A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Direito da Economia 3 2012/13 A Constituição Económica Europeia.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Direito da Economia 3 2012/13 A Constituição Económica Europeia."— Transcrição da apresentação:

1 Direito da Economia /13 A Constituição Económica Europeia

2 Objectivos: desenvolvimento harmonioso das actividades económicas na CE; expansão económica contínua e equilibrada; estabilidade acrescida; elevação do nível de vida; desenvolvimento de relações estreitas entre os Estados Instrumentos: mercado comum; aproximação das políticas económicas dos EM; UEM Princípios: legalidade, igualdade, não discriminação, concorrência, liberdade económica, princípio social, solidariedade; subsdiariedade. 2

3 3 A Constituição Económica europeia: evolução Tratado de Roma, integração pelos mercados (produtos, capitais, trabalho; liberdade de estabelecimento das empresas).. Acto Único Europeu, 1986 – criação do mercado único; política de coesão social; política de I&D; política de ambiente. Tratado da União Europeia, Maastricht, 1992 – União Económica e Monetária (UEM) Tratado de Amesterdão, 1996 – BCE; PESC Tratado de Nice, 2001 Tratado de Lisboa (TUE, TFUE), 2010

4 4 A dinâmica da Constituição económica europeia Regulamentos, directivas, decisões O papel da Comissão e do Tribunal de Justiça (princípios do primado do dc; o mecanismo do spill over; a cláusula de flexibilidade-art. 308.º, hoje 352.ºTFUE) A perda de autonomia dos Estados-membros em matéria de política económica e de direito económico

5 Artigo 2.º TUE A União funda-se nos valores do respeito pela dignidade humana, da liberdade, da democracia, da igualdade, do Estado de direito e do respeito pelos direitos do Homem, incluindo os direitos das pessoas pertencentes a minorias. Estes valores são comuns aos Estados-Membros, numa sociedade caracterizada pelo pluralismo, a não discriminação, a tolerância, a justiça, a solidariedade e a igualdade entre homens e mulheres.

6 Artigo 3.º TUE (ex. art. 2.º TCE) 1. A União tem por objectivo promover a paz, os seus valores e o bem- estar dos seus povos. 2. A União proporciona aos seus cidadãos um espaço de liberdade, segurança e justiça sem fronteiras internas, em que seja assegurada a livre circulação de pessoas, em conjugação com medidas adequadas em matéria de controlos na fronteira externa, de asilo e imigração, bem como de prevenção da criminalidade e combate a este fenómeno. 3. A União estabelece um mercado interno. Empenha-se no desenvolvimento sustentável da Europa, assente num crescimento económico equilibrado e na estabilidade dos preços, numa economia social de mercado altamente competitiva que tenha como meta o pleno emprego e o progresso social, e num elevado nível de protecção e de melhoramento da qualidade do ambiente. A União fomenta o progresso científico e tecnológico. A União combate a exclusão social e as discriminações…

7 Artigo 5.º TUE (ex-art. 5.º TCE) 1. A delimitação das competências da União rege-se pelo princípio da atribuição. O exercício das competências da União rege-se pelos princípios da subsidiariedade e da proporcionalidade. 2.Em virtude do princípio da atribuição, a União actua unicamente dentro dos limites das competências que os Estados-Membros lhe tenham atribuído nos Tratados para alcançar os objectivos fixados por estes últimos. As competências que não sejam atribuídas à União nos Tratados pertencem aos Estados-Membros.

8 8 A Constituição Económica europeia: que modelo? Um modelo liberal? Só parcialmente: O mercado europeu é um mercado regulado, caracterizado mais por um laisser-passer do que por um laissez-faire (regulação da concorrência; ambiente; consumo) As políticas económicas/financeiras e sociais: UEM; coesão (fundos estruturais) implicam uma governação económica de pendor por vezes dirigista e proteccionista. A neutralidade a respeito do regime da propriedade (Artigo 295.º TCE, hoje 345.º TFUE). Os Tratados em nada prejudicam o regime da propriedade nos Estados-Membros.

9 Efeitos da Constituição europeia sobre a Constituição portuguesa (1) Integração pelo mercado – liberalização da circulação de factores de produção (integração negativa) Integração de políticas – regulação por meio da coordenação das políticas económicas e monetárias e da harmonização de políticas de ambiente, saúde, segurança, etc. (integração positiva) 9

10 Integração pelo mercado União aduaneira: abolição de direitos e de contingentes Da liberdade de circulação de trabalhadores à de pessoas (cidadania da União) Liberdade de estabelecimento: trab. independentes, profissões liberais; empresas (estabelecimento principal e secundário) Obstáculos não pautais: Barreiras físicas Exigências sanitárias Dificuldade de transportes Barreiras técnicas diferenças da normalização; mercados públicos; ajudas de Estado; fiscais. Liberdade de circulação de capitais

11 Integração de políticas Na origem: as políticas comuns e as políticas coordenadas AUE: novas políticas Tratado UE/TFUE: reforço da integração de políticas financeiras e orçamentais económicas – a moeda única e o BCE Controlo de políticas orçamentais nacionais para evitar défices excessivos (+ 3% PIB) e dívidas públicas>60% PIB) Do Pacto de Estabilidade e de Crescimento ao Tratado Orçamental Políticas nos domínios da agricultura, dos transportes, do comércio com países terceiros

12 12 Novas tendências: a Comunidade Europeia como estado regulador Porquê o súbito (e tardio) crescimento na Europa doestado regulador (Majone,1996)? A tradição europeia e a influência americana As políticas de privatização e de liberalização Do Estado- providência eKeynesiano ao Estado regulador.

13 Efeitos da Constituição europeia sobre a Constituição portuguesa (2) Impulso liberalizador (da propriedade e da iniciativa económica) Desmantelamento de monopólios públicos (ex. telecomunicações, energia); restrições às golden shares Restrições dos auxílios estatais Regulação do Mercado Interno (regras anti-trust) Impulso regulatório Harmonização das condições de acesso a certas profissões Regras em matéria de ambiente; consumo; saúde e segurança laborais; mercado da informação. 13 Limitação da autonomia económica do Estado

14 14 Efeitos da Constituição europeia sobre a Constituição portuguesa (3) A liberdade de estabelecimento das empresas no mercado interno > efeitos sobre o regime interno do investimento estrangeiro A proibição dos auxílios estatais > limitação da função do Estado promotor O regime dos serviços de interesse económico geral (serviços públicos) > sujeição às regras da concorrência Os critérios de convergência económica > esvaziamento dos principais instrumentos da política económica (política cambial; política económica)

15 Artigo 6.º 1.A União reconhece os direitos, as liberdades e os princípios enunciados na Carta dos Direitos Fundamentais da União Europeia, de 7 de Dezembro de 2000, com as adaptações que lhe foram introduzidas em 12 de Dezembro de 2007, em Estrasburgo, e que tem o mesmo valor jurídico que os Tratados.


Carregar ppt "Direito da Economia 3 2012/13 A Constituição Económica Europeia."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google