A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Custo médio poderado de capital Quando as sociedades anônimas buscam recursos, seus gestores estão realizando as atividades de financiamento e, por conta.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Custo médio poderado de capital Quando as sociedades anônimas buscam recursos, seus gestores estão realizando as atividades de financiamento e, por conta."— Transcrição da apresentação:

1 Custo médio poderado de capital Quando as sociedades anônimas buscam recursos, seus gestores estão realizando as atividades de financiamento e, por conta disto, estão decidindo sobre ações ordinárias e preferenciais além dos títulos de dívida. 1 PINHEIRO, Carlos Alberto Orge. Introdução a Finanças e Mercados de Capitais

2 Custo médio poderado de capital Todos esses capitais que estão à disposição da sociedade apresentam riscos diferentes aos investidores e, por conta deles, custos diferentes. 2 PINHEIRO, Carlos Alberto Orge. Introdução a Finanças e Mercados de Capitais

3 Custo médio poderado de capital Vamos imaginar que está à disposição de uma sociedade um projeto cuja taxa de retorno seja de 10% ao ano. Pensando em avaliar esse projeto, o gestor faz uso do custo de capital de terceiros à disposição da sociedade em 8% ao ano e decide pela sua aceitação. 3 PINHEIRO, Carlos Alberto Orge. Introdução a Finanças e Mercados de Capitais

4 Custo médio poderado de capital Mais tarde, o mesmo gestor decide avaliar outro projeto que apresenta taxa de retorno de 13%. A alternativa para obter recursos financeiros dá-se pela emissão de ações e seu custo é de 15% ao ano. Logo o projeto será rejeitado. 4 PINHEIRO, Carlos Alberto Orge. Introdução a Finanças e Mercados de Capitais

5 Custo médio poderado de capital Essa decisão não faz muito sentido uma vez que a sociedade é uma atividade em pleno funcionamento. O correto seria calcular o custo de capital conforme as médias ponderadas dos capitais que estão à disposição da empresa. 5 PINHEIRO, Carlos Alberto Orge. Introdução a Finanças e Mercados de Capitais

6 Custo médio poderado de capital 6 PINHEIRO, Carlos Alberto Orge. Introdução a Finanças e Mercados de Capitais A decisão do gestor seria a de aceitar o segundo projeto (13%) e rejeitar o primeiro (10%).

7 Custo do capital de terceiros 7 PINHEIRO, Carlos Alberto Orge. Introdução a Finanças e Mercados de Capitais O custo do capital de terceiros é a taxa requerida pelos investidores ao comprarem os títulos de dívidas. Embora as sociedades possam fazer uso das taxas pós-fixadas, iremos considerar que as dívidas foram feitas com base em taxas pré-fixadas.

8 Custo do capital de terceiros 8 PINHEIRO, Carlos Alberto Orge. Introdução a Finanças e Mercados de Capitais Uma sociedade esta estudando a condição de emitir títulos de dívida para 10 anos pagando juros de 6% ao ano. O valor nominal de cada título de dívida é de e os custos de lançamentos correspondem a 2% do valor nominal.

9 Custo do capital de terceiros 9 PINHEIRO, Carlos Alberto Orge. Introdução a Finanças e Mercados de Capitais Ao usarmos uma máquina de calcular ou planilha eletrônica, o custo será igual a 6,3%. Alternativamente podemos ter:

10 Custo do capital de terceiros 10 PINHEIRO, Carlos Alberto Orge. Introdução a Finanças e Mercados de Capitais

11 Custo do capital de terceiros após IR 11 PINHEIRO, Carlos Alberto Orge. Introdução a Finanças e Mercados de Capitais O custo de capital de terceiros após o imposto de renda corresponde ao custo de capital considerando a vantagem do benefício fiscal. Com uma alíquota (T) de 35% o custo de capital de terceiros após o imposto de renda é dado conforme:

12 Custo do capital de terceiros após IR 12 PINHEIRO, Carlos Alberto Orge. Introdução a Finanças e Mercados de Capitais

13 Custo das ações preferenciais 13 PINHEIRO, Carlos Alberto Orge. Introdução a Finanças e Mercados de Capitais Proporciona aos acionistas preferenciais o direito de receberem seus dividendos antes da distribuição de qualquer quantia aos ordinários. Isto acontece porque as ações preferenciais oferecem a condição de dividendos fixos.

14 Custo das ações preferenciais 14 PINHEIRO, Carlos Alberto Orge. Introdução a Finanças e Mercados de Capitais

15 Custo das ações preferenciais 15 PINHEIRO, Carlos Alberto Orge. Introdução a Finanças e Mercados de Capitais Iremos supor que uma sociedade esteja estudando a condição de emitir ações preferenciais. O preço de cada ação é de 100, os custos de lançamentos correspondem a 4% do preço e o dividendo fixo é de 10. Desta forma:

16 Custo das ações preferenciais 16 PINHEIRO, Carlos Alberto Orge. Introdução a Finanças e Mercados de Capitais

17 Custo das ações ordinárias 17 PINHEIRO, Carlos Alberto Orge. Introdução a Finanças e Mercados de Capitais Seu custo é definido com base no valor presente de todos os dividendos futuros supondo que os mesmos crescem a uma taxa constante. Essa avaliação é conhecida como modelo de avaliação com crescimento constante ou modelo de Gordon.

18 Custo das ações ordinárias 18 PINHEIRO, Carlos Alberto Orge. Introdução a Finanças e Mercados de Capitais A equação abaixo demonstra este custo:

19 Custo do lucro retido 19 PINHEIRO, Carlos Alberto Orge. Introdução a Finanças e Mercados de Capitais

20 Crescimento constante 20 PINHEIRO, Carlos Alberto Orge. Introdução a Finanças e Mercados de Capitais Presente no modelo de avaliação com crescimento constante, a taxa de crescimento constante g é definida como base no retorno sobre o patrimônio líquido (ROE) e a parcela de recursos que a sociedade retêm para reinvestimento.

21 Crescimento constante 21 PINHEIRO, Carlos Alberto Orge. Introdução a Finanças e Mercados de Capitais Uma sociedade esta estudando a condição de emitir ações ordinárias. O preço de cada ação é de 110, os custos de lançamentos correspondem a 4% do preço, o dividendo para o primeiro ano corresponde a 12 o ROE é de 12% e a sociedade distribui 50% dos lucros.

22 Crescimento constante 22 PINHEIRO, Carlos Alberto Orge. Introdução a Finanças e Mercados de Capitais

23 Outra maneira de definir o custo da ação ordinária 23 PINHEIRO, Carlos Alberto Orge. Introdução a Finanças e Mercados de Capitais O custo da ação ordinária também pode ser estimado a partir do modelo de precificação de ativos de capital, também conhecido como CAPM. O modelo analisa a contribuição entre risco e taxa de retorno das ações de uma sociedade anônima.

24 Outra maneira de definir o custo da ação ordinária 24 PINHEIRO, Carlos Alberto Orge. Introdução a Finanças e Mercados de Capitais A sua principal conclusão é que o risco relevante das ações de uma sociedade é a sua contribuição para o risco de uma carteira diversificada. O parâmetro de comparação para uma carteira diversificada é a carteira de mercado.

25 Outra maneira de definir o custo da ação ordinária 25 PINHEIRO, Carlos Alberto Orge. Introdução a Finanças e Mercados de Capitais

26 O ativo livre de risco 26 PINHEIRO, Carlos Alberto Orge. Introdução a Finanças e Mercados de Capitais A ideia é que os investidores tem à sua disposição a possibilidade de investirem em títulos públicos (letras ou notas) que apresentam menor volatilidade quando comparado com títulos de prazo menor.

27 O retorno do mercado de ações 27 PINHEIRO, Carlos Alberto Orge. Introdução a Finanças e Mercados de Capitais O mercado de ações é acompanhado pelas bolsas de valores. Desta forma, através de índices, elas divulgam diariamente o comportamento do mercado de ações através de uma carteira hipotética de ações.

28 O retorno do mercado de ações 28 PINHEIRO, Carlos Alberto Orge. Introdução a Finanças e Mercados de Capitais Na equação do CAPM, percebemos que a diferença entre o retorno do mercado de ações e o retorno do ativo livre de risco representa um prêmio pelo risco do mercado.

29 O Coeficiente beta 29 PINHEIRO, Carlos Alberto Orge. Introdução a Finanças e Mercados de Capitais O coeficiente beta é responsável por medir o risco da ação para uma carteira de ações. Assim, quanto mais arriscada for a ação de uma sociedade anônima maior deverá ser o retorno e, consequentemente, o custo da ação ordinária.

30 O Coeficiente beta 30 PINHEIRO, Carlos Alberto Orge. Introdução a Finanças e Mercados de Capitais O coeficiente beta é responsável por medir o risco da ação para uma carteira de ações. Assim, quanto mais arriscada for a ação de uma sociedade anônima maior deverá ser o retorno e, consequentemente, o custo da ação ordinária.

31 31 PINHEIRO, Carlos Alberto Orge. Introdução a Finanças e Mercados de Capitais Iremos supor que uma sociedade esteja estudando a condição de emitir ações ordinárias. O retorno do ativo livre de risco corresponde a 10%, o retorno do mercado de ações é de 15% e o coeficiente beta da sociedade anônima é de 1,4. Outra maneira de definir o custo da ação ordinária

32 32 PINHEIRO, Carlos Alberto Orge. Introdução a Finanças e Mercados de Capitais Outra maneira de definir o custo da ação ordinária

33 Embora de fácil implementação, o CAPM apresenta alguns problemas. O primeiro deles é que se os investidores estiverem pouco diversificados, o coeficiente beta pode não representar adequadamente o risco. 33 PINHEIRO, Carlos Alberto Orge. Introdução a Finanças e Mercados de Capitais Outra maneira de definir o custo da ação ordinária

34 Outro problema reside sobre o retorno do mercado de ações. Assim, em caso de países em que o mercado é muito concentrado, com um número reduzido de sociedades listadas em bolsa, o índice da bolsa pode não representar o retorno deste mercado. 34 PINHEIRO, Carlos Alberto Orge. Introdução a Finanças e Mercados de Capitais Outra maneira de definir o custo da ação ordinária

35 Cada sociedade busca uma estrutura de capital adequada para alcançar seu principal objetivo, que é a maximização da riqueza do acionista. Para isso, terá que lidar com os componentes do capital à sua disposição. 35 PINHEIRO, Carlos Alberto Orge. Introdução a Finanças e Mercados de Capitais Custo médio ponderado de capital

36 O pressuposto é que a sociedade já tenha identificado essa estrutura ótima de capital e que ela tome suas decisões de financiamento de modo permanente sobre o alvo. 36 PINHEIRO, Carlos Alberto Orge. Introdução a Finanças e Mercados de Capitais Custo médio ponderado de capital

37 Com as informações disponíveis acima e com uma estrutura de 30% de dívida, 35% de ações preferenciais e ordinárias teremos que o custo médio ponderado de capital é igual a: 37 PINHEIRO, Carlos Alberto Orge. Introdução a Finanças e Mercados de Capitais Custo médio ponderado de capital

38 38 PINHEIRO, Carlos Alberto Orge. Introdução a Finanças e Mercados de Capitais Custo médio ponderado de capital


Carregar ppt "Custo médio poderado de capital Quando as sociedades anônimas buscam recursos, seus gestores estão realizando as atividades de financiamento e, por conta."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google