A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

DEPARTAMENTO DE ECONOMIADA UCG 4.Macroeconomia e Flutuações Econômicas 4.1. Demanda e oferta agregada; 4.2. Mercado de bens e serviços - IS; 4.3. Mercado.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "DEPARTAMENTO DE ECONOMIADA UCG 4.Macroeconomia e Flutuações Econômicas 4.1. Demanda e oferta agregada; 4.2. Mercado de bens e serviços - IS; 4.3. Mercado."— Transcrição da apresentação:

1 DEPARTAMENTO DE ECONOMIADA UCG 4.Macroeconomia e Flutuações Econômicas 4.1. Demanda e oferta agregada; 4.2. Mercado de bens e serviços - IS; 4.3. Mercado monetário - LM; 4.4. Modelo IS-LM; Blanchard (2008), Capítulos 5 ; e Lopes & Vasconcelos (2008), cap. 5 Professor Gesmar José Vieira

2 2 Pode-se estudar a determinação do produto no curto e no médio prazos, através da derivação de duas relações: A oferta agregada é obtida via equilíbrio no mercado de trabalho, o que nos remete ao capítulo 6. A demanda agregada é obtida pelo equilíbrio no mercado de bens e de ativos, o que nos remete ao capítulo 5 (ou Macro I). Com essas duas relações poderemos analisar o nível de equilíbrio do produto e dos preços Demanda e oferta agregada

3 3 Modelo OA – DA - Oferta Agregada A oferta agregada captura o efeito do produto no nível de preços. É derivada do equilíbrio no mercado de trabalho. O salário nominal, W, depende do nível de preços esperado, P e, da taxa de desemprego, u, e poder de barganha, z. W = P e F(u,z) O nível de preços, P, é igual ao salário nominal, W, acrescido de um mark-up. P = (1 + µ)W

4 4 Modelo OA – DA - Oferta Agregada Substituindo a primeira equação na segunda, temos: P = P e (1 + µ) F(u,z) O nível de preços é função do nível de preços esperado e da taxa de desemprego. Tínhamos que: u  U = L – N = 1 – N = 1 - Y L L L L Substituindo... P = P e (1 + µ) F(1 – Y, z) L

5 5 Modelo OA – DA Oferta Agregada Observe que: Um maior nível de preços esperado leva a um nível de preços maior numa razão um para um. Um aumento no produto leva a um aumento no nível de preços. Dinâmica: um aumento no produto leva a um aumento no emprego, o que reduz o desemprego e, conseqüentemente, a taxa de desemprego. A queda da taxa de desemprego implica em um aumento no salário nominal o que aumenta os custos. Por fim, custos maiores implicam em preços mais altos.

6 6 Modelo OA – DA - Oferta Agregada A oferta agregada é positivamente inclinada. Para um dado nível de Pe, um aumento em Y leva a um aumento em P. Se Y=Yn, P=Pe, e esse resultado vem da definição do nível de pleno emprego. Yn PePe OA A

7 7 Modelo OA – DA - Oferta Agregada Se Y>Yn, então P>P e. Se Y

8 8 Modelo OA – DA - Demanda Agregada A demanda agregada mede o efeito do nível de preços no produto. Das equações de equilíbrio do mercado de bens e do mercado de ativos, temos: IS: Y = C(Y-T) + I(Y,i) + G LM: M = YL(i) P A curva IS é negativamente inclinada e nos dá o equilíbrio no mercado de bens. A curva LM é positivamente inclinada e nos dá o equilíbrio no mercado de ativos.

9 9 Modelo OA – DA Demanda Agregada Supondo um aumento no nível de preços, de P para P´. Dado M, o aumento nos preços reduz o estoque de moeda real e a LM se desloca para cima. Assim, temos um novo equilíbrio em que o produto é menor e o nível de juros é maior. Assim, no novo equilíbrio, temos um nível de preços maior e um produto menor. A curva que relaciona negativamente preço e produto é a demanda agregada, e é representada por: Y = Y(M, G, T) P Assim, a demanda depende positivamente do estoque de moeda real e dos gastos do governo, e negativamente dos impostos.

10 10 Modelo OA – DA Oferta Agregada: Demanda Agregada: Y = Y(M, G, T) P P = P e (1 + µ) F( 1 – Y, z) L

11 11 Modelo OA – DA Juntando as duas curvas, vemos que o equilíbrio ocorre na interseção. Observe que ao nível de preços P e, Y=Yn, mas não necessariamente este é o equilíbrio. No ponto A, os mercados de bens, ativos e de trabalho estão em equilíbrio, mas no ponto B, temos (Yn, P e ). O equilíbrio depende da posição da oferta e da demanda. A Y P DA OA PePe Yn B

12 12 Modelo OA – DA - Dinâmica do Produto e do Preço Assim, no curto prazo, o produto pode diferir do produto natural. Mas o que ocorre ao longo do tempo? Vamos supor que o produto esteja maior que o seu nível natural e que as demais variáveis exógenas permaneçam constantes. Para estudar a dinâmica de Y e P, precisamos analisar como as expectativas se comportam. Pe pode variar ao longo do tempo. Se o nível de preços do período anterior não correspondeu à expectativa, este erro deve ser levado em consideração ao formular-se as expectativas para o período corrente. Vamos assumir que P e = P t-1.

13 13 Modelo OA – DA - Dinâmica do Produto e do Preço Oferta Agregada: Demanda Agregada: Y t = Y(M, G, T) P t P t = P t-1 (1 + µ) F( 1 – Y t, z) L

14 14 Modelo OA – DA - Dinâmica do Produto e do Preço Supondo que no período t tenhamos Y>Yn. Sob nossa hipótese sobre os preços, P e t =P t-1. Então, no ponto B, temos (Yn, P t-1 ), e no ponto A, (Y t, P t ). No período t+1, a curva OA deve se deslocar para cima, pois teremos o novo nível P e t+1 = P t. A curva se desloca para cima e atingimos os pontos B´ (Yn, P e t+1 = P t ), e A (Y t+1, P t+1 ). Observe que a demanda agregada não se desloca, apenas há um deslocamento ao longo desta curva. Como P t+1 é maior que P t e Y t+1 é menor que Y t, A´ está mais próximo do produto natural.

15 15 Modelo OA – DA - Dinâmica do Produto e do Preço Mas o que ocorre entre t e t+1? Como em t o produto está acima do nível natural, o nível de preços está acima do esperado. No ano t+1, o preço esperado é maior, o que eleva o preço em t+1. Um preço maior reduz o estoque de moeda real o que aumenta o nível de juros e reduz a demanda por bens em t+1. Em t+2, ainda temos Y>Yn, assim, P e t+2 =P t+1. A OA se desloca para cima novamente e temos o mesmo processo que anteriormente. Enquanto o produto corrente for maior que o natural, o nível de preços continua crescendo e o produto continua decrescendo até que Y alcance Yn, e não há mais pressão sobre os preços. A economia se estabiliza em (Yn, Pn).

16 16 Modelo OA – DA Dinâmica do Produto e do Preço

17 17 Modelo OA – DA Dinâmica do Produto e do Preço Conclusão: No curto prazo, o produto pode estar acima ou abaixo do produto natural, mas no médio prazo, o produto retorna para seu nível natural. O ajuste é feito via preços. Se o produto estiver acima do natural, os preços aumentam até que o produto alcance o nível natural.

18 O modelo ISLM - modelo de curto prazo da economia - Do modelo IS-LM para a demanda agregada - O objetivo do modelo IS-LM  Introduzir o modelo ao produto agregado no curto prazo, no caso da existência de rigidez de preços.  Descrever os determinantes da demanda agregada.  No curto prazo, quando existe rigidez de preços (oferta agregada horizontal) todas as ações concentram-se no lado da demanda agregada.

19 O modelo ISLM - modelo de curto prazo da economia - Do modelo IS-LM para a demanda agregada - O objetivo do modelo IS-LM  O modelo IS-LM estabelece a existência de mercados equilibrados e que em conjunto determinam o equilíbrio geral  O mercado do produto (IS) é o mercado de bens  O mercado monetário (LM) é o que trata do equilíbrio do mercado de moedas, preconizado por Walras.

20 O modelo ISLM - modelo de curto prazo da economia - Do modelo IS-LM para a demanda agregada - O objetivo do modelo IS-LM  O equilíbrio dos mercados de bens e moeda implica, como conseqüência, no equilíbrio do terceiro mercado, o mercado de títulos  O equilíbrio geral é determinado pela interseção das curvas IS- LM. O equilíbrio do mercado do produto e mercado monetário se realiza dada a taxa real de juros.  A curva IS se associa à taxa de juros através do investimento e da poupança.  O aumento interno das taxas de juros de um país pode ser mais atrativo para a entrada de dinheiro estrangeiro do que para os residentes investirem seus recursos no exterior

21 Mercado de bens e serviços - IS  É uma curva que mostra combinações de níveis de renda (Y) e de taxa de juros (r), que fazem o mercado de produtos ficar equilibrado no sentido de que a poupança é igual ao investimento, (e gastos planejados seja igual a renda).  “A curva de equilíbrio do mercado de bens, ou curva IS, mostra combinações de taxas de juros e níveis de produção, de tal modo que os gastos planejados sejam iguais” (Dornbusch & Fischer, 2002: p. 128).  “A curva IS (do inglês Investment-Saving) mostra as condições de equilíbrio no mercado de bens, isto é, em que a oferta agregada iguala à demanda agregada de bens e serviços” (Lopes et al; 1998: p. 150).

22 A curva IS a)Equações que descrevem o modelo (de economia fechada): DA = C + I + G C = Ca + c’.Yd Yd = Y-T+ R T= Ta+ t’.Y R =Trf I =Ia – I.r G = G Equilíbrio: DA = Y b ) Cruz Keynesiana: equilíbrio entre despesa planeada e atual. A despesa planeada é Y = C(Y-T) + G + I(r). c) Função investimento: a demanda de investimento está negativamente relacionada com a taxa de juro.

23 A curva IS Derivação da Curva IS Y = C + I + G + X – M Y = Ca + c’(Y – T) + Ia – I.r + G + X – M A = Ca - c’T + Ia+G + X – M Y (1 – c’) = A – I.r S’ = 1 - c’ (PMgS = 1 – PMgC) Y = (1/s’) x (A – I.r) Sendo, K = 1/s’ (teoria do multiplicador) A curva IS é dada por: Y = K (A – I.r)  Curva IS Para deduzir a curva IS, recorre-se também à igualdade entre s e I. A poupança como resíduo do consumo é, no modelo keynesiano, função da renda disponível, S = f (Yd).

24 A curva IS Representação gráficas da curva IS, a partir de vazamentos e injunções de renda. Y S(Y) I 45º S r I(r) IS S(Y) I = S Y1Y1 Y2 Y2

25 25 S 1.2. A curva IS A curva IS pode ser expressa tanto em termos da taxa de juro real (r) quanto a taxa nominal (i), com base na regra de Fisher (i = r + i’∏. Se as expectativas de inflação forem nulas (∏ = 0), conforme exige o modelo IS-LM, que é baseado em nível de preços constante (P = P0), as taxas real e nominal, relacionadas pela Regra de Fisher (i = i’∏) serão iguais (i = r) se houver expectativa de inflação (i’∏ > 0), haverá uma curva IS para a taxa de juros real e outra para a taxa nominal. A curva IS é uma relação inversa entre a taxa de juros reaL (r) ou nominal (i) e a renda nacional (Y), contendo combinações dessas variáveis que satisfazem o equilíbrio no mercado do produto

26 26 S 4.2. A curva IS A compreensão dos distúrbios e da política econômica que podem deslocar a curva IS é crucial para o entendimento do modelo IS-LM e do modelo macroeconômico geral (Leite, 2000: 166). IS’ i’ ∏ A/(1 – c’ + c’t) Inclinação da Curva IS Depende da elasticidade do investimento à taxa de juros. Quanto mais inclinada for a curva, mais inelástica em relação a taxa de juros (r), ou seja, menos ele reage a taxa de juros e vice-versa.

27 27 Derivação da curva IS em relação a taxa de juros: dY/di = - Ki’ 4.2. A curva IS

28 A curva IS Ponto C: situado abaixo da curva IS, levam a um excesso de demanda por produtos. A posição na Curva IS Ponto A: como em toda extensão da curva IS compreende as combinações de produto e de taxa de juros que equilibram o mercado. Ponto B: acima da curva IS corresponde as combinações de produto e taxa de juros que levam a um excesso de oferta no mercado de produtos

29 A curva IS Deslocamentos da Curva IS A curva IS desloca para cima e para direita : a) um deslocamento da função consumo ; b) Um deslocamento da função investimento; c) Aumento das exportações líquidas. d) Um aumento da taxa de inflação esperada; e) Uma desvalorização do câmbio real; f) Uma redução da alíquota t ou da tributação autônoma; g) aumento dos gastos do consumo ou investimento do governo.

30 Mercado monetário - LM É uma curva que mostra combinações de taxas de juros (r) e de níveis de renda (Y), que fazem o mercado monetário estar em equilíbrio no sentido de que a oferta de moeda é igual a demanda por moeda. “A curva LM representa as combinações de r e y que manterão o mercado monetário em equilíbrio a um nível dado de oferta de moeda, M, e a um nível dado de preços, P” (Branson & Litvack; 1972: 66).

31 Mercado monetário - LM A curva LM pode ser obtida diretamente pela combinação da curva de demanda por encaixes reais, L = kY – hr k, h > 0, e da oferta de encaixes reais. Para o mercado monetário estar equilibrado, a demanda tem que ser igual à oferta. M/P = kY - kr Equações que descrevem o modelo: Oferta: M/P Demanda: Ld = k.Y - h.r Equilíbrio: M/P=Ld

32 Mercado monetário - LM A curva LM é impactada pela política monetária, por alterações dos preços, e pelo comportamento individual dos agentes (demanda de moeda) PME (Papel Moeda Emitido) - é o estoque de moeda no BACEN. PMC (Papel Moeda em Circulação) - é a igual ao PME; PMPP (Papel Moeda em Poder do Público) - é a diferença entre o PMC e o caixa dos Bancos comerciais.

33 Mercado monetário - LM Observações quanto a Curva LM. Neste modelo a oferta monetária nominal é decidida pelo BACEN, ou seja, é uma variável exógena e é constituída dos chamados meios de pagamento. Os meios de pagamento são compostos de: M = M1 + M2

34 Mercado monetário - LM Derivação da Curva LM Figura: derivação da curva LM M/P

35 35 S A LM é positivamente inclinada mostrando que para uma oferta monetária MS, se houver um aumento na renda Y, e o conseqüente aumento na demanda por moeda para transação a taxa de juros (r) deverá se elevar. A curva LM diz que a demanda por moeda é igual a oferta por moeda, então: M/P = KY - hr è LM A taxa de juros de equilíbrio do mercado monetário será: r = 1/h (KY - M/P) 4.3. Mercado monetário - LM

36 36 S 4.3. Mercado monetário - LM A curva LM ou a curva de equilíbrio do mercado monetário, mostra todas as combinações de taxas de juros e níveis de renda nos quais a demanda por encaixes reais é igual a oferta. Figura - a Curva LM: r, Y de equilíbrio no Mercado Monetário. Demanda Especulativa Demanda para Transação Y K(Y) M/P 0 M/P = l(r) + k(Y) r 1 l(r) LM 45º

37 37 - Inclinação da curva LM A inclinação da curva LM depende da demanda por moeda relativa a renda medida por K e da sensibilidade da demanda por moeda relativo a taxa de juros medida por h. Dado r = 1/h(KY - M/P) è r = KY/h - M/hP Derivando Y em relação a r, dr/Y= K/h, tem-se a inclinação da curva LM. Quando a taxa de juros aumenta, diminui a demanda por encaixes reais L(r,Y), mais inelástica fica a LM. S 4.3. Mercado monetário - LM

38 38 S 4.3. Mercado monetário - LM A posição na Curva LM

39 39 S 4.3. Mercado monetário - LM S A posição na Curva LM Ponto A - como em toda extensão da curva, ocorre o equilíbrio monetário, pois está sobre a LM. Ponto B - mantendo constante o nível de produto, mas aumentando a taxa de juros, a demanda por moeda diminui, enquanto que a oferta não se altera. Neste ponto, tem-se um excesso de oferta no mercado monetário. Ponto C - tem-se um excesso de demanda no mercado monetário.

40 40 S 4.3. Mercado monetário - LM IS-LM: equilíbrio simultâneo no mercado de bens e serviços e no mercado monetário. A interseção das curvas IS e LM corresponde ao equilíbrio em ambos os mercados. Influenciado por mudanças em qualquer um dos mercados e pelas políticas fiscal e monetária.

41 41 S 4.3. Mercado monetário - LM Equilíbrio nos Mercados do Produto e Monetário: Colocando as curvas IS e LM no mesmo quadrante, isto é, resolvendo as equações relativas aos modelos simultaneamente, encontra-se um único par de r e y pela intersecção das curvas IS E LM, caracterizando o equilíbrio em ambos os mercados.

42 42 S 4.3. Mercado monetário - LM Economia em equilíbrio - IS-LM


Carregar ppt "DEPARTAMENTO DE ECONOMIADA UCG 4.Macroeconomia e Flutuações Econômicas 4.1. Demanda e oferta agregada; 4.2. Mercado de bens e serviços - IS; 4.3. Mercado."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google