A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Alunos: Ana Carolina Schau Bruno da Silva Diógenes Passos Hemyson Castro Patrick Olbera Monteiro Jefferson Rocha Pires.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Alunos: Ana Carolina Schau Bruno da Silva Diógenes Passos Hemyson Castro Patrick Olbera Monteiro Jefferson Rocha Pires."— Transcrição da apresentação:

1 Alunos: Ana Carolina Schau Bruno da Silva Diógenes Passos Hemyson Castro Patrick Olbera Monteiro Jefferson Rocha Pires

2  A madeira sempre foi o material mais utilizado para a construção das pontes brasileiras, ajudando na ocupação do território nacional ao encurtar caminhos sobre rios e riachos. Mas, ao longo dos anos, elas passaram por um processo de deterioração e substituição - muito em razão do uso de madeiras sem tratamento adequado -, cedendo lugar às estruturas de ferro e concreto.

3  No Brasil a norma que exige os ensaios para as espécies de madeira é a NBR 7190/1997, ela rege:  - resistência à compressão paralela às fibras;  - resistência à tração paralela às fibras;  - resistência ao cisalhamento paralelo às fibras;  - densidade básica e aparente;

4  Madeira Dura: provenientes de árvores de crescimento lento, tais como ipê, carvalho, angico, peroba, etc. (Madeira de Lei).  Madeira Macia: provenientes de árvores de crescimento rápido, em geral coníferas, como o Pinheiro do Paraná, pinheiros europeus, etc.

5  Madeira Falquejada  Madeira Bruta ou Roliça  Madeira Serrada

6  Alta resistência específica  Material fácil de ser trabalhado  Baixo custo  Sustentabilidade  Segurança  Acessibilidade  Grande durabilidade quando bem tratada

7  As pontes de madeira seguem em aspectos gerais a mesma linha de raciocínio dos sistemas estruturais de outros materiais, mas por outro lado a madeira é associada ao quesito de leveza devido a sua versatilidade e também de trabalhar a concepção de projetos com elementos bidimensionais e lineares.

8

9

10 : As pranchas de madeira serrada foram as primeiras a serem utilizadas como material para a construção de pontes, sua espessura varia entre 6 cm e 16 cm e sua largura varia também entre 25 cm a 30 cm, onde são dispostas na direção transversal e fixadas diretamente nas vigas principais com pregos de grandes dimensões.

11 São tabuleiros de MLC constituídos de painéis com dimensões que variam entre 10 cm a 20 cm a espessura e de 100 cm a 150 cm a largura, no qual sua direção pode ser na transversal como na longitudinal apoiados sobre vigas de MLC ou vigas metálicas.

12

13  Uma etapa muito importante que não deve ser esquecida ou de ser realizada é a fundação para garantir, em serviço, as condições mínimas de segurança, funcionalidade e durabilidade da estrutura da ponte. Para que a ponte de madeira seja firma e segura deve se ter uma fundação apropriada conforme a geologia do solo e geografia do local em que será construída a ponte.

14  - Classificação Visual;  - Maquina de Classificação de Tensões;  - Classificação de Cargas;  - Vibração transversal;  - Ondas de Tensão;

15  Utilizaremos como exemplo vigas simples de peças roliças.

16 Nas pontes de madeira em vigas roliças, o rodeiro indica o local correto por onde o veículo deve transitar. Esta é a posição mais crítica para as longarinas, que devem suportar os esforços provocados pela totalidade de uma linha de rodas do veículo-tipo. FIGURA: Posicionamento transversal do veículo- tipo fora do rodeiro.

17 Para o dimensionamento das longarinas deve-se calcular o momento fletor máximo, a cortante máxima e a flecha máxima devido à carga permanente e à acidental. A figura ilustra o posicionamento do veículo-tipo para o cálculo do momento fletor e flecha. FIGURA: Posicionamento do veículo-tipo para momento fletor e flecha.

18


Carregar ppt "Alunos: Ana Carolina Schau Bruno da Silva Diógenes Passos Hemyson Castro Patrick Olbera Monteiro Jefferson Rocha Pires."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google