A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

BCC201 Introdução à Programação Prof. Reinaldo Fortes 2014/2.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "BCC201 Introdução à Programação Prof. Reinaldo Fortes 2014/2."— Transcrição da apresentação:

1 BCC201 Introdução à Programação Prof. Reinaldo Fortes 2014/2

2  Como um programa é criado?  Compilação por linha de comando  Introdução à linguagem C 2

3 Como um programa é criado? 3

4  Quando queremos digitar um documento, recorremos a um editor de textos ◦ Word, OpenOffice, etc.  Para criarmos uma imagem, recorremos a um editor de imagens ◦ Paint, Gimp, etc.  Para criarmos planilhas, recorremos a um editor de planilhas eletrônicas ◦ Excel, Calc, etc.  E para criarmos um programa? 4

5  Programas são arquivos de texto simples ◦ Então poderíamos usar qualquer editor de textos simples; ◦ Porém, existem editores específicos.  Para criarmos um programas criamos um código-fonte ◦ Contém as instruções do programa na linguagem de programações escolhida; ◦ A extensão é “.c”. 5

6  C é uma linguagem de programação de alto nível ◦ Nos permite escrever programas usando notação semelhante a que usamos para nos comunicar.  Porém, sabemos que o computador usa o sistema binário (0, 1);  Torna-se necessário “traduzir” nosso programa depois de pronto para que o computador possa executá-lo. 6

7  Este processo de tradução é chamado de compilação ◦ Durante a compilação, também é verificado se o código-fonte possui erros de sintaxe ou semântica  Os comandos estão escritos de forma correta?  A estrutura dos comandos está de acordo com o exigido pela linguagem?  Erros de lógica não são verificados – o algoritmo é por sua conta! 7

8  O programa que realiza a compilação é o compilador ◦ Diferentes compiladores para diferentes linguagens.  Depois do processo de compilação, é gerado o programa-objeto ◦ Este é o programa traduzido para a linguagem de máquina; ◦ Utiliza a extensão “.o”. 8

9  Programas frequentemente utilizam rotinas e estruturas definidas em códigos-fonte (chamados bibliotecas) separados.  O processo de ligação adiciona estes códigos-fonte “emprestados” ao programa- objeto;  O programa que faz a ligação é chamado ligador ou linkeador ◦ O arquivo resultante é o programa-executável; ◦ Geralmente, usa a extensão “.exe” (no windows). 9

10 10

11  Vamos primeiro aprender a editar nossos programas ◦ Ou seja, criar arquivos fonte.  Qualquer editor simples serve para criarmos nossos arquivos ◦ Porém, existem editores específicos para programação, que são mais úteis. ◦ No Windows, podemos usar o Notepad++  ◦ No Ubuntu, podemos usar o Gedit. 11

12  Uma vez selecionado um editor, digitamos as instruções que desejamos ◦ Ou seja, o corpo do programa; ◦ Salvamos o arquivo com a extensão.c ◦ O editor vai “colorir” nosso programa, ressaltando as instruções da linguagem, de forma a melhorar a organização. 12

13  Salvem como SeuNome_Lab01_Exe01.c ◦ Todos os programas feitos nas aulas práticas devem obedecer esta nomenclatura  [SeuNome]_Lab[número da aula]_Exe[número do exercício].c  Lembrem-se de onde salvaram o arquivo! 13

14 Teste  Digite os comandos a seguir no código que você criou em um editor. 14

15  Agora que criamos nosso primeiro código- fonte, vamos compilá-lo e ligá-lo;  Não precisamos criar nossos próprios compiladores e ligadores ◦ Podemos escolher entre vários ◦ Utilizaremos o GCC. 15

16  Usaremos a interface de linha de comando para compilarmos nossos programas ◦ O que significa que não utilizaremos ambientes de desenvolvimento integrado, ou IDEs  Code::Blocks;  MS Visual Studio;  Etc. ◦ No Ubuntu, usamos o terminal; ◦ No Windows, usamos o Prompt ou o MSYS, que simula o terminal do Linux, juntamente com o MinGW. 16

17  Minimalist GNU for Windows ◦  Fornece um conjunto de programação Open Source;  Grátis ◦ Tutorial sobre a instalação: ◦ 17

18  GNU é um sistema operacional tipo Unix, idealizado por Richard Stallman;  De onde veio este nome? ◦ GNU is Not Unix (GNU Não é Unix). 18

19  O mesmo criador do GNU, criou um compilador de linguagem C, chamado GCC ◦ GNU C Compiler.  Com o tempo, ganhou suporte a outras linguagens, e com isso o significado da sigla mudou ◦ GNU Compiler Collection. 19

20  Resumindo, MinGW é um GNU que roda em Windows ◦ E tem o GCC, que usaremos como compilador.  Nos laboratórios também temos o sistema operacional Ubuntu ◦ Que também possui o GCC instalado, basta acessar o terminal.  O uso do GCC no Windows e Ubuntu é igual ◦ O aluno escolhe qual vai usar. 20

21  No terminal, acesse a pasta onde está seu código-fonte, usando o comando cd: ◦ cd pasta1/pasta2/pasta3 ◦ A barra “/” significa que uma pasta está dentro da outra  Neste exemplo, pasta3 está dentro de pasta2 que está dentro de pasta1. ◦ Para verificar o conteúdo de uma pasta, utilize o comando ls:  ls 21

22  Uma vez na pasta correta, digite o seguinte comando: ◦ gcc arquivo.c –o programa -Wall ◦ Neste exemplo, substitua o nome “arquivo” pelo nome do seu arquivo. ◦ Substitua também o nome programa pelo nome que você desejar. ◦ O “-o” significa que o programa compilado se chamará programa; ◦ O “-Wall” significa que pedimos que sejam mostrados todos os erros e avisos de compilação. 22

23  Se o seu programa não apresentar erros, nenhuma mensagem será apresentada pelo compilador ◦ Você já pode executar seu programa.  Caso contrário, o compilador tentará te avisar onde está o erro do seu programa ◦ Será necessário corrigir o erro em seu código fonte e compilá-lo novamente. 23

24 24

25 25 O compilador tenta indicar em qual linha está o erro, e qual é o tipo de erro. Neste exemplo, o erro está na linha 4, e se refere à falta de ponto e vírgula.

26  Toda vez que alterarmos nossos códigos, não podemos nos esquecer de salvar antes de compilar ◦ Senão, estaremos compilando uma versão antiga de nossos programas, que não refletem as alterações realizadas. 26

27  Uma vez compilado, seu programa pode ser executado pelo próprio terminal ◦ Basta digitar./ antes do nome do programa; ◦./programa  Por enquanto, nossos programas não terão janelas, mouse e etc.  Eles serão executados dentro do próprio terminal. 27

28 28

29  Lembram do arquivo SeuNome_Lab01_Exe01.c? ◦ Vamos compilá-lo e executá-lo! ◦ gcc arquivo.c –o lab01_exe01 –Wall ◦./lab01_exe01 ◦ Veja que agora o “programa” tem um nome específico para facilitar a identificação. 29

30  Abra o windows explorer (windows) e acesse a pasta que contém seu programa ◦ Verifique a existência dos arquivos “.c”, “.o” e do executável;  Dê um duplo clique no ícone do arquivo “.exe” ◦ O que aconteceu?  No Ubuntu, abra a Pasta Pessoal, e acesse a pasta que contém seu programa ◦ Verifique a existência do arquivo “.c” e do executável; 30

31  Quando compilamos um programa e encontramos erros, dizemos que houve erro em tempo de compilação;  Porém, frequentemente o código é compilado perfeitamente e quando o executamos acontece algum erro ◦ O chamado erro em tempo de execução; ◦ Geralmente são erros de lógica, e não de programação em si.  Obviamente, o compilador só detecta erros em tempo de compilação.  Atenção, programas com erros de compilação são zerados em exercícios e provas. 31

32 Introdução à Linguagem C 32

33  Durante a década de 60, os computadores ainda estavam em um estágio de desenvolvimento ◦ Surgiam várias linguagens de programação; ◦ Duas das mais utilizadas eram ALGOL e FORTRAN.  Em 1963, surge a linguagem CPL (Combined Programming Language) mais ampla que ALGOL e FORTRAN, contudo, mais difícil. 33

34  Em 1967, foi desenvolvida a linguagem BCPL (Basic Combined Programming Language), uma versão simplificada da CPL ◦ Criada originalmente para construir compiladores; ◦ Ainda assim possuía muitos conceitos.  Em 1970, Ken Thompson criou a linguagem B ◦ BCPL- “supérfluos”; ◦ Era um pequeno subconjunto da BCPL, e era muito limitado. 34

35 35  Em 1971, Dennis Ritchie desenvolvia uma “nova linguagem B”, que, em 1973 seria batizada de linguagem C. Ken Thompson e Dennis Ritchie

36  Algumas Curiosidades: ◦ C foi desenvolvido para ajudar a desenvolver o sistema operacional Unix  No qual baseia-se o sistema operacional Linux. ◦ Existem pouquíssimas arquiteturas que não possuam compiladores para a linguagem C; ◦ Existe a linguagem D  Outras linguagens baseadas em C são C++, C#, Python, Perl, PHP e Go (em desenvolvimento pelo Google). 36

37  Este é o esqueleto do programa mais básico em C;  main é uma função ◦ Porção de código com objetivo específico; ◦ Esta é a função principal; ◦ Todos programas têm; ◦ A execução do programa sempre começa por ela. 37

38  int significa que a função retornará um número inteiro;  Os símbolos ( e ) indicam quais são os dados enviados para a função ◦ Chamados parâmetros.  Os símbolos { e } delimitam o escopo da função ◦ Tudo que está entre { e } pertence à função. 38

39  Criem um novo código-fonte e o salvem seguindo a nomenclatura utilizada;  Digitem o esqueleto básico de um programa em C;  Compilem e executem;  O que aconteceu? 39

40  Agora, troquem o nome da função main por qualquer outro nome;  Compilem e executem;  O que aconteceu? 40

41  Abram o arquivo chamado Lab1Exe1.c criado anteriormente;  Substituam a frase “Bem vindo à Linguagem C” por seu nome completo;  Compilem e executem. 41

42  Uma diretiva de compilação avisa ao compilador que transformações devem ser realizadas no código;  Sempre começam com ‘#’;  Não terminam com ‘;’;  Neste caso específico, diz ao compilador que instruções da biblioteca de entrada e saída devem ser incluídas. 42 Diretiva de Compilação

43  Como vimos, a função main é a primeira no fluxo de execução de um programa;  int é o tipo da função que representa “inteiro”. 43 Função Principal

44  Os símbolos ‘{’ e ‘}’ delimitam o início e fim do bloco de instruções da função. 44 Delimitadores

45  Estas são instruções (ou comandos) em C;  Sempre no final existe o símbolo ‘;’, não se esqueçam ◦ Apenas em assinaturas de funções, diretivas e instruções de desvio ou repetição não se usa ‘;’. 45 Instrução

46  As bibliotecas mais importantes para o curso são:  stdio.h ◦ #include ◦ Fluxo de dados (entrada e saída).  math.h ◦ #include ◦ Operações matemáticas  Trigonométricas;  Hiperbólicas;  Exponenciais;  Logarítmicas;  Arredondamento, módulo e valor absoluto. 46

47  stdlib.h ◦ #include ◦ Biblioteca padrão que contém funções diversas.  string.h ◦ #include ◦ Contém funções de manipulação de cadeias de caracteres. 47

48  A indentação de um código-fonte é o formato em que as instruções estão dispostas no arquivo ◦ Ou seja, o alinhamento das instruções.  Por padrão apenas a declaração de bibliotecas e constantes, o main e suas chaves ficam alinhados à esquerda ◦ Todas as outras instruções e expressões são alinhadas mais à direita  3 espaços ou tab. 48

49 49

50  As linguagens de programação frequentemente fornecem meios para que possamos fazer “anotações” em códigos fonte, chamados comentários ◦ Elas não são instruções do programa, são “lembretes” para nós; ◦ O compilador não as leva em consideração. 50

51  Em C, existem duas maneiras de fazer comentários: ◦ Comentários de uma linha são identificados pelos símbolos “//”; ◦ Comentários de mais de uma linha são identificados pelos símbolos “/*” no início do comentário e “*/” ao final do comentário. 51

52 52

53 53

54 Perguntas? 54

55 FIM 55


Carregar ppt "BCC201 Introdução à Programação Prof. Reinaldo Fortes 2014/2."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google