A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

“ Kosi ewe, kosi Orisa”,. UMBANDA É CULTURA ASSOCIAÇÃO AFRO CULTURAL BRASILEIRA PRETO JOÃO DE ANGOLA.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "“ Kosi ewe, kosi Orisa”,. UMBANDA É CULTURA ASSOCIAÇÃO AFRO CULTURAL BRASILEIRA PRETO JOÃO DE ANGOLA."— Transcrição da apresentação:

1 “ Kosi ewe, kosi Orisa”,

2 UMBANDA É CULTURA ASSOCIAÇÃO AFRO CULTURAL BRASILEIRA PRETO JOÃO DE ANGOLA

3

4 EWÊ Ô

5 As folhas, as ervas, as plantas, tem o poder de curar ou matar, fica a critério de cada um, apoiado na Lei do “Livre Arbítrio” e a consciência apoiada na “Lei do Retorno”. Aqueles que utilizam as faculdades botânicas e mágicas para fazer o mal,sem duvida alguma terão que defrontar com as conseqüências de seus atos...

6 ROTEIRO Considerações iniciais. A origem, evolução e importância das plantas. Historia e utilização das plantas e ervas. Propriedades e usos. A importância da água na Umbanda. As Ervas sagradas na Umbanda. Orixás e suas ervas. Ervas especificas para o desenvolvimento mediúnico. Considerações finais

7 CONSIDERAÇÕES INICIAIS

8 De acordo com as teorias cientificas, a Terra teria o inicio de sua formação há aproximadamente 4.6 bilhões de anos. E a vida começou pouco mais de 3,5 bilhões de anos.

9 No começo era tudo rocha derretida que aos poucos foi se solidificando, formando a crosta terrestre.

10 A atmosfera era tóxica devido inúmeras erupções vulcânicas. As chuvas duraram milhões de anos e as partes emersas, mais altas, formaram os continentes

11 As primeiras formas de vida foram organismos unicelulares que continham DNA, a molécula fundamental para a vida

12 ORIGEM E EVOLUÇÃO DAS PLANTAS Os primeiros seres vivos da Terra surgiram no oceano. Com o passar do tempo, apareceram espécies animais que se adaptaram à vida em outros meios, como a terra e o ar. As plantas seguiram um caminho semelhante. As primeiras formas de vida vegetal, as algas, também vieram da água. Depois destas surgiram vegetais como os musgos e as samambaias e com o passar do tempo, vieram plantas maiores, com flores e frutos.

13

14

15 A IMPORTANCIA DAS PLANTAS As plantas são extremamente importantes para a manutenção da vida na Terra. Dependemos delas, que formam a base da cadeia alimentar dos seres vivos. Além disso, muitas plantas liberam oxigênio no ambiente a partir da energia do Sol – a fotossíntese. Sem oxigênio, a grande maioria dos organismos simplesmente não existiria. Somente as algas marinhas são responsáveis pela fabricação de um terço de toda a matéria orgânica produzida no planeta e respondem por 90 por cento de toda a fotossíntese!

16

17 Com o tempo, o homem aprendeu a utilizar as plantas em seu benefício. Os vegetais têm diversas aplicações no dia a dia. A medicina, por exemplo, faz uso de plantas para extrair substâncias e produzir medicamentos. Antiinflamatórios, analgésicos, digestivos, calmantes são feitos a partir de essências, extratos e outros componentes desses vegetais. O setor de cosméticos usa essas mesmas substâncias em diversos produtos, como perfumes e xampus. Borracha, carvão e madeira para construções também são extraídos das plantas.

18 UM POUCO DE HISTORIA Muito antes de surgir a escrita, o homem já usava ervas para fins alimentares e medicinais. Na busca por alimentação ou para a cura de seus males sentiu o sucesso e o fracasso. Em suas experiências descobriu as qualidades de cada uma: alimento, medicamento, veneno, alucinógeno e outras.

19 Os documentos médicos mais antigos datam de AC, da China. Nele era dito que para cada enfermidade havia uma planta que seria um remédio natural. Os egípcios, que deixaram papiros preciosos. Um dos mais famosos é de AC. Os sumérios possuíam receitas tão preciosas, que somente os sábios sacerdotes e feiticeiros as conheciam. Na Índia as primeiras referências se encontram nos Vedas, escrita por volta de AC.

20 Na Grécia temos Teofrasto, considerado "Pai da Botânica", discípulo de Aristóteles e Platão. Claudius Galeno que viveu entre os anos 130 e 200 dC e é considerado o “Pai da Fisiologia”.

21 No Brasil os primeiros a utilizar a medicina das ervas, foram os bandeirantes, usando os conhecimentos adquiridos nas Indias Orientais e, mais tarde, os escravos, que se adentravam na floresta à procura de substitutivos para a sua culinária e medicina tradicional.

22 Mas quem realmente conhecia o poder e a utilização das ervas eram nossos ancestrais indígenas.

23 Muitos escritos sobre as ervas indígenas existem perdidos em arquivos e bibliotecas, mas são mais consultadas como meras curiosidades, do que como fontes de consultas para trabalhos científicos.

24 UTILIZAÇÃO DAS PLANTAS E ERVAS Folhas e Ervas são a base de praticamente tudo que nos cerca, seu uso é primordial, pois nada acontece sem folhas. Utiliza-se litúrgica e ritualisticamente, para banhos de descarga e proteção, sacudimentos, descarregos, imantações, etc. Na Umbanda é o sangue vegetal, que na forma de banhos, nos purifica e consagra, espantando os males físicos e espirituais.

25 “Kosi ewe, kosi Orisa” “Sem folha não há Orixá", (provérbio nagô)que pode ser traduzido por "não se pode cultuar Orixás sem usar as folhas", definindo bem o papel das plantas nos ritos. Sem Erva não tem Axé. Esta é a regra número 1 nos cultos de origem afro. O termo folha (ewe) tem aqui um duplo sentido: o literal, que se refere àquela parte dos vegetais que todos nós conhecemos, e o figurado, que se refere aos mistérios e encantamentos mais íntimos dos Orixás.

26 O CULTO AOS ORIXÁS SE ERGUE A PARTIR DE TRÊS “EWES”: O CONHECIMENTO, O TRABALHO E O PRAZER

27 EWE DO CONHECIMENTO É aquele que manipula os vegetais, conhece suas propriedades e as reações que produzem quando se juntam. É também aquele que conhece os encantamentos, sem os quais as energias, para além da química, não se desprendem dos vegetais.

28 EWE DO TRABALHO É aquele que, na disciplina e aparente banalidade do cotidiano do terreiro, vai “catando as folhas” lançadas aqui e ali. Pela sensibilidade e observação silenciosa e humilde, com as quais vai construindo seu próprio conhecimento, pois sem o mínimo de “folhas” necessárias, não se caminha sozinho. Somente se dá “folha” a quem é digno e sabe guardar, a quem trabalha, a quem é presente. Só cata “folha” quem tem a sagacidade de entender a linguagem dos olhares.

29 EWE DO PRAZER É aquele que produz boa comida, boa conversa, boa musica, e boa dança, todas quatro povoadas de folhas e “folhas” para quem tem olhos de ver. O Orixá só vive se for alimentado, só agradece pela comunhão, só se mostra pela dança, só se apresenta pela alegria da musica e só fala por EWE. Sem ewe não se entende os Orixás.

30 NÃO EXISTE ORIXÁ SEM FORÇA DA NATUREZA

31 Para os médiuns, banhos de ervas são fundamentais. Eles servem principalmente para limpar as energias negativas que estão impregnadas no corpo áurico, expelindo influências de espíritos negativos. BANHOS DE ERVAS

32 Reequilibram e aumentam a capacidade mediúnica facilitando a incorporação e desobstruem os chacras ajudando a equilibrar o corpo físico e emocional.

33 Certamente que o melhor banho é aquele que o Guia ou o Pai/Mãe Espiritual aconselha ou orienta, afinal, é muito importante ir de acordo com as suas orientações. Vale a pena unir a energia do dia da semana e do Orixá com as ervas, ou seja, aproveitar, por exemplo, terça-feira – dia da semana que é relacionado a Ogum - para tomar banho com ervas de Ogum. Um AXÉ todo especial no banho que se potencializa com nossa louvação e fé.

34 Os banhos devem sempre ser feitos com o uso do bom senso, e quando não se tem certeza o bom senso é não fazer. E de preferência ser indicado por um Guia. Sabendo de tudo isso, estaremos mais qualificados para preparar nossos banhos.

35 DEFUMAÇÃO Defumar significa queimar, sobre brasas, ervas, resinas e raízes aromáticas para perfumar ambientes, e para espantar malefícios e atrair boa sorte. Utilizamos os princípios ativos das plantas e de suas correlações energéticas para transformar padrões e registros densos em sutis, alterando toda a vibração do ar e da energia do ambiente.

36 Esse conhecimento é muito antigo e até hoje é utilizado por quase todas as religiões. Na Grécia Antiga, os sacerdotes tinham predileção pelas folhas de louro e no Antigo Egito pela Artemísia, entre outras. As ervas utilizadas ordenam as novas energias.

37 SACUDIMENTOS E DESCARREGOS O sacudimento e o descarrego são formas profundas e eficazes de limpeza espiritual, ao mesmo tempo, uma reorganização energética. Pode ser feito em pessoas ou ambientes e são usados inúmeros materiais além das plantas, frutas e ervas. São feitos em pessoas carregadas ou desenergizadas, sofrendo de males físicos ou espirituais

38 Os elementos são passados pelo corpo da pessoa para que haja uma transferência dessa energia da aura do corpo para os elementos. A melhora é significativa em todos os sentidos, nos libertando das energias de eguns, maldições, feitiços, pragas, inveja, etc...

39 As ervas também são usadas na forma de ramas e galhos que são “batidos” nas pessoas, residências e até mesmo objetos, com o objetivo de desprender as cargas negativas. Quando feito numa residência deve ser feito batendo as folhas nos cantos opostos de cada cômodo, fazendo um “X” no cômodo. Começa-se do cômodo mais interno para o mais externo do imóvel.

40 Quando feito em uma pessoa ou objeto, faz-se em cruz na ordem: frente, costas, lado direito e lado esquerdo. As folhas depois de usadas devem ser partidas e despachadas junto a algum lugar de vibração da natureza, de preferência direto sobre o solo.

41 As ervas estão presentes em todas as religiões, dentro de todos os rituais religiosos, desde sempre. A Umbanda é a religião da natureza. As ervas são organismos vivos. Há uma vida espiritual contida em cada erva. Esse espírito vivo possui características energéticas definidas pela vibração passada aos organismos à sua volta. Essa vibração magnética é polarizada, ou seja, pode ser positiva ou negativa. Então, uma erva é atribuída a um Orixá por analogia vibratória. Energia que está presente na vibração do Orixá com a energia que está presente na vibração da erva.

42 Para o uso correto de uma erva, é necessário saber: o nome da erva e o verbo atuante. **Verbo é o poder realizador divino, é o poder de transformação, consequentemente é magia. O que movimenta ou ativa o poder realizador é o propósito, a intenção. Uma mesma erva pode proporcionar mais de um poder realizador. Como exemplo a hortelã, que é antigripal, vermífugo, estimulante, refrescante, etc. Uma mesma erva pode ser atribuída a vários Orixás. Não pela sua cor, seu formato ou seu visual, e sim pela vibração. Afinal, os Orixás estão ligados entre si.

43 Ervas frescas ou secas Pode-se usar ervas frescas ou seca. A erva fresca carrega em si a imanescência divina, o fator vegetal e o fator aquático. A erva seca carrega todos os fatores anteriores e mais ainda o fator concentrador, pois sofre o processo de desidratação.

44 QUAL A MELHOR A melhor é aquela indicada pelo seu Guia ou protetor, Pai/Mãe Espiritual, de acordo com a necessidade. Também sempre lembrar que a lua influencia na quantidade de água na planta. Em luas cheia e crescente, haverá mais água nas folhas, e em luas nova e minguante, nas raízes.

45 As Ervas estão divididas em três categorias: Ervas Quentes ou Agressivas. Ervas Mornas ou Equilibradoras. Ervas Frias.

46 Ervas Quentes São usadas para limpezas pesadas, são ácidos astrais, são diluidoras de miasmas, larvas negativas. Onde encostam causam reação não só nos fatores negativos, mas também causam uma exaustão de energia vital de quem os usa. Por isso o dogma de não usá-las na cabeça. Os banhos com estas ervas somente devem ser feitos com a indicação da entidade que estiver atendendo o consulente. A arruda, comigo ninguém pode, guiné, palha do alho, eucalipto, pinhão roxo, cacto, urtiga.. são ervas quentes. Se usadas demais perfuram o corpo astral.

47 As ervas quentes ou agressivas, carregam o poder de agredir estruturas energéticas negativas. São muito usadas pelos Exus, pelo campo de ação deles, pois atuam na natureza humana, nas linhas de choque (demandas, magias negativas, projeções mentais, etc.). Seus verbos mais utilizados são: limpar, consumir, purificar, dissolver, descarregar.

48 Apesar de não ser erva, o SAL (grosso) possui uma energia com capacidade alta de penetração e dissolução, e assim é colocado em uma situação semelhante à esse grupo.

49 O sal é um composto produzido através da reagregação dos elementos sólidos da água do mar pela ação do calor que faz evaporar apenas a parte líquida (água) que compõe as também compostas gotículas de água do mar. O sal grosso possui em si, TODOS OS ELEMENTOS DA ÁGUA DO MAR (iodo e outros sais diversos, assim como, MATÉRIA ORGÂNICA da mesma natureza que encontramos no mar).

50 O sal grosso é uma espécie de “SOLIDIFICAÇÃO DA ÁGUA DO MAR” sendo usado, inclusive, por outras tradições em banhos de imersão para reequilíbrio do sistema nervoso. É uma substância que desagrega as energias deletérias e arrasta para o chão, assim como também nos livra de ELETRICIDADE ESTÁTICA a partir do momento em que nos coloca “em curto” com a terra durante os banhos que são altamente condutores. E o excesso de eletricidade estática também é altamente nocivo ao nosso organismo e sistema nervoso.

51 Ervas Mornas Trabalham em vários campos de ação e são independentes. São aquelas limpezas do dia a dia. Estas ervas reconstroem o campo astral, curando as feridas, as chagas abertas pelas ervas quentes. Quando misturadas com ervas quentes elas equilibram o banho (banho de defesa). A sálvia, alfazema, alecrim, manjericão, hortelã, pitanga, Espada de São Jorge (também é considerada quente).

52 Carregam o poder de equilibrar. Tornar magneticamente receptivo e adequar o padrão energético. Reconstitui a aura, que pode ter sido ``esburacada´´ por cargas negativas. Seus verbos mais utilizados são: equilibrar, manter, adequar, fluir, restaurar, energizar.

53 Ervas frias São aquelas usadas em casos específicos, energéticos, calmantes. Também são ervas atratoras, geralmente ervas femininas. Malva melhora o astral, Artemísia a auto-estima, patcholi erva muito ligada ao campo do desejo, limpa as energias sexuais densas.

54 Uma erva pode ser ao mesmo tempo quente, morna e fria, pois carrega mais de um fator realizador. Os padrões energéticos se complementam nunca se anulam. Então, por exemplo, pode-se associar o uso de todas elas na preparação de um banho. Neste caso, voltamos a frisar a palavra mágica é intenção. Sempre colocar intenção no uso de uma erva. E esperar o merecimento... Quando é falado em ervas, subentende-se toda a planta: raiz, caule, folhas, frutos e sementes. Existem também as resinas, que são a seiva vegetal endurecida extraída da casca das árvores, muito usadas em defumações.

55 O que pode sim, causar incômodos, seja com o sal marinho, seja com qualquer erva que não esteja estritamente compatível com a energia padrão da pessoa, é o fato de os usarmos, teoricamente como elementos de descarrego e acabarmos por deixá-los em contato com a pele mais que o necessário. Quanto mais tempo esses elementos de descarga permanecerem em contato, mais as suas próprias vibrações energéticas tendem a se agregar à pele e também à Aura, com suas possíveis conseqüências, e principalmente, se houve uma descarga anterior, pode muito bem o corpo e/ou a Aura estar carente de energias, fato que os faria absorver a energia mais próxima.

56 As ervas devem ser usadas de três formas diferentes: Para efeito medicinal Para efeito litúrgico Para efeito ritualístico

57 EFEITO MEDICINAL As ervas podem ser usadas: Como tratamento preventivo. Como tratamento normal da doença. Como alivio rápido e definitivo da referida doença.

58 EFEITO LITURGICO As ervas podem ser usadas: Como imã, para atrair as vibrações do Orixá desejado. Como neutralizante entre duas forças ou Orixás. Como ação repulsiva ao Orixá não desejado.

59 EFEITO RITUALISTICO As ervas podem ser usadas: Como afirmação ou concordância de efeito litúrgico. Como equilíbrio entre as forças vibratórias implantadas durante a ação litúrgica. Como discordância com as forças imantadas. Entende-se por força imantada, toda a vibração atuante no Ser, mesmo que seja à revelia do mesmo.

60 A IMPORTANCIA DA AGUA NA UMBANDA A agua é um dos elementos naturais mais receptivos com uma energia altamente atratora e condutora. É utilizada nas quartinhas, nos copos de firmeza dos Anjos de Guarda, no batismo, em muitos rituais da Umbanda e principalmente pelos Guias Espirituais nos momentos onde há a necessidade de realizar grande limpeza, purificação e energização de nosso corpo astral e de nossa casa, afinal existem cargas e energias maléficas que somente esse elemento natural é capaz de desfazer, limpar e equilibrar.

61 O Espírito Lísias explica para André Luiz, que “… a água é veículo dos mais poderosos para os fluidos de qualquer natureza. Aqui (em Nosso Lar), ela é empregada sobretudo como alimento e remédio”. Para o Espírito Bezerra de Menezes, “A água, em face da sua constituição molecular, é elemento que absorve e conduz a bioenergia que lhe é ministrada. Quando magnetizada e ingerida, produz efeitos orgânicos compatíveis com o fluido de que se faz portadora”.

62 ÁGUA DO MAR Ótima para descarrego e para energização, batida contra as rochas e as areias da praia, vibra energia, por isso não se deve apanhar água do mar quando esta sem ondas. A Energia salina do mar queima as larvas e miasmas astrais, principalmente sob a vibração de Yemanjá. Podemos ir molhando os chacras à medida que adentramos ao mar, e pedindo licença. No final podemos dar um bom mergulho de cabeça, imaginando que estamos deixando as impurezas espirituais e recarregando os Corpos de sutis energias.

63 ÁGUA DE CACHOEIRA Com a mesma função do banho de mar, só que executado em águas doces. A queda d’agua provoca um excelente “choque” em nosso corpo, restituindo as energias, ao mesmo tempo em que limpamos toda a nossa alma. É batida nas pedras, nas quais vibra, crepita e livra-se de todas as impurezas. Além disso, é nas águas das cachoeiras que conseguimos retirar qualquer impregnação de sangue projetada em nosso corpo etéreo. Ideal se tomado em cachoeiras localizadas próximas de matas e sob o sol.

64 Tem também grande propriedade curadora e equilibradora. Se o rio tiver pouco movimento, quase parado, assim como a lagoa ou mangue, essa agua tem uma energia decantadora e curadora. Se o rio for bem movimentado com corredeiras, a energia da água é energética, equilibradora e reparadora. ÁGUA DE RIOS E LAGOAS

65 ÁGUA MINERAL Água da pureza, do equilibrio, da harmonização e da paz. Envolve nossos chacras desobstruindo-os e equilibrando-os.

66 ÁGUA DE POÇO É excelente nos casos de doenças, tanto no corpo fisico como no corpo astral, pois tem uma grande energia transmutadora. Essa agua está em contato com a terra qu é o agente mais poderoso de regeneração fisica absorvendo a energia ruim da area afetada colocando em seu lugar energia boa. A cura se processa graças a uma troca de energia devido a interação entre os componentes físico, químico e energético que a terra oferece.

67 ÁGUA DE CHUVA Altamente energética e purificadora. É a água que entrou em estado de vaporização e absorvendo toda a energia do ar, e quando novamente entra em estado liquido cai do céu sobre a terra. Por isso é utilizada justamente nos momentos em que precisamos de mudança. A água da chuva, quando cai é benéfica e pura, porém, depois de cais no chão, torna-se pesada, pois atrai as vibrações negativas do local, sendo ótiam para descarrego e limpeza de ambientes. É ela que limpa as ruas e as encruzas carregando todas as vibrações dos trabalhos arriados nesses locais

68

69 OBRIGADO


Carregar ppt "“ Kosi ewe, kosi Orisa”,. UMBANDA É CULTURA ASSOCIAÇÃO AFRO CULTURAL BRASILEIRA PRETO JOÃO DE ANGOLA."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google