A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

LIMIAR ANAERÓBIO REVISÃO Anselmo José Perez. Visão geral.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "LIMIAR ANAERÓBIO REVISÃO Anselmo José Perez. Visão geral."— Transcrição da apresentação:

1 LIMIAR ANAERÓBIO REVISÃO Anselmo José Perez

2 Visão geral

3 Department of Health and Human Performance, Technical University of Madrid, Martín Fierro 7, Madrid, Spain. Department of Musculoskeletal Surgery, University of Salerno School of Medicine and Surgery, Salerno, Italy. Centre for Sports and Exercise Medicine, Queen Mary University of London, London, England.

4 Introdução LA variável ​​ fisiológica mais estuda [1-4] [1-4] Em humanos sua melhor compreensão [5-6] [5-6] uso na medicina [7-9] [7-9] treinamento [9-11][9-11]

5 Introdução O termo "limiar anaeróbio" foi criado por Wasserman e McIlroy (1964) quando se utiliza a relação de troca respiratória (RER) para detectar o início do metabolismo anaeróbio em pacientes com problemas cardíacos que executam testes de esforço. 12. Wasserman K, McIlroy MB.Detecting the Threshold of Anaerobic Metabolism in Cardiac Patients during Exercise. Am J Cardiol 1964, 14:844–852.

6 Introdução Mais tarde, Wasserman et al. (1973) definiram o LA como: 1) um aumento não- linear da ventilação (VE), 2) um aumento não-linear na eliminação de CO2 (VCO2), 3) um aumento na pressão parcial de final de corrente de O 2 durante uma série de respirações (PetO2), sem queda correspondente na pressão parcial de final de corrente de CO2 (PetCO 2 ), e 4) um aumento na RER, com carga de trabalho (todos durante um teste de exercício incremental). 13. Wasserman K, Whipp BJ, Koyl SN, Beaver WL. Anaerobic threshold and respiratory gas exchange during exercise. J Appl Physiol 1973,35:236–243

7 Introdução VT 2 is related to AT, since both are reached at the same time.

8 Introdução Infelizmente, na literatura, LV2 é conhecido por nomes diferentes (Tabela 1), o que levou a muita confusão. Além disso, a definição deste fenômeno é claramente controversa, muitas metodologias diferentes foram propostos para determinar o LA. LA, VT2 e LL são supostamente atingidos no mesmo tempo.

9 Introdução No entanto, o debate ainda envolve a relação exata entre LV2 e LA. Bishop DJ. Comments on Point:Counterpoint: Muscle lactate and H(+) production do/do not have a 1:1 association in skeletal muscle. Confusion concerning the lactate proton ratio: a problem of definition? J Appl Physiol2011,110:1494–1495.

10 Introdução Por outro lado, os mecanismos que regulam a ventilação durante o exercício não são completamente compreendidos (Dempsey JA et al., 1985); o uso de VT2 para a determinação do LA, pode, por conseguinte, não ser completamente confiável. Por isso muitos autores tem proposto a utilização de outros marcadores para determinar o momento em que a com o LA é atingido.

11 Introdução Davis et al., AT catecholaminesJurimae J et al., 2007 – AT EMGChicharro JL et al., ATsaliva Conconi et al., 1980 (AT Conconi - HR) although this remains controversial and several authors concluded that most haemodynamic variables, including HR, are unsuitable for indirect assessment of the AT (Crisafulli A et al. 2006)

12 23. Davies CT, Few J, Foster KG, Sargeant AJ.Plasma catecholamine concentration during dynamic exercise involving different muscle groups. Eur J Appl Physiol Occup Physiol 1974,32:195– Jurimae J, von Duvillard SP, Maestu J, Cicchella A, Purge P, Ruosi S, Jurimae T, Hamra J. Aerobic-anaerobic transition intensity measured via EMG signals in athletes with different physical activity patterns. Eur J Appl Physiol 2007,101:341– Chicharro JL, Perez M, Carvajal A, Bandres F, Lucia A. The salivary amylase, lactate and electromyographic response to exercise. Jpn J Physiol 1999, 49:551– Conconi F, Ferrari M, Ziglio PG, Droghetti P, Codeca L. Determination of the anaerobic threshold by a noninvasive field in man. Boll Soc Ital Biol Sper 1980,56:2504– Crisafulli A, Tocco F, Pittau G, Caria M, Lorrai L, Melis F, Concu A. Detection of lactate threshold by including haemodynamic and oxygen extraction data. Physiol Meas 2006,27:85–97.

13 Objetivos  Discutir respostas fisiológicas obtidas com a medição dos pontos e indicadores no qual o LA é atingido, e como estas respostas podem ser controlados pelo sistema nervoso central (SNC) (Figura 2).  Muitas questões permanecem sobre a forma de como o SNC coordena respostas o LA ter sido atingido. Que tipo de informação é processado pelo CNS em ordem para que ele respondeu? Como é analisado esta informação?

14 Principais Descobertas/Resultados 1

15 Principais Descobertas/Resultado 2

16 Principais Descobertas/Resultado 3

17 Principais Descobertas/Resultado 4

18 Conclusão Em resumo, as mudanças na composição da saliva, atividades eletromiográficas, catecolaminas no plasma, e as outras variáveis ​​ mencionadas neste trabalho, atuam como partes de um sistema complexo, que permite que o CC coordene uma resposta eficaz. Um aumento na carga depois de atingir o LA, o organismo deve começar a enfrentar dificuldades de homeostase; portanto, o CC envia informações para todos os tipos de outros centros de controle, muitos dos quais não podem ser diretamente ligados ao exercício. Assim, para além da LA, as desordens aumentam para algumas variáveis ​​ (por exemplo, a ventilação) e conduzem a uma alteração no declive para longe de ser linear (por exemplo, como pode ser visto para a FC). Esta mudança na resposta pode ser um indicativo de que o organismo enfrenta falha se a carga continua a aumentar. Para evitar isso, o CC gerencia os sinais eferentes que mostram ao organismo que ele está ficando sem potencial homeostático. Infelizmente, estamos muito longe de saber como o CC detecta variações nessas variáveis ​​ e coordena sua resposta.

19 Perguntas e Discussão

20 References 1. Gondim FJ, Zoppi CC, Pereira-da-Silva L, De Macedo DV. Determination of the anaerobic threshold and maximal lactate steady state speed in equines using the lactate minimum speed protocol. Comp Biochem Physiol A Mol Integr Physiol 2007,146:375– Hopkins SR, Stary CM, Falor E, Wagner H, Wagner PD, McKirnan MD. Pulmonary gas exchange during exercise in pigs. J Appl Physiol 1999, 86:93– McDonough P, Kindig CA, Erickson HH, Poole DC. Mechanistic basis for the gas exchange threshold in Thoroughbred horses. J Appl Physiol 2002, 92:1499– Pilis W, Zarzeczny R, Langfort J, Kaciuba-Uścilko H, Nazar K, Wojtyna J. Anaerobic threshold in rats. Comp Biochem Physiol Comp Physiol 1993, 106:285–289. Referências

21 References 5. Brooks GA. Anaerobic threshold: review of the concept and directions for future research. Med Sci Sports Exerc 1985,17:22– Jones NL, Ehrsam RE.The anaerobic threshold. Exerc Sport Sci Ver 1982, 10:49–83. Referências

22 References 7. Francis K. The use of the ventilatory anaerobic threshold for the development of exercise guidelines.Comput Biol Med 1989,19:307– Meyer T, Lucia A, Earnest CP, Kindermann W. A conceptual framework for performance diagnosis and training prescription from submaximal gas exchange parameters–theory and application. Int J Sports Med 2005, 26(Suppl 1):S38– Hansen D, Stevens A, Eijnde BO, Dendale P. Endurance exercise intensity determination in the rehabilitation of coronary artery disease patients: a critical re-appraisal of current evidence. Sports Med 2012,42:11–30. Referências

23 References 9. Hansen D, Stevens A, Eijnde BO, Dendale P. Endurance exercise intensity determination in the rehabilitation of coronary artery disease patients: a critical re-appraisal of current evidence. Sports Med 2012,42:11– Billat LV. Use of blood lactate measurements for prediction of exercise performance and for control of training. Recommendations for longdistance running. Sports Med 1996,22:157– Bosquet L, Leger L, Legros P. Methods to determine aerobic endurance. Sports Med 2002,32:675–700.

24 Introdução

25


Carregar ppt "LIMIAR ANAERÓBIO REVISÃO Anselmo José Perez. Visão geral."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google