A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE MBA em ECONOMIA EMPRESARIAL FINANÇAS DE MERCADO NOTAS DE AULA DO PROFESSOR IVANDO SILVA DE FARIA.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE MBA em ECONOMIA EMPRESARIAL FINANÇAS DE MERCADO NOTAS DE AULA DO PROFESSOR IVANDO SILVA DE FARIA."— Transcrição da apresentação:

1 UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE MBA em ECONOMIA EMPRESARIAL FINANÇAS DE MERCADO NOTAS DE AULA DO PROFESSOR IVANDO SILVA DE FARIA

2 Tópicos Iniciais b Sistema Econômico b Modelo Intermediado b Modelo Desintermediado b Mercados de Balcão e Organizado b Mercados : Organização e Funcionamento b Funções dos Mercados

3 Ambientes b Real Investimentos de Médio e Longo PrazosInvestimentos de Médio e Longo Prazos Não há Mercados OrganizadosNão há Mercados Organizados Menor LiquidezMenor Liquidez Dificuldade de DesinvestimentoDificuldade de Desinvestimento Quais RISCOS ???Quais RISCOS ??? b Financeiro Investimentos de Curtíssimo e curto prazosInvestimentos de Curtíssimo e curto prazos Há Mercados EstruturadosHá Mercados Estruturados Maior LiquidezMaior Liquidez Facilidade de DesinvestimentoFacilidade de Desinvestimento Quais RISCOS ???Quais RISCOS ???

4 Ambiente Financeiro b Operações de Curtíssimo e Curto prazos com ativos financeiros b Há Mercados Organizados b Liquidez ? b Risco ?? Maior ou Menor ?

5 Ambiente Real b Operações de Médio e Longo prazos com ativos reais b Não há mercados organizados b Liquidez ? b Risco ?? Maior ou Menor ?

6 Modelo Intermediado b Onera o custo de capital das empresas b Remuneração por spread ( taxa de cessão – taxa de captação ) b Utilizado por empresas de pequeno e médio porte ( PMEs) b Emitente do Ativo Financeiro: Sistema Financeiro b Risco de Crédito do Sistema Financeiro.

7 Sistema Econômico b Modelo Intermediado Modelo de Financiamento da atividade empresarial onde há intermediação entre superavitários e deficitários. A intervenção de bancos ocorre e há cobrança de spread entre taxas de cessão e captação.Modelo de Financiamento da atividade empresarial onde há intermediação entre superavitários e deficitários. A intervenção de bancos ocorre e há cobrança de spread entre taxas de cessão e captação. b Modelo Desintermediado Modelo onde o Financiamento ocorre através da emissão de títulos pelos Deficitários, diretamente nos Mercados, aos Superavitários. Modelo onde o Financiamento ocorre através da emissão de títulos pelos Deficitários, diretamente nos Mercados, aos Superavitários.

8 Modelo Desintermediado b Propicia contato direto entre Deficitários e Superavitários b Instituições Financeiras participam prestando serviços na montagem da operação em Mercado Primário. b Reduz Custo de Capital b Utilizado por empresas de grande porte b Emitente : Deficitário b Risco de Crédito do Superavitário

9 Escalonamento das Taxas de Retorno b Taxa de retorno empresarial ( TRE) b Taxa Mínima de Atratividade CAPM b Taxa de Cessão b Taxa de Captação b Taxa Básica ( SELIC) – Não contém o risco de Insolvência – Teoricamente Risk Free

10 Superavitários b Participam em negócios no ambiente real por meio do mercado de capitais Carteiras AdministradasCarteiras Administradas Empresas de participaçõesEmpresas de participações Fundos de PensãoFundos de Pensão Fundos de InvestimentosFundos de Investimentos Bancos de InvestimentosBancos de Investimentos b Ativos Financeiros (oferecem remuneração)

11 Mercados b Primário Ambiente de colocaçãoAmbiente de colocação Encontro direto de Deficitários e SuperavitáriosEncontro direto de Deficitários e Superavitários Informação via ProspectosInformação via Prospectos Operações em BalcãoOperações em Balcão Funcionamento PontualFuncionamento Pontual Preço FixoPreço Fixo b Secundário Ambiente de negociaçãoAmbiente de negociação Encontro de SuperavitáriosEncontro de Superavitários Informação : Vendors e Agências de RatingInformação : Vendors e Agências de Rating Mercado OrganizadoMercado Organizado Funcionamento ContínuoFuncionamento Contínuo Preço VariávelPreço Variável

12 Mercados b Balcão Apresentação de Ofertas em TerminaisApresentação de Ofertas em Terminais Negócios Fechados em mesas de operações e balcõesNegócios Fechados em mesas de operações e balcões OTC – Over The CounterOTC – Over The Counter Pouca TransparênciaPouca Transparência Menor SegurançaMenor Segurança Sem regras para limitar preço dos negóciosSem regras para limitar preço dos negócios b Organizado Ofertas apresentadas em sistemas de negociação ou por viva-voz.Ofertas apresentadas em sistemas de negociação ou por viva-voz. Bolsas de ValoresBolsas de Valores Bolsas de FuturosBolsas de Futuros Maior TransparênciaMaior Transparência Centros de Transação com regras de negociação.Centros de Transação com regras de negociação. Câmaras de Liquidação e Custódia - + segurançaCâmaras de Liquidação e Custódia - + segurança Clearing HousesClearing Houses

13 MERCADO DE BALCÃO b FUNCIONA POR REDE DE TERMINAIS b NÃO HÁ REGRAS PARA NEGOCIAÇÃO E LIQUIDAÇÃO b NEGOCIAÇÃO DISPERSA b NÃO HÁ TRANSPARÊNCIA b MÁ FORMAÇÃO DE PREÇO

14 Empresa x PL b O Balanço Patrimonial Ativo Circulante Ativo Permanente Tangível e Intangível Passivo Circulante Exigível Longo P. Patrimônio Líquido Fornecedores Acionistas Ordinários e Preferenciais FINANCIAFINANCIA Credores / Debenturistas

15 FUNÇÕES DOS MERCADOS b FINANCIAMENTO GOVERNOGOVERNO EMPRESASEMPRESAS BANCOSBANCOS b GERÊNCIA DE RISCOS b DISPONIBILIZAR NOVO CONTEÚDO INFORMACIONAL

16 Resumindo... Ambientes b Real Investimentos de médio e longo prazos em ativos reaisInvestimentos de médio e longo prazos em ativos reais Baixa LiquidezBaixa Liquidez Demanda maior volume de recursosDemanda maior volume de recursos Necessita de financiamentoNecessita de financiamento Necessita de gestão de riscos (Hedging)Necessita de gestão de riscos (Hedging) Necessita de InformaçõesNecessita de Informações b Financeiro Fonte de FinanciamentoFonte de Financiamento –Curto, médio e longo prazos –Negociam ativos financeiros –Bolsas de Valores, SND –Mercado Aberto Gestão de RiscosGestão de Riscos –Hedging –Contratos –Bolsas de Futuros Market Reading – ValorMarket Reading – Valor Balcão X OrganizadoBalcão X Organizado

17 Balcão x Mercado Estruturado b Padronização X Sob Medida b Transparência b Formação de Preço b Eficiência do Mercado b Estrutura Subjacente

18 Vantagens da Organização b Segurança b Melhores condições de negociação b Melhor apreçamento b Como é no mercado de balcão? b Quao o valor a ser atribuído ao ativo?

19 Bolsas b De Valores Negociam ativos financeiros que se constituem em fontes de financiamentoNegociam ativos financeiros que se constituem em fontes de financiamento Funçôes :Funçôes : –Fonte de Financiamento –Conteúdo Informacional do Valor. b De Futuros Negociam contratos para gerenciamento de riscos nos ambientes financeiro e real.Negociam contratos para gerenciamento de riscos nos ambientes financeiro e real. Funções :Funções : –Gerenciamento de Risco –Conteúdo Informacional das Expectativas

20 Mercados Nacionais b Bolsas de Valores (Ações e Debêntures) b SND e BovespaFix (Debêntures) b Mercado Interbancário (CDI) b Mercado Aberto (Títulos Públicos) b BMF (Ouro e Dólar) b BMF (Sisbex – Títulos Públicos) b BMF (Derivativos)

21 Divisão do Mercado Financeiro MERCADO DE CRÉDITO MERCADO DE CAPITAIS MERCADO DE CÂMBIO MERCADO MONETÁRIO Mercado Primário Mercado Primário Mercado Secundário Bolsa Balcão Mercado Primário Mercado Secundário Balcão Mercado de Ações e Debêntures Open Market

22 CONSELHO CONSELHOMONETÁRIO BANCOCENTRAL BANCO DO BRASIL INSTITUIÇÕESFINANCEIRASPÚBLICASPRIVADAS AUXILIARES BOLSAS DE VALORES, ETC. SOCIEDADESCORRETORASSOCIEDADESDISTRIBUIDORASAGENTESAUTÔNOMOS CAIXAECONÔMICA B N D E S BANCOSCOMERCIAISESTADUAIS BANCOSCOMERCIAIS BANCOS DE INVESTIMENTO BANCOSMÚLTIPLOS SOC. DE CRÉDITOIMOBILIÁRIO SOC. DE CRÉDITO FIN E I NVEST. CVM

23 O Sistema Financeiro b O Papel dos Intermediários Financeiros –Reduzir custos de transação ( fundos de investimento) –Eliminar o custo de procura ( search cost ) –Eficiência na alocação dos recursos. »Facilitar o contato entre muitos doadores e um único tomador. »Amenizar desequilíbrios procurando a satisfação máxima de ambas as partes. –Reduzir riscos pela diversificação –Gerar grande diversidade de prazos de maturação b Desintermediação e Securitização

24 Processando o Negócio b Informação b Análise b Formação de Expectativa b Posicionamento ( Inserção de Oferta ) b Preço ou Valor

25 Tipos de Ordem b A mercado : Não Especifica Preço b Limitada : Especifica preço máximo ou mínimo. b De stop : Especifica preço de reversão da posição inicial. b Casada : Condiciona a realização de operações

26 Fechando Negócios... Ofertas de Compra QP Ofertas de Venda QP Melhore s Ofertas

27 Como Intervir ?

28 Estrutura Subjacente b Câmaras de Liquidação e Custódia Segurança para os InvestidoresSegurança para os Investidores b Clearing Houses Garantia de Liquidação das PosiçõesGarantia de Liquidação das Posições b Serviços de Apoio a Investidores Simplificação do InvestimentoSimplificação do Investimento

29 Instrumentos Financeiros b De Dívida ( Debt) Capital de TerceirosCapital de Terceiros Possuem datas de resgate e montante determinados através de critériosPossuem datas de resgate e montante determinados através de critérios Detentores correm o Risco de CréditoDetentores correm o Risco de Crédito Renda FixaRenda Fixa Taxa de remuneração nominal fixada. Prefixada ou Pós-fixada.Taxa de remuneração nominal fixada. Prefixada ou Pós-fixada. Instrumento para FinanciamentoInstrumento para Financiamento

30 Instrumentos Financeiros b De Capital ( Equity ) Participam das decisões empresariaisParticipam das decisões empresariais Não possuem prazo de resgate estabelecidoNão possuem prazo de resgate estabelecido Instrumento para FinanciamentoInstrumento para Financiamento b Derivativos ( Instrumentos de Gestão de Riscos ) Contratos a TermoContratos a Termo Contratos a FuturoContratos a Futuro Contratos sobre OpçõesContratos sobre Opções SWAPsSWAPs

31 MERCADO ESTRUTURADO b MERCADO PRINCIPAL b MERCADOS DERIVATIVOS TERMO TERMO FUTURO FUTURO OPÇÕES OPÇÕES – Com o advento dos derivativos, a quantidade de estratégias aplicáveis aos mercados cresceu vertiginosamente dando maior auxílio a gestão de investimentos diretos e indiretos. – Destaque para as estratégias de Hedge e de Alavancagem.

32 ADR´s b Diversificação Internacional b Em 18 de maio de 1992, foi editado o Anexo V à Resolução 1.289, abrindo a possibilidade para que companhias brasileiras pudessem negociar suas ações no exterior por meio de Recibos de Depósito. b American Depositary Receipts ( ADR´s)

33 Tipos dos Recibos ADR - American Depositary Receipt: negociado no mercado norte-americano, no mercado de balcão e nas bolsas de valores de Nova York; IDR - International Depositary Receipt: negociado nos mercados asiáticos, principalmente Hong Kong, Cingapura e Tóquio; EDR - European Depositary Receipt: negociado no mercado de Londres e Luxemburgo; GDR - Global Depositary Receipt: único certificado com livre negociação nos mercados mundiais.

34 Recibo nominativo, transferível, emitido por uma companhia estrangeira; Banco comercial americano (depositário), o correspondente no exterior (custodiante), Representam um número específico de ações, inclusive fracionário, sendo cotados e negociados em dólar, exclusivamente no mercado de capitais americano. O Que São ?

35 Aparece nos livros de registro não norte americanos como o proprietário registrado de todas as ações depositadas, originadoras dos ADRs Recebe, em nome deste último, os dividendos pagos pela companhia estrangeira (não norte americana) a seus acionistas Está autorizado a exercer o direito de voto relativamente às ações depositadas no termo do programa de American Depositary Receipt. Custodiante

36 Não Patrocinados Organizados independentemente por uma ou mais instituições depositárias Sem qualquer relação contratual entre a empresa patrocinadora e o banco depositário. A empresa fica de fora do processo, tendo em vista não ser ela a responsável pela disponibilidade do número de ações para lastreamento dos Recibos de Depósito.

37 Patrocinados Existe relação contratual entre a empresa patrocinadora e um banco depositário. A própria empresa tem interesse em colocar suas ações no mercado financeiro internacional, seja visando captar recursos de longo prazo, ou simplesmente negociar suas ações.

38 Emissão para ações já existentes ADR Nível I (Mercado de Balcão) ADR Nível II Emissão para aumento de capital (ADR Nível III) Oferta pública Norma 144A ADR (RADR) ADR´s

39 a empresa deve cumprir as exigências de full disclosure da SEC adaptar os seus demonstrativos contábeis às normas do U.S. GAAP, providenciar o registro na bolsa de valores, custos com a emissão, que oscilam entre US$ 200 mil a US$ 700 mil. ADR Nível II

40 Oferta Pública Processo é mais complexo, desde o registro junto a SEC até a necessidade dos demonstrativos contábeis da empresa estarem totalmente conciliados com as normas do U.S. GAAP. custos para emissão são bem maiores, oscilando entre US$ 500 mil a US$ 2 milhões, oriundos de consultoria jurídica, conciliação dos demonstrativos contábeis, impressões, publicações, eventuais restruturações internas na empresa taxa de underwriting ADR Nível III

41 Norma 144A (RADR) Forma de colocação privada de ADR, para negociação restrita no mercado norte-americano, limitada exclusivamente a grandes investidores institucionais (QIB - Qualified Institucional Buyers). Sendo regulamentada pela Rule 144A, tais colocações são conhecidas no mercado como RADR. Possibilitam aumento de capital, não estando sujeitas aos requisitos normais da SEC, podendo se utilizar das prerrogativas da Norma 12g3-2(b) nem existe a necessidade de adaptação ao U.S. GAAP. ADR Nível III

42 Riscos e Investimentos b Assimetria Informacional b Agências de Rating : Moodys, Firch e S&P b Riscos Objetivos X Riscos Subjetivos b EMBI+ : Argentina, Brasil, México, Rússia, Venezuela, Turquia, Filipinas, Colômbia, Malásia, Bulgária, Peru, África do Sul, Panamá, Equador, Polônia, Marrocos, Ucrânia, Egito, Nigéria.

43 Agências de RATING b Classificam os títulos de acordo com o risco que estes oferecem. b Consideram os conceitos de Risco-País e Risco Soberano. b Quando os ratings das agências são usados como referência para aproximação ao risco de crédito, tendem a refletir-se nos preços dos ativos e nos prêmios cobrados pelos riscos. b Vide Anexos.

44 Moody'sS&PDefiniçãoNotas AaaAAAMais alto Disponível Investment Grade AaAAQualidade Muito Alta AAQualidade Alta BaaBBBMinimo Grau de Investimento BaBBGrau Baixo Non Investment Grade BBMuito Especulativo CaaCCCRisco Substancial CaCCQualidade Muito Pobre CDFalta Iminente ou em Falta

45 Questões b Quais fatores fazem com que economias sejam mais intensivas no ambiente financeiro ou no real ? b Quais são os fatores determinantes na atração do investimento no ambiente real ? b Quais são as ponderações do investidor internacional ? Quais riscos considera ?

46 Risco Soberano b Capacidade e Disposição do Governo Central honrar suas dívidas com credores privados.

47 Risco País b Risco Social b Risco Político b Risco Econômico PIB, Taxa de Juros, Taxa de Câmbio, PreçosPIB, Taxa de Juros, Taxa de Câmbio, Preços b Risco Moral b Risco Legal

48 Riscos Empresariais b Risco de Crédito b Risco de Mercado b Risco Operacional b Risco Legal


Carregar ppt "UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE MBA em ECONOMIA EMPRESARIAL FINANÇAS DE MERCADO NOTAS DE AULA DO PROFESSOR IVANDO SILVA DE FARIA."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google