A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO CONFERÊNCIA Dr. Antonio Jesus Viana de Pinho.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO CONFERÊNCIA Dr. Antonio Jesus Viana de Pinho."— Transcrição da apresentação:

1

2 ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO CONFERÊNCIA Dr. Antonio Jesus Viana de Pinho

3 Conceito Qualquer alteração na dinâmica vascular que cause dano, em qualquer grau, ao tecido nervoso encefálico

4 Classificação Podem ser: 1) Isquêmicos: Quando resultam da parada da corrente sanguínea. 2) Hemorrágicos: Quando decorrem do rompimento vascular

5 1) Acidentes Vasculares Isquêmicos Podem ser: - Embólicos. - Trombóticos. - Isquemia Cerebral Transitória.

6 Acidentes Vasculares Embólicos Resultam de fragmentos de coágulo sanguíneo, tumor, gordura ou substância estranha como o ar, que se deslocando na corrente sanguínea, tem parada em alguma arteríola.

7 Acidentes Vasculares Trombóticos Provocados por coagulação dos elementos próprios do sangue, dentro de uma artéria ou arteríola, geralmente de origem arterioesclerótica. 42% na art. Cerebral anterior, 28% na cerebral média, 27% na cerebral posterior e 27% no sistema vértebro-basilar.

8 Isquemia Cerebral Transitória Pequenas e passageiras interrupções do fluxo sanguíneo provocado por micro- êmbolos gerados nas placas arterioescleróticas de localização aorto- cranianas. Ocorre também, na hipertensão arterial prolongada e na hipotensão.

9 2) Acidentes Vasculares Hemorrágicos Dependendo do local do vaso rompido podem ser: - Sub-aracnoideo. - Intra-parenquimatoso. - Intra-ventricular.

10 Hemorragia Sub-aracnoidea O sangue mistura-se ao líquor e não forma hematoma. 51% por aneurismas, 8% por mal- formações artério-venosas. 70% dos casos o fator precipitante é a hipertensão arterial.

11

12 Hemorragia Intra-parenquimatosa Quando a hemorragia ocorre dentro do tecido nervoso. Sempre há formação de hematoma. Leva o nome da região afetada. As lesões resultam da isquemia, do edema e do acúmulo de sangue que age como tumor, aumentando a pressão intra-craniana.

13 Hemorragia Intra-ventricular Quando rompe dentro de um ventrículo ou evolua de uma intra-parenquimatosa. Os mais comuns são os da cápsula interna que rompem para o III ventrículo. Uma parte do sangue pode ficar dentro da cavidade ventricular

14 Ataques Isquêmicos Transitórios (AIT) Pré-existem fatores de risco. Quadro de início agudo com déficit neurológico. Desaparecimento do déficit dentro de 24 horas.

15 Causas De AIT Doença cardíaca reumática, Disfunção da válvula mitral, Arritmia cardíaca, Endocardite infecciosa, Mixoma atrial, Trombos de parede cardíaca, Placas ateromatosas ulceradas, Displasia fibromuscular da carótida cervical, Arterite de células gigantes, Lupus eritematoso sistêmico, Poliarterite e angeite granulomatosa, Sífilis, Hipotensão, Policitemia, Anemia falciforme, Síndrome da hiperviscosidade, Anemia severa, Síndrome do rouboda subclávia.

16 Exames Para-clínicos I, na AIT Angiografia: Demonstra as patologias das artérias encefálicas (arterioesclerose). Ultrassonografia carotídea e vertebral: Demonstra estenoses das Art. Carótidas e vertebrais. TC e RM: Mostram zonas isquêmicas lacunares.

17 Exames Para-clínicos II, na AIT Para detectar: - Cardiopatias, - Hipertensão arterial, - Hemopatias, - Hiperlipemias, - Doenças vasculares periféricas, - Lues, etc.

18 Diagnóstico diferencial, na AIT Crises convulsivas. Crises de enxaqueca. Hipoglicemia.

19 Tratamento na AIT Tromboendarterectomia carotídea. Tratar as doenças coadjuvantes. Anticoagulantes. AAS 325 mg/dia. Dipiridamol. Ticlopina e outros inibidores da agregação plaquetária.

20 Infarto cerebral É o resultado da oclusão embólica ou trombótica de uma vaso encefálico. As causas já foram referidas quando da AIT.

21 Sinais Positivos do AVC Síndromes arteriais: - Art. Carótida Interna. - Art. Cerebral Média. - Art. Cerebral Anterior. - Art. Cerebral Posterior. - Art. Basilar. - Etc.

22 Síndrome da Carótida Interna Formada por: - Hemiplegia contra-lateral. - Hemianestesia contra-lateral. - Afasia (hemisfério dominante).

23 Síndrome da Artéria Cerebral Anterior Formada por: - Hemiplegia desproporcionada com predominância em membro inferior, contra-lateral. - Anestesia na mesma forma. - Pode somar-se o reflexo de preensão contra-lateral, rigidez, paratonia, falta de iniciativa ou confusão franca.

24 Síndrome do Tronco Da Artéria Cerebral Média Causa: - Manifestações clínicas semelhantes às da artéria carótida interna.

25 Síndrome Dos Ramos Anteriores Da Cerebral Média Hemiplegia desproporcionada com predomínio no membro superior, contra- lateral. Hemianestesia de forma semelhante. Disfasia de expressão (hemisfério dominante)

26 Síndrome Dos Ramos Posteriores Da Cerebral Média Afasia sensitiva (Wernicke) (em hemisfério dominante). Estado confusional e apraxia ao vestir, déficits construcionais e espaciais (em hemisfério não dominante) Hemianopsia homônima.

27 Síndrome Tronco Da Artéria Cerebral Posterior É a síndrome talâmica: - Hemianestesia contra-lateral. - Dor espontânea. - Hiperpatia. - Hemiparesia reversível, discreta hemianopsia, movimentos coreo-atetósicos,, alexia, hemiataxia.

28 Síndrome Dos Ramos calcarinos Mostra: - Hemianopsia homônima.

29 Síndrome dos ramos tálamo- perfurantes Mostra: - Movimentos córeo-atetósicos. - Sensibilidades pouco atingidas.

30 Síndromes Dos Ramos Destinados Aos Pedúnculos Cerebrais De Weber. De Benedikt. De Claude. De Chiary, Foix e Nicolesco.

31 Síndrome do início da Artéria vertebral Mostra: - Silêncio clínico. Circulação mantida pela outra vertebral.

32 Síndrome Das Artérias Paramedianas Pequenas Mostra: - Hemiplegia contralateral. - Déficit sensorial ipsilateral. - Paralisia de nervo craniano ipsilateral.

33 Síndrome Da Artéria Cerebelar Inferior Posterior - Hemiplegia contralateral. - Hipoestesia de face ipsilateral (5). - Paresia do palato mole:disfagia (9). - Paresia da corda vocal: disartria (10). - Ataxia dos membros. - Claude Bernard-Horner. - Hipoestesia do corpo, contralateral.

34 Síndrome de Artéria Basilar Ou de ambas artérias vertebrais, leva: - Coma. - Pupilas puntiformes. - tetraplegia flácida. - Anestesia corpo. - Anormalidades dos nervos cranianos.

35 Síndrome de Artéria Cerebelar Superior Mostra: - Vertigens, náuseas, vômitos, nistagmo, ataxia de membro ipsilateral, anestesia contralateral do corpo e da face.

36 Síndrome da Artéria Cerebelar Inferior Anterior Mostra: - Vertigens, náuseas, vômitos, nistagmo, ataxia de membro ipsilateral, anestesia contralateral do corpo e ipsilateral da face, fraqueza facial e surdez.

37 Exames Para-clínicos, na Trombose Angiografia: mostra as tromboses. TC e RM mostra as zonas de infarto. Os demais exames usados para AIT.

38 Tratamento da Trombose Heparinização. Ativador do plasminogênio tissular. Hipotensores (com cuidado) Nimodipina. Fisioterapia

39 Hemorragia Intra-parenquimatosa (H.I.V.) Consideraremos: - A cápsulo-lenticular. - A de tronco. - A cerebelar.

40 Hemorragia cápsulo-lenticular - Icto com coma profundo. - Cefaléia forte, náuseas, vômitos. - convulsões. - Hemiplegia contra-lateral. - Paralisia facial central. - Desvio conjugado dos olhos para o lado da lesão. - Midríase homolateral.

41 Hemorragia de tronco Dão as síndromes de tronco. Geralmente são graves. Evoluem facilmente à morte.

42 Hemorragia Cerebelar - Icto. - Sinais de hipertensão intracraniana aguda (cefaléia, vômitos incoercíveis e edema de papila). - Sinais cerebelares mais tarde.

43 Exames Para-clínicos, na H.I.V. TC ou RM: mostra a zona de derrame e de edema. Angiografia: mostra as malformações. Provas de coagulabilidade.

44 Tratamento na H.I.V. De suporte. Cirurgia, nas que causarem hipertensão intracraniana.

45 Hemorragia Sub-aracnoidea (H.S.A.) Cefaléia repentina e severa. Perda transitória ou progressiva da consciência. Sinais de irritação meningéia.

46 Exames Para-clínicos na H.S.A. TC ou RM: mostra o sangue no espaço subaracnoideo. Punção lombar após. Angiografia: mostra as malformações.

47 Tratamento na H.S.A. De suporte. Hipotensores suaves. Analgésicos. Ansiolíticos. Fenitoina (prevenir convulsões). Cirurgia: para as malformações.

48 Aneurismas Comprimem estruturas (Ex: 3 par). Provocam espasmos arteriais ( 4 a 14 dias após a ruptura). Os espasmos levam a isquemias. O sangue pode levar a hidrocefalia. Usar a Nimodipina (para o espasmo). Tratar com cirurgia.

49 Angiomas São congênitos. Causam gliose pós isquêmica. Causam compressão ou deformação do tecido nervoso. Pode levar a uma hidrocefalia obstrutiva.

50 Clinica dos Angiomas Hemorragia (30 a 60%). Epilepsia (20 a 40%). Cefaléia e outros. Visíveis na TC, RM e Angiografia. Tratamento cirúrgico ou embolização. Usar fenitoina.

51 Trombose Venosa Causa HIC, convulsões, sonolência. A TC, RM e Angiografia mostram. Trata-se com anticonvulsivantes, drogas anti-edema cerebral e anticoagulantes (heparina).

52 Infarto Medular Na região da A. Espinhal Anterior. Mostra paraplegia aguda. Perda da temperatura e dor e mantém a vibração e propriocepção consciente. Tratamento sintomático.

53 Angiomas Medulares Causam hemorragia. Podem provocar tetraplegia ou paraplegia e anestesia inferior. Aparece na mielografia e na Angiografia medular. Tratamento cirúrgico.

54 Hemorragia Sub Ou Epidural Súbita dor nas costas. Sinais de compressão medular (tetraplegia ou paraplegia) Visto na mielografia. Tratamento cirúrgico.

55 Regiões Vascularizadas Pelas Três Artérias Cerebrais


Carregar ppt "ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO CONFERÊNCIA Dr. Antonio Jesus Viana de Pinho."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google