A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Incômodos e desafios de se discutir a homofobia na escola Anna Uziel (UERJ)

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Incômodos e desafios de se discutir a homofobia na escola Anna Uziel (UERJ)"— Transcrição da apresentação:

1 Incômodos e desafios de se discutir a homofobia na escola Anna Uziel (UERJ)

2 Pedido: Homofobia e educação sexual nas escolas Pedido: Homofobia e educação sexual nas escolas Incômodos e Desafios para mim: há que se partir para criminalização? O que eu tenho a dizer sobre este tema? Incômodos e Desafios para mim: há que se partir para criminalização? O que eu tenho a dizer sobre este tema? De onde partir? A sexualidade e o gênero atravessam a escola (as filas, os banheiros), por isso não podem ficar restritos à educação sexual como tradicionalmente a pensamos De onde partir? A sexualidade e o gênero atravessam a escola (as filas, os banheiros), por isso não podem ficar restritos à educação sexual como tradicionalmente a pensamos

3 Definição de homofobia neologismo cunhado pelo psicólogo clínico George Weinberg (1972), neologismo cunhado pelo psicólogo clínico George Weinberg (1972), agrupa dois radicais gregos que significam semelhante e medo. (1) agrupa dois radicais gregos que significam semelhante e medo. (1) E até hoje remete a um conjunto de emoções negativas

4 Eixos para se pensar nos incômodos e desafios 1- sobre a polêmica em torno do kit O Projeto Escola Sem Homofobia, apoiado pelo Ministério da Educação/Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade (MEC/SECAD), tem como objetivo “contribuir para a implementação do Programa Brasil sem Homofobia pelo Ministério da Educação, através de ações que promovam ambientes políticos e sociais favoráveis à garantia dos direitos humanos e da respeitabilidade das orientações sexuais e identidade de gênero no âmbito escolar brasileiro”. (2) O Projeto Escola Sem Homofobia, apoiado pelo Ministério da Educação/Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade (MEC/SECAD), tem como objetivo “contribuir para a implementação do Programa Brasil sem Homofobia pelo Ministério da Educação, através de ações que promovam ambientes políticos e sociais favoráveis à garantia dos direitos humanos e da respeitabilidade das orientações sexuais e identidade de gênero no âmbito escolar brasileiro”. (2) Destinado a professores para ser utilizado com alunos do ensino médio. Destinado a professores para ser utilizado com alunos do ensino médio.

5 1- sobre a polêmica em torno do kit “Presidenta, convenhamos, a senhora sabe que o kit anti-homofobia é um material educativo, que não tem por finalidade induzir jovens a se tornarem homossexuais, até mesmo porque isso é impossível, como sabemos. Não se induz ninguém a sentir amor ou desejo por outrem. Mas respeito, sim. E ódio também, senhora Presidenta... ódio é possível ensinar!” – Católicas pelo Direito de Decidir (3) “Presidenta, convenhamos, a senhora sabe que o kit anti-homofobia é um material educativo, que não tem por finalidade induzir jovens a se tornarem homossexuais, até mesmo porque isso é impossível, como sabemos. Não se induz ninguém a sentir amor ou desejo por outrem. Mas respeito, sim. E ódio também, senhora Presidenta... ódio é possível ensinar!” – Católicas pelo Direito de Decidir (3) O que sustenta essa polêmica? pânico moral?

6 2- Pânico moral Miskolci – “Assim, [Stanley] Cohen criou o conceito de pânico moral para caracterizar a forma como a mídia, a opinião pública e os agentes de controle social reagem a determinados rompimentos de padrões normativos. Em seus próprios termos, quando emerge um pânico moral: Miskolci – “Assim, [Stanley] Cohen criou o conceito de pânico moral para caracterizar a forma como a mídia, a opinião pública e os agentes de controle social reagem a determinados rompimentos de padrões normativos. Em seus próprios termos, quando emerge um pânico moral: Uma condição, um episódio, uma pessoa ou um grupo de pessoas passa a ser definido como um perigo para valores e interesses societários; sua natureza é apresentada de uma forma estilizada e estereotipada pela mídia de massa; as barricadas morais são preenchidas por editores, bispos, políticos e outras pessoas com pensamento de direita; especialistas socialmente aceitos pronunciam seus diagnósticos e soluções; recorre-se a formas de enfrentamento ou desenvolvem-nas. Então a condição desaparece, submerge ou deteriora e se torna mais visível. Algumas vezes, o objeto do pânico é absolutamente novo e outras vezes é algo que existia há muito tempo, mas repentinamente ganha notoriedade” (4) Uma condição, um episódio, uma pessoa ou um grupo de pessoas passa a ser definido como um perigo para valores e interesses societários; sua natureza é apresentada de uma forma estilizada e estereotipada pela mídia de massa; as barricadas morais são preenchidas por editores, bispos, políticos e outras pessoas com pensamento de direita; especialistas socialmente aceitos pronunciam seus diagnósticos e soluções; recorre-se a formas de enfrentamento ou desenvolvem-nas. Então a condição desaparece, submerge ou deteriora e se torna mais visível. Algumas vezes, o objeto do pânico é absolutamente novo e outras vezes é algo que existia há muito tempo, mas repentinamente ganha notoriedade” (4)

7 3- dados de pesquisas 3.1 Perseu Abramo Índice de homofobia construído a partir de 14 perguntas (que tipo de pessoa não gosta de encontrar; o q sente quando vê: repulsa, antipatia, indiferença, alegria; o que sentiria no trabalho, um médico, amigos): 75% não homofóbico e 6% fortemente Índice de homofobia construído a partir de 14 perguntas (que tipo de pessoa não gosta de encontrar; o q sente quando vê: repulsa, antipatia, indiferença, alegria; o que sentiria no trabalho, um médico, amigos): 75% não homofóbico e 6% fortemente Preconceito assumido X preconceito manifesto (promiscuidade, doença, ter filhos): existe preconceito – 92%; se acha preconceituoso – 25% Preconceito assumido X preconceito manifesto (promiscuidade, doença, ter filhos): existe preconceito – 92%; se acha preconceituoso – 25% Os mais discriminados: travestis Os mais discriminados: travestis Situação da população LGBT hoje no Brasil: LG 88% outros 59% diz estar melhor Situação da população LGBT hoje no Brasil: LG 88% outros 59% diz estar melhor 70% dos entrevistados acredita q é um problema das pessoas, apenas 24% acredita q o Estado deve combater o preconceito 70% dos entrevistados acredita q é um problema das pessoas, apenas 24% acredita q o Estado deve combater o preconceito

8

9

10

11

12 3.2 UERJ 60.4% dos entrevistados acham que a homossexualidade é uma opção 60.4% dos entrevistados acham que a homossexualidade é uma opção 34.8% acreditam ser ela de caráter inato. 34.8% acreditam ser ela de caráter inato. Este último dado vai de encontro com a pesquisa da Perseu Abramo, na qual 37% dos participantes “concordavam totalmente” com a sentença: “ser homossexual não é uma escolha, mas uma tendência ou destino que já nasce com a pessoa”. Este último dado vai de encontro com a pesquisa da Perseu Abramo, na qual 37% dos participantes “concordavam totalmente” com a sentença: “ser homossexual não é uma escolha, mas uma tendência ou destino que já nasce com a pessoa”.

13 3.2 UERJ Direito a união estável - gays casamento - gays Direito a união estável - gays casamento - gays

14 3.2 UERJ Beijo entre casais gays casais de lésbicas Beijo entre casais gays casais de lésbicas

15 3.2 UERJ Direito à adoção gays lésbicas Direito à adoção gays lésbicas

16 3.3 IBOPE 55% dos brasileiros são contrários à decisão do STF (52% das mulheres e 37% dos homens); (45% até um SM, 55% com mais de 10SM); (50% dos católicos e 23% dos evangélicos) 55% dos brasileiros são contrários à decisão do STF (52% das mulheres e 37% dos homens); (45% até um SM, 55% com mais de 10SM); (50% dos católicos e 23% dos evangélicos) Adoção de crianças: 60% da faixa entre 16 e 24 anos e 30% entre os mais de 50 anos; escolaridade: 33% ensino fundamental e 58% superior; religião: 49% dos católicos e 28% dos evangélicos Adoção de crianças: 60% da faixa entre 16 e 24 anos e 30% entre os mais de 50 anos; escolaridade: 33% ensino fundamental e 58% superior; religião: 49% dos católicos e 28% dos evangélicos Professor de ensino fundamental homossexual: 61% totalmente a favor; 14% totalmente contra Professor de ensino fundamental homossexual: 61% totalmente a favor; 14% totalmente contra Família: o grande temor

17 4- Sexismo e Heteronormatividade: como pensar uma organização social fora disso? Suécia - Na pré-escola estadual “Egalia”, evita-se o uso de palavras como “ele” ou “ela”. Todos os seus 33 alunos se chamam apenas de “amigos”, não há divisão entre meninas e meninos, nem mesmo no banheiro. “O programa educacional foi cuidadosamente desenvolvido para certificar-se que as crianças não se enquadram em “estereótipos de gênero”. Suécia - Na pré-escola estadual “Egalia”, evita-se o uso de palavras como “ele” ou “ela”. Todos os seus 33 alunos se chamam apenas de “amigos”, não há divisão entre meninas e meninos, nem mesmo no banheiro. “O programa educacional foi cuidadosamente desenvolvido para certificar-se que as crianças não se enquadram em “estereótipos de gênero”. neutralidade em relação ao gênero: novo currículo nacional para as pré-escolas porque mesmo em um país de mentalidade igualitária, a sociedade dá uma vantagem injusta aos meninos. neutralidade em relação ao gênero: novo currículo nacional para as pré-escolas porque mesmo em um país de mentalidade igualitária, a sociedade dá uma vantagem injusta aos meninos. as crianças compreendam que suas diferenças biológicas “não significa que meninos e meninas tenham interesses e habilidades diferentes. Trata-se de democracia. as crianças compreendam que suas diferenças biológicas “não significa que meninos e meninas tenham interesses e habilidades diferentes. Trata-se de democracia.

18 4- Sexismo e Heteronormatividade: como pensar uma organização social fora disso? Família e parentalidade na escola: divórcio; famílias recompostas; reprodução assistida e produção independente; homoparentalidade Família e parentalidade na escola: divórcio; famílias recompostas; reprodução assistida e produção independente; homoparentalidade Não o fim da família, mas ampliação do leque de parentesco Não o fim da família, mas ampliação do leque de parentesco Adoção por casais de mesmo sexo Adoção por casais de mesmo sexo Chicão – legitimidade da escola na decisão Chicão – legitimidade da escola na decisão

19 5- Riscos: cristalizações e abandonos do teor político do conceito Bullying, homofobia – conceitos em si Bullying, homofobia – conceitos em si Disputas em torno do conceito; diversidade de situações Disputas em torno do conceito; diversidade de situações Mecanismos de defesa que judicializam. Como evitar essa perspectiva? Mecanismos de defesa que judicializam. Como evitar essa perspectiva?

20 6- Caminhos... Valeria Flores – combate micro político. “lesbofobia, transfobia y homofobia deben ser combatidas en el nivel de la capilaridad social que impregna todos los imaginários. (...)El trabajo pendiente es el que no se resuelve con una ley.” (5) Valeria Flores – combate micro político. “lesbofobia, transfobia y homofobia deben ser combatidas en el nivel de la capilaridad social que impregna todos los imaginários. (...)El trabajo pendiente es el que no se resuelve con una ley.” (5) Patagônia: a educação sexual é um campo de disputa que privilegia a discussão sobre como evitar a gravidez, o uso do preservativo, não se escuta as crianças para saber do que querem falar. Viés da diversidade: foco naquele que é diferente e não se questiona a lógica. Patagônia: a educação sexual é um campo de disputa que privilegia a discussão sobre como evitar a gravidez, o uso do preservativo, não se escuta as crianças para saber do que querem falar. Viés da diversidade: foco naquele que é diferente e não se questiona a lógica. Proposta: trabalhar sobre a heteronormatividade, não sobre a diversidade sexual. Proposta: trabalhar sobre a heteronormatividade, não sobre a diversidade sexual.

21 6- Caminhos... Queer – possibilidade de operação política para desmontar binômios em todos os âmbitos, forma de resistência à normalização. Queer – possibilidade de operação política para desmontar binômios em todos os âmbitos, forma de resistência à normalização. Promotoras legais populares (Themis) – ‘Promover a capacitação legal de mulheres líderes comunitárias em assuntos vinculados principalmente aos direitos humanos das mulheres e estrutura do Estado, visando o exercício da cidadania e a multiplicação de informações”. (6) Promotoras legais populares (Themis) – ‘Promover a capacitação legal de mulheres líderes comunitárias em assuntos vinculados principalmente aos direitos humanos das mulheres e estrutura do Estado, visando o exercício da cidadania e a multiplicação de informações”. (6)

22 6- Caminhos... Desafio: encontrar brechas para efetivação dos direitos humanos Desafio: encontrar brechas para efetivação dos direitos humanos Como escapar das identidades? Incluir o físico, o estável, o delimitado, é excluir o dinâmico. Falar em diversidade é também falar em descontinuidades, transgressões e subversões que o trinômio sexo-gênero-sexualidade produz (Rogerio Junqueira). Como escapar das identidades? Incluir o físico, o estável, o delimitado, é excluir o dinâmico. Falar em diversidade é também falar em descontinuidades, transgressões e subversões que o trinômio sexo-gênero-sexualidade produz (Rogerio Junqueira).

23 6- Caminhos... O mundo dos afetos também deve ser democratizado (Junqueira sobre Renato Janine Ribeiro) – necessidade de passagem da democracia das instituições eleitorais para a vida cotidiana. Capilarização, como disse Valeria Flores? O mundo dos afetos também deve ser democratizado (Junqueira sobre Renato Janine Ribeiro) – necessidade de passagem da democracia das instituições eleitorais para a vida cotidiana. Capilarização, como disse Valeria Flores? Inspirado em Daniel Lins, Junqueira sugere que deixemos de “favorecer o discurso da intimação, da delação e do estigma, em favor da criação, da comunicação, do nomadismo, das trocas simbólicas”. Inspirado em Daniel Lins, Junqueira sugere que deixemos de “favorecer o discurso da intimação, da delação e do estigma, em favor da criação, da comunicação, do nomadismo, das trocas simbólicas”. E a escola me parece um local ideal para isso. Obrigada!

24 Notas e referências (1) JUNQUEIRA, Rogério, Homofobia: limites e possibilidades de um conceito em meio a disputas. (1) JUNQUEIRA, Rogério, Homofobia: limites e possibilidades de um conceito em meio a disputas. (2) ABGLT - (2) ABGLT - Nota Oficial sobre o Projeto Escola Sem Homofobia (3) Carta do Católicas pelo direito de decidir sobre a suspensão do kit contra homofobia (3) Carta do Católicas pelo direito de decidir sobre a suspensão do kit contra homofobia (4) MISKOLCI, Richard. Pânicos Morais e Controle Social – Reflexões sobre o Casamento Gay, p. 7, mimeo (4) MISKOLCI, Richard. Pânicos Morais e Controle Social – Reflexões sobre o Casamento Gay, p. 7, mimeo Gráficos disponíveis no site da Fundação Perseu Abramo Gráficos disponíveis no site da Fundação Perseu Abramo casamentogay.pdf – disponível no site do IBOPE: casamentogay.pdf – disponível no site do IBOPE: (5) entrevista no site do CLAM : (5) entrevista no site do CLAM : (6)http://www.themis.org.br/index.php?mod=programas&act=view&id= (6)http://www.themis.org.br/index.php?mod=programas&act=view&id=


Carregar ppt "Incômodos e desafios de se discutir a homofobia na escola Anna Uziel (UERJ)"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google