A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

2. Extinção do Contrato de Trabalho com motivo  A extinção do contrato pelo empregador, motivada, se dá através da chamada justa causa  A iniciativa.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "2. Extinção do Contrato de Trabalho com motivo  A extinção do contrato pelo empregador, motivada, se dá através da chamada justa causa  A iniciativa."— Transcrição da apresentação:

1

2 2. Extinção do Contrato de Trabalho com motivo

3  A extinção do contrato pelo empregador, motivada, se dá através da chamada justa causa  A iniciativa é do empregador e o motivo é dado pelo empregado 2.1. Iniciativa do empregador

4 1. de acordo com os contorno do art. 482, ou de outras leis; 2. reação imediata  princípio da imediatidade 3. gravidade que impossibilite a continuação do vínculo; 4. inexistência de perdão tácito ou expresso; 5. haja repercussão na vida da empresa; 6. apreciação das condições do empregado; 7. que o fato não tenha sido punido. Requisitos – Valentin Carrion

5 Art Constituem justa causa para rescisão do contrato de trabalho pelo empregador: - CONFORME VALENTIN CARRION Figuras de justa causa – artigo 482 C LT

6 a) ato de improbidade;  ”atentado contra o patrimônio do empregador, de terceiros ou de companheiros de trabalho” (Gomes- Gottschalk); “atos que revelam claramente desonestidade, abuso, fraude ou má fé (Russomano) Figuras de justa causa – artigo 482 C LT

7 b) incontinência de conduta ou mau procedimento;  O mau procedimento seria algo muito amplo que serviria para focalizar qualquer ato do empregado que, pela sua gravidade, impossibilite a continuidade do vínculo, desde que não acolhido ou excluído por outra figura. Figuras de justa causa – artigo 482 C LT

8 c) negociação habitual por conta própria ou alheia sem permissão do empregador, e quando constituir ato de concorrência à empresa para a qual trabalha o empregado, ou for prejudicial ao serviço;  Qualquer atividade (mesmo não comercial), habitual que represente concorrência ou prejuízo ao empregador Figuras de justa causa – artigo 482 C LT

9 d) condenação criminal do empregado, passada em julgado, caso não tenha havido suspensão da execução da pena;  A rescisão se dá pela impossibilidade de prestação de serviço em decorrência de condenação sem direito a recurso Figuras de justa causa – artigo 482 C LT

10 e) desídia no desempenho das respectivas funções;  É a falta culposa ligada à negligência; costuma caracterizar-se pela prática ou omissão de vários atos (comparecimento impontual, ausências, produção imperfeita) Figuras de justa causa – artigo 482 C LT

11 e) desídia no desempenho das respectivas funções;  É a falta culposa ligada à negligência; costuma caracterizar-se pela prática ou omissão de vários atos (comparecimento impontual, ausências, produção imperfeita) Figuras de justa causa – artigo 482 C LT

12 DESÍDIA

13 f) embriaguez habitual ou em serviço;  Habitual: mesmo sem relação com o serviço, ou em serviço  Não se configura a justa causa em caso de doença, conforme jurisprudência, sendo que esta pode afastar mesmo outras figuras. Figuras de justa causa – artigo 482 C LT

14 Embriaguez habitual

15 h) ato de indisciplina ou de insubordinação;  Indisciplina: descumprimento de ordens gerais dirigidas impessoalmente ao quadro de empregados (ex. não fumar em certos locais);  Insubordinação: desobediência a determinada ordem endereçada a certo empregado ou a um grupo de empregados (ex. executar uma tarefa específica) Figuras de justa causa – artigo 482 C LT

16 i) abandono de emprego;  Há necessidade de a) ausência injustificada; b) mais ou menos longa (jurisprudência considera 30 dias), mas pode ser inferior, se houver outras circunstância evidenciadoras (ex. outro emprego); e c) intenção de abandono;  Em 30 dias, presume-se o abandono, antes disso, deve ser provado pelo empregador Figuras de justa causa – artigo 482 C LT

17 Abandono de Emprego

18 j) ato lesivo da honra ou da boa fama praticado no serviço contra qualquer pessoa, ou ofensas físicas, nas mesmas condições, salvo em caso de legítima defesa, própria ou de outrem; k) ato lesivo da honra e boa fama ou ofensas físicas praticadas contra o empregador e superiores hierárquicos, salvo em caso de legítima defesa, própria ou de outrem; Figuras de justa causa – artigo 482 CLT

19  calúnia, injúria ou difamação contra qualquer pessoa no serviço no local da empresa ou onde esta exerce suas atividades, de forma a “conturbar o ambiente de trabalho” (Barreto Prado); a legítima defesa afasta a justa causa, em caso de agressão injusta, atual ou iminente, inevitável, devendo ser moderada. Figuras de justa causa – artigo 482 CLT

20 l) prática constante de jogos de azar.  Prática habitual de jogos onde a sorte é elemento predonderante que afetem o contrato de trabalho, a prestação do trabalho ou o ambiente de trabalho (Maurício Godinho Delgado) Figuras de justa causa – artigo 482 C LT

21 Parágrafo único. Constitui igualmente justa causa para dispensa de empregado a prática, devidamente comprovada em inquérito administrativo, de atos atentatórios à segurança nacional.  atos de terrorismo?? Isso é o que seria previsto hoje, destacando que foi concedida anistia para vários casos considerados de exceção (ADCT, art. 8º, lei 10559/2002) Figuras de justa causa – artigo 482 C LT

22 a) Art. 240 CLT: Nos casos de urgência ou de acidente, capazes de afetar a segurança ou regularidade do serviço, poderá a duração do trabalho ser excepcionalmente elevada a qualquer número de horas, incumbindo à Estrada zelar pela incolumidade dos seus empregados e pela possibilidade de revezamento de turmas, assegurando ao pessoal um repouso correspondente e comunicando a ocorrência ao Ministério do Trabalho dentro de dez dias da sua verificação. Parágrafo único. Nos casos previstos neste artigo, a recusa, sem causa justificada, por parte de qualquer empregado, à execução de serviço extraordinário, será considerada falta grave. Outras figuras legais

23 a) Art. 240 CLT: Ferroviário que recusa prorrogação horária em certos casos Outras figuras legais

24 b) Lei 7783/1989 (lei de greve) Art. 14. Constitui abuso do direito de greve a inobservância das normas contidas na presente Lei, bem como a manutenção da paralisação após a celebração de acordo, convenção ou decisão da Justiça do Trabalho. Parágrafo único. Na vigência de acordo, convenção ou sentença normativa não constitui abuso do exercício do direito de greve a paralisação que: I - tenha por objetivo exigir o cumprimento de cláusula ou condição; II - seja motivada pela superveniência de fato novo ou acontecimento imprevisto que modifique substancialmente a relação de trabalho. Outras figuras legais

25 b) Lei 7783/1989 (lei de greve) Art. 15. A responsabilidade pelos atos praticados, ilícitos ou crimes cometidos, no curso da greve, será apurada, conforme o caso, segundo a legislação trabalhista, civil ou penal. Outras figuras legais

26 b) Lei 7783/1989 (lei de greve) Prevê justa causa em caso de abuso do direito de greve, que deve ser exercido nos termos da lei, como, por exemplo, mantendo equipes de trabalho visando evitar prejuízo irreparável (artigo 9º), prestação de serviços indispensáveis nas atividades essenciais (artigo 11). Outras figuras legais

27 c) Artigo 158 CLT: Art Cabe aos empregados: I - observar as normas de segurança e medicina do trabalho, inclusive as instruções de que trata o item II do artigo anterior; II - colaborar com a empresa na aplicação dos dispositivos deste Capítulo. Outras figuras legais

28 c) Artigo 158 CLT: Parágrafo único. Constitui ato faltoso do empregado a recusa injustificada: a) à observância das instruções expedidas pelo empregador na forma do item II do artigo anterior; b) ao uso dos equipamentos de proteção individual fornecidos pela empresa. (Redação dada ao artigo pela Lei nº 6.514, de , DOU ) Outras figuras legais

29 d) declaração falsa ou uso indevido do vale transporte (D /1987, artigo 7º, § 3º) Art. 7º. Para o exercício do direito de receber o Vale-Transporte o empregado informará ao empregador, por escrito: I - seu endereço residencial; II - os serviços e meios de transporte mais adequados ao seu deslocamento residência-trabalho e vice-versa. § 1º. A informação de que trata este artigo será atualizada anualmente ou sempre que ocorrer alteração das circunstâncias mencionadas nos itens I e II, sob pena de suspensão do benefício até o cumprimento dessa exigência. § 2º. O beneficiário firmará compromisso de utilizar o Vale-Transporte exclusivamente para seu efetivo deslocamento residência-trabalho e vice- versa. § 3º. A declaração falsa ou o uso indevido do Vale-Transporte constituem falta grave. Outras figuras legais

30 - Perda do direito ao aviso prévio (artigo 487 CLT) - Perda das férias proporcionais (artigo 146, e artigo 147, § único CLT); - Perda do 13º salário proporcional (proporcional (artigo 3º, lei 4090/1962) - Não liberação do FGTS depositado; - Sem direito ao seguro desemprego Conseqüências da justa causa

31  A extinção do contrato pelo empregado, motivada, se dá através da chamada rescisão indireta (justa causa do empregador)  A iniciativa é do empregado e o motivo é dado pelo empregador  mesmos efeitos da demissão sem justa causa, com iniciativa pelo empregador 2.2. Iniciativa do empregado

32 Art. 483 – O empregado poderá considerar rescindido o contrato e pleitear a devida indenização quando: - CONFORME VALENTIN CARRION Rescisão indireta

33 a) forem exigidos serviços superiores às suas forças, defesos por lei, contrários aos bons costumes, ou alheios ao contrato;  Superiores às forças físicas (inapropriadas à idade, saúde ou fortaleza) intelectuais ou de habilidade alheios ao contrato: violando a qualificação profissional reconhecida pelo empregador. Rescisão indireta

34 b) for tratado pelo empregador ou por seus superiores hierárquicos com rigor excessivo;  Repreensões ou medidas disciplinares que por falta de fundamento, repetição injustificada ou desproporção com o ato do empregado evidenciem perseguição ou intolerância; implicância ao dar as ordens ou a exigência anormal em sua execução. Rescisão indireta

35 c) correr perigo manifesto de mal considerável;  A sua pessoa: não os riscos naturais da profissão, mas os anormais, em virtude da não-adoção pelo empregador de medidas geralmente utilizadas ou de normas de higiene e segurança do trabalho (Dorval Lacerda) Rescisão indireta

36 d) não cumprir o empregador as obrigações do contrato;  Nelas incluídas as legais. Qualquer descumprimento “grave”, inclusive em matéria salarial (a mora salarial contumaz é o atraso salarial por três meses, conforme DL 368/68 Rescisão indireta

37 e) praticar o empregador ou seus prepostos, contra ele ou pessoas de sua família, ato lesivo da honra e boa fama;  Calúnia, difamação ou injúria. Dano Moral. Rescisão indireta

38 f) o empregador ou seus prepostos ofenderem-no fisicamente, salvo em caso de legítima defesa, própria ou de outrem;  No recinto da empresa ou fora; seus prepostos: qualquer superior hierárquico, ou qualquer companheiro do empregado agindo na oportunidade sob a inércia do empregador ou chefe. Rescisão indireta

39 g) o empregador reduzir o seu trabalho, sendo este por peça ou tarefa, de forma a afetar sensivelmente a importância dos salários.  De tarefeiro, desde que exceda os limites normais e o empregador não cubra a redução salarial Rescisão indireta

40 § 1º – O empregado poderá suspender a prestação dos serviços ou rescindir o contrato, quando tiver de desempenhar obrigações legais, incompatíveis com a continuação do serviço. § 2º – No caso de morte do empregador constituído em empresa individual, é facultado ao empregado rescindir o contrato de trabalho. Rescisão indireta

41  No caso de optar o empregado pela rescisão do contrato para atender obrigações legais (§ 1º) ou em caso de morte do empregador que seja empresa individual (§ 2º), estas são hipóteses de motivo justificado pelo empregado e não de justa causa do empregador; o empregado pode rescindir, mas não recebe a multa do FGTS, e nem necessita fazer a comunicação prévia ou pagar eventuais prejuízos em caso de contrato por prazo determinado Rescisão indireta

42 § 3º – Nas hipóteses das letras d e g, poderá o empregado pleitear a rescisão de seu contrato de trabalho e o pagamento das respectivas indenizações, permanecendo ou não no serviço até final decisão do processo.  Nestas hipóteses a lei expressamente permite a permanência do empregado. Nas demais hipóteses isso dependerá do caso concreto. Rescisão indireta

43 Art Havendo culpa recíproca no ato que determinou a rescisão do contrato de trabalho, o tribunal de trabalho reduzirá a indenização à que seria devida em caso de culpa exclusiva do empregador, por metade Culpa recíproca

44  Valentin Carrion considera que a doutrina tem uma conceituação muito rigorosa, tornando difícil, quando não impossível, a sua configuração, que não pode servir de válvula de escape ao julgador Culpa recíproca

45  Se caracteriza: a) pela existência de duas justas causas; uma do empregado e outra do empregador, as duas graves o suficiente por si só, para serem causa de rescisão (Maranhão); b) duas relações de causa e efeito; a segunda falta, que é causa da rescisão do contrato, é por sua vez efeito da culpa cometida pela outra parte; 2.3. Culpa recíproca

46 c) Contemporaneidade (Giglio), e não simultaneidade, que seria exagero; d) Uma certa proporcionalidade entre as faltas 2.3. Culpa recíproca

47  Verbas devidas: a) metade da indenização de 40% do FGTS (art. 18, § 2º da lei 8036/1990); b) Metade das férias proporcionais, do 13º proporcional e do aviso prévio (súmula 14 TST) ; c) férias vencidas, e dias trabalhados são devidos integralmente, como seriam até mesmo na justa causa 2.3. Culpa recíproca

48 A morte do empregador, quando constitua empresário individual, pode ser motivo de extinção do contrato e a do empregado sempre será causa de extinção do contrato 2.4. Por morte

49 Art Quando cessar a atividade da empresa por morte do empregador, os empregados terão direito, conforme o caso, à indenização a que se referem os artigos 477 e Por morte do empregador

50  A morte do empregador não rescinde o contrato. É a cessação da atividade empresarial que o faz. Se a atividade continuar com os sucessores, o empregado terá a faculdade de, sem ônus para ele (nem para a empresa), rescindir o contrato (CLT, art. 483, § 2º) Por morte do empregador

51  Verbas devidas como se fosse demissão sem justa causa, inclusive com a liberação do FGTS Por morte do empregador

52  Devidas verbas como se fosse pedido de demissão, sem, obviamente, o desconto do aviso prévio Por morte do empregado

53 Art Entende-se como força maior todo acontecimento inevitável, em relação à vontade do empregador, e para a realização do qual este não concorreu, direta ou indiretamente. § 1º - A imprevidência do empregador exclui a razão de força maior. § 2º - À ocorrência do motivo de força maior que não afetar substâncialmente, nem for suscetível de afetar, em tais condições, a situação econômica e financeira da empresa não se aplicam as restrições desta Lei referentes ao disposto neste Capítulo Por força maior

54 Art Ocorrendo motivo de força maior que determine a extinção da empresa, ou de um dos estabelecimentos em que trabalhe o empregado, é assegurada a este, quando despedido, uma indenização na forma seguinte: I - sendo estável, nos termos dos arts. 477 e 478; II - não tendo direito à estabilidade, metade da que seria devida em caso de rescisão sem justa causa; III - havendo contrato por prazo determinado, aquela a que se refere o art. 479 desta Lei, reduzida igualmente à metade Por força maior

55 Contratos com prazo indeterminado: como se fosse demissão sem justa causa, com pagamento de 50% da multa (20%); Contratos com prazo determinado: como extinção antecipada do contrato por prazo determinado (artigo 479 da CLT), porém com pagamento de metade do valor devido normalmente (ao invés de metade do tempo que faltava, deve-se pagar metade disso, ou seja, um quarto do período que falta) = o empregado não deve pagar nada 2.5. Por força maior

56 Art No caso de paralisação temporária ou definitiva do trabalho, motivada por ato de autoridade municipal, estadual ou federal, ou pela promulgação de lei ou resolução que impossibilite a continuação da atividade, prevalecerá o pagamento da indenização, que ficará a cargo do governo responsável Por ato de autoridade

57 Conforme Valentim Carrion  verbas devidas como demissão sem justa causa, exceto multa de 40% do F.G.T.S. que seria devida pela entidade que causou o fechamento da empresa Por ato de autoridade


Carregar ppt "2. Extinção do Contrato de Trabalho com motivo  A extinção do contrato pelo empregador, motivada, se dá através da chamada justa causa  A iniciativa."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google