A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

2 - Cérebro 2.1. As origens do cérebro e do comportamento.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "2 - Cérebro 2.1. As origens do cérebro e do comportamento."— Transcrição da apresentação:

1 2 - Cérebro 2.1. As origens do cérebro e do comportamento

2 Teorias sobre a relação alma/corpo Mentalismo Mentalismo Dualismo Dualismo Materialismo Materialismo

3 Mentalismo Para Aristóteles a mente ou psique produz as funções intelectuais e o cérebro não tem nenhum papel, exceto o de arrefecer o sangue. Para Aristóteles a mente ou psique produz as funções intelectuais e o cérebro não tem nenhum papel, exceto o de arrefecer o sangue. Esta posição denomina-se mentalismo e foi aceite até ao século XVI. Esta posição denomina-se mentalismo e foi aceite até ao século XVI. Segundo este ponto de vista, a psique é independente do corpo, imaterial, mas responsável pelo pensamento, perceção, memória, imaginação, emoção, dor, etc. Segundo este ponto de vista, a psique é independente do corpo, imaterial, mas responsável pelo pensamento, perceção, memória, imaginação, emoção, dor, etc.

4 Dualismo Descartes apresenta uma nova perspetiva em que considera que os mecanismos cerebrais controlam o comportamento animal mas que as capacidades exclusivamente humanas, se situam fora do cérebro, na mente. Descartes apresenta uma nova perspetiva em que considera que os mecanismos cerebrais controlam o comportamento animal mas que as capacidades exclusivamente humanas, se situam fora do cérebro, na mente. A máquina que é o corpo, é comandada pela máquina que é a mente, sendo duas substâncias diferentes e opostas. A máquina que é o corpo, é comandada pela máquina que é a mente, sendo duas substâncias diferentes e opostas.

5 Materialismo O comportamento explica-se pelo funcionamento do cérebro e do sistema nervoso. As semelhanças de comportamento entre as espécies devem- O comportamento explica-se pelo funcionamento do cérebro e do sistema nervoso. As semelhanças de comportamento entre as espécies devem- -se a semelhanças no sistema nervoso e as semelhanças entre estruturas do sistema nervoso e do cérebro desencadeiam comportamentos semelhantes. -se a semelhanças no sistema nervoso e as semelhanças entre estruturas do sistema nervoso e do cérebro desencadeiam comportamentos semelhantes.

6 Materialismo /Darwinismo Uma vez que todas as espécies estão relacionadas, os seus cérebros também devem estar. Uma vez que todas as espécies estão relacionadas, os seus cérebros também devem estar. Uma vez que todas as espécies estão relacionadas o seu comportamento também deve estar. Uma vez que todas as espécies estão relacionadas o seu comportamento também deve estar. Tanto o cérebro como o comportamento foram formados pouco a pouco em animais por adaptação ao meio numa complexificação crescente. Tanto o cérebro como o comportamento foram formados pouco a pouco em animais por adaptação ao meio numa complexificação crescente.

7 2.2. MACROSCOPIA DO SISTEMA NERVOSO Mecanismos de receção – órgãos recetores, do meio externo e interno. Mecanismos de receção – órgãos recetores, do meio externo e interno. Mecanismos de conexão – células nervosas, sistema nervoso. Mecanismos de conexão – células nervosas, sistema nervoso. Mecanismos de reação – órgãos efetores, músculos e glândulas. Mecanismos de reação – órgãos efetores, músculos e glândulas.

8 SISTEMA NERVOSO CENTRAL ENCÉFALOESPINAL MEDULA SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO SISTEMA NERVOSO AUTÓNOMO SISTEMA NERVOSO SIMPÁTICO SISTEMA NERVOSO PARASSIMPÁTICO SISTEMA NERVOSO SOMÁTICO

9 NERVOS Sensoriais ou aferentes – Células nervosas especializadas na condução de impulsos nervosos dos órgãos sensoriais para o sistema nervoso central. Sensoriais ou aferentes – Células nervosas especializadas na condução de impulsos nervosos dos órgãos sensoriais para o sistema nervoso central. Motores ou eferentes – Células nervosas especializadas no transporte de mensagens do sistema nervoso central para ativação dos músculos e glândulas que produzem a resposta. Motores ou eferentes – Células nervosas especializadas no transporte de mensagens do sistema nervoso central para ativação dos músculos e glândulas que produzem a resposta. Conexão- Células nervosas que processam a informação e estabelecem a mediação entre a receção sensorial e a resposta motora Conexão- Células nervosas que processam a informação e estabelecem a mediação entre a receção sensorial e a resposta motora

10 O neurónio O sistema nervoso é constituído por células: O sistema nervoso é constituído por células: Neurónios- Células responsáveis por grande parte das funções do sistema nervoso, nomeadamente na transmissão e processamento da informação. Neurónios- Células responsáveis por grande parte das funções do sistema nervoso, nomeadamente na transmissão e processamento da informação. Células gliais- Fornecem nutrientes, como o oxigénio e glicose, isolam e protegem os neurónios e controlam o seu desenvolvimento. Células gliais- Fornecem nutrientes, como o oxigénio e glicose, isolam e protegem os neurónios e controlam o seu desenvolvimento.

11

12

13

14 O neurónio Constituição Constituição Sinapse Sinapse Comunicação nervosa Comunicação nervosa

15

16

17 o/zoomneur2.gif

18 tos/neurotransmissores/axon1a.gif

19 Energia Nervosa Elétrica- Ao nível das dendrites, passa pelo corpo celular e percorre o axónio. Elétrica- Ao nível das dendrites, passa pelo corpo celular e percorre o axónio. Química- Ao nível da sinapse, a energia elétrica transforma-se em energia química, por efeito dos neurotransmissores. Química- Ao nível da sinapse, a energia elétrica transforma-se em energia química, por efeito dos neurotransmissores. As mensagens nervosas ocorrem por processos eletroquímicos. As mensagens nervosas ocorrem por processos eletroquímicos.

20 Neurotransmissores Na dendrite do neurónio há vesículas sinápticas que contêm os neurotransmissores que são substâncias químicas libertadas na fenda sináptica, sob o efeito da atividade elétrica do axónio. Estes neurotransmissores atravessam a fenda sináptica e são captados pelos recetores situados na dendrite do neurónio pós-sináptico, que, por sua vez envia um influxo nervoso à sinapse seguinte. Na dendrite do neurónio há vesículas sinápticas que contêm os neurotransmissores que são substâncias químicas libertadas na fenda sináptica, sob o efeito da atividade elétrica do axónio. Estes neurotransmissores atravessam a fenda sináptica e são captados pelos recetores situados na dendrite do neurónio pós-sináptico, que, por sua vez envia um influxo nervoso à sinapse seguinte.

21 Influxo Nervoso A função principal do neurónio é a transmissão de impulsos nervosos. Quando um neurónio é estimulado, as suas características elétricas e químicas alteram-se produzindo uma corrente constituída pelos impulsos nervosos, que se designa impulso nervoso. A função principal do neurónio é a transmissão de impulsos nervosos. Quando um neurónio é estimulado, as suas características elétricas e químicas alteram-se produzindo uma corrente constituída pelos impulsos nervosos, que se designa impulso nervoso. A corrente elétrica do influxo nervoso é transportada por um fluxo de iões através de um líquido. A corrente elétrica do influxo nervoso é transportada por um fluxo de iões através de um líquido.

22 Influxo nervoso (continuação) Um único neurónio pode transmitir centenas de mensagens no espaço de um segundo. Contudo, para que a informação seja transmitida, é necessário que atinja determinado limiar de excitação que é a energia necessária para provocar a transmissão. Um único neurónio pode transmitir centenas de mensagens no espaço de um segundo. Contudo, para que a informação seja transmitida, é necessário que atinja determinado limiar de excitação que é a energia necessária para provocar a transmissão. Neste processo funciona o princípio do tudo ou nada: o impulso ocorre ou não ocorre, como num interruptor. Neste processo funciona o princípio do tudo ou nada: o impulso ocorre ou não ocorre, como num interruptor.

23 ectrofisiologia.htm#impulsos

24 xercicios/bio10/influxo.nervoso.transmissao.htm

25 ESPINAL MEDULA Parte do S.N.C. que se encontra na coluna vertebral. Parte do S.N.C. que se encontra na coluna vertebral. Função condutora – Através da espinal medula as mensagens são transmitidas dos órgãos recetores ao encéfalo e as respostas processadas pelo encéfalo são transmitidas aos órgãos efetores. Função condutora – Através da espinal medula as mensagens são transmitidas dos órgãos recetores ao encéfalo e as respostas processadas pelo encéfalo são transmitidas aos órgãos efetores. Função coordenadora – Tratamento básico dos sinais nervosos e processamento dos reflexos. Função coordenadora – Tratamento básico dos sinais nervosos e processamento dos reflexos.

26

27 ESPINAL MEDULA NERVO SENSORIAL NERVO MOTOR RECEPTOREFECTOR ESTÍMULORESPOSTA

28 ATO REFLEXO Quando nos picamos tiramos imediatamente a mão. Quando nos picamos tiramos imediatamente a mão. Este comportamento automático e involuntário, que funciona como mecanismo de proteção, chama-se ato reflexo. Este comportamento automático e involuntário, que funciona como mecanismo de proteção, chama-se ato reflexo.

29

30

31 ACTO REFLEXO Um estímulo (a picada de uma agulha) ativa um mecanismo de receção (a pele). As modificações produzidas, ligadas à sensação de dor, ativam os nervos sensoriais que transportam a mensagem à espinal medula. Aqui é elaborada a resposta que é conduzida pelos nervos motores até aos mecanismos de reação (músculos do braço) que se contraem provocando o afastamento da mão. Um estímulo (a picada de uma agulha) ativa um mecanismo de receção (a pele). As modificações produzidas, ligadas à sensação de dor, ativam os nervos sensoriais que transportam a mensagem à espinal medula. Aqui é elaborada a resposta que é conduzida pelos nervos motores até aos mecanismos de reação (músculos do braço) que se contraem provocando o afastamento da mão.

32

33 ENCÉFALO Parte do sistema nervoso central situada no crânio. Parte do sistema nervoso central situada no crânio. Esta parte do sistema nervoso expandiu- Esta parte do sistema nervoso expandiu- -se tanto que, para se ajustar ao interior da caixa craniana, teve de dobrar-se sobre si mesmo apresentando numeroso sulcos (fissuras) e saliências (circunvoluções). -se tanto que, para se ajustar ao interior da caixa craniana, teve de dobrar-se sobre si mesmo apresentando numeroso sulcos (fissuras) e saliências (circunvoluções).

34

35 Pesa cerca de 1375 gramas, variando muito. Pesa cerca de 1375 gramas, variando muito. Visto de cima é oval e tem uma divisão longitudinal em dois hemisférios. Visto de cima é oval e tem uma divisão longitudinal em dois hemisférios. É coberto por uma camada de substância cinzenta, o córtex. É coberto por uma camada de substância cinzenta, o córtex. Pensa-se que o córtex possui cerca milhões de neurónios, cada um com possibilidade de estabelecer entre 1000 a ligações. Pensa-se que o córtex possui cerca milhões de neurónios, cada um com possibilidade de estabelecer entre 1000 a ligações.

36 ClassificaçãotradicionalEstruturas Classificação de MacLean Mielencéfalo Encéfalo Posterior Bolbo raquidiano Cérebro primitivo Metencéfalo Encéfalo Posterior Ponte Cerebelo Formação reticular (répteis) Mesencéfalo Encéfalo Médio Pedúnculos cerebrais Tubérculos quadrigémeos CérebroIntermédio Diencéfalo Encéfalo Anterior Tálamo Hipotálamo Cérebro(mamíferos) Telencéfalo Encéfalo Anterior Córtex cerebral Cérebro Superior

37

38 Bolbo raquidiano Nervos que ligam a espinal medula ao cérebro. Nervos que ligam a espinal medula ao cérebro. Comanda funções vitais: ritmo cardíaco, respiração e pressão arterial. Comanda funções vitais: ritmo cardíaco, respiração e pressão arterial. Influencia o sono e a tosse. Influencia o sono e a tosse.

39 Cerebelo É constituído por dois hemisférios. É constituído por dois hemisférios. Controla a manutenção do equilíbrio e coordena a atividade motora Controla a manutenção do equilíbrio e coordena a atividade motora

40

41

42 Protuberância Forma uma saliência inclinada acima do bolbo raquidiano. Forma uma saliência inclinada acima do bolbo raquidiano. É o local de passagem de fibras nervosas que unem os diferentes níveis do S.N.C. É o local de passagem de fibras nervosas que unem os diferentes níveis do S.N.C. Controla o sono. Controla o sono.

43 Sistema Reticular Ativante Começa na região posterior do cérebro, continua no cérebro médio e termina no anterior. Começa na região posterior do cérebro, continua no cérebro médio e termina no anterior. Controla o sono, a vigília e a atenção. Controla o sono, a vigília e a atenção. Um ruído forte durante o sono desperta- nos porque o S.R.A. é ativado. Um ruído forte durante o sono desperta- nos porque o S.R.A. é ativado. Também filtra diferentes ruídos o que explica que uma mãe acorde com leves ruídos do filho. Também filtra diferentes ruídos o que explica que uma mãe acorde com leves ruídos do filho.

44 Tálamo Situa-se perto do centro do cérebro. Situa-se perto do centro do cérebro. Muitas fibras aferentes e eferentes unem o tálamo ao cérebro. Muitas fibras aferentes e eferentes unem o tálamo ao cérebro. Centro onde chegam as informações sensoriais provenientes dos sentidos, donde são retransmitidas para os centros corticais respectivos. Centro onde chegam as informações sensoriais provenientes dos sentidos, donde são retransmitidas para os centros corticais respectivos. Também controla o sono e a vigília. Também controla o sono e a vigília.

45

46

47 Hipótalamo É constituído por um grupo de núcleos sob o tálamo e está ligado à hipófise. É constituído por um grupo de núcleos sob o tálamo e está ligado à hipófise. Desempenha um papel importante na regulação da temperatura do corpo, da fome, da sede, no comportamento sexual, na circulação sanguínea e no funcionamento do sistema endócrino. Desempenha um papel importante na regulação da temperatura do corpo, da fome, da sede, no comportamento sexual, na circulação sanguínea e no funcionamento do sistema endócrino.

48

49 Sistema límbico É constituído pelo hipocampo, septo, amígdala e bolbo olfactivo. É constituído pelo hipocampo, septo, amígdala e bolbo olfactivo. Regula as emoções, a motivação, os comportamentos agressivos, pelo que também é conhecido como o “cérebro das emoções” Regula as emoções, a motivação, os comportamentos agressivos, pelo que também é conhecido como o “cérebro das emoções” Amígdala: percepção de emoções faciais. Amígdala: percepção de emoções faciais. Hipocampo: memória - retenção de informações. Hipocampo: memória - retenção de informações.

50

51 Estrutura e funções do cérebro O interior do cérebro é constituído por substância branca. O interior do cérebro é constituído por substância branca. O exterior por substância cinzenta-córtex cerebral. O exterior por substância cinzenta-córtex cerebral. O córtex cerebral é constituído por dois hemisférios, esquerdo e direito, ligados pelo corpo caloso. O córtex cerebral é constituído por dois hemisférios, esquerdo e direito, ligados pelo corpo caloso. Cada hemisfério é constituído por quatro lobos: frontal, parietal, temporal e occipital. Cada hemisfério é constituído por quatro lobos: frontal, parietal, temporal e occipital.

52

53

54 O córtex apresenta circunvoluções que permitem que uma grande quantidade de substância ocupe uma pequena área. O córtex apresenta circunvoluções que permitem que uma grande quantidade de substância ocupe uma pequena área. Os hemisférios cerebrais têm funções diferentes: Os hemisférios cerebrais têm funções diferentes: Esquerdo: Linguagem verbal, pensamento lógico e cálculo. Esquerdo: Linguagem verbal, pensamento lógico e cálculo. Direito: percepção de relações espaciais, formação de imagens e pensamento concreto. Direito: percepção de relações espaciais, formação de imagens e pensamento concreto. O cérebro funciona como uma unidade e nos comportamentos complexos estão envolvidos ambos os hemisférios O cérebro funciona como uma unidade e nos comportamentos complexos estão envolvidos ambos os hemisférios

55 Plasticidade cerebral Alterações permanentes na estrutura do cérebro, que acompanham a experiência. Diz respeito à resposta a acontecimentos externos e internos como efeitos hormonais, lesões e genes anormais. Alterações permanentes na estrutura do cérebro, que acompanham a experiência. Diz respeito à resposta a acontecimentos externos e internos como efeitos hormonais, lesões e genes anormais. Inclui vários processos que ocorrem ao longo da vida e não apenas os morfológicas. Inclui vários processos que ocorrem ao longo da vida e não apenas os morfológicas.

56 Varia ao longo da vida. Varia ao longo da vida. Ocorre ao longo do processo de desenvolvimento normal (Plasticidade desenvolvimental), ou como superação de uma lesão (Função vicariante ou de suplência do cérebro) Ocorre ao longo do processo de desenvolvimento normal (Plasticidade desenvolvimental), ou como superação de uma lesão (Função vicariante ou de suplência do cérebro) O meio ambiente tem um papel fundamental na plasticidade, juntamente com os fatores genéticos, o cérebro é moldado pelas características do meio físico e social. O meio ambiente tem um papel fundamental na plasticidade, juntamente com os fatores genéticos, o cérebro é moldado pelas características do meio físico e social.


Carregar ppt "2 - Cérebro 2.1. As origens do cérebro e do comportamento."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google