A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Redes de Computadores II Curso Subsequente: Redes de Computadores Turma: 2.403.1N José de Ribamar Silva Oliveira

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Redes de Computadores II Curso Subsequente: Redes de Computadores Turma: 2.403.1N José de Ribamar Silva Oliveira"— Transcrição da apresentação:

1 Redes de Computadores II Curso Subsequente: Redes de Computadores Turma: N José de Ribamar Silva Oliveira

2 Apresentar e discutir... Importância e necessidade do projeto físico de uma rede de computadores Alternativas para o meio físico Meios cabeados metálicos e ópticos Tecnologias para transmissão sem fio Elementos de conectividade e certificação dos componentes do projeto físico Objetivos

3 Conteúdo programático Revisão dos conceitos básicos em redes de computadores Conceito de rede de computadores Componentes principais de uma rede Camada física

4 Conteúdo programático Meios físicos e tecnologias de transmissão Meios físicos cabeados Padronização do cabeamento estruturado Norma de cabeamento de redes Elementos do projeto de cabeamento estruturado Tecnologias de redes sem fio Tecnologias alternativas de meios físicos

5 Conteúdo programático Ferramentas para confecção e certificação de cabos de par trançado Alicate de crimpagem Testador de cabos Ferramenta para construção de diagramas de rede Noções básicas de aterramento de dispositivos de redes Importância do aterramento Requisitos técnicos Estratégias para implementação do aterramento

6 Bibliografia sugerida COELHO, Paulo Eustáquio. Projeto de Redes Locais com Cabeamento Estruturado, Instituto Online, PINHEIRO, José Maurício. Guia Completo de Cabeamento de Redes. Campus, LACERDA, Ivan Max F. Cabeamento estruturado - Projeto, Implantação e Certificação MEDOE, Pedro A. Cabeamento de redes na prática. Saber, 2002.

7 Bibliografia sugerida DERFLER, Frank. Tudo sobre cabeamento de redes. Campus Catálogo de produtos da Furukawa. Disponível em Catálogo de produtos da Pial. Disponível em

8 Outras referências ROSS, Keith e KUROSE, JAMES, Redes de Computadores e a Internet: Uma nova abordagem, Ed. Addison Wesley TANENBAUM, Andrew S. Redes de Computadores, Ed. Campus SOARES, Luiz F.; LEMOS, Guido e COLCHER, Sérgio. Redes de Computadores: Das LANs, MANs e WANs às Redes ATM, Ed. Campus TORRES, Gabriel, Redes de Computadores, Ed. Axcel Books COMER, Douglas E. Redes de Computadores e Internet, Bookman Editora DERFLER JUNIOR, Frank J. Guia de Conectividade, Ed. Campus ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 14565: Procedimento básico para elaboração de projetos de cabeamento de telecomunicações para rede interna estruturada. Rio de Janeiro, 2000

9 Outras referências Catálogo Black Box. Black Box Network Services. Edição 2001 – Disponível em Informações sobre cabeamento estruturado, disponíveis em

10 Avaliações Primeiro Bimestre: Teste escrito (80%) Atividades Extra-classe (20%) Segundo Bimestre Teste escrito (50%) Projeto (50%)

11 Introdução O que é uma rede de computadores? Conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos, interconectados por um sistema de comunicação Sistema de comunicação

12 Introdução O que é uma rede de computadores?

13 Introdução Mundo Globalizado  Acelerado desenvolvimento tecnológico  Expansão acentuada das redes de comunicação  Mudanças estratégicas em Telecomunicações, Transporte, Negócios, Comércio, etc.  Internacionalização dos Mercados  Associações, Fusões, Programas cooperativos entre empresas  Ambiente de competitividade

14  Qualquer coisa para qualquer um em qualquer lugar a qualquer hora Troca Eletrônica de Informações Internetworking Empresas Introdução

15 Por que ter uma rede? Aumento da produtividade Aumento da eficiência do processamento de informações Troca de informações Compartilhamento de recursos Melhor uso vs. Redução de custos Padronização de políticas Criação de perfis de usuários,...

16 Introdução Quais os desafios de possuir uma rede??? Projeto Identificação de requisitos e serviços Especificação de equipamentos e serviços Cronograma e Custos,... Implantação Ocupação do espaço físico Aquisição dos componentes Testes e certificação Cumprimento do cronograma, Mão-de-obra, treinamento,...

17 Introdução Quais os desafios de possuir uma rede??? Administração Usuários Hardware das estações e da rede Software das estações e da rede Segurança,... Atualizações Crescimento físico Novos serviços Mudanças tecnológicas – hardware e software,...

18 Introdução Visões de uma rede Conectando recursos computacionais Conectando pessoas Infra-estrutura de comunicação

19 Introdução Componentes principais de uma rede Computadores e periféricos Software local e de rede Elementos do sistema de comunicação Hardware de rede – placa de rede, modem, repetidor, conversores de mídia, hub, ponte, switch, roteador, access point,... Meio físico – cabeamento, conectores, antenas,...

20 Introdução Topologias de redes Topologia física Layout visível Conexão física entre os equipamentos da rede Topologia lógica Como realmente ocorre a troca de informações Topologias mais comuns... Estrela, barra, anel,... Topologias física e lógica podem diferir para a mesma rede

21 Introdução Topologia em barramento Topologia em estrela Topologia em anel

22 Introdução Utilização do meio de transmissão Simplex – Unidirecional Half-duplex – Bidirecional não-simultâneo Full-duplex – Bidirecional simultâneo

23 Introdução Modelos de referência para redes de computadores Definição de hierarquia de camadas Camadas podem oferecer/usar serviços Modelos para o mundo das redes... RM–OSI TCP/IP

24 Introdução Arquitetura de rede TCP/IP A arquitetura adotada pela Internet Baseada na especificação de protocolos abertos Especificada em documentos técnicos – RFC’s (Request For Comments) Camada de transporte Camada de aplicação Camada de inter-rede Camada host/rede ou intra-rede Camada de enlace Camada física

25 Especifica... Detalhes sobre meios físicos de transmissão Cabos, antenas, conectores,... Níveis de tensão elétrica ou sinais ópticos para representação de bits Formatos e sequências de sinais utilizados no processo de comunicação,... Será o ponto central deste curso!!!

26 Camada física Meios físicos de transmissão Utilizados para transportar os sinais da rede de um dispositivo para outro Tipos Guiados – Par trançado, fibra ótica, cabo coaxial Não Guiados – Rádio, infra-vermelho, microondas, laser Fatores que influenciam a capacidade de transmissão Distância, largura de banda, tipo de modulação, fenômenos da natureza

27 Padrões IEEE ( Institute of Electrical and Electronic Engineers) 1980 – IEEE responsável pelo desenvolvimento de padrões de redes 1985 – Padrão 802 – Padrões de camada física e de enlace Atualmente – 12 subcomitês técnicos IEEE – Define os padrões físicos e métodos de acesso para que as estações das redes IEEE 802 possam se comunicar com outras estações em diferentes redes LAN e WAN. Ex Q (padrões de VLAN’s), 802.1D (Bridges usando MAC)

28 Padrões IEEE ( Institute of Electrical and Electronic Engineers) IEEE – Define a camada LLC para os padrões IEEE 802. A LLC especifica os mecanismos para a interface entre a camada de rede e o processo de acesso ao meio

29 Padrões IEEE ( Institute of Electrical and Electronic Engineers) IEEE – Padrão Ethernet. É a arquitetura mais usada, que usa topologia lógica em barramento, método de acesso CSMA/CD, velocidades de 10 Mbps, 100 Mbps e 1000 Mbps, usa cabos UTP, STP e fibras. 10BASE 2 Taxa de 10 Mbps Banda base Alcance de 200 m (185 m ) Cabo Thinnet ou cheapernet( coaxial fino ) Max de 30 computadores por segmento de 185 m Conectores BNC, BNC T e terminadores BNC

30 Padrões IEEE ( Institute of Electrical and Electronic Engineers)

31 10BASE 5 Taxa de 10 Mbps Banda base Alcance de 500 m Cabo Thicknet ( coaxial grosso ) Conectores BNC, BNC T e terminadores BNC

32 Padrões IEEE ( Institute of Electrical and Electronic Engineers) 10BASE T Taxa de 10 Mbps Banda base Alcance de 100 m Cabo par trançado não blindado (UTP) Conector RJ45

33 Padrões IEEE ( Institute of Electrical and Electronic Engineers) 10BASE FL Taxa de 10 Mbps Banda base Alcance de 2000 m Fibra óptica multimodo 62,5  m/125  m. Conector ST

34 Padrões IEEE ( Institute of Electrical and Electronic Engineers) 10BASE FL

35 Padrões IEEE ( Institute of Electrical and Electronic Engineers) IEEE 802.3u – Padrão Fast Ethernet. Usa topologia lógica em barramento, método de acesso CSMA/CD, velocidades de 100 Mbps, usa cabos UTP e fibras. 100BASE T4 ( cabo UTP de 4 pares, categorias 3,4 e 5 ) – Não usado 100BASE T2 – Usa dois pares de cabo categoria 3 – Não usado

36 Padrões IEEE ( Institute of Electrical and Electronic Engineers) 100BASE TX Taxa de 100 Mbps Banda base Alcance de 100 m Cabo par trançado não blindado (UTP) Conector RJ45

37 Padrões IEEE ( Institute of Electrical and Electronic Engineers) 100BASE FX Taxa de 100 Mbps Banda base Alcance de 2000 m monomodo e 3000 m multimodo Fibra óptica monomodo e multimodo Conector ST ou MIC

38 Padrões IEEE ( Institute of Electrical and Electronic Engineers) IEEE 802.3ab e IEEE 802.3z– Padrão Gigabit Ethernet. Usa topologia lógica em barramento, método de acesso CSMA/CD, velocidades de 1000 Mbps, usa cabos UTP (802.3ab) e fibras (802.3z). Trabalho 1 em equipe de 3 alunos no máximo. Entrega dia 14/06 Descrever padrões físicos para redes Gigabit Ethernet : 1000BASE SX, 1000BASE LX, 1000BASE CX e 1000BASE T

39 Meios de transmissão guiados Par trançado Tipos UTP – Par trançado não-blindado Classificação EIA/TIA / Categorias Veremos em detalhes quando estivermos estudando as normas 568.

40 Padronização do cabeamento Motivações... Meios físicos possuem propriedades distintas Necessidade de usar o cabeamento mais adequado a cada cenário, tecnologia,... O projeto de cabeamento é um ponto vital para o projeto de uma rede Cabeamento para várias gerações de redes – cerca de 15 anos!!! Mais de 70% dos problemas de redes envolvem o cabeamento

41 Benefícios da padronização Maior suporte um ambiente aberto Redução/eliminação de problemas ocasionados pela falta de compatibilidade de produtos Possibilidade de uso de normas para o planejamento e instalação de sistemas de cabeamento em prédios comerciais, residenciais, escritórios,... Definição de critérios técnicos e de desempenho para aferir configurações de sistemas e aterramento Especificação de padrões para documentação e administração dos projetos de cabeamento,...

42 Organizações de padronização Internacionais EIA Electronic Industries Association TIA Telecommunications Industries Association IEEE Institute of Electrical and Electronics Engineers ISO International Organization for Standardization IEC International Electrotechnical Comission ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Brasil

43 Cabeamento estruturado Um conjunto de opções para projeto e instalação adequada de cabeamento de uma rede Em conjunto com a padronização do cabeamento Aumenta o tempo de vida de projetos de cabeamento Melhora o processo de aquisição de cabos Dá suporte integrado a tráfego multimídia


Carregar ppt "Redes de Computadores II Curso Subsequente: Redes de Computadores Turma: 2.403.1N José de Ribamar Silva Oliveira"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google