A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Aula 8 - Multiculturalismo e Direitos A Política do Reconhecimento Charles Taylor TAYLOR, C. "A política de reconhecimento“. In TAYLOR, C. (Org.) Multiculturalismo.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Aula 8 - Multiculturalismo e Direitos A Política do Reconhecimento Charles Taylor TAYLOR, C. "A política de reconhecimento“. In TAYLOR, C. (Org.) Multiculturalismo."— Transcrição da apresentação:

1 Aula 8 - Multiculturalismo e Direitos A Política do Reconhecimento Charles Taylor TAYLOR, C. "A política de reconhecimento“. In TAYLOR, C. (Org.) Multiculturalismo. Lisboa: Instituto Piaget, 1998, pp (partes I e II).

2 Diferença e inferioridade Reconhecimento incorreto ou não reconhecimento (pessoa ou grupo) pode ser uma forma de agressão. Cita os exemplos da inferioridade da mulher (induzidas a aceitar uma opinião depreciativa delas mesmas) e inferioridade da raça negra (inferioridade projetada). O europeu projetou em muitos povos imagens de seres inferiores.

3 Democracia, identidade e o reconhecimento da diferença Taylor quer saber como o discurso do reconhecimento passou a fazer parte de nossas vidas. O autor destaca o “desaparecimento” da noção de honra (que se relaciona a hierarquias e desigualdade) e o surgimento da dignidade, com um sentido mais universalista e igualitário. A identidade era identificada com a posição social, proveniência e papéis. A importância do reconhecimento foi-se modificando e aumentando com a compreensão da identidade individual (final do séc. XVIII). A democracia introduziu a política do reconhecimento igualitário, com exigências de um estatuto legal para as diversas culturas e para os sexos.

4 Identidade, diferença e sociedade O autor destaca o “ideal de autenticidade” (autoconsciência / cada um de nós tem a sua maneira de ser humano). A diferença é importante, pois ela se refere à compreensão do significado da vida de cada um: viver quem é. Há uma necessidade de viver fora de si, ser verdadeiro consigo, ser verdadeiro com minha originalidade (pp ). A forma de ser não deve ser “fruto da influência social. Ao contrário, gerar-se no interior do ser” (p. 52). Mas essa “gestação”, tal como o caráter, não é monológica, e sim dialógica: depende das interações humanas, da relação com os “outros-importantes” (ex.: família, amigos, nossas referências). Segundo Taylor: “A descoberta de minha identidade não significa que eu me dedique a ela sozinho, mas sim que eu a negocie, em parte, abertamente, em parte, interiormente, com os outros.” Por isso, a identidade gerada interiormente atribui importância ao reconhecimento. Ela depende de “minhas reações dialógicas com os outros” (p. 54).

5 Universalismo e diferença O ideal de autenticidade foi amadurecendo, fazendo com que o reconhecimento desempenhasse um papel essencial. Com a política do universalismo surge a igualdade de direitos e privilégios. Ela procura evitar a existência de cidadãos de primeira e segunda classe. No entanto, o autor sustenta que esse reconhecimento é imperfeito quando é feito sob a luz de um “roteiro social pré-definido”. O reconhecimento igualitário, além de ser ligado a uma “democracia saudável”, é fundamental para que um indivíduo ou um grupo não seja inferiorizado ou desprezado – no caso de recusa ou de reconhecimento incorreto da diferença. A recusa do reconhecimento pode ser uma forma de opressão(p. 56). O discurso do reconhecimento chega em duas esferas: na íntima (formação da identidade) e na pública (política).

6 Paradoxo da política da diferença Problema: Igualdade x diferença Numa política universalista, as diferenças são tratadas com igualdade. Isso pode ser um problema, na medida em que a singularidade é ignorada e assimilada a uma identidade dominante da maioria. A política da diferença busca a igualdade através da recusa de uma cidadania precária, de segunda categoria. > Mas, a universalidade não pode ser reconhecida em algo que não é universalmente comum. O reconhecimento da identidade significa um outro tipo de universalismo que reconhece a especificidade (p. 59). Numa política da diferença, a não-discriminação é a base de um tratamento diferencial. (p. 60). (“discriminação positiva”) É o reconhecimento da diferença daqueles que estão numa posição de segunda classe que tem justificado a adoção de programas sociais. Isso pode ser polêmico para alguns, que vêm nisso um favorecimento.


Carregar ppt "Aula 8 - Multiculturalismo e Direitos A Política do Reconhecimento Charles Taylor TAYLOR, C. "A política de reconhecimento“. In TAYLOR, C. (Org.) Multiculturalismo."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google