A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Uveítes na Infância Residente em Pediatria RENATA BARCELOS BARRA JEFFERSON A. P. PINHEIRO Orientador Hospital Regional da Asa Sul (HRAS)/SES/DF www.paulomargotto.com.brwww.paulomargotto.com.br.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Uveítes na Infância Residente em Pediatria RENATA BARCELOS BARRA JEFFERSON A. P. PINHEIRO Orientador Hospital Regional da Asa Sul (HRAS)/SES/DF www.paulomargotto.com.brwww.paulomargotto.com.br."— Transcrição da apresentação:

1 Uveítes na Infância Residente em Pediatria RENATA BARCELOS BARRA JEFFERSON A. P. PINHEIRO Orientador Hospital Regional da Asa Sul (HRAS)/SES/DF - 4/11/2009 Monografia apresentada ao Supervisor do Programa de Residência Médica da Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal, como requisito parcial para obtenção do título de especialista em Pediatria

2 INTRODUÇÃO Uveítes estão associadas a mais de 25% das causas de cegueira ◦ 30 casos / ◦ 4,3 a 6,9 casos / crianças por ano ◦ Crianças representam 5 a 10% dos atendimentos em centros terciários Na infância a doença é insidiosa, diagnóstico geralmente tardio, as complicações são mais graves do que nos adultos ◦ 25% evoluem com perda grave da acuidade visual ◦ Catarata, sinéquias, ceratopatia em faixa, glaucoma Etiologia infecciosa ou imunológica, podendo ser a primeira manifestação de uma síndrome clínica. Cunningham ET. Uveitis in children. Ocul Immunol Inflamm 2000;8:

3 OBJETIVO Realizar revisão da literatura sobre uveítes na infância visando atualizar as informações aos profissionais de saúde, a fim de melhorar o diagnóstico da doença e conseqüentemente diminuir suas complicações

4 MATERIAL E MÉTODO Revisão da literatura nacional e internacional utilizando bancos de dados MEDLINE, LILACS-BIREME e COCHRANE; Selecionado artigos publicados abordando as uveítes na infância Utilizadas palavras-chave em várias combinações: uveítes; crianças; infecções oculares; inflamação ocular. A pesquisa incluiu artigos originais, artigos de revisão, editoriais e diretrizes nas línguas inglesa e portuguesa, sendo selecionados de acordo com os critérios do Centro Oxford de Evidência.

5 Classificação: Uveíte anterior  íris e corpo ciliar Uveíte intermediária  corpo ciliar e coróide Uveíte posterior  inflamação primária da coróide Uveíte difusa  íris, corpo ciliar e coróide REVISÃO DA LITERATURA Definição: Uveíte é um processo inflamatório que acomete a úvea, região composta pela íris, corpo ciliar e coróide Bloch-Michel E, Nussenblatt RB. International Uveitis Study Group recommendations for the evaluation of intraocular inflammatory disease. Am J Ophthalmol 1987; 103:234-5.

6 REVISÃO DA LITERATURA Epidemiologia ◦ Meninas  são mais acometidas  Uveíte anterior  30 a 40%  Posterior  40 a 50%  Intermediária  10 a 20%  Difusas  5 a 10% Associação com polimorfismo de moléculas do HLA e citocinas ◦ Afinidade da molécula HLA pelo peptídeo causador da doença ◦ Influência do HLA sobre a seleção tímica de linfócitos ◦ Mimetismo molecular entre antígenos de microorganismos infecciosos e antígenos do hospedeiro ◦ Expressão anormal de moléculas HLA apresentando aos linfócitos T antígenos derivados do próprio tecido Alves C, Meyer I, Toralles MB, Marback RL. Association of human histocompatibility antigens with ophthalmological disorders. Arq Bras Oftalmol 2006;69:273-8

7 REVISÃO DA LITERATURA DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DAS UVEÍTES LOCALIZAÇÃO NÃO GRANULOMATOSA GRANULOMATOSA Idiopática Sarcoidose ANTERIORArtrite Idiopática Juvenil Oncocercose Herpes Vírus Sífilis Kawasaki Doença de Lyme Leucemias Toxocaríase Pós-infecções bacterianas Espondiloartropatias Doença deBehçet TINU INTERMÉDIARIAPars Planite Sarcoidose POSTERIORSíndrome Necrose Retiniana Aguda Toxoplasmose Citomegalovírus Tuberculose DIFUSASíndromes Mascaradas Oftalmia Simpática Sind. Vogt-Koyanagi-Harada Madigan WP, Raymond WR, Wroblewski KJ, Thebpatiphat N, Birdsong RH, Jaafar MS. A review of pediatric uveitis: part II. Autoimmune diseases and treatment modalities. J Pediatr Ophthalmol Strabismus 2008;45:

8 REVISÃO DA LITERATURA UVEÍTE ANTERIOR Artrite Idiopática Juvenil: causa não infecciosa mais comum de uveíte anterior na infância ◦Oligoarticular:21% casos apresentam uveíte ◦Poliarticular:10% dos casos ◦Entesite:27% dos casos ◦Artrite psoriática: 17% dos casos ◦Sistêmica: raramente desenvolverá uveíte # uveíte se desenvolve dentro de 4 anos do diagnóstico e é mais freqüente no sexo feminino(4:1) com o anticorpo anti-nuclear positivo. Sendo que a uveíte pode preceder em 3 a 10 anos. Madigan WP, Raymond WR, Wroblewski KJ, Thebpatiphat N, Birdsong RH, Jaafar MS. A review of pediatric uveitis: part II. Autoimmune diseases and treatment modalities. J Pediatr Ophthalmol Strabismus 2008;45:

9 REVISÃO DA LITERATURA UVEÍTE ANTERIOR Herpes simples vírus: causa infecciosa mais frequente de uveíte anterior na infância ◦HSV 1: iridociclite ◦HSV 2: necrose aguda de retina Patogênese: proliferação viral, estimulo antigênico, resposta inflamatória e imune do hospedeiro Recorrente;Precipitados ceráticos, hipópio, atrofia da íris Causa comum de glaucoma Madigan WP, Raymond WR, Wroblewski KJ, Thebpatiphat N, Birdsong RH, Jaafar MS. A review of pediatric uveitis: part II. Autoimmune diseases and treatment modalities. J Pediatr Ophthalmol Strabismus 2008;45:202-19

10 REVISÃO DA LITERATURA UVEÍTE ANTERIOR: NÓDULO DE KOEPPE HIPÓPIO BUSACCA PRECIPITADOS CERÁTICOS SINÉQUIA POSTERIOR

11 REVISÃO DA LITERATURA UVEÍTE POSTERIOR TOXOPLASMOSE: retinocoroidite toxoplasmática é a 2ª principal causa de uveíte posterior na maioria dos estudos. A causa mais comum ainda é idiopática. Infecção congênita  maioria dos casos 20 a 30% dos casos de infecção congênita  coriorretinite 18% das lesões no 1º mês 43% até os 6 meses de idade 97% até os 7 anos Geralmente bilateral com lesão próxima à mácula Infecção congênita  maioria dos casos 20 a 30% dos casos de infecção congênita  coriorretinite 18% das lesões no 1º mês 43% até os 6 meses de idade 97% até os 7 anos Geralmente bilateral com lesão próxima à mácula Madigan WP, Raymond WR, Wroblewski KJ, Thebpatiphat N, Birdsong RH, Jaafar MS. A review of pediatric uveitis: Part I. Infectious causes and the masquerade syndromes. J Pediatr Ophthalmol Strabismus 2008;45:

12 REVISÃO DA LITERATURA UVEÍTE INTERMEDIÁRIA ETIOLOGIA IDIOPÁTICA ◦ Pars planite e esclerose multipla associado ao HLA-DR15 UVEÍTE DIFUSA SÍNDROME VOGT-KOYANAGI-HARADA Inflamação ocular,meningite asséptica,vitiligo, ouvido interno,alopécia. Envolvimento ocular bilateral, sendo o 2º olho lesado após 2 sem. de doença. SÍNDROMES MASCARADAS Neoplásicas ( retinoblastoma;leucemia e linfomas ) Não neoplásicas ( xantogranuloma, pseudotumor orbital, corpo estranho ) Madigan WP, Raymond WR, Wroblewski KJ, Thebpatiphat N, Birdsong RH, Jaafar MS. A review of pediatric uveitis: Part I. Infectious causes and the masquerade syndromes. J Pediatr Ophthalmol Strabismus 2008;45:140-9.

13 CONCLUSÃO Tema pouco conhecido dos profissionais de saúde Dificuldade em se estabelecer o diagnóstico e com grandes conseqüências, principalmente na infância; Está associada a várias doenças sistêmicas e síndromes mascaradas; Podendo surgir como a primeira manifestação de uma síndrome clínica.

14 CONCLUSÃO OBRIGADA !


Carregar ppt "Uveítes na Infância Residente em Pediatria RENATA BARCELOS BARRA JEFFERSON A. P. PINHEIRO Orientador Hospital Regional da Asa Sul (HRAS)/SES/DF www.paulomargotto.com.brwww.paulomargotto.com.br."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google