A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Catástrofes Naturais Ciências Naturais 08/09. Ao longos deste trabalho vamos apresentar os vários tipos de Catástrofes Naturais existentes no nosso planeta.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Catástrofes Naturais Ciências Naturais 08/09. Ao longos deste trabalho vamos apresentar os vários tipos de Catástrofes Naturais existentes no nosso planeta."— Transcrição da apresentação:

1 Catástrofes Naturais Ciências Naturais 08/09

2 Ao longos deste trabalho vamos apresentar os vários tipos de Catástrofes Naturais existentes no nosso planeta. Durante este trabalho vão verificar que existem inúmeros tipos de Catástrofes. Espero que aprendam e tenham a noção do poder da Natureza.

3 São fenómenos da Natureza que geralmente provocam grande destruição material e perda de vidas humanas, havendo algumas que também alteram a superfície terrestre.

4 Aluimentos; Avalanches; Inundações; Ciclone; Erupção; Furacões; Maremotos; Secas Prolongadas; Sismos; Tempestades Tropicais; Vagas de Frio e de Calor; Vulcões.

5 Aqui vamos nós!

6

7 Fenómenos Geológicos que incluem um largo espectro de movimentos do solo, tais como as quedas de rochas, falência de encostas em profundidade e fluxos superficiais de detritos.

8 Os seres vivos podem ficar sub-terrados; Os edifícios ficam destruídos; Provoca a destruição dos Ecossistemas.

9 Existem duas formas: A primeira é repondo a vegetação para que a água que desce pelas encostas das montanhas perca a velocidade ou infiltre no solo. A segunda, mais segura, é construir terraços em forma de degraus afim de proteger o solo da acção das águas pluviais.

10

11 As avalanches são deslocamentos rápidos e violentos de massas de neve que se precipitam das encostas das montanhas descendo a uma velocidade incrível, arrastando tudo a sua passagem, casas, florestas, fragmentos de rochas.

12 Existem três tipos de avalanches: De neve húmida De neve recente De placa

13 Casas destruídas; Pavimentos cobertos de neve; Mortes; Acumulação de neve numa determinada zona.

14 Não existe nenhumas forma de evitar as avalanches, mas sim de evitar as suas consequências.

15

16 Resultado de uma grande tempestade que deixa cair uma chuva que não foi suficientemente absorvida pelo solo e outras formas de escoamento, causando transbordamentos.

17 Estradas cheias de água; Entupimento de canos e dos córregos; Casas inundadas; Perda de bens devido às habitações inundadas. Provoca a destruição dos Ecossistemas.

18 Evitar o entupimento dos córregos; Limpar e desobstruir os leitos de cheia e desimpedir a foz dos rios com regularidade; Construir barragens; Proteger as margens dos rios com diques, canais e a foz contra as invasões do mar; Reflorestar as áreas onde o escoamento superficial é mais intenso. Acatar as orientações da protecção civil e dos bombeiros. Como minimizar as consequências das inundações

19

20 Um ciclone é uma região em que o ar relativamente quente eleva-se e favorece a formação de nuvens e precipitação. Por isso, tempo nublado, chuva e vento forte estão normalmente associados a centros pressões. A instabilidade do ar produz um grande desenvolvimento de nuvens associadas a cargas de água.

21 Casas destruídas; Mortes; Perda de bens. Provoca a destruição dos Ecossistemas.

22 É possível prever um ciclone a partir dos mapas meteorológicos. Informar os cidadãos dos local para abandonarem as suas habitações, evitando assim mais mortes. Proteger os bens

23

24 Erupções são um fenómeno da Natureza geralmente associado à extravasação do magma de regiões profundas da Terra na superfície do planeta.

25 Mortes; Perda de habitações; Perda de bens pessoais; Queima da floresta. Destruição dos ecossistemas

26 Não existe forma de evitar. Acatar as orientações dos geólogos e da protecção civil quando está eminente uma erupção.

27

28 Furacões são ciclones tropicais que ocorrem mais no Oceano Atlântico e alastra-se no Oceano Pacífico Central. Os seus ventos ciclónicos podem atingir os 120 km. Os furacões começam no mar e acabam na terra fazendo destruições na terra.

29 Mortes repentinas; Destruição de cidades; Perda de bens e de habitações.

30 Construir estruturas que resistam às condições extremas de um furacão; Avisar a população antes da tempestade invadir a terra; Evitar a urbanização excessiva; Aumentar as áreas naturais de prado e floresta ao longo das margens do rio. Acatar as orientações da protecção civil e dos bombeiros Como minimizar as consequências dos furacões

31 O furacão Katrina, em Agosto de 2005, levou tudo o que encontrava em Nova Orleães (EUA). Deixou 3 milhões de pessoas desalojadas. Imagem de Satélite do Furacão Katrina Nova Orleães

32 Neste caso foi com o furacão Wilma que devastou as costas da Florida e do México, em Outubro de Este furacão foi o mais violento que houve. Imagem de Satélite do Furacão Wilma

33

34 Ondas gigantescas causadas por um sismo no Oceano. O sismo leva para baixo e para cima assim chegando ao oceano. Pode ter apenas 30 metros no princípio, mas quando chega á costa pode ter 30 metros. Um maremoto também pode ser chamado cientificamente pelo seu nome japonês: tsunami.

35 Mortes; Perda de bens e de habitações; Inundações de toda a costa existente no local. Destruição dos ecossistemas

36 Não existe grande forma de evitar um maremoto, mas pode-se prevenir, evitando as suas consequências. Tomar conhecimento sobre a geologia do local. Após a ocorrência de um sismo, afastar-se da costa. Acatar as indicações da protecção civil e dos bombeiros. Como minimizar as consequências das maremotos

37

38 As secas caracterizam-se por valores de precipitação anormalmente baixos, durante um período de tempo mais ou menos prolongado, instalando-se gradualmente numa região.

39 Falta de água potável e para a agricultura Falta de alimentos;. Diminuição da vegetação Mortes de animais incluindo seres humanos Aumento do CO2 e diminuição do oxigénio Aumenta o aquecimento global

40 Poupar água Evitar a poluição da água Evitar a poluição atmosférica Acatar as orientações da protecção civil e dos bombeiros.

41 No Alentejo, em 2005, a Barragem das Pedreiras chegou a ficar sem água chegando assim ao solo ficar seco. O Alentejo é a região de Portugal com maior ameaça pela desertificação.

42

43 Ruptura brusca da crusta terrestre, esta faz vibrar e tremer a terra.

44 Perde de bens e de habitações; Mortes de corpos soterrados; Isolamento.

45 Apesar dos progressos, é impossível determinar, com exactidão, a ocorrência de um sismo. - estudo geológico dos terrenos; - construções anti-sísmicas; - formação do pessoal; - planos de evacuação; - educação da população. Como minimizar as consequências das maremotos

46

47 No dia 12 de Julho de 1993, na China, após um sismo, a propagação de ondas nas estradas de Rayleigh provoca ondulações na estrada.

48

49 Tempestades tropicais, acontece quando a temperatura no local está alta e começam a existir tempestades.

50 Mortes; Perda de bens. Inundações

51 Não existe forma de evitar uma tempestade tropical, o melhor mesmo é refugiar-se dentro de Casa até a temperatura voltar ao normal. Acatar as ordem da protecção civil e bombeiros Abandonar o local se forem avisados atempadamente

52

53 Durante alguns dias a temperatura, em alguns países, é negativa. A temperatura não aquece com alguma ajuda do sol e não sobe. Então a isso chamamos uma vaga de Frio.

54 Mortes de hipotermia; Perda de campos de cultivação; Isolamento; Perda de alguns bens para nos conseguirmos manter- nos vivos (água, legumes, peixe, carne).

55 É um pouco difícil evitar uma vaga de frio ou de calor, seja qual ela for. Acatar as ordem da protecção civil e bombeiros

56 Uma vaga de calor é o contrário de uma vaga de frio. Durante alguns dias a temperatura, em alguns países, é muito excessiva. A temperatura fica muito alta e causa alguns problemas de saúde.

57 Mortes; Perda de campos de cultivação; Falta de alimentos; Falta de água; Perda de alimentos (carnes, peixes, legumes, etc.).

58 A melhor forma de evitar é não desperdiçar a água, se nesse caso não for possível, o melhor mesmo é fugir do local e manter-se num local com temperaturas razoáveis. Acatar as ordem da protecção civil e bombeiros

59 …Perto do Pólo Sul, no Inverno, a temperatura desceu até 88ºC abaixo de zero. Esta foi a temperatura mais baixa até agora registada. …O local que registou a temperatura mais alta até agora foi no Norte de África, na Líbia em 1992, a temperatura foi os 58ºC.

60 Com este trabalho podemos concluir que todas as Catástrofes Naturais podem levar à morte e temos que estar preparados quando menos esperarmos. Em todas as catástrofes, o melhor mesmo, é tentar fugir para outros locais e levar alguns bens necessários consigocaso tenha tempo. Acatar as ordem da protecção civil e bombeiros, que são difundidos pelos órgãos de comunicação social.

61 O grande livro de perguntas e respostas de Charlie Brown Diciopédia 2008

62 Lucas Barros, nº14 8ºB Luís Silva, nº15 8ºB Pedro Teodoro, nº17 8ºB Sílvia Martins, nº18 8ºB


Carregar ppt "Catástrofes Naturais Ciências Naturais 08/09. Ao longos deste trabalho vamos apresentar os vários tipos de Catástrofes Naturais existentes no nosso planeta."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google