A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Transmissão de VIH – Ciência, Direito e Discriminação Painel Transmissão de VIH: O Conhecimento Científico da Questão Kamal Mansinho Centro Hospitalar.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Transmissão de VIH – Ciência, Direito e Discriminação Painel Transmissão de VIH: O Conhecimento Científico da Questão Kamal Mansinho Centro Hospitalar."— Transcrição da apresentação:

1 Transmissão de VIH – Ciência, Direito e Discriminação Painel Transmissão de VIH: O Conhecimento Científico da Questão Kamal Mansinho Centro Hospitalar Lisboa Ocidental, EPE/ Hospital de Egas Moniz Instituto de Higiene e Medicina Tropical Faculdade de Ciências Médicas de Lisboa Universidade Nova de Lisboa VIH Revisitar a Transmissão no Século XXI

2 Partilhar informações. Avaliar em conjunto as leituras diversas das informações disponíveis, enquanto rede social. Aprender sobre a rigidez ou flexibilidade das normas sociais. Propor/actualizar medidas que promovam atitudes e comportamentos baseados em direitos humanos, perante pessoas com doenças transmissíveis, entre as quais a infecção por VIH. VIH Revisitar a Transmissão no Século XXI

3 Algumas pessoas consideram estar em alto risco de infecção por VIH/SIDA. Outras percepcionam, apenas, um risco moderado. Outras não percepcionam nenhum risco. VIH: Percepção de Risco Revisitar a Transmissão no Século XXI  Os processos através dos quais os mecanismos de percepção de risco se desenvolvem, nas pessoas, são ainda pouco compreendidos. Demography 2007;44:1-31

4 Sucessos no diagnóstico, tratamento e acompanhamento dos doentes infectados por VIH. Incapacidade de utilizar os bons resultados para renovar mentalidades e para reforçar e inovar a prevenção. VIH Revisitar a Transmissão no Século XXI

5 Maior longevidade e melhor qualidade de vida dos doentes infectados por VIH. Aumento da prevalência da infecção em mulheres em idade fértil.  O número de crianças que será educada por progenitores / educadores e de adultos que serão assistidos por profissionais de diversos sectores infectados por VIH tenderá a aumentar. Arch Ped Adolesc Med 2005;159:

6 Estamos preparados para consumir uma refeição confeccionada por um cozinheiro infectado por VIH, VHC, VHB,...? Estamos preparados para nos submetermos a uma cirurgia efectuada por um médico infectado por VIH, VHC, VHB,...? Permitiremos que um filho(a) frequente uma creche, escola, ginásio, piscina onde se encontre uma criança infectada por VIH ou um instrutor/educador/professor infectado? VIH Revisitar a Transmissão no Século XXI

7 Nos EUA, 28% dos adultos em tratamento anti- retrovírico têm filhos com idade < 18 anos. 76% das mães e 34% dos pais vivem com os seus filhos. VIH Revisitar a Transmissão no Século XXI Arch Ped Adolesc Med 2005;159: Em Portugal, a condição de estar infectado por VIH continua a ser avaliada por pais, educadores, empregadores, seguradoras, bancos e outros sectores da sociedade, com base em pressupostos errados sobre transmissão e em documentos da era pré-TARVc, acarretando graves prejuízos para a vida das pessoas infectadas por VIH.

8 Agente HospedeiroAmbiente VIH Revisitar a Transmissão no Século XXI In Manual Prático para Pessoas com VIH. Permanyer Portugal, 2005

9 Ferreira, MO, Arquivo pessoal

10 VIH UDEVUDEV TransfusãoTransfusão TransplantesTransplantes ParentéricaParentérica SexualSexual NosocomialNosocomial Mãe-filhoMãe-filho VIH Revisitar a Transmissão no Século XXI Exp. Acidental

11 Probabilidade de transmissão (por cada contacto; escala log) Relações sexuais Picada acidental Partilha de agulha Mãe- filho Transfusão N Engl J Med 1997; AZT Perinatal VIH Revisitar a Transmissão no Século XXI

12 VIH: o primeiro encontro com o vírus Revisitar a Transmissão no Século XXI A colour Atlas of AIDS 2nd edition 1988

13 VIH: a viagem pelos territórios da “VIHLândia” Revisitar a Transmissão no Século XXI Eu, Samuel Gulliver, observei fenómenos fantásticos em muitos territórios por onde viajei. (...) Esta minha crónica diz respeito a uma criatura ainda mais pequena do que os Liliputianos, de tal maneira minúscula que é invisível, chamada – depois de uma disputada discussão entre um grupo de sábios, em 1986 – Vírus da Imunodeficiência Humana (VIH). Boletim do CIM, Ordem dos Faramcêuticos 2007;79:1-2

14 CD infectada Complexo CD/cel T CD e vírus capturado cel CD4 infectada em repouso cel CD4 infectada estimulada MQ infectada Complexo MQ/ cel T Transposição da barreira Propagação da infecção Disseminação Linfáticos aferentes Nat Med 2003;9: VIH: a viagem pelos territórios da “VIHLândia” Transmissão e Propagação

15 215±89,2 μm 263±16 μm 24,6±9,7μm Mucosa vaginalMucosa rectalMucosa oral Immunol 1995;85:

16 CD infectada Complexo CD/cel T CD e vírus capturado cel CD4 infectada em repouso cel CD4 infectada estimulada MQ infectada Complexo MQ/ cel T Transposição da barreira Propagação da infecção Disseminação Linfáticos aferentes Nat Med 2003;9: VIH: a viagem pelos territórios da “VIHLândia” Transmissão e Propagação

17 Difícil estimar o risco de transmissão orogenital de VIH. 8/102 (7,8%) homens que praticaram sexo com homens, e que manifestaram seroconversão recente para VIH-1, infectaram-se, provavelmente, por sexo oral. VIH: transmissão orogenital Revisitar a Transmissão no Século XXI 7th CROI, Chicago, 2000;Abst indivíduos infectados por VIH-1: –3 referiram úlceras na boca; –7 referiram contacto oral com sémen de parceiro infectado.

18 VIH: transmissão orogenital Revisitar a Transmissão no Século XXI Avaliação de 263 casais heterossexuais estáveis, serodiscordantes durante 10 anos ( ), único risco de exposição: contacto orogenital sem preservativo. Uso de preservativo em outras práticas sexuais. Resultados: contactos orogenitais activos contactos orogenitais passivos. 0 casos de seroconversão para VIH. AIDS 2002;16:

19 Traumatismos. Erosões ou úlceras da mucosa oral e/ou genital. Inflamação das gengivas. Infecções sexualmente transmissíveis. Ejaculação na boca. ARN-VIH-1 (secreções genital, anal e saliva). Outras infecções da boca (Herpes simplex, lactobacillus, etc). VIH: transmissão orogenital Factores que aumentam o risco de infecção Oral Dis 2006;12: Oral Dis 2000;6:92-98

20 O risco de transmissão de VIH através de práticas sexuais orogenitais é, substancialmente, mais baixo do que o risco de práticas génito-genitais e génito- anais. Factores inibitórios anti-VIH, presentes na saliva, podem contribuir para as reduzidas taxas de transmissão oral de VIH, constatadas em estudos epidemiológicos. Sexo oral (fellatio) não deve ser considerado sexo seguro; embora aceite como sendo de baixo risco comparativamente com outras práticas sexuais, sexo oral não é isento de risco. VIH: transmissão orogenital Revisitar a Transmissão no Século XXI Oral Dis 2006;12:

21 QUÃO TRANSMISSÍVEL É O VIH ? VIH Transmissão por via Não-Percutânea, Não-Sexual

22 Transmissão através de saliva, lágrima e suor. Transmissão através de contacto interpessoal: –Domicílio, escola, local de trabalho. Transmissão através de insectos vectores. Transmissão através do meio ambiente. Transmissão através de objectos inanimados (talheres, louça, toalhas, sanitários,...).

23 VIH: saliva, lágrima e suor Transmissão por via Não-Percutânea, Não-Sexual Não obstante a plausibilidade biológica, a transmissão de VIH através da saliva parece ser extremamente rara. A presença de alguns vírus na saliva (VIH, VHC, Hantavírus) não implica, necessariamente, risco de transmissão para terceiros. A saliva contém potentes factores antivíricos contra VIH-1, Vírus Influenza A, Vírus Herpes simplex 1). Lancet 2000;356:272 Am J Pathol 2001;158: J Med Virol 2008;80:

24 VIH: saliva Transmissão por via Não-Percutânea, Não-Sexual Transcriptase Reversa Dias após Infecção J Clin Invest 1995;96:

25 VIH: Factores Salivares com Actividadade Anti-VIH Transmissão por via Não-Percutânea, Não-Sexual FactorMecanismo de inibição anti-VIH Acs Anti-VIHNeutraliza e inactiva o vírus IgA inibe interacções gp120-CD4+ Complemento C1qLigação ao vírus na presença de fibronectina e provoca a sua sedimentação CistatinasActividade antimicrobiana geral; inibe as cisteína proteases Defensinas ( defensinas α-β,θ e minidefensinas) Actividade antimicrobiana geral; Bloqueia a penetração do vírus LactoferrinaLiga-se ao Fe para inibir a proliferação bacteriana e a replicação vírica LactoperoxidaseInactiva o vírus através da produção de hipotiocianito Oral Dis 2006;12:

26 VIH: Factores Salivares com Actividadade Anti-VIH Transmissão por via Não-Percutânea, Não-Sexual FactorMecanismo de inibição anti-VIH LisosimaInterrompe a replicação de VIH por destruição da membrana RibonucleaseBloqueia a reprodução do vírus por destruição do seu material genético MucinasSequestra e agrega partículas víricas Inibidor secretório da protease leucocitária (ISPL) Interage com uma molécula da superfície celular para limitar a entrada do vírus na célula-alvo Trombospondina 1 (TSP-1)Provoca agregação do vírus; bloqueia a interacção vírus-linfócito durante a entrada do vírus Proteínas ricas em prolina (PRP)Liga-se à gp120 de VIH, evitando a sua entrada nos linfócitos Oral Dis 2006;12:

27 VIH: Factores Salivares com Actividadade Anti-VIH Transmissão por via Não-Percutânea, Não-Sexual FactorMecanismo de inibição anti-VIH Aglutininas salivares (SAG)/Mucina MG2 Liga-se e desloca a gp120 de VIH; Aglutina o VIH e dissocia as proteínas do invólucro Efeito hipotónicoProvoca a lise dos leucócitos mononucleares infectados por VIH-1 Oral Dis 2006;12:

28 VIH: Beijos e Abraços Transmissão por via Não-Percutânea, Não-Sexual 25% dos 344 pais referiram que evitaram “muito” as interacções com os seus filhos por receio de os contagiar com VIH. 19% dos pais evitaram “muito” interacções com os seus filhos com receio de contrair uma infecção oportunista a partir das crianças. 11% das crianças manifestaram receios de contrair infecção por VIH a partir dos pais. Arch Ped Adolesc Med 2005;159: Pediatrics 2008;122:e950-e958

29 VIH: transmissão no agregado familiar Transmissão por via Não-Percutânea, Não-Sexual Avaliação de resultados de 14 estudos epidemiológicos, que incluíram 757 pessoas, não revelou nenhum caso de infecção por VIH em conviventes próximos e no agregado familiar. Estudo Europeu de Colaboração que incluiu 20 centros na Europa, seguiu desde o nascimento 1200 crianças nascidas de mães infectadas por VIH (54% de mães consumidoras activas de drogas ilícitas). A criança mais velha da coorte tinha 7 anos à data da avaliação do protocolo. Foram acompanhadas 699 crianças seronegativas confirmadas, num total de observações de 1228 crianças-ano, que passaram pelo menos 2/3 do tempo com as mães e muitas estiveram com o pai e/ou irmãos infectados. No final do tempo de observação nenhuma criança apresentou evidência clínica e/ou laboratorial de infecção por VIH. AIDS 1990;4: Lancet 1992;339:

30 VIH: transmissão no agregado familiar Transmissão por via Não-Percutânea, Não-Sexual 89 membros de agregados familiares expostos no domicílio a 25 lactentes e crianças VIH+ durante um período médio de 15,5 meses (2 e 71 meses). Nº médio de elementos do agregado familiar por criança VIH+: 3 (2 a 17). Intervalo médio entre o contacto inicial e data de rastreio: 29 meses (4 a 71 meses) Objectos partilhadosContactos próximos BrinquedosDormir na mesma cama Tesouras/corta-unhasTomar banho c/ criança Esponja de banhoAbraçar Copos, talheres, pratosBeijar na face ToalhasBeijar na boca Escova dos dentesCriança infectada mordeu o irmão não infectado PentesCriança não infectada mordeu o irmão infectado SanitáriosAdministração de injecções Pediatrics 1990;85:

31 VIH: transmissão no agregado familiar Transmissão por via Não-Percutânea, Não-Sexual Nenhum elemento do agregado familiar reportou sinais ou sintomas sugestivos de infecção aguda por VIH. Todos os 89 membros do agregado familiar apresentaram pesquisa de Ac-anti-VIH-1 negativo, incluindo as crianças que foram mordidas; em 78/89 membros a pesquisa de Ag p24 foi negativa. Deste estudo e outros pode concluir-se que, tal como ocorreu em grupos etários mais velhos, os lactentes e as crianças infectadas por VIH não constituem risco de transmissão para o agregado mais próximo e, por inferência, também não representam risco de propagação de VIH em creches, infantários ou escolas. Pediatrics 1990;85:

32 VIH: transmissão em contexto laboral Transmissão por via Não-Percutânea, Não-Sexual Em relação aos locais de trabalho, que não estabelecimentos de saúde, não há casos reportados de transmissão de VIH a terceiros, em: –Trabalhadores de creches e infantários. –Pessoas que trabalham na confecção, manipulação e distribuição de alimentos (cozinheiros, empregados de bar). –Esteticistas e outros profissionais de beleza. –Massagistas. –Aplicadores de piercing. –Bombeiros. –Profissionais de segurança. –Técnicos de emergência. AIDS 1990;4:

33 VIH: transmissão em contexto laboral Transmissão por via Não-Percutânea, Não-Sexual Em relação aos profissionais de saúde estão reportados na literatura: –Estados Unidos - Infecção transmitida a 6 doentes por um dentista infectado por VIH, na Flórida, em –França - provável transmissão de VIH a um doente a partir de um ortopedista infectado. –França – provável transmissão de VIH a um doente a partir de uma enfermeira infectada. –Espanha – provável transmissão de VIH a uma doente, durante uma cesariana, a partir de uma ginecologista infectada. Ann Intern Med 1995;122: MMWR 2009:57(53):

34 VIH: transmissão em contexto laboral Transmissão por via Não-Percutânea, Não-Sexual Israel 2007: Cirurgião cardiotorácico diagnosticado VIH+, durante investigação de febre. CD4+:49 células/μl; Carga vírica: > cópias ARN/ml. Investigação retrospectiva de 1669 doentes operados pelo cirurgião desde 1997, para avaliar se ocorreu alguma transmissão cirurgião doente. MMWR 2009:57(53): Resultados: Nenhum doente operado foi notificado para a base de dados de registo nacional de doentes VIH doentes já tinham falecido e não foi possível identificar a causa de morte em (33%) foram localizados e submetidos a rastreio anti- VIH. Todos os doentes submetidos a rastreio anti-VIH foram negativos.

35 VIH: transmissão em contexto laboral Transmissão por via Não-Percutânea, Não-Sexual Israel 2007: Cirurgião cardiotorácico com diagnosticado VIH+, durante investigação de febre. CD4+:49 células/μl; Carga vírica: > cópias ARN/ml. Investigação retrospectiva de 1669 doentes operados pelo cirurgião desde 1997, para avaliar se ocorreu alguma transmissão cirurgião doente. MMWR 2009:57(53): Nota Final: Os dados fornecidos por esta avaliação, em conjunto com o conhecimento acumulado, sustentam que o risco de transmissão de VIH de um profissional de saúde para o doente é muito baixo. Após diagnóstico, o cirurgião iniciou TARV ( T CD4+: 272, C.Vírica: abaixo do limiar de detecção). Painel de peritos recomendou que o cirurgião podia retomar a sua actividade profissional sem restrições, de acordo com um conjunto de condições.

36 VIH: transmissão em contexto laboral Transmissão por via Não-Percutânea, Não-Sexual O risco de transmissão de VIH, para terceiros e/ou para o próprio, em meio laboral, é, de uma forma geral, muito baixo, desde que sejam cumpridas as boas práticas. Não há qualquer razão para recusar um emprego com base na seropositividade para VIH. Há profissões cuja actividade encerra maior risco de infecção/transmissão de VIH do que outras (técnicos de emergência, agentes de segurança, bombeiros, profissionais de saúde, entre outros), embora a condição de estar infectado não constitua, por si só, um impedimento para o seu exercício. É urgente divulgar informações correctas sobre transmissão de VIH e procedimentos relacionados com as boas práticas laborais aos empregadores, trabalhadores dos diversos sectores da sociedade, para diminuir a discriminação das pessoas infectadas e afectadas por doenças transmissíveis, nomeadamente infecção VIH, e promover uma cultura de direitos e deveres baseados em direitos humanos. Acta Méd Portuguesa 1995;8:

37 VIH Transmissão por via Não-Percutânea, Não-Sexual Não há evidência credível que sustenta que o VIH se propaga através de: –Contacto social interpessoal, não sexual. –Meio ambiente (ex. aerossóis). –Partilha de espaços comuns (escritórios, elevadores, refeitórios, salas de aula, ginásios, piscinas, lavabos, entre outros). –Partilha de objectos inanimados (computadores, telefones, material de escritório, etc.). –Picada de insectos. AIDS 1990;4:

38 VIH Revisitar a Transmissão no Século XXI


Carregar ppt "Transmissão de VIH – Ciência, Direito e Discriminação Painel Transmissão de VIH: O Conhecimento Científico da Questão Kamal Mansinho Centro Hospitalar."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google