A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Os dez mandamentos da ética Gabriel Chalita Resumo do livro “Os Dez Mandamentos da Ética” de Gabriel Chalita, Ed. Nova Fronteira, 6ª impressão.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Os dez mandamentos da ética Gabriel Chalita Resumo do livro “Os Dez Mandamentos da Ética” de Gabriel Chalita, Ed. Nova Fronteira, 6ª impressão."— Transcrição da apresentação:

1 Os dez mandamentos da ética Gabriel Chalita Resumo do livro “Os Dez Mandamentos da Ética” de Gabriel Chalita, Ed. Nova Fronteira, 6ª impressão.

2 “A esperança é o sonho do homem acordado” Aristóteles, citado por Diógenes Laércio.

3 Semente, que gera a flor, que gera o fruto da sabedoria Busca do ser humano – Felicidade que seja expressa pelo sorriso (desde o homem da caverna) 1º) Alimento + abrigo + sexo 2º) Alimento feito no fogo + a casa + domínio do território – família – tribo 3º) bem estar do espírito – religião – misticismo (filósofos – Tales de Mileto/ Aristóteles/Platão)

4 Homem, um ser social. A excelência moral do homem evoca uma ética social, pois o homem é social, gregário e político. Precisamos um dos outros e da inteligência interpessoal. O homem virtuoso é o cidadão que interage, lança a semente que gera nova planta, nova flor, novo fruto e nunca deixa de ter esperança.

5 1º MANDAMENTO – FAZER O BEM Ter comportamento ético – nobreza de caráter, justiça nas decisões, respeito, honestidade, equilíbrio e bondade. Sua ação deve visar algum bem! A ética procura os meios de atingir o bem... No âmbito social o “bem” pode deferir de primeira uma sociedade para outra, conforme seus hábitos e costumes. A política é a busca da felicidade de cada homem da sociedade e de todos convivendo, dividindo espaço, interagindo. Portanto, ética e política são indispensáveis.

6 1º MANDAMENTO – FAZER O BEM Os três requisitos para a conquista da felicidade são: Bens materiais (subsistência) para possuir e usufruir (alimento, água, moradia, roupas, artigos de higiene.) Prazer – coisas agradáveis que alimentam nossa mente de boas sensações; Praticar excelência – intelectual (educação, instrução) e moral (hábitos como coragem, liberalidade, honestidade, amabilidade)

7 APRENDENDO A SER FELIZ A felicidade pode ser conquistada com a prática respeitada de ações honradas, na constância da prática da excelência. Produtos e resultados são mais importantes que ações que lhes deram origem. O sonho nunca deve ser esquecido, pois ele será o resultado do que fazemos no dia a dia para alcançá-lo. O mal (um defeito, um erro, um desvio) ocorre quando a verdade não é obtida, quando existe ignorância deliberada ou quando não há verdadeiras finalidades.

8 2º MANDAMENTO – AGIR COM MODERAÇÃO Agir com excelência é realizar até o fim toda atividade até chegar no bem (bem feito) A excelência pode ser: Intelectual – depende da capacidade de projetar e concretizar um plano. Para isso precisamos de ensino, experiência e prática. O conhecimento nos torna livres e auto-confiáveis, seguros, aflorando a grandeza que possuímos. No entanto, o amor é imprescindível em tudo. O amor ao próximo é a chama que mantém a busca da felicidade. Moral – (coração, emoção, afetos) – Cada homem tem sua própria ética (a consciência) que foi adquirida com os hábitos durante sua vida, a ponto de se tornarem “automáticos”. Ai é de extrema importância os exemplos dos pais e educadores.

9 2º MANDAMENTO – AGIR COM MODERAÇÃO A Medida certa – não devemos exagerar nem do destemor nem da covardia. A coragem é o meio termo, é a excelência moral. Acreditar em destino é desculpa para os covardes, Os valentes sabem que há o livre arbítrio e é preciso agir e construir sua história. Praticar bons hábitos leva a perfeição moral.

10 Meio Termo O desafio é buscar o meio termo, o equilíbrio. Só aprendemos algo se o praticarmos. Evitamos as tentações que oferecem prazeres fáceis e recompensas ilícitas. Para agir eticamente é preciso dominar impulsos naturais, biológicos, e os instintivos. Deve haver o equilíbrio entre razão e emoção (Neste ponto, recomendamos a leitura da obra: “Inteligência Emocional”, de Daniel Goleman, Ed. Objetiva).

11 3º MANDAMENTO – SABER ESCOLHER As escolhas revelam o nosso caráter, sobre o que achamos que é certo ou errado e, portanto, revelam nossos conceitos e preconceitos. A vontade também é elemento fundamental para a escolha.

12 3º MANDAMENTO – SABER ESCOLHER Vontades podem ser: Não voluntárias – não depende da vontade. A pessoa não tem consciência do que faz, não sabe as conseqüências nem os meios. Ocorre ente loucos ou em momentos de desequilíbrio. Involuntárias – O agente é obrigado à ação. Ele não é o autor da ação. Voluntárias – O agente está consciente e com vontade própria visando um objetivo.

13 3º MANDAMENTO – SABER ESCOLHER A escolha certa independe das opiniões alheias, mas deve respeitar os valores comunitários. Requer o uso da razão e do pensamento. Devemos usar nossas faculdades mais altas para investigarmos a realidade e chegarmos a um juízo de valor. É preciso a sensibilidade para harmonizar emoção e razão. O autoconhecimento é indispensável para a excelência da escolha. Não devemos nos render aos impulsos nem tampouco nos tornarmos insensíveis.

14 Desejo/Escolha/Aspiração 1º- desejo: efêmero/imediato/aparentemente irracional. 2º - escolha: ação refletida para o objetivo. 3º - aspiração: o grande sonho que movimenta o ser humano que dá poesia e beleza à vida.

15 4º MANDAMENTO – PRATICAR AS VIRTUDES Excelência moral X Emoções/vontades Não há um número determinado de virtudes e elas podem aparecer juntas em determinadas situações.

16 Extremos e Virtudes ExtremoMeio termoExtremo Prodigalidade Não reconhece a real grandeza de sua riqueza Liberalidade Tem uma visão do que é conveniente e gasta grandes somas com bom gosto Avareza Acumulo sem sentido de riquezas Pusilanimidade Pessoa de alma pqna Espírito fraco, fraqueza de ânimo falta de energia de firmeza, de decisão Medroso, mesquinhez Magnanimidade Busca realizar tudo aquilo que está ao seu alcance. É a força que nos move a sair de nós mesmos, a fim de nos prepararmos para empreender obras valiosas - dedica sem reservas as suas forças ao que vale a pena – pressupõe grandeza Beleza pressupões corpo proporcional Pretensão Busca aquilo que está além das suas forças, das suas capacidades – não confundir com esperança – confiança em coisa boa – vê como possível aquilo que deseja

17 Extremos e Virtudes ExtremoMeio termoExtremo Sério demais Mau humorado Bom humor Pessoa espirituosa, presença de espírito Palhaço ** falso modesto a negar ou a minimizar o que tem Sinceras dão às coisas os seus nomes certos, confirmando que têm o que realmente lhes pertence, nem mais, nem menos. Jactanciosas pretender as coisas que trazem glória, quando ainda não as têm, ou a pretender mais quando já as têm Não se manifestam A opinião bem formada é útil para o grupo. Justo Pratica atos conforme equidade, de forma integra, com razão Julgam erroneamente Maria vai com as outras Não fazer nada Temperança prudente Agir por impulso

18 5º MANDAMENTO – VIVER A JUSTIÇA A justiça é a mais completa das excelências e é sinalizada pela consciência. Cada homem possui seu espaço na sociedade e todos têm os mesmo direitos e deveres. - não aceitar favores fáceis (que corrompam a dignidade), dinheiro ilícito... O caráter distributivo da justiça – Cada homem é gabaritado para sua função na qual é autoridade (médico, guarda de trânsito, engenheiro...) O caráter corretivo da justiça – cabe ao juiz arbitrar sobre ações errôneas entre os homens da sociedade.

19 5º MANDAMENTO – VIVER A JUSTIÇA Leis soberanas devem existir na sociedade para reger a conduta das pessoas e das instituições. A lei deve garantir que o exercício do poder seja a serviço da sociedade, evitando privilégios nefastos. O povo deve agir com ética para cobrar a ética política. A justiça, a ética e a política só alcançam seus objetivos por meio de uma sociedade viva, democrática e forte, cada um fazendo a sua parte.

20 6º MANDAMENTO VALER-SE DA RAZÃO Todos temos forças racionais. Saber o que fazer não basta. É preciso saber como fazer. A razão tem 2 categorias: 1 – faculdade científica – verdades imutáveis. 2 – faculdades deliberativas ou calculativa – quando as conseqüências não são conhecidas. É ai que devemos usar a ética na busca de bons resultados.

21 6º MANDAMENTO VALER-SE DA RAZÃO Há cinco disposições que compõe a racionalidade: 1ª – a ciência – um homem, um objeto – ser =humano+dotado de idéias+sujeito à acontecimentos + sujeito a algo que possa atingir os sentimentos do homem. Objetivo da ciência – observação/experiência/conclusão 2ª – a técnica – habilidades racionais para fazer algo. O resultado da aptidão técnica é o prazer. 3ª – o discernimento – nos permite deliberar quanto às opções diárias. São escolhas que devem ser dirigidas para o nosso bem e o da sociedade. 4.ª e 5ª – a inteligência e a sabedoria – fazer a articulação entre a ciência/técnica e discernimento. A sabedoria é a capacidade de usar todos os conhecimentos para o bem próprio e da sociedade.

22 7º MANDAMENTO VALER-SE DO CORAÇÃO Forças instintivas (incontinências) – devemos aprender a controlar. (fome, raiva, sede, alegria, desejo...) Podem levar a situações ruins ou a aberrações (exs. Obesidade, estupro, espancamento,...). Portanto é essencial a auto vigilância honesta dos desejos. Simples palavras podem tanto confortar como destruir seu semelhante.

23 7º MANDAMENTO VALER-SE DO CORAÇÃO Lassividade (falta de iniciativa, pessoa relaxada) é diferente de resistência (pessoa rígida). Concupiscência – deficiência moral severa – é o corrupto consciente, que pratica atos severos e não se arrepende. Ex.: traficante de drogas que manipula pessoas, pedófilo... TEMOS QUE TER O PRAZER DE FAZER O BEM

24 8º MANDAMENTO – SER AMIGO Os amigos nos ligam ao mundo. Com os amigos dividimos fragilidades, medos, angústias, sonhos e alegrias. Ao amarmos um amigo devemos querer o seu bem. As amizades vão se construindo pela convivência.

25 9º MANDAMENTO CULTIVAR O AMOR Amizades existem por interesse ou por prazer. Um número seleto o de amigos verdadeiros aos quais nos ligamos pelo caráter e pelo afeto. É limitado porque exige dedicação. Vão sendo cultivados durante nossa vida. São pessoas com quem nos sentimos muito à vontade. A amizade exige verdade, entrega. É seguir juntos pela vida, um amparando o outro, alertando, animando a prosseguir. Neste ponto recomendamos a leitura da obra: “A Arte de Amar” de Erick Fromm, Ed. Villa Rica.

26 10º MANDAMENTO – SER FELIZ É o prêmio por ser ético com excelência. O prazer de realizar algo bom – felicidade A felicidade depende da boa realização das atividades nas três esferas: 1 – técnica – saber fazer 2 – prática – nos leva a melhorar a cada dia 3 – contemplação – nos permite conhecer as verdades que compõe nossa existência, nos dando a sabedoria para viver em paz.

27 Nosso medo mais profundo não é sermos incapazes... Nosso medo mais profundo é termos mais PODER do que imaginamos! É nossa LUZ, não nossa escuridão quem mais nos assusta! Fazer o mínimo do que podemos fazer não agrada ao mundo... Não há nada de luminoso em se diminuir para que outras pessoas se sintam seguras à sua volta. Fomos feitos para brilhar como as crianças! Ao deixarmos a nossa própria luz brilhar, INCONSCIENTEMENTE, permitimos que outros façam o mesmo, já que nos livramos de nosso próprio medo.


Carregar ppt "Os dez mandamentos da ética Gabriel Chalita Resumo do livro “Os Dez Mandamentos da Ética” de Gabriel Chalita, Ed. Nova Fronteira, 6ª impressão."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google