A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais CEFET-MG CURSO TÉCNICO EM MEIO AMBIENTE ILUSTRAÇÕES Cristiene Miranda David Fernandes Deise Souza.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais CEFET-MG CURSO TÉCNICO EM MEIO AMBIENTE ILUSTRAÇÕES Cristiene Miranda David Fernandes Deise Souza."— Transcrição da apresentação:

1 Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais CEFET-MG CURSO TÉCNICO EM MEIO AMBIENTE ILUSTRAÇÕES Cristiene Miranda David Fernandes Deise Souza Paloma Veloso Rafael Abrantes

2 1 ILUSTRAÇÕES As ilustrações tais como: gráficos, gravuras, fotografias, mapas, esquemas, desenhos, tabelas, quadros, formulas e outros. Tem a função de esclarecer, informar, simplificar o entendimento de um texto

3 1.1 FIGURAS As ilustrações com exceção das tabelas, gráficos e quadros, são designadas e mencionadas no texto, SEMPRE como FIGURAS Sua indicação pode integrar o texto, ou localizar- se entre parênteses no final da frase

4 A abreviatura FIG. é usada somente no singular, mesmo quando se fizer referência a mais de uma figura. Exemplo: FIG. 3 e 4

5 Exemplos A FIG. 14 demonstra as funções de usina química e de dispositivo codificador de uma célula. Neste sentido, basta considerar que a maior parte do oxigênio que respiramos é resultante de atividades microbianas (FIG. 1.1d)

6 1.2 APRESENTAÇÃO Numeram-se as ilustrações no decorrer do texto com algarismos arábicos, em uma seqüência própria, independentemente da numeração progressiva ou das páginas da publicação

7 O título deve ser breve, porém explicativo, digitado abaixo da ilustração e na mesma margem desta É escrito em letras minúsculas, exceto a inicial da frase e dos nomes próprios, após a palavra FIGURA, e dela separado por hífen

8 Exemplo FIGURA 49 - Ordenação alfabética dos títulos dos trabalhos científicos

9 A legenda é um texto explicativo que acompanha a ilustração e deve ser colocado logo abaixo do título,usando-se a mesma pontuação de uma frase comum Todas as ilustrações que já tenham sido publicadas anteriormente devem conter uma referência completa, relativa a fonte da ilustração

10 FIGURA 3 - Mapa de Solos de Francisco Beltrão Fonte: EMATER PR, 1999 EMBRAPA, p 134.

11 1.3 LOCALIZAÇÃO As ilustrações devem ser centradas na página e impressas em local próximo do trecho onde são mencionados no texto Quando as ilustrações forem em grande numero ou conter um tamanho maior, podem ser agrupadas no final do trabalho como anexos

12 FIG. 1 - Um Kentrosaurus e um Monolofosaurus em um duelo Fonte: Procurar na referencia, ano. O grupo Stegosauria recebeu esse nome por causa do Estegossauro e agrupa dinossauros que possuem diversas características em comum, como por exemplo: corpos gigantescos com cabeças minúsculas, fileiras duplas de enormes placas ósseas dispostas de ambos os lados da coluna vertebral, ferrões na cauda entre outros. Cada espécie se destacando pela forma, disposição das placas e ferrões e tamanho. Essas placas podem ter tido diversas funções mas não se sabe com certeza qual era sua função, algumas teorias dizem que elas serviam para aquecer o corpo como painéis solares, outras dizem que serviria para efeitos visuais para o acasalamento e para combates entre machos por hierarquias. Exemplo

13 1.4 DISPOSIÇÃO As ilustrações devem ser enquadradas nas mesmas margens adotadas para o texto, Duas ou mais ilustrações podem ser colocadas na mesma página, mas cada uma contendo seu título e/ ou legenda e número, Quando se tratar de ilustrações relacionadas, estas podem ser agrupadas sob o mesmo título e /ou legenda e número, com identificação para cada figura.

14 Exemplo A.coco; B.bacilo; C.vibrião; D.espirilo; E.espiroqueta. FIGURA 1 – Formatos de bactérias Fonte: SOBRENOME AUTOR, ano.

15 Recomendações Ilustrações maiores do que o tamanho normal das páginas deve ser reduzido fotograficamente Não sendo possível a redução o material pode ser dobrado ou impresso no sentido vertical, sendo que a numeração da página continuara na sua posição normal;

16 2 GRÁFICO Constituídos de traços e pontos, algarismos arábicos, o título deve ser precedido da palavra GRÁFICO com letras maiúsculas, a citação no texto é feita pela indicação GRÁF., acompanhada do número de ordem a que se referem

17 GRÁFICO 1 – Safra de café do semestre do ano de 1991 na região centro-oeste Fonte: MIRANDA, Exemplo

18 3 TABELAS E QUADROS TABELAS: apresentam informações tratadas estatisticamente, com o objetivo de apresentar resultados numéricos e valores comparativos, são relacionadas em lista própria, antes do sumário,incluindo as que forem apresentadas como anexos.

19 TABELA 15 Concentração de manganês em seis amostras de leite materno analisadas pelo método proposto (valor ± desvio padrão) (n = 3) Amostra ________________ Valor (valor ± desvio padrão,  g L -1 ) __________________________ 121,33 ± 0,02 21,79 ± 0,19 34,60 ± 0,12 42,74 ± 0,05 52,03 ± 0,08 61,58 ± 0,06 Fonte: LARA (2008, p. 70). Exemplo

20 QUADROS : contêm informações textuais agrupadas em colunas, são contornados (fechados)

21 QUADRO 1 Servidores e Aplicações mapeadas em um procedimento de backup Exemplo Fonte: Microlins, 2000.

22 3.1 TÍTULOS E NUMERAÇÃO As tabelas e os quadros deves ser dotados de um título claro, sem abreviações,localizados acima deles O título deve indicar, além da natureza do assunto, a abrangência geográfica e temporal dos dados numéricos

23 Exemplo TABELA 1 Área e produção de maçã no Brasil em 2004

24 A indicação de série temporal consecutiva deve ser através das datas inicial e final ligadas por hífen Exemplo: Maio Nov

25 Já a indicação da serie temporal não consecutiva é feita através das datas separadas por barra Exemplo: Ex: 2007/2009 Fev. 2007/ Fev. 2009

26 A indicação dos anos relativos aos dados de uma safra abrangendo dois anos é feita usando- se barra entre as datas abreviadas Exemplo: Safra 02/03 (Iniciada em 2002 e terminada 2003)

27 As tabelas e quadros são numerados seqüencialmente em todo o trabalho, com algarismos arábicos, segundo norma do IBGE No cabeçalho de cada coluna, indica-se o seu conteúdo. Os títulos na coluna podem ser apresentados verticalmente, se necessário para economizar espaço

28 3.2 CORPO DA TABELA A disposição dos dados numa tabela deve permitir a comparação e ressaltar as relações existentes, destacando o que se pretende demonstrar.Suas células devem incluir dados numéricos quantificativos de fatos observados

29 É bom evitar a inclusão em tabela de uma grande quantidade de dados similares, pois nesse caso, aconselha-se reunir estatisticamente resultados individuais e apresentar apenas as médias

30 Não se deve deixar nenhuma célula vazia no corpo da tabela. Conforme convenção nacional, usa-se os seguintes símbolos:

31 .. Quando, pela natureza do fenômeno o dado não existir - Quando o dado for rigorosamente zero.. Quando não se aplicar o dado numérico... Quando não se dispuser do dado / ou - Quando os dados anteriores ao símbolo não forem comparáveis com os posteriores 0; 0,0 ou 0,00 Quando a aplicação dos critérios de arredondamento não permitir alcançar o valores 1; 0,1; 0,01 e assim por diante. -0; -0,0 ou -0,00 Quando o dado numérico for igual a zero resultante de arredondamento de um dado numérico originalmente negativo. X Quando o dado for omitido para evitar a individualização da informação.

32 Na construção de tabelas e quadros devem conter os seguintes traços: Dois traços duplos horizontais, limitando o quadro; o primeiro para separar o topo e o segundo para separar o rodapé

33 Traço simples na vertical, separando a coluna indicadora das demais e estas entre si; no corpo de tabelas e de quadros evitam-se traços verticais para separar as colunas

34 Traços simples horizontais para separar o cabeçalho Se necessário destacar parte do cabeçalho, ou parte dos dados, usa um ou mais traços verticais paralelos

35 No caso de uma linha representar uma soma ou total, deverá ser destacada tipograficamente

36

37 3.3 ABREVIATURAS E SÍMBOLOS Embora as abreviaturas e símbolos sejam economizadores de espaço, aconselha-se evitá- los nas tabelas. Quando indispensáveis, deve-se adotara apenas aqueles que sejam padronizados. Os símbolos que não puderem ser impressos devem ser escritos á mão, usando-se tinta preta indelével

38 3.4 UNIDADE DE MEDIDA OBS: Medidas e grandezas devem obedecer ao dispositivo no Quadro geral de Unidade de Medida, aprovado pelas Resoluções n° 11 e 12/88 da CONMETRO, de 12 de outubro de Indicar a expressão quantitativa ou metrólogica dos dados numéricos, no cabeçalho ou colunas, com símbolos ou palavras entre parênteses

39 Exemplo : (m) ou (metro) (t) ou (tonelada) (R$) ou (real) (%) ou (percentual)

40 No caso dos dados numéricos divididos por uma constante "esta deve ser indicada por algarismos arábicos,símbolos ou palavras entre parênteses, precedido a unidade de medida [...]". (IBGE, 1993, p.16)

41 Exemplo (1 000t) ou (1000t)- Indica dados numéricos em toneladas que foram divididas por mil (1 000R$) ou (1000R$)- Indica dados numéricos em toneladas (%) ou (percentual)- Indica dados numéricos proporcionais a mil

42 3.5 NOTAS DE RODAPÉ DAS TABELAS E DOS QUADROS Normalmente as tabelas e quadros contêm em sua base algumas notas :

43 NOTAS DE FONTE Designam a origem dos dados que constam na tabela, devendo indicar a referência abreviada do documento original

44 Fonte: Revista Brasileira de Engenharia Agrícola Ambiental, Exemplo :

45 NOTAS GERAIS Registram observações ou comentários para conceituar ou esclarecer o conteúdo das tabelas

46 Nota: Padrões de precipitação, índices de erosividade, padrão de chuva avançado, padrões intermediários para as chuvas de Seropédica e Nova Friburgo,RJ. Exemplo:

47 NOTAS REFERENTES A UMA PARTE ESPECÍFICA DA TABELA Símbolos, fórmulas e outros. Sempre que possível, a tabela deve conter a data em que foram colhidos

48 TABELA 1 Objetivo de determinar os diferentes padrões de chuvas erosivas naturais, calcular os índices de erosividade EI30 e KE > 25 e ajustá-los aos dados mensais de precipitação para as regiões de Seropédica e Nova Friburgo, RJ – 1974 a 1980 Exemplo:

49 3.6 LOCALIZAÇÃO DAS TABELAS E DOS QUADROS Situam-se em local mais próximo quanto possível do trecho em que foram mencionados pela primeira vez no texto

50 3.7 DISPOSIÇÃO DAS TABELAS As tabelas devem ser elaboradas para serem apresentadas preferencialmente em uma única página

51 TABELAS PEQUENAS Devem ser centralizadas na página Exemplo:

52 Tabelas longas(compridas) e estreitas

53 Tabelas muito longas Podem ser dividas e colocadas em paginas confrontantes, na mesma posição e exatamente nas mesmas dimensões, incluindo, após o título ou na coluna indicadora, a designação continua ou conclusão

54

55 REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS MADIGAN.M.T; MARTINKO.J.M; PARKER.J. Microbiologia de brock.Tradução de Cyntia Maria Kiaw.São Paulo:Prentice Hall,2004. Título original:Brock biology of microorganisms. França, Júnia Lessa et al. Manual para normalização de publicações técnico-científicas. 7. ed. rev. Belo Horizonte : Ed. UFMG, p. (Coleção Aprender). Acesso em : 30 de jun.2009

56 Rev. bras. eng. agríc. ambient. vol.9 no.1 Campina Grande Jan./Mar Padrões de precipitação e índices de erosividade para as chuvas de Seropédica e Nova Friburgo, RJ. Disponível em: Acessado em: 30 jun


Carregar ppt "Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais CEFET-MG CURSO TÉCNICO EM MEIO AMBIENTE ILUSTRAÇÕES Cristiene Miranda David Fernandes Deise Souza."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google