A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

DESIDRATAÇÃO Professora e enfermeira: Carla Gomes.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "DESIDRATAÇÃO Professora e enfermeira: Carla Gomes."— Transcrição da apresentação:

1 DESIDRATAÇÃO Professora e enfermeira: Carla Gomes

2 É a deficência de água e eletrólitos corpóreos por perdas superiores à ingesta devido a: anorexia, restrição hídrica, por perdas aumentadas gastrintestinais (vômito e diarréia), perda urinária (diurese osmótica, administração de diuréticos, insuficiência renal crônica), e perdas cutâneas e respiratórias (queimaduras e exposição ao calor).

3 Causas: A mais freqüente decorre de perdas gastrintestinais. A diarréia é portanto a causa mais importante e responsável por óbitos em crianças menores que 5 anos, podendo evoluir de modo mais prolongado e desfavorável em crianças sem aleitamento materno, desnutridas, imunodeprimidas ou em doenças crônicas. Além do que a incidência é maior nas populações de baixo nível socioeconômico.

4 Diagnóstico: Segundo a estratégia do AIDPI, as crianças precisam ser avaliadas até os 5 anos obedecendo o seguinte critério: Avaliação da sua condição geral, pesadas sem roupas e verificar se há sinais de alerta.

5

6 A perda de peso aguda é o melhor indicador de desidratação. A classificação pode ser basear no quadro clínico dividido em três grupos: Quadro I: Classificação da desidratação.

7 TRATAMENTO: DEPENDE DO GRAU DA DESIDRATAÇÃO CRIANÇAS SEM DESIDRATAÇÃO: Se aleitamento materno exclusivo, aumentar a frequencia e o tempo, e oferecer soro de reidratação oral (SRO) com colher ou copo. Se o aleitamento não for exclusivo – mantê-lo e oferecer a dieta habitual e líquido a vontade (SRO, liquido caseiro do tipo: caldo, água de arroz, suco, chás). Recomendar à mãe ou o cuidador das crianças a ofertar freqüentemente líquido com colher toda vez que evacuar na seguinte quantidade:

8 Condutas: Até 01 ano: 50 – 100ml depois de cada evacuação aquosa. Um ano ou mais: 100 – 200ml após cada evacuação aquosa. Caso ocorram vômitos, aguardar 10 minutos e depois continuar, porém mais lentamente. Continuar dando líquidos à vontade até a diarréia parar e não suspender a dieta habitual. Esclarecer quanto aos sinais de gravidade ou risco, procurar o serviço médico, quando a criança não conseguir beber ou mamar no peito, quando houver piora do estado geral, aparecimento ou piora da febre, aparecimento de sangue nas fezes.

9 CRIANÇA COM DESIDRATAÇÃO: Considerar desidratada as crianças que apresentarem dois sinais que seguem: inquieta, irritada; olhos fundos; bebe avidamente, com sede; sinal de prega: a pele volta lentamente ao estado anterior.

10 Condutas: Reiniciar a reidratação com SRO. Pesar a criança sem roupa no início da reidratação e a cada hora. Oferecer a criança o SRO toda vez que a criança deseja, no volume que aceitar de preferência com uma colher para manter volume constante e evitar vômito, toda vez que a criança evacuar. Em caso de vômitos aguardar 10 minutos e reinicar o mesmo procedimento porém mais lentamente.

11 Como orientação inicial, a criança poderá receber SRO no volume de 50 – 100 ml/.kg, pelo período máximo de 4 a 6 horas, após esse período, iniciar terapêutica endovenosa. Se a retenção de líquido for maior do que 20%, mantém-se essa terapia. Caso seja menor na primeira hora observa-se mais uma hora e caso mantenha baixa optar pela sonda nasogástrica, utilizando-se SRO, na quantidade e velocidade de 30 ml/kg/hora nos primeiros 10 a 15 minutos, podendo aumentar para 60 ml/kg/hora, quando bem tolerado. A reidratação oral deve ser suspensa quando houver vômitos persistentes, convulsão, alteração do nível de consciência, íleo paralítico, ausência de ganho de peso após 2 horas da instalação da terapêutica. O ganho de peso é um excelente critério de sucesso da reidratação

12 CRIANÇA COM DESIDRATAÇÃO GRAVE: Considera-se quando: comatosa, pulso fino impalpável, sinal da prega muito diminuído (mais de 2 seg) olhos muito fundos, fontanela funda ou deprimida, mucosa seca, não consegue beber ou bebe muito mal. Inicia-se terapia endovenosa em três fases: Expansão Manutenção Reposição.

13 Fase de expansão: Pesar a criança sem roupa Iniciar a infusão de: Soro a 5% e soro fisiológico a 0,9%, 1:1 com volume de 100ml/kg e velocidade de 50ml/kg/hora. Obs. Caso a criança se mantenha desidratada deve-se prescrever outra fase igual, modificando apenas o volume: 50ml/kg, na velocidade de 25ml/kg/hora. A fase da expansão termina quando a criança clinicamente estiver hidratada, com duas micções claras, densidade urinária menor que 1010, associada ao bom ganho de peso sem roupa.

14 Fase de manutenção: Visa repor perdas normais de água e eletrólitos que não proporcionais à atividade metabólica. Inicia-se com Soro Glicosado 5% - 80% (80%) mais Soro Fisiológico 0,9% (20%) Entre 10 a 20kg = 1.000ml+50ml/kg por cada quilo que passe, até (10 quilos). Acima de 20kg = = 20ml/kg que passe.

15 Fase da reposição: Visa repor as perdas anormais no caso de diarréia, a reposição deve cobrir perdas fecais de água e eletrólitos. Repor: 50ml/kg em partes iguais de Soro Glicosado 5% e Soro Fisiológico a 0,9%. Pode ser aumentado para 100, 150 ou até 200ml/kg. Quando a criança necessitar de grandes volumes de líquidos.


Carregar ppt "DESIDRATAÇÃO Professora e enfermeira: Carla Gomes."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google