A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

DIAGNÓSTICO DA GERAÇÃO, GESTÃO E GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NA USP – SÃO CARLOS

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "DIAGNÓSTICO DA GERAÇÃO, GESTÃO E GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NA USP – SÃO CARLOS"— Transcrição da apresentação:

1

2 DIAGNÓSTICO DA GERAÇÃO, GESTÃO E GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NA USP – SÃO CARLOS

3 RESÍDUOS SÓLIDOS RESÍDUOS SÓLIDOS CEMITERIAIS RESÍDUOS DOMICILIARES
RESÍDUOS INDUSTRIAIS RESÍDUOS DE ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS E PRESTADORES DE SERVIÇOS RESÍDUOS DOMICILIARES RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE TRANSPORTES RESÍDUOS DE LIMPEZA URBANA RESÍDUOS DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE SANEAMENTO BÁSICO RESÍDUOS AGROSSILVOPASTORIS RESÍDUOS DE MINERAÇÃO RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS RESÍDUOS SÓLIDOS RESÍDUOS SÓLIDOS CEMITERIAIS RESÍDUOS DE SIGNIFICATIVO IMPACTO AMBIENTAL (SMA038/2011) Resíduos de Estabelecimentos Comerciais e Prestadores de Serviços podem ser considerados Resíduos Domiciliares pelo poder público municipal, desde que sejam caracterizados como Não Perigosos.

4 GESTÃO: conjunto de ações voltadas para a busca de soluções para os resíduos sólidos, de forma a considerar as dimensões política, econômica, ambiental, cultural e social, com controle social e sob a premissa do desenvolvimento sustentável GERENCIAMENTO: conjunto de ações exercidas, direta ou indiretamente, nas etapas de coleta, transporte, transbordo, tratamento e destinação final ambientalmente adequada dos resíduos sólidos e disposição final ambientalmente adequada dos rejeitos, de acordo com plano municipal de gestão integrada de resíduos sólidos ou com plano de gerenciamento de resíduos sólidos, exigidos na forma desta lei (PNRS)

5 Motivação: Disciplinas Docente responsável Assistentes PAE
Experiência do programa PAE, 2º semestre/2012 Disciplinas Gestão de Resíduos Sólidos (obrigatória): 36 alunos Tratamento de Resíduos Sólidos Urbanos (optativa): 10 alunos Docente responsável Prof. Assoc. Valdir Schalch Assistentes PAE Fernanda Ferraz Ivie Kawatoko Marco Castro Rodrigo Córdoba

6 Contexto Política Nacional de Resíduos Sólidos
Objetivos, princípios, instrumentos Planos de Resíduos Sólidos Ponto(s) de partida ‘o que e quanto geramos hoje?? Diagnóstico (estado atual) da geração de resíduos Diagnóstico (estado atual) da gestão de resíduos ‘o que fazemos hoje??

7 Proposta feita aos alunos:
Dar subsídios à elaboração de um plano de gestão de resíduos sólidos no Campus São Carlos Como? Seguindo definições da PNRS (e da resolução SMA 38/2011): - Diagnosticar a geração e a forma (modelo) de gestão atual de cada tipo de resíduo - Propor sugestões de melhoria na gestão ...Proposta aceita!

8 Atividades do Diagnóstico:
Diagnóstico quantitativo: quantidade gerada no campus Diagnósticos qualitativos: tipo de resíduo, forma atual de gestão e gerenciamento.                       

9 Resíduos Domiciliares
Geração estimada: 6 t/dia              - presença de catadores informais; - recomenda-se o estudo e implantação de novo sistema de coleta seletiva, incluindo tipos diferentes de caçamba e lixeiras dentro do campus. Custo atual: R$ ,00 de manutenção das caçambas e R$ ,00 USP recicla

10

11

12

13 Resíduos Domiciliares – caracterização
Caracterização Gravimétrica do E1             

14 Resíduos Domiciliares – caracterização
Caracterização Gravimétrica do E1 - recicláveis             

15 Resíduos Domiciliares – caracterização
Caracterização Gravimétrica do E1 - rejeitos            

16 Resíduos Domiciliares – coleta seletiva
           

17

18 Coleta dos resíduos recicláveis realizada mensalmente para papel e semanalmente para os demais recicláveis

19 Destinação junto a Cooperativa do município

20 Óleos Comestíveis Lanchonetes e bares: Gestão independente - Produção de Sabão RU Geração estimada: 1500L/mês Rejeitos : 4L/mês             

21 Resíduos de limpeza urbana
Geração estimada: 16 caminhões caçamba/mês             Problemas: obstrução de bocas de lobo.

22 Resíduos de limpeza urbana
Quantidade de pontos de coleta            

23 Resíduos de Estabelecimentos Comerciais e Prestadores de Serviços
Lanchonetes, bancos, xerox, gráficas Geração estimada: L/SEMANA             Problemas: Mistura de resíduos

24 Resíduos de Estabelecimentos Comerciais e Prestadores de Serviços
Quant. (L/semana) Disposição Custo/Mês Santander Papéis e plasticos 300 Caçamba não Pilhas 8 Coleta sim Maqueteria Serragem 150 R$ 80,00 Papelaria Papelão e plasticos 100 ABCAASO 20 2 Copiadora CAASO Papel 400 Bar CAASO Orgânico 1000 EESCobar 200 PQ 600 1400 Banco do Brasil 500 Copiadora Química Cantina ICMC

25 Resíduos de serviços públicos de saneamento básico
ETE e limpeza de bocas de lobo Geração estimada: Lodo ETE: 5L/s            

26 Estruturas para captura dos resíduos
Resíduos de serviços públicos de saneamento básico – Caracterização bocas de lobo Estruturas para captura dos resíduos Caixa fixada embaixo da boca de lobo Fonte: autores (2013)

27 Material e Métodos PONTOS DE COLETA
P1 – Sistema de drenagem que recebe a contribuição externa ao campus; P2 – sistema de drenagem após a contribuição externa e interna do campus; P3 – Ponto de contribuição interna do campus – região central; P4 – Ponto de contribuição na área norte. P4 P3 P2 P1

28 Resíduos de serviços públicos de saneamento básico – Caracterização bocas de lobo
Material peso (kg) % Matéria orgânica 11,81 95,5 Plásticos 0,20 1,6 Rejeitos 0,05 0,4 RCC 0,30 2,4 Metais 0,01 0,1 TOTAL 12,37 100,0 Os rejeitos estavam presentes sendo pouco significativos, sendo as bitucas de cigarro o material mais frequente. Caixa fixada embaixo da boca de lobo Fonte: autores (2013)

29 Resíduos Industriais Laboratório de Resíduos Químicos, marcenaria, oficinas mecânicas Geração estimada: LRQ: 645 kg/mês Oficina EESC: 30kg/mês            

30 Laboratório de Resíduos Químicos - LRQ

31 Oficina Mecânica - EESC

32 Resíduos de Serviços de Saúde - UBAS
Geração estimada: Grupos mais gerados: A - 50 L/semana; D L/dia (resíduo domicilar); e 100 L/semana (recicláveis). Todos os resíduos gerados são coletados.           

33 Grupo Descrição Volume A B D E
Resíduo Infectante ou Biológico 50 L/semana B Detergente Trienzimático 15 L/ mês Amálgama 30 mL/ 5 meses Fixador e Revelador 1 L/ 3 meses D Resíduo Comum 100 L/dia Recicláveis 100 L/semana E Materiais Pérfurocortantes 6 L/ mês

34 Caracterização RSS - UBAS

35 Resíduos da Construção Civil
Geração estimada: 162 m3/mês            Problemas: bota-fora clandestino, proliferação de vetores, ocupação de vias, e mistura com outros resíduos. Custos envolvidos: R$ 2.100,00/ mês (aluguel de caçambas)

36 Resíduos da Construção Civil
Gerador Caçambas retiradas por mês Volume médio de uma caçamba (m³) Volume médio de RCC (m³/mês) EESC 6 4,5 27 Prefeitura do Campus 30 135

37 Resíduos Agrossivopastoris
Geração estimada: não contabilizado Predominância de : Embalagens de herbicidas como RoundUp de venenos para formiga .           Contêiner de armazenamento campus 2

38 Resíduos de Mineração - Laboratórios
Geração estimada: 250 kg/Mês          Gerador: Dep. Geotecnia – Resíduos de baixo impacto ambiental Descarte: Junto aos contêineres de resíduos domiciliares

39 Resíduos de Serviços de Transporte
Garagens/ Grupos automobilísticos – Baja e Fórmula           Seção de transporte das unidades Escola de Engenharia de São Carlos (EESC) Instituto de Ciências Matemáticas e Computacionais (ICMC) Instituto de Física de São Carlos (IFSC) Instituto de Química de São Carlos (IQSC) Prefeitura do Campus Grupos BAJA Fórmula

40 Trocas de óleo lubrificante (nº de trocas)
Caracterização anual Gerador Veículos Trocas de óleo lubrificante (nº de trocas) Pneu (nº) Filtro de óleo (nº de trocas) Filtro de combustível Filtro de ar EESC 16 160 64 ICMC 4 40 X IQSC 6 36 24 IFSC 60 Prefeitura 32 320 128 Total 616 256 CLASSE I – PERIGOSOS e CLASSE II B- INERTES

41 Resíduos de Significativo Impacto Ambiental
Pilhas e Baterias, cartuchos, eletroeletrônicos, lâmpadas fluorescentes        

42 Pilhas – Banco Santander - Destinação

43 Cartuchos de impressão
Unidade Período Quantidade IAU mar-out 2012 23 unidades (entrada) IFSC jan-out 2012 106 unidades (saída) ICMC jan-out 2011 96 unidades (saída)

44 Resíduos eletroeletrônicos
IFSP Prefeitura Período Quantidades (saída) abr-set 2012 98 unidades ago 2011 – fev 2012 74 unidades Tipo de resíduo Quantidade total (unidades) Resíduos eletroeletrônicos diversos 122 Gabinetes 107 Monitores de vídeo 53 Acessórios 70 EESC Período Quantidade total (unidades) 2011 348 2012 453

45 Resíduos eletroeletrônicos - tipos
hubs para rede de informática refrigerador câmera fotográfica monitores, leitora para microfichas drive externo televisores, ventiladores no-break video-cassete circulador de ar scanner purificador de água máquina de escrever switch retroprojetor condicionador de janela condicionador de ar computadores bebedouro ponto de acesso para rede impressoras notebook sistema de aquisição de dados etc

46 Lâmpadas - consumo Almoxarifado EESC Tipo de produto
período: 02/01/2012 a 31/10/2012 Tipo de produto Saída do Almoxarifado para uso (unidades) Lampadas 32W 1305 Lâmpadas 16W 132 Almoxarifado Prefeitura período: 14/10/2011 a 10/08/2012 Tipo de produto Saída do Almoxarifado para uso (unidades) IQSC 409 ICMC 1416 IFSC 1283 EESC 935

47 Comissão para o Plano de Gerenciamento Integrado de Resíduos Sólidos da USP São Carlos - SGA: Pazu. - EESC: Grupo de resíduos EESC Sustentável (Prof Aldo, Prof. Schalch, Prof. Victor, Marco Aurélio, Cecília, Prof. Eduardo, Carolina Bianco, Caroline Palamin, Rodrigo, Jonatas). GT Educação Ambiental EESC Sustentável (Claudete, Vilma, Sirlene, Gertrudes). - IFSC: Ver com a comissão USP recicla do IFSP - IQSC: Ana Curro - ICMC: Sugestão: Paulo Celestin - IAU: Luciana Schenk, Cleverci - CDCC: Antônio Carlos, Silvia Cereda, Silvia Martins. - Prefeitura do Campus: Rogério Bastos. Cecília. Data: 13/06/2014 – a confirmar

48


Carregar ppt "DIAGNÓSTICO DA GERAÇÃO, GESTÃO E GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NA USP – SÃO CARLOS"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google