A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Tópicos em Interface Humano-Computador M. Cecilia C. Baranauskas Instituto de Computação UNICAMP.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Tópicos em Interface Humano-Computador M. Cecilia C. Baranauskas Instituto de Computação UNICAMP."— Transcrição da apresentação:

1 Tópicos em Interface Humano-Computador M. Cecilia C. Baranauskas Instituto de Computação UNICAMP

2 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 2 Agenda O que é IHC? Porquê estudar IHC? Interfaces que nos fazem ou Os lados da Interação HC Modelo de Usuário – Fatores Humanos IHC como Ciência de Design Entendendo a Evolução em IHC

3 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 3 IHC/HCI/CHI Human-Computer Interaction is a discipline concerned with the design, evaluation and implementation of interactive computer systems for human use and with the study of major phenomena surrounding them (ACM SIGCHI, 1992, p.6)

4 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 4 Década de 90: Integração de IHC na Ciência da Computação 1988 ACM enumera IHC como uma das 9 áreas centrais da CC 1991 ACM e IEEE recomendam a inclusão de IHC nos curriculo de CC 1997 incluída como uma das 10 seções do Handbook of Computer Science and Engineering departamentos de CC incorporam IHC como área de pesquisa

5 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 5 Algumas aplicações Internet Web page design / E-commerce / E-government Intranet Aspectos organizacionais e sociais TV Interativa Novas formas de interação (nova mídia) Dispositivos Móveis Acesso em tempo real, tela pequena & alta densidade Kiosk & Bibliotecas Digitais Acesso rápido e fácil à informação …

6 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 6 Demanda por IHC Motorola – Research Engineers Usability & Human Factors “… to investigate multimedia user requirements, interactions and interfaces, taking an application-focused approach… The position will involve fundamental human factors research, prototype design, implementation and evaluation” Microsoft – Usability Engineer “Candidates should have a thorough knowledge of methods for gathering usability data and be able to plan usability work in conjunction with the product team and provide a user focus for the teams. The candidate must be self sufficient and capable of leading the usability effort for a product with millions of users in a highly competitive and complex environment.” Buscas rápidas (8 Oct 2003) Usability/Accessibility/HCI specialists Human Factors (defence, transportation, mobile devices) …

7 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 7 Uma Coisa que me faz Sublinhado vermelho para indicar erros de grafia Esforço zero do usuário para checagem Aumenta possibilidade de aprender ?

8 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 8 Deslocamento de toda linha de guias quando uma delas é selecionada D Seleção de uma das guias faz com que as demais guias da mesma linha sejam deslocadas para o primeiro nível; D Esforço perceptual a cada acesso para recuperação das posições a acessar; C Solução: deslocamento da guia de interesse pela permuta com outra, da mesma coluna.

9 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 9 Imagine como este problema pode crescer!

10 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 10 Senha no Macintosh: Problema com caixa-alta ativa C Aplicativo alerta o usuário quanto ao possível esquecimento da tecla Caps Lock ativada; C Mensagem bastante útil na medida em que este é um erro muito comum de percepção, ou da falta dela; C Recurso fácil de ser implementado e auxilia o usuário a perceber uma possível fonte de erro, evitando perda do seu tempo ou bloqueio de acesso; C Recurso funciona como uma memória externa do usuário.

11 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 11 Padrão Windows: Pré-visualização de imagem C Recurso não demanda esforço de memória na identificação do arquivo que deseja acessar; C Evita necessidade de saber ou memorizar nome dentre um conjunto disponível. Abstração, transparência de nomes, acesso às imagens. C Possibilita acesso a arquivos que usuário desconhece. Ex.: busca por figura para ilustração;

12 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 12 Padrão Windows: Guia de documentos recentes C Recurso facilita acesso aos arquivos recentemente utilizados reduzindo o esforço de memória; C Funciona como “memória adicional” na identificação do local de armazenamento e nome do arquivo que usuário deseja acessar; C Reduz o esforço de percepção pois somente apresenta ao usuário arquivos que possam ser acessados pelo aplicativo.

13 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 13 MS Word 2000 ? MS Word 2000 com as seguintes barras de ferramentas visíveis: padrão, formatação, auto texto, banco de dados, caixa de ferramentas de controle, desenho, ferramentas da web, figuras, formulário, moldura, revisão, tabelas e bordas, visual basic, web, word art

14 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 14 Pine ?

15 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 15 Website Ig ?

16 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 16 Interação Humano-Computador

17 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 17 Um Modelo Inicial do Usuário de Computadores Com que facilidade palavras da linguagem de interface podem ser lembradas? Como o tipo de fonte altera a legibilidade? Qual a velocidade de leitura na tela? Card, Moran e Newell (1983) Como características do ser humano afetam a maneira como ele interage com computadores Bases para as abordagens cognitivas ao design e avaliação de sistemas computacionais

18 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 18 O Modelo do Processador de Informação Humano Memórias e Processadores Princípios de Operação PP PC PM MLD MCD/MT MIAMIV Card, Moran e Newell (1983)

19 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 19 Eventos perceptuais que ocorrem dentro de um único ciclo são combinados em um único perceptum - impressão mental percebida pelos sentidos Cheatham e Whote (1954). Os sujeitos ouvem o número correto, quando os estalidos são apresentados 10/segundo (1 para cada tp)

20 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 20 O chunk Função do usuário e da tarefa... ativação de sua MLD HSICAUIMPW IHCUSAWIMP

21 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 21 Recuperação da Informação na memória humana... umcd = 7 [5~9] chunks Lembrando palavras de uma lista... Ganzer e Cunitz (1966)

22 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 22 Observando a performance de usuários no teclado... Quão rápido pode-se pressionar determinada tecla repetitivamente com o mesmo dedo? tm (pressionar) + tm(soltar) = 140ms/toque Resultados experimentais: 1000ms para o novato e 60ms para o experto Datilografia em teclado alfabético 8% mais lenta do que teclado qwerty (Sholes)

23 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 23

24 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 24 Entendendo os mecanismos da percepção...  entender os processos psicológicos em operação e as redes neurais envolvidas Como os sinais externos que chegam aos nossos órgãos sensoriais são convertidos em experiências perceptuais significativas? “truques” que revelam o fenômeno humano da percepção Nossos “erros” são reveladores...

25 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 25 Como? degrada-se a imagem completamente tornando a interpretação difícil colocam-se organizações competitivas, tornando possível o conflito de interpretações da mesma imagem coloca-se uma organização sem sentido para ver como a experiência passada afeta o processo

26 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 26 O surrealistas violam intencionalmente as regras da construção da percepção

27 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 27 Degradando a imagem... Foto de R.C.James

28

29 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 29 Uma imagem pode ser ambígua por falta de informação relevante ou por excesso de informação irrelevante

30 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 30 Colocando organizações competitivas... M C Escher, Cavaleiros

31 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 31 Salvador Dalí, The Slave Market with Disappearing Bust of Voltaire

32 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 32

33 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 33 Colocando uma organização sem sentido... Processos perceptuais impõem uma organização à imagem.... B. Riley, Tremor Escaninhos ou seqüência de triângulos?

34 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 34 Organização sem sentido... A interpretação da imagem visual é realizada pela segregação de grupos que tenham forma similar Estes são tratados como unidades ou “pontos focais” Um tipo de “quebra” no padrão repetitivo A organização é flutuante Uma forma ou outra pode ser observada...

35 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 35 Percepção do Espaço - Profundidade Vivemos e nos movemos em um mundo 3D... Nosso aparato visual evoluiu de forma a criar uma representação 3D no que vê

36 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 36 “figuras impossíveis” As partes individualmente conflitam na interpretação global Não lidamos com as coisas isoladamente... Quando informação sensorial é colocada junto, uma imagem consistente do mundo deve ser produzida...

37 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 37

38 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 38 Que informação o sistema nervoso extrai dos sinais que chegam dos órgãos sensoriais?  olhar as anomalias da percepção Receptores de uma parte da imagem visual são afetados pela operação de receptores para partes vizinhas

39 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 39 Anomalias da Percepção Células neurais interagem umas com as outras. No único ponto do olho onde os receptores não interagem muito com os outros, o escurecimento da interseção não acontece

40 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 40

41 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 41 Efeito Posterior O efeito das cores Células neuronais são emparelhadas de modo que células que respondem de um modo são conectadas a células que respondem do modo complementar Suponha que o olho focalize determinada cor Por fadiga, células para essa cor perdem a habilidade de responder Se o olho focaliza a luz branca, a cor complementar responde normalmente, enquanto a resposta à cor focalizada é inibida

42 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 42

43 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 43 Paralaxe do Movimento

44 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 44 IHC como uma ciência de design O caminho de uma formiga atravessando uma praia … Simon em The Sciences of the Artificial a estrutura do comportamento da formiga é derivado principalmente da praia A tecnologia que o homem cria tem papel fundamental na estruturação do comportamento e experiência humanos.

45 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 45 A Tecnologia Centrada na Máquina “Science Finds, Industry Applies, Man Conforms” * 75% dos acidentes aéreos são atribuídos a “erro do piloto” alto índice de erro humano nas indústrias objetos desenhados do ponto de vista da máquina confundem, alteram as relações sociais normais * Chicago Fair, 1933

46 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 46 Visão orientada à Máquina Pessoas são: vagas desorganizadas distraíveis emocionais ilógicas Máquinas são: precisas organizadas não distraíveis não emocionais lógicas

47 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 47 A Tecnologia Centrada no Humano criação de artefatos que expandem nossas capacidades artefatos cognitivos (escrita, aritmética, lógica, linguagem) os artefatos da tecnologia são essenciais para o crescimento do conhecimento humano e da capacidade mental o poder caminha em direção aos mais avançados tecnologicamente...

48 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 48 Visão Orientada ao Humano Pessoas são: criativas flexíveis sensíveis a mudança imaginativas decisões flexíveis baseadas em contexto Máquinas são: bobas rígidas insens. a mudança sem imaginação decisões consistentes baseadas em restrições

49 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 49 Mudança de Paradigma “Science Finds, Industry Applies, Man Conforms” “People Propose, Science Studies,Technology Conforms” (D. Norman, 1993) ?

50 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 50 O quê está errado com as interfaces? A interface é o “lugar” errado para começar... Cultivar sensibilidade ao design O designer da interface é um designer de sistema Ter em mente o Ser Humano que quer usá- la. A Tecnologia deve ser subserviente a essa meta...

51 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 51 Design Centrado no Usuário o usuário deve saber o que fazer... o usuário deve entender o que está acontecendo... qualquer instrução ou treinamento deve ser necessário apenas uma vez...

52 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 52 Affordances Objetos físicos possuem affordances Uma pedra pode ser movida, rolada, chutada, atirada, usada para nos sentarmos... Não todas as pedras, apenas aquelas no tamanho certo para mover, rolar, chutar, atirar, sentar sobre. O conjunto de possíveis ações [relativas ao sujeito] é chamado de “affordance” do objeto

53 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 53 Affordance não é uma propriedade do objeto, É uma relação estabelecida entre o objeto e o organismo que age sobre o objeto. O conceito foi criado por J. Gibson em sua teoria sobre a percepção humana Norman estendeu o termo à aplicação em design Affordances “percebidas” contam ao usuário que ações devem ser realizadas sobre um objeto e como realiza-las (até certo ponto) São o que determina a usabilidade do objeto

54 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 54 Affordance em Design

55 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 55 Affordance em Design

56 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 56 Qual o affordance do objeto a direita?

57 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 57

58 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 58

59 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 59 O ajuste da altura do assento é feito por uma complicada combinação de uma alavanca que deve ser puxada com uma mão e a utilização da outra mão para puxar o assento para cima e o pé para segurar as rodas da cadeira.

60 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 60

61 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 61 Torneiras com sensor eletrônico de movimento

62 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 62 Design Universal

63 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 63 Design Universal na Web ?! Para quem utiliza o navegador Internet Explorer 6.0 em sua configuração padrão, parece que sim.

64 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 64 Acessibilidade ? Para quem utiliza o navegador Internet Explorer 6.0 com o texto ampliado... Único texto ampliado

65 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 65 Acessibilidade? Para quem utiliza o navegador Internet Explorer 6.0 com a janela redimensionada, nem tanto!

66 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 66 Acessibilidade? Para quem utiliza o navegador Internet Explorer 6.0 com as imagens desabilitadas...

67 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 67 Imaginem quem tem que utilizar um leitor de tela... Para quem utiliza o navegador textual Lynx,... ? ??? ? ? ? ? ? ?? ?? ? ?? ? ? ? ? ? ??? ?? ? ? ? ?? ? ? ? ??? ? ? ? ??? ? ?

68 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 68 Desenvolvimento iterativo e a natureza do design O que o diferencia da “Tentativa e erro” bem intencionada? Desenvolvimento iterativo é balizado por objetivos mensuráveis: especificações de usabilidade técnicas “low-tech” foram desenvolvidas para participação do usuário design participativo, design contextual, práticas etnográficas efetividade financeira (custos)

69 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 69 Ferramentas de comunicação e atividades colaborativas novos paradigmas para educação, trabalho e lazer novos desafios a IHC sistemas computacionais poderão facilitar a atividade e experiência humana somente quando requisitos sociais e cognitivos dirigirem o processo de design “The proper study of mankind is the science of design “ Simon

70 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 70 Entendendo a evolução Computadores para o especialista Perspectiva Centrada na Máquina Computadores integrados ao trabalho humano Perspectiva Centrada no Usuário Computadores integrados à vida Perspectiva Centrada na Comunicação ?

71 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 71 O Computador como Ferramenta Para automatizar tarefas humanas O computador como Ferramenta Cognitiva Para estender a capacidade humana O Computador como Mídia Semiótica MainframePCInternet

72 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 72 Agenda de Pesquisa Ambientes Inclusivos Design Universal e Acessibilidade Semiótica Semiótica Organizacional Processos, Métodos e Artefatos fronteira entre IHC e Engenharia de Software

73 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 73 Cláudio M. Zaina Aplicação Domínios Área Militar Biodiversidade Prefeituras Logística Agricultura SIG Banco de Dados SIG Web MapObjectsArcView GIS Juliano Schimiguel Doutorando Qualidade em Interface SIGWEB

74 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 74 Cláudio M. Zaina Mestrando Representação/Visualização de Resultados de Motores de Busca

75 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 75 Collabs CSCL Aprendizado Colaborativo Mediado por Computador (Marcos Borges, Doutor 2004)

76 – II Workshop de Engenharia de Software UNESP Bauru 76 Obrigada ;) M. Cecilia C. Baranauskas


Carregar ppt "Tópicos em Interface Humano-Computador M. Cecilia C. Baranauskas Instituto de Computação UNICAMP."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google