A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Gestão Financeira – Unidade 1

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Gestão Financeira – Unidade 1"— Transcrição da apresentação:

1 Gestão Financeira – Unidade 1

2 Educação a Distância – EaD
Gestão Financeira Professor: Flávio Brustoloni

3 Gestão Financeira Cronograma: Turma EMD0168 Data Atividade 07/08 14/08
1º Encontro 14/08 Orientação da Prática 21/08 2º Encontro 1ª Avaliação Disciplina 28/08 3º Encontro 2ª Avaliação Disciplina 11/09 4º Encontro 3ª Avaliação Disciplina (FINAL)

4 Objetivos da Disciplina:
Apresentar o ambiente da Gestão Financeira e o papel do administrador financeiro; Conhecer demonstrações financeiras e demonstrar o impacto da tributação nos resultados; Calcular índices financeiros a serem utilizados na tomada de decisão, considerando as variáveis da Gestão Financeira; Conhecer a ferramenta do Fluxo de Caixa, seus fluxos relevantes, compreendendo o impacto dos investimentos no orçamento de capital; Estudar técnicas de orçamento e estrutura de capital; Avaliar os riscos dos investimentos para minimizar perdas financeiras; Criar valor, fundamentando-se na gestão baseada em valor; Conhecer o capital de giro e estabelecer sua necessidade; Estudar modalidades de incorporações e falência; Conhecer a história e estrutura do SFN – Sistema Financeiro Nacional;

5 Unidade 1 GESTÃO FINANCEIRA

6 Objetivos da Unidade: Apresentar o ambiente da Gestão Financeira;
Demonstrar a tributação nos resultados financeiros; Explicar as demonstrações financeiras; Compreender e calcular os diferentes índices financeiros; Demonstrar a importância dos fluxos de caixa; Analisar as variáveis da Gestão Financeira;

7 TÓPICO 1 Ambiente da Gestão Financeira
1/142

8 (Estamos na página 3 da apostila)
1 Introdução Tópico 1 “Podemos definir finanças como a arte e a ciência da gestão do dinheiro” (GITMANN, 2004, p.4). Pelas mãos das pessoas e das empresas circula o dinheiro, onde recebemos, pagamos e investimos. (Estamos na página 3 da apostila) 2/142

9 (Estamos na página 3 da apostila)
1 Introdução Tópico 1 Juridicamente, as empresas podem se organizar em: * Firmas Individuais: Todo o patrimônio do indivíduo – único dono da empresa – pode ser utilizado para saldar as dívidas e sua responsabilidade é ilimitada. Esta é uma modalidade comum para pessoas com pequenos estabelecimentos. (Estamos na página 3 da apostila) 3/142

10 (Estamos na página 3 da apostila)
1 Introdução Tópico 1 * Sociedade por Cotas: Sociedade caracterizada pela existência de dois ou mais sócios. Cada um dos sócios tem a sua responsabilidade limitada às suas cotas de participação na sociedade. (Estamos na página 3 da apostila) 4/142

11 (Estamos na página 3 da apostila)
1 Introdução Tópico 1 * Sociedade por Ações: é formada pelos seus acionistas, que compram e detêm quantidades de ações ordinárias ou preferenciais, limitando a sua responsabilidade. Os acionistas podem comprar mais ações, serem acionistas de outras empresas, negociarem suas ações a fim de maximizar os seus resultados. As ações são negociadas nas bolsas de valores, através de seus corretores. (Estamos na página 3 da apostila) 5/142

12 (Estamos na página 4 da apostila)
1 Introdução Tópico 1 Gestão Financeira tem uma relação direta com a teoria econômica e com a contabilidade. Em relação à teoria econômica, é preciso compreender e estar atento aos diferentes níveis de atividades econômicas, as mudanças políticas, a análise da oferta e da demanda, a teoria de formação de preços, etc. (Estamos na página 4 da apostila) 6/142

13 (Estamos na página 4 da apostila)
1 Introdução Tópico 1 Já com a contabilidade, a Gestão Financeira também tem uma relação direta, pois é desta movimentação financeira que ocorrem os registros contábeis. Isto vai auxiliar você a conhecer o seu fluxo de caixa e a tomar decisões. (Estamos na página 4 da apostila) 7/142

14 2 Tributação de Empresas
Tópico 1 Os trabalhadores compõem o seu montante de dinheiro para pagar as suas contas e realizar os investimentos a partir do seu trabalho, prestado a uma ou mais empresas. As empresas compõem este montante de dinheiro a partir do resultado dos produtos e/ou serviços comercializados para as pessoas, outras empresas ou mesmo para o governo. (Estamos na página 5 da apostila) 8/142

15 2 Tributação de Empresas
Tópico 1 Além das receitas aferidas pelas empresas do governo (estatais), nós (pessoas físicas) e as empresas (pessoas jurídicas) precisamos contribuir financeiramente com estes governos por meio de impostos, taxas e tributos. (Estamos na página 5 da apostila) 9/142

16 2 Tributação de Empresas
Tópico 1 O município e/ou o Estado podem conceder incentivo fiscal com o propósito de atrair empresas para a sua região, fomentando emprego, renda e desenvolvimento. Da mesma forma, a nação pode dar benefícios para que empresas internacionais se instalem no Brasil. (Estamos na página 7 da apostila) 10/142

17 2 Tributação de Empresas
Tópico 1 Neste cenário empresarial, o contador é o profissional que auxilia na constituição de uma empresa, bem como: na correta identificação do regime de tributação da empresa, de seus produtos e/ou serviços. (Estamos na página 7 da apostila) 11/142

18 2 Tributação de Empresas
Tópico 1 Situação A: se a partir do preço de compra você acrescentar 30%, terá: Preço de Venda = R$ 7,00 + R$ 2,10 (30%) = R$ 9,10 Dedução impostos = R$ 9,10 - (10%) (-) R$ 0,91 Valor já deduzidos os impostos (R$ 9,10 – R$ 0,91) = R$ 8,19 Pagamento ao fornecedor (Custo Mercadoria) (-) R$ 7,00 LUCRO BRUTO* = R$ 1,19 Despesas administrativas e de pessoal (-30%) (-) R$ 0,36 LUCRO LÍQUIDO = R$ 0,83 Lucro líquido de aproximadamente 9,1% sobre o Preço de Venda (Estamos na página 8 da apostila) 12/142

19 2 Tributação de Empresas
Tópico 1 Situação B: se do seu preço de venda vai obter 30% para chegar ao custo, terá: Preço de Venda = R$ 7,00 / (1-30%) ou (R$ 7,00 / 70%) = R$ 10,00 Dedução impostos = R$ 10,00 - (10%) (-) R$ 1,00 Valor já deduzidos os impostos (R$ 10,00 – R$ 1,00) = R$ 9,00 Pagamento ao fornecedor (Custo Mercadoria) (-) R$ 7,00 LUCRO BRUTO* = R$ 2,00 Despesas administrativas e de pessoal (-30%) (-) R$ 0,60 LUCRO LÍQUIDO = R$ 1,40 Lucro líquido de aproximadamente 14% sobre o Preço de Venda (Estamos na página 8 da apostila) 13/142

20 2 Tributação de Empresas
Tópico 1 Dos exemplos anteriores, a situação B apresenta um lucro superior à situação A. Agora, se você tiver uma baixa despesa administrativa e de pessoal e vender bastante (alto giro), poderá lucrar mais na situação A. (Estamos na página 8 da apostila) 14/142

21 2 Tributação de Empresas
Tópico 1 Se você tiver uma despesa administrativa e de pessoal dentro da média mas seu giro (vendas) não for significativo, mesmo que pratique a situação B, poderá não ter lucro. (Estamos na página 8 da apostila) 15/142

22 2 Tributação de Empresas
Tópico 1 Situação A: Venda de 100 peças R$ 9,10 x 100 = R$ 910,00 Valor de Venda = R$ 910,00 Dedução impostos = R$ 910,00 - (10%) (-) R$ 91,00 Valor já deduzidos os impostos (R$ 910,00 – R$ 91,00) = R$ 819,00 Pagamento ao fornecedor (Custo Mercadoria) (-) R$ 700,00 LUCRO BRUTO* = R$ 119,00 Despesas administrativas e de pessoal (-20%) (-) R$ 23,80 LUCRO LÍQUIDO = R$ 95,20 Lucro líquido de aproximadamente 10,5% sobre o Preço de Venda (Estamos na página 8 da apostila) 16/142

23 2 Tributação de Empresas
Tópico 1 Situação B: Venda de 100 peças R$ 10,00 x 100 = R$ 1.000,00 Valor de Venda = R$ 1.000,00 Dedução impostos = R$ 1.000,00 - (10%) (-) R$ 100,00 Valor já deduzidos os impostos = R$ 900,00 Pagamento ao fornecedor (Custo Mercadoria) (-) R$ 700,00 LUCRO BRUTO* = R$ 200,00 Despesas administrativas e de pessoal (-20%) (-) R$ 40,00 LUCRO LÍQUIDO = R$ 160,00 Lucro líquido de aproximadamente 16% sobre o Preço de Venda (Estamos na página 8 da apostila) 17/142

24 3 Demonstrações Financeiras 3.1 DRE – Demonst. Res. Exercício
Tópico 1 O DRE é uma forma resumida de apresentar os resultados operacionais da empresa dentro de um determinado período, geralmente anual ou mensal. O DRE anual apresenta os resultados de seu exercício fiscal, enquanto a DRE mensal auxilia nas decisões de curto prazo. (Estamos na página 9 da apostila) 18/142

25 3 Demonstrações Financeiras 3.1 DRE – Demonst. Res. Exercício
Tópico 1 Quadro 1 - Estrutura da DRE (=) ROB / Faturamento Total Receita Op. Bruta, Faturamento, Total de Vendas (-) Impostos Impostos que incidem sobre o ROB (=) ROL Receita Operacional Líquida (-) CMV CMV – Custo das Mercadorias Vendidas (=) Lucro Bruto Sobra do ROB, Margem de Contribuição (-) Desp. Administrativas Aluguel, água, energia elétrica, etc. (-) Desp. De Pessoal Despesas de pessoal, incluídos encargos sociais e trabalhistas. (=) Lucro Operacional Lucro antes das despesas e receitas financeiras (-) Desp. Financeiras Despesas com capital de terceiros (+) Receitas Financeiras Receitas de Aplicações e ganhos financeiros (=) LUCRO/PREJUÍZO LÍQ. Lucro ou Prejuízo Líquido do período (Estamos na página 10 da apostila) 19/142

26 3 Demonstrações Financeiras 3.1 DRE – Demonst. Res. Exercício
Tópico 1 Quadro 2 - Exemplo do DRE 2009 2010 (=) ROB / Faturamento* ,00 ,00 (-) Impostos 11.400,00 12.000,00 (=) ROL ,00 ,00 (-) CMV 79.800,00 84.000,00 (=) Lucro Bruto 22.800,00 24.000,00 (-) Desp. Administrativas 5.000,00 6.000,00 (-) Desp. De Pessoal 16.100,00 15.600,00 (=) Lucro Operacional 1.700,00 2.400,00 (-) Desp. Financeiras 200,00 250,00 (+) Receitas Financeiras 10,00 25,00 (=) LUCRO/PREJUÍZO LÍQ. 1.510,00 2.175,00 * Preço da camiseta vendida: R$ 10,00 (Estamos na página 11 da apostila) 20/142

27 3 Demonstrações Financeiras 3.1 DRE – Demonst. Res. Exercício
Tópico 1 * Mantendo-se o mesmo preço de venda de 2009, em 2010 foram vendidas 5,26% de camisetas a mais que no ano anterior. O aumento do lucro foi proporcional (5,26%) pois não houve aumento do preço de venda, nem dos impostos nem do CMV. (Estamos na página 11 da apostila) 21/142

28 3 Demonstrações Financeiras 3.1 DRE – Demonst. Res. Exercício
Tópico 1 * O Lucro Líquido final teve um aumento de 44,04%, de R$ 1.510,00 em 2009, para R$ 2.175,00 em 2010, que, além do aumento das vendas, também teve a contribuição das despesas administrativas e das despesas com pessoal. (Estamos na página 11 da apostila) 22/142

29 3 Demonstrações Financeiras 3.1 DRE – Demonst. Res. Exercício
Tópico 1 * Ao aumentar apenas o preço de venda, o montante dos impostos aumentará na proporção das vendas. Lembre-se de que um aumento de preços pode diminuir a quantidade a ser vendida, bem como: a redução do preço pode aumentar as vendas. (Estamos na página 11 da apostila) 23/142

30 3 Demonstrações Financeiras 3.2 Balanço Patrimonial
Tópico 1 O Balanço Patrimonial traz elementos da contabilidade e apresenta um resumo da posição financeira da empresa numa determinada data. (Estamos na página 12 da apostila) 24/142

31 3 Demonstrações Financeiras 3.2 Balanço Patrimonial
Tópico 1 * Ativo: Representam os direitos e bens, agrupados em contas que estão ordenadas pela sua liquidez. Começa com as de maior liquidez (caixa) até as de menor liquidez. O Ativo ainda está dividido em dois grandes grupos: as contas de recebimento de curto prazo (Ativo Circulante) e de longo prazo (Realizável de Longo Prazo). (Estamos na página 12 da apostila) 25/142

32 3 Demonstrações Financeiras 3.2 Balanço Patrimonial
Tópico 1 * Passivo: Representam os deveres e as obrigações, que também estão ordenados pelo seu prazo: do curto ao longo prazo de pagamento. O Passivo também está dividido no curto prazo (Passivo Circulante) e no longo prazo (Exigível de longo prazo). (Estamos na página 12 da apostila) 26/142

33 3 Demonstrações Financeiras 3.2 Balanço Patrimonial
Tópico 1 QUADRO 3 – CONTAS DO ATIVO CONTA EXPLICAÇÃO Caixa / Bancos Disponibilidades de dinheiro em caixa / bancos Aplicações Financeiras Valores aplicados que podem ser resgatados Contas a Receber Parte da ROB negociada a prazo Estoque Estoque de Mercadorias e matéria-prima Imobilizações Terrenos, edificações, máquinas, etc. (Estamos na página 13 da apostila) 27/142

34 3 Demonstrações Financeiras 3.2 Balanço Patrimonial
Tópico 1 QUADRO 4 – CONTAS DO PASSIVO CONTA EXPLICAÇÃO Contas a Pagar Compras realizadas a prazo Títulos a Pagar Empréstimos de curto prazo Despesas a Pagar Empréstimos, salários, despesas gerais Patrimônio Líquido Capital dos sócios + lucros ou prejuízos (Estamos na página 14 da apostila) 28/142

35 QUADRO 5 – EXEMPLO DE BALANÇO PATRIMONIAL (Exemplo Camisaria)
2009 2010 Tópico 1 ATIVOS 37.312,00 39.612,00 ATIVOS CIRCULANTES 19.182,00 18.582,00 Caixa 202,00 232,00 Aplicações Financeiras 980,00 1.050,00 Contas a Receber 5.500,00 7.500,00 Estoques 12.500,00 9.800,00 ATIVOS PERMANENTES (ao custo) 27.890,00 31.040,00 Terrenos e Edificações 23.000,00 25.200,00 Máquinas e Equipamentos 3.470,00 3.950,00 Móveis e Utensílios 1.420,00 1.890,00 Veículos 0,00 0,00 DEPRECIAÇÃO ACUMULADA 9.760,00 10.010,00 ATIVOS PERMANENTES LÍQUIDOS 18.130,00 21.030,00 PASSIVOS E PATRIMÔNIO LÍQUIDO 37.312,00 39.612,00 PASSIVO 17.432,00 19.362,00 PASSIVO CIRCULANTE 14.192,00 15.859,00 Contas a Pagar 7.297,00 8.359,00 Títulos a Pagar 2.980,00 3.340,00 Despesas a Pagar 3.915,00 4.160,00 EXIGÍVEL A LONGO PRAZO 3.240,00 3.503,00 PATRIMÔNIO LÍQUIDO 19.880,00 20.250,00 Capital Social 19.880,00 20.250,00 Lucros ou Prejuízos 0,00 0,00 (Estamos na página 14 da apostila) 29/142

36 3 Demonstrações Financeiras 3.2 Balanço Patrimonial
Tópico 1 * A disponibilidade em caixa e aplicações financeiras aumentou em 2010; * Em 2010 as contas a receber são maiores, podendo ser resultado de maior prazo de pagamento dos clientes; * A quantidade do estoque diminuiu. Lembrando que neste exemplo o preço das camisetas ficou o mesmo. (Estamos na página 15 da apostila) 30/142

37 3 Demonstrações Financeiras 3.2 Balanço Patrimonial
Tópico 1 * O Ativo aumentou pelos investimentos no imobilizado; * Em 2010 o passivo circulante aumentou enquanto que o ativo circulante diminuiu, ou seja, as dívidas de curto prazo aumentaram, enquanto que as disponibilidades de curto prazo diminuíram. (Estamos na página 15 da apostila) 31/142

38 (Estamos na página 15 da apostila)
4 Índices Financeiros Tópico 1 Qual foi o rendimento da poupança este mês? E no mês passado? Qual será o aumento dos combustíveis? Da passagem de ônibus? Do aluguel? Estas e outras perguntas são respondidas através de índices. (Estamos na página 15 da apostila) 32/142

39 (Estamos na página 15 da apostila)
4 Índices Financeiros Tópico 1 Fundamentalmente, os índices procuram avaliar a liquidez, a atividade, o endividamento e a rentabilidade de uma empresa. Precisam ser calculados e atualizados para que se possam tomar decisões acerca dos resultados. (Estamos na página 15 da apostila) 33/142

40 (Estamos na página 16 da apostila)
4 Índices Financeiros Tópico 1 Se na semana passada a temperatura média foi de 27ºC e nesta semana está sendo de 30ºC, o que isto quer dizer? Será efeito do aquecimento global? É normal para esta época do ano? Ou anormal? (Estamos na página 16 da apostila) 34/142

41 4 Índices Financeiros Métodos de Comparação
Tópico 1 * Análise Vertical (Cross-Sectional): compara os índices de sua empresa com a concorrência ou índice médio do mercado. (Estamos na página 16 da apostila) 35/142

42 4 Índices Financeiros Métodos de Comparação
Tópico 1 * Análise Temporal ou de série Temporal: análise dos índices da empresa ao longo do tempo, com a finalidade de avaliar o desempenho do período e estabelecer tendências. (Estamos na página 16 da apostila) 36/142

43 4 Índices Financeiros Métodos de Comparação
Tópico 1 * Análise Combinada: combina a análise vertical e temporal, trazendo a possibilidade de comparar o desempenho da empresa com o mercado no decorrer do tempo. (Estamos na página 16 da apostila) 37/142

44 4 Índices Financeiros 4.1 Índice de Liquidez
Tópico 1 A liquidez de uma empresa é medida por sua capacidade de cumprir as obrigações de curto prazo à medida que vencem. Ao encontrar um índice de liquidez menor que 1, identificamos que a empresa terá dificuldades de realizar seus pagamentos e há problemas em seu fluxo de caixa. Da mesma forma, um índice maior que um indica condições de realização dos pagamentos. (Estamos na página 17 da apostila) 38/142

45 4.1 Índice de Liquidez 4.1.1 Índice de Liquidez Corrente
Tópico 1 O índice de liquidez corrente mede a capacidade da empresa de saldar suas contas de curto prazo (Ativo Circulante e Passivo Circulante). Índice de Liquidez Corrente = Ativo Circulante Passivo Circulante (Estamos na página 17 da apostila) 39/142

46 QUADRO 5 – EXEMPLO DE BALANÇO PATRIMONIAL (Exemplo Camisaria)
2009 2010 Tópico 1 ATIVOS 37.312,00 39.612,00 ATIVOS CIRCULANTES 19.182,00 18.582,00 Caixa 202,00 232,00 Aplicações Financeiras 980,00 1.050,00 Contas a Receber 5.500,00 7.500,00 Ativo Circulante Passivo Circulante = 18.582,00 15.859,00 1,17 Estoques 12.500,00 9.800,00 ATIVOS PERMANENTES (ao custo) 27.890,00 31.040,00 Terrenos e Edificações 23.000,00 25.200,00 Máquinas e Equipamentos 3.470,00 3.950,00 Móveis e Utensílios 1.420,00 1.890,00 Veículos 0,00 0,00 DEPRECIAÇÃO ACUMULADA 9.760,00 10.010,00 ATIVOS PERMANENTES LÍQUIDOS 18.130,00 21.030,00 PASSIVOS E PATRIMÔNIO LÍQUIDO 37.312,00 39.612,00 PASSIVO 17.432,00 19.362,00 PASSIVO CIRCULANTE 14.192,00 15.859,00 Contas a Pagar 7.297,00 8.359,00 Títulos a Pagar 2.980,00 3.340,00 Despesas a Pagar 3.915,00 4.160,00 EXIGÍVEL A LONGO PRAZO 3.240,00 3.503,00 PATRIMÔNIO LÍQUIDO 19.880,00 20.250,00 Capital Social 19.880,00 20.250,00 Lucros ou Prejuízos 0,00 0,00 (Estamos na página 17 da apostila) 40/142

47 4.1 Índice de Liquidez 4.1.1 Índice de Liquidez Corrente
Tópico 1 O quadro anterior mostra que em 2010 a Liquidez Corrente foi de 1,17. Se calcularmos a do ano de 2009, encontraremos o valor de 1,35 (19.182/14.192), indicando queda de 13,33%. (Estamos na página 17 da apostila) 41/142

48 4.1 Índice de Liquidez 4.1.2 Índice de Liquidez Seca
Tópico 1 O índice de liquidez mede a capacidade da empresa de saldar as suas contas de curto prazo, mas desconsidera os estoques. Índice de Liquidez Seca = Ativo Circulante - Estoques Passivo Circulante (Estamos na página 18 da apostila) 42/142

49 QUADRO 5 – EXEMPLO DE BALANÇO PATRIMONIAL (Exemplo Camisaria)
2009 2010 Tópico 1 ATIVOS 37.312,00 39.612,00 ATIVOS CIRCULANTES 19.182,00 18.582,00 Caixa 202,00 232,00 Aplicações Financeiras 980,00 1.050,00 Contas a Receber 5.500,00 7.500,00 Estoques 12.500,00 9.800,00 ATIVOS PERMANENTES (ao custo) 27.890,00 31.040,00 Ativo Circulante - Estoques Passivo Circulante = 8.782,00 15.859,00 0,55 Terrenos e Edificações 23.000,00 25.200,00 Máquinas e Equipamentos 3.470,00 3.950,00 Móveis e Utensílios 1.420,00 1.890,00 Veículos 0,00 0,00 DEPRECIAÇÃO ACUMULADA 9.760,00 10.010,00 ATIVOS PERMANENTES LÍQUIDOS 18.130,00 21.030,00 PASSIVOS E PATRIMÔNIO LÍQUIDO 37.312,00 39.612,00 PASSIVO 17.432,00 19.362,00 PASSIVO CIRCULANTE 14.192,00 15.859,00 Contas a Pagar 7.297,00 8.359,00 Títulos a Pagar 2.980,00 3.340,00 Despesas a Pagar 3.915,00 4.160,00 EXIGÍVEL A LONGO PRAZO 3.240,00 3.503,00 PATRIMÔNIO LÍQUIDO 19.880,00 20.250,00 Capital Social 19.880,00 20.250,00 Lucros ou Prejuízos 0,00 0,00 (Estamos na página 18 da apostila) 43/142

50 4.1 Índice de Liquidez 4.1.2 Índice de Liquidez Seca
Tópico 1 Neste caso, a liquidez seca de 2010 (0,55) é superior à de 2009, que foi de 0,47 (6.682/14.192). Houve uma melhora de 16,82% de 2009 para 2010 devido à redução de estoques. (Estamos na página 18 da apostila) 44/142

51 4 Índices Financeiros 4.2 Índices de Atividade
Tópico 1 Os índices de Atividade medem a velocidade com que várias contas se transformam em vendas ou caixa. As mercadorias não podem ficar paradas no estoque: precisam resultar em vendas, que é a receita da empresa. Quanto maior for o giro das mercadorias, melhor será o resultado dos índices de atividade: giro de estoques, prazo médio de recebimento, prazo médio de pagamento e giro do ativo total. (Estamos na página 18 da apostila) 45/142

52 4.2 Índices de Atividade 4.2.1 Giro de Estoques
Tópico 1 O Giro de Estoques mede a liquidez do estoque. Quanto maior este índice, mais rápido as vendas ocorrem. Giro de Estoques = Custo Merc. Vendidas Estoque (Estamos na página 19 da apostila) 46/142

53 QUADRO 5 – EXEMPLO DE BALANÇO PATRIMONIAL (Exemplo Camisaria)
2009 2010 Tópico 1 ATIVOS 37.312,00 39.612,00 ATIVOS CIRCULANTES 19.182,00 18.582,00 Caixa 202,00 232,00 Aplicações Financeiras 980,00 1.050,00 Contas a Receber 5.500,00 7.500,00 Estoques 12.500,00 9.800,00 ATIVOS PERMANENTES (ao custo) 27.890,00 31.040,00 Terrenos e Edificações 23.000,00 25.200,00 Máquinas e Equipamentos 3.470,00 3.950,00 Móveis e Utensílios 1.420,00 1.890,00 Veículos 0,00 0,00 DEPRECIAÇÃO ACUMULADA 9.760,00 10.010,00 ATIVOS PERMANENTES LÍQUIDOS 18.130,00 21.030,00 PASSIVOS E PATRIMÔNIO LÍQUIDO 37.312,00 39.612,00 PASSIVO 17.432,00 19.362,00 PASSIVO CIRCULANTE 14.192,00 15.859,00 Contas a Pagar 7.297,00 8.359,00 Títulos a Pagar 2.980,00 3.340,00 Despesas a Pagar 3.915,00 4.160,00 EXIGÍVEL A LONGO PRAZO 3.240,00 3.503,00 PATRIMÔNIO LÍQUIDO 19.880,00 20.250,00 Capital Social 19.880,00 20.250,00 Lucros ou Prejuízos 0,00 0,00 (Estamos na página 19 da apostila) 47/142

54 QUADRO 2 – EXEMPLO DE DRE – Demonst. Resultados (Exemplo Camisaria)
Tópico 1 2009 2010 (=) ROB / Faturamento* ,00 ,00 (-) Impostos 11.400,00 12.000,00 (=) ROL ,00 ,00 (-) CMV 79.800,00 84.000,00 (=) Lucro Bruto 22.800,00 24.000,00 (-) Desp. Administrativas 5.000,00 6.000,00 (-) Desp. De Pessoal 16.100,00 15.600,00 Custo Mercadoria Vendida Estoques = 84.000,00 9.800,00 8,57 (=) Lucro Operacional 1.700,00 2.400,00 (-) Desp. Financeiras 200,00 250,00 (+) Receitas Financeiras 10,00 25,00 (=) LUCRO/PREJUÍZO LÍQ. 1.510,00 2.175,00 (Estamos na página 19 da apostila) 48/142

55 4.2 Índices de Atividade 4.2.1 Giro de Estoques
Tópico 1 Em 2010, obteve-se um giro de 8,57, superior ao de 2009 que foi de 6,38 (79.800/12.500). O crescimento de um ano para outro foi de 34,24%, resultado de mais vendas e menos estoques. (Estamos na página 19 da apostila) 49/142

56 4.2 Índices de Atividade 4.2.2 Prazo Médio de Recebimento
Tópico 1 Este índice mede em quanto tempo em média ocorrem os recebimentos dos clientes, levando-se em consideração os recebimentos à vista e à prazo. Prazo Médio de Recebimento = Contas a Receber Vendas / 360 (Estamos na página 20 da apostila) 50/142

57 QUADRO 5 – EXEMPLO DE BALANÇO PATRIMONIAL (Exemplo Camisaria)
2009 2010 Tópico 1 ATIVOS 37.312,00 39.612,00 ATIVOS CIRCULANTES 19.182,00 18.582,00 Caixa 202,00 232,00 Aplicações Financeiras 980,00 1.050,00 Contas a Receber 5.500,00 7.500,00 Estoques 12.500,00 9.800,00 ATIVOS PERMANENTES (ao custo) 27.890,00 31.040,00 Terrenos e Edificações 23.000,00 25.200,00 Máquinas e Equipamentos 3.470,00 3.950,00 Móveis e Utensílios 1.420,00 1.890,00 Veículos 0,00 0,00 DEPRECIAÇÃO ACUMULADA 9.760,00 10.010,00 ATIVOS PERMANENTES LÍQUIDOS 18.130,00 21.030,00 PASSIVOS E PATRIMÔNIO LÍQUIDO 37.312,00 39.612,00 PASSIVO 17.432,00 19.362,00 PASSIVO CIRCULANTE 14.192,00 15.859,00 Contas a Pagar 7.297,00 8.359,00 Títulos a Pagar 2.980,00 3.340,00 Despesas a Pagar 3.915,00 4.160,00 EXIGÍVEL A LONGO PRAZO 3.240,00 3.503,00 PATRIMÔNIO LÍQUIDO 19.880,00 20.250,00 Capital Social 19.880,00 20.250,00 Lucros ou Prejuízos 0,00 0,00 (Estamos na página 20 da apostila) 51/142

58 QUADRO 2 – EXEMPLO DE DRE – Demonst. Resultados (Exemplo Camisaria)
Tópico 1 2009 2010 (=) ROB / Faturamento* ,00 ,00 (-) Impostos 11.400,00 12.000,00 (=) ROL ,00 ,00 (-) CMV 79.800,00 84.000,00 (=) Lucro Bruto 22.800,00 24.000,00 Contas a Receber Vendas / 360 = 7.500,00 ,00 / 360 22,50 (-) Desp. Administrativas 5.000,00 6.000,00 (-) Desp. De Pessoal 16.100,00 15.600,00 (=) Lucro Operacional 1.700,00 2.400,00 (-) Desp. Financeiras 200,00 250,00 (+) Receitas Financeiras 10,00 25,00 (=) LUCRO/PREJUÍZO LÍQ. 1.510,00 2.175,00 (Estamos na página 20 da apostila) 52/142

59 4.2 Índices de Atividade 4.2.2 Prazo Médio de Recebimento
Tópico 1 Em 2010 o PMR foi de 22,50 dias, enquanto que em 2009 era de 17,37 dias. Isto revela a política de que a loja passou a conceder mais prazo aos seus clientes. (Estamos na página 20 da apostila) 53/142

60 4.2 Índices de Atividade 4.2.3 Prazo Médio de Pagamento
Tópico 1 Este índice mede em quanto tempo em média ocorrem os pagamentos aos fornecedores, também levando-se em consideração os recebimentos à vista e à prazo. Prazo Médio de Pagamento = Contas a Pagar CMV / 360 (Estamos na página 20 da apostila) 54/142

61 QUADRO 5 – EXEMPLO DE BALANÇO PATRIMONIAL (Exemplo Camisaria)
2009 2010 Tópico 1 ATIVOS 37.312,00 39.612,00 ATIVOS CIRCULANTES 19.182,00 18.582,00 Caixa 202,00 232,00 Aplicações Financeiras 980,00 1.050,00 Contas a Receber 5.500,00 7.500,00 Estoques 12.500,00 9.800,00 ATIVOS PERMANENTES (ao custo) 27.890,00 31.040,00 Terrenos e Edificações 23.000,00 25.200,00 Máquinas e Equipamentos 3.470,00 3.950,00 Móveis e Utensílios 1.420,00 1.890,00 Veículos 0,00 0,00 DEPRECIAÇÃO ACUMULADA 9.760,00 10.010,00 ATIVOS PERMANENTES LÍQUIDOS 18.130,00 21.030,00 PASSIVOS E PATRIMÔNIO LÍQUIDO 37.312,00 39.612,00 PASSIVO 17.432,00 19.362,00 PASSIVO CIRCULANTE 14.192,00 15.859,00 Contas a Pagar 7.297,00 8.359,00 Títulos a Pagar 2.980,00 3.340,00 Despesas a Pagar 3.915,00 4.160,00 EXIGÍVEL A LONGO PRAZO 3.240,00 3.503,00 PATRIMÔNIO LÍQUIDO 19.880,00 20.250,00 Capital Social 19.880,00 20.250,00 Lucros ou Prejuízos 0,00 0,00 (Estamos na página 20 da apostila) 55/142

62 QUADRO 2 – EXEMPLO DE DRE – Demonst. Resultados (Exemplo Camisaria)
Tópico 1 2009 2010 (=) ROB / Faturamento* ,00 ,00 (-) Impostos 11.400,00 12.000,00 (=) ROL ,00 ,00 (-) CMV 79.800,00 84.000,00 (=) Lucro Bruto 22.800,00 24.000,00 Contas a Pagar CMV / 360 = 8.359,00 84.000,00 / 360 35,82 (-) Desp. Administrativas 5.000,00 6.000,00 (-) Desp. De Pessoal 16.100,00 15.600,00 (=) Lucro Operacional 1.700,00 2.400,00 (-) Desp. Financeiras 200,00 250,00 (+) Receitas Financeiras 10,00 25,00 (=) LUCRO/PREJUÍZO LÍQ. 1.510,00 2.175,00 (Estamos na página 20 da apostila) 56/142

63 4.2 Índices de Atividade 4.2.3 Prazo Médio de Pagamento
Tópico 1 Em 2010 o PMP foi de 35,82 dias, enquanto que em 2009 era de 32,92 dias. A análise do PMR em relação ao PMP nos mostra que primeiro recebemos dos clientes, para depois pagarmos os fornecedores, com uma diferença de aproximadamente 13 dias. (Estamos na página 20 da apostila) 57/142

64 4.2 Índices de Atividade 4.2.4 Giro do Ativo Total
Tópico 1 Este índice indica a eficiência com que a empresa usa seus ativos para gerar vendas. Vendas Ativo Total Giro do Ativo Total = (Estamos na página 21 da apostila) 58/142

65 QUADRO 5 – EXEMPLO DE BALANÇO PATRIMONIAL (Exemplo Camisaria)
2009 2010 Tópico 1 ATIVOS 37.312,00 39.612,00 ATIVOS CIRCULANTES 19.182,00 18.582,00 Caixa 202,00 232,00 Aplicações Financeiras 980,00 1.050,00 Contas a Receber 5.500,00 7.500,00 Estoques 12.500,00 9.800,00 ATIVOS PERMANENTES (ao custo) 27.890,00 31.040,00 Terrenos e Edificações 23.000,00 25.200,00 Máquinas e Equipamentos 3.470,00 3.950,00 Móveis e Utensílios 1.420,00 1.890,00 Veículos 0,00 0,00 DEPRECIAÇÃO ACUMULADA 9.760,00 10.010,00 ATIVOS PERMANENTES LÍQUIDOS 18.130,00 21.030,00 PASSIVOS E PATRIMÔNIO LÍQUIDO 37.312,00 39.612,00 PASSIVO 17.432,00 19.362,00 PASSIVO CIRCULANTE 14.192,00 15.859,00 Contas a Pagar 7.297,00 8.359,00 Títulos a Pagar 2.980,00 3.340,00 Despesas a Pagar 3.915,00 4.160,00 EXIGÍVEL A LONGO PRAZO 3.240,00 3.503,00 PATRIMÔNIO LÍQUIDO 19.880,00 20.250,00 Capital Social 19.880,00 20.250,00 Lucros ou Prejuízos 0,00 0,00 (Estamos na página 21 da apostila) 59/142

66 QUADRO 2 – EXEMPLO DE DRE – Demonst. Resultados (Exemplo Camisaria)
Tópico 1 2009 2010 (=) ROB / Faturamento* ,00 ,00 (-) Impostos 11.400,00 12.000,00 (=) ROL ,00 ,00 (-) CMV 79.800,00 84.000,00 (=) Lucro Bruto 22.800,00 24.000,00 Vendas Ativo Total = ,00 39.612,00 3,03 (-) Desp. Administrativas 5.000,00 6.000,00 (-) Desp. De Pessoal 16.100,00 15.600,00 (=) Lucro Operacional 1.700,00 2.400,00 (-) Desp. Financeiras 200,00 250,00 (+) Receitas Financeiras 10,00 25,00 (=) LUCRO/PREJUÍZO LÍQ. 1.510,00 2.175,00 (Estamos na página 21 da apostila) 60/142

67 4.2 Índices de Atividade 4.2.4 Giro do Ativo Total
Tópico 1 O giro do Ativo Total de 3,03 em 2010 apresentou-se menor que em 2009 (3,06). Isto significa que a loja aumentou seu imobilizado acima do crescimento das vendas. (Estamos na página 21 da apostila) 61/142

68 4.3 Índices de Endividamento
Tópico 1 A palavra endividamento expressa o quanto temos de dívidas. Isto quer dizer que estamos utilizando um dinheiro que não é nosso: daí a expressão “capital de terceiros”. (Estamos na página 21 da apostila) 62/142

69 4.3 Índices de Endividamento 4.3.1 Índice de Endividamento Geral
Tópico 1 O Índice de Endividamento Geral mede a proporção dos ativos totais que são financiados por terceiros. Quanto maior este índice, mais dinheiro a empresa tem emprestado (capital de terceiros). Passivo Total Ativo Total Índice de Endividamento Geral = (Estamos na página 22 da apostila) 63/142

70 QUADRO 5 – EXEMPLO DE BALANÇO PATRIMONIAL (Exemplo Camisaria)
2009 2010 Tópico 1 ATIVOS 37.312,00 39.612,00 ATIVOS CIRCULANTES 19.182,00 18.582,00 Caixa 202,00 232,00 Aplicações Financeiras 980,00 1.050,00 Contas a Receber 5.500,00 7.500,00 Estoques 12.500,00 9.800,00 ATIVOS PERMANENTES (ao custo) 27.890,00 31.040,00 Terrenos e Edificações 23.000,00 25.200,00 Passivo Total Ativo Total = 19.632,00 39.612,00 48,88% Máquinas e Equipamentos 3.470,00 3.950,00 Móveis e Utensílios 1.420,00 1.890,00 Veículos 0,00 0,00 DEPRECIAÇÃO ACUMULADA 9.760,00 10.010,00 ATIVOS PERMANENTES LÍQUIDOS 18.130,00 21.030,00 PASSIVOS E PATRIMÔNIO LÍQUIDO 37.312,00 39.612,00 PASSIVO 17.432,00 19.362,00 PASSIVO CIRCULANTE 14.192,00 15.859,00 Contas a Pagar 7.297,00 8.359,00 Títulos a Pagar 2.980,00 3.340,00 Despesas a Pagar 3.915,00 4.160,00 EXIGÍVEL A LONGO PRAZO 3.240,00 3.503,00 PATRIMÔNIO LÍQUIDO 19.880,00 20.250,00 Capital Social 19.880,00 20.250,00 Lucros ou Prejuízos 0,00 0,00 (Estamos na página 22 da apostila) 64/142

71 4.3 Índices de Endividamento 4.3.1 Índice de Endividamento Geral
Tópico 1 O endividamento geral de 2010 (48,88%) é superior a 2009 (46,72%), apontando que a empresa passou a contar com mais capital de terceiros. O aumento desse endividamento foi de 2,16% de um ano para outro. (Estamos na página 22 da apostila) 65/142

72 4.3 Índices de Endividamento 4.3.2 Índice de Cobertura de Juros
Tópico 1 O Índice de cobertura de juros mede a capacidade da empresa de pagar os juros dos empréstimos e, quanto maior, melhor a capacidade de pagamento de juros sobre o capital de terceiros. Lucro Operacional Juros Índice de Cobertura de Juros = (Estamos na página 23 da apostila) 66/142

73 QUADRO 2 – EXEMPLO DE DRE – Demonst. Resultados (Exemplo Camisaria)
Tópico 1 2009 2010 (=) ROB / Faturamento* ,00 ,00 Lucro Operacional Juros = 2.400,00 250,00 9,60 (-) Impostos 11.400,00 12.000,00 (=) ROL ,00 ,00 (-) CMV 79.800,00 84.000,00 (=) Lucro Bruto 22.800,00 24.000,00 (-) Desp. Administrativas 5.000,00 6.000,00 (-) Desp. De Pessoal 16.100,00 15.600,00 (=) Lucro Operacional 1.700,00 2.400,00 (-) Desp. Financeiras 200,00 250,00 (+) Receitas Financeiras 10,00 25,00 (=) LUCRO/PREJUÍZO LÍQ. 1.510,00 2.175,00 (Estamos na página 23 da apostila) 67/142

74 4.3 Índices de Endividamento 4.3.2 Índice de Cobertura de Juros
Tópico 1 A empresa apresentou melhores condições de cobrir os juros do ano de 2009 (8,50) em relação ao ano de 2010 (9,60). (Estamos na página 23 da apostila) 68/142

75 4.4 Índices de Rentabilidade
Tópico 1 A rentabilidade de uma empresa pode ser analisada conhecendo a margem de lucro bruto, a margem de lucro operacional, a margem de lucro líquido, o retorno do ativo total e retorno do capital próprio. (Estamos na página 23 da apostila) 69/142

76 4.4 Índices de Rentabilidade 4.4.1 Margem de Lucro Bruto
Tópico 1 A margem de lucro bruto é a diferença do preço de venda descontados os impostos e os custos. Quanto maior a margem, maior a disponibilidade para pagamento das despesas administrativas, de pessoal e financeiras. Lucro Bruto Receita de Vendas Margem de Lucro Bruto = (Estamos na página 23 da apostila) 70/142

77 QUADRO 2 – EXEMPLO DE DRE – Demonst. Resultados (Exemplo Camisaria)
Tópico 1 2009 2010 (=) ROB / Faturamento* ,00 ,00 (-) Impostos 11.400,00 12.000,00 (=) ROL ,00 ,00 (-) CMV 79.800,00 84.000,00 (=) Lucro Bruto 22.800,00 24.000,00 (-) Desp. Administrativas 5.000,00 6.000,00 Lucro Bruto Receita de Vendas = 24.000,00 ,00 20% (-) Desp. De Pessoal 16.100,00 15.600,00 (=) Lucro Operacional 1.700,00 2.400,00 (-) Desp. Financeiras 200,00 250,00 (+) Receitas Financeiras 10,00 25,00 (=) LUCRO/PREJUÍZO LÍQ. 1.510,00 2.175,00 (Estamos na página 23 da apostila) 71/142

78 4.4 Índices de Rentabilidade 4.4.1 Margem de Lucro Bruto
Tópico 1 Apesar do aumento do volume de vendas, a margem de lucro bruto permaneceu a mesma nos dois períodos (20%) de 2009 e Isto porque também houveram mudanças no preço de venda, CMV e tributos. (Estamos na página 23 da apostila) 72/142

79 4.4 Índices de Rentabilidade 4.4.1 Margem de Lucro Bruto
Tópico 1 As ações que permitem aumentar esta margem são: * aumentar o preço de venda; * reduzir os custos do produto; * aumentar o giro com a redução do preço de venda e/ou aumento dos prazos de recebimento. (Estamos na página 24 da apostila) 73/142

80 4.4 Índices de Rentabilidade 4.4.2 Margem de Lucro Operacional
Tópico 1 A margem de lucro operacional é a diferença do preço de venda dos produtos descontados todos os custos, exceto as despesas financeiras. Lucro Operacional Receita de Vendas Margem de Lucro Operacional = (Estamos na página 24 da apostila) 74/142

81 QUADRO 2 – EXEMPLO DE DRE – Demonst. Resultados (Exemplo Camisaria)
Tópico 1 2009 2010 (=) ROB / Faturamento* ,00 ,00 (-) Impostos 11.400,00 12.000,00 (=) ROL ,00 ,00 (-) CMV 79.800,00 84.000,00 (=) Lucro Bruto 22.800,00 24.000,00 (-) Desp. Administrativas 5.000,00 6.000,00 (-) Desp. De Pessoal 16.100,00 15.600,00 (=) Lucro Operacional 1.700,00 2.400,00 (-) Desp. Financeiras 200,00 250,00 Lucro Operacional Receita de Vendas = 2.400,00 ,00 2% (+) Receitas Financeiras 10,00 25,00 (=) LUCRO/PREJUÍZO LÍQ. 1.510,00 2.175,00 (Estamos na página 24 da apostila) 75/142

82 4.4 Índices de Rentabilidade 4.4.2 Margem de Lucro Operacional
Tópico 1 A margem de lucro operacional aumentou de 1,49% em 2009 para 2% em Isto mostra que as receitas aumentaram e os custos operacionais diminuíram. (Estamos na página 24 da apostila) 76/142

83 4.4 Índices de Rentabilidade 4.4.3 Margem de Lucro Líquido
Tópico 1 A margem de lucro líquido é a diferença do preço de venda dos produtos descontados todos os custos e despesas. Lucro Líquido Receita de Vendas Margem de Lucro Líquido = (Estamos na página 24 da apostila) 77/142

84 QUADRO 2 – EXEMPLO DE DRE – Demonst. Resultados (Exemplo Camisaria)
Tópico 1 2009 2010 (=) ROB / Faturamento* ,00 ,00 (-) Impostos 11.400,00 12.000,00 (=) ROL ,00 ,00 Lucro Líquido Receita de Vendas = 2.175,00 ,00 1,81% (-) CMV 79.800,00 84.000,00 (=) Lucro Bruto 22.800,00 24.000,00 (-) Desp. Administrativas 5.000,00 6.000,00 (-) Desp. De Pessoal 16.100,00 15.600,00 (=) Lucro Operacional 1.700,00 2.400,00 (-) Desp. Financeiras 200,00 250,00 (+) Receitas Financeiras 10,00 25,00 (=) LUCRO/PREJUÍZO LÍQ. 1.510,00 2.175,00 (Estamos na página 24 da apostila) 78/142

85 4.4 Índices de Rentabilidade 4.4.3 Margem de Lucro Líquido
Tópico 1 A elevação das despesas financeiras de 2009 para 2010 não impediu que a margem de lucro líquido fosse elevada de 1,32% para 1,81% em 2010. (Estamos na página 24 da apostila) 79/142

86 4.4 Índices de Rentabilidade 4.4.4 Retorno do Ativo Total
Tópico 1 Também conhecido por Retorno do Investimento, mede a eficácia geral da empresa em obter lucros com seus ativos. Quanto maior, melhor o retorno. Lucro Líquido Ativo Total Retorno do Ativo Total = (Estamos na página 25 da apostila) 80/142

87 QUADRO 5 – EXEMPLO DE BALANÇO PATRIMONIAL (Exemplo Camisaria)
2009 2010 Tópico 1 ATIVOS 37.312,00 39.612,00 ATIVOS CIRCULANTES 19.182,00 18.582,00 Caixa 202,00 232,00 Aplicações Financeiras 980,00 1.050,00 Contas a Receber 5.500,00 7.500,00 Estoques 12.500,00 9.800,00 ATIVOS PERMANENTES (ao custo) 27.890,00 31.040,00 Terrenos e Edificações 23.000,00 25.200,00 Máquinas e Equipamentos 3.470,00 3.950,00 Móveis e Utensílios 1.420,00 1.890,00 Veículos 0,00 0,00 DEPRECIAÇÃO ACUMULADA 9.760,00 10.010,00 ATIVOS PERMANENTES LÍQUIDOS 18.130,00 21.030,00 PASSIVOS E PATRIMÔNIO LÍQUIDO 37.312,00 39.612,00 PASSIVO 17.432,00 19.362,00 PASSIVO CIRCULANTE 14.192,00 15.859,00 Contas a Pagar 7.297,00 8.359,00 Títulos a Pagar 2.980,00 3.340,00 Despesas a Pagar 3.915,00 4.160,00 EXIGÍVEL A LONGO PRAZO 3.240,00 3.503,00 PATRIMÔNIO LÍQUIDO 19.880,00 20.250,00 Capital Social 19.880,00 20.250,00 Lucros ou Prejuízos 0,00 0,00 (Estamos na página 25 da apostila) 81/142

88 QUADRO 2 – EXEMPLO DE DRE – Demonst. Resultados (Exemplo Camisaria)
Tópico 1 2009 2010 (=) ROB / Faturamento* ,00 ,00 (-) Impostos 11.400,00 12.000,00 (=) ROL ,00 ,00 Lucro Líquido Ativo Total = 2.175,00 39.612,00 5,49% (-) CMV 79.800,00 84.000,00 (=) Lucro Bruto 22.800,00 24.000,00 (-) Desp. Administrativas 5.000,00 6.000,00 (-) Desp. De Pessoal 16.100,00 15.600,00 (=) Lucro Operacional 1.700,00 2.400,00 (-) Desp. Financeiras 200,00 250,00 (+) Receitas Financeiras 10,00 25,00 (=) LUCRO/PREJUÍZO LÍQ. 1.510,00 2.175,00 (Estamos na página 25 da apostila) 82/142

89 4.4 Índices de Rentabilidade 4.4.4 Retorno do Ativo Total
Tópico 1 Em 2010 o retorno do ativo total foi de 5,49%, enquanto que em 2009 foi de 4,05%. Para que seja melhorado o retorno do ativo total, a empresa precisa aumentar o seu lucro líquido nas operações, evitando aumento do ativo total. (Estamos na página 25 da apostila) 83/142

90 4.4 Índices de Rentabilidade 4.4.5 Retorno do Capital Próprio
Tópico 1 O capital próprio representa o montante de recursos investidos pelo sócio ao negócio. O retorno do capital próprio é o índice que mede o retorno que os donos têm sobre o seu capital investido no empreendimento. Lucro Líquido Capital Social Retorno do Capital Próprio = (Estamos na página 25 da apostila) 84/142

91 QUADRO 5 – EXEMPLO DE BALANÇO PATRIMONIAL (Exemplo Camisaria)
2009 2010 Tópico 1 ATIVOS 37.312,00 39.612,00 ATIVOS CIRCULANTES 19.182,00 18.582,00 Caixa 202,00 232,00 Aplicações Financeiras 980,00 1.050,00 Contas a Receber 5.500,00 7.500,00 Estoques 12.500,00 9.800,00 ATIVOS PERMANENTES (ao custo) 27.890,00 31.040,00 Terrenos e Edificações 23.000,00 25.200,00 Máquinas e Equipamentos 3.470,00 3.950,00 Móveis e Utensílios 1.420,00 1.890,00 Veículos 0,00 0,00 DEPRECIAÇÃO ACUMULADA 9.760,00 10.010,00 ATIVOS PERMANENTES LÍQUIDOS 18.130,00 21.030,00 PASSIVOS E PATRIMÔNIO LÍQUIDO 37.312,00 39.612,00 PASSIVO 17.432,00 19.362,00 PASSIVO CIRCULANTE 14.192,00 15.859,00 Contas a Pagar 7.297,00 8.359,00 Títulos a Pagar 2.980,00 3.340,00 Despesas a Pagar 3.915,00 4.160,00 EXIGÍVEL A LONGO PRAZO 3.240,00 3.503,00 PATRIMÔNIO LÍQUIDO 19.880,00 20.250,00 Capital Social 19.880,00 20.250,00 Lucros ou Prejuízos 0,00 0,00 (Estamos na página 25 da apostila) 85/142

92 QUADRO 2 – EXEMPLO DE DRE – Demonst. Resultados (Exemplo Camisaria)
Tópico 1 2009 2010 (=) ROB / Faturamento* ,00 ,00 (-) Impostos 11.400,00 12.000,00 (=) ROL ,00 ,00 Lucro Líquido Capital Social = 2.175,00 20.250,00 10,74% (-) CMV 79.800,00 84.000,00 (=) Lucro Bruto 22.800,00 24.000,00 (-) Desp. Administrativas 5.000,00 6.000,00 (-) Desp. De Pessoal 16.100,00 15.600,00 (=) Lucro Operacional 1.700,00 2.400,00 (-) Desp. Financeiras 200,00 250,00 (+) Receitas Financeiras 10,00 25,00 (=) LUCRO/PREJUÍZO LÍQ. 1.510,00 2.175,00 (Estamos na página 25 da apostila) 86/142

93 4.4 Índices de Rentabilidade 4.4.5 Retorno do Capital Próprio
Tópico 1 O retorno do capital próprio também aumentou em relação a 2009, onde tínhamos 7,60%, e agora em 2010 este retorno é de 10,74%, e apresenta-se um pouco superior à aplicação do dinheiro na poupança. (Estamos na página 26 da apostila) 87/142

94 4.4 Índices de Rentabilidade 4.4.6 Análise Completa
Tópico 1 Uma análise completa da situação financeira da empresa poderá ser feita por: (Estamos na página 26 da apostila) 88/142

95 4.4 Índices de Rentabilidade 4.4.6 Análise Completa
Tópico 1 * Análise Geral: de vários índices, para reunir todos os aspectos das atividades da empresa, identificando as principais necessidades ou áreas de responsabilidade. Avalia-se quatro grupos: liquidez, atividade, endividamento e rentabilidade. Na sequência avalia-se o risco e a rentabilidade. (Estamos na página 26 da apostila) 89/142

96 4.4 Índices de Rentabilidade 4.4.6 Análise Completa
Tópico 1 * Análise DuPont: visa identificar as principais áreas responsáveis pelo retorno do patrimônio líquido, ou seja, pelo desempenho financeiro; a partir do desdobramento do: lucro sobre as vendas, eficiência na utilização do ativo e uso da alavancagem. (Estamos na página 26 da apostila) 90/142

97 FIGURA 1 – SISTEMA DE ANÁLISE DUPONT
DRE – DEMONST. RESULT. BP – BALANÇO PATRIMONIAL (=) ROB: ,00 (+) Ativo Circulante (=) Ativo Total (-) Impostos: ,00 (+) Ativo Perm. Líquido: 21.030,00 (-) CMV: ,00 ( / ) ROB (-) Desp. Adm: 6.000,00 (+) Passivo Circulante (-) Desp. Pessoal: ,00 (=) Exigível Total (-) Desp. Financ: 250,00 (+) Exigível a Longo Prazo (+) Pat. Líquido 20.250,00 (+) Rec. Financ: 25,00 (=) LUCRO LÍQUIDO (=) Margem Líq: 1,81% x ( / ) ROB (=) Giro do Ativo Total: 3,03 (=) Passivo e PL 39.612,00 (=) Retorno sobre o Ativo Total: 5,48% (=) Multiplicador de Alavancagem Financeira: 1,96 x (=) Pat. Líquido 20.250,00 (=) Taxa de Retorno sobre o Patrimônio Líquido: 10,72% (Estamos na página 27 da apostila) 91/142

98 TÓPICO 2 Fluxos e Planejamento
92/142

99 (Estamos na página 33 da apostila)
1 Introdução Tópico 2 Na Gestão Financeira, os fluxos expressam os recebimentos e os pagamentos, ou seja, as entradas e as saídas de dinheiro do caixa. Estes fluxos, geralmente, não apresentam equilíbrio, ou seja, a mesma quantidade que recebemos não é a mesma que pagamos, e vice-versa. (Estamos na página 33 da apostila) 93/142

100 (Estamos na página 33 da apostila)
2 Fluxos de Caixa Tópico 2 Um demonstrativo por competência ou regime de competência é uma análise econômica, que pretende expressar as receitas, despesas e o resultado do período, não importando o momento temporal em que ocorrem os pagamentos ou recebimentos, ou seja, não se sabe exatamente o momento em que o dinheiro entra ou sai. (Estamos na página 33 da apostila) 94/142

101 (Estamos na página 34 da apostila)
2 Fluxos de Caixa Tópico 2 Já o demonstrativo por caixa, ou regime de caixa, expressa o momento temporal em que ocorrem os pagamentos e recebimentos. Sabemos exatamente o momento em que o dinheiro entra e sai. (Estamos na página 34 da apostila) 95/142

102 (Estamos na página 34 da apostila)
2 Fluxos de Caixa Tópico 2 Ao elaborar a demonstração do fluxo de caixa, consideramos: * Fluxos operacionais: entradas e saídas diretamente ligadas à produção e comercialização dos produtos e/ou serviços; * Fluxos de investimentos: aquisições de imobilizado (terrenos, edificações) e participações societárias; * Fluxos de financiamentos: recebimentos e pagamentos de capital próprio e de terceiros. (Estamos na página 34 da apostila) 96/142

103 Figura 2 – Fluxos de Caixa
Tópico 2 (1) Fluxos Operacionais (2) Fluxos de Investimentos Mão de Obra Salários Contas a Pagar Matérias-primas Despesas Gerais Imposto de Renda Contas a Receber Pagamento Provisionado Produto acabado Produto em processo Vendas Despesas Operacionais (incluindo depreciação e juros) Vendas Participação Compras Ativo Fixo Depreciação Caixa e Títulos (3) Fluxos de Financiamentos Restituição Empréstimos Exigível (Curto e Longo Prazo) Patrimônio Venda de Ações Recompra de ações Pagamento de Dividendos (Estamos na página 34 da apostila) 97/142

104 QUADRO 19 – DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA
Tópico 2 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA Fluxo de caixa das atividades operacionais Cálculo Fluxo Outras despesas a pagar têm a mesma interpretação de Contas a Pagar. Lucro Líquido 2.175,00 Depreciação (e outras despesas não desembolsáveis) 10.010,00 – 9.760,00 250,00 Contas a Receber (aumentou) 7.500,00 – 5.500,00 -(2.000,00) Estoques (diminuiu) 9.800,00 – ,00 2.700,00 A diferença do Contas a Receber é R$ 2.000,00. Como houve um aumento, este valor deve ser considerado como negativo. Contas a Pagar 8.359,00 – 7.297,00 1.062,00 Outras despesas a pagar 4.160,00 – 3.915,00 245,00 Caixa gerado pelas atividades operacionais 4.432,00 Fluxo de caixa das atividades de investimento Como o valor dos estoques diminuiu R$ 2.700,00, o valor do fluxo é positivo como uma disponibilidade. Ativo Permanente (aumentou) 31.040,00 – ,00 -(3.150,00) Variações em participações societárias 0,00 – 0,00 0,00 Caixa aplicado em atividades de investimentos -(3.150,00) A depreciação deve ser tratada como valor positivo, pois não ocorreu saída de caixa. Contas a Pagar aumentou, logo o seu fluxo é positivo. Somados os fluxos operacionais, encontra-se o resultado de caixa gerado pelas atividades operacionais. Fluxo de caixa das atividades de financiamento Títulos a Pagar (aumentou) 3.340,00 – 2.980,00 360,00 Exigível de longo prazo (aumentou) 3.503,00 – 3.240,00 263,00 Variações no Patrimônio Líquido (aumentou) 20.250,00 – ,00 370,00 Caixa gerado pelas atividades de financiamento 993,00 Aumento Líquido em Caixa e títulos negociáveis (-3.150) + 993 2.275,00 (Estamos na página 35 da apostila) 98/142

105 QUADRO 19 – DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA
Tópico 2 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA Fluxo de caixa das atividades operacionais Cálculo Fluxo Somados todos os fluxos, é obtido o aumento líquido em caixa e títulos negociáveis de R$ 2.275,00. Se o fluxo terminasse negativo, teríamos sérios sinais de problemas na empresa. Lucro Líquido 2.175,00 Depreciação (e outras despesas não desembolsáveis) 10.010,00 – 9.760,00 250,00 Contas a Receber (aumentou) 7.500,00 – 5.500,00 -(2.000,00) Estoques (diminuiu) 9.800,00 – ,00 2.700,00 O Ativo Permanente aumentou, o que significa menos dinheiro no fluxo. Contas a Pagar 8.359,00 – 7.297,00 1.062,00 Títulos a Pagar também aumentaram, o que significa uma disponibilidade de dinheiro maior. Outras despesas a pagar 4.160,00 – 3.915,00 245,00 Caixa gerado pelas atividades operacionais 4.432,00 Fluxo de caixa das atividades de investimento Ativo Permanente (aumentou) 31.040,00 – ,00 -(3.150,00) Variações em participações societárias 0,00 – 0,00 0,00 Caixa aplicado em atividades de investimentos -(3.150,00) Fluxo de caixa das atividades de financiamento Títulos a Pagar (aumentou) 3.340,00 – 2.980,00 360,00 Exigível de longo prazo (aumentou) 3.503,00 – 3.240,00 263,00 Variações no Patrimônio Líquido (aumentou) 20.250,00 – ,00 370,00 Caixa gerado pelas atividades de financiamento 993,00 Aumento Líquido em Caixa e títulos negociáveis (-3.150) + 993 2.275,00 (Estamos na página 36 da apostila) 99/142

106 (Estamos na página 36 da apostila)
2 Fluxos de Caixa Tópico 2 Um Gestor Financeiro faz seu planejamento considerando as ações de: * Longo Prazo: decisões tomadas pelos dirigentes estratégicos de cada área da empresa; * Curto Prazo: providências operacionais do dia a dia, conforme ilustrada no quadro 19. (Estamos na página 36 da apostila) 100/142

107 QUADRO 20 – FLUXO DE CAIXA OPERACIONAL DIÁRIO
O saldo final de cada período é o saldo inicial do período seguinte. QUADRO 20 – FLUXO DE CAIXA OPERACIONAL DIÁRIO Tópico 2 Este saldo inicial tem que ser observado para o pagamento dos impostos, despesas de pessoal, etc que não foram demonstrados neste quadro. MOVIMENTO / DATA 04/mm/aa 05/mm/aa 06/mm/aa 07/mm/aa ... 15/mm/aa (=) Saldo Inicial 2.000,00 2.200,00 600,00 1.025,00 ... 480,00 ( + ) Vendas 300,00 350,00 500,00 450,00 ... 200,00 ( - ) Impostos 0,00 1.000,00 0,00 0,00 ... 0,00 Possivelmente, nos dias 6 e 7 o volume de vendas foi maior, por ser próximo à data em que as pessoas recebem o seu pagamento e podem ir às compras. ( - ) Fornecedores 0,00 0,00 0,00 0,00 ... 0,00 ( - ) Despesas Administrativas 100,00 50,00 0,00 300,00 ... 0,00 ( - ) Despesas com Pessoal 0,00 900,00 0,00 400,00 ... 0,00 ( - ) Despesas Financeiras 0,00 0,00 75,00 0,00 ... 0,00 As despesas de pessoal ocorreram em duas datas: possivelmente no dia 5 foi o pagamento dos funcionários e no dia 7 o pagamento dos encargos sociais. ( + ) Receitas Financeiras 0,00 0,00 0,00 25,00 ... 0,00 (=) Saldo Final 2.200,00 600,00 1.025,00 800,00 ... 680,00 É preciso lembrar-se na necessidade de recompor o saldo para pagar os fornecedores. Assim que o fluxo revelar saldo negativo, estará representando falta de dinheiro naquele dia para pagar as contas. Neste caso o gestor poderá antecipar recebimentos ou adiar os pagamentos. (Estamos na página 37 da apostila) 101/142

108 (Estamos na página 38 da apostila)
3 Orçamentos de Caixa Tópico 2 O orçamento de caixa é uma demonstração que apresenta as entradas e saídas de caixa planejadas da empresa, que a utiliza para estimar suas necessidades de caixa no curto prazo. Os orçamentos de caixa procuram projetar em torno de um ano. (Estamos na página 38 da apostila) 102/142

109 (Estamos na página 38 da apostila)
3 Orçamentos de Caixa Tópico 2 O departamento comercial da empresa é o nosso ponto de partida: * Previsão de vendas mensais e anuais; * Programação de compra de estoques; * Alocação dos demais recursos; (Estamos na página 38 da apostila) 103/142

110 (Estamos na página 38 da apostila)
3 Orçamentos de Caixa Tópico 2 A atividade de prever as vendas deve considerar as capacidades internas de produção da empresa, para que não se venda mais do que efetivamente é possível produzir ou entregar. Além disso deve-se observar o mercado: se o produto terá aceitação, a existência de produtos substitutos ou ainda a concorrência. (Estamos na página 38 da apostila) 104/142

111 QUADRO 21 – ORÇAMENTO DE CAIXA OPERACIONAL DIÁRIO
Tópico 2 MOVIMENTO / DATA 04/mm/aa 05/mm/aa 06/mm/aa 07/mm/aa ... 15/mm/aa (=) Saldo Inicial 2.500,00 2.880,00 1.340,00 1.667,00 ... 480,00 ( + ) Vendas 500,00 500,00 400,00 400,00 ... 200,00 ( - ) Impostos 0,00 1.100,00 0,00 0,00 ... 0,00 ( - ) Fornecedores 0,00 0,00 0,00 0,00 ... 0,00 ( - ) Despesas Administrativas 120,00 40,00 0,00 200,00 ... 0,00 ( - ) Despesas com Pessoal 0,00 900,00 0,00 400,00 ... 0,00 ( - ) Despesas Financeiras 0,00 0,00 73,00 0,00 ... 0,00 ( + ) Receitas Financeiras 0,00 0,00 0,00 25,00 ... 0,00 (=) Saldo Final 2.880,00 1.340,00 1.667,00 1.492,00 ... 680,00 (Estamos na página 39 da apostila) 105/142

112 QUADRO 22 – VALORES ORÇADOS
Tópico 2 MOVIMENTO / DATA 04/mm/aa 05/mm/aa 06/mm/aa Orçado Realizado Diferença Orçado Realizado Diferença Orçado Realizado Diferença (=) Saldo Inicial 2.500,00 2.000,00 500,00 2.880,00 2.200,00 680,00 1.340,00 600,00 740,00 ( + ) Vendas 500,00 300,00 200,00 500,00 350,00 150,00 400,00 500,00 100,00 ( - ) Impostos 0,00 0,00 0,00 1.100,00 1.000,00 100,00 0,00 0,00 0,00 ( - ) Fornecedores 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 ( - ) Despesas Administrativas 120,00 100,00 20,00 40,00 50,00 10,00 0,00 0,00 0,00 ( - ) Despesas com Pessoal 0,00 0,00 0,00 900,00 900,00 0,00 0,00 0,00 0,00 ( - ) Despesas Financeiras 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 73,00 75,00 2,00 ( + ) Receitas Financeiras 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 (=) Saldo Final 2.880,00 2.200,00 680,00 1.340,00 600,00 740,00 1.667,00 1.025,00 642,00 (Estamos na página 39 da apostila) 106/142

113 (Estamos na página 40 da apostila)
3 Orçamentos de Caixa Tópico 2 * O recebimento das vendas ficou abaixo do orçado nos dias 4(40%) e 5(30%), superando apenas no dia 6(25%); * O valor pago de impostos ficou abaixo do previsto, talvez pelas baixas vendas do mês anterior; * As despesas administrativas tiveram uma pequena variação; * As despesas de pessoal ficaram estáveis; * As despesas financeiras ficaram um pouco acima do normal, talvez as baixas vendas do período forçaram a empresa a buscar capitais de terceiros. (Estamos na página 40 da apostila) 107/142

114 QUADRO 23 – ORÇAMENTO DE CAIXA
Tópico 2 Janeiro Fevereiro ... Dezembro (=) Recebimentos 2.500,00 5.000,00 10.000,00 ( - ) Pagamentos 3.500,00 7.000,00 7.000,00 ( = ) Fluxo Líquido de Caixa 1.000,00 2.000,00 3.000,00 ( + ) Saldo Inicial 0,00 1.000,00 21.500,00 ( = ) Saldo Final 1.000,00 3.000,00 24.500,00 ( - ) Saldo Mínimo de Caixa 1.000,00 1.000,00 1.000,00 ( = ) Financiamento Total Exigido 2.000,00 4.000,00 0,00 (=) Saldo EXCEDENTE 0,00 0,00 23.500,00 (Estamos na página 40 da apostila) 108/142

115 (Estamos na página 41 da apostila)
3 Orçamentos de Caixa Tópico 2 Para evitar surpresas, um orçamento mais provável também deve considerar um cenário pessimista e outro otimista. As atividades de planejamento precisam levar sempre em consideração as três condições: (Estamos na página 41 da apostila) 109/142

116 (Estamos na página 41 da apostila)
3 Orçamentos de Caixa Tópico 2 * Pessimista: onde muitas coisas podem dar errado (poucas vendas, inadimplência alta e muitos pagamentos); * Mais provável: geralmente é reproduzido dentro daquilo que vem ocorrendo nos últimos períodos; * Otimista: consideram altas vendas, e todos os compromissos pagos. (Estamos na página 41 da apostila) 110/142

117 4 Demonstrações e Balanços Projetados
Tópico 2 É fundamental planejarmos os balanços para os exercícios seguintes com o intuito de avançarmos na análise dos índices. O DRE a seguir, projetado para 2011, projeta um aumento de 9% nos custos e demais despesas (que será repassado ao cliente), e um incremento de vendas de 10%. (Estamos na página 44 da apostila) 111/142

118 4 Demonstrações e Balanços Projetados
Tópico 2 A camiseta que custava R$ 7,00, com o aumento de 9%, passará a custar R$ 7,63. Mantendo a margem de 30%, esta camiseta será vendida por (7,63 / (1-30%)) = R$ 10,90 em 2011. (Estamos na página 44 da apostila) 112/142

119 (Estamos na página 44 da apostila)
QUADRO 25 – PROJEÇÃO DO DRE Tópico 2 2010 2011 (=) ROB / Faturamento* ,00 ,00 (-) Impostos 12.000,00 14.388,00 (=) ROL ,00 ,00 (-) CMV 84.000,00 ,00 (=) Lucro Bruto 24.000,00 28.776,00 (-) Desp. Administrativas 6.000,00 6.540,00 (-) Desp. De Pessoal 15.600,00 17.004,00 (=) Lucro Operacional 2.400,00 5.232,00 (-) Desp. Financeiras 250,00 272,50 (+) Receitas Financeiras 25,00 28,00 (=) LUCRO/PREJUÍZO LÍQ. 2.175,00 4.987,50 (Estamos na página 44 da apostila) 113/142

120 QUADRO 26 – PROJEÇÃO DO BALANÇO PATRIMONIAL
2010 2011 Tópico 2 ATIVOS 39.612,00 41.182,00 ATIVOS CIRCULANTES 18.582,00 20.082,00 Caixa 232,00 1.232,00 Aplicações Financeiras 1.050,00 2.050,00 Contas a Receber 7.500,00 8.000,00 Estoques 9.800,00 8.800,00 ATIVOS PERMANENTES (ao custo) 31.040,00 33.240,00 Terrenos e Edificações 25.200,00 25.200,00 Máquinas e Equipamentos 3.950,00 5.850,00 Móveis e Utensílios 1.890,00 2.190,00 Veículos 0,00 0,00 DEPRECIAÇÃO ACUMULADA 10.010,00 12.140,00 ATIVOS PERMANENTES LÍQUIDOS 21.030,00 21.100,00 PASSIVOS E PATRIMÔNIO LÍQUIDO 39.612,00 41.182,00 PASSIVO 19.362,00 20.932,00 PASSIVO CIRCULANTE 15.859,00 14.402,00 Contas a Pagar 8.359,00 8.392,00 Títulos a Pagar 3.340,00 2.040,00 Despesas a Pagar 4.160,00 3.970,00 EXIGÍVEL A LONGO PRAZO 3.503,00 6.530,00 PATRIMÔNIO LÍQUIDO 20.250,00 20.250,00 Capital Social 20.250,00 20.250,00 Lucros ou Prejuízos 0,00 0,00 (Estamos na página 45 da apostila) 114/142

121 4 Demonstrações e Balanços Projetados
Tópico 2 Da projeção do balanço anterior, evidenciamos: * Mais dinheiro no caixa e aplicações financeiras; * Redução dos níveis de estoque; * Algum investimento em máquinas e equipamentos; * Redução do Passivo Circulante; * Aumento do Exigível de longo prazo. (Estamos na página 46 da apostila) 115/142

122 QUADRO 27 – SÉRIE TEMPORAL DOS ÍNDICES REALIZADOS E PROJETADOS
2009 2010 2011 Tópico 2 Índices de Liquidez Liquidez Corrente 1,35 1,17 1,39 Liquidez Seca 0,47 0,55 0,78 Índices de Atividade Giro do Estoque 6,38 8,57 11,45 Prazo Médio de Recebimento 17,37 22,50 20,02 Prazo Médio de Pagamento 32,92 35,82 30,00 Giro do Ativo Total 3,06 3,03 3,49 Índices de Endividamento Endividamento Geral 8,68% 8,84% 15,86% Cobertura de Juros 8,50 9,60 19,20 Índices de Rentabilidade Margem de Lucro Bruto 20% 20% 20% Margem de Lucro Operacional 1,49% 2,00% 3,64% Margem de Lucro Líquido 1,32% 1,81% 3,47% Retorno do Ativo Total 4,05% 5,49% 12,11% Retorno do Capital Próprio 7,60% 10,74% 24,63% (Estamos na página 46 da apostila) 116/142

123 4 Demonstrações e Balanços Projetados
Tópico 2 * A liquidez corrente apresentou recuperação pela diminuição das contas a receber (os prazos de recebimento foram reduzidos), pelos menores níveis de estoque e pela redução do passivo circulante. * A liquidez seca demonstra menor quantidade de estoques e maior giro. * Os prazos médios de recebimento e pagamento são reduzidos. * O giro total do ativo aumentou, devido ao aumento das vendas. (Estamos na página 47 da apostila) 117/142

124 4 Demonstrações e Balanços Projetados
Tópico 2 * O endividamento geral da empresa aumentou bastante, mas a cobertura de juros também. * Quanto à rentabilidade, observa-se que a margem de lucro bruto vem sendo mantida, enquanto que o lucro aumenta. * O retorno do ativo total e do capital próprio também tem reflexos significativos em 2011. (Estamos na página 47 da apostila) 118/142

125 TÓPICO 3 Variáveis na Gestão Financeira
119/142

126 2 Valor do Dinheiro no Tempo
Tópico 3 As finanças são definidas como a gestão do dinheiro. É preciso desenvolver a habilidade de captar e empregar o dinheiro para que o seu valor aumente. O dinheiro tem o seu valor ajustado no decorrer do tempo, ilustrado com a seguinte situação: relacione 10 itens que podem ser comprados hoje com R$ 500,00. (Estamos na página 57 da apostila) 120/142

127 2 Valor do Dinheiro no Tempo
Tópico 3 Se você guardar este dinheiro em sua carteira durante um ano, com certeza daqui a um ano não poderá mais comprar estes itens pelo mesmo preço e com aquela cédula de R$ 500,00. Isto se deve ao fato de que o preço da maioria dos produtos e/ou serviços oscila com o decorrer do tempo. (Estamos na página 57 da apostila) 121/142

128 2 Valor do Dinheiro no Tempo
Tópico 3 As expressões a seguir são fundamentais para o gestor financeiro: * Valor Presente (PV): corresponde ao montante de dinheiro que temos neste exato momento (hoje). * Valor Futuro (FV): corresponde ao montante de dinheiro que teremos em data futura. (Estamos na página 58 da apostila) 122/142

129 2 Valor do Dinheiro no Tempo
Tópico 3 Diariamente, o BACEN divulga a taxa de rendimento da poupança. Supondo que o rendimento, considerando juros e correção monetária, foi de 0,60% a.m, agora o saldo é de R$ 1.006,00, sendo que R$ 6,00 (Juros sobre juros). (Estamos na página 58 da apostila) 123/142

130 2 Valor do Dinheiro no Tempo
Tópico 3 QUADRO 28 – PROJEÇÃO DE VALOR FUTURO ANUAL SEM DEPÓSITOS Período Saldo Inicial Correção (0,60%) Saldo Final 1.000,00 0,00 1.000,00 1 1.000,00 6,00 1.006,00 2 1.006,00 6,04 1.012,04 3 1.012,04 6,07 1.018,11 4 1.018,11 6,11 1.024,22 5 1.024,22 6,15 1.030,36 6 1.030,36 6,18 1.036,54 7 1.036,54 6,22 1.042,76 8 1.042,76 6,26 1.049,02 9 1.049,02 6,29 1.055,31 10 1.055,31 6,33 1.061,65 11 1.061,65 6,37 1.068,02 12 1.068,02 6,41 1.074,42 TOTAL 74,42 (Estamos na página 59 da apostila) 124/142

131 2 Valor do Dinheiro no Tempo
Tópico 3 Agora vamos considerar que, além de um depósito inicial de R$ 1.000,00, sejam aplicados mais R$ 100,00 em cada um dos meses subsequentes, e ainda a uma taxa de 0,70% a.m. Qual será o nosso saldo daqui a um ano? (Estamos na página 59 da apostila) 125/142

132 2 Valor do Dinheiro no Tempo
Tópico 3 QUADRO 29 – EXEMPLO DE POUPANÇA ANUAL COM DEPÓSITOS Período Saldo Inicial Correção (0,70%) Saldo Parcial Depósito Saldo Final 1.000,00 0,00 1.000,00 0,00 1.000,00 1 1.000,00 7,00 1.007,00 100,00 1.107,00 2 1.107,00 7,75 1.114,75 100,00 1.214,75 3 1.214,75 8,50 1.223,25 100,00 1.323,25 4 1.323,25 9,26 1.332,52 100,00 1.432,52 5 1.432,51 10,03 1.442,54 100,00 1.542,54 6 1.542,54 10,80 1.553,34 100,00 1.653,34 7 1.653,34 11,57 1.664,91 100,00 1.764,91 8 1.764,91 12,35 1.777,27 100,00 1.877,27 9 1.877,27 13,14 1.890,41 100,00 1.990,41 10 1.990,41 13,93 2.004,34 100,00 2.104,34 11 2.104,34 14,73 2.119,07 100,00 2.219,07 12 2.219,07 15,53 2.234,61 100,00 2.334,61 TOTAL 134,61 1.200,00 (Estamos na página 60 da apostila) 126/142

133 (Estamos na página 61 da apostila)
3 Risco e Retorno Tópico 3 Na Gestão Financeira, o risco está presente em diferentes níveis: há situações de maior e outras de menor risco. O risco é a possibilidade de perda financeira, e em nossas ações não queremos perder dinheiro. (Estamos na página 61 da apostila) 127/142

134 (Estamos na página 61 da apostila)
3 Risco e Retorno Tópico 3 Os recursos financeiros estão expostos a algum risco. Estes riscos devem ser conhecidos, a fim de se manter o retorno esperado. “Retorno é o total de ganhos ou de perdas de um proprietário ou aplicador sobre investimentos realizados” (LEMES, 2005, p.123). (Estamos na página 61 da apostila) 128/142

135 (Estamos na página 62 da apostila)
3 Risco e Retorno Tópico 3 Riscos específicos da empresa * Risco Operacional * Risco Financeiro Riscos específicos dos acionistas * Risco de taxa de juros * Risco de liquidez * Risco de mercado (Estamos na página 62 da apostila) 129/142

136 (Estamos na página 63 da apostila)
3 Risco e Retorno Tópico 3 Riscos para empresas e acionistas * Risco de Evento * Risco de Câmbio * Risco de Poder Aquisitivo * Risco de Tributação (Estamos na página 63 da apostila) 130/142

137 (Estamos na página 63 da apostila)
3 Risco e Retorno Tópico 3 Segundo Gitman (2004), as atitudes dos administradores diferem quanto ao risco: * Indiferente ao risco: é uma atitude que não faz sentido em nenhuma situação empresarial. O administrador indiferente ao risco entende que o retorno não varia em relação ao risco, e sabe-se que o risco afeta o retorno. (Estamos na página 63 da apostila) 131/142

138 (Estamos na página 63 da apostila)
3 Risco e Retorno Tópico 3 * Avesso ao risco: o administrador tem medo do risco e, por isso, quanto mais alto o risco, mais alto o retorno exigido. Geralmente, este administrador procura retorno em investimentos conservadores. (Estamos na página 63 da apostila) 132/142

139 (Estamos na página 63 da apostila)
3 Risco e Retorno Tópico 3 * Propenso ao risco: o administrador está disposto a abrir mão de algum retorno para assumir riscos maiores, onde este comportamento não beneficiaria a empresa. O retorno cai se o risco aumenta. (Estamos na página 63 da apostila) 133/142

140 (Estamos na página 63 da apostila)
4 Taxas de Juros Tópico 3 A taxa de juros cobrada por um empréstimo ou taxa esperada num determinado investimento. A taxa de juros ou retorno exigido representa o custo de dinheiro. (Estamos na página 63 da apostila) 134/142

141 (Estamos na página 64 da apostila)
4 Taxas de Juros Tópico 3 * Inflação: quando o nível geral de preços aumenta e o poder de compra diminui (desvalorização do dinheiro); * Estabilidade: nível geral de preços não se altera ou sua alteração é próxima de zero; * Deflação: momento em que há uma queda no nível geral de preços. (Estamos na página 64 da apostila) 135/142

142 (Estamos na página 65 da apostila)
5 Ações Tópico 3 A ação é a menor parte de uma empresa acionária, então quanto maior a quantidade de ações, maior será a participação da pessoa na empresa. Na sociedade por ações, quanto ao capital social, podem ser: (Estamos na página 65 da apostila) 136/142

143 (Estamos na página 65 da apostila)
5 Ações Tópico 3 * Capital Aberto: as ações são negociadas publicamente por corretores nas bolsas de valores, sem a necessidade de escrituração pública da propriedade. Assim, muitas das ações ficam nas mãos de pessoas desconhecidas. (Estamos na página 65 da apostila) 137/142

144 (Estamos na página 65 da apostila)
5 Ações Tópico 3 * Capital Fechado: as ações estão em poder de um grupo de pessoas distintas que as mantêm em seu meio. As negociações ocorrem entre os membros do grupo e não na Bolsa de Valores. Geralmente são empresas familiares. (Estamos na página 65 da apostila) 138/142

145 (Estamos na página 65 da apostila)
5 Ações Tópico 3 O valor de uma ação é influenciado por uma série de variáveis, dos quais podemos destacar a empresa, a sua situação, o mercado em que está inserida, a conjuntura econômica e financeira da região (ou do mundo), e ainda “a Lei da Oferta e Procura”. Quanto maior a procura pelas ações, mais o valor delas irá aumentar. (Estamos na página 65 da apostila) 139/142

146 (Estamos na página 66 da apostila)
5 Ações Tópico 3 As ações ainda estão classificadas em: * ON – Ordinárias Nominativas: ações que dão direito ao voto nas assembléias da empresa e proporcionam participação nos resultados econômicos, porém não proporcionam preferência no recebimento dos dividendos. (Estamos na página 66 da apostila) 140/142

147 (Estamos na página 66 da apostila)
5 Ações Tópico 3 * PN – Preferenciais Nominativas: ações que proporcionam preferência no recebimento dos dividendos e/ou reembolso de capital para os casos de dissolução da empresa. Estas ações não dão direito ao voto. (Estamos na página 66 da apostila) 141/142

148 (Estamos na página 67 da apostila)
5 Ações Tópico 3 As ações são classificadas, pela sua liquidez, em: * Primeira Linha ou Blue Chips: caracterizam-se pelo grande volume negociado e grande volume de compradores e vendedores; * Segunda Linha: São as ações menos negociadas. (Estamos na página 67 da apostila) 142/142

149 Parabéns!!! Terminamos a Unidade.

150 Marketing PRÓXIMA AULA:
2º Encontro da Disciplina 1ª Avaliação da Disciplina (Redação com consulta)


Carregar ppt "Gestão Financeira – Unidade 1"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google