A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Particularidades da Herança Monogênica Monitora Cristina Montagner Setembro 2006.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Particularidades da Herança Monogênica Monitora Cristina Montagner Setembro 2006."— Transcrição da apresentação:

1 Particularidades da Herança Monogênica Monitora Cristina Montagner Setembro 2006

2 Distúrbios Genéticos Distúrbios Cromossômicos – –Excesso ou deficiência de genes contidos em cromossomos inteiros ou em porções cromossômicas. Distúrbios Multifatoriais – –Variação no gene que produz ou predispõe a um defeito, em geral em conjunto com fatores ambientais. Distúrbios Monogênicos – –Genes mutantes.

3 Distúrbios Monogênicos Causados por genes mutantes. Em 1 ou 2 cromossomos do par. Em geral, exibem padrões óbvios e característicos de heredograma e herança. Raros, mas responsáveis por uma proporção significativa de doenças e mortes na infância. Afetam 2% da população.

4 Distúrbios Genéticos com padrões clássicos de Herança Mendeliana DominanteRecessivo AutossômicoAutossômico Dominante Autossômico Recessivo Ligado ao XDominante ligado ao X Recessivo ligado ao X

5 Herança Dominante e Recessiva Dominante – –Fenótipo é expresso do mesmo modo em homozigotos e em heterozigotos. Recessivo – –Fenótipo é expresso apenas em homozigotos.

6 Nos heterozigotos, com um alelo normal e outro mutante, a metade da quantidade normal do produto gênico do alelo normal é suficiente para efetuar uma determinada função? Herança Dominante e Recessiva

7 SIM SIM Alelo normal é dominante! Alelo mutante é recessivo! Em heterozigose, o fenótipo é normal! NORMALMUTADO Distúrbio é recessivo!

8 NÃO NÃO Alelo normal é recessivo! Alelo mutante é dominante! Em heterozigose, o fenótipo é alterado! NORMALMUTADO Distúrbio é dominante!

9 Doenças monogênicas que apresentam particularidades

10 Anemia Falciforme Hemoglobinopatia Principais características: - início na infância - anemia - infarto - esplenomegalia - dactilite - infecções repetidas

11 Patogenia: Hemoglobina 4 subunidades (2 alfa e 2 beta) Mudança de um único nucleotídeo que gera a substituição do Glutamato pela Valina no 6º aminoácido da beta-Globina Anemia Falciforme

12 Patogenia: Hemoglobina S 2 2 6(val) HbA DNA GTC CAC CTG ACT CCT GAG AGA AAG... cadeia val his leu tre pro glu glu lis... HbS DNA GTC CAC CTG ACT CCT GTG GAG AAG... cadeia val his leu tre pro val glu lis...

13 Patogenia: Como conseqüência diminui a solubilidade da hemoglobina desoxigenada e faz com que ela forme uma estrutura em forma de polímeros que distorce a forma normal do eritrócito (células falciformes) Oclusão vascular Anemia Falciforme

14 Homozigotos Hb S / Hb S Anemia Falciforme Heterozigotos Hb S / Hb A Traço falcêmico: clinicamente normais, mas suas hemácias se afoiçam quando submetidas à baixa pressão de O 2 Confere resistência à malária Homozigotos Hb A / Hb A Normal Genética da Anemia Falciforme

15 Alelo Normal × Alelo Mutado Nível da síntese da hemoglobina – – são co-dominantes Nível clínico – – anemia se comporta como um distúrbio recessivo Nível do funcionamento fisiológico: – – normal é incompletamente dominante – – mutado é incompletamente recessivo Genética da Anemia Falciforme

16 Osteogênese Imperfeita Distúrbio do colágeno tipo I Predisposição à fratura e à deformidade esquelética Variações clínicas: da forma letal perinatal até um aumento na freqüência das fraturas 4 fenótipos principais ( I ao IV)

17 Osteogênese Imperfeita Deformidades ósseas

18 Osteogênese Imperfeita Deformidades ósseas

19 Molécula de pró-colágeno tipo I normal é formada por 2 cadeias de pró&1 e 1 de pró&2 Mais de 200 mutações que afetam a síntese e a estrutura Maioria das mutações é de ação dominante EFEITO NEGATIVO DOMINANTE uma proteína anormal afeta o funcionamento da proteína normal Genética da Osteogênese Imperfeita

20 Duas classes de mutações: Duas classes de mutações: - Diminuição de Colágeno Tipo I pro&1 M pro&1 pro&1 M pro&1 pro&1 M pro&1 M pro&2 pro&2 pro&2 - Colágeno Tipo I estruturalmente defeituoso pro&1pro&1 pro&2 M Genética da Osteogênese Imperfeita

21 Doença de Huntington Distúrbio neurodegenerativo progressivo Idade de manifestação é variável (da infância até a idade adulta avançada) Principais características: – –anomalias motoras (coréia e distonia) – –mudanças de personalidade – –perda gradual da cognição

22 Herança Autossômica Dominante Mutação resulta de uma expansão de um trecho de repetições da trinca CAG (o códon que especifica o aminoácido glutamina), na região codificante de um gene para a proteína HUNTINGTINA. – –Indivíduos normais 9 e 35 repetições – –Indivíduos afetados mais de 40 repetições 3% indivíduos: nova expansão 97% indivíduos: herdam alelo mutado Genética da Doença de Huntington

23 Quando mais de 40 repetições sempre ocorre a doença. Quanto maior a expansão (pode se expandir na transmissão) mais cedo é o início da doença e mais grave são as manifestações clínicas ANTECIPAÇÃO Indivíduos com repetições na faixa de 40/50 podem não manifestar a doença até um período mais tardio de vida Genética da Doença de Huntington (dependente da idade) PENETRÂNCIA REDUZIDA (dependente da idade)

24 Expansão GANHO DE FUNÇÃO DELETÉRIO Genética da Doença de Huntington Atrofia grave e difusa do corpo estriado + disfunção neuronal, atrofia cerebral generalizada e mudanças nos níveis dos neuroreceptores

25 CORPO ESTRIADO Doença de Huntington

26 Expansão ocorre com maior freqüência durante a GAMETOGÊNESE MASCULINA Genética da Doença de Huntington herança paterna das maiores expansões

27 Hipercolesterolemia Familiar Distúrbio do colesterol e do metabolismo dos lipídios Principais características: – –hipercolesterolemia – –aterosclerose – –xantomas Idade de início: – –Homozigotos infância – –Heterozigotos início da vida adulta

28 Hipercolesterolemia Familiar XANTOMAS

29 Hipercolesterolemia Familiar ATEROSCLEROSE

30 Mutação no gene que codifica o receptor de LDL (glicoproteína transmembrana expressa no fígado e no córtex da supra-renal, que tem um importante papel na homeostasia do colesterol). acúmulo do LDL e do colesterol plasmáticos Hipercolesterolemia Familiar diminuição da eficiência da endocitose do LDL (principal proteína de transporte do colesterol plasmático)

31 Hipercolesterolemia Familiar

32 Distúrbio Autossômico Dominante DOSAGEM GÊNICA HAPLOINSUFICIÊNCIA metade do produto gênico normal não é suficiente para produzir fenótipo normal! Genética da Hipercolesterolemia Familiar mais cedo e mais grave nos homozigotos do que nos heterozigotos

33 Retinoblastoma Tumor maligno raro de origem retiniana. Principais características: – –Estrabismo – –Conjuntivite – –Deterioração visual – –Leucocoria

34 Retinoblas- toma

35 Mutação no gene RB1 (1º gene supressor tumoral identificado). Expresso também em outros tecidos Mutação inicia tumores apenas na retina, por motivos desconhecidos. Há dois tipos de retinoblastoma – –Hereditário – –Esporádico Genética do Retinoblastoma

36 40% 60% Forma Hereditária Forma Esporádica Mutação linhagem Gene Normal germinativa mutação mutação somática somática mutação somática Tumores múltiplos Tumor único Geralmente Bilateral Geralmente Unilateral Início precoce (1° ano) Início tardio (24 meses) Outros tumores mais tarde Genética do Retinoblastoma

37

38 Retinoblastoma tem padrão de herança autossômico dominante. Sendo assim, por que a perda de função de ambos os alelos é necessária para o desenvolvimento do tumor, sendo um alelo normal suficiente para produzir um fenótipo normal? A predisposição ao câncer é herdada de forma dominante, mas as mutações que levam ao câncer são recessivas em nível celular, pois ambas as cópias dos genes devem estar disfuncionais. Genética do Retinoblastoma


Carregar ppt "Particularidades da Herança Monogênica Monitora Cristina Montagner Setembro 2006."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google