A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

II CONEA – Congresso Nacional de Ensino Agrícola V CETASC – Congresso Estadual dos técnicos agrícolas de Santa Catarina X ENEASC – Encontro Estadual de.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "II CONEA – Congresso Nacional de Ensino Agrícola V CETASC – Congresso Estadual dos técnicos agrícolas de Santa Catarina X ENEASC – Encontro Estadual de."— Transcrição da apresentação:

1 II CONEA – Congresso Nacional de Ensino Agrícola V CETASC – Congresso Estadual dos técnicos agrícolas de Santa Catarina X ENEASC – Encontro Estadual de Ensino Agrícola de Santa Catarina Cláudia Helena Jasper - Nutricionista Mestranda em Saúde e Gestão do Trabalho Nutricionista Clínica do CER UNIVALI O uso de agrotóxicos na produção de alimentos: a visão da nutrição

2 AGROTÓXICOS “Substâncias, ou mistura de substâncias de natureza química, destinadas a prevenir, destruir ou repelir direta ou indiretamente, qualquer forma de agente patogênico ou de vida animal ou vegetal, que seja nociva às plantas e animais úteis, seus produtos e subprodutos e ao homem”. Agrotóxicos Praguicidas Defensivos agrícolas Pesticidas Veneno (NRR5; Fundacentro 1998)

3 AGROTÓXICOS Descoberta que o diclorodipheniltricloroetano (DDT) era capaz de evitar a contaminação por tifo e que os organoclorados tinham um grande potencial como pesticida promoveram uma dispersão destes compostos, sem nenhum controle, em diversos locais do mundo. Comprados a um baixo custo e podem agir por vários anos. Segunda Guerra Mundial -> produção, expansão e síntese de diversos compostos químicos, com propriedades antibióticas ou inseticidas. (Turusov et al., 2002)

4 Agrotóxicos no Brasil Brasil entre os maiores consumidores mundiais de agrotóxicos. (ANVISA, 2007). Falta de fiscalização, fragilidade legislativa; problemas envolvendo a venda, o registro e a utilização de agrotóxicos ainda são comuns no país. 28% dos alimentos apresentam agrotóxicos em níveis acima dos permitidos (ANVISA, 2010)

5 Agrotóxicos e saúde Danos agudos (o processo de intoxicação mais imediato): náusea, êmese, cefaléia, alergias, desmaios.. Danos crônicos: patologias de pele, carcinogênese, desregulação endócrina, neurotoxicidade, efeitos na reprodução humana e no sistema imunológico, entre outros... (ECOBICHON, 2001; FELDMAN, 1999; ELLENHORN, 1997; LEE et al., 2004; CLAPP et al., 2005; MEYER et al., 2003; BILA; DEZOTTI, 2007)

6 Agrotóxicos e saúde - > Câncer: testículo, mama, próstata -> mutações gênicas: significativamente mais alta no grupo exposto a agrotóxicos Rev Esc Enferm USP, v. 42, n. 3, 2008

7 “Importantes compostos cancerígenos encontram-se entre os metais pesados, os agrotóxicos, os solventes e as poeiras. Além da população rural, que fica mais exposta pelo manuseio desses produtos. Toda a população pode ter contato com agrotóxicos, seja pela ocupação, pela alimentação ou pelo ambiente. Substâncias como o DDT, clordane e lindane são promotoras de tumores”. (INCA, 2012) Agrotóxicos e saúde

8 Associação entre 6 tipos de agrotóxicos e diabetes: DDT, DDE, heptacloro, beta-hexaclorociclohexano(HCH), oxiclordano, trans-nonachlor. Associação forte: heptacloro, oxiclordano Associação moderada: DDT Associação fraca: beta-hexaclorociclohexano(HCH), DDE, trans-nonachlor National Health and Nutrition Examination SURVEY (NHANES), 1999–2004

9 Agrotóxicos e saúde Durante a investigação de possíveis fatores etiológicos, foram encontrados níveis séricos extremamente elevados de oxiclordano, um agrotóxico organoclorado. Uma possível correlação entre a intoxicação por esse agente químico e o surgimento de ES foi aventada. Rev Bras Reumatol, v. 48, n.1, p. 51-54, jan/fev, 2008 ES => doença inflamatória crônica do tecido conjuntivo. Sua principal característica é o endurecimento (esclero) da pele, que se torna mais espessa, brilhante e escura nas áreas afetadas.

10 Agricultura orgânica Na agricultura orgânica não é permitido o uso de substâncias que coloquem em risco a saúde humana e o meio ambiente. Não são utilizados fertilizantes sintéticos solúveis, agrotóxicos e transgênicos Para ser considerado orgânico, o produto tem que ser produzido em um ambiente de produção orgânica, onde se utiliza como base do processo produtivo os princípios agroecológicos que contemplam o uso responsável do solo, da água, do ar e dos demais recursos naturais, respeitando as relações sociais e culturais. (BRASIL, 2014)

11 Aspectos nutricionais -> Vegetais orgânicos contêm entre 19% e 69% mais antioxidantes do que os alimentos convencionais -> Substituir vegetais comuns por orgânicos surte o mesmo efeito que passar a comer entre uma e duas porções a mais de frutas e verduras todos os dias. Vits. A, C, E, zinco, selênio, licopeno, bioflavonóides catequinas

12 Aspectos nutricionais Avaliação do potencial antioxidante e de algumas características físico- químicas do tomate (Lycopersicon esculentum) orgânico em comparação ao convencional. (BORGUINI, 2006) NutrienteOrgânicoConvencional Vitamina C Licopeno-- Antioxidante

13 Aspectos nutricionais Itens avaliadosConvencionalHidropônicaOrgânica Concent. Nitratos Concent. Vit. C Qualidade superior

14 Pesquisa dinamarquesa, em modelo animal. Grupo de Dietas: 1. orgânico – sem agrotóxicos e sem adubos químicos; 2.integrado - uso controlado de agrotóxicos e adubos químicos; 3. convencional - alto uso de agrotóxicos e adubos químicos Conclusão: ratos alimentados com a dieta orgânica - maior atividade diurna, menor volume de tecido adiposo e melhor função metabólica do fígado. Aspectos nutricionais (JORGENSEN et al., 2008)

15 Qualidade de solo: Estudo de longa duração (21 anos) comparando a biodiversidade e qualidade de solo entre sistemas não-convencionais (biodinâmico e orgânico) e convencional, foi realizado na Europa Central. Aspectos nutricionais Conclusão: melhor estruturação de solo e infiltração de água nos sistemas orgânico e biodinâmico. = mais nutrientes! (MÄDER et. al., 2007)

16 Quando consumimos um alimento convencional, deixamos de consumir... Aspectos nutricionais Ferro, fósforo Vit. C Cálcio, ferro

17 Agrotóxicos e saúde Nas últimas décadas, o uso indiscriminado de agrotóxicos na produção de alimentos vem causando preocupação em diversas partes do mundo. A crítica ao modelo de agricultura vigente cresce à medida que estudos comprovam que os agrotóxicos contaminam os alimentos e o meio ambiente, causando danos à saúde. (ARCHANJO, et al., 2001)

18 O que fazer?

19 Aproveitar melhor os alimentos! Consumir sempre frutas, verduras e legumes da época Os alimentos consumidos com maior frequência, ou que possuem maior teor de agrotóxicos, devem ser sempre orgânicos Descartar folhas, cascas e talos de alimentos convencionais Lavar muito bem os alimentos, em água corrente, antes do preparo. Deixer de molho por 15 min em solução clorada (1 litro de água para 1 col sopa de água sanitária), enxaguar bem.

20 Mapa das feiras orgânicas Site -> Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec): http://www.idec.org.br/feirasorganicashttp://www.idec.org.br/feirasorganicas

21 Referências ANVISA (2009). Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos – PARA. Nota técnica para divulgação dos resultados de 2008. Disponível em http:// www.anvisa.gov.br/toxicologia/residuos/resultados_PARA_2008.pdf. Acesso em Setembro de 2014. AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos. Relatório de Atividades de 2001–2006. Disponível em:. Acesso em: set 2014http://www.anvisa.gov.br/toxicologia/ residuos/rel_anual_2001–2006.pdf ARCHANJO, L. R.; BRITO, K. F. W.; SAUERBECK, S. Alimentos Orgânicos em Curitiba: consumo e significado. Cadernos de Debate, Vol. VIII, 2001 BILA, D. M.; DEZOTTI, M. Desreguladores endócrinos no meio ambiente: efeitos e consequências. Quim. Nova, v. 30, n. 3, p. 651–66, 2007. CLAPP, R.; HOWE, G.; LEFEVRE, M. J. Environmental and occupational causes of cancer: A review of recent scientific literature. Amherst: University of Massachusetts, 2005. ELLENHORN, M. J. Ellenhorn's Medical Toxicology: diagnosis and treatment of human poisoning. Baltimore: Williams & Wilkins, 1997. FELDMAN, R. G. Occupational and environmental neurotoxicology. Philadelphia: Lippincott–Raven Publishers, 1999. JØRGENSEN, H., BRANDT, K., and LAURIDSEN, C. 2008. Year rather than farming system influenced protein utilisation and energy value of vegetables when measured in a rat model. Nutr. Res. 28, 866-878. LEE, W. J. et al. Cancer incidence among pesticide applicators exposed to Alachlor in the Agricultural Health Study.Am J Epid, v. 159, n. 4, p. 373–80, 2004 MÄDER, P.; HAHN, D.; DUBOIS, D.; GUNST, L.; ALFÖLDI, T.; BERGMANN, H.; OEHME, M.; AMADÔ, R.; SCHNEIDER, H.; GRAF, U.; VELIMIROV, A.; FLIESSBACH, A. AND NIGGLI, U. (2007) Wheat quality in organic and conventional farming: results of a 21 year field experiment. Journal of the Science of Food and Agriculture (87):pp.1826-1835. MEYER, A. et al. Cancer mortality among agricultural workers from Serrana Region, state of Rio de Janeiro, Brazil.Environ Res, v. 93, p. 264–271, 2003. RIGOTTO, R. M.; VASCONCELOS, D. P.; ROCHA, M. M. Uso de agrotóxicos no Brasil e problemas para a saúde pública. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 30(7):1-3, jul, 2014

22 OBRIGADA! Cláudia H. Jasper Email: claudiajasper.nutricao@gmail.com


Carregar ppt "II CONEA – Congresso Nacional de Ensino Agrícola V CETASC – Congresso Estadual dos técnicos agrícolas de Santa Catarina X ENEASC – Encontro Estadual de."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google