A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Quimera Biomedicina Disciplina de Genética e Evolução Monitora: Angélica Baumont Adaptado do seminário elaborado pela acadêmica Suélen Merlo.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Quimera Biomedicina Disciplina de Genética e Evolução Monitora: Angélica Baumont Adaptado do seminário elaborado pela acadêmica Suélen Merlo."— Transcrição da apresentação:

1 Quimera Biomedicina Disciplina de Genética e Evolução Monitora: Angélica Baumont Adaptado do seminário elaborado pela acadêmica Suélen Merlo

2 Quimera - Histórico Quimerafigura mítica oriunda da Anatólia Surgiu na Grécia durante o século VII a.c. Monstruoso produto da união entre Equidna e Tifon

3 Quimera - Histórico Mitologia grega Partes de diferentes animais Cabeça de leão, corpo de capricórnio e cauda de serpente Linguagem popular Composição fantástica, absurda ou monstruosa Utopia Biologia Indivíduos com populações de células derivadas de diferentes indivíduos (células não próprias) Baixos níveis destas célulasMicroquimerismo

4 Quimerismo X Mosaicismo QUIMERISMO Estágios iniciais do desenvolvimento Células de dois embriões distintos se fundem para dar origem a um único indivíduo Algumas áreas formadas por um tipo de células e outras por células de outro tipo MOSAICISMO Modificações em células de um único embriãoduas ou mais linhagens celulares Perda ou duplicação de cromossomos Algumas células são geneticamente iguais às iniciais e outras são modificações destas

5 Quimerismo X Mosaicismo

6 Quimerismo em seres humanos Espécie humanararos exemplos de quimeras verdadeiras resultantes da fusão de células de dois embriões Descoberta de quimera na espécie humanafusão de zigotos de sexos opostos Alterações no desenvolvimento sexual Tipagem de células sangüíneas Indivíduos pertencentes a mais de um grupo »Quimeras sangüíneas

7 Quimerismo em seres humanos Microquimerismo Tratamento de leucemiastransplante de medula Transferência de células sangüíneas Naturalmente entre Gestação normal: Células do fetocirculação materna Células da mãecirculação do filho Permanência dessas células vários anos após o parto gêmeos dizigóticos filho e mãe (gestação normal)

8 Quimerismo em seres humanos Gestação de gêmeos dizigóticos Intercâmbio entre as células que originam células sangüíneas no adulto Gêmeos terão células sangüíneas geneticamente de dois tipos

9 Microquimerismo Fetal-Materno nas Doenças Reumáticas Auto-Imunes Gestaçãotráfico bidirecional de células entre mãe e feto Células fetais no sangue periférico materno: 1° trimestre da gravidez Detectadas já a partir de 5 semanas de gestação Informação de DNA fetal: progressivo ao longo da gravidez (ainda maior na época do parto) Células fetais podem ser detectadas no sangue periférico materno até 27 anos após o parto Rev Bras Reumatol, v. 44, n. 1, p , jan./fev., 2004

10 Microquimerismo Fetal-Materno nas Doenças Reumáticas Auto-Imunes Gravidez Evento unicamente feminino com drásticas mudanças hormonais Exposição a células fetais Evento imunológico Células expressam produtos genéticos herdados do pai Estranhos para a mulher grávida > incidência em mulheres: doenças reumáticas auto-imunes Mulheres nuligestas e homens??? Enxertamento de células; origem materna...

11 Quimerismo dos gêmeos dizigóticos Anastomoses placentáriastrocas de células circulatórias nucleadas entre os gêmeos Troca de células tronco hematopoiéticas entre os fetos Anterior ao desenvolvimento da imunocompetência Estado de tolerância imunológica permanente entre os gêmeos Coexistência de populações celulares geneticamente diferentes Ausência de rejeição de enxertos recíprocos Beiguelman, Bernardo: O ESTUDO DE GÊMEOS, pág

12 O Quimerismo dos gêmeos dizigóticos Década de 50: heterogeneidade na população de hemácias quanto aos grupos sangüíneos de gêmeos DZ Populações de hemácias quanto aos grupos ABO ou Rh 1963: Demonstração citogenética por Chown e col. Culturas de leucócitos de gêmeos DZ discordantes quanto ao sexo 30% das células da menina com cariótipo masculino (46,XY) 22% das células do menino com cariótipo feminino (46,XX)

13 Fertilização in vitro Transferência de mais de um embrião para ser implantado na mãe incidência de nascimento de gêmeos não idênticos risco proporcional de anomalias raras associadas à gestação de gêmeosquimerismo 1998: descrição de quimera –Resultado de fertilização in vitro –Fusão de dois óvulos fecundados por dois espermatozóides distintos Quimerismo em seres humanos Único embrião formado a partir de dois óvulos e dois espermatozóides diferentes

14 Médicos de Massachusetts, Estados Unidos, descobriram uma mulher que possui dois tipos de células geneticamente diferentes Mulher criada a partir da fusão de gêmeos Paciente: Jane, de 52 anos –Internada no Centro Médico Beth Israel Deaconess, Boston –Seria submetida transplante de rim Doadores: filhos concebidos naturalmente não eram biologicamente relacionados à paciente Quimera »Gêmeos não idênticos que acabaram se fundindo no útero durante a gestação Mesmo indivíduo sangue: células de um dos gêmeos ovários: dominância de células do outro gêmeo

15 Equipe acha primeira quimera partenogenética humana FD: Garoto de 3 anos e meio que tem células com origens genéticas diferentes Algumas células vêm apenas da mãe (mesmo material genético da mãe) Outras resultam de fecundação normal entre óvulo e espermatozóide (células que mesclam material genético da mãe e do pai) Começou a ser formado antes mesmo da entrada do espermatozóide no óvulo mecanismo de auto-ativação Reversão de sexo: é um menino, mas células suas têm cromossomos sexuais femininos Células com informação genética apenas maternapartenogênese FD é um caso único de quimera partenogenética

16 Equipe acha primeira quimera partenogenética humana Nascido de parto normal Demonstra ter um comportamento agressivo e dificuldades de aprendizado

17 Equipe acha primeira quimera partenogenética humana

18 Médicos descobrem novo tipo de gêmeos nos Estados Unidos Gêmeos. Grupo liderado pela pesquisadora Vivienne Souter, do Centro Médico Samaritano Banner Good, nos EUA Análise do DNA de dois bebês: um bebê hermafrodita e o outro normal Alelos maternos eram iguais, mas herança paterna era diferente –Gêmeos compartilham 100% dos alelos maternos e aproximadamente 50% dos paternos FOLHA DE SÃO PAULO - NOTÍCIA DO DIA: 27/3/2007 Idênticos (mesmo DNA) Fraternos (DNA diferente) Gêmeos semi-idênticos???

19 Médicos descobrem novo tipo de gêmeos nos Estados Unidos Único óvulo fecundado por 2 espermatozóides do mesmo pai zigoto se divide em 2 origem a 2 embriões Fenômeno muito raro Fertilização dupla ocorre em cerca de 1% dos casos, mas em geral o embrião não sobrevive Para que resulte em gêmeos semi-idênticos: necessária divisão do zigoto

20 Médicos descobrem novo tipo de gêmeos nos Estados Unidos Gêmeos semi-idênticos Dois espermatozóides fecundam um único óvulo Se divide em dois embriões Bebês: herança genética idêntica por parte da mãe, mas diferente por parte de pai Quimeras, nem todas as células de cada uma delas possuem o mesmo DNA.

21 Quimerismo em seres humanos Diante dos resultados que começam a surgir, deve-se dar cada vez mais atenção para o significado clínico do quimerismo e do mosaicismo Fertilização in vitro: considerar os riscos que corre um casal que opta por esse procedimento São necessárias mais pesquisas sobre o tema: real dimensão dos riscos que oferece, seja nas doenças que pode causar ou mesmo no transplante de células-tronco OBS: Cuidar com o termo errôneo carga genética de alguns artigos

22 ? ? ?? ? ? ? ? ? ? ? ? ? ?


Carregar ppt "Quimera Biomedicina Disciplina de Genética e Evolução Monitora: Angélica Baumont Adaptado do seminário elaborado pela acadêmica Suélen Merlo."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google