A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

PRESERVAÇÃO DIGITAL DE LONGO PRAZO Lurdes Saramago 25 de Novembro, 2002 Boas práticas Estratégias.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "PRESERVAÇÃO DIGITAL DE LONGO PRAZO Lurdes Saramago 25 de Novembro, 2002 Boas práticas Estratégias."— Transcrição da apresentação:

1 PRESERVAÇÃO DIGITAL DE LONGO PRAZO Lurdes Saramago 25 de Novembro, 2002 Boas práticas Estratégias

2 Lurdes Saramago - Preservação digital de longo prazo 2 OBJECTIVOS DA PRESERVAÇÃO DIGITAL Considera-se preservação digital de longo prazo o armazenamento, manutenção e acesso dos recursos digitais, usualmente consequência da aplicação de uma ou mais estratégias de preservação digital, incluindo a migração de dados ou a emulação tecnológica (Russel & Sergeant, 1999).

3 Lurdes Saramago - Preservação digital de longo prazo 3 OBJECTIVOS DA PRESERVAÇÃO DIGITAL Preservação da memória colectiva em suporte digital Acesso aos recursos digitais preservados

4 Lurdes Saramago - Preservação digital de longo prazo 4 CICLO DE VIDA DOS RECURSOS DIGITAIS Criação Selecção Localização persistente Descrição e identificação Depósito Preservação Acesso (Hodge, 2000)

5 Lurdes Saramago - Preservação digital de longo prazo 5 CICLO DE VIDA DOS RECURSOS DIGITAIS (Fase 1) CRIAÇÃO DOS RECURSOS – Envolvimento do criador (pessoa ou máquina) INCLUSÃO DE METADADOS

6 Lurdes Saramago - Preservação digital de longo prazo 6 CICLO DE VIDA DOS RECURSOS DIGITAIS (Fase 2) SELECÇÃO DOS RECURSOS – Decisão política Linhas orientadoras Ex.: Guidelines da Biblioteca Nacional da Austrália Guidelines da Biblioteca Nacional do Canadá

7 Lurdes Saramago - Preservação digital de longo prazo 7 CICLO DE VIDA DOS RECURSOS DIGITAIS (Fase 3) IDENTIFICAÇÃO PERSISTENTE Ex: – PURL – DOI Portugal - PURL

8 Lurdes Saramago - Preservação digital de longo prazo 8 CICLO DE VIDA DOS RECURSOS DIGITAIS (Fase 4) DESCRIÇÃO E IDENTIFICAÇÃO – Metadados separados dos recursos – Metadados embutidos nos recursos Interoperabilidade favorecida através de crosswalks entre os esquemas de metadados

9 Lurdes Saramago - Preservação digital de longo prazo 9 CICLO DE VIDA DOS RECURSOS DIGITAIS (Fase 5) DEPÓSITO DOS RECURSOS – Preferencialmente em bandas magnéticas e CDs REFRESCAMENTO de 2 em 2 ou de 5 em 5 anos

10 Lurdes Saramago - Preservação digital de longo prazo 10 CICLO DE VIDA DOS RECURSOS DIGITAIS (Fase 6) PRESERVAÇÃO e ACESSO – Conteúdo intelectual – Look and feel (forma, aspecto e características externas de usabilidade)

11 Lurdes Saramago - Preservação digital de longo prazo 11 LIMITAÇÕES DA PRESERVAÇÃO DE RECURSOS DIGITAIS – Obsolência do hardware e do software Não existe simultaneidade – Obsolência de SW mais rápida do que as de HW e de suporte – Devem ser encontradas estratégias

12 Lurdes Saramago - Preservação digital de longo prazo 12 ESTRATÉGIAS DE CONVERSÃO DOS DADOS Preservação tecnológica Impressão em papel Emulação Encapsulação Computador Virtual Universal (UVC) Migração XML

13 Lurdes Saramago - Preservação digital de longo prazo 13 ESTRATÉGIAS DE CONVERSÃO DOS DADOS Preservação tecnológica Impressão em papel Emulação Encapsulação Computador Virtual Universal (UVC) Migração XML Manter HW, SW Dispendioso Em uso em algumas organizações Risco de descontinuidade no fabricante Necessidade de manutenção de competências Em declínio Manter HW, SW Dispendioso Em uso em algumas organizações Risco de descontinuidade no fabricante Necessidade de manutenção de competências Em declínio

14 Lurdes Saramago - Preservação digital de longo prazo 14 ESTRATÉGIAS DE CONVERSÃO DOS DADOS Preservação tecnológica Emulação Encapsulação Computador Virtual Universal (UVC) Migração XML Impressão em papel Em uso. Incapacidade de preservar certas características (movimento, som, fórmulas, estruturas de informação,...) Inadequação a multimédia Em uso. Incapacidade de preservar certas características (movimento, som, fórmulas, estruturas de informação,...) Inadequação a multimédia

15 Lurdes Saramago - Preservação digital de longo prazo 15 ESTRATÉGIAS DE CONVERSÃO DOS DADOS Preservação tecnológica Impressão em papel Encapsulação Computador Virtual Universal (UVC) Migração XML Emulação Reprodução do ambiente original de criação do documento: Sistema Operativo e SW aplicacional. Nem sempre possível Reprodução do ambiente original de criação do documento: Sistema Operativo e SW aplicacional. Nem sempre possível

16 Lurdes Saramago - Preservação digital de longo prazo 16 ESTRATÉGIAS DE CONVERSÃO DOS DADOS Preservação tecnológica Impressão em papel Emulação Computador Virtual Universal (UVC) Migração XML Encapsulação Retenção do registo na sua forma original + conjunto de instruções sobre a sua interpretação (formatos de ficheiro e conteúdo da informação). Metadados de interpretação em XML, etc. Retenção do registo na sua forma original + conjunto de instruções sobre a sua interpretação (formatos de ficheiro e conteúdo da informação). Metadados de interpretação em XML, etc.

17 Lurdes Saramago - Preservação digital de longo prazo 17 ESTRATÉGIAS DE CONVERSÃO DOS DADOS Preservação tecnológica Impressão em papel Emulação Encapsulação Migração XML Computador Virtual Universal (UVC) Encapsulação + Emulação Pesquisa IBM Recente Arquivo de conjunto: Documento + executável que o interpreta. Executável escrito no acto de arquivo de doc. Indissociável. Docs em qualquer formato. Executável contém todo o conhecimento de descodificação e reconstituição do doc. Encapsulação + Emulação Pesquisa IBM Recente Arquivo de conjunto: Documento + executável que o interpreta. Executável escrito no acto de arquivo de doc. Indissociável. Docs em qualquer formato. Executável contém todo o conhecimento de descodificação e reconstituição do doc.

18 Lurdes Saramago - Preservação digital de longo prazo 18 ESTRATÉGIAS DE CONVERSÃO DOS DADOS Preservação tecnológica Impressão em papel Emulação Encapsulação Computador Virtual Universal XML Migração A estratégia mais comum. Transferência de uma plataforma HW ou SW aplicacional para outros. Riscos de perda de informação (conteúdo, estruturas, aparência,...). Pode alterar a autenticidade A estratégia mais comum. Transferência de uma plataforma HW ou SW aplicacional para outros. Riscos de perda de informação (conteúdo, estruturas, aparência,...). Pode alterar a autenticidade

19 Lurdes Saramago - Preservação digital de longo prazo 19 ESTRATÉGIAS DE CONVERSÃO DOS DADOS Preservação tecnológica Impressão em papel Emulação Encapsulação Computador Virtual Universal Migração XML ( Extensible Markup Language) Conversão para formato XML é tipo particular de Migração. Linguagem de enriquecimento de informação sobre estruturas e significado. Independente da plataforma. Padrão aberto. Favorece a interoperabilidade. Formato para criação de documentos. Conversão para formato XML é tipo particular de Migração. Linguagem de enriquecimento de informação sobre estruturas e significado. Independente da plataforma. Padrão aberto. Favorece a interoperabilidade. Formato para criação de documentos.

20 Lurdes Saramago - Preservação digital de longo prazo 20 ESTRATÉGIAS DE CONVERSÃO DOS DADOS MIGRAÇÃO e EMULAÇÃO – O objectivo é fazer face à obsolência tecnológica Transferência dos objectos digitais de uma configuração de hardware/software para outra – Preservar a integridade dos recursos – Manter a possibilidade de recuperação e display

21 Lurdes Saramago - Preservação digital de longo prazo 21 ALGUNS PROJECTOS RELEVANTES EM CURSO NEDLIB – CAMILEON – PANDORA –


Carregar ppt "PRESERVAÇÃO DIGITAL DE LONGO PRAZO Lurdes Saramago 25 de Novembro, 2002 Boas práticas Estratégias."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google