A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Organização Pan-Americana da Saúde/ Organização Mundial da Saúde D ESENVOLVIMENTO DA G ERÊNCIA P RODUTIVA DO S ETOR S AÚDE E O S ISTEMA DE I NFORMAÇÃO.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Organização Pan-Americana da Saúde/ Organização Mundial da Saúde D ESENVOLVIMENTO DA G ERÊNCIA P RODUTIVA DO S ETOR S AÚDE E O S ISTEMA DE I NFORMAÇÃO."— Transcrição da apresentação:

1 Organização Pan-Americana da Saúde/ Organização Mundial da Saúde D ESENVOLVIMENTO DA G ERÊNCIA P RODUTIVA DO S ETOR S AÚDE E O S ISTEMA DE I NFORMAÇÃO G ERENCIAL WinSIG

2 A QUESTÃO DA MODERNIZAÇÃO DO ESTADO MAIS PRODUTIVIDADE E COMPETITIVIDADE MAIS PARTICIPAÇÃO E EQÜIDADE PROBLEMA DAS DEFORMAÇÕES? PAPEL DAS ESTRUTURAS DO ESTADO FACE À ECONOMIA E À SOCIEDADE REVISAR PROBLEMA DA REDUÇÃO?

3 ESTADO QUE OFEREÇA GARANTIA A COESÃO SOCIAL, AS CONDIÇÕES QUE MELHOREM A PRODUTIVIDADE E A PRODUÇÃO, TORNAR EFETIVO O PRINCÍPIO DA EQÜIDADE E A VIGÊNCIA DOS VALORES DE DEMOCRACIA E PARTICIPAÇÃO SOCIAL MODERNIZAÇÃO DO ESTADO PROCESSO:  FORTALECIMENTO DE UMA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA  DESCENTRALIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL  REDEFINIÇÃO DAS RELAÇÕES ENTRE AS ESTRUTURAS DE GOVERNO E A SOCIEDADE CIVIL  REORDENAMENTO DAS RELAÇÕES ECONÔMICAS  FORTALECIMENTO DO PODER REGULADOR E DE PRODUÇÃO DE POLíTICAS DE DESENVOLVIMENTO  READEQUAÇÃO DO APARELHO PRESTADOR DE SERVIÇOS PÚBLICOS  AUMENTO DA PRODUTIVIDADE, TRANSPARÊNCIA E CONTROLE SOCIAL DA GESTÃO PÚBLICA ORIGEM:  MUDANÇA NO SISTEMA MACROECONÔMICO  PRESSÃO DA CIDADANIA PELA DEMOCRATIZAÇÃO  CRISE DOS SERVIÇOS PÚBLICOS

4 A QUESTÃO DA REFORMA DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA ORIENTADAS PARA O BEM-ESTAR COLETIVO CONSTRUÍDAS COM PARTICIPAÇÃO SOCIAL DESENVOLVIMENTO DA CAPACIDADE DE GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS AUMENTO E MELHORA DE RECURSOS MUDANÇAS FORMAIS DE ESTRUTURAS

5 NOVA INSTITUCIONALIDADE DOS SISTEMAS DE SAÚDE PARA QUE GARANTAM O ACESSO UNIVERSAL À SAÚDE COM MAIS EQÜIDADE, EFICIÊNCIA, EFICÁCIA E SUSTENTABILIDADE NA ELABORAÇÃO DE POLÍTICAS, REGULAÇÃO, FINANCIAMENTO, GESTÃO E PROVISÃO DO ATENDIMENTO SANITÁRIO REFORMA DO SETOR SAÚDE CARACTERÍSTICAS DOS PROCESSOS:  FORMULAÇÃO DE POLITICAS DE SAÚDE NO DESENVOLVIMENTO  DESCENTRALIZAÇÃO, SISTEMAS LOCAIS E PARTICIPAÇÃO SOCIAL  SEPARAÇÃO DAS FUNÇÕES DE REGULAÇÃO, SEGURO, FINANCIAMENTO E PROVISÃO DE SERVIÇOS  OFERTA DE PLANOS BÁSICOS E FOCALIZAÇÃO DE SERVIÇOS  NOVAS MODALIDADES DE FINANCIAMENTO E PAGAMENTO DE SERVIÇOS  READEQUAÇÃO DO APARELHO PRESTADOR DE SERVIÇOS  MELHORA DOS SISTEMAS DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO: PRODUTIVIDADE, COMPETITIVIDADE, CONTRATUALIDADE E TRANSPARÊNCIA RAZÕES:  MUDANÇA DE PAPÉIS NAS ESTRUTURAS DO ESTADO  REDIMENSIONAMENTO DA SAÚDE  REVISÃO DAS FINANÇAS PÚBLICAS E DO GASTO EM SAÚDE  CRISE DE CREDIBILIDADE, CAPACIDADE E SUSTENTABILILDADE

6 FUNÇÃO REDIMENSIONADA ADEQUAÇÃO DE FORMAS E MÉIOS GERÊNCIA NOVAS MODALIDADES DE FINANCIAMENTO E GESTÃO ENFOQUE EMPRESARIAL IMPACTO DOS PROCESSOS DE REFORMA AUTONOMIA DE GESTÃO DEMOCRATIZAÇÃO DESCENTRALIZAÇÃO PARTICIPAÇÃO SOCIAL MODERNIZAÇÃO DESINTERVENÇÃO DESREGULAÇÃO DIVERSIFICAÇÃO DE ATORES

7 A QUESTÃO DA ESCASSEZ DE RECURSOS OU MOBILIZAÇÃO E OTIMIZAÇÃO PRODUTIVA DE RECURSOS EXTERNOSINTERNOS AGREGAÇÃO DOS RECURSOS? AUMENTO DA EFICIÊNCIA? GERÊNCIA

8 DA EFICIÊNCIA À PRODUTIVIDADE OU RENDIMENTO ÓTIMO DOS RECURSOS EM INTERVENÇÕES PERTINENTES COM A QUALIDADE NECESSÁRIA PARA O ATENDIMENTO EFICAZ PRODUTIVIDADE SOCIAL QUALIDADE DOS SERVIÇOS? RENDIMENTO DOS RECURSOS?

9 E P R E = EFICIÊNCIA P = PRODUÇÃO R = RESOLUÇÃO GERÊNCIA PRODUTIVA

10 RECURSOS DISPONÍVEIS OBJETIVO DE EQÜIDADE ESTILO GERENCIAL SISTEMAS DE GESTÃO CULTURA DE SERVIÇO GERÊNCIA DA PRODUTIVIDADE E P R OBJETIVOS ACTIVIDADES PRODUCTIVIDAD RESULTADOS

11 SERVIÇOS (Altas e Consultas) O ESTABELECIMENTO DE SAÚDE COMO SISTEMA DE PRODUÇÃO CENTROS DE PRODUÇÃO FINAL: -Serv. Medicina -Serv. Cirurgia -Serv. Gineco- obstetrícia -Serv. Pediatria -Serv. Emergência -Serv. Odotologia -Etc. FORNECEDORES: -CRITÉRIOS -INSUMOS SATISFAÇÃO DE USUÁRIOS NOVAS DEMANDAS -Radiologia -Etc. -Farmâcia -Laboratório INTERMÉDIO: PRODUCÃO CENTROS DE RECURSOS Estruturas,sistemas, tecnologia, gerência, etc. DEMANDANTES: -PROBLEMAS -NECESSIDADES CENTROS DE PRODUÇÃO GERAL: -Direção -Administração -Cozinha -Etc.

12 MELHOR QUALIDADE MAIOR OFERTA RENDIMENTO TIPO COMPOSIÇÃO DISTRIBUIÇÃO RECURSOS E QÜIDADE E FICÁCIA UTILIZAÇAO ÓTIMACUSTO RACIONAL FICIÊNCIA E CARACTERíSTICAS DO PROCESSO PRODUTIVO SERVIÇOS DE SAÚDE METAS DE COBERTURA SUBSTANTIVOSSUBSIDIÁRIOS

13 EQÜIDADE EFICÁCIA EFICIÊNCIA A EFICIÊNCIA NÃO COMO UM FIM EM SI MESMA, MAS COMO CONDIÇÃO NECESSÁRIA PARA O ALCANCE DA EFICÁCIA E DA EQÜIDADE NA PRODUÇÃO DE SERVIÇOS A PRESENÇA OU AUSÊNCIA DE UM DELES AFETA A PRESENÇA OU AUSÊNCIA DOS DEMAIS CRITÉRIOS SATISFAÇÃO

14 SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL S I G ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE METODOLOGIA PARA O RECONHECIMENTO CRÍTICO DA REALIDADE E A TOMADA DE DECISÕES ESTRATÉGICAS NA GERÊNCIA DA PRODUTIVIDADE SOCIAL INTELIGÊNCIA

15 SIG ¿ ? O SIG COMO PROCESSO GERENCIAL ANÁLISE DE SITUAÇÃO E TOMADA DE DECISÕES OBJETIVOS DE COBERTURA E PRODUÇÃO ESTRUTURA E DISTRIBUIÇÃO DE RECURSOS MODELOS DE ORGANIZAÇÃO E ESTILOS DE GERÊNCIA DEMANDAS DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL OTIMIZAR CAPACIDADES PRODUTIVAS REAL: RECURSOS COBERTURA PRODUÇÃO CUSTOS POTENCIAL: COBERTURA PRODUÇÃO RECURSOS CUSTOS

16 O SIG COMO INSTRUMENTO GERENCIAL OFERECE: UMA METODOLOGIA DE CUSTEIO E ANÁLISE INSTITUCIONAL UMA METODOLOGIA DE PROGRAMAÇÃO E ORÇAMENTO INDICADORES QUANTITATIVOS E QUALITATIVOS PARA: –CONDUÇÃO, REGULAÇÃO E CONTRATAÇÃO –MONITORAMENTO DE GESTÃO –PROCESSOS DE QUALIDADE E AUTOCONTROLE –ACORDOS DE GESTÃO –PRESTAÇÃO DE CONTAS

17 MÉTODO BÁSICO: PRODUÇÃO, RENDIMENTO, RECURSOS E CUSTOS dos Recursos Características do Processo Características Estrutura Quantidade Hipóteses de Qualidade Composição Distribuição Custos Estrutura Rendimentos Hipóteses de Qualidade -Aquedutos -Latrinas -Manilhas -Imunizações -Saídas -Consultas -Etc. -Cirurgias -Radiografias -Receitas -Exames de Laboratório -Tratamentos -Rações Alimentares -Etc. Subsidiário Produto do Características Produto Substantivo Rendimentos Produtividade Hipóteses de Qualidade

18 VISÃO SISTÊMICA DO MÉTODO PRRC 5. CUSTOS POR SERVIÇO TIPO DE INSUMO POR UNIDADE DE PRODUÇÃO COMPOSIÇÃO CATEGORIAS DE RECURSOS POR SERVIÇO PRODUTIVIDADE QUANTIDADES ALOCADAS POR SERVIÇO DISTRIBUIÇÃO COMPOSIÇÃO 3. RECURSO HUMANO E INSUMOS ESSENCIAIS SAÍDAS CONSULTAS ATEND. DE EMERGÊNCIA IMUNIZAÇÕES FORNECIMENTO DE ÁGUA LATRINAS ETC. ATENDIMENTO DE ENFERMAGEM SUBSTANTIVA 1. PRODUÇÃO CUIDADOS INTENSIVOS CIRURGIAS EXAMES / ANÁLISES RECEITAS TRATAMENTOS (RADIO- TERAPIA, FISIOTER. ETC.) TRANSFUSÕES RAÇÕES ALIMENTARES ETC. SUBSIDIÁRIA 2. PRODUÇÃO 4. INDICADORES DE EFICIÊNCIA MÉDIA DE PERMANÊNCIA HORA-RECURSO POR UNIDADE TAXA DE OCUPAÇÃO CONSULTAS POR H-MÉDICA HORA-MÉDICA POR SAÍDA ou PACIENTE DIA DE SERVIÇO COMPLEMENTAR GASTO MÉDIO POR CATEGORIA DE INSUMO ESSENCIAL ETC.

19 MAIOR RENDIMENTO CUSTOS SUBPRODUTO MAIS MELHOR MAIS MELHOR PRODUTO FINAL MENOR PRESSÃO SOBRE OS RECURSOS ESCASSOS PRODUTO FINAL SERVIÇOS RELACIONADOS COM OS OBJETIVOS SUBSTANTIVOS SUBPRODUTO SERVIÇOS SUBSIDIÁRIOS DOS SERVIÇOS SUBSTANTIVOS RECURSOS RENDIMENTO: FATOR DE PRODUTIVIDADE

20 PRODUTO SUBSTANTIVO: ä QUANTIDADE ä COMPOSIÇÃO ä DISTRIBUIÇÃO PRODUTO SUBSIDIÁRIO: ä QUANTIDADE ä COMPOSIÇÃO ä DISTRIBUIÇÃO RECURSO HUMANO: ä QUANTIDADE ä COMPOSIÇÃO ä DISTRIBUIÇÃO ä PRODUTIVIDADE INSUMOS: ä QUANTIDADE ä COMPOSIÇÃO ä DISTRIBUIÇÃO ä PRODUTIVIDADE RELAÇÕES DE EFICIÊNCIA CUST0SCUST0SCUST0SCUST0S A ORGANIZAÇÃO SANITÁRIA COMO SISTEMA PRODUTIVO ANÁLISE DE COBERTURA ä QUANTITATIVA ä QUALITATIVA ä PERTINÊNCIA EPIDEMIOLÓGICA ä EQUIDADE ANÁLISE DE UTILIZAÇÃO ä QUANTITATIVA ä QUALITATIVA ä QUALIDADE ä EQUIDADE ANÁLISE DE PRODUTIVIDADE ä ALOCAÇÃO ä RENDIMENTO

21 INDICADORES PARA GERÊNCIA DA PRODUTIVIDADE DO RECURSO LEITO ÍNDICE OCUPACIONAL QUANTOS LEITOS SÃO OCUPADOS MÉDIA DE PERMANÊNCIA QUANTOS LEITOS DIAS OCUPA EM MÉDIA UMA SAÍDA INDICE DE ROTATIVIDADE QUANTAS SAÍDAS SÃO PRODUZIDAS PELOS LEITOS

22 PARÂMETROS DE PRODUTIVIDADE DO RECURSO LEITO MÉDIA DE PERMANÊNCIA APARENTE EFICIÊNCIA BAIXA EFICÁCIA BAIXA EFICIÊNCIA APARENTE QUALIDADE CLÍNICA GERAL CIRURGIA PEDIATRIA GINECO-OBSTETRÍCIA INTERVALO DE RENDIMENTO

23 HIPÓTESE DE EFICIÊNCIA NO SERVIÇO GINECO-OBSTETRICIA TAXA DE OCUPAÇÃO: 85% MÉDIA PERMANÊNCIA: 2.5 DIAS (2820)(85%)/(9)=958.8 CAPACIDADE OCIOSA: 368 (ANUAL: 4416) ALTAS (2820 LEITOS) X (85% T.O.) / (2.5 M.P.) = 958 ALTAS ANÁLISE DE PRODUTIVIDADE DO RECURSO LEITO SERVIÇOS UNIDADE DE PRODUÇÃO UNIDADES PRODUZIDAS SERVIÇOSUNITÁRIOS TAXA DE OCUPAÇÃO MÉDIA DE PERMANÊNCIA DOTAÇÃO DE LEITOS CUSTOS FINAIS CLÍNICA GERAL CIRURGIA GINECO-OBSTETRÍCIA PEDIATRIA SAÍDA PACIENTE -DIA SAÍDA PACIENTE-DIA SAÍDA PACIENTE-DIA SAÍDA PACIENTE-DIA Quadro No. 1 Data: 4/1992 PRODUÇÃO, RENDIMENTOS E CUSTOS ESTABELECIMENTO: HOSPITAL GERAL KARIBU

24 PRODUTIVIDADE DO RECURSO LEITO PRODUÇÃO ATUAL E POTENCIAL HIPÓTESE DE EFICIÊNCIA: TAXA OCUPAÇÃO: 85% E MÉDIA PERMANÊNCIA: C.G. 7, CIR 9, GIN 2.5, PED 6 ATUALPOTENCIAL CLIN. GERALCIRGINPED CAPACIDADE OCIOSA

25 IMPACTO DO RENDIMENTO NA CAPACIDADE PRODUTIVA HIPÓTESE DE EFICIÊNCIA: 100 LEITOS; 85% TAXA DE OCUPAÇÃO PRODUTIVIDADE ÓTIMA: 2 DIAS MÉDIA DE PERMANÊNCIA VARIAÇÃO DE ½ DIA NA MÉDIA DE PERMANÊNCIA % CAPACIDADE OCIOSA DIAS RECURSO LEITO DO SERVIÇO DE GINECO-OBSTETRÍCIA

26 IMPACTO DO RENDIMENTO NA CAPACIDADE PRODUTIVA HIPÓTESE DE EFICIÊNCIA: 100 LEITOS; 85% ÍNDICE OCUPACIONAL PRODUTIVIDADE ÓTIMA: 6 DIAS DE MÉDIA DE PERMANÊNCIA VARIAÇÃO DE 1 DIA NA MÉDIA DE PERMANÊNCIA % CAPACIDADE OCIOSA DIAS RECURSO LEITO DO SERVIÇO DE CLÍNICA GERAL

27 PARÂMETROS DE PRODUTIVIDADE DO RECURSO HUMANO TEMPO MÉDICO POR PACIENTE-DIA APARENTE EFICIÊNCIA BAIXA EFICÁCIA BAIXA EFICIÊNCIA APARENTE QUALIDADE CLÍNICA GERAL CIRURGIA PEDIATRIA GINECO-OBSTETRICIA INTERVALO DE RENDIMENTO

28 SERVIÇOSCLÍNICA GERAL PRODUÇÃO PRIMÁRIA:ALTA/CONSULTA PRODUÇÃO SECUNDÁRIA:PACIENTE-DIA AMBULATÓRIO Quadro 3A Data:2/1992 RELAÇÕES DE PRODUTIVIDADE E COMPOSIÇÃO DO RECURSO HUMANO ESTABELECIMIENTO: HOSPITAL GERAL DE KARIBU HORAS MÉDICO HORAS MÉDICO POR UNIDADE PRIMÁRIA HORAS MÉDICO POR UNIDADE SECUNDÁRIA HIPÓTESE DE EFICIÊNCIA NO SERVIÇO DE INTERNAÇÃO CLÍNICA GERAL 60% DO TEMPO MÉDICO DEDICADO À PRODUÇÃO SUBSTANTIVA TEMPO MÉDICO POR P.D.: 15 MINUTOS TEMPO MÉDICO PROGRAMADO POR P.D.: 25 MINUTOS (0.41 HORA) PERMANÊNCIA MÉDIA: 7 DIAS HIPÓTESE DE EFICIÊNCIA NO AMB. DE CLIN. MÉDICA TEMPO MÉDICO POR CONSULTA: 15 MINUTOS (O.25 HORA) ANÁLISE DE PRODUTIVIDADE DO RECURSO HUMANO 3381 HORAS / 0.41 = 8246 P.D / 7 M.P. = 1178 ALTAS CAPACIDADE OCIOSA: 884 (ANUAL: 10608) ALTAS 2055 HORAS / 0.25 = 8220 CONSULTAS CAPACIDADE OCIOSA: 1438 (ANUAL: 17256) CONSULTAS

29 PRODUTIVIDADE DO RECURSO MÉDICO PRODUÇÃO DE ALTAS ATUAIS E POTENCIAIS HIPÓTESE DE EFICIÊNCIA: 25 Mns.(0.41 Hrs.) POR P.D. E MÉDIA DE PERMANÊNCIA: C.G. 7, CIR 9, GIN 2.5, PED 6 CAPACIDADE OCIOSA

30 IMPACTO DO RENDIMENTO NA CAPACIDADE PRODUTIVA HIPÓTESE DE EFICIÊNCIA: 100O HORAS MÉDICO; 60% DEDICAÇÃO NA PRODUÇÃO SUBSTANTIVA PRODUTIVIDADE ÓTIMA: 15 MINUTOS POR PACIENTE DIA VARIAÇÃO DE 5 MINUTOS; CONSTANTE 6 DIAS MÉDIA DE PERMANÊNCIA % CAPACIDADE OCIOSA MINUTOS RECURSO MÉDICO DO SERVIÇO DE CLÍNICA GERAL

31 IMPACTO DO RENDIMENTO NA CAPACIDADE PRODUTIVA HIPOTESE DE EFICIÊNCIA: 100O HORAS MÉDICO; DEDICAÇÃO PLENA PRODUTIVIDADE ÓTIMA: 15 MINUTOS POR CONSULTA VARIAÇÃO DE 5 MINUTOS % CAPACIDADE OCIOSA MINUTOS RECURSO MÉDICO DO ATENDIMENTO AMBULATORIAL

32 CUSTOS DE PRODUÇÃO ORÇAMENTO FATURAMENTO ACORDOS DE GESTÃO AVALIAÇÃO PRODUTIVIDADE ANÁLISE MACRO INSTITUC. ANÁLISE MICRO INSTITUC. PROGRAMAÇÃO PROCESSOS DE QUALIDADE WinSIG APLICAÇÕES GERENCIAIS DO WinSIG

33 ANÁLISE DA PRODUTIVIDADE COM WinSIG DESTACA NÃO APENAS A EFICIÊNCIA, MAS TAMBÉM CONSIDERA FATORES DE EFICÁCIA E EQÜIDADE: INDICADORES DE RENDIMENTO PERTINÊNCIA DA PRODUÇÃO PERTINÊNCIA E QUALIDADE DA PRÁTICA CLÍNICA PERTINÊNCIA E QUALIDADE DOS PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS DISTRIBUIÇÃO E USO DE INSUMOS ESSENCIAIS DISTRIBUIÇÃO E USO DE SERVIÇOS DE APOIO ORGANIZAÇÃO E ESTILOS DE GERÊNCIA, ETC. A METODOLOGIA DE ANÁLISE ABRANGE 2 PROCESSOS: 1) MORBIDADE PROTOCOLO PRODUÇÃO 2) DX METAS DE MUDANÇA EXECUÇÃO CONTROLE

34 WinSIG: NOVAS POTENCIALIDADES AGREGA À ANÁLISE DE RENDIMENTO (EFICIÊNCIA) A DE PERTINÊNCIA E QUALIDADE (EFICÁCIA) A DE ALOCAÇÃO E CONTROLE DE GASTOS (EQÜIDADE) através de: –1.1 Módulo de MORBIDADE –1.2 Módulo de PROTOCOLOS –1.3 Grupos de Diagnósticos Relacionados –1.4 Programa - Orçamento: Acordos de gestão –1.5 Opções de Custeio: de referência (média) de contrato (estimado) atuais –1.6 Avaliação de produtividade com duas funções : controle de acordos de gestão competição regulada – 1.7 Faturamento de serviços

35 Novos Componentes do WinSIG: Estrutura de morbidade Protocolos de atendimento: insumos e procedimentos Programação de insumos e procedimentos: produção segundo morbidade e protocolos Programa- Orçamento: –Indicadores para acordos de gestão –Formatos descritivos Grupos de Diagnósticos Relacionados Indicadores para Avaliação de Produtividade Opções de Custeio: custo médio, custo estimativo e custo atual dos serviços

36 Novos componentes do WinSIG: ESTRUTURA DE MORBIDADE CÓDIGO DESCRIÇÃO CASOS % SIMPLES % ACUMULADO 0000 APENDICITE CATARATA COLELITÍASE HIPERP. PRÓSTATA HÉRNIA INGUINAL VARIZES M. INFER VARIZES OUTRAS LOCALIZAÇÕES HÉRNIA ABDOMINAL TRÊS FORMATOS PADRÃO: ESTRUTURA POR CÓDIGO ALFABÉTICO A CODIFICAÇÃO DAS DOENÇAS CID-10) ESTÁ INCORPORADA AO SISTEMA DE CÓDIGOS DO SIG

37 PROTOCOLO DE ATENDIMENTO MÉDIA DE PERMANÊNCIA RECURSO HUMANO INSUMOS PROCEDIMENTOS: DIAGNÓSTICOS TERAPÊUTICOS Novos componentes do WinSIG: PROTOCOLOS DE ATENDIMENTO ESTRUTURA DE MORBIDADE

38 Protocolos de Atendimento PROTOCOLOS DE ATENDIMENTO QUALIDADE CLÍNICA vs. Processos de Qualidade Clínica Processos de Qualidade Clínica TRATAMENTO MORBIDADE TRATAMENTO MORBIDADE Prática Clínica

39 PROTOCOLOS DE ATENDIMENTO ESTRUTURA DE MORBIDADE PRODUÇÃO DO SERVIÇO INSUMO MATERIAL QUANTIDADECUSTO MORBIDADE CUSTO SERVIÇO INSUMO RH TEMPO POR MORBIDADE TEMPO POR SERVIÇO PROCEDI- MENTOS QUANTIDADE POR MORBIDADE QUANTIDADE POR SERVIÇO D-L-Os TOTAL SERVIÇO

40 Novos componentes do WinSIG: PROGRAMA - ORÇAMENTO PROGRAMAÇÃO-ORÇAMENTO COM BASE EM PROTOCOLS PRÉ-DEFINIDOS PROGRAMAÇÃO-ORÇAMENTO COM BASE NA ANÁLISE DAS RELAÇÕES DE PRODUÇÃO

41 Novos componentes do WinSIG: ACORDOS DE GESTÃO DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO SIG PRESSUPÕE CERTAS CONDIÇÕES : –DESCENTRALIZAÇÃO: DELEGAÇÃO MUDANÇA INSTITUCIONAL BASE LEGAL –PROCESSO DE ANÁLISE INSTITUCIONAL –PROPOSTA DE MUDANÇA - REORDENAMENTO DE: PRIORIDADES AÇÕES PROGRAMÁTICAS RECURSOS –FORMALIZAÇÃO: PROGRAMA-ORÇAMENTO

42 ACORDOS DE GESTÃO : FATOR DE REORDENAMENTO INSTITUCIONAL E DAS RELAÇÕES ENTRE REGULADOR/COMPRADOR E FORNECEDORES AGENTE REGULADOR OU COMPRADOR: GARANTIA DE SOLUÇÃO DE PROBLEMAS GARANTIA DE CUMPRIMENTO DE METAS GARANTIA DE CONTROLE DE CUSTO AGENTE EXECUTOR: AUTONOMIA REGULADA RECURSOS ADEQUADOS ÀS NECESSIDADES CONTROLE POR RESULTADOS INFORMAÇÃO E VERIFICAÇÃO OBJETIVA

43 Indicadores Quantitativos de Controle por Resultados Racionalidade de Produtividade Estru. de ProblemaEstru. de Problema Estru. de Programa Estru. de Programa Estru. de Recursos Estru. de Recursos ACORDOS DE GESTÃO Proposta de Programas e Orçamento Processos de Mudança sobre os Problemas Processo de Análise Institucional Grau de Execução ou Indice de Desvio Meta Resultados vs. = Cobertura Resultados Produção Indic. Produtividade (Eficiência-Eficácia) Recursos Custos Unitários Custos Totais Custo Paciente Custo Insumos Custo Procedimento Necessidades de Saúde da População vs. Capacidade de Resolução doSistema

44 Novos componentes do WinSIG: GRUPOS DE DIAGNÓSTICOS RELACIONADOS CONCEITO: DIFERENTES TRATAMENTOS INCLUíDOS EM UM MESMO INTERVALO DE CUSTO POR COMPARTILHAR UMA INTENSIDADE SIMILAR NO USO DE INSUMOS E PROCEDIMENTOS SUPÕE-SE UM COMPORTAMENTO PADRONIZADO DOS TRATAMENTOS DENTRO DE UM INTERVALO RAZOÁVEL DE VARIAÇÃO WinSIG PERMITE AGRUPAR OS DIAGNÓSTICOS : –SEGUNDO COMPORTAMENTO ESTIMADO –SEGUNDO COMPORTAMENTO REAL UTILIZÁVEIS PARA ESTABELECER TARIFAS E FAZER CONTROLE DE CUSTO DOS TRATAMENTOS

45 Novos componentes do WinSIG: INDICADORES PARA AVALIAÇÃO QUANTITATIVOS SOBRE PROCESSOS E RESULTADOS COM GRANDE SIGNIFICADO GERENCIAL POSSIBILIDADES DO USUÁRIO: –ELIMINAR –EDITAR –INSERIR NOVOS

46 COBERTURA INDICADORES: COBERTURA METAS PRODUTO AVALIAÇÃO TAXA DE DESVIO TAXA DE DESVIO POPULAÇÃO PRODUÇÃO I. C. POPULAÇÃO PRODUÇÃO I. C. VS. =

47 INFRAESTRUTURA INDICADORES: INFRAESTRUTURA METAS PRODUTO AVALIAÇÃO TAXA DE DESVIO TAXA DE DESVIO TAXA DE DESVIO PRODUÇÃO TAXA DE OCUPAÇÃO M.P. PRODUÇÃO TAXA DE OCUPAÇÃO M.P. VS. =

48 SERVIÇOS DE APOIO INDICADORES: SERVIÇOS DE APOIO METAS PRODUTO AVALIAÇÃO TAXA DE DESVIO TAXA DE DESVIO SERVIÇO DE APOIO TAXA DE UTILIZAÇÃO PRODUÇÃO VS. = SERVIÇO DE APOIO TAXA DE UTILIZAÇÃO PRODUÇÃO

49 RECURSO HUMANO INDICADORES: RECURSO HUMANO METASPRODUTO AVALIAÇÃO TAXA DE DESVIO TAXA DE DESVIO TAXA DE DESVIO SERVIÇO “X” PRODUÇÃO TIPO RH HORAS RENDIMENTO HRS E MINS POR U. DE P. SERVIÇO “X” PRODUÇÃO TIPO RH HORAS RENDIMENTO HRS E MINS POR U. DE P. VS. =

50 CUSTOS - INSUMOS INDICADORES: CUSTOS - INSUMOS METAS PRODUTO AVALIAÇÃO TAXA DE DESVIO TAXA DE DESVIO TAXA DE DESVIO CUSTO SERVIÇOS PESSOAIS CUSTO INSUMOS CUSTO SERV NÃO PESSOAIS CUSTO SERVIÇOS PESSOAIS CUSTO INSUMOS CUSTO SERV NÃO PESSOAIS VS. =

51 RELAÇÃO DO WinSIG E OS CUSTOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE: OS CUSTOS SÃO INDICADORES DA EFICIÊNCIA DA GESTÃO INSTITUCIONAL OS CUSTOS NÃO SÃO IMPORTANTES PER SE, SENÃO PELO SEU SIGNIFICADO NOS PROCESSOS GERENCIAIS CONTRIBUEM À MELHORA DA GERÊNCIA E AO DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL FACILITAM O DESENVOLVIMENTO DE PARÂMETROS (HIPÓTESE DE EFICIÊNCIA COM QUALIDADE) APOIAM AS NOVAS PRÁTICAS DE ALOCAÇÃO DE RECURSOS COM CRITÉRIOS DE PRODUTIVIDADE, CONTENÇÃO E RECUPERAÇÃO DE CUSTOS

52 Novos componentes do WinSIG: OPÇÕES DE CUSTEIO CUSTOS MÉDIOS: ANÁLISE DE PRODUTIVIDADE INSTITUCIONAL CUSTOS ESTIMADOS: APLICAÇÕES PROGRAMÁTICAS E ORÇAMENTÁRIAS CUSTOS ATUAIS DOS SERVIÇOS: –Custo paciente –Custo de insumos –Custo de procedimentos PARA RELAÇÕES DE COMPRA - VENDA: –INSTITUIÇÃO - INSTITUIÇÃO –INSTITUIÇÃO - USUÁRIO

53 CUSTO MÉDIO OBJETIVO: RACIONALIZAÇÃO INSTITUCIONAL ESTRUTURA DE CUSTOS: –APORTES DE INSUMOS (GLOBAL E POR UNIDADE DE PRODUÇÃO) –APORTE DE PROCEDIMENTOS (GLOBAL E POR UNIDADE DE PRODUÇÃO) RELAÇÃO GLOBAL COM FATORES CONDICIONANTES DO CUSTO CUSTOS UNITÁRIOS MÉDIOS

54 CUSTO ESTIMADO OBJETIVO: RELAÇÕES INSTITUCIONAIS DE COMPRA E VENDA PRESSUPOSTO DE COMPORTAMENTO PRODUTIVO POR TIPO DE MORBIDADE ou GRUPO DE DIAGNÓSTICO RELACIONADO INSUMOS ASSOCIADOS COM O TRATAMENTO DE CADA MORBIDADE, SEGUNDO PROTOCOLO: –INSUMOS: RH, MATERIAIS –PROCEDIMENTOS DE APOIO DIAG. E TERAPÊUTICO –OUTRAS FORMAS DE APOIO ALTERNATIVAS DE CUSTOS PARA CADA MORBIDADE ou GRUPO DE DIAGNÓSTICOS RELACIONADOS

55 CUSTO ATUAL DE SERVIÇOS OBJETIVO: FATURAMENTO DE SERVIÇOS PRECISÃO ÓTIMA MÉTODO SIMPLES E ECONÔMICO MANTEM O PRINCÍPIO: OS FATORES DETERMINANTES DO CUSTO IMPORTAM, NÃO O CUSTO EM SI PROCESSO SIMPLES EM DUAS FASES: REGISTRO DE INSUMOS E PROCEDIMENTOS NA HISTÓRIA CLÍNICA OU FICHA INDIVIDUAL DADOS DE CONSUMO NO SIG: PESSOAL: CUSTO x P.D. INSUMOS ESSENCIAIS: CUSTO PADRÃO OUTROS: CUSTO POR P.D. x PACIENTE PROCEDIMENTOS: CUSTO PADRÃO CUSTO x P.D. 1) 2)

56 PROCESSO DO CUSTO-PACIENTE A MORBIDADE É REGISTRADA MAS NÃO É IMPORTANTE NO PROCEDIMENTO DE CUSTEIO INSUMOS MATERIAIS: CONTA- BILIZAÇÃO DIRETA DE INSUMOS ESSENCIAIS E OS NÃO ESSENCIAIS POR CUSTO UNITÁRIO P.D. OS CUSTOS REAIS DE PESSOAL SÃO ALOCADOS EM FUNÇÃO DOS DIAS DE PERMANÊNCIA CUSTOS REAIS DE PROCEDIMENTOS ESSENCIAIS (DIAG.,TERAPÊUTICOS ) E CUSTO UNITÁRIO P.D. EM OUTROS

57 Ajustes: Depreciação Rentabilidade etc. CUSTO - PACIENTE Custo Insumos Essenciais Custo Administração Custo Direto Serviços Pessoais

58 Custo Insumos Essenciais Custo Procedimentos Custo Administração Ajustes: Depreciação Rentabilidade etc. CUSTO - PACIENTE Custo Direto Serviços Pessoais

59 CUSTO DIRETO DOS SERVIÇOS PESSOAIS ALTA ALTA: (C.T. Serv. Pessoais/DLO) x (DLO Paciente ) CONSULTA CONSULTA: (C.T. Serv. Pessoais/Consultas)= C.Cons. C.T.= Custo Total DLO = Dia-leito-ocupado C.Cons.= Custo consulta Serv.= Serviços

60 Custo Direto Serviços Pessoais Ajustes: Depreciação Rentabilidade etc. CUSTO-PACIENTE Custo Procedimentos Custo Administração Custo Insumos Essenciais

61 CUSTO INSUMOS ESSENCIAIS Insumos essenciais: em geral, são um número reduzido, 1 a 3, e os dados se obtêm diretamente das tabelas contidas no WinSIG no módulo de protocolos: Custo insumo 1: $ Custo insumo 2: $ Custo insumo 3: $ Total custo insumos essenciais = $

62 OUTROS INSUMOS O CÁLCULO SE FAZ POR ESTRUTURA Medicamentos = 80% $ 16,000 Mat. Med/Cirúrg. = 7% $ 7,000 Ins. Essencial 3 = 4% $ 2, Total Ins.Essenc. = 91% $ 25,000 Outros insumos 9% Outros insumos 9% Outros insumos = (25,000/91) = $ 2, Custo total paciente= $ 27, Percentagens são globais do serviço e não do paciente (Quadro No. 4) Quantidades em insumos é custeio direto (tabela de protocolos) Insumo No. 1= Medicamentos Insumo No. 2= Material médico cirúrgico

63 Custo Administração CUSTO - PACIENTE Custo Insumos Essenciais Ajustes: Depreciação Rentabilidade etc. Custo Procedimentos Custo Direto Serviços Pessoais

64 CUSTO PROCEDIMENTOS O custo resulta da tabela de ponderação do serv. respectivo: (Processo) x (custo unitário) = Custo Total Quando não existe tabela de ponderação, utilizam-se os custos-padrão gerados no Quadro No. 4 do WinSIG: C.P.= (Custo padrão/Média Perman.) x (Pacientes dia) C.P.= Custo do Procedimento Média Perman. = Média de dias de perman., Quadro No. 1 Custo Padrão = Quadro No. 4, individual DLO = Dias-Leitos-Ocupados, Quadro No. 1, Reg.Médicos

65 Ajustes: Depreciação Rentabilidade etc. CUSTO-PACIENTE Custo Insumos Essenciais Custo Procedimentos Custo Administração Custo Direto Serviços Pessoais

66 CUSTO ADMINISTRAÇÃO Custo Pessoal e insumos do paciente Custo Direto do Serviço X Custo Administração alocado ao serviço onde foi tratado o paciente

67 Custo Direto Serviços Pessoais CUSTO-PACIENTE Custo Insumos Essenciais Custo Procedimentos Custo Administração Ajustes: DepreciaçãoDepreciação RentabilidadeRentabilidade etc.etc.

68 AJUSTES + CUSTO TOTAL PACIENTE = Custo Paciente Instituição Serviço Período Morbidade Principal Morbidades associadas 1.___ 2.___ 3.___ 4.___ AJUSTES 1.Depreciação equipamentos 2.Depreciação Mobiliário 3.Depreciação Predial 4.Rentabilidade

69 CUSTEIO DE PROCEDIMENTOS MÉTODO: EQUIPE TÉCNICA DEFINE OS PROCEDIMENTOS TÉCNICO PONDERA FATORES: –RECURSO HUMANO –INSUMOS MATERIAIS GERENTE/ESPECIALISTA FINANCEIRO DETERMINA OS FATORES DE AJUSTE: –MARGEM DE RENTABILIDADE –DEPRECIAÇÃO EQUIPAMENTOS –DEPRECIAÇÃO PREDIAL –OUTROS CUSTO TOTAL É DETERMINADO PELA ASSOCIAÇÃO DESTES ELEMENTOS COM O CUSTO TOTAL MAIS RECENTE DO RESPECTIVO SERVIÇO (MÊS ANTERIOR)

70 Modelo de Fatura Resumida

71 RESUMO: UTILIZAÇÃO DO WinSIG NOS PROCESSOS DE GERÊNCIA PRODUTIVA PROGRAMAÇÃO/ORÇAMENTO ANÁLISE MACROINSTITUCIONAL ANÁLISE MICRO INSTITUCIONAL DESCENTRALIZAÇÃO: ACORDOS DE GESTÃO. INDICADORES DE PRODUÇÃO EQÜIDADE: DISTRIBUIÇÃO DE RECURSOS EFICÁCIA: PRODUÇÃO/USO/COBERTURA DE SERVIÇOS TÉCNICOS DE APOIO EFICIÊNCIA: CUSTOS E SEUS FATORES CAUSAIS

72 CAPACITAÇÃO: GERÊNCIA E WinSIG CURSO EM FORMATO VIRTUAL: –ADMINISTRADO PELO CAMPUS VIRTUAL EM SAÚDE PÚBLICA; –APRENDIZAGEM DO MARCO CONCEITUAL E METODOLÓGICO –APRENDIZAGEM NO USO DO PROGRAMA WinSIG –APRENDIZAGEM DA ANÁLISE E USO DA INFORMAÇÃO SEMINÁRIO: –ATIVIDADE PRESENCIAL TEÓRICO-PRÁTICA –INTRODUÇÃO AO MARCO CONCEITUAL E METODOLÓGICO –APRENDIZAGEM NO USO DO PROGRAMA WinSIG –APRENDIZAGEM DA ANÁLISE E USO DA INFORMAÇÃO –DISCUSSÃO DE ESTRATÉGIAS DE IMPLANTAÇÃO ANÁLISE DE INDICADORES: INCORPORADOS TAMBÉM NO WinSIG PROGRAMA WinSIG E SEU MANUAL MANUAL DO SEMINÁRIO DESENVOLVIMENTO DA GERÊNCIA PRODUTIVA DO SETOR SAÚDE

73 DISPONÍVEL EM CINCO IDIOMAS

74 INSTALAÇÃO TRANSPARENTE NO IDIOMA ESCOLHIDO

75 TELA INICIAL E MENU PRINCIPAL

76 FUNÇÕES BÁSICAS DO WinSIG CONSERVA A MESMA ESTRUTURA DAS VERSÕES ANTERIORES: CONFIGURAÇÃO DADOS RESULTADOS ANÁLISE UTILITÁRIOS

77 CONFIGURAÇÃO MÓDULO 1: CONFIGURAÇÃO Define e codifica as características de um estabelecimento ou programa com as variáveis utilizadas pelo WinSIG e sua localização num sistema de saúde Flexível, adaptável a qualquer tipo de estabelecimento ou programa de saúde

78 DADOS MÓDULO 2: DADOS Matriz para entrada de dados Formulários Indicadores Morbidade Procedimentos Insumos Essenciais Protocolos Custeio GDR

79 OBTENÇÃO DE DADOS ESTABELECIMENTO:PERÍODO: MATRIZBÁSICADEDADOSMATRIZBÁSICADEDADOS ADMINISTRAÇÃO SERVIÇOS DE INTERNAÇÃO SERV. AMBULATORIAIS SERVIÇOS COMPLEMENTARES C. GERALCIRURGIAGINECO(N) C. CIRÚRGICO AMBULATS. ODONT. (N) FARMACIA (N) RECURSO NUCLEAR MÉDICO ADMINISTRATIVO AUXILIAR ENFERMAGEM TÉCNICO (QUALIFICADO) HORAS: ENFERMEIRA OUTRO PESSOAL AUXILIAR ANÁLISES DE LABORATÓRIO RAÇÃO NÚMERO DE LEITOS PRODUÇÃO: SAÍDAS/CONSULTAS PACIENTES DIA CIRURGIAS EXAMES DE LABORATÓRIO EXAMES DE RADIOLOGIA CHAPAS DE RAIOS X RECEITAS MEDICAMENTOS Material Médico Cirúrgico Material de reposição Material de Escritório Medicamentos SERVIÇOS PESSOAIS Salários Honorários Encargos sociais Insumos de Laboratórios Outros Produtos Químicoss Alimentos Produtos Sanitários e de Higiene TARIFAS PÚBLICAS: MANUTENÇÃO Eletricidade e Água, Etc. INSUMOS: Material de Consumo: Chapas Raios X Oxigênio OUTROS CONTRATOS Telefone e Comunicações Transporte e Correio HORAS DE RECURSO HUMANO SERVIÇOS FINAIS E COMPLEMENTARES ITENS DE GASTOS ESTRATÉGICAMENTE CLASSIFICADOS PRODUÇÃO DE SERVIÇOS FINAIS E COMPLEMENTÁRES

80 RESULTADOS MÓDULO 3: RESULTADOS Quadros Gerenciais Séries Históricas Indicadores de Gestão Relatório de Morbidade Atendida Relatório para Faturamento Relatório de GDRs

81 QUADRO 1: PRODUÇÃO, RENDIMENTOS E CUSTOS FORNECE UMA VISÃO DE CONJUNTO DO DESEMPENHO DE UM SERVIÇO, ESTABELECIMENTO, INSTITUIÇÃO DE SAÚDE OU SISTEMA LOCAL/NACIONAL DE SAÚDE SEUS CONTEÚDOS DE INFORMAÇÃO SÃO: ä IDENTIFICA OS PRINCIPAIS SERVIÇOS OU PROGRAMAS DO ESTABELECIMENTO, INSTITUIÇÃO OU SISTEMA ä INCLUI PARA CADA UM DESTES SERVIÇOS, A PRODUÇÃO NUM PERÍODO DETERMINADO ä PROPORCIONA OS CUSTOS DE OPERAÇÃO DE CADA SERVIÇO OU PROGRAMA ä INCLUI O CUSTO DE CADA UNIDADE DE PRODUÇÃO DE CADA SERVIÇO OU PROGRAMA ä EM HOSPITAIS: INCLUI INDICADORES CRÍTICOS DE APROVEITAMENTO DA CAPACIDADE INSTALADA: TAXA DE OCUPAÇÃO, MÉDIA DE PERMANÊNCIA, INDICE DE ROTATIVIDADE E INTERVALO DE SUSTITUIÇÃO

82 FINAIS: CLÍNICA GERAL CIRURGIA GINECO-OBSTETRÍCIA PEDIATRIA SAÍDA DLO SAÍDA DLO SAÍDA DLO SAÍDA DLO SUBTOTAL SAÍDA DLO QUADRO 1 DATA: Outubro 1991 Produção, Rendimentos e Custos Estabelecimento: HOSPITAL GERAL DE KARIBU SERVIÇOS Unidade de ProduçãoProdução Unitário Índice Ocupacional Média de Perman Dotação de Leitos ATEND.AMBULAT. EMERGÊNCIA SUBTOTAL TOTAL COMPLEMETARES: CTRO.CIRÚRGICO LABORATÓRIO RADIOLOGIA FARMÁCIA NUTRIÇÃO ADMINISTRAÇÃO CONSUL. ATEND. CIRURGIA EXAME EXAME RECEITA RAÇÃO SERVIÇO CUSTOS Serviço Índice de Giro Intervalo Substituição

83 QUADRO 2: INDICES DE RENDIMENTO DOS SERVIÇOS COMPLEMENTARES ä CLÍNICA GERAL ä CIRURGIA ä GIN-OBSTETRÍCIA ä PEDIATRIA ä C.INTENSIVO ä PSIQUIATRIA ä AMBULATS. ä EMERGÊNCIA ä OUTROS CENTRO CIRÚRGICO LABORATÓRIO RADIOLOGIA FISIOTERAPIA CENTRO ESTERILIZAÇÃO ELETROCARDIOGRAFIA DIÁLISE FARMÁCIA LAVANDERIA NUTRIÇÃO ROUPARIA MANUTENÇÃO ADMINISTRAÇÃO FORNECE INFORMAÇÃO SOBRE O GRAU DE UTILIZAÇÃO DOS SERVIÇOS COMPLEMENTARES PELOS SERVIÇOS FINAIS EM HOSPITAIS:

84 SERVIÇOS C. CIRÚRG. CIRURGIA CIR. POR SAÍDA/CONSULTA LABORATÓRIO EXAME EXAME POR SAÍDA/CONSULTA EXAME POR DLO RADIOLOGIA EXAME EXAME POR SAÍDA/CONSULTA FARMÁCIA RECEITA RECEITA POR SAÍDA/CONSULTA RECEITA POR DLO NUTRIÇÃO RAÇÃO RAÇÃO POR DLO/CONSULTA CL.GERAL CIRURGIA GIN-OBST PEDIATRIA TOTAL AMBULTS EMERGÊNCIA QUADRO 2 DATA: Outubro 1991 INDICADORES DE RENDIMENTO DOS SERVIÇOS COMPLEMENTARES ESTABELECIMENTO: HOSPITAL GERAL DE KARIBU SERVIÇOS FINAIS DE INTERNAÇÃOSERVIÇOS AMBULATAROIAS PRODUÇÃO PRIMÁRIA PRODUÇÃO SECUNDÁRIA TOTAL

85 QUADRO 3: RELAÇÕES DE PRODUTIVIDADE E COMPOSIÇÃO DO RECURSO HUMANO SERVIÇOS FINAIS E COMPLEMENTARES SEUS CONTEÚDOS DE INFORMAÇÃO SÃO: ä SERVIÇOS OU PROGRAMAS ä CATEGORIAS DE PESSOAL: MÉDICOS ENFERMEIRAS AUXILIARES DE ENFERMAGEM TÉCNICOS ADIMINISTRATIVOS SERVIÇOS GERAIS ä ALOCAÇÃO DE HORAS POR CATEGORIA DE PESSOAL E PARA CADA SERVIÇO OU PROGRAMA ä COMPOSIÇÃO DO RECURSO HUMANO ä PRODUTIVIDADE DOIS QUADROS COM ESTRUTURA IDÊNTICA SÃO FORNECIDOS: UM PARA OS SERVIÇOS FINAIS E OUTRO PARA OS COMPLEMENTARES

86 HORAS MÉDICO H. MEDICO POR UNIDADE PRIMÁRIA H. MEDICO POR UNIDADE SECUNDÁRIA HORAS ENFERMEIRA H. ENFERMEIRA POR UNIDADE PRIMÁRIA H. ENFERMEIRA POR UNIDADE SECUNDÁRIA CLIN.GERAL PEDIATRIA TOTAL AMBULATS 6782 TOTAL 6782 QUADRO 3 DATA: Outubro 1991 RELAÇÕES DE PRODUTIVIDADE E COMPOSIÇÃO DO RECURSO HUMANO ESTABELECIMENTO: HOSPITAL GERAL DE KARIBU SAÍDA/CONSULTA PD SERVIÇOS FINAIS DE INTERNAÇÃOSERVIÇOS AMBULATORIAIS QUADRO 3A: SERVIÇOS FINAIS QUADRO 3B: SERVIÇOS COMPLEMENTARES PRODUÇÃO PRIMÁRIA PRODUÇÃO SECUNDÁRIA SERVIÇOS ÍNDICE: HORAS/PRODUÇÃO HORAS PESSOAL ADMINISTRATIVO H. PES. ADMINISTRATIVO POR UNIDADE PRIMÁRIA H. PES. ADMINISTR. POR UNIDADE SECUNDÁRIA HORAS AUX.ENFERMAGEM H. AUX.ENFERMAGEM POR UNIDADE PRIMÁRIA H. AUX.ENFERMAGEM POR UNIDADE SECUNDÁRIA

87 QUADRO 4: CUSTOS DE OPERAÇÃO ESTRUTURA E VALOR DOS CUSTOS POR SERVIÇO E TIPO DE INSUMOS SEUS CONTEÚDOS DE INFORMAÇÃO SÃO: ä SERVIÇOS OU PROGRAMAS ä CATEGORIAS DE GASTO ä ESTRUTURA E QUANTIDADES ESPECÍFICAS DO GASTO POR CATEGORIA E SERVIÇO OU PROGRAMA ä ESTRUTURA E VALOR DE CUSTOS DIRETOS E INDIRETOS PARA CADA SERVIÇO FINAL OU COMPLEMENTAR ä ESTRUTURA GLOBAL DE CUSTOS DO ESTABELECIMIENTO

88

89 IV. GASTOS E CUSTOS 4 III. DISTRIBUIÇÃO, COMPOSIÇÃO E PRODUTIVIDADE DO RECURSO HUMANO 3 II. PRODUTIVIDADE E UTILIZAÇÃO DE RECURSOS E SERVIÇOS 2 I. PRODUÇÃO, COBERTURA E DISTRIBUIÇÃO DE RECURSOS 1. PRODUÇÃO DE ALTAS 2. PRODUÇÃO PACIENTES-DIA 3. ESTRUTURA PRODU. ALTA 4. PRODUÇÃO DE CONSULTAS 5. ESTRUTURA DA PRODUÇÃO DA CONSULTA EXTERNA 6. PRODUÇÃO DE SERVIÇOS COMPLEMENTARES 7. ALTAS POR 100 HABITANTES/ANO 8. CONSULTAS PER CAPITA (ÍNDICE DE CONCENTRAÇÃO) 9. GASTO CORRENTE PER CAPITA 10. HORAS MÉDICO PER CAPITA 11. HORAS ENFERMAGEM PER CAPITA 12. HORAS ODONTÓLOGO PER CAPITA 13. HORAS RECURSO HUMANO PER CAPITA ETC. 1 INDICADORESINDICADORESINDICADORESINDICADORES

90 GASTO MÉDIO EM MEDICAMENTOS POR SAÍDA HOSPITAL GERAL DE KARIBU

91 SÉRIE HISTÓRICA: PRODUÇÃO ANUAL DE SAÍDAS SERVIÇO DE CLÍNICA GERAL

92 SÉRIE HISTÓRICA: PRODUTIVIDADE SERVIÇO DE CLÍNICA GERAL

93 ANÁLISE MÓDULO 4: ANÁLISE Parâmetros Programa/Orçamento Controle por Resultados Avaliação de Produtividade Análise de Eficiência Institucional Custo Estimado do Atendimento Comparação de GDRs

94 PRODUÇÃO POTENCIAL : ALTAS PRODUÇÃO ATUAL : ALTAS CAPACIDADE OCIOSA: ALTAS CLÍNICA MÉDICA

95 PRODUÇÃO ATUAL: ALTAS PRODUÇÃO POTENCIAL: ALTAS CAPACIDADE OCIOSA: SAÍDAS CLÍNICA MÉDICA

96 UTILITÁRIOS PARA MANUTENÇÃO DO WinSIG MÓDULO 5: UTILITÁRIOS PARA MANUTENÇÃO DO WinSIG Backup de Dados Recuperação de Dados Manutenção de Usuários Codificações Transferência de Dados Equivalências Seleção de Idiomas Adicionalmente Oferece: Manual Tradutor Interface

97 ACESSO AO WinSIG As instituições públicas interessadas podem obter o WinSIG através das REPRESENTAÇÕES da OPAS/OMS no respectivo país, ou diretamente no Escritório Central da OPAS/OMS nos seguintes endereços: PAN AMERICAN HEALTH ORGANIZATION 525 TWENTY-THIRD STREET,N.W. WASHINGTON, DC ou


Carregar ppt "Organização Pan-Americana da Saúde/ Organização Mundial da Saúde D ESENVOLVIMENTO DA G ERÊNCIA P RODUTIVA DO S ETOR S AÚDE E O S ISTEMA DE I NFORMAÇÃO."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google