A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

RECURSOS NATURAIS. CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "RECURSOS NATURAIS. CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial."— Transcrição da apresentação:

1 RECURSOS NATURAIS

2 CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 Art Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao poder público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações.

3 ? QUAL O FUTURO DO PLANETA?

4 Ar Água Solo Energia

5 RECURSO NATURAL Recurso: Algo que homem pode utilizar; Recurso Natural: Recurso obtido do Meio Ambiente; Recurso Artificial: Recurso que o homem transformou.

6 CONCEITOS BÁSICOS MEIO AMBIENTE Conjunto de condições físicas, químicas e biológicas que favorecem ou não a existência e o desenvolvimento dos seres vivos. -Ambientes naturais: não sofreram a interferência humana. -Ambientes artificiais: modificados pela ação do homem.

7 CONCEITOS BÁSICOS Ecologia Ciência que estuda como os diferentes seres vivos relacionam-se entre si e com o seu meio ambiente. Do grego: eco (oikos) quer dizer “casa” e logia (logos) “estudo”

8 Energia Seres Vivos Meio Abiótico Populações Comunidades Habitat Nicho Biomassa Água Rochas Intemperismo Minerais Nutrientes Matéria Orgânica Energia Luminosa Energia Química ECOLOGIA

9 CONCEITOS BÁSICOS Ecossistema Qualquer unidade que inclua a totalidade dos organismos (comunidades) de uma área determinada, que atuam em reciprocidade com o meio físico de modo que uma corrente de energia conduza a uma estrutura trófica, a uma diversidade biótica e a ciclos biogeoquímicos (Odum, 1977).

10 ECOSSISTEMA Conjunto de organismos de uma mesma comunidade interagindo com os fatores abióticos (meio ambiente). FLORESTA TROPICAL - copa das árvores – proteção do húmus em decomposição – Formação de novos hábitats – reuso de água/evaporação/chuva. EXTENSÃO: variável Exemplo: um aquário, uma ilha, uma floresta, ou seja, depende da amplitude de suas análises. Os ecossistemas estão todos interligados por processos de troca de energia e de matéria ao longo da cadeia alimentar e formam, conjuntamente, a biosfera.

11 ECOSSISTEMA Jardim Floresta Lago Aquário

12 CONCEITOS BÁSICOS Cadeia Alimentar Expressa as relações de alimentação entre os organismos de uma comunidade. -Produtores (Seres Autótrofos) -Consumidores (Seres Heterótrofos) -Decompositores (Seres Saprófagos) Ao longo da cadeia alimentar há uma transferência de energia e de nutrientes (a energia diminui ao longo da cadeia alimentar), sempre no sentido dos produtores para os decompositores.

13 CADEIA ALIMENTAR -Produtores (Seres Autótrofos) -Ambiente Aquáticos – Algas unicelulares -Ambientes Terrestres – Plantas -Consumidores (Seres Heterótrofos) - Consumidor primário (herbívoros) - Consumidor secundário (carnívoros ou predadores) - Consumidor terciário (carnívoros ou predadores) -Decompositores (Seres Saprófitos)

14 CADEIA ALIMENTAR INTERFERENTES DA CADEIA ALIMENTAR -Agrotóxicos – atividades agrícolas - Mercúrio – atividades de mineração - Elementos radioativos (tendem a se acumular ao longo da cadeia alimentar).

15 RELAÇÕES ENTRE OS SERES VIVOS Relações Intra-específicas: seres da mesma espécie -Relações harmônicas: Sociedade – divisão de tarefa. Ex: Sociedade de abelhas. Colônia – união anatômica. Ex: Corais. -Relações desarmônicas: Competição - ocorre disputa por recurso que regula o tamanho da população.

16 RELAÇÕES ENTRE OS SERES VIVOS Relações interespecíficas: espécies diferentes - Relações harmônicas: Mutualismo - Relação obrigatória. Ex: Liquens (fungos e algas), Micorrizas (bactérias e leguminosas). Ex: Liquens (fungos e algas), Micorrizas (bactérias e leguminosas). Protocooperação - Relação não obrigatória. Ex: Anêmona do mar e paguros, pássaros e ruminantes. Ex: Anêmona do mar e paguros, pássaros e ruminantes. Inquilinismo - proteção e apenas um dos participantes se beneficia. Ex: Peixes dentro do holotúria, epífitas em árvores. Ex: Peixes dentro do holotúria, epífitas em árvores. Comensalismo – alimento e apenas um dos participantes se beneficia. Ex: Tubarões e rêmora. Ex: Tubarões e rêmora.

17 RELAÇÕES ENTRE OS SERES VIVOS Relações interespecíficas: espécies diferentes - Relações desarmônicas: Amensalismo - Produção de substâncias que inibem ou impedem o desenvolvimento de outras populações. Ex: maré vermelha. Predatismo - Relação predador presa. Atua no controle de densidade das populações. Parasitismo - Relação parasita hospedeiro. Ectoparasitas: piolho,pulga, sarna. Endoparasitas: vírus, bactérias, protozoários, vermes.

18 É a transferência de energia que ocorre entre os organismos de uma cadeia trófica.É a transferência de energia que ocorre entre os organismos de uma cadeia trófica. A energia luminosa do Sol é fixada pelos seres autótrofos por um processo chamado fotossíntese, e transmitida sob a forma de energia química (carboidratos) para os seres heterótrofos.A energia luminosa do Sol é fixada pelos seres autótrofos por um processo chamado fotossíntese, e transmitida sob a forma de energia química (carboidratos) para os seres heterótrofos. Essa energia diminui a medida que passa pelos níveis tróficos, pois parte dela é usada para realização dos processos vitais e liberada na forma de calor.Essa energia diminui a medida que passa pelos níveis tróficos, pois parte dela é usada para realização dos processos vitais e liberada na forma de calor. Como não há reaproveitamento da energia liberada, dizemos que essa transferência é unidirecional.Como não há reaproveitamento da energia liberada, dizemos que essa transferência é unidirecional. Quando o homem introduz ou elimina algum componente de uma cadeia trófica, pode causar um sério desequilíbrio, com a proliferação ou extermínio de uma ou várias espécies.Quando o homem introduz ou elimina algum componente de uma cadeia trófica, pode causar um sério desequilíbrio, com a proliferação ou extermínio de uma ou várias espécies. ** A Energia, segundo a 1ª Lei da Termodinâmica, a Lei da Conservação da Energia pode ser transformada de um tipo em outro, mas não pode ser criada nem destruída. Exemplos destas transformações: luz em calor. FLUXO DE ENERGIA

19 SÍNTESE E DECOMPOSIÇÃO DOS COMPOSTOS ORGÂNICOS SÍNTESE:SÍNTESE: A produção de produtos orgânicos (carboidratos) é feita pelos seres autótrofos, através da fotossíntese. Clorofila DECOMPOSIÇÃO:DECOMPOSIÇÃO: Os seres heterótrofos consomem a matéria orgânica produzida pelos autótrofos através da respiração (energia) e da decomposição (matéria). A respiração é a oxidação de compostos orgânicos para a produção de energia, sendo uma reação inversa à da fotossíntese Mitocôndria FLUXO DE ENERGIA 6CO2 + 6H2O + Luz (energia) → C6H12O6 (glicose) + 6O2 C6H12O6 (glicose) + 6O2 → 6CO2 + 6H2O + energia (ATP)

20 A decomposição é a assimilação de compostos orgânicos pelos seres. Existem dois tipos de decomposição:A decomposição é a assimilação de compostos orgânicos pelos seres. Existem dois tipos de decomposição: - Decomposição aeróbica: usam o oxigênio, havendo a transformação de compostos orgânicos em CO 2, H 2 O e sais minerais. - Decomposição anaeróbica: não usam o oxigênio, mas sim outros gases, produzindo compostos como gás metano, álcool, sulfetos, etc. FLUXO DE ENERGIA

21 Bio – refere-se a organismos vivos; Geo – refere-se às rochas, ar e água; Geoquímica lida com a composição da Terra e com as trocas de elementos entre as várias partes da crosta terrestre. Biogeoquímica estuda a troca de materiais entre os componentes vivos e não- vivos da biosfera. Os ciclos biogeoquímicos são vias circulares e particulares que cada elemento percorre, podendo ser esse movimento chamado de ciclagem de nutrientes. A constante disponibilização desses nutrientes na natureza garante à biosfera sua sobrevivência ao longo dos tempos.Os ciclos biogeoquímicos são vias circulares e particulares que cada elemento percorre, podendo ser esse movimento chamado de ciclagem de nutrientes. A constante disponibilização desses nutrientes na natureza garante à biosfera sua sobrevivência ao longo dos tempos. CICLOS BIOGEOQUÍMICOS

22 Ciclos gasosos:Ciclos gasosos: Pool abiótico: atmosfera. Renovação rápida. Mecanismos eficientes de auto regulação. Ciclo do oxigênio e do nitrogênio. Ciclos sedimentares:Ciclos sedimentares: Pool abiótico: litosfera. Renovação lenta. Sensíveis a perturbações externas. Ciclo do fósforo. Ciclos mistos:Ciclos mistos: Pool abiótico: atmosfera e litosfera. Possui características de ciclos gasosos e sedimentares. Ciclo do carbono. CICLOS BIOGEOQUÍMICOS

23 CICLO DA ÁGUA CICLOS BIOGEOQUÍMICOS

24 CICLO DA ÁGUA CICLOS BIOGEOQUÍMICOS -Distribuição da água na biosfera: 97,3%Água salgada 2,7%Água doce 70%Calotas polares e geleiras 29%Águas subterrâneas 0,8%Vapor e seres vivos 0,2%Rios e lagos. -Importância: Necessária a atividade biológica (fotossíntese). Um dos fatores que regula o clima. * O homem tem interferido no ciclo da água, através de mudanças no seu escoamento, desmatamento, impermeabilização do solo, barragens, poluições e outros. Água doce Água salgada

25 INTERFERÊNCIA DO HOMEM NO CICLO DA ÁGUA Assoreamento Desmatamento Barragem Erosão

26 CICLO DO CARBONO CICLOS BIOGEOQUÍMICOS

27 CICLO DO CARBONO CICLOS BIOGEOQUÍMICOS Elemento fundamental para a construção de moléculas orgânicas (carboidratos, lipídios, proteínas, etc). Compõe 0,03% da atmosfera. Produção anual de compostos orgânicos pela fotossíntese: Autótrofos terrestres: 30 bilhões de toneladas. Autótrofos aquáticos: 40 bilhões de toneladas.

28 CICLO DO CARBONO CICLOS BIOGEOQUÍMICOS Combustíveis fósseis:Demanda crescente de depósitos de carbono. -Carvão mineral: produzido pelo soterramento de plantas terrestres vasculares em áreas pantanosas. -Petróleo: produzido por restos de organismos marinhos ou de água doce, em temperaturas entre 60º e 120ºC. -Gás natural: metano, propano, etano e butano. Produzidos em temperaturas acima de 150º

29 DESEQUILÍBRIOS PROVOCADOS PELO HOMEM NO CICLO DO CARBONO -AUMENTO DA CONCENTRAÇÃO DE CO2 Após a revolução industrial, a emissão de poluentes derivados da queima de combustíveis fósseis têm aumentado surpreendentemente. Queimadas, que provoca: Desertificação e diminuição do banco Desertificação e diminuição do bancogenético. -DIMINUIÇÃO DO CONSUMO DE CO2 Pelo petróleo derramado pelos oceanos, que provoca: Morte do plâncton pela obstrução da passagem da luz;Morte do plâncton pela obstrução da passagem da luz; Pelo desmatamento.

30 O dióxido de carbono e o monóxido de carbono ficam concentrados em determinadas regiões da atmosfera formando uma camada que bloqueia a dissipação do calor. Esta camada de poluentes, tão visível nas grandes cidades, funciona como um isolante térmico do planeta Terra. O calor fica retido nas camadas mais baixas da atmosfera trazendo graves problemas ao planeta. EFEITO ESTUFA DESEQUILÍBRIOS PROVOCADOS PELO HOMEM NO CICLO DO CARBONO

31 -Extinção de espécies; -Derretimento de geleiras e alagamento de ilhas e regiões litorâneas; -Interferência na produção agrícola com redução da quantidade de alimentos em nosso planeta; -Desvio de curso de correntes marítimas, com extinção de vários animais marinhos e diminuição da quantidade de peixes nos mares. CONSEQUÊNCIAS DO EFEITO ESTUFA

32 CICLO DO OXIGÊNIO CICLOS BIOGEOQUÍMICOS Compõe 21% da atmosfera. O oxigênio é usado em processos tais como: Atividade respiratória. Produção do gás ozônio (O 3 ). Combustão.

33 CAMADA DE OZÔNIO É localizada da estratosfera (30 a 40 km de altitude) e composta por gás ozônio (O 3 ). O ozônio é formado pelo rearranjo dos átomos de oxigênio provocado por radiação emitida pelo Sol (ultravioleta curta). Em baixas altitudes pode provocar problemas respiratório e irritação nos olhos. O gás ozônio atua com um filtro contra as radiações ultravioletas longas, que são capazes de aumentar a taxa de mutações gênicas (câncer). Nos animais, o aumento da radiação UV prejudica os estágios iniciais do desenvolvimento de peixes, camarões e outras formas de vida aquáticas e reduz a produtividade do fitoplâncton, base da cadeia alimentar aquática.

34 Quando a luz solar de alta energia (1) atinge uma molécula de CFC, ela se quebra e produz um átomo de cloro (2).O átomo de cloro atinge uma molécula de ozônio (3). Isso faz com que o ozônio se transforme em oxigênio comum. O oxigênio (O2) não possui nem o tamanho nem a forma exatos para absorver a radiação solar que é perigosa. COMO É DESTRUÍDA A CAMADA DE OZÔNIO

35 CICLO DO NITROGÊNIO CICLOS BIOGEOQUÍMICOS O nitrogênio (N2) compõe cerca de 78% da nossa atmosfera. Elemento importante para a vida, pois faz parte das moléculas de aminoácidos e nucleotídeos.

36 CICLO DO FÓSFORO CICLOS BIOGEOQUÍMICOS

37 CICLO DO FÓSFORO O fósforo é um dos elementos que compõem moléculas como aminoácidos, ATP, e fosfolipídios.O fósforo é um dos elementos que compõem moléculas como aminoácidos, ATP, e fosfolipídios. O fósforo disponível é originado pela ação erosiva da chuva e do vento sob rochas fosfatadas, e são transportados e sedimentados em rios lagos e oceanos.O fósforo disponível é originado pela ação erosiva da chuva e do vento sob rochas fosfatadas, e são transportados e sedimentados em rios lagos e oceanos. Quando disponível em pequena quantidade se torna um fator limitante a vida.Quando disponível em pequena quantidade se torna um fator limitante a vida. Dejetos humanos, detergentes, fertilizantes e esgoto industrial, são carreados para os recursos hídricos, aumentando a proliferação de algas e plantas aquáticas, causando o fenômeno de eutrofização.Dejetos humanos, detergentes, fertilizantes e esgoto industrial, são carreados para os recursos hídricos, aumentando a proliferação de algas e plantas aquáticas, causando o fenômeno de eutrofização. CICLOS BIOGEOQUÍMICOS

38 O CICLO DO ENXOFREO CICLO DO ENXOFRE CICLOS BIOGEOQUÍMICOS

39 O CICLO DO ENXOFREO CICLO DO ENXOFRE CICLOS BIOGEOQUÍMICOS - O enxofre (S) tem como maior reservatório os sedimentos marinhos e terrestres, assim como o fósforo. - Nos seres vivos, o enxofre é elemento essencial para a formação de certos aminoácidos, sendo, por isso, amplamente requerido. - Se o enxofre está numa área aerada (com muito oxigênio), ele se transforma em SO4 (sulfato), mas se estiver numa área pouco aerada é transformado em H2S (gás sulfídrico), que é tóxico. Portanto, a transformação de SO4 em H2S e vice-versa depende da presença de oxigênio. A decomposição gera enxofre para o ambiente. - Em condições aeróbias, o enxofre está unido a um metal (principalmente ferro) e precipita. Quando o pH do meio aumenta, esta ligação se desfaz. - A chuva ácida é formada principalmente por H2SO4, oriundo da queima de combustíveis fósseis que liberam SO2.

40 CHUVA ÁCIDA Chuva contaminada por poluentes atmosféricos, como os óxidos sulfúricos (de enxofre) e nítricos (de nitrogênio), emitidos por exemplo pelas chaminés das indústrias e escapamentos de automóveis. As gotas contaminadas (pH mais baixo) penetram no solo, envenenando-o, o que causa a morte de florestas. Também contaminam rios, lagos e corroem elementos como mármore, ameaçando patrimônios artísticos e arquitetônicos.

41 Bióticos Abióticos –físicos, como radiação solar, temperatura, luz, umidade, ventos; –químicos, como os nutrientes presentes nas águas e nos solos. FATORES ECOLÓGICOS

42 Abióticos -Radiação Solar - é um fator limitante pois regula os ciclos biológicos e é através dela que as plantas realizam a fotossíntese (liberação de oxigênio para a atmosfera e transformação da energia luminosa em energia química). -Temperatura - A maioria das espécies e a maior parte das atividades estão restritas a uma faixa estreita da temperatura. Atividades sazonais de plantas e animais. Adaptações a temperaturas extremas. -Água - A quantidade de água disponível no ambiente atua na distribuição das comunidades e na seleção natural das espécies. -Gases atmosféricos - As quantidades de oxigênio e gás carbônico influenciam os ambientes terrestres e aquáticos. (eutrofização). FATORES ECOLÓGICOS

43 TEMPERATURA Cada espécie possui uma temperatura ótima para a realização das suas atividades vitais. COMPORTAMENTO - Animais como, por exemplo, lagartixas, reduzem as suas atividades vitais para valores mínimos, ficando num estado de vida latente; ADAPTAÇÕES - Os que vivem em regiões muito frias apresentam, geralmente, pelagem longa e uma camada de gordura sob a pele. - Hibernação - estado letárgico que muitos animais de sangue quente passam durante o inverno, principalmente em regiões temperadas e árticas. Animais que se podem deslocar com facilidade como, por exemplo, as andorinhas, migram.

44 ADAPTAÇÕES À FALTA DE ÁGUA NOS ANIMAIS - os animais produzem urina concentrada - oxidam gorduras e desenvolvem hábitos noturnos. - os vertebrados terrestres possuem na pele, a queratina, uma proteína que a impermeabiliza, já os insetos apresentam um exoesqueleto quitinoso. ADAPTAÇÕES CONTRA A PERDA DE ÁGUA NOS VEGETAIS -As plantas armazenam água em caules espessos. - As folhas modificadas em espinhos podem ter a função de reduzir a transpiração, tal como ocorre em muitas cactáceas

45 Abióticos -Sais biogênicos - A disponibilidades de micro e macro nutrientes é fundamental para a vida. Cerca de 54 elementos químicos são essenciais para plantas e animais. -Correntes e pressões atmosféricas - Influencia a distribuição das chuvas, provoca deslocamentos de comunidades. -Solo - Necessário às plantas que são os produtores da base da cadeia alimentar. FATORES ECOLÓGICOS

46 Bióticos - Competição - Disputa por recursos entre indivíduos da mesma espécie ou de espécies diferentes. Atua nos processos de seleção natural: Preservação dos mais adaptados. Extinção dos menos adaptados. Tipos de competição: Competição intra-específica (território, alimento, reprodução). Competição interespecífica (espaço e alimento). - Predação - A quantidade de predadores e presas estabelece o tamanho dessas populações. - Parasitismo - Relação específica entre hospedeiro e parasita. Usado em controles biológicos. FATORES ECOLÓGICOS

47 São as maiores subunidades da biosfera, sendo caracterizados por uma cobertura vegetal mais ou menos homogênea. As plantas e os animais que ocorrem nos biomas têm formas de vida características e outras adaptações que evoluíram em relação a climas específicos. Cada bioma possui características próprias que dependem da sua posição geográfica, da história geológica e da evolução biológica do planeta. OS BIOMAS

48 ECOSSISTEMAS TERRESTRES FLORESTAS Compostas por árvores de grande porte e arbustos. Tipos de florestas: –Florestas tropicais: Próximas a linha do Equador. Ambiente úmido e quente, alta pluviosidade. Fertilidade do solo depende da cobertura vegetal. –Florestas temperadas: Ocorrem em regiões onde as 4 estações do ano são bem definidas. Folhas decíduas no fim do outono. Toda a Europa, parte do Japão, Austrália, América do Norte e Sul. –Floresta de Coníferas: Ocorrem em regiões frias (Canadá, Alasca, etc). Formada basicamente por pinheiros, baixa diversidade. OS DIFERENTES BIOMAS

49 CAMPOS Composta por vegetação rasteira e herbácea. Solo arenoso e argiloso, e pobre em nutrientes –Campos (savanas) Gramíneas, arbustos e pequenas árvores esparsas. Savana africana, Cerrado brasileiro. DESERTOS Clima seco, baixa pluviosidade, altas temperaturas durante o dia e baixa durante a noite. Fauna e flora adaptadas a períodos secos. TUNDRA Bioma típico das regiões polares. Predominância de lÍquens e musgos. Ocorre vegetação quando não há neve. OS DIFERENTES BIOMAS

50 Grandes Biomas

51 ECOSSISTEMAS AQUÁTICOS ECOSSISTEMAS MARINHOS Fatores limitantes: iluminação, pressão, temperatura da água, nutrientes minerais. ECOSSISTEMAS DE ÁGUA DOCE Fatores limitantes: iluminação, pressão, temperatura da água, nutrientes minerais. OS DIFERENTES BIOMAS

52 Brasil é dono de uma das biodiversidades mais ricas do mundo, possui as maiores reservas de água doce e um terço das florestas tropicais que ainda restam. Estima-se que aqui está uma em cada 10 espécies de plantas ou animais existentes. OS ECOSSISTEMAS BRASILEIROS

53 -FLORESTA AMAZÔNICA -MATA ATLÂNTICA -MANGUEZAL -RESTINGA -CERRADO -CAATINGA -PANTANAL -CAMPOS DO SUL PRINCIPAIS ECOSSISTEMAS BRASILEIROS FACULDADE ESTÁCIO DE SÁ DE VITÓRIA

54

55 FLORESTA AMAZÔNICA Floresta com maior riqueza do planeta; Grande variedade de espécies, com grande número de árvores de grande porte; Ocupa regiões planas do interior do país; Espécies com riquíssimo valor econômico e medicinal. Floresta impactada pela exploração desenfreada, tendo sofrido drástica redução de área (cerca de 15%). Detêm o maior percentual de florestas oficialmente protegidas (3,2% da área total do bioma). Algumas espécies: castanheira, cupuaçu, guaraná, seringueira, sucuri, peixe-boi. PRINCIPAIS ECOSSISTEMAS BRASILEIROS

56

57 MATA ATLÂNTICA –Vegetação abundante e exuberante; –Clima quente e úmido; –Ocupa regiões costeiras, em planícies e montanhas; –Altamente explorada tendo grande parte (cerca de 90% ) de sua diversidade extinta; – Algumas espécies: Ipê, cedro, jatobá, pau-brasil, jaguatirica, preguiça. PRINCIPAIS ECOSSISTEMAS BRASILEIROS

58 O ECOSSISTEMA DE MANGUEZAL Uma variedade de comunidades costeiras tropicais dominadas por espécies vegetais, arbóreas ou arbustivas que conseguem crescer em solos com alto teor de sal. - O termo "mangue" origina-se do vocábulo Malaio, "manggimanggi" e do inglês mangrove, servindo para descrever as espécies vegetais que vivem no manguezal. IMPORTÂNCIA -Equilíbrio ecológico - sendo um berçário favorável para o desenvolvimento de muitas espécies de animais e plantas. É muito valioso o estudo do manguezal, principalmente para a preservação deste meio.. -Produtos vegetais, piscicultura, carcinocolheita, -Turismo Como se pode notar o manguezal tem muito a oferecer porém, o seu potencial deve ser utilizado de maneira racional, de forma sustentada, atendendo às suas necessidades de recomposição como período de desovas (defeso), recuperação das espécies vegetais, entre outras.

59  Rhizophora mangle (Mangue-Vermelho) Possuem raízes escoras, visíveis a longas distâncias e crescem rapidamente para atingir o solo lamoso e dar estabilidade à planta. O sistema radicular é formado por raízes chamadas rizóforos e possui membranas permeáveis que filtram a água, não permitindo a passagem do sal para o interior da planta. É uma espécie tolerante ao alagamento por longos períodos.

60 CERRADO Ocupa cerca de 22 % do território brasileiro; Solos ácidos e com pouco nutrientes; Clima seco e quente; Grande destruição para ocupação humana para uso do solo na pecuária e monoculturas; Formado por árvores e arbustos de pequeno porte e tortuosos; Algumas espécies: araçá, gabiroba, buriti PRINCIPAIS ECOSSISTEMAS BRASILEIROS

61 - desmatamento das árvores originais, - erosão, - contaminação do lençol freático pelo uso de agrotóxicos, - queimadas, - assoreamento de rios pela destruição da mata ciliar. PRINCIPAIS IMPACTOS AMBIENTAIS : * Empobrecimento genético; * Empobrecimento dos ecossistemas; * A destruição da vegetação natural; * Propagação de ervas exóticas; * A extinção da fauna nativa; * Diminuição e poluição dos mananciais hídricos * Compactação e erosão dos solos; * Contaminação química das águas e da biota; * Proliferação de doenças desconhecidas etc. CONSEQUÊNCIAS DA DEGRADAÇÃO

62 CAATINGA Formado por árvores e arbustos e espinhentos; Vegetação parecida com a desértica, vegetais com folhas pequenas e raízes superficiais; Solos pouco profundos e pobres em matéria orgânica; Clima árido e seco; Grandes latifúndios (terras usadas na agropecuária); Desertificação de grandes áreas pela retirada da vegetação nativa. Exemplos: juazeiro, jatobá, cactos, jandaia PRINCIPAIS ECOSSISTEMAS BRASILEIROS

63 PANTANAL -O Pantanal é um dos mais valiosos patrimônios naturais do Brasil. - Maior área úmida continental do planeta -Destaca-se pela riqueza da fauna, -As chuvas fortes são comuns nesse bioma. -Os terrenos, quase sempre planos, são alagados periodicamente. -Na época das cheias estes corpos comunicam-se e mesclam-se com as águas do Rio Paraguai, renovando e fertilizando a região. PRINCIPAIS ECOSSISTEMAS BRASILEIROS

64 CAMPOS DO SUL Além de florestas tropicais, Pantanal, Cerrado e Caatinga, os Campos também fazem parte da paisagem brasileira. No sul do país, a vegetação é composta por campos limpos, as chamadas estepes úmidas. De um modo geral, o campo limpo é destituído de árvores, com uma composição bastante uniforme e com arbustos espalhados e dispersos. O solo é revestido de gramíneas, subarbustos e ervas. Chove o ano todo e tem clima frio Espécies: garças, marrecos, veados, onças-pintadas, lontras e capivaras. Tentativas extravagantes de drená-lo para uso agrícola foram definitivamente abandonadas a partir de 1979, quando a área transformou-se em estação ecológica. Mesmo assim, a ação de caçadores e o bombeamento das águas pelos fazendeiros das redondezas continuam a ameaçar o local. PRINCIPAIS ECOSSISTEMAS BRASILEIROS

65 A interferência humana na natureza provoca sérios desequilíbrios ecológicos Existe uma preocupação global com a preservação dos recursos naturais. Conferência das Nações Unidas sobre Ambiente: Declaração de Estocolmo: discute a importância do meio ambiente para a manutenção da qualidade da vida Protocolo de Montreal: propunha a redução da liberação de gases que afetam a camada de ozônio da atmosfera Painel Intergovernamental de Mudanças do Clima (ONU): estabeleceu medidas para se evitarem as mudanças climáticas globais que possam afetar a vida na Terra ECO-92: foram discutidos temas como: devastação das florestas, poluição, camada de ozônio, erosão e desertificação, chuva ácida Protocolo de Kyoto: estabelecem que países industrializados devem reduzir, até 2012, cerca de 5,2% de suas emissões de gases que causam o efeito estufa. A IMPORTÂNCIA DOS ESTUDOS ECOLÓGICOS

66 Inclui TODA a variedade de organismos, desde as variedades que ocorrem dentro de uma mesma espécie até as variedades existentes entre táxons superiores. Considera-se, também, a variedade e sub- gradações de ecossistemas, a qual abrange tanto as comunidades de organismos em um ou mais habitats quanto as condições físicas sob as quais eles vivem. BIODIVERSIDADE

67 ANIMAIS PLANTAS FUNGOSBACTÉRIASPROTISTAS GENES Moléculas complexas ESPÉCIE GENOMA Recurso Genético CodificadoRecurso Genético Decodificado INFORMAÇÃO (TRADUÇÃO)

68 BIODIVERSIDADE Brasil: 20 a 22% total estimado de espécies do planeta estimado: 10 a 13 milhões conhecido: Perda de espécies – taxa de extinção de vertebrados e plantas vasculares é de 50 a 100 vezes maior do que a taxa natural esperada. Podendo chegar a 10 mil vezes. 75% dos 120 compostos ativos isolados e amplamente utilizados pela medicina moderna apresentam correlação positiva com o uso tradicional das plantas das quais derivaram (OMS,1985);

69 O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Segundo a Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, criada pelas Nações Unidas, DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL é aquele capaz de suprir as necessidades da geração atual, sem comprometer a capacidade de atender as necessidades das futuras gerações. É o desenvolvimento que não esgota os recursos para o futuro.

70 AÇÕES AMBIENTAIS SUSTENTÁVEIS Minimização deResíduos (reúso,Reciclagem) ConscientizaçãoDaSociedade paraMudança deComportamentoambiental Integração humanaCom os ciclosnaturais Uso racional dos Recursos naturais Otimização do uso De energia Substituição de Tecnologias Prejudiciais ao Meio ambiente

71 "A consciência ecológica levanta-nos um problema de uma profundidade e de uma vastidão extraordinárias. Temos de defrontar ao mesmo tempo o problema da Vida no planeta Terra, o problema da sociedade moderna o problema do destino do Homem. Isto nos obriga a por em questão a própria orientação da civilização ocidental. Na aurora do terceiro milênio é preciso compreender que revolucionar, desenvolver, inventar sobreviver, viver, morrer, anda tudo inseparavelmente ligado".

72 ÁGUA

73 Art Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao poder público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações.

74 ÁGUA Art Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao poder público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações.

75


Carregar ppt "RECURSOS NATURAIS. CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google