A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov. 2009 Fontes de Informação em Medicina Baseada em Evidências Sérgio Ricardo F. Síndico - Bibliotecário.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov. 2009 Fontes de Informação em Medicina Baseada em Evidências Sérgio Ricardo F. Síndico - Bibliotecário."— Transcrição da apresentação:

1 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov Fontes de Informação em Medicina Baseada em Evidências Sérgio Ricardo F. Síndico - Bibliotecário CRB Mestre em Ciência da Informação – UFF/IBICT FIOCRUZ/ICICT/Biblioteca da Saúde da Mulher e da Criança

2 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov ESTUDOS EPIDEMIOLÓGICOS 1.MEDICINA BASEADA EM EVIDÊNCIAS – MBE Histórico Conceitos 3.FONTES DE INFORMAÇÃO EM MBE 4.BUSCA EM FONTES DE INFORMAÇÃO EM MBE - Estratégia de busca

3 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov MEDICINA BASEADA EM EVIDÊNCIAS - Antecedentes o cirurgião escocês James Lind conduziu uma experiência, considerada como o primeiro ensaio clínico registado na história da Medicina. A bordo do navio HMS Salisbury, Lind dividiu um grupo de doze marinheiros infectados pelo escorbuto em diferentes grupos, que receberam diferentes formas de terapia. O grupo com acesso a laranjas e limões recuperou da doença 1904 – 1ª metanálise publicada no BMJ 1955 – 1ª revisão sistemática publicada no JAMA 1948 – 1º ensaio clínico randomizado publicado no BMJ

4 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov – Surge pela 1ª vez o termo metanálise Effective Care During Pregnancy and Childbirth Centro Cochrane do Reino Unido Centro Cochrane do Brasil 1972 – Effectiveness and Efficiency. Random Reflections on Health Services – Archibald Cochrane 1993 – Colaboração Cochrane

5 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov É realmente muito deplorável que a nossa profissão ainda não tenha organizado um resumo crítico, por especialidade ou sub-especialidade, adaptado periodicamente, de todos os ensaios clínicos randomizados relevantes. (Archie Cochrane, 1979)

6 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov MEDICINA BASEADA EM EVIDÊNCIAS - Histórico Movimento iniciado no final da década de 1970 pelos epidemiologistas clínicos David Sackett, Brian Haynes, Peter Tugwell e Victor Neufeld, da Mac Master University, Canadá. Na década de 1990 o Dr. Gordon Guyatt, continuou o trabalho de Sackett, e introduziu o conceito de prática clínica baseada em evidência como um aspecto essencial da formação nas profissões da saúde.

7 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov O que é - "processo de sistematicamente descobrir, avaliar e usar achados de investigações como base para decisões clínicas" (Guyatt et al ). Ex.: Pacientes pós infarto agudo do miocárdio apresentando extra-sistolia ventricular têm um maior risco de morte súbita. Durante muitos anos utilizou-se drogas antiarritmicas nestes pacientes, por acreditar-se interromper desta forma o processo "fisiopatológico"; no entanto, após estudos clínicos randomizados, evidenciou-se que os pacientes que usavam tais drogas apresentavam um risco do morte maior do que aqueles que não usavam 1.MEDICINA BASEADA EM EVIDÊNCIAS - Conceitos

8 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov Tamanho do beneficio e o efeito adverso Melhor tipo de estudo/ método de pesquisa para a questão/ problema Informação de boa evidência

9 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov Decisão médica tradicional Raciocínio fisiopatológico e opinião de especialistas Revisões discursivas Decisões clínicas baseadas em experiência não sistematizada Decisão baseada em evidências Experiência e fisiopatologia necessárias, mas insuficientes Revisões sistemáticas e estudos de boa qualidade metodológica Decisões clínicas baseadas nas melhores evidências científicas disponíveis

10 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov Etiologia – Não há evidências de que o bronzeado causou o tumor Diagnóstico – Peço que traga as lâminas para revisão mas as chances de que o diagnóstico mude são baixas Tratamento – Não há tratamento disponível para este tipo de tumor Prognóstico – Tem os 4 fatores de bom prognóstico: Mulher, menos de 60 anos, tumor de extremidades e espessura < 0.76 – Chance em torno de 96% de não recair do tumor em 10 anos

11 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov Ex.: Gráfico de metanálise de 7 ensaios clínicos randomizados (Comparação de intervenção terapêutica com placebo) O uso de corticosteróides no período próximo ao nascimento de bebês prematuros diminui a mortalidade neonatal?

12 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov B - Resultado de um estudo C- Combinação dos resultados A - posição em torno da qual as linhas horizontais se concentrariam se os dois tratamentos comparados nos estudos tivessem efeitos similares A - Se uma linha horizontal tocar na linha vertical, significa que o estudo não encontrou nenhuma diferença entre os tratamentos B – Quanto mais curta a linha, maior a confiança num resultado C – A posição do diamante à esquerda linha vertical indica que tratamento é benéfico

13 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov Questões e resultados do estudo O primeiro destes ensaios clínicos foi relatado em 1972 Indicou que os corticosteróides reduzem o risco dos bebês morrerem por imaturidade pulmonar Como nenhuma revisão sistemática destes ensaios clínicos tinha sido publicada até 1989, a maioria dos obstetras não utilizava o tratamento, que era eficaz. Em conseqüência, dezenas de milhares de bebês prematuros provavelmente sofreram e morreram desnecessariamente (e um tratamento mais caro foi utilizado).

14 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov Antes da MBE INFORMAÇÃO Teorias Fisiopatológicas

15 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov A partir da MBE Pergunta clínica ? Etiologia Diagnóstico Tratamento Profilaxia Custo-benefício Busca das melhores evidências na literatura (Estudos primários de acurácia, Ensaios clínicos clínicos aleatórios e Estudos coortes) Somatório estatístico dos resultados de cada estudo= metanálise

16 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov Importância - Iain Chalmers - editor do The James Lind Library (Reino Unido) - apresentou no ICML 9 uma pesquisa na qual comprova que a maioria dos artigos científicos publicados por editoras especializadas não fazem referência à bibliografia preexistente, nem chegam a novas evidências ou resultados. E o que é pior: ao ignorar estudos já realizados, divulgam informações erradas que podem causar sérios danos à saúde como a morte prematura, além de desperdiçar dinheiro público e a vida de cobaias.

17 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov Quem faz  UK Cochrane Centre –1992 –facilitar e coordenar a preparação e a atualização de revisões sistemáticas de ensaios clínicos randomizados sobre atenção de saúde.  Colaboração Cochrane –1995 – organização internacional que busca facilitar e coordenar a preparação e a atualização de revisões sistemáticas de ensaios clínicos randomizados sobre intervenções e atenção à saúde –promove o acesso às revisões sistemáticas sobre efeitos das intervenções em atenção à saúde  Centro NHS para Revisões e Disseminação –1993 na Universidade de York –desenvolve revisões em áreas prioritárias, provê informação sobre revisões de efetividade e custo- efetividade das intervenções em saúde e produz materiais de disseminação

18 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov  Revisores individuais – pessoas que ajudam a preparar, manter e disseminaras revisões sistemáticas sobre efeitos das intervenções em saúde – baseados em ensaios clínicos randomizados. Conformam grupos de trabalho(Collaborative Review Group –CRG)  Centros Cochrane – compartilham a responsabilidade de facilitar e coordenar a preparação e a manutenção de revisões sistemáticas de ensaios clínicos randomizados sobre intervenções e atenção à saúde.

19 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov Estrutura organizacional da Colaboração Cochrane Comitê Diretor Grupos de Revisão Centros Cochrane Grupos de Metodologia Redes de consumidores Campos

20 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov Comitê Diretor - Corpo político da Colaboração Cochrane, composto por 12 membros que se reúnem duas vezes por ano e são eleitos pelos participantes de cada grupo da Colaboração, isto é, pelos grupos de revisão, grupos de metodologia, campos, redes de consumidores e centros. Grupo de revisão – Responsáveis diretos pela preparação e manutenção das revisões da Colaboração Cochrane Centros Cochrane - localizados em diversas partes do mundo, auxiliam na coordenação e no suporte da Colaboração. Organizam. Respondem pela lista de profissionais que participam das Colaboração; organizam encontros; buscam ensaios clínicos em revistas gerais de saúde; coordenação da criação e manutenção de bases de ensaios clínicos

21 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov Campos - grupos da Colaboração que se dedicam aos aspectos do cuidado à saúde que não problemas inerentes a assintência propriamente ditos. Fatores como, por exemplo, o local onde a assistência à saúde é feita (assistência primária), o tipo de consumidor (por exemplo, idosos), o tipo de profissional de saúde envolvido (por exemplo, fisioterapeutas) etc. Respondem, ainda, pela busca manual em periódicos especializados, e coordenam a relação com agências externas à Colaboração e tecem comentários sobre assuntos relacionados a suas áreas particulares de conhecimento em revisões sistemáticas. Grupo de revisão – Responsáveis pela organização e disseminação de métodos para reunir, avaliar e resumir dados de trabalhos que são relevantes para uma questão específica

22 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov Rede de consumidores - Estabelecida para refletir interesses dos consumidores dentro da Colaboração. Seu princípio é a crença de que o envolvimento dos consumidores no trabalho da Colaboração é importante e deve ser continuamente fortalecido. Almeja a) organizar informações e fóruns para integração dos consumidores envolvidos na Colaboração; b) apoiar o envolvimento dos consumidores nas atividades da Colaboração; c) prover cargos de responsabilidade para representantes de consumidores na Colaboração; d) promover contato entre grupos de consumidores de diversas partes do mundo; e) estimular o uso dos produtos da Colaboração entre os consumidores.

23 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov  Congresso Internacional de Editores de Revistas Médicas, em Praga, considerou o sistema de revisão de pares da Cochrane Library como modelo a ser seguido, fato já posto em prática pela Lancet, que já avalia e publica os protocolos dos estudos a serem submetidos a ele futuramente Quem atesta

24 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov Em 1834, Pierre Charles Alexander Louis, cansado do fato de grande número de doenças serem tratadas com sangria, sugeriu que uma boa pesquisa clínica para ter credibilidade requeria: a) Observação cuidadosa dos desfechos clínicos, b) História natural dos controles não tratados, c) Definição precisa da doença antes do tratamento, d) Observação cuidadosa dos desvios do tratamento proposto. “Sugiro ao leitor verificar que esses requisitos continuam ignorados com freqüência, mesmo em teses de doutorado, apresentadas e aprovadas no terceiro milênio” (ATTALAH, 2002).

25 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov Quem é contra Um dos pais da "medicina baseada em evidências" (MBE) anunciou publicamente sua decisão de "(...)nunca mais dar aulas, escrever ou atuar como 'referee' em qualquer coisa ralacionada à prática clínica baseada em evidências". Para ele, há muito "mais experts disponíveis do que seria saudável" (Sackett, 2000:1283). Sackett assinala que irá dedicar-se especificamente às atividades acadêmicas relativas aos ensaios clínicos.

26 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov Muitas vezes a resposta baseada em evidências a maioria destas questões não é clara ou a 'evidência é incompleta'. De alguma forma, em nossa volúpia dos dados duros (hard data), estas respostas desconhecidas transformam-se em 'não'. Se não há clara e convincente evidência, o modo 'automático' (default) é encarar a prática como sem valor. Reduções drásticas em despesas hospitalares e recusa de pagamentos utilizam esta abordagem para cortar duramente atividades destituídas do impossível, muitas vezes inalcançável, peso da evidência (RUSHTON, 2001, p.349).

27 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov MBE - ESTUDOS CLÍNICOS Diagnóstico  Estudos de acurácia Tratamento  Ensaios clínicos randomizados Prognóstico  Estudos coortes Prevenção  Ensaios clínicos randomizados

28 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov Revisão Sistemática – Reúnem, de forma metodológica, resultados de pesquisas clínicas e auxiliam na explicação de diferenças encontradas entre estudos primários que investigam a mesma questão. 2. MBE - ESTUDOS CLÍNICOS Revisão - intento para sintetizar os resultados de duas ou mais publicações sobre um tema específico. Estudos clínicos randomizados – Modelo de pesquisa em que os participantes são distribuídos aleatoriamente em grupo experimental (ou grupo teste) e grupo controle. O primeiro é submetido à intervenção que se quer testar (por exemplo, um novo medicamento) - indicado para tratamentos.

29 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov Metanálise - método estatístico aplicado à revisão sistemática que integra os resultados de dois ou mais estudos primários (Clarke, 2001). O termo metanálise é comumente usado para se referir às revisões sistemáticas com metanálise. Estudo de acurácia diagnóstica - As pesquisas sobre diagnóstico são aquelas que, tradicionalmente, respondem sobre o desempenho de um exame complementar para diagnóstico de uma doença. Estudo de coorte - compara a experiência ao longo do tempo de um grupo exposto e outro não exposto à fatores de risco, fatores protetores, indo de encontro às conseqüências da exposição (doentes/sobreviventes, evento/ausência do evento).

30 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov FONTES DE INFORMAÇÃO EM MBE a – Bases Primárias disponibilizam os trabalhos originais As revisões tradicionais incluem artigos de revisão e livros de texto, que geralmente são narrativas de natureza opinativa, considerados com força de evidência científica precária, já que não podem ser reproduzidos por outros autores Utilizadas paras buscas de situações clínicas de atualização freqüente. Divulgam resultados em primeira mão.

31 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov Textos gerados segundo a opinião do autor, que decide quais as informações são mais relevantes, sem explicitar a forma como elas são obtidas. O autor costuma buscar trabalhos que reforcem o seu ponto de vista, não considerando aqueles que divergem ou têm propostas alternativas, mesmo que produzidos com boa metodologia de pesquisa. Como o autor escolhe de forma arbitrária os artigos de onde provem a informação, as orientações que se depreendem do texto estão sujeitas ao viés de seleção, com grande interferência da percepção subjetiva

32 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov b – Bases Secundárias Agregam qualidade científica na seleção das evidências apresentadas Revisões sistemáticas, com ou sem meta-análise, que se utilizam de metodologia reprodutível, explícita, critérios de pesquisa e seleção de informação, de tal forma que outros autores que queiram reproduzir a mesma metodologia podem chegar aos mesmos conteúdo e conclusões. São consideradas de grande força de evidência científica.

33 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov As fontes são consideradas secundárias quando as informações originais são reproduzidas, comentadas e avaliadas criticamente, de acordo com a metodologia preconizada pela epidemiologia Clínica. Utilizadas para buscas de situações clínicas com ritmo de atualização mais lento

34 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov a – Bases Primárias

35 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov PUBMED – É um serviço de acesso público, criado e mantido pela Biblioteca Nacional de Medicina dos Estados Unidos (National Library of Medicine – NLM), que disponibiliza mais de 18 milhões de citações de várias bases de dados, dentre elas a MEDLINE. MEDLINE (Medical Literature Analysis and Retrieval System Online) base de dados da literatura internacional da área médica e biomédica, produzida pela NLM (National Library of Medicine, USA) e que contém referências bibliográficas e resumos de mais de títulos de revistas publicadas nos Estados Unidos e em outros 70 países. Contém referências de artigos publicados desde 1966 até o momento, que cobrem as áreas de: medicina, biomedicina, enfermagem, odontologia, veterinária e ciências afins

36 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov Ferramentas busca de ensaios clínicos, revisões sistemáticas: Limites de busca Clinical Queries PICO VIA PUBMED

37 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov. 2009

38 LILACS – índice bibliográfico da literatura relativa às ciências da saúde, publicada nos países da América Latina e Caribe, a partir de Possui mil registros bibliográficos de artigos publicados em cerca de periódicos em ciência da saúde, das quais aproximadamente 800 são atualmente indexadas. Também indexa outros tipos de literatura científica e técnica como teses, monografias, livros e capítulos de. livros, trabalhos apresentados em congressos ou conferências, relatórios, publicações governamentais e de organismos internacionais regionais

39 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov b – Bases Secundárias

40 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov Cochrane de Revisões Sistemáticas (CDSR) - Revisões sistemáticas elaboradas por grupos da Colaboração Cochrane, que proporcionam uma perspectiva geral dos efeitos das intervenções na atenção sanitária (cuidados da saúde). São apresentadas em texto completo. Resumos de Revisões de Efetividade (DARE) - Resumos estruturados que valorizam e sintetizam revisões sistemáticas publicadas em diferentes fontes, e que foram consideradas como de boa qualidade pela Colaboração Cochrane. Conteúdo BIBLIOTECA COCHRANE BVS – Coleção de 8 bases de dados, representa a versão original completa da Cochrane Library:

41 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov Registro Cochrane de Ensaios Controlados (CENTRAL) - Base bibliográfica de ensaios controlados. Estes artigos são identificados pelos colaboradores da Colaboração Cochrane que se esforçam para revisar a literatura científica mundial, criando uma fonte de dados para as revisões sistemáticas. Revisões de Metodologia (CDMR) - Inclui dois tipos de documentos: as Revisões Cochrane de Metodologia e os Protocolos. As revisões são sistemáticas de estudos metodológicos, apresentadas em texto completo. Os protocolos proporcionam informação sobre as revisões que estão em fase de elaboração.

42 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov Registro de Metodologia Cochrane - Bibliografia de publicações que oferecem informação sobre os métodos utilizados para realizar ensaios controlados. Contém estudos de métodos utilizados nas revisões e estudos metodológicos mais gerais que podem ser relevantes para aqueles que estão iniciando na metodologia de revisão. Avaliação de Tecnologias em Saúde (HTA) - Contém informação sobre avaliações de tecnologia em saúde (prevenção e reabilitação, vacinas, medicamentos e equipamentos, procedimentos clínicos e cirúrgicos, e sistemas com os quais se protege e mantém a saúde da população). Inclui informação de projetos em curso e de publicações realizadas por organizações de avaliação de tecnologia em saúde.

43 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov Avaliação Econômica do NHS (NHS EED) – Inclui resumos estruturados de artigos que descrevem avaliações econômicas das intervenções em atenção à saúde e outros temas, como: a responsabilidade de uma enfermidade, metodologia econômica e revisões sobre avaliações econômicas. Sobre a Colaboração Cochrane – um conjunto de informação sobre o trabalho, forma de organização e contatos da Colaboração Cochrane e de seus Grupos Colaboradores de Revisão (Collaborative Reviews Groups - CRGs).

44 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov COCHRANE LIBRARY – Compendium de bases de dados

45 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov Quando usar a Biblioteca Cochrane Efetividade das intervenções sanitárias-cuidados de saúde: Qual a efetividade de um tratamento x? Qual a efetividade de um tratamento x em condições y O tratamento x é mais benéfico que o tratamento y? Qual intervenção é eficiente para alcançar um resultado x? Que estratégias são mais eficientes para “smoking cessation”? Existe alguma evidência que a aspirina reduz os casos de infartos? Tratamento Prevenção e controle Promoção de saúdeOrganização da saúde Diagnóstico

46 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov Informação geral sobre cuidados de saúde Ex.: Há drogas novas para tratar a asma? Que perfil deve ter os enfermeiros para tratar idosos com incontinência urinária? Estatísticas: incidência e dados estatísticos, indicadores Ex.: - Qual a incidência de câncer de mama na população brasileira? Investigação corrente(não-revisões) Investigação experimental –in vitro, animal Quando não usar a Biblioteca Cochrane

47 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov Questões relacionadas a causa, prognóstico, epidemiologia ou fatores de risco para uma doença Ex.: Quais são os danos à saúde de um desempregado? Que fatores genéticos influenciam no desenvolvimento do câncer de mama? Quais as causas da fibromialgia?

48 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov. 2009

49 Portal de Evidências - Seleciona e dissemina estudos sobre efetividade, eficiência e segurança das intervenções no cuidado e atenção à saúde, selecionadas e organizadas por tipo de estudo, e das seguintes fontes de informação: Base de dados LILACS, Cochrane Library, Biblioteca Cochrane Plus, Diretrizes clínicas do Ministério da Saúde do Brasil, Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade e National Guideline Clearinghouse (Estados Unidos), Portal de Revistas da BVS, LIS – Localizador de Informação em Saúde, além de sites da Internet avaliados e eventos relacionados à metodologia MBE.

50 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov Revisões sistemáticas Cochrane de Revisões Sistemáticas (CDSR) - Revisões sistemáticas elaboradas por grupos da Colaboração Cochrane em texto completo. Resumos de Revisões de Efetividade (DARE) - Resumos estruturados que valorizam e sintetizam revisões sistemáticas publicadas em diferentes fontes, e que foram consideradas como de boa qualidade pela Colaboração Cochrane. LILACS – Referências de revisões sistemáticas publicadas na base de dados LILACS. Conteúdo

51 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov Ensaios Clínicos Registro Cochrane de Ensaios Controlados (CENTRAL) – Referencias de ensaios controlados publicadas em bases de dados bibliográficos (principalmente da MEDLINE e EMBASE) e outros ensaios não publicados. LILACS – Referências de ensaios clínicos publicados na base de dados LILACS. Estudos sobre Dor nas Costas – Estudos clínicos sobre Dor nas Costas selecionadas pela Fundação KOVACS.

52 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov Sumários de Evidências Atualização na Prática Ambulatorial – Artigos do periódicos argentino “Evidencia, Actualización el la Práctica Ambulatorial”. Bandolier – Resumos de estudos de evid~encias publicados pela revista Bandolier. Gestão Clínica e Sanitária – Resumos da revista espanhola Gestión Clínica y Sanitaria.

53 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov Avaliações Econômicas em Saúde Avaliação Econômica do NHS (National Health Service EED) – Inclui resumos estruturados de artigos de revistas médicas, bases de dados bibliográficas e literatura cinzenta, que descrevem avaliações econômicas das intervenções em atenção à saúde e outros temas, como: a responsabilidade de uma enfermidade, metodologia econômica e revisões sobre avaliações econômicas (custo/efetividade; custo/benefício; custo/utilidade. LILACS – Referências de avaliações econômicas publicadas na base de dados LILACS.

54 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov Avaliações de Tecnologias em Saúde HTA – INAHTA – Referências de avaliações de tecnologias em saúde, desenvolvidas pela agência International Network of Agencies for Health Technology Assessment Agências Ibero-Americanas – Avaliações de tecnologias em saúde, conduzidas por Agências Ibero-Americanas de avaliações de tecnologias sanitárias

55 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov Diretrizes para Prática Clínica Guidelines – Diretrizes de condutas clínicas (National Guideline Clearinghouse-US), baseadas nas melhores evidências científicas existentes, produzidas de maneira estruturada (freqüência, diagnóstico, tratamento, prognóstico, profilaxia)

56 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov PORTAL DE EVIDÊNCIAS EM SAÚDE PÚBLICA O portal reúne, organiza e oferece acesso integrado a fontes de informação em saúde de melhor nível de evidência de acordo com a metodologia proposta pela Medicina Baseada em Evidências (MBE), com conteúdos selecionados a partir de Revisões sistemáticas, Ensaios Clínicos, Informes de Evidência, Avaliações Econômicas em Saúde e Avaliações de Tecnologias em Saúde, em 10 áreas temáticas (HIV/AIDS, DST, Hepatite, Vacinas, Saúde Bucal, Câncer da Boca, Tabagismo, Saúde da Mulher, Câncer da mama, Câncer do colo do útero)

57 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov. 2009

58 PEDRO - PEDRO - The Physiotherapy Evidence Database – Base de dados elaborada por fisioterapeutas australianos e situada na agência George Institute for International Health, provê acesso as informações bibliográficas e sumários de estudos controlados e revisões sistematizadas em fisioterapia. Possui interface em português.

59 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov. 2009

60

61 Resumos São Paulo Medical Journal - Evidence Based Medicine Journal ACP Journal Club Best Evidence, Todos publicados pelo American College of Physician (http://www.acponline.org)http://www.acponline.org

62 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov BUSCA EM FONTES DE INFORMAÇÃO EM MBE Estratégia De Busca a – Uso da Terminologia - DECS b – Operadores Booleanos c – Formulação da Pergunta Clínica d – Características de busca das Bases

63 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov a – Descritores em Ciências da Saúde - DECS

64 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov b – Operadores Lógicos Booleanos Os operadores lógicos de pesquisa ou operadores lógicos booleanos são usados para relacionar termos ou palavras em uma expressão de pesquisa. Combina dois ou mais assuntos, nomes ou palavras, de um ou mais campos de busca. Os operadores booleanos utilizados na maioria das fontes de informação são: AND - OR - AND NOT

65 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov AND (intersecção) usado para relacionar termos/palavras/nomes Exemplo: Eclampsia AND Hipertensão Serão recuperados documentos que têm as duas palavras ocorrendo simultaneamente no(s) campo(s) para onde a pesquisa estiver sendo direcionada. (representado pelo círculo menor na figura).

66 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov OR (união ) usado para somar palavras/termos/nomes. Exemplo: Eclampsia OR Hipertensão Serão recuperados docu-mentos que têm uma e/ou outra das palavras no(s) campo(s) para onde a pesquisa estiver sendo direcionada. Observe que é eliminada a duplicidade de artigos, aqueles que têm as duas palavras.

67 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov AND NOT (exclusão) usado para excluir palavras/termos Exemplo: Eclampsia AND NOT Hipertensão Serão recuperados documentos que incluem a primeira palavra, excluindo documentos que contenham a segunda palavra no(s) campo(s) para onde a pesquisa estiver sendo direcionada. (representado pela área listada na figura)

68 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov Questões Clínicas Elementos fundamentais da questão de pesquisa e da construção da pergunta para a busca bibliográfica de evidências Qual a acurácia do exame clínico? Qual a melhor opção terapêutica? Quais as conseqüências da doença? Qual a intervenção que previne a doença? c – Perguntas Clínicas

69 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov Formulação da pergunta clínica - PICO P – PATIENT/PROBLEM - Paciente ou um grupo, com uma condição particular ou problema de saúde I – INTERVENTION - Intervenção de interesse: terapêutica (drogas); preventiva (vacinas); diagnóstica (exames); prognostica, administrativa ou econômica C – COMPARISION – Alternativas à intervenção (placebo, outras drogas, cirurgia) O – OUTCOME – desfecho clínico, resultado esperado (Sobrevivência;Redução de sintomas;Qualidade de vida; Efeitos colaterais; Recidivas; Licença médica; Economia da saúde; Exame diagnóstico mais barato ou mais confiável

70 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov Ex.: O paciente pergunta: Eu tive melanoma porque (etiologia) costumo me bronzear com frequência? O diagnóstico pode estar errado? Há algum tipo de tratamento que me beneficie: vacinas, interferon, radioterapia ou ampliação das margens cirúgicas ? O que vai acontecer comigo (prognóstico)?

71 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov O tratamento com aspirina para infarto agudo do miocárdio é efetivo? Ex.: P - Infarto Agudo do Miocárdio I - Aspirina C - Tratamento Convencional O - Efetivo

72 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov Nutrição enteral é fator de risco para diarréia em adultos hospitalizados ? P – Diarréia – Adultos Hospitalizados I – Nutrição Enteral C - O – Fator de Risco Ex.:

73 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov. 2009

74 d – Características de busca das Bases Portal Cochrane BVS - Cada conjunto de bases de dados pode ser pesquisado separadamente, através de uma interface trilingüe (português, espanhol e inglês), adaptada e desenvolvida pela BIREME, ou através da meta-pesquisa simples do Portal da Cochrane na BVS.

75 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov Interface BVS

76 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov. 2009

77

78 Versão em espanhol

79 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov Conclusão da revisão

80 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov Ensaio clínico - resumo

81 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov Revisões em português

82 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov Obesidade X adolescentes

83 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov. 2009

84 Interface Cochrane -

85 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov. 2009

86

87 Busca no portal Evidências -

88 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov. 2009

89 Relação do assunto principal com adolescentes

90 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov. 2009

91

92

93 Refinando por tipo de revisão

94 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov. 2009

95 Busca no PUBMED -

96 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov REFERÊNCIAS ATALLAH, Alvaro Nagib. Medicina baseada em evidências. uma nova maneira de ensinar e praticar a medicina. Rev Diag Trat 1996;1(2):8-10. ______. Interface - Comunic, Saúde, Educ, v6, n11, p , ago ATALLAH, Alvaro Nagib; Castro, Aldemar Araujo Medicina Baseada em Evidências: o elo entre a boa ciência e a boa prática clínica. Disponível em:. Acesso em: 01 nov BERNARDO, Wanderley Marques; NOBRE, Moacyr Roberto Cuce; JATENE, Fábio Biscegli. A prática clínica baseada em evidências: parte II - buscando as evidências em fontes de informação. Rev. Assoc. Med. Bras., São Paulo, v. 50, n. 1, Available from. access on 23 Oct doi: /S BIREME. Cochrane BVS. Disponível em Castro AA. Avaliação crítica da literatura:como iniciar? [Diapositivos de aula]. São Paulo, Disponível em: URL:

97 Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov HAYNES, R.B.; DEVEREAUX, P.J.; GUYATT, G.H. Physicians’ and patients’ choices in evidence based practice. BMJ., n.324, p.1350, RUSHTON, J. L. The burden of evidence. BMJ, v.323, p.349, MEDICINA baseada em evidências. Disponível em:. Acesso em: 24. Out CHALMERS, Iain. The scandalous failure of scientists to cumulate scientifically. Disponível em:. Acesso em: 01 nov


Carregar ppt "Acesso à Informação Científica e Tecnológica em Saúde – Nov. 2009 Fontes de Informação em Medicina Baseada em Evidências Sérgio Ricardo F. Síndico - Bibliotecário."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google