A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS SÃO PAULO - CAMPINAS - NEW YORK - MIAMI Al. Joaquim Eugênio de Lima, 680 – 1º andar –

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS SÃO PAULO - CAMPINAS - NEW YORK - MIAMI Al. Joaquim Eugênio de Lima, 680 – 1º andar –"— Transcrição da apresentação:

1

2 OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS SÃO PAULO - CAMPINAS - NEW YORK - MIAMI Al. Joaquim Eugênio de Lima, 680 – 1º andar – São Paulo – SP – Brasil – Tel.: (55-11) Fax: (55-11) E.Mail: Direito Eletrônico Contratos Eletrônicos e Certificação Digital Aspectos Jurídicos Renato M. S. Opice Blum copyright © Renato M S Opice Blum, DR

3

4 OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS SÃO PAULO - CAMPINAS - NEW YORK - MIAMI

5 OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS SÃO PAULO - CAMPINAS - NEW YORK - MIAMI

6 OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS SÃO PAULO - CAMPINAS - NEW YORK - MIAMI

7 OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS SÃO PAULO - CAMPINAS - NEW YORK - MIAMI Segurança NCC, Art O administrador da sociedade deverá ter, no exercício de suas funções, o cuidado e a diligência que todo homem ativo e probo costuma empregar na administração de seus próprios negócios NCC, Art O administrador da sociedade deverá ter, no exercício de suas funções, o cuidado e a diligência que todo homem ativo e probo costuma empregar na administração de seus próprios negócios Art Os administradores respondem solidariamente perante a sociedade e os terceiros prejudicados, por culpa no desempenho de suas funções. Art Os administradores respondem solidariamente perante a sociedade e os terceiros prejudicados, por culpa no desempenho de suas funções.

8 OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS SÃO PAULO - CAMPINAS - NEW YORK - MIAMI Segurança CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA RESOLUÇÃO Nº 1.639, DE 10 DE JULHO DE 2002 Aprova as "Normas Técnicas para o Uso de Sistemas Informatizados para a Guarda e Manuseio do Prontuário Médico", dispõe sobre tempo de guarda dos prontuários, estabelece critérios para certificação dos sistemas de informação e dá outras providências. 20 anos para a guarda ICPBr Autoriza Microfilme ISO/IEC 15408: métodos fortes de autenticação e acesso Autoriza eliminação de suporte em papel na digitalização

9 OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS SÃO PAULO - CAMPINAS - NEW YORK - MIAMI Segurança

10 OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS SÃO PAULO - CAMPINAS - NEW YORK - MIAMI

11 OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS SÃO PAULO - CAMPINAS - NEW YORK - MIAMI Contratos Click

12 OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS SÃO PAULO - CAMPINAS - NEW YORK - MIAMI Contratos Click

13 OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS SÃO PAULO - CAMPINAS - NEW YORK - MIAMI

14 OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS SÃO PAULO - CAMPINAS - NEW YORK - MIAMI Contratos Eletrônicos Celebrados por meios eletrônicos (compras via web) x execução (hospedagem / software / asp / serviços) Celebrados por meios eletrônicos (compras via web) x execução (hospedagem / software / asp / serviços) Requisitos: art. 82, CC - NCC: Art. 104: A validade do negócio jurídico requer: I – agente capaz; II – objeto lícito, possível, determinado ou determinável; III – forma prescrita ou não defesa em lei. Perguntas cp Requisitos: art. 82, CC - NCC: Art. 104: A validade do negócio jurídico requer: I – agente capaz; II – objeto lícito, possível, determinado ou determinável; III – forma prescrita ou não defesa em lei. Perguntas cp Regra: sem forma especial (art. 129, CC) - NCC Art. 219: A validade da declaração de vontade não dependerá de forma especial, senão quando a lei expressamente a exigir. Regra: sem forma especial (art. 129, CC) - NCC Art. 219: A validade da declaração de vontade não dependerá de forma especial, senão quando a lei expressamente a exigir. Art. 113 NCC. Os negócios jurídicos devem ser interpretados conforme a boa-fé e os usos do lugar de sua celebração Art. 113 NCC. Os negócios jurídicos devem ser interpretados conforme a boa-fé e os usos do lugar de sua celebração Aperfeiçoamento com a aceitação exped. (art. 434, NCC - AUSENTES) Aperfeiçoamento com a aceitação exped. (art. 434, NCC - AUSENTES) Art. 428 NCC. Deixa de ser obrigatória a proposta: I: se sem prazo a presente, não for imediatamente aceita. II, se sem prazo a ausente, tiver decorrido tempo suficiente para chegar a resposta ao conhecimento do proponente Art. 428 NCC. Deixa de ser obrigatória a proposta: I: se sem prazo a presente, não for imediatamente aceita. II, se sem prazo a ausente, tiver decorrido tempo suficiente para chegar a resposta ao conhecimento do proponente ICQ, Chats, Netmeeting, clicks, etc.: presentes: aceitação imed. ICQ, Chats, Netmeeting, clicks, etc.: presentes: aceitação imed. Art. 428, NCC: presente a pessoa que contrata por telefone ou por meio de comunicação semelhante Art. 428, NCC: presente a pessoa que contrata por telefone ou por meio de comunicação semelhante – Itália e Peru: conhecimento Datação: Pres x Aus (Telefone é ausente: BR, Polônia, Bolívia, Etiópia, Peru)Art. 1805, CC México: PRESENTE Art. 435 NCC. Reputar-se-á celebrado no lugar em que foi proposto Art. 435 NCC. Reputar-se-á celebrado no lugar em que foi proposto

15 OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS SÃO PAULO - CAMPINAS - NEW YORK - MIAMI Contratos Eletrônicos NCC – Art. 111 O silêncio importa anuência, quando as circunstâncias ou os usos o autorizarem, e não for necessária a declaração de vontade expressa. O silêncio importa anuência, quando as circunstâncias ou os usos o autorizarem, e não for necessária a declaração de vontade expressa. NCC – Art. 112 Nas declarações de vontade se atenderá mais à intenção nelas consubstanciada do que ao sentido literal da linguagem. Nas declarações de vontade se atenderá mais à intenção nelas consubstanciada do que ao sentido literal da linguagem.

16 OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS SÃO PAULO - CAMPINAS - NEW YORK - MIAMI Contratos Eletrônicos NCC – Dos Contratos em Geral Art A liberdade de contratar será exercida em razão e nos limites da função social do contrato Art A liberdade de contratar será exercida em razão e nos limites da função social do contrato Art. 422: boa-fé Art. 422: boa-fé Art Interpretação mais favorável ao aderente Art Interpretação mais favorável ao aderente Art Nulidade de renúncia antecipada a direito resultante do negócio Art Nulidade de renúncia antecipada a direito resultante do negócio Da Lesão Art Ocorre a lesão quando uma pessoa, sob premente necessidade, ou por inexperiência, se obriga a prestação manifestamente desproporcional ao valor da prestação oposta. § 1o Aprecia-se a desproporção das prestações segundo os valores vigentes ao tempo em que foi celebrado o negócio jurídico. § 2o Não se decretará a anulação do negócio, se for oferecido suplemento suficiente, ou se a parte favorecida concordar com a redução do proveito.

17 OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS SÃO PAULO - CAMPINAS - NEW YORK - MIAMI Art As reproduções fotográficas, cinematográficas, os registros fonográficos e, em geral, quaisquer outras reproduções mecânicas ou eletrônicas de fatos ou de coisas fazem prova plena destes, se a parte, contra quem forem exibidos, não lhes impugnar a exatidão. (art. 372, 373, CPC) (art. 372, 373, CPC) Art. 317, § 1º - Anteprojeto CP: documento por equiparação Art. 317, § 1º - Anteprojeto CP: documento por equiparação a invenção da pólvora não reclamou a redefinição de homicídio (Sepúlveda Pertence, STF, HC 76689) a invenção da pólvora não reclamou a redefinição de homicídio (Sepúlveda Pertence, STF, HC 76689) Qualquer meio idôneo de documentação poder ser empregado, como o armazenamento de dados em discos de computação, a gravação, a filmagem. (Pontes de Miranda, Comentários ao CPC, atualizado por Bermudes, Forense, RJ, IV, 3ª ed. P. 94) Qualquer meio idôneo de documentação poder ser empregado, como o armazenamento de dados em discos de computação, a gravação, a filmagem. (Pontes de Miranda, Comentários ao CPC, atualizado por Bermudes, Forense, RJ, IV, 3ª ed. P. 94) Art. 141-A CC Peruano: manifestação da vontade por meios eletrônicos; Art. 26, CP Espanhol (equip) Art. 141-A CC Peruano: manifestação da vontade por meios eletrônicos; Art. 26, CP Espanhol (equip) Meio Óptico para preservação (Lei Mexicana) Meio Óptico para preservação (Lei Mexicana)

18 OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS SÃO PAULO - CAMPINAS - NEW YORK - MIAMI Contratos Eletrônicos Tribunal de Justiça do Distrito Federal - JUIZADO ESPECIAL ACJ DF - DATA: 26/06/2002 Tribunal de Justiça do Distrito Federal - JUIZADO ESPECIAL ACJ DF - DATA: 26/06/2002 DANO MORAL - USO INDEVIDO DE DOCUMENTOS PARA CONTRATAÇÃO - NEGATIVAÇÃO DE NOME - EXISTÊNCIA - VALOR DA CONDENAÇÃO - QUANTUM CORRETO - SENTENÇA MANTIDA- 1. COMETE DANO MORAL, E O TEM QUE REPARAR, EMPRESA QUE ACEITA CONTRATAÇÃO POR MEIO ELETRÔNICO (INTERNET), SEM CRIAR SISTEMA DE CONFERÊNCIA DOS DADOS QUE LHES SÃO FORNECIDOS, PREFERINDO CORRER OS RISCOS QUE SÃO DE TODOS CONHECIDOS, ATÉ PORQUE OS DADOS EXIGIDOS QUANDO DO PREENCHIMENTO DE CADASTRO SÃO DE FÁCIL E LEGAL OBTENÇÃO POR TERCEIROS. DANO MORAL - USO INDEVIDO DE DOCUMENTOS PARA CONTRATAÇÃO - NEGATIVAÇÃO DE NOME - EXISTÊNCIA - VALOR DA CONDENAÇÃO - QUANTUM CORRETO - SENTENÇA MANTIDA- 1. COMETE DANO MORAL, E O TEM QUE REPARAR, EMPRESA QUE ACEITA CONTRATAÇÃO POR MEIO ELETRÔNICO (INTERNET), SEM CRIAR SISTEMA DE CONFERÊNCIA DOS DADOS QUE LHES SÃO FORNECIDOS, PREFERINDO CORRER OS RISCOS QUE SÃO DE TODOS CONHECIDOS, ATÉ PORQUE OS DADOS EXIGIDOS QUANDO DO PREENCHIMENTO DE CADASTRO SÃO DE FÁCIL E LEGAL OBTENÇÃO POR TERCEIROS.

19 OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS SÃO PAULO - CAMPINAS - NEW YORK - MIAMI APELAÇÃO CÍVEL. RESPONSABILIDADE CIVIL. DANO MORAL. CONTRATOS BANCÁRIOS. EXTRAVIO DE CARTÃO MAGNÉTICO. CANAL DE COMUNICAÇÃO. GRANDE CONGLOMERADO FINANCEIRO, QUE DISPONIBILIZA SERVIÇOS ON LINE NÃO PODE RECUSAR COMUNICAÇÃO ENVIADA PELO SITE NA INTERNET. EXIGÊNCIA DE CONTATO TELEFÔNICO QUE SE MOSTRA ABUSIVA. LIMITE DIÁRIO DE SAQUE EM CONTA CORRENTE. A REALIZAÇÃO FRAUDULENTA DE SAQUE ACIMA DO LIMITE DIÁRIO INSTITUIÍDO PELA PRÓPRIA ENTIDADE BANCÁRIA É DE SUA RESPONSABILIDADE. RECUSA EM ESTORNAR OPERAÇÕES DE DÉBITO FRAUDULENTAMENTE REALIZADAS APÓS A COMUNICAÇÃO DO EXTRAVIO DOS CARTÕES MAGNÉTICOS E ACIMA DO LIMITE DIÁRIO DE SAQUE CONFIGURA ILÍCITO CIVIL. COBRANÇA INDEVIDA DAS DÍVIDAS POR DÉBITO EM CONTA CORRENTE, EXTRAPOLANDO NÃO SÓ O SALDO DEVEDOR, MAS TAMBÉM O LIMITE DE CRÉDITO, COM A COBRANÇA DE ENCARGOS CONTRATUAIS. APELAÇÃO DESPROVIDA. APELAÇÃO CÍVEL. RESPONSABILIDADE CIVIL. DANO MORAL. CONTRATOS BANCÁRIOS. EXTRAVIO DE CARTÃO MAGNÉTICO. CANAL DE COMUNICAÇÃO. GRANDE CONGLOMERADO FINANCEIRO, QUE DISPONIBILIZA SERVIÇOS ON LINE NÃO PODE RECUSAR COMUNICAÇÃO ENVIADA PELO SITE NA INTERNET. EXIGÊNCIA DE CONTATO TELEFÔNICO QUE SE MOSTRA ABUSIVA. LIMITE DIÁRIO DE SAQUE EM CONTA CORRENTE. A REALIZAÇÃO FRAUDULENTA DE SAQUE ACIMA DO LIMITE DIÁRIO INSTITUIÍDO PELA PRÓPRIA ENTIDADE BANCÁRIA É DE SUA RESPONSABILIDADE. RECUSA EM ESTORNAR OPERAÇÕES DE DÉBITO FRAUDULENTAMENTE REALIZADAS APÓS A COMUNICAÇÃO DO EXTRAVIO DOS CARTÕES MAGNÉTICOS E ACIMA DO LIMITE DIÁRIO DE SAQUE CONFIGURA ILÍCITO CIVIL. COBRANÇA INDEVIDA DAS DÍVIDAS POR DÉBITO EM CONTA CORRENTE, EXTRAPOLANDO NÃO SÓ O SALDO DEVEDOR, MAS TAMBÉM O LIMITE DE CRÉDITO, COM A COBRANÇA DE ENCARGOS CONTRATUAIS. APELAÇÃO DESPROVIDA.

20 OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS SÃO PAULO - CAMPINAS - NEW YORK - MIAMI Contratos Eletrônicos

21 OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS SÃO PAULO - CAMPINAS - NEW YORK - MIAMI Contratos Eletrônicos

22 OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS SÃO PAULO - CAMPINAS - NEW YORK - MIAMI

23 OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS SÃO PAULO - CAMPINAS - NEW YORK - MIAMI Prova Theotônio CPC Art. 385: 1. "É sem importância a não autenticação de cópia de documento, quando não impugnado o seu conteúdo" (RSTJ 87/310). No mesmo sentido: RSTJ 100/197; STJ-RT 676/186; JTJ 183/194; RT 624/146, 758/252, JTA 108/379, 117/448; Bol. AASP 1.707/supl., p. 3, com citação de jurisprudência. Art. 385: 1. "É sem importância a não autenticação de cópia de documento, quando não impugnado o seu conteúdo" (RSTJ 87/310). No mesmo sentido: RSTJ 100/197; STJ-RT 676/186; JTJ 183/194; RT 624/146, 758/252, JTA 108/379, 117/448; Bol. AASP 1.707/supl., p. 3, com citação de jurisprudência. "Fotocópia não autenticada equipara-se a documento particular, devendo ser submetida à contraparte, cujo silêncio gera presunção de veracidade" (STJ-1ª Turma, REsp SP, rel. p. o ac. Min. Humberto Gomes de Barros, j , deram provimento, maioria, DJU , p. 70). "Fotocópia não autenticada equipara-se a documento particular, devendo ser submetida à contraparte, cujo silêncio gera presunção de veracidade" (STJ-1ª Turma, REsp SP, rel. p. o ac. Min. Humberto Gomes de Barros, j , deram provimento, maioria, DJU , p. 70). "A impugnação a documento apresentado por cópia há de fazer-se com indicação do vício que apresente, se o impugnante tem acesso ao original. Não se há de acolher a simples afirmação genérica e imprecisa de que não é autêntico" (STJ-3ª Turma, REsp RS, rel. Min. Eduardo Ribeiro, j , não conheceram, v.u., DJU , p. 86). "A impugnação a documento apresentado por cópia há de fazer-se com indicação do vício que apresente, se o impugnante tem acesso ao original. Não se há de acolher a simples afirmação genérica e imprecisa de que não é autêntico" (STJ-3ª Turma, REsp RS, rel. Min. Eduardo Ribeiro, j , não conheceram, v.u., DJU , p. 86).

24 OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS SÃO PAULO - CAMPINAS - NEW YORK - MIAMI Circular SUSEP no. 74, de 25 de Janeiro de 1999: Art. 9º As Sociedades Seguradoras, as Entidades Abertas e de Previdência Privada, as Sociedades de Capitalização e as Corretoras de Seguros, Previdência Privada Aberta e Capitalização deverão manter em seu arquivos, pelos prazos definidos nesta Circular, os originais ou cópias microfilmadas dos documentos relativos aos contratos firmados em decorrência de suas operações. Parágrafo único: Sem prejuízo do arquivamento dos documentos originais ou microfilmados estabelecido no caput, fica facultada, para efeito de fiscalização no âmbito da SUSEP, a adoção de procedimento de armazenamento dos documentos mencionados em qualquer meio de gravação eletrônica ou magnética, em sistema ou equipamento de telecomunicações ou outro sistema similar, desde que tais arquivos possam se acessados prontamente pela Fiscalização, que, quando entender necessário, conferirá prazo para a apresentação dos originais.

25 OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS SÃO PAULO - CAMPINAS - NEW YORK - MIAMI Lei 8.159/91 Art. 1º É dever do Poder Público a gestão documental e a de proteção especial a documentos de arquivos, como instrumento de apoio à administração, à cultura, ao desenvolvimento científico e como elementos de prova e informação. Art. 2º Consideram-se arquivos, para os fins desta lei, os conjuntos de documentos produzidos e recebidos por órgãos públicos, instituições de caráter público e entidades privadas, em decorrência do exercício de atividades específicas, bem como por pessoa física, qualquer que seja o suporte da informação ou a natureza dos documentos. Decreto 4.073/02 Art. 29. Este Decreto aplica-se também aos documentos eletrônicos, nos termos da lei.

26 OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS SÃO PAULO - CAMPINAS - NEW YORK - MIAMI PRINCÍPIO DE HEISENBERGPRINCÍPIO DE HEISENBERG Identificação IP - BINAIdentificação IP - BINA TraceRT ASSINATURAS DE VÍRUSTraceRT ASSINATURAS DE VÍRUS Destruição do HDDestruição do HD Microscopia de força magnéticaPAINÉL SENADOMicroscopia de força magnéticaPAINÉL SENADO FRAGMENTOS OFFICEFRAGMENTOS OFFICE Esteganografia: HIP, S-TOOLS, CamouflageEsteganografia: HIP, S-TOOLS, Camouflage Desappearing.comDesappearing.com 5 modalidades de prova: cautelar(ata notarial - RTD)5 modalidades de prova: cautelar(ata notarial - RTD) Registros (click e shrinkwrap)Registros (click e shrinkwrap) Senhas (autoria) - Exemplo práticoSenhas (autoria) - Exemplo prático MS PASSPORT TMPS, Unzps, RecentsTMPS, Unzps, Recents WAYBACKWAYBACK SINDICÂNCIAS APOIO LEGAL

27 OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS SÃO PAULO - CAMPINAS - NEW YORK - MIAMI REVISÃO DE CONTRATO DE CARTÃO DE CRÉDITO. COMPRAS VIA INTERNET. ÔNUS DA PROVA. DANO MORAL. ÔNUS DA PROVA DA TRANSAÇÃO COM O CARTÃO DE CRÉDITO, DA ADMINISTRADORA. PROVA NEGATIVA. PRESENTES OS REQUISITOS DO ART. 159 DO CCB, POSSÍVEL A INDENIZAÇÃO POR DANO MORAL. VALOR FIXADO NA SENTENÇA MANTIDO. NEGARAM PROVIMENTO AOS RECURSOS. REVISÃO DE CONTRATO DE CARTÃO DE CRÉDITO. COMPRAS VIA INTERNET. ÔNUS DA PROVA. DANO MORAL. ÔNUS DA PROVA DA TRANSAÇÃO COM O CARTÃO DE CRÉDITO, DA ADMINISTRADORA. PROVA NEGATIVA. PRESENTES OS REQUISITOS DO ART. 159 DO CCB, POSSÍVEL A INDENIZAÇÃO POR DANO MORAL. VALOR FIXADO NA SENTENÇA MANTIDO. NEGARAM PROVIMENTO AOS RECURSOS. tj

28 OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS SÃO PAULO - CAMPINAS - NEW YORK - MIAMI Prova – s O documento informático pode ser, portanto, definido como subscrito com assinatura eletrônica - cd. simples, para distingui-la da assinatura digital, que é um tipo particular de assinatura eletrônica qualificada que garante uma maior autenticidade e, por conseqüência, valor de escritura privada autenticada, ex art. 1, inciso primeiro, let. n) e 10, inciso 3 do DPR 445/ quando puder ser relacionado a qualquer método de "validação" (logo de reconhecimento): enquanto que no mundo real o método de validação informática mais usado é constituído pelo sistema cartão magnético + password (isto é um código secreto, como por exemplo o sistema Bancomat), pelo que diz respeito à internet, o procedimento mais simples e mais usado nesse sentido é representado pela inserção, no sistema ao qual se quer acessar, do username (isto é, do identificador do usuário) + password, que o usuário deve digitar justamente nos espaços próprios. E é propriamente o que ocorre para o correio eletrônico: para poder ter acesso a um determinado endereço (como aquele utilizado pela empresa devedora) para enviar ou verificar se há mensagens recebidas é necessário conhecer e inserir os mencionados identificadores (ou utilizar programas – como por exemplo o Microsoft OUTLOOK EXPRESS – que inserem automaticamente tais dados a cada vez que se conecta à rede internet), procedendo portanto ao necessário procedimento de validação. Por tais motivos, é pacífico que o constitua um documento informático subscrito com assinatura eletrônica, porquanto o emissor, para poder criar e enviar dito , deve executar uma operação de validação, inserindo o seu próprio username e a sua própria password; e tal documento satisfaz o requisito legal sobre forma escrita, a norma combinada disposta pelos art. 1, inciso primeiro, let. cc) e 10, inciso 2 do DPR 445/2000. Cuneo,

29 OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS SÃO PAULO - CAMPINAS - NEW YORK - MIAMI 1º TAC/SP: MEDIDA CAUTELAR – CAUTELAR INOMINADA – Liminar de cancelamento de transferência de dinheiro através de transação bancária office bank – Pretensão ao levantamento do numerário depositado – Descabimento – Hipótese em que a própria autora- agravante alega ter sido lesada por seu funcionário, que transferiu dinheiro para sua conta particular – Responsabilidade do Banco-agravado, por ora, não configurada – Agravo desprovido ( )

30 OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS SÃO PAULO - CAMPINAS - NEW YORK - MIAMI Prova Tempo for ; Sat, 31 Mar :05: Observatório Nacional Observatório Nacional Resp provedor Resp provedor Conflito notários / registradores? Conflito notários / registradores? Certificação do sistema pelo ON (funcionamento correto na hora do evento) Certificação do sistema pelo ON (funcionamento correto na hora do evento)

31 Sufixos Comprova.Com Selo de comprovação Comprova.Com

32 OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS SÃO PAULO - CAMPINAS - NEW YORK - MIAMI Port 606/02 Art. 4º Será utilizado o programa Bry X Art. 5º A impugnação à integridade do documento armazenado no Tribunal só poderá ser feita com apresentação do resumo criptográfico do respectivo documento de responsabilidade e posse do advogado. § 1º A verificação quanto à integridade de um documento eletrônico assinado será feita comparando-se o recibo-resumo, de posse do advogado, com o respectivo documento armazenado nos sistemas do Tribunal. § 2º Será considerado violado o documento cujo teor não corresponda aos dados constantes do recibo (resumo criptográfico).

33 OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS SÃO PAULO - CAMPINAS - NEW YORK - MIAMI Questões polêmicas AÇÃO DE COBRANÇA - Prova - Cartão de crédito - Dispensa da assinatura do portador - Existência do crédito que se comprova com o uso do código. AÇÃO DE COBRANÇA - Prova - Cartão de crédito - Dispensa da assinatura do portador - Existência do crédito que se comprova com o uso do código. O financiamento obtido eletronicamente por meio de cartão de crédito, cartão esse individual e intransferível, dispensa a assinatura do usuário portador, bastando o uso do código para o alcance do crédito, sendo desnecessária, portanto, a produção de qualquer prova para ação de cobrança. O financiamento obtido eletronicamente por meio de cartão de crédito, cartão esse individual e intransferível, dispensa a assinatura do usuário portador, bastando o uso do código para o alcance do crédito, sendo desnecessária, portanto, a produção de qualquer prova para ação de cobrança. Art. 371,CPC: Reputa-se autor do documento particular Art. 371,CPC: Reputa-se autor do documento particular III - aquele que, mandando compô-lo, não o firmou, porque, conforme a experiência comum, não se costuma assinar, como livros e assentos domésticos. III - aquele que, mandando compô-lo, não o firmou, porque, conforme a experiência comum, não se costuma assinar, como livros e assentos domésticos.

34 OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS SÃO PAULO - CAMPINAS - NEW YORK - MIAMI Doc. eletrônico como prova Assinatura: revela a sua identidade; revela a sua identidade; manifesta a sua vontade de gerar o documento e emitir as declarações de vontade ou conhecimento; e manifesta a sua vontade de gerar o documento e emitir as declarações de vontade ou conhecimento; e procura preservar a integridade do documento procura preservar a integridade do documento Ônus da prova: Assinatura conteúdo Requisitos para equiparação como documento do art. 368, CPC: Autenticidade Autenticidade (origem) (origem) Veracidade Veracidade (teor,integridade, conteúdo)

35 OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS SÃO PAULO - CAMPINAS - NEW YORK - MIAMI Doc. eletrônico como prova Processo : empréstimo confirmado por e. mail

36 OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS SÃO PAULO - CAMPINAS - NEW YORK - MIAMI Doc. eletrônico como prova Assinatura digital x Assinatura digitalizada (penop) Assinatura digital x Assinatura digitalizada (penop) Criptografia Simétrica (cifrado Júlio César-Fitas Serpro) Criptografia Simétrica (cifrado Júlio César-Fitas Serpro) CRIPTOGRAFIA ASSIMÉTRICA: (documento)+(fórmula)+(chave privada)=(0$*5fs#k) (documento)+(fórmula)+(chave privada)=(0$*5fs#k) (0$*5fs#k)+(fórmula)+(chave pública)=(documento) (0$*5fs#k)+(fórmula)+(chave pública)=(documento)

37 OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS SÃO PAULO - CAMPINAS - NEW YORK - MIAMI Doc. eletrônico como prova

38 OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS SÃO PAULO - CAMPINAS - NEW YORK - MIAMI Doc. eletrônico como prova PL Substitutivo ao 1483/99 Art. 4ºAs declarações constantes de documento eletrônico presumem-se verdadeiras em relação ao signatário, nos termos do Código Civil, desde que a assinatura digital: I – seja única e exclusiva para o documento assinado; II – seja passível de verificação pública; III – seja gerada com chave privada cuja titularidade esteja certificada por autoridade certificadora credenciada e seja mantida sob o exclusivo controle do signatário; IV – esteja ligada ao documento eletrônico de tal modo que se o conteúdo deste se alterar, a assinatura digital estará invalidada; V – não tenha sido gerada posteriormente à expiração, revogação ou suspensão das chaves.

39 OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS SÃO PAULO - CAMPINAS - NEW YORK - MIAMI Doc. eletrônico como prova

40 OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS SÃO PAULO - CAMPINAS - NEW YORK - MIAMI Doc. eletrônico como prova

41 OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS SÃO PAULO - CAMPINAS - NEW YORK - MIAMI Doc. eletrônico como prova

42 OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS SÃO PAULO - CAMPINAS - NEW YORK - MIAMI

43 OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS SÃO PAULO - CAMPINAS - NEW YORK - MIAMI MP 2200/02 ICP-Brasil p/ integridade, val e autenticidade docs eletr ICP-Brasil p/ integridade, val e autenticidade docs eletr AC Raiz (Inst. Nac. Tecnol. da Inf. - MCT), ACs, ARs AC Raiz (Inst. Nac. Tecnol. da Inf. - MCT), ACs, ARs Comitê Gestor - membros Comitê Gestor - membros medidas de implantação e funcionamento medidas de implantação e funcionamento critérios e normas p/ licenciamento de ACs, ARs e outros critérios e normas p/ licenciamento de ACs, ARs e outros práticas de certificação e regras da AC Raiz práticas de certificação e regras da AC Raiz homologar, auditar e fiscalizar a AC Raiz homologar, auditar e fiscalizar a AC Raiz diretrizes e normas p/ certificados diretrizes e normas p/ certificados regras operacionais p/ ACs e Ars regras operacionais p/ ACs e Ars definir níveis de certificação definir níveis de certificação autorizar AC Raiz a emitir certificados autorizar AC Raiz a emitir certificados ICP externas: negociar e aprovar acordos de certificação bilateral, cruzada e regras de cooperação intl. ICP externas: negociar e aprovar acordos de certificação bilateral, cruzada e regras de cooperação intl. AC Raiz fiscaliza e audita as ACs e Ars AC Raiz fiscaliza e audita as ACs e Ars ACs e Ars: órgãos, entidades públicas e p. j. d. privado ACs e Ars: órgãos, entidades públicas e p. j. d. privado MP 2200/01: Asseg. o direito de comunicação c/ órgãos públicos MP 2200/01: Asseg. o direito de comunicação c/ órgãos públicos Modelo: INRF 156/99 - Lei (Perú) Modelo: INRF 156/99 - Lei (Perú) Ônus da prova e o art. 389, CPC Ônus da prova e o art. 389, CPC

44 OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS SÃO PAULO - CAMPINAS - NEW YORK - MIAMI MP 2200/02 Princípio da responsabilização da cadeia Princípio da responsabilização da cadeia Recusa lícita? OBRIGAÇÃO DE VERIFICAÇÃO DAS LIMITAÇÕES Recusa lícita? OBRIGAÇÃO DE VERIFICAÇÃO DAS LIMITAÇÕES Dec 2134/97: ultra-secreto, secr., confid, reservado Dec 2134/97: ultra-secreto, secr., confid, reservado Informações somente por meios legais Informações somente por meios legais Comprimento das chaves mín. de 2048 bits p/ nív 1 Comprimento das chaves mín. de 2048 bits p/ nív 1 Validade: publ. DOU e diretório ou página da web Validade: publ. DOU e diretório ou página da web Dever de informação: resp do usuário e o CDC Dever de informação: resp do usuário e o CDC Disponibilização de consulta online quando requerida Disponibilização de consulta online quando requerida Obrigações das Ars x Acs Obrigações das Ars x Acs Responsabilidade financeira Responsabilidade financeira Seguro Seguro Interpretação e conflitos de cláusulas: notificação obrigatória Interpretação e conflitos de cláusulas: notificação obrigatória Conteúdo do certificado? Data nascimento Conteúdo do certificado? Data nascimento Proibição de pseudônimos Proibição de pseudônimos

45 OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS SÃO PAULO - CAMPINAS - NEW YORK - MIAMI MP 2200/02 Não há renovação de chave s repet. proc. autenticação Não há renovação de chave s repet. proc. autenticação Quem pode solicitar a revogação Quem pode solicitar a revogação Circunstâncias para a suspensão – S.: PL 1589/99 Circunstâncias para a suspensão – S.: PL 1589/99 Frequência de atualização LCR – 2 horas é suficiente? Frequência de atualização LCR – 2 horas é suficiente? Extinção da AC Extinção da AC Contratos clickwrap: SSL Contratos clickwrap: SSL Validade de 3 anos (Máx. (res. 07) Validade de 3 anos (Máx. (res. 07) Certidão RTD? Certidão RTD? SIGILO: Registro criptografado no RTD SIGILO: Registro criptografado no RTD (certificado de Sigilo – res. 07 – ICP-Br); (certificado de Sigilo – res. 07 – ICP-Br); Tinta mágica? Tinta mágica? Revogação em 3A.: Reg. renova assinatura 3 em 3? Tabela de custas Revogação em 3A.: Reg. renova assinatura 3 em 3? Tabela de custas

46 OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS SÃO PAULO - CAMPINAS - NEW YORK - MIAMI Criptografia Res. 07 – ICP-Brasil: Res. 07 – ICP-Brasil: Tipos de nomes Tipos de nomes Neste item, devem ser descritos os tipos de nomes admitidos para os titulares de certificados emitidos segundo a PC, tais como nomes no padrão ITU X.500, endereços de correio eletrônico ou endereços de página Web (URL). Neste item, devem ser descritos os tipos de nomes admitidos para os titulares de certificados emitidos segundo a PC, tais como nomes no padrão ITU X.500, endereços de correio eletrônico ou endereços de página Web (URL). A PC deve estabelecer ainda que um certificado emitido para uma pessoa jurídica deverá incluir o nome da pessoa física responsável. Para todos os efeitos legais, os certificados e as respectivas chaves de assinatura serão de titularidade do responsável constante do certificado. A PC deve estabelecer ainda que um certificado emitido para uma pessoa jurídica deverá incluir o nome da pessoa física responsável. Para todos os efeitos legais, os certificados e as respectivas chaves de assinatura serão de titularidade do responsável constante do certificado.

47 OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS SÃO PAULO - CAMPINAS - NEW YORK - MIAMI Responsabilidade Civil CULPA: CULPA: in eligendoin eligendo in viligandoin viligando in omittendoin omittendo in contraendoin contraendo NOVO CCNOVO CC Art. 186: Aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou imprudência, violar direito e causar dano a outrem, ainda que exclusivamente moral, comete ato ilícito. Art Aquele que, por ato ilícito (arts. 186 e 187), causar dano a outrem, fica obrigado a repará-lo. Parágrafo único. Haverá obrigação de reparar o dano, independentemente de culpa, nos casos especificados em lei, ou quando a atividade normalmente desenvolvida pelo autor do dano implicar, por sua natureza, risco para os direitos de outrem

48 OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS SÃO PAULO - CAMPINAS - NEW YORK - MIAMI NCC e MP 2200/02 Atividade de risco; Atividade de risco; Art O representante é obrigado a provar às pessoas, com quem tratar em nome do representado, a sua qualidade e a extensão de seus poderes, sob pena de, não o fazendo, responder pelos atos que a estes excederem. Art O representante é obrigado a provar às pessoas, com quem tratar em nome do representado, a sua qualidade e a extensão de seus poderes, sob pena de, não o fazendo, responder pelos atos que a estes excederem. Art O erro é substancial quando: Art O erro é substancial quando: II - concerne à identidade ou à qualidade essencial da pessoa a quem se refira a declaração de vontade, desde que tenha influído nesta de modo relevante;II - concerne à identidade ou à qualidade essencial da pessoa a quem se refira a declaração de vontade, desde que tenha influído nesta de modo relevante;

49 OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS SÃO PAULO - CAMPINAS - NEW YORK - MIAMI MP 2200

50 OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS SÃO PAULO - CAMPINAS - NEW YORK - MIAMI TRT – 15ª Reg. Ato GP nº 06, DE : Regulamento de utilização dos recursos de informática - Fonte: TRT 15 ª Região - 26/11/2002 Art Serão considerados documentos válidos, além daqueles representáveis por meio físico, aqueles que, por meio de representação aceitável em computador e um software específico, exprimirem um fato ou uma vontade. Art O Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região poderá adotar para utilização interna ou externa o uso de documentos digitais criptografados, assim considerados aqueles confirmados por meio de certificação digital ou tecnologia assemelhada, e que possuam a garantia de autenticidade e integridade. Art Os documentos mencionados no artigo anterior terão plena validade para todos os efeitos legais, dispensando a apresentação de reproduções por meio físico, salvo exigência específica do órgão competente ou impugnação fundamentada de falsidade do meio digital, seja por adulteração voluntária ou involuntária. Art A geração e a revogação de chaves públicas e privadas para a certificação eletrônica deverá ser exclusivamente realizada pela Secretaria de Informática, devendo esta manter fiel registro contendo a data e o destinatário.

51 OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS SÃO PAULO - CAMPINAS - NEW YORK - MIAMI AGRAVO DE INSTRUMENTO TRANSMISSÃO DO APELO POR NECESSIDADE DE CERTIFICAÇÃO DIGITAL ACEITA PELA ICP-BRASIL - INAPLICABILIDADE DA LEI 9.800/99 - INTEMPESTIVIDADE PROTOCOLO APÓS O ENCERRAMENTO DO EXPEDIENTE F O RENSE ORIGINAL NÃO APRESENTADO. A Lei n° 9.800/99 aplica-se unicamente ao fac-simile, mecanismo díspar do . O envio de recurso por correio eletrônico é juridicamente aceitável apenas se houver certificação digital reconhecida pela ICP-Brasil, nos termos da MP /01. Logo, é juridicamente inexistente petição apresentada por intermédio de sem qualquer tipo de certificação digital. Ademais, se o envio tivesse se dado por fac- simile, o que não foi o caso, ainda assim o recurso seria inaceitável, pois este só deve ser considerado interposto quanto protocolado na repartição judiciária. In casu, o agravo de instrumento foi recebido pelo 2° TRT, por , no último dia do octídio recursal, às 18h52min, após encerrado o expediente forense, tendo sido protocolado somente no dia seguinte. Ora, os atos a cargo das partes devem ser realizados até o fechamento normal do expediente forense. Por fim, se fosse o caso de aplicação da legislação sobre fac-simile, seria necessária a apresentação do original do agravo de instrumento, visando à convalidação do ato processual, o que não ocorreu na hipótese dos autos. Agravo não conhecido. AGRAVO DE INSTRUMENTO TRANSMISSÃO DO APELO POR NECESSIDADE DE CERTIFICAÇÃO DIGITAL ACEITA PELA ICP-BRASIL - INAPLICABILIDADE DA LEI 9.800/99 - INTEMPESTIVIDADE PROTOCOLO APÓS O ENCERRAMENTO DO EXPEDIENTE F O RENSE ORIGINAL NÃO APRESENTADO. A Lei n° 9.800/99 aplica-se unicamente ao fac-simile, mecanismo díspar do . O envio de recurso por correio eletrônico é juridicamente aceitável apenas se houver certificação digital reconhecida pela ICP-Brasil, nos termos da MP /01. Logo, é juridicamente inexistente petição apresentada por intermédio de sem qualquer tipo de certificação digital. Ademais, se o envio tivesse se dado por fac- simile, o que não foi o caso, ainda assim o recurso seria inaceitável, pois este só deve ser considerado interposto quanto protocolado na repartição judiciária. In casu, o agravo de instrumento foi recebido pelo 2° TRT, por , no último dia do octídio recursal, às 18h52min, após encerrado o expediente forense, tendo sido protocolado somente no dia seguinte. Ora, os atos a cargo das partes devem ser realizados até o fechamento normal do expediente forense. Por fim, se fosse o caso de aplicação da legislação sobre fac-simile, seria necessária a apresentação do original do agravo de instrumento, visando à convalidação do ato processual, o que não ocorreu na hipótese dos autos. Agravo não conhecido.

52 OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS SÃO PAULO - CAMPINAS - NEW YORK - MIAMI PLS 3173/97 Institui Regulamentação por decreto Institui Regulamentação por decreto Possibilidade de eliminação dos registros originais Possibilidade de eliminação dos registros originais Meio deve garantir (semelhante ao art. 210-A, CPC Mexicano): Meio deve garantir (semelhante ao art. 210-A, CPC Mexicano): autenticidade autenticidade indelebilidade indelebilidade confidencialidade confidencialidade proteção contra alteração, acesso, uso ou destruição não autorizados proteção contra alteração, acesso, uso ou destruição não autorizados Institui o Valor jurídico às reproduções desde que: Institui o Valor jurídico às reproduções desde que: arquivadas com senha ou meio que torne inviolável arquivadas com senha ou meio que torne inviolável dados de identificação dos responsáveis pelo arquivamento dados de identificação dos responsáveis pelo arquivamento legíveis legíveis fiéis aos originais fiéis aos originais chancela do órgão chancela do órgão

53 OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS SÃO PAULO - CAMPINAS - NEW YORK - MIAMI PLS 3173/97 Art. 3º, § 1º Considera-se original o documento eletrônico digitalmente assinado por seu autor. Art. 3º, § 1º Considera-se original o documento eletrônico digitalmente assinado por seu autor. Semeghini: Semeghini: Art. 4º As declarações constantes de documento eletrônico original presumem-se verdadeiras em relação ao signatário... Art. 4º As declarações constantes de documento eletrônico original presumem-se verdadeiras em relação ao signatário...

54 OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS SÃO PAULO - CAMPINAS - NEW YORK - MIAMI PLS 3173/97 Parágrafo 4o do artigo 1o: "Terão valor probante, em juízo ou fora dele, as reproduções obtidas do sistema de arquivamento eletrônico, desde que sejam arquivadas com senha ou outro meio que garanta a inviolabilidade do documento, estejam acompanhadas dos dados de identificação dos responsáveis pelo arquivamento, sejam perfeitamente legíveis, fiéis aos registros originais, com a chancela do Órgão respectivo. Parágrafo 4o do artigo 1o: "Terão valor probante, em juízo ou fora dele, as reproduções obtidas do sistema de arquivamento eletrônico, desde que sejam arquivadas com senha ou outro meio que garanta a inviolabilidade do documento, estejam acompanhadas dos dados de identificação dos responsáveis pelo arquivamento, sejam perfeitamente legíveis, fiéis aos registros originais, com a chancela do Órgão respectivo. SUGESTÃO Souza Neto (Brisa) SUGESTÃO Souza Neto (Brisa) "Terão valor probante, em juízo ou fora dele, as reproduções obtidas do sistema de arquivamento eletrônico, desde que sejam arquivadas com assinaturas digitais ou outro meio que garanta a inviolabilidade do documento, estejam acompanhadas dos certificados digitais dos responsáveis pelo arquivamento e dos certificados digitais das Autoridades Certificadoras no caminho de certificação, sejam fiéis aos registros originais, com a assinatura digital do Órgão respectivo." "Terão valor probante, em juízo ou fora dele, as reproduções obtidas do sistema de arquivamento eletrônico, desde que sejam arquivadas com assinaturas digitais ou outro meio que garanta a inviolabilidade do documento, estejam acompanhadas dos certificados digitais dos responsáveis pelo arquivamento e dos certificados digitais das Autoridades Certificadoras no caminho de certificação, sejam fiéis aos registros originais, com a assinatura digital do Órgão respectivo."

55 OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS SÃO PAULO - CAMPINAS - NEW YORK - MIAMI PLS 3173/97 comparado Perú, Decreto 681: Perú, Decreto 681: Necessidade da certificação Técnica da INDECOPI nos equipamentos Necessidade da certificação Técnica da INDECOPI nos equipamentos Fedatario Juramentado presente no início do processo de digitalização Fedatario Juramentado presente no início do processo de digitalização Ao final do processo o Fedatario lavra ata no mesmo meio utilizado Ao final do processo o Fedatario lavra ata no mesmo meio utilizado México, Artículo 210-A, Código Federal de Procedimientos Civiles: México, Artículo 210-A, Código Federal de Procedimientos Civiles: Para valorar la fuerza probatoria de la informacion a que se refiere el párrafo anterior, se estimará primordialmente la fiabilidade del metodo em que haya sido generada, comunicada, recibida ou archivada y, em su caso, si és possible atribuir a las personas obligadas el contenido de la informacion relativa y ser assessible para su ulterior consulta. Para valorar la fuerza probatoria de la informacion a que se refiere el párrafo anterior, se estimará primordialmente la fiabilidade del metodo em que haya sido generada, comunicada, recibida ou archivada y, em su caso, si és possible atribuir a las personas obligadas el contenido de la informacion relativa y ser assessible para su ulterior consulta.

56 OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS SÃO PAULO - CAMPINAS - NEW YORK - MIAMI DK – HOSPITAL VIOLATES PATIENT PRIVACY: The Psychiatric Hospital of Århus forwarded a non- encrypted containing sensitive information about a patient to the private address of a specialist employed at the hospital. Because of an IT virus, the was forwarded to a number of other addresses. The Data Protection Agency considers the practice of forwarding sensitive information via in non-encrypted form to be a serious violation of data protection law. In addition, the agency emphasises that sensitive information should generally not be processed on private PCs, and, if at all, only after an agreement has been reached between the data controller and the employee over safeguarding the protection of the data. (Backer & McKenzie E-Law, ) Data Protection AgencyData Protection Agency

57 OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS SÃO PAULO - CAMPINAS - NEW YORK - MIAMI Pós - Cadastro

58 Renato M. S. Opice Blum copyright © Renato M S Opice Blum, DR OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS SÃO PAULO - CAMPINAS - NEW YORK - MIAMI Al. Joaquim Eugênio de Lima, 680 – 1º andar – São Paulo – SP – Brasil – Tel.: (55-11) Fax: (55-11) E. Mail:


Carregar ppt "OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS OPICE BLUM ADVOGADOS ASSOCIADOS SÃO PAULO - CAMPINAS - NEW YORK - MIAMI Al. Joaquim Eugênio de Lima, 680 – 1º andar –"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google