A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho."— Transcrição da apresentação:

1 Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho

2 Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Ruthe Rebello Pires Doutorando em Polímeros e Meio Ambiente UFMG Mestre em Eficiência Energética e Meio Ambiente CEFET-Mg Esp. Meio Ambiente e Segurança do Trabalho Engenheira Civil- FUMEC

3 TEMA Alterações Ambientais e Avaliação do Ciclo de Vida de Produtos e Serviços

4

5 Gestão Ambiental não é o gerenciamento dos recursos naturais, mas sim das atividades antrópicas para que estas não as utilizem acima de sua capacidade de suporte.

6 Desenvolvimento?

7 Uso de recursos naturais Problemas atuais Fontes Renováveis: são aquelas cujas fontes não se esgotam, ou seja, se renovam (água, sol, vento, biomassa, etc).

8 Uso de recursos naturais Problemas atuais Fontes não Renováveis: queima de combustíveis como gasolina, diesel, gás natural, urânio, carvão, etc

9 Uso de recursos energéticos Problemas atuais Fonte: ANEEL, Resumo energético do Brasil Fonte: ANEEL, 2010.

10 Uso de recursos energéticos no mundo Problemas atuais Fonte: ANEEL, FIGURA 4- Consumo de petróleo no mundo. Fonte: BPF, 2009; CPIA, 2009; PLASTIVIDA a, 2009; MICHAELI, 2009.

11 Uso de recursos energéticos no mundo Problemas atuais Fonte: ANEEL, 2010.

12 Uso de recursos energéticos no mundo Problemas atuais Fonte: ANEEL, 2010.

13 Uso de recursos energéticos no mundo Problemas atuais Fonte: ANEEL, 2010.

14 Resíduos sólidos (lixo) Problemas atuais

15 CO (monóxido de carbono) –Gás incolor, inodoro e tóxico –Produzido pela combustão incompleta do carbono Óxidos de enxofre (SO 2 e SO 3 ) –Produzido pela queima de combustíveis fósseis e oxidação de enxofre –SO 2 : incolor, odor sufocante –Fontes naturais liberam duas vezes mais enxofre que atividades humanas: Decomposição da matéria orgânica Liberação de sulfatos da maresia –Ciclo Precipitação no solo e nos oceanos

16 Resíduos sólidos (lixo) Problemas atuais

17 Resíduos sólidos (lixo) Problemas atuais

18 Resíduos sólidos (lixo) Problemas atuais

19 Resíduos sólidos (lixo) Problemas atuais

20 Resíduos sólidos (lixo) Problemas atuais

21 Aquecimento global (?) Problemas atuais

22 Camada de ozônio Problemas atuais

23 Chuva ácida Problemas atuais

24 Esquema das questões ambientais Uso do solo, consumo de recursos, emissões Transporte dos poluentes e transformações no ar, na água e no solo Mudanças químicas, físicas e biológicas no meio ambiente Ponderação das mudanças ambientais: impactos, custos, riscos e danos Desenvolvimento tecnológico Políticas públicas (leis, regulamentos, a normas) Assentamento humano e atividade econômica Economia cultura, valores, etc. Processo político

25 Mudanças físicasMudanças biológicasMudanças químicas Desmatamento e outros alterações da paisagem. Mudanças dos cursos d’água Mudanças na preservação de plantas/animais, microorganismos devido ao habitat, constituintes químicos e às concentrações alteradas. Sucessão destrutiva, extinção, migração e doenças Mudanças dos constituintes dos solos e sedimentos. Atividade humana Uso da água e do solo para a moradia, agricultura, indústria, transporte e recreação

26 Sucessões Destrutivas o meio vai sendo destruído, pouco a pouco, por diferentes seres.

27 Sucessão ecológica desenvolvimento de uma comunidade, (origem e o crescimento) estado equilíbrio dinâmico com o ambiente.

28 Mudanças físicasMudanças químicasMudanças biológicas Mudanças no ambiente construído através de deposição e ataque químico causado por emissões tais como depósitos de fuligem, gases ácidos e químicos líquidos; Aumento da concentração de substâncias no ar, na água e no solo; Ferimentos ou enfermidades de pessoas, plantas e animais devido à exposição ao acúmulo de produtos químicos e seus derivados Emissões ou descargas de substâncias químicas para o ar, a água e o solo Atividade humana

29 Papel da engenharia Economia, cultura, valores, etc. Posição atividade econômica Uso do solo, consumo de recursos, emissões Transporte dos poluentes e transforma- ções no ar, na água e no solo Mudanças químicas, físicas e biológicas no meio ambiente Ponderação das mudanças ambientais Desenvolvimento tecnológico Políticas públicas (leis, regulamentos, a normas) SociologiaEngenhariaCiências Sociologia e humanidades Processo político

30

31 Características Ambientais Atividade Avaliação Ambiental Monitoramento e Retroalimentação Medidas Mitigadoras Gestão Ambiental LOCALIZAÇÃOTIPOLOGIA

32 Localização da Atividade

33 Tipologia: Ciclo de Vida do Produto Extração de Matéria-prima Processamento da Matéria-prima Manufatura Uso Disposição e reaproveitamento Remanufatura Reciclagem Reuso

34 TOMADA DE DECISÃO ? ? ? toalha de papel toalha de pano secador elétrico - ar quente

35

36 Princípios Básicos da Engenharia I Conservação da massa Taxa de geração de massa = 0 Para um volume de controle: Acúmulo de massa influxo de massa efluxo de massa fronteira do sistema

37 Princípios Básicos da Engenharia II Conservação da massa Taxa de geração de energia = 0 Para um volume de controle: Acúmulo de energia influxo de energia efluxo de energia fronteira do sistema

38 Objetivo: comparar os diferentes tipos de embalagens de refrigerante e selecionar qual deles era o mais adequado do ponto de vista ambiental. Quantificação da utilização dos recursos naturais e de emissões : Perfil de Análise Ambiental e Recursos

39 Barril de petróleo aumentou até 400% em cinco meses: recessão nos EUA e Europa

40 Society of Environmental Toxicology and Chemistry United Nations Environment Programme environment for development

41

42 Características principais Integração recíproca entre várias disciplinas: extensa pesquisa bibliográfica Iterativo: muita repetição Análise do Ciclo de Vida Avaliação do Ciclo de Vida Σ entradas e saídas depois da alocação = Σ entradas e saídas antes da alocação

43 ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas ISO International Organization for Standardization ABNT NBR ISO 14001:2004 ISO 14001:2004

44 ISO e ISO : Sistema de Gerenciamento Ambiental - SGA Ação Checagem Planejamento Fazer ISO Design ISO Auditoria Sistema Gestão Ambiental Avaliação do desempenho ambiental Melhoria do desempenho ambiental prod Comunicação desempenho Desc desempenho ambiental Descrição desempenho ambiental de produtos Informação desempenho sistema ger ambiental Infor aspectos dos produtos Priorização dos aspectos ambientais Integração dos aspectos ambientais no projeto e desenvolvimento Monitoramento do desempenho ambiental Comunicação do desempenho ambiental ISO Avaliação do Ciclo de Vida ISO Selos e declarações ambientais Série Avaliação do desempenho ambiental ISO Comunicação ambiental

45 Definição do Objetivo E do Escopo Avaliação de Impacto Do Ciclo de Vida Análise de Inventário Interpretação Difícil

46 Fases da ACV Objetivo e Escopo Análise do Inventário Avaliação de Impacto Interpretação Propósito Escopo (limites) Unidade Funcional Definição dos requisitos de qualidade Entrada / Saída Coleta dos dados: –aquisição de recursos e energia –manufatura –transportes Classificação: –saúde ambiental –saúde humana –exaustão de recursos Caracterização Valoração Identificação dos problemas Avaliação Análise de sensibilidade Conclusões

47 Avaliação de Impacto Ambiental (AIA) = Estudo de Impacto Ambiental (EIA) + Relatório de Impacto Ambiental (RIMA) P + L Economia, ambiental, tecnológica ≠ ≠ Avaliação de Impacto de ACV

48 Cradle-to-gate Gate-to-grave Eliminação de etapas posteriores: excluídos todos os processos após a manufatura do produto. Eliminação de etapas anteriores: excluídos todos os processos anteriores à manufatura produto. Gate-to-gateSomente o estágio de fabricação é considerado Tipos de “cortes” de uma ACV Fonte: LIMA, [ 1[ 1 Do inglês: berço a portão. [2] [2] Do inglês: portão ao túmulo. [3] [3] Do inglês: portão a portão.

49 MODELAGEM DO SISTEMA - FLUXOGRAMA Extração de Matérias- primas Manufatura de materiais Manufatura de Produtos Uso e consumo do produto Disposição final, reciclagem ou reuso. Energia Resíduo

50 Caso 1- Natura

51 Fonte: Daimler Chrysle Peça analisada Tampa da central elétrica do painel Caso 2- Mercedes Benz

52 Estudo comparativo de performance ambiental Fibra de Sisal + Poliol mamona x Fibra de Vidro + Poliol petroquímico Retirada das cascas do fruto e plantação de mamona

53 Caso 3- Abiquim –Associação Brasileira da Indústria química Embalagem de Floculantes Floculantes são embalados em três tipos de embalagens: Embalagem de 25 kg em PEAD Embalagem de 220 kg em PEAD/PP Embalagem de 1 tonelada em PEAD

54

55

56 Caso 4- Embalagem de PEAD 90% de reciclado e 70% de reciclado ? Economia de energia

57 Objetivos Base de dados de ICV brasileiro Qual o consumo energético e impacto ambiental no panorama brasileiro? Identificar e inventariar o consumo de material e o consumo energético

58 Produção do Polietileno Cadeia petroquímica Extração Refino Craqueamento:Eteno 1º Geração 2º Geração 3º Geração Polimerização: PE Transformação Mercado Gate to gate

59 Processo unitário: embalagem verde e embalagem azul 70 % de PEAD reciclado 90 % de PEAD reciclado Unidade funcional= Kg

60

61 ETE PEAD moído e lavado PEAD reciclado Lavado ra PEAD granulado Aglutinador Secagem e homogeneização Moinho Aterro Sanitário Aterro sanitário Circuito fechado de resfriamento de água Impurezas Borra do lodo “Recicladora A” ou “reciclagem externa” Extrusão

62 “ Reciclagem interna” Moinho Reprovado Rebarba (média de 0,07g cada) Aprovado Consumo Reciclagem Envase Consumo de energia

63 Sistema de produto Fronteira Fluxo de produto Fluxo de processo Insumos “recicladora A” Chiller “empresa A” Processo de sopro por extrusão Processo elementar Chiller “ reciclagem interna” Rotulagem Serigrafia Processo elementar Envase Fluxo intermediário: Embalagem No Chiller: água gelada Fluxo intermediário: Embalagem rotulada Insumos ETE Aterro Recuperação de energia Coleta seletiva Centros de triagem/ enfardamento Uso/ reuso

64 Estudo de casos para cálculo do consumo de energia Caso 1Caso 2Caso 3Caso 4Caso 5Caso 6 PEAD virgem10% 30% PEAD reciclado interno89%_26,7%69%20,7%_ PEAD reciclado externo_88%62,3%_48,3%68% Pigmento Azul1%2%1%___ Pigmento Verde___1% 2%

65 Resultado: produção 1 azul x 1 verde com reciclado interno - mesma sopradora Energia elétrica Caso 1Caso 4

66 Resultado: produção 1 azul x 1 verde com reciclado externo - mesma sopradora Energia elétrica Caso 2Caso 6

67 Resultado: produção 1 azul x 1 verde com reciclado externo e interno- mesma sopradora Energia elétrica Caso 3Caso 5

68 Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite MUITO OBRIGADA!


Carregar ppt "Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google