A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Jardel Oliveira – Henrique Cavalcanti Verônica Castelo Branco Jorge Soares AVALIAÇÃO DO PROCEDIMENTO DE DOSAGEM DE MISTURAS ASFÁLTICAS.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Jardel Oliveira – Henrique Cavalcanti Verônica Castelo Branco Jorge Soares AVALIAÇÃO DO PROCEDIMENTO DE DOSAGEM DE MISTURAS ASFÁLTICAS."— Transcrição da apresentação:

1 Jardel Oliveira – Henrique Cavalcanti Verônica Castelo Branco Jorge Soares AVALIAÇÃO DO PROCEDIMENTO DE DOSAGEM DE MISTURAS ASFÁLTICAS RECICLADAS MORNAS (MARM) COM DIFERENTES PERCENTUAIS DE FRESADO

2 Sumário Motivacão Materiais e Métodos Resultados e Discussões Conclusões

3 Motivação ↑ Consumo de Matérias Primas e Recursos Naturais Pavimentação → danos ao meio ambiente ↑ Passivo ambiental Fresagem Vapores nocivos (poluição), ↑ Gasto energético Misturas a Quente Sociedade Atual ↑ Consumo Produtos Serviços Recursos naturais ↓ Matérias primas Meio ambiente Sustentabilidade Novas matérias primas Produção eficientes

4 Sumário Motivacão Materiais e Métodos Resultados e Discussões Conclusões

5 Materiais e Métodos Ligante: CAP 50/70 com PG fornecido pela Lubnor/Petrobras. Aditivo surfactante de Mistura Asfáltica Morna (MAM) (GEMUL XT-14®). 0,3% referentes à massa de CAP 150 º C, 1500rpm e 20 minutos Agregados graúdos: britas de 1/2" e 3/8” (fonolito). Agregados miúdos: pó de pedra (gnaisse) e areia de campo. Material fresado Brita 1/2" Brita 3/8" Pó de pedra Areia Depósito de fresado Material fresado PAD Material fresado e PAD britados Britador

6 Materiais e Métodos Caracterização dos agregados e do material fresado CAP virgem e CAP + aditivo de MAM Convencional + PG e viscosidade Brookfield Misturas Asfálticas (metodologia de dosagem Superpave) CA (concreto asfáltico convencional) MAM Mistura Asfáltica Reciclada Quente (MARQ) MARM

7 Materiais e Métodos Dosagens 01 mistura referência 03 MAMs (↓ Temperatura: -20 º C, -30 º C e -40 º C) 03 MARQs (15, 35 e 50% de fresado) 03 MARMs (15, 35 e 50% de fresado e -40 º C) 10 Misturas Asfálticas

8 Sumário Motivacão Materiais e Métodos Resultados e Discussões Conclusões

9 Resultados e Discussões Amostras de CAP – penetração e ponto de amolecimento

10 Resultados e Discussões Amostras de CAP – viscosidade rotacional Curvas sobrepostas

11 Agregados e fresado Resultados e Discussões

12 Fresado ( % CAP do fresado = 5,9% )

13 Resultados e Discussões Mistura asfáltica referência e MAMs

14 Resultados e Discussões MARQs e MARMs MARM, Misturas II e III MARM, Mistura IV e V MARM, Mistura VI e VII

15 Sumário Motivacão Materiais e Métodos Resultados e Discussões Conclusões

16 O aditivo para MAM não alterou a viscosidade do CAP nas amostras antes do RTFOT. Porém, as amostras após o RTFOT não se comportaram da mesma forma, as amostras com Gemul XT-14 apresentaram maior viscosidade; MAMs e MARMs (misturas com Gemul XT-14) após o RTFOT: ↑ rigidezes, ou seja, ↑ resistência à deformação; MAMs com -20, -30 e -40 º C → parâmetros volumétricos aceitáveis (Vv e RBV). Com isso optou pela maior diminuição de temperatura testada (-40ºC);

17 Conclusões As MARQs e MARMs apresentaram valores inferiores aos apontados pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) do Brasil para o RBV (DNIT permite RBV elevado, pode favorecer a processos de exsudação e deformação permanente).

18 Construção dos Trechos Experimentais

19 Agradecimentos Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Transportes


Carregar ppt "Jardel Oliveira – Henrique Cavalcanti Verônica Castelo Branco Jorge Soares AVALIAÇÃO DO PROCEDIMENTO DE DOSAGEM DE MISTURAS ASFÁLTICAS."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google