A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

PROFESSORA: JAINE CAMARGO ALUNOS: CAMILA GOTTARDI JOÃO PAULO SOUZA Floricultura e Paisagismo Lírios.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "PROFESSORA: JAINE CAMARGO ALUNOS: CAMILA GOTTARDI JOÃO PAULO SOUZA Floricultura e Paisagismo Lírios."— Transcrição da apresentação:

1 PROFESSORA: JAINE CAMARGO ALUNOS: CAMILA GOTTARDI JOÃO PAULO SOUZA Floricultura e Paisagismo Lírios

2 Introdução Muito apreciadas Utilizadas em : ornamentações, corte e envasadas Fácil manejo Baixo custo de produção Ciclo curto

3 Introdução Retorno econômico rápido Comercialização de bulbos Exigências importantes: drenagem do solo,proteção de ventos e calor e contra pragas e doenças.

4 Exigências Comerciais Para flor de corte: Período de crescimento curto em casa de vegetação Bulbo latência curta, armazenados a frio (-1°C) Flores com pedicelos curtos, uma flor em cada

5 Exigências Comerciais Não devem apresentar cheiro forte Anteras não produz pólen em excesso Resistentes as enfermidades (Botritys) e a viroses comuns

6 Aspectos Botânicos Gênero: Lilium Família: Liliaceae Herbácea Monocotiledônea Bulbosa (escamosa) Perene Gema central Bulbilhos

7 Bulbos Variam em: coloração, tamanho, forma, nº de escamas São classificadas em: Concêntricos Estoloníferos Rizomatosos

8 Bulbos Concêntricos: Espécies asiáticas Mais usual Parte basal arredondada por escamas Caule emerge do centro Sessões de crescimento bem marcados

9 Bulbos Estoloníferos: Mesma forma que o concêntrico Mas são comercializados com um ou mais estolões que saem da base

10 Bulbos Rizomatosos: Restrito aos lírios norte americanos Ampla base Formada por escamas apontando para cima Coloração das escamas varia com o tipo de lírio

11 Raiz e Caule Bulbos maiores produzem raízes grossas e profundas Alguns apresentam raiz no caule entre os bulbilhos e a superfície do solo Caules eretos e muito fortes, alguns curvados Caules resistentes, altura varia 0,30 a 2,0 m A cor varia bastante de verde pálido a preto

12 Folhas Folhas ao longo do caule: sésseis e lanceoladas Largura varia Folhas curtas e lanceoladas são plantadas com maior densidade Estão dispostas em arranjo espiral, alternadas ou parte intermediária

13 Flores Variação: cor, tamanho e forma Formato: plano ou trompete Cores: brancas, amarelas, alaranjadas, roxo- alaranjados até púrpura Ovários fechados por sépalas Seis segmentos: 3 internos (pétalas), 3 externos (sépalas)

14 Flores Mudança de cor em direção ao centro da flor Face pra cima Forma de trombeta: Mostra horizontal Baixa umidade Proteção do pólen Pedicelo apresenta a flor

15 Flores aparência floral: duração pedicelo, forma e ângulo Pedicelos são responsável pela posição Simples carregando 1 flor Algumas espécies transportam 2 florações Ex: Lilium speciosum e alguns híbridos

16 Variedades 20 espécies para classificação Vários tipos geneticamente Resulta numa vantagem São 5 tipos de híbridos de importância comercial

17 Variedades: Híbridos longiflorum Nativo do Japão Coloração branca Florada: setembro e novembro Perfume adocicado

18 Variedades: Híbridos longiflorum Formato de trompete ou funil 2 ou 3 por haste Folhas estreitamente lineares Derivados de L. formosanum e L. longiflorum

19 Variedades: Híbridos asiáticos Desenvolvido de originadas da Ásia Flores geralmente inodoro Folhas estreitamente ovaladas, alternadas Flores 3 tipos de posição:, para fora e pendentes Originadas: L. bulbiferum, L. cernuum, L. concolor, L. davidii, L. lancifolium e L. maculatum

20 Variedades: Híbridos asiáticos

21 Principais características: Bulbos com longo período de armazenamento Não suporta temperaturas Ampla variedades de cores Período de florescimento curto Muitos botões florais Necessidade de luz Crescimento ano todo Algumas para produção envasadas

22 Variedades: Híbridos orientais Originário do Japão Botões florais maiores que os asiáticos Derivadas das espécies asiáticas: L. auratum, L. japonicum, L. speciosum e L. henryi Folhas largas e numerosas Flores rosas e brancas Flor 4 divisões: formato trompete, tigela, plana ou tigela rasa, chapéu turco

23 Variedades: Híbridos orientais

24 Características: Gama de cores limitadas Flores bem perfumadas Longo período em casa de vegetação Bulbos grandes para produção Pouco sensível a baixa luminosidade Uso de maior espaçamento Adequado para flor de vaso Bulbos caros

25 Variedades: L.A. híbridos Resultado do cruzamento lírio nativo brasileiro e os híbridos asiáticos Produz plantas de formato muito parecido ao híbrido asiático Botão floral grande semelhante ao lírio oriental

26 Variedades: L.A. híbridos

27 Fisiologia da planta Reproduz convencionalmente por bulbos Tipo escamoso Escamas: proteção ao ataque de pragas e a desidratação Gemas em espiral Base das escamas e raízes crescem no verão (perene) Floresce de novembro a março

28 Fisiologia da planta Plantas dormentes no inverno Requerem vernalização (resfriamento e umidade) Artificialmente (mín. 6 semanas a 5°C) Abortamento de broto, sinal de ambiente estressante Ex: calor excessivo, deficiência hídri., baixo nível de luminosidade

29 Propagação Propagação por forma vegetativa (escamação), bulbilhos, cultura de tecidos e semente Produção por escamas é lenta (2 a 3 anos) para obter flor de qualidade, usado em multiplicação de bulbos As escamas são pulverizadas Captan, colocados em substratos inertes, de 20 a 23°C

30 Propagação Pequenos bulbilhos no lado inferior, após 3 meses Naturalmente forma pequenos bulbilhos na base da planta Eles produzem pequenas raízes, vernalização antes de plantar

31 Propagação Cultura de tecidos: obtenção de variedades livres de vírus, propagação rápida e mudas de novas variedades Por meio de sementes: semeadas em temperatura 13 a 18°C, é utilizado em melhoramento genético

32 Vernalização Inibi aparecimento de brotos nos bulbos Bulbos submetido à frio e umidade (out e nov) Em dezembro retira do frio e em janeiro começar a brotar O processo acelera a emergência e o florescimento Temperatura e duração difere entre espécies e cultivares

33 Quantidade de brotos e tamanho de bulbos Quantidade: tamanho do bulbo, vernalização e fatores de crescimento Principal fator temperatura Luminosidade, adubação, nível de CO², raiz, irrigação Bulbos grandes produzem flores temperatura poucos dias, a quantidade de brotos

34 Preparo do solo Bem drenados Enriquecido com M.O Solos argilosos e pesados adequados Aração, gradagem (destorroamento) Solo muito argiloso mistura húmus ou esterco (30cm) Tratamento térmico do solo 65°C, 2 dias repouso

35 Época de plantio Qualquer época do ano (de acordo com o material) Época indicada: início primavera (geada ) Início de outono, sem risco de danos ao bulbo Solo úmidos e irrigados, baixas temperaturas Danos maiores: temperatura -5°C, sem irrigação Solos secos, temperatura 1°C causa danos

36 Plantio Bulbos congelados Local sombreado, um dia antes Plantados em sulcos, posição vertical Profundidade: 6-8 cm(inverno),8-10 cm(verão) Cobrir com palha Plantio em canteiro 1,20x48 m, ou casa de vegetação Manter solo sempre úmido

37 Adubação Calagem e adubação com recomendação Esterco bovino 1m³ por 100 m² de solo Ph: 6-7 (l. asiáticos), 5,5-6,5 (l. orientais) Fertirrigação é muito utilizada

38 Cultivo hidropônico Adubação fornecida por fertirrigação Sistema automatizado Caixa em áreas específicas Pulverizadas com defensivos, solução de nutrientes Estufa

39 Manejo da cultura Sombreamento estimula crescimento de haste Flor de corte haste 70 cm, valor comercial Variedades curta, sombreamento 70 a 80% Sombreamento 35 a 40% Casa de vegetação sombreamento móvel

40 Irrigação Raízes pouco profundas; Solo bem drenado (40 cm); umidade: antecipa o ciclo, flores pequenas, caules curtos; umidade: retarda o ciclo, apodrecimento de bulbos;

41 Tutoramento

42 Doenças Podridão radicular: Pythium; Podridão por Rhizoctonia sp: Necrose no colo da planta; Controle feito com desinfecção do solo, boa drenagem e aplicação de fungicidas.

43 Pragas

44 Colheita Realizar em Temp. abaixo de 26 °C; Irrigar antes de iniciar a colheita; De acordo com a coloração, tamanho e textura dos botões; Botões devem estar fechados; Remoção das anteras; Hastes colhidas devem ser dispostas em bacias plásticas com água.

45 Pós-colheita Armazenar as hastes em água, dentro de câmara fria (2-5°C); Após 1h é feito o corte das hastes e remoção de 1/3 das folhas para classificação; O transporte é feito em água, longe de frutas pois os lírios são sensíveis ao etileno.

46 Comercialização Três categorias: pequena, média e grande;

47 OBRIGADO!

48 Referências Foto 1: Foto 2: que-sao-bulbos.htmlhttp://detalhesdonossojardim.blogspot.com.br/2013/05/o- que-sao-bulbos.html Foto 3 e 4: m m Foto 5: Foto 6: extract-baihe-bulbus-lilii htmlhttp://portuguese.alibaba.com/product-gs/lily-bulb-p-e- extract-baihe-bulbus-lilii html Foto 7: Foto 8: artificiais/haste-artificial/haste-lirio-laranja-73cm.htmlhttp://www.encantemais.com.br/loja-online/flores-plantas- artificiais/haste-artificial/haste-lirio-laranja-73cm.html

49 Foto 9: segunda-posicao-no-mercado-nacional-de-flores.htmlhttp://aserra.com.br/noticias/nova-friburgo-alcanca-a- segunda-posicao-no-mercado-nacional-de-flores.html Foto 10: besouro-vermelho-do-l%C3%ADrio-image http://pt.dreamstime.com/fotos-de-stock-royalty-free- besouro-vermelho-do-l%C3%ADrio-image Foto 11: managed/ /adult-gladiolus-thrip-thrips-simplex-on-ahttp://www.corbisimages.com/stock-photo/rights- managed/ /adult-gladiolus-thrip-thrips-simplex-on-a Foto 12: Foto 13: Foto 14: ml ml Foto 15: del-turco-amarillo-salvaje-image http://es.dreamstime.com/foto-de-archivo-lirio-del-casquillo- del-turco-amarillo-salvaje-image

50 Foto 16: /http://pixabay.com/pt/l%C3%ADrio-branco-trompete /


Carregar ppt "PROFESSORA: JAINE CAMARGO ALUNOS: CAMILA GOTTARDI JOÃO PAULO SOUZA Floricultura e Paisagismo Lírios."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google