A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

SUPORTE AVANÇADO DE VIDA Miguel Ibraim Abboud Hanna Sobrinho

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "SUPORTE AVANÇADO DE VIDA Miguel Ibraim Abboud Hanna Sobrinho"— Transcrição da apresentação:

1 SUPORTE AVANÇADO DE VIDA Miguel Ibraim Abboud Hanna Sobrinho
2011

2 Declaro NÃO APRESENTAR Qualquer conflito de interesse

3 Epidemiologia Circulation February 23, 2010

4 Epidemiologia Circulation February 23, 2010

5 Arq Bras Cardiol 2010; 95(1 supl.1): 1-51
Epidemiologia Arq Bras Cardiol 2010; 95(1 supl.1): 1-51

6 Cenário Identificar/Emergência/Ativar Sistema Chamar SAMU 192
Despacho do SEM/Ambulância Socorrista – unidades Tempo de deslocamento Distância até o paciente/equipamento Chegada ao paciente/desfibrilador TEMPO TOTAL 30 segundos 1 minuto 5 minutos 2 minutos 1.1 minutos 10,6 minutos

7 Mecanismos da parada Taquicardia ventricular
Frequência cardíaca > 100 e < 220 spm Ritmo regular ou discretamente irregular Ondas P: Não são vistas com frequência cardíaca alta Quando identificadas não apresentam relação com o QRS QRS tem a mesma morfologia da extra-sístole ventricular

8 Imagem do site www.google.com.br
Mecanismos da parada Taquicardia ventricular Imagem do site

9 Mecanismos da parada Fibrilação ventricular
A atividade contrátil cessa, o coração apenas tremula Não ocorre débito cardíaco, paciente não apresenta pulso ou pressão arterial aferível No eletrocardiograma, o ritmo é irregular Não é possível identificar ondas P, complexos QRS ou ondas T

10 Imagem do site www.google.com.br
Mecanismos da parada Fibrilação ventricular Imagem do site

11 Mecanismos da parada Atividade elétrica sem pulso
Existe atividade elétrica sem a correspondente atividade mecânica do coração Não se observa pulso e não é possível aferir a pressão arterial No eletrocardiograma se verifica atividade elétrica com ritmos variáveis

12 Imagem do site www.google.com.br
Mecanismos da parada Atividade elétrica sem pulso Imagem do site

13 Mecanismos da parada Assistolia
Traçado eletrocardiográfico sem inscrição de ondas Protocolo da linha reta Checar a conexão dos eletrodos Aumentar o ganho do aparelho Checar o ritmo em duas derivações

14 Imagem do site www.google.com.br
Mecanismos da parada Assistolia Imagem do site

15 Fases da fibrilação ventricular
Fase 1 – ELÉTRICA, duração em torno de 5 minutos Fase 2 – HEMODINÂMICA, duração de 5 a 15 minutos. A geração de adequada pressão de perfusão cerebral e coronária Fase 3 – METABÓLICA

16 Fase elétrica Iniciar imediatamente as medidas de suporte básico de vida com um mínimo de interrupção nas compressões torácicas e providenciar desfibrilador rapidamente

17 Fase hemodinâmica Perfusão
O mais importante determinante da perfusão é a compressão torácica A interrupção para o resgate respiratório prejudica a perfusão O ventrículo pode se manter viável se a perfusão coronária puder ser mantida

18 Fase hemodinâmica Circulation April 26, 2005

19 Cadeia de sobrevivência
Circulation November 2, 2010

20 Qualidade na ressuscitação
Comprima com força (5 cm) e rapidez (> 100 min) e aguarde o retorno total do tórax Minimize interrupções nas compressões Evite ventilação excessiva

21 Qualidade na ressuscitação
Alterne a pessoa que aplica as compressões a cada 2 minutos Se sem via aérea avançada, relação ventilação – compressão de 30:2

22 Terapia elétrica A ênfase na desfibrilação precoce integrada com RCP de alta qualidade e a chave para melhorar a sobrevivência à PCR súbita

23 Terapia elétrica Quanto mais precoce a desfibrilação melhores são os resultados Identificar o momento do atendimento Parada presenciada desde o seu início Parada atendida já com alguns minutos de seu início

24 Terapia elétrica Profissionais de saúde tratando PCR em hospitais ou outras instituições com DEAs/DAE ou desfibriladores no local devem aplicar a RCP imediatamente e usar o DEA/DAE/desfibrilador tão logo o equipamento esteja disponível

25 Terapia elétrica Ao presenciar uma PCR extra-hospitalar e havendo um DEA/DAE prontamente disponível no local, o socorrista devera iniciar a RCP com compressões torácicas e usar o DEA/DAE o quanto antes

26 Terapia elétrica Quando ha FV por mais de alguns minutos, ocorre depleção de oxigênio e energia no miocárdio Um breve período de compressões torácicas (realizar 5 ciclos de 30 compressões e 2 ventilações – 2 minutos) pode fornecer oxigênio e energia ao coração, o que aumenta a probabilidade de que um choque venha a eliminar a FV (desfibrilação) e seja acompanhado do retorno da circulação espontânea (RCE)

27 Terapia elétrica Bifásica Recomendação do fabricante (120 a 200J)
Se desconhecida, usar o máximo disponível A segunda carga e as subsequentes devem ser equivalentes, podendo ser consideradas cargas mais altas

28 Terapia elétrica Monofásico 360 J
A segunda carga e as subsequentes devem ter o mesmo nível de energia

29 Terapia elétrica Desfibrilador automático externo – DEA
Desfibrilador convencional Imagens do site

30 Terapia elétrica Não há evidência de superioridade entre o choque monofásico ou bifásico no que se refere à reversão da parada e da sobrevida Não há diferença entre as formas de liberação do choque exponencial ou truncada

31 Terapia elétrica Posição das Pás Ântero lateral
Infra clavicular direita Infra mamária esquerda Ântero posterior esquerda Infra escapular esquerda

32 Terapia elétrica Resuscitation 81 (2010) 1277–1292

33 Terapia elétrica Cuidados Evitar o tecido mamário Gel condutor
Retirar os adesivos e limpar Vítima molhada – secar Em portadores de marca-passo respeitar distância de 8 cm

34 Vias de acesso Intravenosa Endotraqueal Intraóssea

35 Intravenosa Veia Após injetar o medicamento – administrar 20 ml de soro fisiológico e elevar o braço NÃO INTERROMPER COMPRESSÕES

36 Endotraqueal Dose: Realizar hiperventilação Medicamentos:
Dobro da via intravenosa Diluir em 10 ml SSI Realizar hiperventilação Medicamentos: Adrenalina, vasopressina, lidocaína MINIMIZAR INTERRUPÇÃO DAS COMPRESSÕES

37 Intraóssea Zona vascular da medula óssea Agulha específica
Tíbia 1 a 3 cm abaixo da tuberosidade Em direção para o pé Ângulo de 60º Todas as medicações podem se utilizadas nas dosagens preconizadas para via intravenosa

38 Intraóssea Resuscitation (2008) 78,

39 Via aérea Na identificação não é necessário ver, ouvir e sentir
Verificar se a pessoa não está respirando ou não está respirando normalmente - visão

40 Via aérea Abrir a via aérea
Manobra da extensão da cabeça – elevação do mento Manobra do deslocamento da mandíbula

41 Via aérea Duração de 1 segundo para cada ventilação
Produzir elevação visível do tórax Realizar 30 compressões para 2 ventilações Se houver retorno a circulação espontânea, mas a ventilação não for adequada – 1 ventilação a cada 5 a 6 segundos

42 Via aérea Técnicas Boca – boca Boca – dispositivo barreira
Boca – nariz Boca – estoma Dispositivo bolsa máscara Dispositivo de via aérea avançada

43 Via aérea Via aérea supra glótica Combitubo Máscara laríngea
Tubo laríngeo

44 Imagens do site www.google.com.br
Via aérea COMBITUBO Imagens do site

45 Imagem do site www.google.com.br
Via aérea MÁSCARA LARÍNGEA Resuscitation 81 (2010) 1305–1352 Imagem do site

46 Imagem do site www.google.com.br
Via aérea Intubação endotraqueal Deve ser realizada por pessoas com treinamento Não deve comprometer as compressões Não deve atrasar a desfibrilação Imagem do site

47 Via aérea Quando a via aérea avançada estiver instalada
Aplicar 8 a 10 ventilações por minuto não sincronizadas com as compressões torácicas Volume corrente de 6 a 7 ml/Kg

48 Via aérea Verificar o posicionamento correto do tubo com avaliação clínica Região epigástrica (Expansão do tórax) Cinco pontos - tórax Região anterior esquerda e direita Região média axilar esquerda e direita Região epigástrica

49 Compressões torácicas
As terapias são concebidas por períodos (5 ciclos ou 2 minutos) de RCP ininterrupta A RCP deve ser iniciada imediatamente após o choque

50 Compressões torácicas
O ritmo é verificado após completado 5 ciclos de 30 compressões e 2 ventilações RCP de alta qualidade (aplicar compressões de frequência e profundidade adequadas, permitindo retorno total do tórax apos cada compressão, minimizando interrupções nas compressões torácicas e evitando ventilação excessiva)

51 Fibrilação ventricular Taquicardia ventricular sem pulso
Vasopressores São administrados quando uma via de acesso IV / IO foi estabelecida – após o segundo choque A epinefrina pode ser administrada a cada 3 a 5 minutos – 1 mg Uma dose de vasopressina (40 UI) pode ser administrada ao invés da primeira ou segunda dose de epinefrina

52 Fibrilação ventricular Taquicardia ventricular sem pulso
Antiarrítmicos Quando FV ou TV sem pulso persistir após o terceiro choque, associados à RCP e à administração de um vasopressor Escolha – Amiodarona – 300 mg IV / IO, considerar adicional de 150 mg Alternativa – Lidocaína – 1 a 1,5 mg/Kg e depois 0,5 a 0,75 mg/Kg IV / IO, máximo mg/Kg

53 Causas reversíveis Hipovolemia Hipóxia Hidrogênio (acidose)
Hipocalemia Hipercalemia Hipotermia Tensão no tórax por Pneumotórax Tamponamento cardíaco Toxinas Trombose pulmonar Trombose coronária

54 Atividade elétrica sem pulso Assistolia
Epinefrina IV / IO administrada a cada 3 a 5 minutos Vasopressina 1 dose (40 U IV / IO) pode substituir a primeira ou a segunda dose de epinefrina A atropina não e mais recomendada para uso de rotina no tratamento da atividade elétrica sem pulso (AESP)/assistolia

55 Cuidados pós ressuscitação
Controlar a temperatura corporal Otimizar avaliação neurológica Identificar e tratar síndrome coronária aguda Reduzir risco de injúria em múltiplos órgãos

56 Cuidados pós ressuscitação
Adequar a ventilação e a oxigenação Tratar a hipotensão (Pressão sistólica < 90 mmHg) Bolus IV/IO Infusão de vasopressor Considerar causas tratáveis Eletrocardiograma Considerar hipotermia Reperfusão coronária

57 Cuidados pós ressuscitação
Ventilação / oxigenação Ventilar em 10 a 12 ciclos por minuto Ajustar FiO² para saturação > 94% Hipotensão Bolus Solução salina 1 a 2 litros ou ringer lactato Se decidido pelo hipotermia infundir solução a 4º C

58 Cuidados pós ressuscitação
Hipotensão Epinefrina Dose – 0.1 a 0.5 mcg/Kg/minuto Norepinefrina Dopamina Dose – 5 a 10 mcg/Kg/minuto

59 Referências Artigos Imagens Circulation November 2, 2010
Resuscitation 81 (2010) 1305–1352 Resuscitation 81 (2010) 1277–1292 Circulation February 23, 2010 Arq Bras Cardiol 2010; 95(1 supl.1): Circulation April 26, 2005 Resuscitation (2008) 78, Imagens


Carregar ppt "SUPORTE AVANÇADO DE VIDA Miguel Ibraim Abboud Hanna Sobrinho"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google