A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

PCAP/2008 Pesquisa de Conhecimentos, Atitudes e Práticas relacionada às DST e Aids da População Brasileira de 15 a 64 anos de idade, 2008.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "PCAP/2008 Pesquisa de Conhecimentos, Atitudes e Práticas relacionada às DST e Aids da População Brasileira de 15 a 64 anos de idade, 2008."— Transcrição da apresentação:

1 PCAP/2008 Pesquisa de Conhecimentos, Atitudes e Práticas relacionada às DST e Aids da População Brasileira de 15 a 64 anos de idade, 2008

2 A pesquisa PCAP/2008

3 Objetivo Obter dados mediante inquérito nacional que permitam o acompanhamento de forma sistemática de indicadores do Departamento de DST e Aids sobre comportamento, atitudes e práticas da população brasileira

4 Metodologia Inquérito domiciliar representativo da população brasileira de 15 a 64 anos Realizado em novembro de 2008 Foram entrevistados indivíduos entre 15 e 64 anos A amostragem foi estratificada por macrorregião geográfica (Norte, Nordeste, Sudeste, Sul e Centro-Oeste) e situação urbano/rural Pesquisa realizada pelo Departamento de DST e Aids e pelo Laboratório de Informação em Saúde da Fiocruz.

5 Características sociodemográficas*
Quase 49% eram homens 53,3% tinham entre 25 e 49 anos 42,6% tinham o nível de escolaridade fundamental completo 46,3% declarou sua cor ou raça como parda e 38,9% como branca Em torno de 57% vivia com companheiro 48,5% pertenciam à classe econômica C Quase 7% residiam na região Norte, 26,7% no Nordeste, 44,4% no Sudeste, 15,2% no Sul e 7% na região Centro-Oeste Grau de urbanização foi de quase 83% *As características sociodemográficas apresentadas nesta pesquisa se assemelham às do Censo Brasileiro/IBGE.

6 Conhecimento sobre infecção pelo HIV
PCAP/2008

7 Aspectos gerais A população possui um elevado índice de conhecimento sobre as formas de infecção pelo HIV e de prevenção da aids O conhecimento é maior entre pessoas de maior escolaridade. Mas, mesmo entre aqueles com primário incompleto, o preservativo é bastante conhecido Não há diferenças regionais relevantes sobre o conhecimento

8 Conhecimento sobre as formas de transmissão é alto
Percentual (%) de indivíduos com idade entre 15 e 64 anos, com conhecimento correto sobre as formas de transmissão do HIV, por escolaridade. Brasil, 2008. Formas de transmissão Prim. Incomp. Prim Comp e Fund Incomp Fund. Comp. Total Valor de p Sabe que uma pessoa com aparência saudável pode estar infectado pelo HIV 81,2 91,6 96,6 92,0 0,000 Acha que ter parceiro fiel e não infectado reduz o risco de transmissão do HIV 78,6 81,5 80,2 80,5 0,214 Sabe que o uso de preservativo é a melhor maneira de evitar a infecção pelo HIV 95,2 96,9 0,054 Sabe que pode ser infectado ao compartilhar de seringa 85,1 88,6 96,0 91,2 Sabe que pode ser infectado nas relações sexuais sem preservativo 92,2 95,9 96,8 95,7 Sabe que não que existe cura para a aids 90,6 93,1 95,3 93,6 No geral, é maior entre os mais escolarizados. Destacar o gradiente entre aqueles com primário incompleto (analfabetos e até 3ª série primário). Interessante observar que mesmo entre aqueles com primário incompleto o preservativo é bem conhecido: não há diferença por escolaridade na proporção que sabiam que o preservativo é a melhor maneira para evitar a infecção pelo HIV; e a proporção daqueles que sabem que pode ser infectado nas relações sexuais sem preservativo é apenas 5% menor entre os menos escolarizados quando comparados aos mais escolarizados.

9 Comportamento sexual e uso do preservativo na população brasileira
PCAP/2008

10 77% da população entre 15 e 64 anos é sexualmente ativa
Homens iniciam as suas relações sexuais mais cedo, têm mais parceiros, têm mais parceiros do mesmo sexo e têm mais relações casuais do que as mulheres Homens usam mais o preservativo do que as mulheres Jovens usam mais o preservativo do que todas as outras faixas etárias Metade da populacao usa preservativo em todas as suas relacoes casuais

11 Homens têm mais parcerias casuais
Indicadores de comportamento sexual da população sexualmente ativa entre 15 e 64 anos, por sexo. Brasil, 2008. Indicador Homens Mulheres Total Valor de p Relações sexuais nos últimos 12 meses 81,0 73,7 77,3 0,222 Relações sexuais antes dos 15 anos 36,9 17,0 26,8 0,000 Mais de 10 parceiros na vida 40,1 10,9 25,3 Mais de 5 parceiros casuais no último ano 13,2 4,1 8,8 Relação sexual com pessoa do mesmo sexo, na vida 10,0 5,2 7,6 Pelo menos um parceiro fixo nos últimos 12 meses 84,2 89,0 86,5 Pelo menos um parceiro casual nos últimos 12 meses 36,8 18,5 27,9 Pelo menos um parceiro que conheceu pela internet nos últimos 12 meses 10,3 7,3 Homens são mais sexualmente ativos, iniciam a vida mais cedo, tem mais parceiros (na vida ou casuais no último ano) e mais relações com pessoas do mesmo sexo que as mulheres.

12 Homens usam mais preservativos
Percentual (%) de indivíduos com idade entre 15 e 64 anos sexualmente ativos, segundo o uso de preservativo, por sexo. Brasil, 2008. Uso de preservativo Homens Mulheres Total Valor de p Na primeira relação sexual (15 a 24 anos) 63,8 57,6 60,9 0,037 Na última relação sexual dos últimos 12 meses 40,2 29,7 35,1 0,000 Na última relação sexual com parceiros casuais nos últimos 12 meses 65,1 45,5 58,8 Em todas as relações sexuais, nos últimos 12 meses, com qualquer parceiro 23,4 17,7 20,6 Em todas as relações sexuais, nos últimos 12 meses, com parceiros fixos 21,5 17,3 19,4 0,003 Em todas as relações sexuais, nos últimos 12 meses, com parceiros casuais 51,0 34,6 45,7 O uso de preservativos é sempre maior entre os homens quando comparados às mulheres. Atinge 65% na última relação sexual com casuais entre os homens e 46% entre as mulheres.

13 População jovem PCAP/2008

14 Jovens têm comportamento mais seguro
Têm mais parcerias casuais, mas também são os que mais usam o preservativo Têm alto conhecimento sobre como se prevenir da infecção pelo HIV Usam mais o preservativo em todas as situações se comparados às outras faixas etárias São os que mais pegam o preservativo de graça e a escola é o segundo local de maior acesso. O Programa Saúde e Prevenção nas Escolas (SPE) pode ter influenciado este resultado. 63% das escolas brasileiras já trabalham com o tema DST e AIDS e * das escolas são participantes do SPE Podemos concluir na fala que a longo prazo *Dado do censo escolar de 2007.

15 Parceiros casuais e paqueras pela Internet
Indicadores de comportamento sexual da população sexualmente ativa entre 15 e 64 anos, por faixa etária. Brasil, 2008. Indicador 15-24 25-49 50-64 15-64 Valor de p Relações sexuais nos últimos 12 meses 67,2 86,4 66,3 77,3 0,000 Relações sexuais antes dos 15 anos 35,4 24,6 20,5 26,8 Mais de 10 parceiros na vida 21,9 27,9 21,5 25,3 Mais de 5 parceiros casuais no último ano 14,6 7,2 4,2 8,8 Relação sexual com pessoa do mesmo sexo, na vida 8,7 7,6 5,6 0,035 Pelo menos um parceiro fixo nos últimos 12 meses 83,2 88,3 85,0 86,5 Pelo menos um parceiro casual nos últimos 12 meses 43,5 23,6 15,8 Pelo menos um parceiro que conheceu pela internet nos últimos 12 meses 10,5 5,4 1,7 7,3 Apesar de os indivíduos entre 24 e 49 anos serem mais sexualmente ativos do que os jovens de 15 a 24, esses últimos iniciam a vida sexual mais cedo e têm múltiplas parcerias em maior quantidade. O volume de pessoas que tem parceiros casuais e que conheceu pela internet também é maior entre os jovens.

16 68% dos jovens usam preservativo em relações casuais
Percentual (%) de indivíduos com idade entre 15 e 64 anos sexualmente ativos, segundo o uso de preservativo, por faixa etária. Brasil, 2008. Uso de preservativo 15-24 25-49 50-64 15-64 Valor de p Na última relação sexual dos últimos 12 meses 55,0 30,2 16,4 35,1 0,000 Na última relação sexual com parceiros casuais nos últimos 12 meses 67,8 54,4 37,9 58,8 Em todas as relações sexuais, nos últimos 12 meses, com qualquer parceiro 32,6 17,2 10,5 20,6 Em todas as relações sexuais, nos últimos 12 meses, com parceiros fixos 30,7 16,6 10,0 19,4 Em todas as relações sexuais, nos últimos 12 meses, com parceiros casuais 49,6 44,6 32,0 45,7 0,010 Apesar do comportamento de maior risco, os jovens usam mais preservativo comparativamente aos maiores de 25 anos. A proporção na última com casual alcança quase 68% entre os jovens e não ultrapassa 38% entre aqueles com anos.

17 Preservativo na primeira relação chega a 61%

18 Jovens são os que mais pegam o preservativo de graça
Percentual (%) de indivíduos com idade entre 15 e 64 anos, que declara ter recebido preservativo de graça, nos últimos 12 meses, por faixa etária, segundo locais de retirada. Brasil, 2008. Indicadores 15-24 25-49 50-64 15-64 Valor de p Serviço de saúde 37,7 27,0 10,7 27,2 0,000 ONG 7,8 5,6 2,7 5,7 Escolas (dentre os que estudavam) 16,5 - Pegou preservativo de graça pelo menos uma vez nos últimos 12 meses 41,4 28,6 11,6 29,2 Jovens pegam mais preservativo de graça nos serviços de saúde e em ONG.

19 Alertas PCAP 2004 e PCAP 2008

20 Aumento de parcerias e relações casuais são destaques da pesquisa
O conhecimento sobre o uso do preservativo se manteve alto entre 2004 e 2008 Tendência de queda no uso do preservativo nos quatro anos Aumento na quantidade das relações casuais Em 2008, 21% dos homens que viviam com companheiros/as tiveram, no mesmo período, relações casuais Desses, 63% não adotaram o preservativo em todas as relações com esses parceiros casuais (57% entre homens e 75% entre mulheres) Podemos concluir na fala que a longo prazo

21 Uso do preservativo Percentual (%) de indivíduos com idade entre 15 e 54 anos sexualmente ativos, segundo o uso de preservativo, por faixa etária. Brasil, 2008. Uso de preservativo 2004 2008 Valor de p Na primeira relação sexual (15 a 24 anos) 53,2 60,9 0,0000 Na última relação sexual dos últimos 12 meses 38,4 36,8 0,0999 Na última relação sexual com parceiros casuais nos últimos 12 meses 67,0 59,9 Em todas as relações sexuais, nos últimos 12 meses, com qualquer parceiro 25,3 21,5 Em todas as relações sexuais, nos últimos 12 meses, com parceiros fixos 24,9 20,3 Em todas as relações sexuais, nos últimos 12 meses, com parceiros casuais 51,5 46,5 0,0054

22 Aumento do número de relações casuais
Indicadores de comportamento sexual da população sexualmente ativa entre 15 e 54 anos, por faixa etária. Brasil, 2008. Indicador 2004 2008 Valor de p Relações sexuais nos últimos 12 meses 81,4 79,0 0,0004 Mais de 5 parceiros casuais no último ano 4,0 9,3 0,0000

23 89% dos que vivem com companheiro tiveram relação sexual no último ano
% Homens Mulheres Total Têm parceiro casual 21% 11% 16% Não usaram preservativo em todas as relações com casual 57% 75% 63% Não usaram preservativo na última relação com casual 49% 68% 56%

24 Homens sexualmente ativos

25 Mulheres sexualmente ativas

26 Fatores que impactam o uso do preservativo
PCAP 2004 e PCAP 2008

27 Quem se expõe mais usa mais preservativos
Em todas as categorias, o homem usa mais o preservativo do que a mulher Há indicativo de maior uso de preservativo entre homens que fazem sexo com homens (HSH) quando comparados com os heterossexuais Quanto mais jovem, maior a probabilidade de uso de preservativo. Quanto maior a idade, menor o uso de preservativo “Solteiros” usam preservativo três vezes mais do que aqueles que vivem com companheiros\as Quem tem mais parcerias casuais usa mais do que quem não tem Quem já pegou preservativo de graça usa duas vezes mais do que aqueles que nunca pegaram

28 Jovens usam mais preservativos
Fatores associados ao uso regular de preservativo com qualquer parceiro nos últimos 12 meses Brasil, 2008 Fatores OR IC95% Valor de p Sexo Masculino 1,395 1,128-1,725 0,002 Feminino 1,000 - Idade 0,986 0,977-0,994 0,001 Vive com companheiro Sim 0,000 Não 3,080 2,520-3,765 Mais de cinco parceiros casuais nos últimos 12 meses 1,920 1,407-2,620 Já pegou preservativo de graça 2,098 1,725-2,552 Homens usam mais o preservativo que mulheres; Quanto mais jovem, maior a probabilidade de uso de preservativo; Pessoas sem companheiro usam preservativo três vezes mais do que aqueles com companheiros; Quem teve mais de cinco parceiros casuais usam mais do que aqueles que não tiveram; Quem já pegou preservativo de graça usa duas vezes mais do que aqueles que nunca pegaram; Quem já usou cocaína alguma vez na vida tem uma chance 50% menor de usar preservativo do que aqueles que nunca usaram cocaína; O fato de já ter tido mais de um parceiro na vida reduz a chance de uso de preservativo quando comparados àqueles que tiveram apenas um parceiro. Em números: quase 40% maior entre homens quando comparados às mulheres; diminui 1% para cada ano a mais, ou seja, quanto maior a idade menor o uso de preservativo; três vezes maior entre pessoas que não vivem com companheiros quando comparados àqueles que vivem; em torno de 50% menor entre indivíduos já usaram cocaína quando comparados àqueles que nunca usaram; 35,5% menor entre aqueles que já tiveram mais de um parceiro na vida contra aqueles que não tiveram; quase duas vezes maior entre aqueles que tiveram mais de cinco parceiros casuais nos últimos 12 meses quando comparados àqueles que não tiveram; duas vezes maior entre aqueles que declaram ter pego preservativo de graça nos últimos 12 meses do que entre aqueles que não pegaram

29 Quem pega preservativo de graça usa mais
Fatores associados ao uso regular de preservativo com qualquer parceiro nos últimos 12 meses Mulheres - Brasil, 2008 Fatores OR IC95% Valor de p Idade - 0,985 0,973-0,998 0,022 Vive com companheiro Sim 1,000 0,000 Não 2,346 1,748-3,149 Já pegou preservativo de graça 2,468 1,830-3,328 Quanto mais jovem a mulher maior a chance de usar preservativo; Mulheres que não vivem com companheiro têm probabilidade duas vezes maior de usar do que aquelas que não vivem; A chance de usar preservativo é 2,5 vezes maior entre mulheres que pegaram preservativo de graça quando comparadas àquelas que não pegaram; Aquelas que tiveram mais de um parceiro na vida têm chance menor de usar do que aquelas que tiveram um parceiro Em números: diminui 1% para cada ano a mais; 2,3 vezes maior entre aquelas sem companheiros quando comparadas às com companheiros; 35,5% menor entre aquelas que já tiveram mais de um parceiro na vida do que entre as que não tiveram; 2,5 vezes maior entre aqueles que declaram ter pego preservativo de graça nos últimos 12 meses do que entre aqueles que não pegaram

30 Quem tem mais parceiros usa mais
Fatores associados ao uso regular de preservativo com qualquer parceiro nos últimos 12 meses. Homens - Brasil, 2008 Fatores OR IC95% Valor de p HSH Sim 2,214 0,976-5,023 0,057 Não 1,000 - Idade 0,988 0,977-1,000 0,043 Vive com companheiro 0,000 3,892 2,950-5,135 Mais de 10 parceiros na vida 0,707 0,516-0,970 0,032 Mais de cinco parceiros casuais nos últimos 12 meses 1,966 1,365-2,832 Já pegou preservativo de graça 1,809 1,376-2,377 O uso de preservativo é maior entre aqueles que são HSH quando comparados com os heterossexuais; Homens jovens usam mais do que os mais velhos; A chance de usar o preservativo é quase quatro vezes maior entre os homens sem companheiros do que aqueles com companheiro; Homens com mais de cinco parceiros casuais usam duas vezes mais do que aqueles que tiveram menos de cinco parceiros casuais; Homens que pegaram preservativo de graça nos últimos 12 meses têm chance duas vezes maior do que aqueles que não pegaram; O uso de cocaína está associado ao não uso de preservativo; Homens que já tiveram mais de um parceiro na vida têm chance menor de usar preservativo quando comparados àqueles que tiveram apenas um parceiro. Em números: HSH tem chance 2,2 vezes maior do que heteros; diminui 1% para cada ano a mais; quase 4 vezes maior entre aqueles sem companheiros quando comparados aos com companheiros; em torno de 42% menor entre indivíduos já usaram cocaína quando comparados àqueles que nunca usaram; em torno de 30% menor entre aqueles que já tiveram mais de um parceiro ou mais de 10 parceiros na vida do que entre os que não tiveram; quase 2 vezes maior entre aqueles com mais de cinco parceiros casuais nos últimos 12 meses do que entre aqueles que não tiveram; duas vezes maior entre aqueles que declaram ter pego preservativo de graça nos últimos 12 meses do que entre aqueles que não pegaram

31 Maiores informações


Carregar ppt "PCAP/2008 Pesquisa de Conhecimentos, Atitudes e Práticas relacionada às DST e Aids da População Brasileira de 15 a 64 anos de idade, 2008."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google