A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Porquê estudar a imunologia? As doenças infecciosassão ainda um grave problema Estudo de mecanismos de patogenecidade Desenvolvimento de vacinas Doenças.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Porquê estudar a imunologia? As doenças infecciosassão ainda um grave problema Estudo de mecanismos de patogenecidade Desenvolvimento de vacinas Doenças."— Transcrição da apresentação:

1 Porquê estudar a imunologia? As doenças infecciosassão ainda um grave problema Estudo de mecanismos de patogenecidade Desenvolvimento de vacinas Doenças causadas por anomalias do sistema imunológico ALERGIA: Respostas imunológicas a agentes inócuos: ex. ASTHMA AUTOIMUNIDADE: Imunidade contra si próprio: ex. ESCLEROSE MULTIPLA Rejeição de transplantes: Respostas imunológicas a TRANSPLANTES IMUNODEFICIENCIA: Defeitos da resposta imunológica: ex. SCID Manipulação do S.I. Para tratar doenças IMUNOSUPRESSÃO: Tratamento de doenças imunológicas IMUNOREGULAÇÃO: Intervenções imunoterapêuticas

2 O Sistema Imunológico O estudo da imunologia começou com a observação que quem recuperava de uma infecção ficava imune a essa infecção para a vida Edward Jenner (1796) Descoberta da imunidade Cock Descoberta dos microorganismos Louis Pasteur (década de 1880) Perda de virulência permite que as vacinas funcionem Behring & Kitasato Imunidade transferida por substâncias do soro a que chamaram anticorpos

3 History & impact of immunology on human health 200 years after Jenner WHO announce smallpox eradicated Countries with more than one smallpox case per month Jenner Vaccination 1600 Jansen Microscope Müller Bacteria Kochs Postulates Metchnikoff Phagocytosis Wright Antisera Kohler & Milstein Monoclonal Abs 1955 Miller T cells

4 Características da resposta Imunológica Capacidade de reconhecimento muito abrangente Capacidade de reconhecer mais de 1,000,000,000 de estruturas Resposta muito destrutiva O S.I. Desenvolveu formas de distinguir o próprio do estranho Resposta específica Antigénios (agente capaz de desencadear uma resposta imunol.) Determinantes e epítopes Haptenos Moléculas demasiado pequenas para serem bons antigénios Podem ser bons antigénios se ligados a uma molécula transportadora Penicilina e outras drogas podem comportar-se como haptenos

5 Características da resposta Imunológica (II) Características de antigénios capazes de provocar uma resposta imunológica forte Estranhos ao organismo Grandes Compostos de proteínas, açucares, lípidos ou ácidos nucleicos Organ. vivos dão respostas mais fortes que org.mortos Com multiplos epitopes Estruturas da superfície celular

6 Características da resposta Imunológica (III) Memória Na 2ª exposição e posteriores a resposta é mais intensa e rápida Resposta auto-limitada A resposta pára com a eliminação do agente causador As células imunológicas ficam num estado de alerta/dormente A resposta imunológica tem mecanismos de feedback activo

7

8

9 Características da resposta Imunológica (IV) Resposta auto-limitada A resposta pára com a eliminação do agente causador As células imunológicas ficam num estado de alerta/dormente A resposta imunológica tem mecanismos de feedback activo

10 Aspectos Gerais do S.I. Resposta Inata e Adaptativa Anatomia do S.I. Tipos celulares do S.I. Componentes serológicos do S.I. Inter-regulação da Resposta Imunológica

11 Tipos de resposta imunológica Inata Não requer exposição prévia ao organismo; presente desde o nascimento Não é específica para o Antigénio Intensidade não varia c/ o numero de exposições; Não tem memória Usa componentes celulares e humoriais Pele Membranas mucosas Cilios Barreiras de pH Lisosima Fagocitose Complemento Está activamente envolvida na resposta adaptativa Adquirida Desenvolve-se durante a vida do indivíduo Principio da aprendizagem por experiência Confere imunidade específica Tem memória Pouco eficaz sem a resposta inata Usa componentes celulares e humoriais Imunidade activa (resulta da fisiologia activa do s.I. do próprio) Imunidade passiva (transferência de anticorpos entre pessoas) Os anticorpos circulantes refletem as infecções a que um determinado indivíduo esteve sujeito- possibilidade de diagnóstico da infecção

12 Skin & Mucous membranes rapidly regenerating surfaces, peristaltic movement, mucociliary escalator, vomiting, flow of urine/tears, coughing Cellular and humoral defences lysosyme, sebaceous/mucous secretions, stomach acid, commensal organisms,complement proteins, phagocytosis, NK cells Invasão & infecção Barreiras Físicas Imunidade Inata Imunidade Adaptativa + + Inflamação Cellular and humoral defences Antibodies, cytokines, T helper cells, cytotoxic T cells Respostas Imunológicas

13 Tipos de agentes patogénicos

14 Aspectos Gerais do S.I. Resposta Inata e Adaptativa Anatomia do S.I. Tipos celulares do S.I. Componentes serológicos do S.I. Inter-regulação da Resposta Imunológica

15 Órgãos linfóides secundários: Nódulos linfáticos Baço Tecido linfóide associado às mucosas Activação de linfócitos T e B Sequestramento de antigénios Tecidos organizados onde as células linfóides interagem com células não linfóides Órgãos linfóides centrais: Locais de amadurecimento celular Órgãos linfóides secundários: Locais de iniciação da resposta adaptativa Órgãos linfóides centrais: TIMO – amadurecimento de linfócitos T Medula óssea (bone marrow) – amadurecimento de linfócitos B Órgãos Linfóides

16 Anatomia geral do S.I.

17

18

19

20

21

22 Paracortical (T cell) area 5. Medullary cords (Macrophage & plasma cell area) Medullary sinus 6. Efferent lymphatic vessel Artery Vein 4. Germinal centre (site of intense B cell proliferation) 3. Secondary lymphoid follicle 2. Primary Lymphoid follicle (B cell area) 1. Afferent lymphatic vessel. Lymph, cells & Ag drained from tissues enters here Lymph node Visualizar

23

24

25

26 Red pulp Marginal zone Marginal sinus B cell corona Germinal centre Periarteriolar lymphocytic sheath (PALS) – T cell area Central arteriole Spleen white pulp Transverse section

27

28

29

30 Aspectos Gerais do S.I. Resposta Inata e Adaptativa Anatomia do S.I. Tipos celulares do S.I. Componentes serológicos do S.I. Inter-regulação da Resposta Imunológica

31 Cells Of The Immune System Pluripotent haemopoietic stem cell Common lymphoid progenitor Myeloid progenitor Macrophage Monocyte Neutrophil PMN Eosinophil Basophil Mast cell Phagocytosis Ag presentation Phagocytic Anti-bacterial Anti-parasite immunity ?Protection of mucosal surfaces? Protection of mucosal surfaces Lymphocyte Adaptive immunity

32 Lymphocyte subsets Activate B cells and macrophages T HELPER CELLS Th Kill virus- infected cells CYTOTOXIC T LYMPHOCYTES CTL Produce antibodies PLASMA CELLS PC T B T CELLS B CELLS CLP Common lymphoid precursor

33 fagocitose

34

35

36

37

38

39

40

41

42

43 Aspectos Gerais do S.I. Resposta Inata e Adaptativa Anatomia do S.I. Tipos celulares do S.I. Componentes serológicos do S.I. Inter-regulação da Resposta Imunológica

44

45

46

47 Outros componentes humorais Sistema do complemento Citoquinas Actuam a curta distância Efeito depende do tipo celular alvo Efeito final depende do cocktail de citoquinas a actuar na célula alvo

48 Aspectos Gerais do S.I. Resposta Inata e Adaptativa Anatomia do S.I. Tipos celulares do S.I. Componentes serológicos do S.I. Inter-regulação da Resposta Imunológica

49 Apresentação do Ag

50

51

52

53 Fagocitose mediada por Anticorpo

54 Actividade citotoxica

55 Auxilio Th M


Carregar ppt "Porquê estudar a imunologia? As doenças infecciosassão ainda um grave problema Estudo de mecanismos de patogenecidade Desenvolvimento de vacinas Doenças."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google