A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Atenção à Saúde: Atualização das Diretrizes Clínicas do MS para a Atenção Básica Rio de Janeiro, 22 de novembro de 2010.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Atenção à Saúde: Atualização das Diretrizes Clínicas do MS para a Atenção Básica Rio de Janeiro, 22 de novembro de 2010."— Transcrição da apresentação:

1 Atenção à Saúde: Atualização das Diretrizes Clínicas do MS para a Atenção Básica Rio de Janeiro, 22 de novembro de 2010

2 Contextualização do Estado do Rio de Janeiro – Saúde da Família População Equipes SF1.564 implantadas Cobertura32,9% ACS implantados Cobertura ACS37,4% NASF41 implantados

3 Fundamentos da Atenção Básica Possibilitar o acesso universal e contínuo a serviços de saúde de qualidade e resolutivos; Efetivar a integralidade de forma interdisciplinar e com coordenação do cuidado na rede de serviços; Estimular a participação popular; Avaliação e acompanhamento sistemático de resultados, como parte de planejamento e programação;

4 Fundamentos da Atenção Básica Ter caráter substitutivo em relação à rede de Atenção tradicional; Capacitação dos profissionais de acordo com a realidade dos serviços; Processos de trabalhos integrados; Atuar no território, realizando cadastramento domiciliar, diagnóstico situacional e ações dirigidas ao cuidado dos indivíduos e das famílias.

5 Dengue Doença infecciosa febril aguda, que pode ser de curso benigno ou grave, a depender de sua forma de apresentação. A Dengue hoje é uma das doenças mais freqüentes no Brasil e um dos maiores problemas de saúde pública no mundo, especialmente em países tropicais, cujas condições sócio-ambientais favorecem o desenvolvimento e a proliferação de seu principal vetor o Aedes aegypti.

6 Classificação de Risco de acordo com os sinais e sintomas Azul: Grupo A – Atendimento de acordo com o horário de chegada. Verde: Grupo B – Prioridade não urgente. Amarelo: Grupo C – Urgência, atendimento o mais rápido possível. Vermelho: Grupo D – Emergência, paciente com necessidade de atendimento imediato.

7 Sinais e Sintomas Clássicos: Febre com menos de 7 dias e pelo menos dois dos seguintes sintomas inespecíficos: Cefaléia Mialgia e artralgia Prostração Dor retroorbitária Ausência de sinais de alarme Ausência de sinais de choque Prova do laço negativa Ausência de manifestações hemorrágicas espontâneas Sinais e Sintomas Clássicos: Febre com menos de 7 dias e pelo menos dois dos seguintes sintomas inespecíficos: Cefaléia Mialgia e artralgia Prostração Dor retroorbitária Ausência de sinais de alarme Ausência de sinais de choque Prova do laço negativa Ausência de manifestações hemorrágicas espontâneas Risco Azul / Grupo A

8 ATENÇÃO PRIMÁRIA DE SAÚDE CONDUTA: Orientar tratamento em domicílio; Prescrever hidratação via oral de forma sistemática; Prescrever analgésicos e antitérmicos, se necessário, alertando o paciente para o risco da automedicação; É contra-indicado o uso de salicilatos e antiinflamatórios não hormonais; Orientar o paciente quanto à necessidade de repouso; Orientar o paciente e/ou seus familiares/cuidadores sobre os sinais de alarme, especialmente no primeiro dia do desaparecimento da febre, e orientar sobre o que fazer frente ao surgimento dos mesmos; Orientar retorno diariamente ou, ao menos, no primeiro dia após o desaparecimento da febre; Organizar no serviço um fluxo diferenciado para agilizar as consultas de retorno; Orientar sobre a limpeza domiciliar de criadouros de Aedes aegypti; Preencher a ficha de notificação individual dos casos; Providenciar visita domiciliar dos ACS, para acompanhamento dos pacientes e seus familiares, em sua microárea de abrangência.

9 Risco Verde / Grupo B Manifestações Hemorrágicas Espontâneas ou Prova do Laço Positiva Unidade de Atenção Secundária de Saúde com Suporte para Observação Hidratação Oral ou Venosa supervisionada Realização de Hemograma Avaliação Clinica e Laboratorial Com Melhora Tratar como Grupo A Sem Melhora Manter Hidratação Venosa e Observação Sem Melhora Tratar como Grupo C Com Melhora

10 RISCO AMARELO / GRUPO C Unidades de Atenção Terciária em Saúde com leitos de internação Unidades de Atenção Terciária em Saúde com leitos de internação Sinais de Alarme: Dor abdominal intensa e contínua Vômitos persistentes Hipotensão postural e/ou lipotímia Sonolência e/ou irritabilidade Hepatomegalia dolorosa Hemorragias importantes (hematêmese e/ou melena) Diminuição da diurese Diminuição repentina da temperatura corpórea ou hipotermia Sinais de Alarme: Dor abdominal intensa e contínua Vômitos persistentes Hipotensão postural e/ou lipotímia Sonolência e/ou irritabilidade Hepatomegalia dolorosa Hemorragias importantes (hematêmese e/ou melena) Diminuição da diurese Diminuição repentina da temperatura corpórea ou hipotermia

11 Sinais de Choque Pressão arterial convergente (PA diferencial<20mmHg) Hipotensão arterial Extremidades frias Cianose Pulso rápido e fino Enchimento capilar lento >2 segundos Sinais de Choque Pressão arterial convergente (PA diferencial<20mmHg) Hipotensão arterial Extremidades frias Cianose Pulso rápido e fino Enchimento capilar lento >2 segundos Unidades de Atenção Terciária em Saúde com leitos em Unidade de Terapia Intensiva Unidades de Atenção Terciária em Saúde com leitos em Unidade de Terapia Intensiva Risco Vermelho / Grupo D

12 Condições básicas de Unidade de Saúde para o atendimento do paciente com suspeita de Dengue Garantir atendimento oportuno dos pacientes com suspeita de dengue por profissionais capacitados; Utilizar os critérios de classificação de risco; Prover a unidade de saúde de equipamentos básicos; Prover as unidades de saúde de medicamentos básicos; Implantar e/ou implementar Protocolo de Diagnóstico, Manejo Clínico e Assistência ao Paciente com Suspeita de Dengue ( ); Estabelecer fluxo de encaminhamento do paciente na rede municipal e estadual de saúde; Otimizar os recursos disponíveis, garantindo o atendimento nas unidades de saúde e reduzindo a demanda para as unidades hospitalares; Priorizar a visita domiciliar aos pacientes.

13 Medidas estratégicas na assistência para enfrentamento de uma epidemia Capacitação dos profissionais; Criação de Grupos de Apoio; Notificação dos Casos Suspeitos; Ampliação do número de leitos nas unidades de saúde; Adotar protocolo único de manejo clínico para ser utilizado em todas as unidades de saúde (primária, secundária e terciária); Campanhas de Promoção de Saúde; Capacitação dos ACS e ACE em promoção de Saúde

14 Parâmetros para estruturação das equipes de ACE PORTARIA Nº 1.007, DE 05 DE MAIO DE 2010 Define critérios para regulamentar a incorporação de Agentes comunitários de combate à Endemias ACE na Atenção Primária de Saúde para fortalecer as ações de vigilância em saúde junto as Equipes de Saúde da Família.

15 Obrigada! :) Departamento de Atenção Básica/SAS/MS


Carregar ppt "Atenção à Saúde: Atualização das Diretrizes Clínicas do MS para a Atenção Básica Rio de Janeiro, 22 de novembro de 2010."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google