A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

- Halitose - Organizando Conhecimento

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "- Halitose - Organizando Conhecimento"— Transcrição da apresentação:

1 - Halitose - Organizando Conhecimento
Marignes Theotonio dos Santos Dutra São José dos Campos

2 DADO MÉDICO Saber interpretar uma informação corresponde ao conhecimento; mas o que fazer com o conhecimento?        

3     A utilização apenas do dado médico em relação a uma queixa, como forma de planejamento terapêutico, tem sido colocado em dúvida por aqueles que defendem a Medicina Baseada em Evidências. 

4 SENSAÇÃO DE BOCA SECA... Será sempre hipossalivação? ALTERAÇÃO DE PALADAR... Será sempre alteração de hálito?

5 Medicina Baseada em Evidência
“ Diminui a ênfase na experiência clinica não sistematizada e na racionalidade patofisiológica como bases suficientes para a tomada de decisão clínica, e enfatiza o exame de evidência proveniente da pesquisa clínica”. Evidence-Based Medicine Working Group, 1992

6 Traduzindo.... Estimula nossa curiosidade
Busca pela contextualização do conhecimento

7 Como lidar com a queixa de um paciente?
É importante ao profissional de saúde processar os dados de uma forma lógica e eficiente, e para isso saber como utiliza os prontuários que devem conter todas as informações possíveis para a condução de um correto diagnostico .

8 Quando a queixa está visível....

9 E quando a queixa é BOCA SECA?
BOCA AMARGA? ARDENCIA? Mau Hálito?

10 Mau Hálito, ainda um tabu na sociedade moderna ...

11 ASSUNTO VELADO... Muitas pessoas não alertam o portador por medo da reação ou pelo constrangimento ou os dois Olfato limitado, outro empecilho... Informações imprecisas de pessoas próximas (constrang., olfato limito., etc.) Noções pré concebidas sobre o assunto; má higienização, estomago????

12 Pessoas que sofrem do problema não sabem disso

13 Outras pensam que sofrem de mau halito, por avaliação ou sensações próprias, pela atitude das pessoas, pelo que já leu...

14 REFLEXÕES...

15 Você convive com pessoas portadoras de halitose?

16 Você tem algum constrangimento em falar sobre o assunto com essas pessoas?

17 Você sabe se sofre de halitose?

18 O QUE SE SABE SOBRE HALITOSE?

19 HISTÓRICO DA HALITOSE NO BRASIL E NO MUNDO

20 Referências sobre o mau hálito e sobre remédios para o tratamento destas condições podem ser encontradas em obras escritas na antiga Grécia e Roma , incluindo os trabalhos de Hipócrates, o “pai”da medicina ( a.C.). ( Geist, 1957).

21 Preocupação com alterações do hálito já atingia gerações ancestrais na história antiga . Há referencias de mau hálito na literatura, em comédias e tragédias : Jó (19.17) -Antigo testamento Titus Marius Pláutus ( a.C.) Plutarco (d.C.) Shakespare (na peça muito barulho por nada)

22 No antigo testamento desde os tempos bíblicos, Jó (19.17) se lamenta :
“ O meu hálito é intolerável a minha mulher ”. GREIN et al., 1982 apud Tárzia O, 2003.

23 Titus Marcius Pláutus (254 – 184 a. C
Titus Marcius Pláutus (254 – 184 a.C.), dramaturgo romano, classificou o “fedor de boca”entre as muitas razões de infidelidade conjugal,porque o “hálito de minha esposa tem um cheiro terrível, melhor seria beijar um sapo” GREIN et al., 1982 apud Tárzia O, 2003.

24 “O maior anticomcepcional do mundo é o mau hálito”.
Millor Fernandes,

25 Ensinamentos litúrgicos judeus, datando de quase dois milenios, afirmam que um homem que se casa com uma mulher e, subsequentemente, descobre que ela tem halitose pode sumariamente se divorciar, sem cumprir as condições do contrato de matrimônio (Ketuba). Rosemberg M, 2003.

26 Referências sobre o mau hálito e sobre remédios para o tratamento destas condições podem ser encontradas em obras escritas na antiga Grécia e Roma , incluindo os trabalhos de Hipócrates, o “pai”da medicina( a.C.). Geist, 1957.

27 Em 1874, a halitose é estudada e descrita por HOWE em literatura científica, passando a ser considerada uma entidade clínica.

28 “Antes da década de 30, a maioria das citações eram pareceres sem estudos ou fatos comprovados, que eram perpetuados pela literatura. Logo após, um número notável de trabalhos desenvolvidos elevou o assunto a um nível de argumentação cientifica”. Joseph Tonzetich, 1978

29 Em 1934 Fair e Wells criaram e desenvolveram o omoscópio, um instrumento utilizado para medições de densidades de odor subjetivas e semi- quantitativas

30 “Durante as décadas de 1940 e 1950,
Fosdick e seus associados da Northeastern University, utilizando um osmoscópio, conduziram numerosos estudos que produziram informações valiosas sobre as causas e condições que favoreciam a halitose.” Joseph Tonzetich, 1979

31 “Estes autores concluíram que, embora a halitose pudesse ter causas fisiológicas e /ou patológicas de origem sistêmica ou nasofaríngea, a principal causa da halitose tinha origem na cavidade oral”. Joseph Tonzetich, 1979.

32 Apesar da halitose real ter causas
multifatoriais e sítios sistêmicos de origem, como as alterações de vias aéreas superiores, distúrbios do metabolismo, lentidão ou falência de órgãos, ingestão de alimentos e/ou medicamentos aromáticos, estima-se que entre 80 a 90 % das causas de halitose são oriundas da cavidade bucal. (DELANGHE, BOLLEN,DESLOOVERE, 1999).

33 Atribuem-se a Joseph Tonzetich os créditos pelos primeiros estudos científicos, nas décadas de 60 e 70. Dal Rio, A.C.C

34 “Estudos recentes mostram que a fonte principal de halitose é a superfície do dorso posterior da língua. Entretanto, em indivíduos com doença periodontal, a contribuição do sulco gengival aumenta com a gravidade do envolvimento ”. Tonzetich J, 1995.

35 O assunto halitose vem despertando um maior interesse da comunidade científica nos últimos 18 anos, sobretudo na área odontológica. Em uma revisão de literatura vamos encontrar artigos dispersos até

36 - Halitose - Contextualizando Conhecimento

37 Definição “ termo derivado do latim , onde a palavra halitos significa “ar expirado “ e o sufixo osis uma alteração patológica “ HINE ,K. H. ,1957;LU,1982.

38 A halitose é,portanto,o mau hálito presente no ar expelido pelos pulmões através da boca e/ou das narinas Hine,1957;LU,1982.

39 Bogdasarian,1986;Grein,et al.,1982.
Condição anormal do hálito na qual este se altera de forma desagradável tanto para o paciente como para as pessoas com as quais ele se relaciona. É também conhecida como hálito fétido, mau hálito, fedor de boca, fetor oris, etc.. Bogdasarian,1986;Grein,et al.,1982.

40 Manifestações da Halitose
Odores do tipo cetônico podem indicar diabetes, odor do tipo urina podem indicar disfunção renal e uremia, dietas ricas em lipídios derivados do leite podem causar odores muitas vezes desagradáveis assim como disfunções hepáticas. (Bogdasarian, 1986).

41 Clínica Halitose originada na boca – 90%
Halitose originada nas fossas nasais Halitose originada na corrente circulatória e que escapa através dos pulmões (odorivetores de origem metabólica) Halitose por causas raras (em geral de origem sistêmica,com manifestações bucais,nasais ou que escapa através dos pulmões)

42 Assunto velado... Muitas vezes o paciente não relata situações de halitose, ou por não dimensionar o fato ou por constrangimento, ou ainda por não saber que se trata de um assunto a ser resolvido pelo Cirurgião dentista...

43 Diagnóstico da Halitose / Conhecimento Interdisciplinar
Ectoscopia Oroscopia Halitometria Avaliação dos padrões salivares Anamnese Exames laboratoriais Testes microbiológicos Exames por imagem

44 Lábios ou pele ressecada Olheiras Assimetria facial
Ectoscopia Avaliação direcionada p/ região de cabeça e pescoço com a finalidade de diagnóstico de alterações sistêmicas ou locais que possam estar colaborando para halitose Selamento labial / Padrão de respiração Dimensão vertical Palidez Lábios ou pele ressecada Olheiras Assimetria facial 44

45 Características que devem chamar nossa atenção
Queixas Presença de saliva excessiva (diurna e/ou noturna); • Tônus diminuído; • Lábios entreabertos; Língua projetada (anterior e/ou lateralmente); • Má postura corporal; Ronco; • Alterações: mastigação, respiração, fala, disfagia; Hábitos para-funcionais; oclusão com desvios funcionais; • assimetrias faciais; • hábitos padrões familiares. Irene Queiroz Marchesan

46 Perfil de roncador - - - - -

47 Halitometria no halimetro Halitometria Organoléptica
Exames Específicos Sialometria Repouso Sialometria Estímulo Halitometria no halimetro Halitometria Organoléptica

48 Realização dos exames Seqüência lógica:
Halitometria Bucal /Nasal (Halimeter) *Organoléptico convencional (Régua - 15 cm) Sialometria de Repouso e Estimulada Exame clínico bucal, orofaringe e vias aéreas Aferição de pulso e pressão

49 Halimeter® (Interscan Corporation, Chatsworth, CA, EEUU
Halitometria realizada no halímetro Halimeter® (Interscan Corporation, Chatsworth, CA, EEUU 49

50 HALIMETER - Monitor portátil que mensura partículas por
bilhão (ppb) de enxofre Halimeter® (Interscan Corporation, Chatsworth, CA, EEUU

51 Exame Organolético Exame organoléptico – Método sensório olfativo utilizado para avaliar o odor do hálito - padrão ouro é o método mais viável e confiável na pratica clinica (SCHMIDT et al, 1978; VAN STEENBERGHE, 1997; MURATA et al, 2002) apud Falcão DP, 2005.

52 Exame Organoléptico Classificação da Halitose quanto ao Grau de propagação do odor com escala de 0-4 onde: 0=ausência de odor; 1=odor natural; 2=halitose da intimidade (distância de 15 cm); 3=halitose do interlocutor (distância de 60 cm); 4=halitose social (distância de + de 60 cm). Viera & Falcão, 2003.

53 Exame Organoléptico Escala organoléptica de Rosenberg et al.
0 = sem odor perceptível 1 = odor fracamente perceptível 2 = odor perceptível 3 = odor moderado 4 = odor forte 5 = odor extremamente forte Rosenberg et al (1991).

54 Observando a Saliva

55 A saliva é um espelho da saúde do indivíduo e sua complexidade oferece múltiplas oportunidades para monitoramento de condições orgânicas, tanto na saúde como na doença. NAVAZESH et al. (2002) FONTE:Duarte Conceição M.

56 Glândulas Salivares São glândulas exócrinas, localizadas no vestíbulo (bucais e labiais ) e na cavidade bucal ( do assoalho, da língua e palatinas) constituídas por ácinos serosos e mucosos . São divididas em glândulas salivares maiores e glândulas salivares menores.

57 As glândulas salivares estão integradas sob o controle neuronal através de complexos mecanismos regulatórios. (FISCHER; EICH; RUSSELL,1998).

58 (KISSINGER; ZHU; GEHRKE, 2003).
O sistema parassimpático é dominante e contínuo, com a estimulação deste sistema temos a produção de uma saliva serosa rica em enzimas. (KISSINGER; ZHU; GEHRKE, 2003). Glândulas estimuladas principalmente as parótidas Saliva Estimulada

59 Um estímulo ao sistema simpático produz uma saliva mucosa com volume menor, sendo a saliva uma secreção 100% controlada pelo sistema nervoso. (KISSINGER; ZHU; GEHRKE, 2003). _ Saliva de Repouso

60 Análise Salivar

61 Utilizamos 0,0 ml/min: assialia 0,1 a 0,25ml/min: hipossialia
0,3 a 0,4 ml/min: ideal Colocar fonte

62 Sialometria estimulada
VALORES SIALOMÉTRICOS (estimulada) 0 : asialia 0,1 a 0,4ml/min: redução severa 0,5 a 0,9ml/min: redução moderada 1,0 a 1,4ml/min: redução leve 1,5 a 2,5ml/min: ideal acima de 2,5ml/min: sialorréia COLOCAR FONTE

63 Avaliação da Fiabilidade
Serosa : Não forma fio Fluida : até 4 cm de fio Viscosa : acima de 4 cm de fio Obs: Quanto mais viscosa a saliva , maior chance de formação de placa bacteriana devido a presença da a mucina.

64 Avaliação da Cavidade Bucal
Oroscopia Avaliação da Cavidade Bucal e Orofaringe Observar ressecamento de tecidos moles/ células descamadas Aparelho ortodôntico / contenções Próteses fixas e/ou removíveis total ou parcial *As vezes o paciente não esta usando no momento da consulta Saburra Lingual Tipo de língua ( Pilosa, geográfica, com ou sem papilas) Amídalas ( criptas ) / Caseum

65 Oroscopia

66 Avaliação da Cavidade Bucal
Oroscopia Avaliação da Cavidade Bucal e Orofaringe Seqüência prática: Lábios Orofaringe Comissura labial Palatos Fundo de sulco Peridonto Mucosa Jugal Arcosdentais Língua Deglutição Soalho bucal Abertura dos ductos Freios lingual e labial das gls. salivares

67 Freio lingual / Soalho bucal Fundo de sulco Labios Cálculo em ducto De parótia Mucosa Jugal Palato

68 Orofaringe Úvula Tonsilas Criptas Vias aéreas – cav. nasal Caseo

69 Descamação intra bucal

70 Índice de Mallampatti Clase Visualización directa, paciente sentado.
Imagen laringoscópica. I Paladar blando, fauces, úvula, pilares. Toda la glotis. II Paladar blando, fauces y úvula. Comisura posterior. III Paladar blando y base de úvula. Punta de epiglotis. IV Solo paladar duro. No se observa estructura glótica. Referencia: Mallampati RS, Gatt SP, Gugino LD et al: A clinical sign topredict difficult traqueal intubation: A prospective study. Can Anaesth  Soc J 32:429,1985.

71 Classificação de Tonsilas

72 Avaliação da saúde bucal : Cárie e doença Periodontal
Placa Bacteriana dental Doença Periodontal Índice de Carie Dental

73 Lesões causadas por Higiene Bucal Incorreta e excessiva

74 Lesões causadas por Higiene Bucal

75 Bruxismo e apertamento

76 Saburra lingual

77 Sinais de SAB

78 Avaliando Sintomas De que forma ela se manifesta Início da ocorrência
Períodos de ocorrência Existência da confirmação por outras pessoas Limitações impostas sociais, profissionais, afetivas, etc. Atitudes que toma ou já tomou para solução ou melhora do problema

79 Formas de Ocorrência da Halitose
Intensidade: Severa, moderada, leve (social,interlocutor, ou da intimidade) Freqüência: Crônica, constante ou intermitente Sintomas: Sensações de paladar ou olfação Relação: Períodos de manifestação da halitose

80 Formas de Ocorrência de Halitose senso-perseptiva Sintoma
Xerostomia = sensação de boca seca Disgeusia = distorção do paladar Ageusia = redução ou a perda do paladar Anosmia = perda ou a redução do olfato Hiperosmia = Hipersensibilidade aos odores Supertasters – SAB = limiar gustativo elevado

81 USO DE MEDICAMENTOS Medicamentos Xerostômicos Medicamentos Aromáticos Medicamentos geradores de disgeusia

82 Funções Sistêmicas Gástrica (refluxos, esofagites, gastrites, azias, dor, etc.) Intestinal ( constipação, diarréia,etc.) Renal ( urina) Hepática ( dificuldades metabólicas, hepatites,etc.) Hormonal (T.P.M., reposições, menopausa) Respiratória (ronco, ressonos, rinites, sinusites, bronquites, salivação noturna,) Outras

83 NÍVEIS DE STRESS

84 Hábitos/ Higiene Bucal
Controle de Placa deficiente Falsa idéia de domínio de escovação Desconhecimento de limpeza de língua ou limpeza incorreta e parcial Desconhecimento de higiene de vias aéreas e orofaringe

85 Recursos utilizados para higienização

86 Atenção aos sinais e sintomas = Diagnóstico preciso


Carregar ppt "- Halitose - Organizando Conhecimento"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google