> obtida quando a luz incide sobre uma superfície com rugosidade

152 152 Brilhos superficiais O brilho manisfesta-se com uma região numa superfície onde a luz tem um comportamento especular especialmente intenso A visão do brilho depende do ângulo de iluminação e da posição do observador

153 153 Brilhos Superficiais Efeito "Phong" Reflexão especular Iridescência (interferência de Newton, ou filme fino)

154 154 Efeito "phong" Nessa figura foi atribuído apenas ao toróide da esquerda, o brilho phong

155 – Transformações geométicas em três dimensões Transformações básicas Translação Rotação Escala Concatenação de transformações em três dimensões Projeções Projeção paralela Projeção com perspectiva

156 156 Transformações básicas Translação de um objeto

157 157 Translação x’ = x + t x y’ = y + t y z’ = z + t z onde o vetor (t x,t y,t z ) é chamado vetor de translação ou vetor de deslocamento

158 158 Matriz homogênea de transação P’ = T.P x1’x2’x3’1x1’x2’x3’ t x t y t z x1x2x31x1x2x31 =

159 159 Rotação Rotação de um objeto (da primeira figura) nos três eixos (x, y e z)

160 160 x1’x2’x3’1x1’x2’x3’1 cosθx –sen θx 0 0 sen θ x cos θ x x1x2x31x1x2x31 = x1’x2’x3’1x1’x2’x3’ cosθy –sen θy 0 0 sen θ x cos θ x x1x2x31x1x2x31 = x1’x2’x3’1x1’x2’x3’1 cosθz 0 sen θx sen θ z 0 cos θ z x1x2x31x1x2x31 = Rotação em torno do eixo x Rotação em torno do eixo y Rotação em torno do eixo z Matriz homogênea de rotação

161 161 Escala

162 162 Matriz homogênea de escala x1’x2’x3’1x1’x2’x3’1 s x s y s z x1x2x31x1x2x31 = P’ = S. P

163 163 Concatenação de transformações em três dimensões sx sy sz = x y z x y z sx 0 0 (1-sx)x 0 sy 0 (1-sy)y 0 0 sz (1-sz)z

164 164 Projeções É a operação de transformar uma imagem 3D em 2D Projeção paralela Projeção com perspectiva

165 165 Projeção Paralela Projeção de um objeto sobre o plano. Na projeção paralela, as linhas que levam os pontos dos objetos ao plano de projeção são paralelas entre si e perpendiculares ao plano de projeção

166 166 Projeção paralela

167 167 Projeção com perspectiva Na projeção com perspectiva, supõe-se que o observador esteja num ponto (chamado ponto de referencia ou ponto de fuga) e que partem linhas imaginárias desse ponto para o interior da cena

168 168 Projeção com Perspectiva

169 – O uso de um pacote de ray- tracing Introdução A necessidade de um sistema de referencia Vetores: posições, direções e rotação Ray-tracers Elementos de uma imagem 3D O uso de uma linguagem de descrição Níveis de descrição o POV ray-tracer elementos de linguagem do POV

170 – Objetos básicos Introdução Plano Esferas Paralelepípedos Cone Cilindro Toróide Height field CSG (Constructive Solid Geometry)

171 Iluminação Introdução Fonte de luz ambiente Fontes de luz pontuais Fontes de spotlight Fontes cilíndricas Objetos como fontes de luz

172 – Cores e texturas Introdução Acabamentos Bumps Padrões de Cores Texturas predefinidas Padrões de pigmentos e normais Pigmentos e padrões Modificadores de padrões Pigmentos transparentes e sobreposição de texturas Mapas de pigmentos

173 173 Introdução A textura de um objeto é uma importante matéria a ser estudada no sentido de aumentar o grau de realismo de uma cena

174 – Efeitos de superfície Introdução Operações básicas com o vetor normal Sobreposição de modificadores da normal Acabamentos Atenuação da luz Iridescência

175 175 Introdução Objetos com superfícies bem lisas não são muito realistas. Existem várias formas de perturbar a perfeição de uma superfície, todas elas via manipulação do vetor normal. A normal é vetor que fica perpendicular a cada ponto da superfície, e a forma como a luz se comporta depende desse vetor

176 – A câmera virtual e animação Escolha da posição e das lentes Animação

177 – Formatos de arquivos de imagens e Internet Arquivos gráficos Implantação de imagens em páginas HTML Cuidados especiais para otimizar a transmissão das páginas

178 178 Arquivos gráficos Chamamos formato o conjunto de regras que estabelecem um padrão de organização de dados nos arquivos gráficos

179 179 Formatos e extensões FormatoExtensão Targa.tga Portable Network Graphics.png Unix PPM.ppm Windows bitmap.bmp

180 180 Apêndice A – Matemática da computação gráfica Introdução Gráficos 2D versus gráficos 3D Sistemas de Coordenadas Pontos, vetores e matrizes

181 181 Representações de um Cubo

182 182 Sistemas de Coordenadas Um sistema de coordenadas é composto por eixos que sejam perpendiculares entre si, sendo um para cada dimensão do espaço

183 183 Sistemas de coordenadas 2D Sistema Cartesiano (x, y) Sistema Polar (r, θ) 3D Sistema Cartesiano (x,y,z) Sistema cilíndrico (r, θ, z) Sistema esférico (r, θ, φ)

184 184 Sistema Cartesiano no plano (2D)

185 185 Sistema cartesiano no espaço (3D)

186 186 Sistema Esférico (tridimensional)

187 187 Sistema Cilíndrico (tridimensional)

188 188 Pontos, vetores e matrizes Ponto: é uma posição especificada dentro de um sistema de referências Vetor: estabelece a distância entre dois pontos e possui uma direção

189 189 Definição de um vetor no plano cartesiano

190 190 Operações com vetores produto por um escalar soma de vetores produto escalar produto vetorial

191 191 Matrizes

192 192 Operações com matrizes produto por um escalar produto de matrizes transposição de matrizes (troca das linhas pelas colunas)

193 193 Referências s488/ s488/ chive/spr03/cs426/ chive/spr03/cs426/ f.html f.html

194 194 Backup Slides

195 195 Computação Gráfica na Wikipédia C3%A7%C3%A3o_gr%C3%A1fica C3%A7%C3%A3o_gr%C3%A1fica

196 196 Sistema de Cores RGB (Red, Green, Blue) XYZ (CIE) CMY (Cyan, Magenta, Yellow) Subtractive (complement RGB) HSV (Hue, Saturation, Value) Outros

197 197 RGB (Red, Green, Blue) RGBCor 000Preto 100Vermelho 010Verde 001Azul 110Amarelo 101Magenta 011Cyan 111White

198 198 Cubo de Cores RGB

199 199 Pixel

200 200 CMY (Cyan, Magenta, Yellow) CMYCor 000branco 100cyan 010magenta 001amarelo 110azul 101verde 011vermelho 111preto

201 201 Cubo de Cores CMY

202 202 Modelo de Cores HSV HSVCor 011vermelho 12011Verde 24011Azul *01Branco *0.00.5Cinza *0.0Preto

203 203 Aplicações Gráficos para TV Esse é o tipo de aplicação que vemos com mais freqüência. Suas animações são mais voltadas para movimentação de logotipos e textos. Visualização Científica Na aplicação de estudos acadêmicos a computação gráfica tem um papel importante. Ela tem a tarefa de traduzir números e dados em representações gráficos de leitura mais fácil. Essas representações são chamadas as vezes de Visual Data Analysis. Simulação A computação gráfica, pode ser utilizada para simular acidentes ou acontecimentos importantes para um público maior. Esse tipo de simulação é muito utilizado em jornalismo, para ilustrar algum acontecimento. Nos EUA, existem empresas especializadas em criar simulações de acidentes de trânsito, para apresentação em tribunais. Simuladores de Voo Os treinamentos de pilotos são realizados de maneira barata e segura nesses simuladores. Essa aplicação é mais restrita, já que os equipamentos envolvidos são caros.

204 204 Aplicações Militares Os militares são consumidores ávidos por computação gráfica, pelo menos os militares americanos. Eles utilizam a CG para treinamentos e simulações de cenários envolvidos em conflitos. Os investimentos necessários para o desenvolvimento da informática e da computação gráfica, só foram possíveis graças a interesses militares. Astronomia e espaço Esse tipo de aplicação é muito semelhante a visualização científica, mas sua aplicação é mais ilustrativa do que acadêmica. Eventos que se passam a milhões de KM da nossa atmosfera não podem ser filmados com facilidade, então eles são apresentados ao público em geral na forma de uma animação. Existem aplicações científicas também, como estudo de trajetórias e simulação de colisões no espaço. Arquitetura A visualização de projetos arquitetônicos é extremamente difundida entre as pessoas que estão começando a trabalhar no mercado de CG. Todos se interessam pelas famosas “maquetes eletrônicas”. Esse interesse não é justificado pela aplicação comercial mais imediata desse produto. Existem mais pessoas interessadas em comprar esse tipo de CG. Com o crescimento do setor de construção, esse é um ramo da CG que só tende a crescer no nosso país.

205 205 Aplicações Arqueologia O uso de CG para arqueologia é muito parecido com o seu uso para arquitetura. A diferença é o objetivo. Na visualização arquitetônica, a CG mostra o que será construído e na arqueologia o objetivo é reconstruir um local, para mostrar como ela era no passado. Medicina Aplicações médicas são importantes na CG para desenvolvimento de treinamentos e auxílio em diagnósticos. Algumas empresas de CG são especializadas nesse tipo de aplicação, como eu já mostrei em um artigo publicado aqui. Filmes Acho que eu não preciso falar muito sobre esse tipo de aplicação, já que é uma área altamente divulgada. Aqui as aplicações da CG são fundamentais para contar uma história de maneira convincente. Nos últimos anos a CG tem tido um destaque mair pela presença de filmes completamente produzidos em CG.

206 206 Aplicações Efeitos especiais Esse ramo da CG tem relação direta com os filmes. Várias produções utilizam a exaustão efeitos especiais para contar uma história. Você já imaginou contar a história de Star Wars, sem efeitos especiais? Tanto a área de filmes como a de efeitos especiais exigem hardware sofisticado e conhecimentos técnicos avançados, dos profissionais envolvidos na produção. Publicidade Utilizar a CG na publicidade ajuda a vender mais produtos, com a utilização de recursos sofisticados. Essa área é bem desenvolvida no nosso país e pode absorver muitos profissionais no futuro. Comunicação corporativa Com acesso facilitado a tecnologia, várias empresas utilizam a CG para realizar treinamentos e comunicados. Material produzido dentro da própria empresa pode ser atualizado de maneira mais fácil e rápida. Educação As aplicações da CG para educação são infinitas, podendo simular praticamente qualquer coisa com o objetivo de instruir e ensinar. O advento de instituições que utilizam ensino a distância, impulsiona esse mercado, já que boa parte do matéria deve ser produzido em meios eletrônicos.

207 207 Aplicações Jogos O mercado de jogos eletrônicos sempre foi uma grande promessa no nosso país. Os jogos modernos consomem uma enorme quantidade de animações, modelos 3D e ilustrações. Esse é um mercado que tem poucos profissionais especializados e que pode trazer um bom retorno para quem se interessar. Arte A CG também tem aplicações para artistas interessados em desenvolver trabalhos em 3D e ilustração. Existem vários artistas desenvolvendo animações abstratas e simulações que envolvem formas e tempo. Multimídia Essa área é uma mistura de várias das aplicações citadas aqui. A habilidade de misturar textos, sons e imagens em uma interface com o usuário. Esse tipo de aplicação pode ser utilizado para vender produtos, apresentar idéias ou educar pessoas. Existem empresas e profissionais especializados em produzir esse tipo de material.

208 208 Aplicações da Computação Gráfica Como você deve ter percebido, as aplicações da Computação Gráfica são variadas e algumas áreas se relacionam diretamente entre si. A escolha da área certa para atuar pode determinar o sucesso ou o fracasso de um profissional. Com esse artigo, pessoas que estão começando a sua jornada profissional na CG, podem escolher de maneira mais fácil a área em que desejam atuar.

209 209 Aplicações da Computação Gráfica Fonte: aplicacoes-da-computacao-grafica/ aplicacoes-da-computacao-grafica/


Carregar ppt "1 Computação Gráfica. 2 A computação gráfica é a área da computação destinada à geração de imagens em geral — em forma de representação de dados e informação,"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google