A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Profª Drª Mariéte Félix Rosa CD do MIEIB Fórum de EI de MS Assessora Técnica do CME - Campo Grande/MS AssessoraTécnica do Escritório da UEMS – CG/MS OFICINA.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Profª Drª Mariéte Félix Rosa CD do MIEIB Fórum de EI de MS Assessora Técnica do CME - Campo Grande/MS AssessoraTécnica do Escritório da UEMS – CG/MS OFICINA."— Transcrição da apresentação:

1 Profª Drª Mariéte Félix Rosa CD do MIEIB Fórum de EI de MS Assessora Técnica do CME - Campo Grande/MS AssessoraTécnica do Escritório da UEMS – CG/MS OFICINA A Linguagem Musical na Educação Infantil

2

3 Aqui vamos pensar a Música na EI enquanto: Um bem cultural que professores/as e as crianças devem ter acesso; Uma forma de comunicação; Uma das diferentes linguagens a ser trabalhada na EI.

4 O que é Cultura: (do latim cultura, cultivar o solo, cuidar)latim VAMOS PENSAR AQUI A CULTURA COMO: O conjunto de manifestações artísticas, sociais, lingüísticas e comportamentais de um povo ou civilização. Fazem parte da cultura de um povo as seguintes atividades e manifestações: música, teatro, rituais religiosos, língua falada e escrita, mitos, hábitos alimentares, danças, arquitetura, invenções, pensamentos, formas de organização social, etc. É um termo com várias acepções, em diferentes níveis de profundidade e diferente especificidade Se refere a crenças, comportamentos, valores, instituições, regras morais que permeiam e identifica uma sociedade. São práticas e ações sociais que seguem um padrão determinado no espaço. Explica e dá sentido a cosmologia social, é a identidade própria de um grupo humano em um território e num determinado período. No senso comum:"cultura é tudo o que é produzido pelo homem que o difere dos animais"

5 Mas essa universalidade não é total, porque também expressa características de um determinado tempo, espaço, idioma, povo. Assim, por ser uma forma de linguagem, varia de cultura para cultura. A MÚSICA COMO FORMA DE COMUNICAÇÃO A Música é uma arte, mas também uma linguagem, que há milhares de anos os homens e as mulheres utilizam para se comunicar. Assim, com a música, do mesmo modo que com a linguagem humana, as pessoas podem se comunicar através de sons e, às vezes, descrever situações, emoções, idéias, ambientes ou personagens. A música está aberta a interpretação de cada pessoa, pode ser apreciada por ouvintes de diferentes povos, culturas e diversas épocas. Por isso ela tem sido qualificada como uma linguagem universal.

6 As diferentes linguagens trabalhadas na EI As linguagens da criança estão presentes:

7 1- Quando tratamos de qualquer das linguagens da Educação Infantil precisamos pensar NA CRIANÇA, ou seja, na INFÂNCIA: - As visões sobre infância - Significações de “ser criança” - Compreendida na pluralidade e diversidade étnica, cultural, social, política e econômica. O que traz na chegada na instituição de Educação Infantil.

8 A Linguagem Musical faz parte de um rol de linguagens que temos que trabalhar com a criança. Exploração dos sons e do silêncio Ouvir Cantar Concentração, percepção, expressão, comunicação Movimento, rítmo, tempo, etc. A LINGUAGEM DA MÚSICA:

9 Conversa Professora e crianças de uma turma de 3 para a 4 anos. Luís Fernando diz: “Eu queria mesmo saber é por que existe música! É uma boa pergunta! Quem saberia responder? -Pra deixar a gente animada, diz Mariana (4 anos) -Prá animar a gente é?, perguntei. - Posso falar uma coisa? Interveio Ian. Não é só para deixar a gente animado, não, porque tem música que a minha mãe canta prá mim e pro meu irmão na hora de dormir, e a gente dorme. Tem música que é prá gente ficar calmo, com sono. - É verdade; o Ian disse uma coisa muito certa. E vocês sabem como se chamam as músicas que fazem a gente dormir? - Silêncio.

10 -São canções de ninar ou acalantos. Mas, a Mariana disse que a música anima, e o Ian disse que a música também pode dar sono. O que mais a gente sente ouvindo música? Que tipos de música existem? -Música de casamento...de festa de aniversário...de filme....de videogame....de soldado....de dançar....de medo.....(eles foram citando) -De repente, Mariana lançou nova questão: -Mas eu quero mesmo saber por que existe som! -O que é também muito importante, porque a música, para existir, depende do som, coloquei. -E do silêncio!, lembrou, Alex. -Eu sei por que existe som, disse Luís Fernando. -A minha mãe falou que é porque existe vibração? -Muito bem, Nando, é isso mesmo! Mas o que é vibração?, perguntei......e assim fomos conversando.....pesquisando buscando.....cantando e, conhecendo um pouco sobre o universo da linguagem musical

11 Estudos e pesquisas pautadas no seu trabalho com as crianças em cima do estudo do som e do silêncio. Para que a criança possa entender música é necessário construir esse conceito. “Perceber gestos e movimentos sob a forma de vibrações sonoras é parte de nossa integração com o mundo em que vivemos”,(BRITO) O livro “Música na educação infantil”: Traz uma visão da música não como um objeto funcional, mas como elemento importante para a formação do homem. A música deixa de ser só entretenimento, e passa a agir como elemento para o aprendizado, estímulo da percepção e desenvolvimento das linguagens.

12 Os Sons e a Música O som existe : Originado pela natureza (ex. canto do pássaro, o mar, as ondas, as águas, o fogo, etc ) Produzido pelo ser humano (ex. uma canção, a fala, palmas etc) os sons dos objetos A Comunicação verbal é feita pelo som da voz : falada ou cantada. Os sons provocam reações diferenciadas: Percepção dos sons existentes

13 DAS LEMBRANÇAS O recém-nascido prefere a voz da mãe a outras vozes femininas e vozes masculinas. A audição é o 1º sentido que o feto desenvolve. O feto convive com os sons do corpo da mãe: batimentos cardíacos, pulsação, voz etc. e do ambiente externo. A voz da mãe e o som da língua nativa têm algumas vantagens sobre outros sons no nascimento. O recém-nascido reconhece sons e padrões ouvidos no útero. Na infância, os sons dos objetos, dos brinquedos e da voz de nossos pais e de pessoas próximas que cuidam e educam chamam a atenção e reagimos a eles. Aprendemos desde cedo, a produzir sons que são utilizados para determinados fins, como: -da voz, que servem para falarmos e nos comunicarmos, -do nosso corpo, que nos permitem expressar o que sentimos, o que queremos dizer.

14 OUVIR É IMPORTANTE como parte da Integração entre o homem e o meio onde ele vive. SOM É TUDO QUE SOA! Tudo que o ouvido percebe sob forma de movimento vibratório SILÊNCIO NÃO É AUSÊNCIA DE SOM, mas sim a ausência de sons audíveis. Tudo vibra! o tempo todo há movimento gerador de som, sendo este audível ou não.

15 Parâmetros/Qualidades/Propriedades dos Sons na Música AlturaIntensidadeDuraçãoTimbre ou cor sonora diferenciam-se Agudos/ graves entre o som agudo da voz de uma criança e o som grave da voz de um homem (altura); Forte/ fraco entre o barulho do tráfego e o som forte das buzinas (intensidade); Curto/ longo entre as buzinas que produzem sons curtos e longos (duração); Fontes sonoras se a melodia que escutamos no rádio é tocada por um violão ou uma guitarra (timbre) Ao combiná-las, obtemos alguns dos elementos ou ingredientes básicos da música melodiadinâmicaritmotimbre

16 Altura Agudo ou grave. É determinada pela freqüência dos sons. Quanto maior for a freqüência de uma onda sonora, mais agudo é o som, quanto menor mais grave logo isso é determinado pelo nº de vibrações da onda sonora por segundo. São essas vibrações que definem cada uma das notas musicais: dó, ré, mi, fá, sol, lá, lá si. A altura dos sons tem significados relativos; por ex., os sons agudos do violino não são os mesmos do trombone ou rabecão. Intensidade É à força do som, ou seja, muito fraco, médio, forte ou muito forte. É semelhante ao que habitualmente chamamos de volume. Duração É o tempo que o som permanece em nossos ouvidos - curto ou longo. A duração dos sons depende do tempo de vibração do objeto que os produz. Alguns têm ressonância curta (sons dos tambores) e outras longa (sons dos sinos) Timbre É a propriedade/qualidade do som que nos permite distinguir a fonte sonora que o produz. A nossa voz tem um timbre peculiar, tão individual quanto as impressões digitais, tanto que reconhecemos a voz de alguém falando sem vê-la. O mesmo acontece com os diferentes instrumentos musicais. A cor sonora ou timbre está presente em qualquer sucessão de sons. (Rato) Parâmetros/Qualidades/Propriedades dos Sons na Música

17 RITMO Toda música que ouvimos se constitui de uma série de sons e silêncios de diferentes durações, que geralmente se organizam a partir de batidas regulares, chamadas tempos ou pulsos. Muitas vezes, ao ouvir uma peça musical, começamos a acompanhá-la quase sem nos dar conta disso. As batidas que marcamos com o pé, com a mão ou com a cabeça, semelhantes ás batidas do coração, sucedem-se com regularidade. MELODIA É uma sucessão de sons de diferentes alturas e durações. Ao compor uma melodia é possível utilizar escalas integradas pelas notas conhecidas dó, ré mi, fá, sol, lá, si. (música : Minha Canção – Chico Buarque) DINÂMICA São as mudanças de intensidade. Se em vez de cantarmos uma melodia o tempo todo com o mesmo volume variarmos as intensidades, podemos destacar alguns fragmentos ou deixar outros em segundo plano. Desse modo, a música se torna mais expressiva. Algo semelhante ocorre quando, ao falar, fazemos inflexões e mudanças de volume com a voz para darmos força expressiva ou significado diferente para a mensagem que queremos comunicar. ELEMENTOS

18

19 QUERO SABER O QUE VOCÊS ESCUTARAM, E NÃO SÓ O VOCÊS VIRAM!!!!! - A importância do diálogo com as crianças, pois estimula a atenção, a lembrança do ouvido e a CONCENTRAÇÃO para a ESCUTA; O QUE VOCÊS PODEM FAZER: - Escutar e relacionar os sons que fazem parte do cotidiano da instituição de educação (Pátio, cozinha, sala de atividades, berçário) e das redondezas; - As crianças podem fazer expedições para escutar e desenhar mapas, registrando suas observações sonoras,; - As crianças podem gravar os sons coletados; -Reproduzir os sons ouvidos e citados nos dialogos entre as crianças e a professora; -Pesquisar possibilidades de exploração dos sons com a voz, o corpo, brinquedos sonoros, instrumentos musicais, etc.

20

21 Vocal É toda aquela que é cantada a uma ou várias vozes ( Bambalalão) Instrumental É a que se interpreta com um ou vários instrumentos sem incluir vozes Profana ou Sacra Profana – a que não tem função religiosa Sacra ou religiosa - cuja função está relacionada com culto e as cerimônias religiosas Incidental ou pura Incidental – se composta para ser usada em produção de dança, teatro ou filmes Pura – que não se combina com representações ou imagens Erudita O termo é utilizado em contraposição ao da música popular. Popular Engloba vários estilos e formas de música das culturas. (sertaneja, rock, MPB, regional e a música folclórica pertencente à cultura popular, que é parte integrante da comunidade à qual pertence). Gênero musical :

22 Óperas mais famosas de todos os tempos: · Carmen de Bizet · Aída de Verdi · Guilherme Tell de Rossini · Flauta Mágica de Mozart · La Gioconda, de Amilcare Ponchielli · O Barbeiro de Sevilha, de Gioacchino Rossini · Cavalleria Rusticana, de Pietro Mascagni

23

24

25 Condutas da Produção sonora Infantil Para DELALANDE- o melhor caminho na Educação Infantil é : Observar como as crianças explora o universo sonoro musical, e utilizar-se destas informações para maximizar as experiências delas, direcionando e ampliando as possibilidades (direcionar não é dizer certo ou errado, mas sim orientar o trabalho), sempre respeitando o ritmo e a maneira de cada criança realizar suas descobertas. DELALANDE subdivide a exploração sonora infantil em três partes:

26 LEMBRETES - Cada criança é, portanto o trabalho pode e deve variar de grupo para grupo. - Para as crianças fazer ou ouvir música não significa seguir regras ou observar características, mas sim vivenciar o momento, aprender. Ao fazer um som ou um movimento sonoro, ela não está consciente de que está fazendo música, mas quer interagir com os objetos ou com si mesma. Ela não quer fazer música no sentido que conhecemos, música intencional, organizada, mas o faz através da ausência de intenções. Para ela não importa como o outro toca o seu instrumento ou se está fazendo corretamente, ela simplesmente toca.

27 FIQUE ATENTO - Essas e outras indagações, devemos fazer diariamente no nosso trabalho com música com as crianças. - Observar, comparar (sem juízo de valor, sem considerar melhor ou pior) e registrar é importante. - Só assim criaremos condições para ampliar as possibilidades de percepção, criação, reflexão, expressão e comunicação musical das crianças.

28 O/A professora, seja qual for o conhecimento que tenha de música, não pode deixar de ter como referência o “ouvinte curioso”, ou seja, para que o/a professor/a selecione bem as músicas que utilizará em suas aulas, deverá desenvolver seu espírito crítico como ouvinte.

29 No Cotidiano da Educação Infantil, temos que tomar Cuidado para não usar a música no dia-a-dia, como suporte para atender a propósitos diversos tais como: - aquisição de conhecimentos gerais, para a formação de hábitos e atitudes, disciplinas, condicionamentos de rotina, - comemorações de datas diversas etc. se fazem muito presentes, desde muito tempo, no cotidiano das instituições de educação infantil. -“musiquinhas” acompanhadas de gestos e movimentos repetitivos, mecânicos e estereotipados, que acabam automatizando aquilo que deveria ser expressivo, com ampliação de repertório, exploração dos sons e silêncios e das possibilidades expressivas das crianças. -Outro “fator complicante” tem sido o caráter de “espetáculo” que ronda o trabalho com música, na Educação Infantil.

30 A PROPOSIÇÃO DO TRABALHO COM A MÚSICA DEVE SER DE: - promover o ser humano acima de tudo; - incluir todas as crianças sem a exclusão de ninguém, quer seja afinado ou não; - - formação das crianças, principalmente às que apresentam alguma deficiência. Esta é a função do trabalho com música com bebês e crianças muito pequenas.

31

32 CDs Abra Roda Tin do lê lê – Lydia Hortélio Adriana Partimpim – As favoritas da garotada – As mais lindas canções infantis de todo mundo Arca de Noé I e II – Vinicius de Moraes Brincando com palavras – Poemas de José Paulo Paes musicados e cantados por Madan Canções Curiosas – Sandra Peres e Paulo Tatit - Selo Palavra Cantada Canções de brincar – Sandra Peres e Paulo Tatit - Selo Palavra Cantada Canção dos direitos da criança – Toquinho e Elifas Andreato Cantigas de Ninar – Sandra Peres e Paulo Tatit - Selo Palavra Cantada Cantigas de roda– Sandra Peres e Paulo Tatit - Selo Palavra Cantada Casa de Brinquedos – Toquinho Coleção Princesas da Disney – Records Contos, cantos e acalantos – José Mauro Brant Clássicos para crianças Disney super hits – Volumes 1, 2, 3 e 4 – em Português Dois a Dois – grupo rodapião -Selo Palavra Cantada Fantasia Walt Disney Girafulô Cirandas – cantigas de roda Homem de Bem – Canções para Ninar – Tomaz Lima José Paulo Paes para seus filhos – poemas musicados por Paulo Bi Meu Neném– Sandra Peres e Paulo Tatit - Selo Palavra Cantada Ô, bela Alice – Lydia Hortélio Pé com pé– Sandra Peres e Paulo Tatit - Selo Palavra Cantada Pedro e o Lobo Quem canta seus males espanta - caramelo Saltimbancos – Chico Buarque Trilha Sonora da Branca de Neve – Trilha Sonora do Aladim – Versão Português Trilha Sonora do Irmão Urso – Versão Português Trilha Sonora do Rei Leão– Versão Português Trilha Sonora do Tarzan – Versão Português Villa-Lobos para Crianças

33 Cantando na Chuva Alguns Filmes Musicais que você Professor/a pode assistir O Mágico de OzAmadeusA noviça Rebelde Tango A voz do Coração O Fantasma da ÓperaO som do Coração

34 Infantis Branca de Neve Cinderella A Bela Adormecid a

35


Carregar ppt "Profª Drª Mariéte Félix Rosa CD do MIEIB Fórum de EI de MS Assessora Técnica do CME - Campo Grande/MS AssessoraTécnica do Escritório da UEMS – CG/MS OFICINA."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google