A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Prevenção Cardiovascular Dr. Plínio de Almeida Barros Neto Residência – Especialização em Clínica Médica – Escola Paulista de Medicina – UNIFESP Residência.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Prevenção Cardiovascular Dr. Plínio de Almeida Barros Neto Residência – Especialização em Clínica Médica – Escola Paulista de Medicina – UNIFESP Residência."— Transcrição da apresentação:

1 Prevenção Cardiovascular Dr. Plínio de Almeida Barros Neto Residência – Especialização em Clínica Médica – Escola Paulista de Medicina – UNIFESP Residência – Especialização (R3) em Cardiologia – Hospital do Coração - Fund. Adib Jatene Membro do Corpo Clínico – CentroCard - Bauru

2 Prevenção Cardiovascular Doença cardiovascular aterosclerótica -Doença arterial coronária (DAC) Prevalência (dados epidemiológicos) Relação com fatores de risco Importância da prevenção – porque e como Prevenção

3 Principais Doenças Cardiovasculares Infarto agudo do miocárdio Doenças da aorta Obstrução de carótida Síndrome Isquêmica coronária aguda - (angina)

4 Diagnóstico Doença CardiovascularAterosclerótica Tardio ou Precoce Proposição de Tratamento Clínico, Intervencionista ou Cirúrgico

5 Importância da Ecocardiografia Diagnóstico Precoce ou Tardio Doenças Cardiovasculares Orientação Tratamento

6 Prevenção Cardiovascular Doença cardiovascular aterosclerótica - Doença arterial coronária (DAC) Prevalência (dados epidemiológicos) Relação com fatores de risco Importância da prevenção – porque e como Prevenção

7 A Doença Cardiovascular Aterosclerótica (DAC) é hoje a 1ª causa de morte nos países desenvolvidos e no Brasil

8 Até 2020 A Doença Cardiovascular Aterosclerótica (DAC) será 1 a causa de morte no mundo

9 Até 2020 (USA) > 40% Mulheres > 60% Homens Terão desenvolvido doença arterial coronária (DAC)

10 Brasil (DATASUS 2003) 30% óbtos DAC Bauru (**) 39% óbtos DAC Mortalidade

11 Prevenção Cardiovascular Doença cardiovascular aterosclerótica - Doença arterial coronária (DAC) Prevalência (dados epdemiológicos) Relação com fatores de risco Importância da prevenção – porque e como Prevenção

12 Colesterol Hipertensão Diabetes Cintura> 95cm Estresse Tabagismo Sedentarismo Familiar ? Fatores Risco X Idade Sexo X

13 Colesterol Hipertensão Diabetes Cintura> 95cm Estresse Tabagismo Sedentarismo Familiar ? Fatores Risco X Idade Sexo X

14 Fatores de Risco Inevitáveis - fogem ao nosso controle Evitáveis - passíveis de controle

15 Risco Arterial Perférica Risco Envelhecimento Precoce Risco Doença aorta Risco Derrame Risco Infarto Fator de risco Tenho infarto

16 Estudo Framingham (1948) Diferença entre Pacientes Com Fator de Risco X Sem Fator de Risco

17 Sobrevida após 50 anos Pacientes com e sem Fatores de Risco

18 Risco de DAC Pacientes com e sem fatores de risco (normais aos 50 anos)

19 Ausência de fatores de risco melhor prognóstico DAC Controle dos Fatores de risco melhor prognóstico DAC.

20 Prevenção Identificação e controle precoces dos fatores de risco Identificação e tratamento precoces da DAC Diagnóstico Como Alterar Evolução DAC

21 Diagnóstico e Prevenção Doença cardiovascular aterosclerótica Doença arterial coronária (DAC) Prevalência (dados epidemiológicos) Relação com fatores de risco Importância da prevenção Prevenção

22 Importância da Prevenção Porque e Como

23 Porque Previnir Elevada Prevalência EUA hab. (IVE secundária a DAC) hab. (angina) hab. (IAM) hab. (DAC) 2020 >40% (M) e 60% (H) DAC Principal Causa de Mortalidade Brasil 30% óbitos DAC ( ) Bauru 39% (2007)* Alto custo Brasil > 30% ($) Internação Hospitalar ( DATASUS 2003)

24 Identificação e controle precoces dos fatores de risco Identificação e tratamento precoces da DAC Como Prevenir

25 Fatores Inevitáveis Idade e Sexo > 60 homem > 55 mulher História familiar parentes diretos

26 Fatores Evitáveis Hipertensão Hipercolesterolemia / Dislipidemia Diabetes Obesidade abdominal Hipertensão Sind. Metabólica Hipertrigliceridemia Tabagismo Sedentarismo

27 Hipertensão - Epidemiologia; - Definição; - Tratamento.

28 Epidemiologia % Prevalência de HAS Cidade (São Paulo ) 25% IAM tem HAS 75% AVC tem HAS 5x chance de DAC.

29 Hipertensão - Epidemiologia; - Definição; - Tratamento.

30 Hipertensão EUA 62 milhões de HAS, apenas 50% têm dx; 31 milhões têm dx de HAS; 33% alcançam objetivo terapêutico. Rara em jovens < 20 a; Surge entre a 3ª e 6ª década; Mais frequente em homens e negros. Diagnóstico - 3 medidas acima de 140 x 90 - MAPA

31 Hipertensão - Definição Normal < 120mmHg < 80mmHg Pré-hipertensão mmHg 80-89mmHg HAS I mmHg 90-99mmHg HAS II > 160mmHg > 100mmHg -Tratamento Deita, exercício, droga (IECA, beta bloq., bloq. canal de cálcio, BRA)

32 Hipercolesterolemia / Dislipidemia Hipercolesterolemia isolada Colest. Total > 210 LDL-C >110 (>70) Hipertrigliceridemia isolada Triglicerides > 150 HipoalfalipoproteinemiaHDL-C < 40 (homem) HDL-C < 50 (mulher) Dieta / Exercício / Drogas (Estatinas, Fibratos, outras) Elevação de 10 mg HDL (colesterol bom) < 11% Risco de evento agudo (IAM) Brasil 40%

33 Diabetes - Brasil 20%; - 60% a 90% são obesos; - Incidência é maior após os 40 anos; - 4x mais chance de DAC; - Sempre associada a elevação do colesterol.

34 Diabetes Normoglicemia GJ<100mg/dl TOTG<140mg/dl IG 100mg/dl 126mg/dl TOTG>200 -Tratamento Dieta, exercício, droga (hipoglicemiante oral, insulina)

35 Obesidade / Obesidade Abdominal Índice de Massa Corpórea (IMC) IMC = peso / altura² IMC > 30 Razão Cintura - Quadril (RCQ) RCQ = cintura / quadril RCQ > 0,9 H > 0,8 M Cintura abdominal > 95 cm M >105 cm H > 2x DAC

36 Sedentarismo Atividade física aeróbica - 40 minutos 3x por semana Reduz PA, LDL-colesterol, triglicerides e eleva HDL-colesterol ( 10 mg < 11% IAM ) Reduz a resistência insulina e peso corporal Brasil - 80% adultos s edentários

37 Tabagismo Mata mais pessoas a cada ano do que:

38 Tabagismo 1,4 bilhões fumantes mundo 250 milhões sexo feminino Brasil 17,4% fumantes 200 mil mortes por ano (23/hora) 25% IAM (75% pulmonar) 45% < 60 anos

39 Diagnóstico e Prevenção Doença cardiovascular aterosclerótica - Doença arterial coronária (DAC) Prevalência (dados epidemiológicos) Relação com fatores de risco Importância da prevenção Prevenção

40 Alimentação saudável –Evitar alimentos gordurosos (saturada/trans) –Evitar carne vermelha – preferência branca Peito frango, filé peixe (água fria) –Dar preferência verduras e legumes –Ingerir regularmente frutas, azeite, aveia e derivados de soja Exercício físico –Aeróbico ou sustentado 40 minutos, 3x semana Manter sob controle fatores de risco –Colesterol, hipertensão, diabetes, peso, cintura abdominal –Deixar de fumar

41 Prevenção Avaliação Cardiológica 20 aos 30 anos 30 aos 40 anos 40 aos 50 anos 50 aos 60 anos > 60 anos < 20 anos

42 20 aos 30 anos Procurar cardiologista para exames clínico, laboratoriais, eletrocardiograma para identificação dos fatores de risco. Se identificados mais de 2 fatores teste ergométrico

43 30 aos 40 anos Sem fatores de risco – reavaliação cada 3 anos exames clínico, laboratoriais, teste ergométrico e ecocardiograma pelo menos 1x. Com 3 ou mais fatores de risco – reavaliação anual exames clínico, laboratoriais, eletrocardiograma, teste ergométrico cada 2 anos.

44 40 aos 50 anos Sem fatores de risco – reavaliação anual exames clínico, laboratoriais, teste ergométrico 2/2 anos, e ecocardiograma 5/5 anos. Com 3 ou mais fatores de risco – reavaliação anual exames clínico, laboratoriais, eletrocardiograma, teste ergométrico e ecocardiograma cada 3 anos.

45 50 aos 60 anos Sem fatores de risco – reavaliação anual exames clínico, laboratoriais, teste ergométrico 2/2 anos, ecocardiograma 5/5 anos e holter 1x. Com 3 ou mais fatores de risco – reavaliação anual exames clínico, laboratoriais, eletrocardiograma, teste ergométrico, ecocardiograma 3/3 anos e holter 1x.

46 > 60 anos Sem fatores de risco – reavaliação anual exames clínico, laboratoriais, teste ergométrico 2/2 anos, ecocardiograma 3/3 anos e holter cada 5 anos. Com 3 ou mais fatores de risco – reavaliação anual exames clínico, laboratoriais, eletrocardiograma, teste ergométrico, ecocardiograma 3/3 anos e holter 5/5 anos.

47 < 20 anos - Atleta - Teste Ergométrico e Eco - História de morte súbta - Teste Ergométrico, Eco e Holter - Intolerância ao exercício - Eco e Teste Ergométrico - Síncope - Holter e Eco

48 Podemos então mudar a evolução da DAC com controle dos fatores de risco e um diagnóstico precoce.

49

50 Unidade I Rua Gustavo Maciel nº Unidade II Hospital Beneficência Portuguesa sala 101


Carregar ppt "Prevenção Cardiovascular Dr. Plínio de Almeida Barros Neto Residência – Especialização em Clínica Médica – Escola Paulista de Medicina – UNIFESP Residência."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google