A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Identificação de Enterobactérias. Dra. Tânia Mara Ibelli Vaz Pesquisador Científico Instituto Adolfo Lutz - São Paulo.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Identificação de Enterobactérias. Dra. Tânia Mara Ibelli Vaz Pesquisador Científico Instituto Adolfo Lutz - São Paulo."— Transcrição da apresentação:

1 Identificação de Enterobactérias. Dra. Tânia Mara Ibelli Vaz Pesquisador Científico Instituto Adolfo Lutz - São Paulo

2 índice Família Enterobacteriaceae Patogenia Isolamento e identificação de enterobactérias Aspecto das colônias Identificação Bioquímica ( cultura pura) Reação de VM e VP Escherichia coli Salmonella Shigella Klebsiella Enterobacter Serratia Citrobacter Proteus - Providencia - Morganella Fluxograma BGN OXIDASE Considerações finais

3 Introdução Definição Bacilos Gram negativos AAF / Fermentadores da glicose Oxidase negativa e catalase + Móveis / imóveis Cresce em meios comuns Habitat Plantas, solo, água, intestino do homem e animais Família Enterobacteriaceae

4 Introdução Nomenclatura e Classificação Métodos Fenotípicos Moleculares novas espécies reclassificação Classificação Gêneros ( 42) Espécies ( centenas ) biotipos e sorotipos Complexos Família Enterobacteriaceae

5 Classificação - patogenia - Enteropatógenos - Infecções nosocomiais - espécies importantes - Outras espécies - raras em material clínico isoladas em : meio ambiente plantas animais Identificação de Enterobactérias

6 Enterobactérias - principal componente da flora intestinal normal do homem. Infecções -intestinal, feridas e trato urinário Abcessos, pneumonia, meningites Infecções nosocomiais Família Enterobacteriaceae Patogenia

7 Infecções intestinais Características normalmente na comunidade DTA – doença transmitida por alimento surtos / casos isolados hospitalar Patógenos entéricos clássicos Salmonella spp Shigella spp E.coli - categorias diarreiogênicas Yersinia enterocolitica Família Enterobacteriaceae Patogenia

8 Infecções extra-intestinais Comunidade Hospitalar Qualquer espécie Fatores de risco: Paciente Veículos de transmissão Alimentos contaminados Espécies mais comuns Escherichia coli Klebsiella pneumoniae Klebsiella oxytoca Proteus mirabilis Enterobacter spp Salmonella ( sorotipos) Serratia marcescens Citrobacter spp Providencia spp Família Enterobacteriaceae Patogenia

9 ISOLAMENTO E IDENTIFICAÇÃO DE ENTEROBACTÉRIAS Família Enterobacteriaceae Crescem bem nos meios comuns e meios seletivos para BGN ( 18 a 24h 1 mm de diâmetro). 1- Exame macroscópico da cultura: Aspecto morfológico das colônias ( AS, MC,SS, TSA ) Tempo de crescimento e tamanho da colônia Observar pureza da cultura 2-Exame microscópico da cultura: Gram: tamanho, morfologia, reação tintorial, etc

10 Aspecto das colônias Agar MacConkey

11

12

13 Aspecto das colônias Salmonella.E.cloacae E.coli

14 Salmonella.

15 E. coli

16 Aspecto das colônias E. cloacae

17 Família Enterobacteriaceae Identificação Bioquímica ( cultura pura) Meios presuntivos IAL (Pessoa e Silva) EPM-MILI TSI IAL

18 Provas complementares : Fermentação de açúcares LDC- ODC - ADH CiSi Pesquisa de enzimas DNase gelatinase,lipase, NAR, ONPGase Identificação Bioquímica Gram OxidaseVM e VP Série completa - 47 testes Família Enterobacteriaceae

19 Reação de VM e VP Família Enterobacteriaceae Enterobacter Klebsiella Serratia Maioria das espécies dos outros Gêneros Salmonella Shigella E.coli Proteus Morganella Providencia Citrobacter Kluyvera Enterobactérias VP+Enterobactérias VP -

20 Citrato de Simmons Escherichia coli Glicose+/Gás+/- sacarose+/- urease- *H 2S- TDA- indol+ LDC+/- Motilidade+/- lac+ CISI - K.oxytoca ( LDC+/ motil.-CiSi+) Diagnóstico Diferencial Citrobacter amalonaticus e C. diversus ( LDC-/motil.+CiSi+) Aeromonas Marcadores Epidemiológicos Infec. Intestinais Sorotipagem Fatores de virulência Infec. Extra-intestinais Sorotipagem Met. moleculares Prova

21 Salmonella Glicose+/gás v sac - H 2 S + urease- TDA - indol - LDC + Mov. + CiSi+ Lac - Diagnóstico diferencial Citrobacter spp ( H 2 S + ) Proteus glicerol Marcadores Sorotipagem Fagotipagem Moleculares Prova de Fermentação

22 Shigella E.coli ( LDC - / Mov.-) Lactose Ci Christ. Acetato Trab. Marcadores Sorotipagem Met.moleculares Glic.+ /gás - sac - urease - TDA - H 2 S indol v LDC - Mov. - CiSi - Lac - Diagnóstico diferencial Citrato Sódio

23 Klebsiella Enterobacter ( LDC+ / Mov.-) ADH ODC Fermentação Marcadores Sorotipagem Met. moleculares Diagnóstico diferencial Lac+ CiSi +

24 Enterobacter LDC,ODC,ADH Motilidade DNase Fermentação Enterobacter Klebsiella Serratia E.cloacae Marcadores Sorotipagem Met. moleculares Diagnóstico diferencial Lac+ CiSi+

25 Serratia Espécies de Serratia LDC,ODC, malonato, fermentação, pigmento Marcadores: Sorotipagem Met.moleculares Glic.+ / gás- sac. - urease - H 2 S - TDA - indol - LDC + Mov. + CiSi + Lac - DNase + Gelatinase + Lipase +

26 Citrobacter Glic.+ / gás- sac =V urease - H 2 S = V TDA - indol = V LDC - Mov. + CiSi + Lac + Espécies de Citrobacter ODC, indol, H2S malonato fermentação

27 Glic.+/ gás - sac. - urease + TDA + H 2 S = V indol = V LDC - Mov. + CiSi + Lac + Proteus Providencia Espécies H 2 S + BGN NF Swarming TDA, H 2 S, ODC, gelatinase, fermentação Proteus - Providencia - Morganella Diagnóstico diferencial

28 Fluxograma BGN Oxidase Lac + Lac - E.coli Enterobacter Klebsiella Kluyvera Citrobacter Shigella Salmonella Serratia Proteus Providencia Morganella Ágar Mac Conkey IAL Cit. Simmons + Enterobacter Klebsiella Kluyvera Citrobacter Enterobacter Klebsiella Kluyvera Citrobacter - E.coli VP + + Salmonella Serratia Proteus/Prov.(V) Salmonella Serratia Proteus/Prov.(V) - Shigella Morganella Shigella Morganella

29 IDENTIFICAÇÃO DE ENTEROBACTÉRIAS Enterobactérias em microbiologia clínica Poucas espécies Espécies incomuns, novas espécies, espécies atípicas podem ocorrer (isoladas de material clínico, ambiente, plantas e animais) PROBABILIDADES Tratar-se de uma espécie rara Cepa contaminada Uma ou mais testes não adequados na identificação ( turvação) Manipulação errada ( concentração do inóculo) Composição e quantidade do meio ( substrato presente) Controle de Q

30 IDENTIFICAÇÃO DE ENTEROBACTÉRIAS O que fazer? Checar tudo: Pureza da cultura Repetir todos os testes no mesmo sistema ou utilizando os meios anteriormente utilizados Repetir todos os testes em outro sistema de identificação ou utilizar partidas diferentes do meio. Encaminhar para laboratórios de referência

31 Considerações finais Importância da caracterização das espécies Evitar falsos surtos Não identificação do surto Atenção para cepas atípicas Atenção para espécies raras Atenção para pureza das culturas


Carregar ppt "Identificação de Enterobactérias. Dra. Tânia Mara Ibelli Vaz Pesquisador Científico Instituto Adolfo Lutz - São Paulo."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google