A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

" Aprender é a única coisa que a mente nunca se cansa, nunca tem medo e nunca se arrepende". (DA VINCI, Leonardo)

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "" Aprender é a única coisa que a mente nunca se cansa, nunca tem medo e nunca se arrepende". (DA VINCI, Leonardo)"— Transcrição da apresentação:

1 " Aprender é a única coisa que a mente nunca se cansa, nunca tem medo e nunca se arrepende". (DA VINCI, Leonardo)

2

3 PESQUISA EXPERIMENTAL É toda pesquisa que envolve algum tipo de experimento. Exemplo: Pinga-se uma gota de ácido numa placa de metal para observar o resultado.

4 PESQUISA EXPLORATÓRIA É toda pesquisa que busca constatar algo num organismo ou num fenômeno. Exemplo: Saber como os peixes respiram.

5 PESQUISA SOCIAL É toda pesquisa que busca respostas de um grupo social. Exemplo: Saber quais os hábitos alimentares de uma comunidade específica.

6 PESQUISA HISTÓRICA É toda pesquisa que estuda o passado. Exemplo: Saber de que forma se deu a Proclamação da República brasileira.

7 PESQUISA TEÓRICA É toda pesquisa que analisa uma determinada teoria. Exemplo: Saber o que é a Neutralidade Científica.

8 ESTRUTURA DO TRABALHO LONGO

9 PROJETO É uma das etapas componentes do processo de elaboração, execução e apresentação da pesquisa. Em uma pesquisa, nada se faz ao acaso, tudo deve ser previsto no projeto de pesquisa. Este deve responder às questões: o quê? por quê? para quê e para quem? onde? como, com quê, quanto e quando? quem? com quanto?

10 O QUE É UM PROJETO? A elaboração de qualquer projeto depende de dois fatores fundamentais: - A capacidade de construir uma imagem mental de uma situação futura; - A capacidade de conceber um plano de ação a ser executado em um tempo determinado que vai permitir sua realização.

11 FASES DO PROJETO DE PESQUISA 1 – Justificativa 2 – Objetivos Gerais 3 – Objetivos Específicos 4 – Formulação do Problema da Pesquisa 5 – Formulação da Hipótese da Pesquisa 6 – Metodologia da Pesquisa 7 – Referencial Teórico 8 – Cronograma de Atividades 9 – Referências Bibliográficas 11

12 JUSTIFICATIVA (POR QUÊ?) É o único item do projeto que apresenta respostas à questão por quê? De suma importância, geralmente é o elemento que contribui mais diretamente na aceitação da pesquisa, expondo as razões de maneira clara e convincente. A justificativa consiste em uma exposição sucinta, porém completa, das razões de ordem teórica e dos motivos de ordem prática que tornam importante a realização da pesquisa. 12

13 OBJETIVOS (PARA QUÊ?) Atenção! Os objetivos devem ser sempre expressos em verbos de ação. GERAL Mostrar uma visão global do assunto a ser pesquisado. ESPECÍFICOS Mostrar uma visão específica do assunto, ou seja, seu ponto central. 13

14 OBJETIVOS EXEMPLOS APLICÁVEIS A OBJETIVOS: a) Quando a pesquisa tem o objetivo de conhecer: Apontar, citar, classificar, conhecer, definir, descrever, identificar, reconhecer, relatar. b) Quando a pesquisa tem o objetivo de compreender: Compreender, concluir, deduzir, demonstrar, determinar, diferenciar, discutir, interpretar, localizar, reafirmar. c) Quando a pesquisa tem o objetivo de aplicar: Desenvolver, empregar, estruturar, operar, organizar, praticar, selecionar, traçar, otimizar, melhorar. 14

15 OBJETIVOS d) Quando a pesquisa tem o objetivo de analisar: Comparar, criticar, debater, diferenciar, discriminar, examinar, investigar, provar, ensaiar, medir, testar, monitorar, experimentar. e) quando a pesquisa tem o objetivo de sintetizar: Compor, construir, documentar, especificar, esquematizar, formular, produzir, propor, reunir, sintetizar. f) quando a pesquisa tem o objetivo de avaliar: Argumentar, avaliar, contrastar, decidir, escolher, estimar, julgar, medir, selecionar. 15

16 FORMULAÇÃO DO PROBLEMA DA PESQUISA A formulação do problema prende-se ao tema proposto: ela esclarece a dificuldade específica que se pretende resolver por intermédio da pesquisa. Para ser cientificamente válido, um problema deve passar pelo crivo das seguintes questões: O problema: - pode ser enunciado em forma de pergunta? - corresponde a interesses pessoais (capacidade), sociais e científicos? Esses interesses estão harmonizados? 16

17 FORMULAÇÃO DO PROBLEMA DA PESQUISA Formulação do problema: é necessário esclarecer a questão de pesquisa, definir o problema - o quê? como? viabilidade relevância observar novidade oportunidade deve ser interrogativa, clara, precisa e objetiva; possuir solução viável; expressar uma relação entre duas ou mais variáveis; ser fruto de revisão de literatura e reflexão pessoal. 17

18 FORMULAÇÃO DA HIPÓTESE DA PESQUISA É uma suposição que se faz na tentativa de explicar o problema; Como resposta e explicação provisória, relaciona duas ou mais variáveis do problema levantado; Deve ser testável e responder ao problema; Serve de guia na pesquisa para verificar sua validade. 18

19 METODOLOGIA DA PESQUISA Informa os meios empregados na coleta dos dados para posterior apresentação destes na pesquisa, ou seja, estabelece o procedimento do pesquisador para o levantamento de informações. 19

20 REFERENCIAL TEÓRICO Respondendo ainda à questão: como? Aparecem aqui os elementos de fundamentação teórica da pesquisa e, também, a definição dos conceitos empregados. Colocar no referencial teórico citações de autores que relatam sobre o assunto abordado na pesquisa. 20

21 CRONOGRAMA DE ATIVIDADES Todo trabalho científico pressupõe um planejamento, sendo que normalmente envolve recursos materiais, humanos e exige prazos estabelecidos, que devem ser cumpridos dentro de seu cronograma previsto. Exemplo: ATIVIDADES MESES jan/fev/ mar/abril maio/jun/jul/agoset/out/ nov/dez Levantamento bibliográfico X Seleção e leitura de textos X Resenhas e fechamentos X Elaboração de questionário XX Aplicação de questionário X Definição dos capítulos e início da redação da monografia X Revisão geral dos resultados e releitura dos capítulos XX Redação das considerações finais X Revisão final e ajustes X Entrega da monografia X 21

22 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Relacionar todas as fontes já consultadas para a elaboração do projeto, podendo ser: livros, revistas, jornais, boletins, ensaios, entrevistas, questionários e outros elementos. 22

23 OBSERVAÇÕES CADA FASE É COLOCADA EM UMA FOLHA SEPARADA, É ESCRITA EM LETRA MAIÚSCULA O NOME DE CADA FASE. O TIPO DE LETRA É ARIAL OU TIMES NEW ROMAN. O TAMANHO DA LETRA É 12 PARA A PARTE TEXTUAL E 14 PARA TÍTULOS. Espaçamento entrelinhas de 1,5 MARGENS: SUPERIOR E ESQUERDA – 3 CM INFERIOR E DIREITA – 2CM 23

24 ESTRUTURAELEMENTOOPÇAO PARTE EXTERNA PRÉ- TEXTUAIS CapaObrigatório LombadaOpcional PARTE INTERNAPRÉ- TEXTUAISFolha de rostoObrigatório ErrataOpcional Folha de aprovaçãoObrigatório Dedicatória(s)Opcional AgradecimentosOpcional EpígrafeOpcional Resumo na língua vernáculaObrigatório Resumo em língua estrangeiraObrigatório Lista de ilustraçõesOpcional Lista de tabelasOpcional Lista de abreviaturas e siglasOpcional Lista de símbolosOpcional SumárioObrigatório TEXTUAISIntroduçãoObrigatório DesenvolvimentoObrigatório ConclusãoObrigatório PÓS- TEXTUAISReferênciasObrigatório GlossárioOpcional Apêndice(s)Opcional Anexo(s)Opcional Índice(s)Opcional

25 A escrita do texto científico: como, quando e onde, fazer a citação? Noções Básicas das Normas Técnicas Brasileira para trabalhos acadêmicos FURASTÉ, Pedro Augusto. Normas Técnicas para o Trabalho Científico – Explicitação das Normas da ABNT. 15. ed. Porto Alegre: s.n., 2011.

26 FOLHAS e DIGITAÇÃO Papel Ofício A4 (29,7 cm x 21 cm) A4 (29,7 cm x 21 cm) Fonte Times New Roman Arial Tamanho 12 – texto 10- citações longas; notas de rodapé; Paginação;legendas Corpreta Espaçamento 1,5 cm 1,5 cm OBS A digitação - apenas 1 face Exceto folha de rosto – verso Ficha catalográfica

27 Margem – 3,0 cm Margem esquerda – 3,0 cm Margem direta – 2,0 cm Margem superior – 3,0 cm Margem inferior – 2,0 cm Alinhamento da margem: JUSTIFICADO e Espaços Margens e Espaços

28 TÍTULOS A ABNT não faz recomendação sobre distância da borda superior de títulos que não possuem indicativo numérico: -Errata -Agradecimentos -Lista de ilustrações -Lista de abreviaturas -Lista de siglas -Lista de símbolos - Sumário -Resumo -Introdução -Conclusão -Referências -Apêndice (s) -Anexo (s) - Glossário

29 APENAS DIZ QUE SE COLOQUE CADA UM DESSES TÍTULOS CENTRALIZADO EM NOVA PÁGINA. Os títulos que aparecem indicativos numéricos, devem ficar alinhados à esquerda, com numeral separado por apenas 1 espaço. Localizado 3cm da borda superior. Títulos secundários também alinhados à esquerda, na sequência do texto.

30 Todas as páginas do trabalho devem ser contadas. Inicia-se a contagem pela Folha de Rosto, porém a numeração só passa a ser colocada (escrita) a partir da 1ª página da parte textual. Nas páginas anteriores à Introdução, não aparecem os números. Essas páginas são apenas contadas. Todos os Trabalhos Científicos devem ter suas páginas numeradas sequencialmente, no canto superior direito, em algarismos arábicos inteiros, a partir da primeira página da parte textual (INTRODUÇÃO), a 2cm das bordas (superior e direita).

31 OBS: A CONTAGEM INICIA NA FOLHA DE ROSTO, A CAPA NÃO ENTRA NA CONTAGEM DAS PÁGINAS. Se houver anexo(s) ou apêndice(s), suas páginas serão numeradas dando sequencia ao texto do trabalho.

32 Canto superior direito a 2cm das bordas superior e direita. Capa não entra na contagem Folha de Rosto Aprovação Agradecimento Resumo Sumário Introdução Parte textual: da Introdução ao final, todas as páginas numeradas

33 Espacejamento Início de parágrafo: 1 ou 1,5cm (tecla TAB) Títulos (seções primárias): 3cm da borda superior, alinhados à esquerda, seguido por 1 linha em branco Títulos (mesma página, linha em branco ao texto anterior Entrelinhas do texto: 1,5cm Entre uma referencia e outra: 1,5cm Notas de rodapés e linhas das referencias: espaço simples (1cm) OBS: MODELO WORD

34 REDAÇÃO Siglas Quando for necessário o uso de siglas para amenizar o texto, deve-se colocar a forma completa do nome em questão e a sigla correspondente entre parênteses, na 1ª aparição no texto. Após isso, no decorrer usa-se apenas a sigla.

35 EX: O trabalho deve ser digitado conforme as normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) para ser considerado oficial. Se o trabalho não estiver formatado dentro das normas da ABNT, não estará dentro daquilo que se quer oficialmente brasileiro.

36  Numerais deve estar escrito por extenso: de zero a nove (Ex.: oito, cinco mil); dezenas e centenas redondas ( Ex.: trinta, noventa, vinte mil, quatrocentos); Outros ex.: 23,6 milhões ou 23 milhões e 635 mil. As classes são separadas por pontos (1.980 livros), exceto no caso de anos (1970)  Frações: são citadas em algarismos (1/12; 5/16; 0,35), Exceto de um a dez ( dois terços, meio, um quarto)

37  Ordinais: são escritos por extenso do primeiro até o décimo, ficando os demais representadas em formas numéricas.  Horários: indicados como 12h30 min. e 32s. Quando for aproximada escrever por extenso (pouco mais das dez e meia).

38 Citações Citar é colocar em nosso texto alguma informação, palavras ou ideias que pertencem a outro autor. Por não ser de nossa autoria, todas as citações devem trazer identificação de seu autor. As citações podem ser colocadas no decorrer do texto ou em notas de rodapé. Tipos de citações: - Citação direta ou textual (transcrição) - Citação indireta ou livre (também chamada de paráfrase) - Citação de citação

39 Citação direta ou textual (transcrição) Transcrição exata das palavras do autor citado. Podem ser breves ou longas. 1. Breves – quando possui até 3 linhas, devem ser inseridas no texto e destacadas entre aspas duplas, o tamanho da fonte da letra permanece o mesmo do corpo do texto. Exemplo : Dessa maneira o entendimento de metafísica “é ao mesmo tempo transcendente e imanente, ou seja, ultrapassa a capacidade dos sentidos e do intelecto”, isto é ‘trans’, mas não está fora senão dentro dos fenômenos sensitivos e isto é ‘in’ (MONTEIRO, 1988, p.46).

40 2. Longas – quando a citação ultrapassa 3 linhas, devem receber destaque especial, com recuo (reentrada) de 4cm da margem esquerda, e mais 1,5cm para marcar o início de parágrafos. Não devem ter aspas, tamanho da fonte da letra 10 e espaçamento simples. Exemplo: A definição de monografia citadas nos artigos e livros acima mencionados, é de Lakatos que o define como: Um estudo sobre um tema especifico ou particular, com suficiente valor representativo e o que obedece a rigorosa metodologia. Investiga determinado assunto não só em profundidade, mas também em todos os seus ângulos e aspectos, dependendo dos fins a que se destina. (LAKATOS, 2002, p. 23).

41 Citação indireta ou livre (paráfrase) Citação na qual expressamos o pensamento de outra pessoa contido num parágrafo, numa parte do texto ou no texto inteiro com nossas próprias palavras. Indicar o nome do autor: Letras minúsculas (corpo do texto) + o ano Letras maiúsculas (dentro do parêntese)

42 Exemplos: Segundo Malerbo e Péla (2003), a elaboração de monografia independente da instituição em que o acadêmico irá apresentar deverá estar formatado dentro das normas do país ao qual será publicado, no caso do Brasil essa norma é de responsabilidade da ABNT. Vimos que, para nosso esclarecimento, precisamos seguir os preceitos encontrados, já que ficou estabelecido que a “valorização da palavra pela palavra encarna o objetivo precípuo do texto literário” (GUIMARÃES, 1985).

43 Citações usadas quando não se tem acesso ao documento original, sendo ditos por um segundo autor da fonte que se está consultando. Exemplos: “O sistema consiste em colocar o recém-nascido no berço, ao lado da mãe, logo após o parto ou algumas horas depois, durante a estada de ambos na maternidade” (HARUNARI apud GUARAGNA, 1992, p. 79). Segundo Fontana (apud OLIVEIRA, 2005, p. 328) os povos indígenas agrupavam-se de acordo com seus interesses e necessidades. Citação de citação

44 Nota de Rodapé – citação de citação apud ou ap. (citado por, conforme, segundo) ___________________________ ¹(JULIANE, 1987 apud MERC, 1983, p.2-4). ²Segundo Correa (apud RIBEIRO, 1986, p.54) pode-se calcular… Exemplo:

45 A nota de rodapé é a melhor maneira para o leitor encontrar na própria página, esclarecimentos que o autor pretende transmitir, para não prejudicar a sequência lógica do texto. Podem ser de dois tipos: -Notas de referências -Notas explicativas Notas de Rodapé

46 São as notas que identificam as fontes consultadas ou que remetem outras obras. ATENÇÃO: quando feita a referência de uma obra na nota de rodapé, esta identificação não será feita novamente nas Referências Bibliográficas, no final do trabalho. Notas de referências

47

48

49 Notas explicativas Observações, indicações, acréscimos, adiantamentos ou comentários complementares, para esclarecer, comprovar ou justificar partes do texto. Ou remeter o leitor a outras partes do trabalho.

50

51 Notas de Rodapé Quando a obra for mencionada pela primeira vez, sua referência bibliográfica deverá ser completa. Para as demais são usadas expressões latinas: Id ou idem (o mesmo autor) – esta expressão substitui o nome do autor. Ibidem ou ibid = (na mesma obra) – substituições que ocorrem em notas sucessivas.

52 Cabe a nós estar conscientes da importância de nosso papel e amparar, reerguer, reavivar os sentimentos, valores e atitudes que poderão renovar a confiança em dias melhores. 12 É nosso desejo também espalhar sementes que germinem nas terras repletas de magias dos contos de fadas CHALITA, G. Pedagogia do Amor: a contribuição das histórias universais para a formação de valores das novas gerações. 2ª Ed. São Paulo: Editora Gente, 2005.p Id.Ibidem Exemplo:

53 Op.cit ou Opus Citatum (obra citada) – substitui o título e demais elementos quando se indica a mesma publicação, na mesma página. _________________________ 22 RUIZ, J. Á. Metodologia Cientifica: guia para eficiência nos estudos. São Paulo: Atlas p RUIZ, op.cit. Exemplo: Notas de Rodapé

54 Loc.cit ou Locus citatum (no lugar citado) – substitui o titulo e demais elementos da obra anteriormente citada em nota anterior, na mesma página. ___________________________ ²²RUIZ, J. Á. Metodologia Cientifica: guia para eficiência nos estudos. São Paulo: Atlas p.12 ²³RUIZ, loc.cit. p.12 Exemplo: Notas de Rodapé

55 ___________________________ ²²RUIZ, J. Á. 1979, passim passim ou pas. (aqui e ali, em diversas passagens) Exemplo: Notas de Rodapé

56 ___________________________ ²³Cf. BRAGA, 1992, p. 34 Cf. ou cf. (confira, confronte com) Exemplo: Notas de Rodapé

57 Sequentia ou et seq. (seguinte, que segue, as próximas) ___________________________ ¹³FOGAÇA, 1997, p. 58 et seq. Exemplo: Notas de Rodapé

58 REFERÊNCIAS Trata-se de uma lista ordenada dos documentos efetivamente citados no texto. Devem ser apresentadas em sequência padronizada e uniforme, estabelecida pela ABNT. Ordenação alfabética. Espaçamento simples, separadas entre si por uma linha em branco. Título da obra: negrito, itálico ou sublinhado

59 Elementos essenciais :  Autor (es);  Título e subtítulo (se houver);  Edição (a partir da segunda);  Imprenta (local, editora, ano de publicação);  para periódicos (volume e número). REFERÊNCIAS

60 Autor Pessoal: BASSO, Olympio PÁDUA, Marcelo Cirino de JUCÁ FILHO, Cândido LIMA SOBRINHO, Paulo Roberto PEREIRA JUNIOR, Vanderley Alves REFERÊNCIAS

61 Quando for uma obra escrita por até três autores, todos devem ser nomeados, separados por ponto e vírgula (;) Exemplo: DIMENSTEIN, Gilberto; KOTSCHO, Ricardo. A aventura da reportagem. São Paulo: Summus, REFERÊNCIAS

62 Quando houver mais de três autores, indica-se apenas o nome do primeiro, acrescentando-se em seguida a expressão latina et al. Exemplo: PELEGRINI, Ada, et al. Teoria Geral do Processo. São Paulo: Malheiros, REFERÊNCIAS

63 Autor entidade: Instituições, órgãos governamentais ou não, organizações, associações, empresas, sociedades podem ser consideradas “autores”, e seus nomes serão referenciados em letra maiúscula. Exemplo: FUNDAÇÃO INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE), Censo demográfico: Brasil Rio de Janeiro: REFERÊNCIAS

64 Livro FERRAZ JUNIOR, Tercio Sampaio. Introdução ao estudo do direito, técnica, definição, dominação. 3.ed. São Paulo: Atlas, Capítulo de Livro TRAN, Valdemar. A comida Chinesa. In: CHAVES, Válter. A gastronomia Mundial. 3.ed. Rio de Janeiro: Codecal, 1997.

65 Obras de um mesmo autor FERREIRA, Luiz Pinto. Princípios Gerais do Direito Constitucional Moderno. Rio de Janeiro: José Konfino Editor, ______. Teoria Geral do Estado. São Paulo: Saraiva, 2 vols Leis BRASIL. Lei n , de 13 de julho de Dispõe sobre o estatuto da criança e do adolescente e dá outras providências.

66 Artigo de Jornal REZENDE, Humberto. O jornal da escola. Correio Braziliense, Brasília, 25 ago Caderno 1, Educação, p. 12, coluna 1. Artigo de revista ALMEIDA, Paulo Roberto. A política externa nas campanhas eleitorais brasileiras: a experiência dos escrutínios presidenciais de 1989, de 1994 e de Revista Internacional de Estudos Políticos, v.1, n.2, p , 1999.

67 Artigo de Periódico SILVA, Mariza Vieira da. Alfabetização: sujeito e exclusão. Universa, Brasília, v. 8, n. 2, p , Periódico UNIVERSA. Brasília: Universa, v.1, n.1, out Trimestral.

68 Tese de Doutorado ou Dissertação de Mestrado ou Monografia de Conclusão de Curso de Graduação Sobrenome, Nome. Título e subtítulo. Ano da defesa. Quantidade de páginas. Dissertação, Tese ou Monografia, Nome da Faculdade, Centro ou Instituto, Nome da Universidade (por extenso), Local do curso, Ano de publicação. Exemplo: NEVES, Edmo Colnaghi. Princípios Constitucionais Tributários f. Tese de Doutorado, Faculdade de Direito, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC), São Paulo, 1994.

69 Documentos Eletrônicos e Internet Disquetes, CD-ROM, On-line (internet), etc. Livro CALDEIRA, Jorge et al. Viagem pela história do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, CD-ROM. Publicações de Eventos CONGRESSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UFPE, 4., 1996, Recife. Anais eletrônicos... Recife: UFPe, Disponível em:. Acesso em: 21 jan http://www.proquest.ufpe.br/anais/anais.htm

70 Artigo da internet MUSSI, Cristiane Miziara. O princípio da boa-fé objetiva na sociedade contemporânea. Jus Navigandi, Teresina, v.9, n.528, Disponível em:http://jus2.uol.com.br/doutrina/texto.asp?id=6056. Acesso em: 12 de set. de 2005.http://jus2.uol.com.br/doutrina/texto.asp?id=6056 Banco de Dados Aves do Amapá: banco de dados. Disponível em:. Acesso em: 25 nov http://www.bdt.org/bdt/avifauna/aves BOTELHO, Aparecida. Envio de teses. Mensagem recebida por em 23 out.


Carregar ppt "" Aprender é a única coisa que a mente nunca se cansa, nunca tem medo e nunca se arrepende". (DA VINCI, Leonardo)"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google