A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Direito Societário Gustavo Teixeira Villatore. Sociedade Conceito CCB. Art. 981. Celebram contrato de sociedade as pessoas que reciprocamente se obrigam.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Direito Societário Gustavo Teixeira Villatore. Sociedade Conceito CCB. Art. 981. Celebram contrato de sociedade as pessoas que reciprocamente se obrigam."— Transcrição da apresentação:

1 Direito Societário Gustavo Teixeira Villatore

2 Sociedade Conceito CCB. Art Celebram contrato de sociedade as pessoas que reciprocamente se obrigam a contribuir, com bens ou serviços, para o exercício de atividade econômica e a partilha, entre si, dos resultados. (Código Civil Italiano Art Con il contratto di società due o più persone conferiscono beni o servizi per l'esercizio in comune di un'attività economica allo scopo di dividerne gli utili.)

3 Sociedade CCB. Art É nula a estipulação contratual que exclua qualquer sócio de participar dos lucros e das perdas.

4 Sociedade CCB. Art (...) Parágrafo único. A atividade pode restringir- se à realização de um ou mais negócios determinados

5 Sociedades Classificação a) Quanto à Responsabilidade dos Sócios: a.1. Responsabilidade Ilimitada: a.2. Responsabilidade Limitada: a.3. Responsabilidade Mista:

6 Sociedades Classificação CCB. Art Os bens particulares dos sócios não podem ser executados por dívidas da sociedade, senão depois de executados os bens sociais.

7 Sociedades Classificação b) Quanto à Personificação: b.1. Personificadas : b.2. Não Personificadas:

8 Sociedades Classificação CCB. Art. 45. Começa a existência legal das pessoas jurídicas de direito privado com a inscrição do ato constitutivo no respectivo registro, precedida, quando necessário, de autorização ou aprovação do Poder Executivo, averbando-se no registro todas as alterações por que passar o ato constitutivo. Parágrafo único. Decai em três anos o direito de anular a constituição das pessoas jurídicas de direito privado, por defeito do ato respectivo, contado o prazo da publicação de sua inscrição no registro.

9 Sociedades Classificação CCB. Art A sociedade adquire personalidade jurídica com a inscrição, no registro próprio e na forma da lei, dos seus atos constitutivos (arts. 45 e 1.150).

10 Sociedades Classificação c) Quanto à Estrutura Econômica: c.1. De Pessoas: c.2. De Capital: c.3. Mista/Indeterminada

11 Sociedades Classificação d) Quanto à Atividade (Objeto Social): d.1. Empresárias: d.2. Simples: CCB. Art (...) Parágrafo único. A atividade pode restringir-se à realização de um ou mais negócios determinados.

12 Sociedade Empresária Art Salvo as exceções expressas, considera-se empresária a sociedade que tem por objeto o exercício de atividade própria de empresário sujeito a registro (art. 967); e, simples, as demais. Parágrafo único. Independentemente de seu objeto, considera-se empresária a sociedade por ações; e, simples, a cooperativa. (Art Considera-se empresário quem exerce profissionalmente uma atividade econômica organizada para a produção ou circulação de bens ou serviços Parágrafo único: Não se considera empresário quem exerce profissão intelectual de natureza científica, literária ou artística, ainda com o concurso de auxiliares ou colaboradores, salvo se o exercício da profissão constituir elemento da empresa).

13 Sociedade CCB. Art O empresário e a sociedade empresária vinculam-se ao Registro Público de Empresas Mercantis a cargo das Juntas Comerciais, e a sociedade simples ao Registro Civil das Pessoas Jurídicas, o qual deverá obedecer às normas fixadas para aquele registro, se a sociedade simples adotar um dos tipos de sociedade empresária.

14 Sociedade CCB. Art A sociedade empresária deve constituir-se segundo um dos tipos regulados nos arts a 1.092; a sociedade simples pode constituir-se de conformidade com um desses tipos, e, não o fazendo, subordina-se às normas que lhe são próprias. Parágrafo único. Ressalvam-se as disposições concernentes à sociedade em conta de participação e à cooperativa, bem como as constantes de leis especiais que, para o exercício de certas atividades, imponham a constituição da sociedade segundo determinado tipo.

15 Desconsideração da Personalidade Jurídica (Disregard Doctrine) A Dupla Crise da Personalidade Jurídica: (Lamartine Corrêa de Oliveira) 1ª Crise: Diz respeito ao sistema normativo sobre as pessoas jurídicas, tendo em vista que a inúmeros agrupamentos humanos é negada a personalidade jurídica, embora acabem por receber tratamento jurídico equivalente e, 2ª Crise: Diz respeito à incompatibilidade muitas vezes verificada entre a conduta real, concreta, dos grupos personificados e os princípios básicos e fundamentais que informam o ordenamento jurídico.

16 Desconsideração da Personalidade Jurídica (Disregard Doctrine) Caso Histórico: Inglaterra: * Caso Salomon vs. Salomon & Co.

17 Desconsideração da Personalidade Jurídica (Disregard Doctrine) Elementos da Desconsideração da PJ: a) Existência de uma ou mais sociedades personificadas; b) Ignorância dos efeitos da PJ; c) Ignorância dos efeitos no caso concreto; d) Manutenção da validade de atos jurídicos; e) Fim de evitar o perecimento de um interesse: (Marçal Justen Filho)

18 Desconsideração da Personalidade Jurídica (Disregard Doctrine) Conceito É a ignorância, para casos concretos e sem retirar a validade de ato jurídico específico, dos efeitos da personificação da personalidade jurídica validamente reconhecida a uma ou mais sociedades, a fim de evitar um resultado incompatível com a função da pessoa jurídica Marçal Justen Filho, Desconsideração da personalidade societária no direito brasileiro, p.57

19 Desconsideração da Personalidade Jurídica (Disregard Doctrine) Hipóteses: Abuso de Direito CCB. Art Também comete ato ilícito o titular de um direito que, ao exercê-lo, excede manifestamente os limites impostos pelo seu fim econômico ou social, pela boa-fé ou pelos bons costumes.

20 Desconsideração da Personalidade Jurídica (Disregard Doctrine) Hipóteses: Fraude Considera-se fraudulento o negócio jurídico tramado para prejudicar credores, em benefício do declarante ou de terceiros.

21 Desconsideração da Personalidade Jurídica (Disregard Doctrine) CCB. Art. 50. Em caso de abuso da personalidade jurídica, caracterizado pelo desvio de finalidade, ou pela confusão patrimonial, pode o juiz decidir, a requerimento da parte, ou do Ministério Público quando lhe couber intervir no processo, que os efeitos de certas e determinadas relações de obrigações sejam estendidos aos bens particulares dos administradores ou sócios da pessoa jurídica.

22 Desconsideração da Personalidade Jurídica Código de Defesa do Consumidor (Lei 8.078/1990) SEÇÃO V Da Desconsideração da Personalidade Jurídica Art. 28. O juiz poderá desconsiderar a personalidade jurídica da sociedade quando, em detrimento do consumidor, houver abuso de direito, excesso de poder, infração da lei, fato ou ato ilícito ou violação dos estatutos ou contrato social. A desconsideração também será efetivada quando houver falência, estado de insolvência, encerramento ou inatividade da pessoa jurídica provocados por má administração. § 1° (Vetado). (Vetado) § 2° As sociedades integrantes dos grupos societários e as sociedades controladas, são subsidiariamente responsáveis pelas obrigações decorrentes deste código. § 3° As sociedades consorciadas são solidariamente responsáveis pelas obrigações decorrentes deste código. § 4° As sociedades coligadas só responderão por culpa. § 5° Também poderá ser desconsiderada a pessoa jurídica sempre que sua personalidade for, de alguma forma, obstáculo ao ressarcimento de prejuízos causados aos consumidores.

23 Desconsideração da Personalidade Jurídica Código de Defesa do Consumidor (Lei 8.078/1990) Art. 28. (...) § 1º - A pedido da parte interessada, o juiz determinará que a efetivação da responsabilidade da pessoa jurídica recaia sobre o acionista controlador, o sócio majoritário, os sócios-gerentes, os administradores societários e, no caso de grupo societário, as sociedades que a integram.(Vetado). (Vetado)

24 Sociedade entre Cônjuges Sócios casados entre si: Art Faculta-se aos cônjuges contratar sociedade, entre si ou com terceiros, desde que não tenham casado no regime da comunhão universal de bens, ou no da separação obrigatória.

25 PARECER JURÍDICO DNRC/COJUR nº125/ A norma do artigo 977 do CC proíbe a sociedade entre cônjuges tão somente quando o regime for o da comunhão universal de bens (art ) ou da separação obrigatória de bens (art ). Essa restrição abrange tanto a constituição de sociedade unicamente entre marido e mulher, como destes junto a terceiros, permanecendo os cônjuges como sócios entre si. De outro lado, em respeito ao ato jurídico perfeito, essa proibição não atinge as sociedades entre cônjuges já constituídas quando da entrada em vigor do Código, alcançando, tão somente, as que viessem a ser constituídas posteriormente. Desse modo, não há necessidade de se promover alteração do quadro societário ou mesmo da modificação do regime de casamento dos sócios- cônjuges, em tal hipótese. Brasília, 04 de agosto de REJANNE DARC B. DE MORAES CASTRO Coordenadora Jurídica do DNRC

26 Capital Social Capital Social é a expressão numérica em moeda do valor do patrimônio fornecido pelo sócios para a sociedade, por eles reputado necessário ou adequado para a consecução dos fins sociais. (Alfredo de Assis Gonçalves Neto) Princípios da Efetividade e Intangibilidade

27 Quotas sociais Quota social é a contrapartida da contribuição que os sócios fornecem para a formação do capital social.

28 Quotas sociais Natureza Jurídica: Bem incorpóreo a) Direitos Pessoais b) Direitos Patrimoniais

29 Sociedades em Espécie no Código Civil Brasileiro Sociedade em Comum: Art. 986 a 990 Sociedade em Comum: Art. 986 a 990 Sociedade em Nome Coletivo: Art a Sociedade em Nome Coletivo: Art a Sociedade em Comandita Simples: Art a Sociedade em Comandita Simples: Art a Sociedade em Conta de Participação: Art. 991 a 996 Sociedade em Conta de Participação: Art. 991 a 996 Sociedade Simples: art. 997 a Sociedade Simples: art. 997 a Sociedade Limitada: Art a Sociedade Limitada: Art a 1.087

30 Sociedade em Comum Art Enquanto não inscritos os atos constitutivos, reger-se-á a sociedade, exceto por ações em organização, pelo disposto neste Capítulo, observadas, subsidiariamente e no que com ele forem compatíveis, as normas da sociedade simples.

31 Sociedade em Comum Art Os sócios, nas relações entre si ou com terceiros, somente por escrito podem provar a existência da sociedade, mas os terceiros podem prová-la de qualquer modo.

32 Sociedade em Comum Art Os bens e dívidas sociais constituem patrimônio especial, do qual os sócios são titulares em comum. Art Os bens sociais respondem pelos atos de gestão praticados por qualquer dos sócios, salvo pacto expresso limitativo de poderes, que somente terá eficácia contra o terceiro que o conheça ou deva conhecer. Art Todos os sócios respondem solidária e ilimitadamente pelas obrigações sociais, excluído do benefício de ordem, previsto no art , aquele que contratou pela sociedade.

33 Sociedade em Nome Coletivo Características: a) Sociedade Personificada; b) Uma categoria de sócios: b.1. Todos Pessoas Físicas; b.2. Responsáveis Solidária e Ilimitadamente CCB. Art Somente pessoas físicas podem tomar parte na sociedade em nome coletivo, respondendo todos os sócios, solidária e ilimitadamente, pelas obrigações sociais. Parágrafo único. Sem prejuízo da responsabilidade perante terceiros, podem os sócios, no ato constitutivo, ou por unânime convenção posterior, limitar entre si a responsabilidade de cada um.

34 Sociedade em Nome Coletivo Nome Empresarial: CCB. Art O contrato deve mencionar, além das indicações referidas no art. 997, a firma social. CCB. Art A sociedade em que houver sócios de responsabilidade ilimitada operará sob firma, na qual somente os nomes daqueles poderão figurar, bastando para formá-la aditar ao nome de um deles a expressão "e companhia" ou sua abreviatura. Parágrafo único. Ficam solidária e ilimitadamente responsáveis pelas obrigações contraídas sob a firma social aqueles que, por seus nomes, figurarem na firma da sociedade de que trata este artigo.

35 Sociedade em Nome Coletivo Administração: CCB. Art A administração da sociedade compete exclusivamente a sócios, sendo o uso da firma, nos limites do contrato, privativo dos que tenham os necessários poderes.

36 Sociedade em Comandita Simples Características: a) Sociedade Personificada; b) Duas Categorias de Sócios (CCB.Art ): b.1. Comanditados: Todos Pessoas Físicas, Responsáveis Solidária e Ilimitadamente b.2. Comanditários: Responsabilidade Limitada: obrigados somente pelo valor de sua quota.

37 Sociedade em Comandita Simples CCB. Art Na sociedade em comandita simples tomam parte sócios de duas categorias: os comanditados, pessoas físicas, responsáveis solidária e ilimitadamente pelas obrigações sociais; e os comanditários, obrigados somente pelo valor de sua quota.

38 Sociedade em Comandita Simples CCB. Art Aplicam-se à sociedade em comandita simples as normas da sociedade em nome coletivo, no que forem compatíveis com as deste Capítulo. Parágrafo único. Aos comanditados cabem os mesmos direitos e obrigações dos sócios da sociedade em nome coletivo.

39 Sociedade em Comandita Simples Nome Empresarial: Firma Social (CCB. Art ) Administração: CCB. Art Sem prejuízo da faculdade de participar das deliberações da sociedade e de lhe fiscalizar as operações, não pode o comanditário praticar qualquer ato de gestão, nem ter o nome na firma social, sob pena de ficar sujeito às responsabilidades de sócio comanditado. Parágrafo único. Pode o comanditário ser constituído procurador da sociedade, para negócio determinado e com poderes especiais.

40 Sociedade em Conta de Participação Características: a) Sociedade Não Personificada; b) Duas Categorias de Sócios (CCB. art. 991): b.1. Ostensivo: b.2. Participante:

41 Sociedade em Conta de Participação CCB. Art Na sociedade em conta de participação, a atividade constitutiva do objeto social é exercida unicamente pelo sócio ostensivo, em seu nome individual e sob sua própria e exclusiva responsabilidade, participando os demais dos resultados correspondentes. Parágrafo único. Obriga-se perante terceiro tão- somente o sócio ostensivo; e, exclusivamente perante este, o sócio participante, nos termos do contrato social.

42 Sociedade em Conta de Participação CCB. Art A sociedade em conta de participação não pode ter firma ou denominação.

43 Sociedade em Conta de Participação CCB. Art A constituição da sociedade em conta de participação independe de qualquer formalidade e pode provar-se por todos os meios de direito. CCB. Art O contrato social produz efeito somente entre os sócios, e a eventual inscrição de seu instrumento em qualquer registro não confere personalidade jurídica à sociedade. Parágrafo único. Sem prejuízo do direito de fiscalizar a gestão dos negócios sociais, o sócio participante não pode tomar parte nas relações do sócio ostensivo com terceiros, sob pena de responder solidariamente com este pelas obrigações em que intervier.

44 Sociedade em Conta de Participação CCB. Art A contribuição do sócio participante constitui, com a do sócio ostensivo, patrimônio especial, objeto da conta de participação relativa aos negócios sociais. § 1o A especialização patrimonial somente produz efeitos em relação aos sócios. § 2o A falência do sócio ostensivo acarreta a dissolução da sociedade e a liquidação da respectiva conta, cujo saldo constituirá crédito quirografário. § 3o Falindo o sócio participante, o contrato social fica sujeito às normas que regulam os efeitos da falência nos contratos bilaterais do falido.

45 Sociedade em Conta de Participação CCB. Art Salvo estipulação em contrário, o sócio ostensivo não pode admitir novo sócio sem o consentimento expresso dos demais. CCB. Art Aplica-se à sociedade em conta de participação, subsidiariamente e no que com ela for compatível, o disposto para a sociedade simples, e a sua liquidação rege-se pelas normas relativas à prestação de contas, na forma da lei processual.

46 Sociedade em Conta de Participação Resumo: a) Não está sujeita a uma forma especial, sendo possível provar a sua existência por qualquer meio em direito admitido; b) Não tem nome empresarial (é o sócio ostensivo que age em seu próprio nome); c) A sociedade não se relaciona com terceiros d) Não tem Personalidade Jurídica e) Não tem capital nem autonomia patrimonial (os bens integram o patrimônio do sócio ostensivo); f) Não tem sede social g) Não tem órgãos da administração h) Não há liquidação, resolvendo-se por simples prestação de contas; i) Não se sujeita à falência ou insolvência.

47 Sociedade em Conta de Participação Decreto de 26 de março de 1999 (RIR/1999) Art As sociedades em conta de participação são equiparadas às pessoas jurídicas (Decreto-Lei nº 2.303, de 21 de novembro de 1986, art. 7º, e Decreto-Lei nº 2.308, de 19 de dezembro de 1986, art. 3º). Art Na apuração dos resultados dessas sociedades, assim como na tributação dos lucros apurados e dos distribuídos, serão observadas as normas aplicáveis às pessoas jurídicas em geral e o disposto no art. 254, II (Decreto-Lei nº 2.303, de 1986, art. 7º, parágrafo único). Art O prejuízo fiscal apurado por Sociedade em Conta de Participação - SCP somente poderá ser compensado com o lucro real decorrente da mesma SCP. Parágrafo único. É vedada a compensação de prejuízos fiscais e lucros entre duas ou mais SCP ou entre estas e o sócio ostensivo.

48 Sociedade em Conta de Participação Dispõe sobre a opção pelo lucro presumido das sociedades em conta de participação.O SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL, no uso da atribuição que lhe confere o inciso III do art. 190 do Regimento Interno da Secretaria da Receita Federal, aprovado pela Portaria MF no 227, de 3 de setembro de 1998, e tendo em vista o disposto no art. 14 da Lei nº 9.718, de 27 de novembro de 1998, bem assim no Parecer PGFN/CAT no 525/2001, resolve: Portaria MF no 227, de 3 de setembro de 1998 Lei nº 9.718, de 27 de novembro de 1998 Portaria MF no 227, de 3 de setembro de 1998 Lei nº 9.718, de 27 de novembro de 1998 Art. 1º A partir de 1º de janeiro de 2001, observadas as hipóteses de obrigatoriedade de observância do regime de tributação com base no lucro real previstas no art. 14 da Lei nº 9.718, de 27 de novembro de 1998, as sociedades em conta de participação podem optar pelo regime de tributação com base no lucro presumido. Lei nº 9.718, de 27 de novembro de 1998Lei nº 9.718, de 27 de novembro de 1998 § 1º A opção da sociedade em conta de participação pelo regime de tributação com base no lucro presumido não implica a simultânea opção do sócio ostensivo, nem a opção efetuada por este implica a opção daquela. § 2º O recolhimento dos tributos e contribuições devidos pela sociedade em conta de participação será efetuado mediante a utilização de Darf específico, em nome do sócio ostensivo. Art. 2º As sociedades em conta de participação que exerçam as atividades de compra e venda, loteamento, incorporação e construção de imóveis não poderão optar pelo lucro presumido enquanto não concluídas as operações imobiliárias para as quais haja registro de custo orçado. Art. 3º O disposto nesta Instrução Normativa não prejudica a observância das demais normas relativas ao regime de tributação com base no lucro presumido previstas na legislação tributária, inclusive quanto à adoção do regime de caixa. Art. 4º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. EVERARDO MACIEL

49 Sociedade Simples CCB. Art A sociedade constitui-se mediante contrato escrito, particular ou público, que, além de cláusulas estipuladas pelas partes, mencionará: I - nome, nacionalidade, estado civil, profissão e residência dos sócios, se pessoas naturais, e a firma ou a denominação, nacionalidade e sede dos sócios, se jurídicas; II - denominação, objeto, sede e prazo da sociedade; III - capital da sociedade, expresso em moeda corrente, podendo compreender qualquer espécie de bens, suscetíveis de avaliação pecuniária; IV - a quota de cada sócio no capital social, e o modo de realizá-la; V - as prestações a que se obriga o sócio, cuja contribuição consista em serviços; VI - as pessoas naturais incumbidas da administração da sociedade, e seus poderes e atribuições; VII - a participação de cada sócio nos lucros e nas perdas; VIII - se os sócios respondem, ou não, subsidiariamente, pelas obrigações sociais. Parágrafo único. É ineficaz em relação a terceiros qualquer pacto separado, contrário ao disposto no instrumento do contrato.

50 Sociedade Simples Responsabilidade dos Sócios: CCB. Art Se os bens da sociedade não lhe cobrirem as dívidas, respondem os sócios pelo saldo, na proporção em que participem das perdas sociais, salvo cláusula de responsabilidade solidária.

51 Sociedade Simples Responsabilidade dos Sócios: I Jornada de Direito Civil do Centro de Estudos Judiciários – CEJ – do Conselho da Justiça Federal – CJF 61– Art : o termo subsidiariamente constante do inc. VIII do art. 997 do Código Civil deverá ser substituído por solidariamente a fim de compatibilizar esse dispositivo com o art do mesmo Código.

52 Sociedade Simples Responsabilidade dos Sócios: CCB. Art O sócio, admitido em sociedade já constituída, não se exime das dívidas sociais anteriores à admissão. CCB. Art A cessão total ou parcial de quota, sem a correspondente modificação do contrato social com o consentimento dos demais sócios, não terá eficácia quanto a estes e à sociedade. Parágrafo único. Até dois anos depois de averbada a modificação do contrato, responde o cedente solidariamente com o cessionário, perante a sociedade e terceiros, pelas obrigações que tinha como sócio.

53 Sociedade Simples Sócio de Indústria CCB. Art O sócio, cuja contribuição consista em serviços, não pode, salvo convenção em contrário, empregar-se em atividade estranha à sociedade, sob pena de ser privado de seus lucros e dela excluído. CCB. Art Salvo estipulação em contrário, o sócio participa dos lucros e das perdas, na proporção das respectivas quotas, mas aquele, cuja contribuição consiste em serviços, somente participa dos lucros na proporção da média do valor das quotas.

54 Penhora de Quotas Art O credor particular de sócio pode, na insuficiência de outros bens do devedor, fazer recair a execução sobre o que a este couber nos lucros da sociedade, ou na parte que lhe tocar em liquidação. Parágrafo único. Se a sociedade não estiver dissolvida, pode o credor requerer a liquidação da quota do devedor, cujo valor, apurado na forma do art , será depositado em dinheiro, no juízo da execução, até noventa dias após aquela liquidação.

55 Das deliberações sociais Art As modificações do contrato social, que tenham por objeto matéria indicada no art. 997, dependem do consentimento de todos os sócios; as demais podem ser decididas por maioria absoluta de votos, se o contrato não determinar a necessidade de deliberação unânime. Parágrafo único. Qualquer modificação do contrato social será averbada, cumprindo-se as formalidades previstas no artigo antecedente.

56 Das deliberações sociais Art Quando, por lei ou pelo contrato social, competir aos sócios decidir sobre os negócios da sociedade, as deliberações serão tomadas por maioria de votos, contados segundo o valor das quotas de cada um. § 1o Para formação da maioria absoluta são necessários votos correspondentes a mais de metade do capital. § 2o Prevalece a decisão sufragada por maior número de sócios no caso de empate, e, se este persistir, decidirá o juiz. § 3o Responde por perdas e danos o sócio que, tendo em alguma operação interesse contrário ao da sociedade, participar da deliberação que a aprove graças a seu voto.

57 Dos deveres e responsabilidades do administrador Art O administrador da sociedade deverá ter, no exercício de suas funções, o cuidado e a diligência que todo homem ativo e probo costuma empregar na administração de seus próprios negócios. Art Os administradores respondem solidariamente perante a sociedade e os terceiros prejudicados, por culpa no desempenho de suas funções.

58 Da Administração Art O administrador, nomeado por instrumento em separado, deve averbá-lo à margem da inscrição da sociedade, e, pelos atos que praticar, antes de requerer a averbação, responde pessoal e solidariamente com a sociedade. Art A administração da sociedade, nada dispondo o contrato social, compete separadamente a cada um dos sócios. § 1o Se a administração competir separadamente a vários administradores, cada um pode impugnar operação pretendida por outro, cabendo a decisão aos sócios, por maioria de votos. § 2o Responde por perdas e danos perante a sociedade o administrador que realizar operações, sabendo ou devendo saber que estava agindo em desacordo com a maioria.

59 Art No silêncio do contrato, os administradores podem praticar todos os atos pertinentes à gestão da sociedade; não constituindo objeto social, a oneração ou a venda de bens imóveis depende do que a maioria dos sócios decidir. Parágrafo único. O excesso por parte dos administradores somente pode ser oposto a terceiros se ocorrer pelo menos uma das seguintes hipóteses: I - se a limitação de poderes estiver inscrita ou averbada no registro próprio da sociedade; II - provando-se que era conhecida do terceiro; III - tratando-se de operação evidentemente estranha aos negócios da sociedade.

60 Dos impedimentos Art (...) § 1º Não podem ser administradores, além das pessoas impedidas por lei especial, os condenados a pena que vede, ainda que temporariamente, o acesso a cargos públicos; ou por crime falimentar, de prevaricação, peita ou suborno, concussão, peculato; ou contra a economia popular, a fé pública ou a propriedade, enquanto perdurarem os efeitos da condenação.


Carregar ppt "Direito Societário Gustavo Teixeira Villatore. Sociedade Conceito CCB. Art. 981. Celebram contrato de sociedade as pessoas que reciprocamente se obrigam."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google