A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

CAIPIRA PICANDO FUMO (1893) Almeida Júnior Urupês. Pobre Jeca Tatu! Como és bonito no romance e feio na realidade! Jeca mercador, Jeca lavrador, Jeca.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "CAIPIRA PICANDO FUMO (1893) Almeida Júnior Urupês. Pobre Jeca Tatu! Como és bonito no romance e feio na realidade! Jeca mercador, Jeca lavrador, Jeca."— Transcrição da apresentação:

1

2 CAIPIRA PICANDO FUMO (1893) Almeida Júnior

3 Urupês. Pobre Jeca Tatu! Como és bonito no romance e feio na realidade! Jeca mercador, Jeca lavrador, Jeca filósofo... Quando comparece às feiras, todo mundo logo adivinha o que ele traz: sempre coisas que a natureza derrama pelo mato e ao homem só custa o gesto de espichar a mão e colher (...) Nada mais. Seu grande cuidado é espremer todas as consequências da lei do menor esforço – e nisso vai longe.

4 Começa na morada. Sua casa de sapé e lama faz sorrir aos bichos que moram em toca e gargalhar o João-de-Barro. Pura biboca de bosquímano. Mobília, nenhuma. A cama é uma espipada esteira de Peri posta sobre o chão batido. Às vezes se dá ao luxo de um banquinho de três pernas – para os hóspedes. Três pernas permitem o equilíbrio; inútil, portanto, meter a quarta, o que ainda o obrigaria a nivelar o chão. Para que assentos, se a natureza os dotou de sólidos, rachados calcanhares sobre os quais se sentam? Nenhum talher. Não é a munheca um talher completo – colher, garfo e faca a um tempo? Seus remotos avós não gozavam de maiores quantidades. Seus netos não meterão a quarta perna no banco. Para quê? Vive-se bem sem isso.

5 Se pelotas de barro caem, abrindo seteiras na parede, Jeca não se move a repô-las. Ficam pelo resto da vida os buracos abertos, a entremostrarem nesgas de céu. Quando a palha do teto, apodrecida, greta em fendas por onde pinga a chuva, Jeca, em vez de remendar a tortura, limita-se, cada vez que chove, a aparar numa gamelinha a água gotejante... Remendo... Para quê? Se uma casa dura dez anos e faltam “apenas” nove para que ele abandone aquela? Esta filosofia economiza reparos.

6

7 Adolescentes: mais altos, gordos e preguiçosos A oferta de produtos industrializados e a falta de tempo têm sua parcela de responsabilidade no aumento da silhueta dos jovens. “Os nossos hábitos alimentares, de modo geral, mudaram muito”, observa Vivian Ellinger, presidente da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM), no Rio de Janeiro. Pesquisas mostram que, aqui no Brasil, estamos exagerando no sal e no açúcar, além de tomar pouco leite e comer menos frutas e feijão. Outro pecado, velho conhecido de quem exibe excesso de gordura por causa da gula, surge como marca da nova geração: a preguiça. “Cem por cento das meninas que participam do Programa não praticavam nenhum esporte”, revela a psicóloga Cristina Freire, que monitora o desenvolvimento emocional das voluntárias.

8 Você provavelmente já sabe quais são as consequências de uma rotina sedentária e cheia de gordura. “E não é novidade que os obesos têm uma sobrevida menor”, acredita Claudia Cozer, endocrinologista da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica. Mas, se há cinco anos os estudos projetavam um futuro sombrio para os jovens, no cenário atual as doenças que viriam na velhice já são parte da rotina deles. “Os adolescentes já estão sofrendo com hipertensão e diabete”, exemplifica Claudia.

9 ASA BRANCA (FRAGMENTO) Quando "oiei" a terra ardendo Qual a fogueira de São João Eu perguntei a Deus do céu, ai Por que tamanha judiação. (x2) Que braseiro, que fornaia Nem um pé de "prantação" Por farta d'água, perdi meu gado Morreu de sede meu alazão. (x2) Inté mesmo a asa branca Bateu asas do sertão "Intonce" eu disse, adeus Rosinha Guarda contigo meu coração (x2)

10 TRÊS BANDEIRAS – JASPER JOHNS

11 A) “ ‑ Chama ‑ me Natureza ou Pandora; sou tua mãe e tua inimiga. (...) Isto dizendo, arrebatou ‑ me ao alto de uma montanha. (...) Imagina tu, leitor, uma redução dos séculos, e um desfilar de todos eles, as raças todas, todas as paixões, o tumulto dos impérios, a guerra dos apetites e dos ódios, a destruição recíproca dos seres e das coisas. Tal era o espetáculo, acerbo e curioso espetáculo. “ (Memórias Póstumas de Brás Cubas – Machado de Assis) B) “Na planície avermelhada os juazeiros alargavam duas manchas verdes. Os infelizes tinham caminhado o dia inteiro, estavam cansados e famintos. Ordinariamente andavam pouco, mas como haviam repousado bastante na areia do rio seco, a viagem progredira bem três léguas. Fazia horas que procuravam uma sombra. A folhagem dos juazeiros apareceu longe, através dos galhos pelados da catinga rala.” (Vidas Secas – Graciliano Ramos)

12 C) "Iria morrer, quem sabe naquela noite mesmo? E que tinha ele feito de sua vida? Nada. Levara toda ela atrás da miragem de estudar a pátria, por amá-la e querê-la muito bem, no intuito de contribuir para a sua felicidade e prosperidade. Gastara a sua mocidade nisso, a sua virilidade também; (...) E o que não deixara de ver, de gozar, de fruir, na sua vida? Tudo. (...) Desde dezoito anos que o tal patriotismo lhe absorvia e por ele fizera a tolice de estudar inutilidades.” (Triste Fim de Policarpo Quaresma – Lima Barreto) D) “E toda a gentalha daquelas redondezas ia cair lá [taverna de João Romão], ou então ali ao lado, na casa de pasto, onde os operários das fábricas e os trabalhadores da pedreira se reuniam depois do serviço, e ficavam bebendo e conversando até as dez horas da noite, entre o espesso fumo dos cachimbos, do peixe frito em azeite e dos lampiões de querosene.” (O Cortiço – Aluísio Azevedo)

13 E) “— Não há dúvida, disse D. Antônio de Mariz, (...). É para mim uma das coisas mais admiráveis que tenho visto nesta terra, o caráter desse índio. Desde o primeiro dia que aqui entrou, salvando minha filha, a sua vida tem sido um só ato de abnegação e heroísmo. Crede ‑ me, Álvaro, é um cavalheiro português no corpo de um selvagem! (O guarani – José de Alencar)

14 Os Retirantes ( 1936) Portinari

15 A) “Depois, o vaqueiro fitou o caminho, esperando Cassange para lhe dizer adeus! – mas a cegueira cobre-lhe a vista e deitando sangue pelos ouvidos, reconheceu que soava a sua hora final; abraçou Teresinha colando seus lábios nos lábios de sua noiva e deu-lhe um beijo, amplo eterno como o dos sepulcros.”. (CASTELLO BRANCO, Francisco Gil. Ataliba, o vaqueiro (1880). 5ª ed. Teresina: Corisco, 2001) B) Esse espetáculo de todos os dias, na sua monotonia sinistra, não a impressionava mais, porque se habituara à vizinhança da miséria nas formas mais lúgubres e vis. Vira crianças, a sugarem os seios murchos das mães mortas; cadáveres desses entezinhos abandonados sobre a estrada, devorados por urubus e cães vorazes: criaturas, ainda vivas e exangues, torturadas pelas bicadas de carcarás a lhes arrancarem, aos pedaços, as carnes ulceradas e podres. (OLÍMPIO, Domingos. Luzia-homem (1903) São Paulo: Martin Claret, p. 155)

16 C) “Lá se tinha ficado o Josias, na sua cova à beira da estrada, com uma cruz de dois paus amarrados, feita pelo pai. Ficou em paz. Não tinha mais que chorar de fome, estrada afora. Não tinha mais alguns anos de miséria à frente da vida, para cair depois no mesmo buraco, à sombra da mesma cruz. Cordulina no entanto, queria-o vivo. Embora sofrendo, mas em pé, andando junto dela, chorando de fome, brigando com os outros... E quando reencetou a marcha pela estrada infindável, chamejante e vermelha, não cessava de passar pelos olhos a mão trêmula: - Pobre do meu bichinho!” (QUEIROZ, Raquel de. O Quinze (1930). Rio de Janeiro: José Olympio, 1973). D) “Entrou de mansinho e a viu dormida numa cadeira. Os cabelos longos espalhados nos ombros. Depois de lavados e penteados tinham-se transformado em cabeleira solta, negra, encaracolada. Vestia trapos, mas limpos, certamente os da trouxa. Um rasgão na saia mostrava um pedaço de coxa cor de canela, os seios subiam e desciam levemente ao ritmo do sono, o rosto sorridente”. (AMADO, Jorge. Gabriela, cravo e canela (1958). Rio de Janeiro: Record, s.d.)

17 E) Na casa-grande, que Tubarão e Casimiro Lopes guardavam, a vida era uma tristeza, um aborrecimento. Dona Glória passava as tardes debaixo das laranjeiras, empalhando-se com brochuras e folhetins. Madalena bordava e tinha o rosto coberto de sombras. Às vezes as sombras se adelgaçavam. E findo o trabalho, tudo convidava a gente às conversas moles, aos cochilos, ao embrutecimento. (RAMOS, Graciliano. S. Bernardo (1934). Rio de Janeiro: Editora Record, 82ª edição, 2005).

18

19 VINÍCIUS DE MORAES

20 RECEITA DE MULHER As muito feias que me perdoem Mas beleza é fundamental. É preciso Que haja qualquer coisa de flor em tudo isso Qualquer coisa de dança, qualquer coisa de haute couture* Em tudo isso (ou então Que a mulher se socialize elegantemente em azul, como na República Popular Chinesa). Não há meio-termo possível. É preciso Que tudo isso seja belo. É preciso que súbito Tenha-se a impressão de ver uma garça apenas pousada e que um rosto Adquira de vez em quando essa cor só encontrável no terceiro minuto da aurora.

21 MADONA E O MENINO COM ANJOS (1470) Botticelli MADONA E MENINO (1924) Vicente do Rêgo Monteiro

22

23


Carregar ppt "CAIPIRA PICANDO FUMO (1893) Almeida Júnior Urupês. Pobre Jeca Tatu! Como és bonito no romance e feio na realidade! Jeca mercador, Jeca lavrador, Jeca."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google