A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

O Mundo do Rei Artur - 7 - Antonio L. Furtado. Ementa Introdução: Rei Artur - história, lenda, ficção? 1. Primeira fase: crônicas pseudo-históricas -

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "O Mundo do Rei Artur - 7 - Antonio L. Furtado. Ementa Introdução: Rei Artur - história, lenda, ficção? 1. Primeira fase: crônicas pseudo-históricas -"— Transcrição da apresentação:

1 O Mundo do Rei Artur Antonio L. Furtado

2 Ementa Introdução: Rei Artur - história, lenda, ficção? 1. Primeira fase: crônicas pseudo-históricas - Geoffrey of Monmouth 1.1. Bretões, saxões e normandos 1.2. História dos Reis da Bretanha 1.3. Vida de Merlim 2. Segunda fase: romances de cavalaria - Chrétien de Troyes 2.1. Cavalaria e amor cortês 2.2. Erec e Enide 2.3. Cligés 2.4. Lancelote 2.5. Yvain 2.6. Persival - ou o Conto do Graal 3. Terceira fase: estórias exemplares - Robert de Boron 3.1. Cruzadas e cavalaria sacra 3.2. Joseph ou O Romance da Estória do Graal 3.3. Vulgata Arturiana ou Lancelote-Graal 3.4. A Demanda do Santo Graal Conclusão: rei que foi, rei que será

3 7 a. Apresentação 03/02/2011 Terceira fase: estórias exemplares - A Demanda do Santo Graal

4 Antes da Demanda Cenas da Continuação de Merlim, da Post-Vulgata Depois de sua coroação, Artur se apaixona pela mulher do rei Lot - ela é sua irmã e eles não sabem. Mordred (Morderete) é concebido Sonho de Artur: um dragão destrói o reino de Logres e seu exército, Artur o mata mas é também mortalmente ferido Durante uma caçada, Artur vê a Besta Ladradora Merlim explica: Artur é culpado de incesto, o dragão representa Mordred, a Besta Ladradora é "uma aventura do Graal" As crianças abandonadas no mar, o Castelo dos Meninos O golpe doloroso: Balin - o Cavaleiro das Duas Espadas - fere Pellehan (Peles) com a santa lança Em consequência, começam as aventuras do "Reino das Aventuras", terra devastada, muitos inocentes sofrerão até a vinda do Bom Cavaleiro ( Galaad - Galaaz)

5 Estrutura e sentido alegórico da Demanda (com base na tese de Heitor Megale) 1. Convocação - movimento centrípeto 2. Errância - movimento centrífugo 3. Desenlace - resultados Diz um ermitão a Galvão: Isto vos direi eu bem; as grandes aventuras que agora acontecem são interpretações e os grandes sinais do santo Graal. Mas os sinais e significados do santo Graal não aparecem ao pecador nem a quem está envolvido nos prazeres do mundo. E por isso se vos não mostram já, porque sois desleal pecador. E não devemos cuidar que as aventuras que agora correm são de matar cavaleiros e outros homens. Já disto não verá ninguém vir aventura, antes serão as coisas que mostrarão aos homens bons o significado das outras coisas, porque as coisas celestiais são assim escondidas que jamais coração mortal as poderá conhecer, a não ser pelo Espírito Santo.

6 1. Convocação A corte de Artur em Camalote, na festa de Pentecostes Galaaz armado cavaleiro por Lancelote Espada na pedra - Lancelote não ousa, Galvão tenta e falha Chegada de Galaaz à corte - assento perigoso, retirada da espada Chega Tristão - a Távola Redonda se reúne completa, com todos os 150 cavaleiros A graça do Santo Graal

7 E eles assim estando sentados, entrou no paço o santo Graal, coberto de um veludo branco; mas não houve um que visse quem o trazia. E assim que entrou, foi o paço todo repleto de bom odor, como se todos os perfumes do mundo lá estivessem. E ele foi para o meio do paço, de uma parte e da outra, ao redor das mesas. E por onde passava, logo todas as mesas ficavam repletas de tal manjar, qual em seu coração desejava cada um. E depois que teve cada um o de que houve mister a seu prazer, saiu o santo Graal do paço que ninguém soube o que fora dele, nem por qual porta saíra.

8 A graça do Santo Graal

9 Despedida dos cavaleiros Galvão começa a demanda "Sabei que não há cavaleiro no paço que não houvesse de comer o que pensou cada um em seu coração. E isto não houve em nenhuma corte, senão na casa do rei Peles. Mas tanto fomos enganados que o não vimos senão coberto. Quanto em mim é, prometo agora a Deus e a toda cavalaria que, de manhã, se me Deus quiser atender, entrarei na demanda do santo Graal, assim que a manterei um ano e um dia e, porventura mais; e ainda mais digo: jamais voltarei à corte, por cousa que aconteça, até que melhor e mais a meu prazer veja o que ora vi; mas se não puder ser, voltarei então." Os outros aderem, lamento de Artur Entra a donzela feia, a espada que se cobre de sangue A partida, dispersão - …assim que chegaram à floresta, partiu cada um por onde achou a carreira ou senda…

10 Despedida dos cavaleiros Edward Coley Burne-Jones The Arming and Departure of the Knights (tapeçaria)

11 2. Errância Galaaz ganha o escudo branco, sobre o qual Josefes traçara com seu sangue uma cruz vermelha Aventura no castelo do rei Brutus, a donzela que se mata por amor de Galaaz Palamades: cavaleiro da Besta Ladradora, odiado por Tristão por amar Isolda, e reprovado por Galaaz por ser pagão Galvão mata vários cavaleiros da Távola Redonda Erec, o que não mente, e a donzela má Cisão dentro da Távola Redonda - linhagem de Artur (Galvão, Gaeriete, Guerrees, Agravaim, Morderete), linhagem de Pelinor (Lamorant, Persival), linhagem do rei Bam (Boorz, Lancelote, Galaaz) Os três eleitos: Galaaz, Persival (e sua irmã), Boorz

12 Galaaz e a filha de Brutus Galaaz e Boorz se hospedam no castelo do rei Brutus A filha do rei se apaixona por Galaaz Deita-se no leito ao lado dele, que dormia Percebe a estamenha "porque sem estamenha nunca ele estava nem de noite nem de dia" Ele acorda: "E rogo-vos, por cortesia e por vossa honra, que vos vades daqui, porque, com certeza, o vosso louco pensar não entenderei eu, se Deus quiser, porque mais devo recear perigo de minha alma do que fazer vossa vontade" Ela se mata

13 Erec e a promessa cega Uma donzela presta um favor a Erec, em troca de ele atender a um pedido - no momento não revelado - que ela indicará na ocasião oportuna O pedido é: "- Erec, eu te peço a cabeça dessa donzela que senta perto de ti." Quando ele isto ouviu, ficou tão espantado que lhe faltou o ânimo, entretanto disse: - Ai, donzela, por Deus mercê! Tome-vos piedade de mim e dela, porque se eu minha irmã matasse, e além disso tão formosa donzela e tão agradável, esta seria a maior traição que nunca fez cavaleiro nesta terra Erec, "o que não mente", corta a cabeça da irmã e a entrega à donzela má, ela é queimada por um corisco que vem do céu, morte de Erec (por Galvão) Frequente em contos folclóricos: "rash boon", "don contraignant"

14 Sacrifício da irmã de Persival Galaaz, Persival e Boorz, acompanhados pela irmã de Persival, chegam a um castelo Perguntam-lhes se a jovem é virgem É costume do castelo exigir de tais jovens que deixem tirar sangue de seu braço para encher uma escudela Não aceitando isso, os três lutam contra os do castelo Mais tarde explicam que o sangue é para curar a lepra da dona do castelo A irmã de Persival doa seu sangue e morre A dama é curada, mas depois o castelo é totalmente destruido por uma tempestade

15 A irmã de Persival

16 Banho de sangue - caso histórico Erzsebet Bathory ( ) - castelo Csejthe, Hungria Um de seus servos, Thorko, a instruiu em feitiçaria. Entre seus ajudantes tinha duas "bruxas" Dorottya Szentes e Darvulia ou Darvula, além do anão Ficzko Um dia uma serva, sem querer, lhe puxou o cabelo enquanto a penteava. Erzsebet a esbofeteou e o sangue dela molhou-lhe a mão Convencida de que sua pele ficara mais suave e macia, passou a tomar banhos de sangue, sacrificando centenas de moças virgens Uma das vítimas escapou e fez denúncia ao rei Mathias II Após inquérito, foi aprisionada (em vez de executada, por ser de alta nobreza) num quarto do castelo, selado por um pedreiro Passavam-lhe alimento por uma fresta estreita Morreu poucos anos depois

17 Erzsebet Bathory

18 3. Desenlace Galaaz, Persival e Boorz chegam a Corberic, com Palamades, que (feito cristão) matara a Besta Ladradora Encontram outros nove cavaleiros, "que a ventura trouxera ali para se acabar a aventura do santo Graal" Galaaz vê o santo Graal sobre uma mesa de prata. Suspensa no ar estava a lança, com a ponta de ferro para baixo. Da ponta caiam gotas de sangue numa bacia de prata Uma voz manda Galaaz despejar a bacia nas chagas do rei Peles. Ele é curado, e a lança vai para o céu Peles torna-se ermitão. Mais tarde explica as maravilhas ligadas ao Graal, inclusive a Besta Ladradora

19 Origem da Besta Ladradora (emblema da destruição do reino de Logres?) O rei Hipômenes tinha um filho, também chamado Galaaz, que era muito virtuoso, e uma filha versada em necromancia Ela se apaixona pelo irmão, que a rejeita horrorizado Ela pensa em se suicidar - aparece o demo "em figura de homem formoso", dizendo que, entregando-se a ele, terá o amor do irmão Ela se entrega ao demo, com o tempo passa a querer matar o irmão A conselho do demo, usa com o irmão o truque da mulher de Putifar O rei Hipômenes lhe pergunta de que morte deve morrer o irmão - "Quero que o deitem aos cães; e os cães estejam em jejum de sete dias, quando a eles o deitarem" O irmão prediz que dela, que está grávida, nascerá uma besta descomunal tendo dentro de si cães que sempre ladrarão Nasce a besta, Hipômenes manda matar a filha de morte ainda pior

20 Monstro ladrador na mitologia Na Odisséia, Circe alerta Ulisses sobre Cila, "a criatura do latido terrível" Sua voz soa como a de um cão recém-nascido (" ") Cila recusa as propostas amorosas de Glauco. Ele recorre à magia de Circe, mas ela se apaixona por ele - e Glauco a recusa rudemente. Para se vingar, Circe enfeitiça Cila, transformando-a em monstro marinho: passa a ter em torno da cintura seis cabeças de cães, ferozes como Cérbero (cf. Ovídio, Metamorfoses)

21 Cila Ovídio, Metamorfoses - "fugindo deles, leva-os consigo"

22 A mulher, a besta e a taça no Novo Testamento E o anjo me levou em espírito a um deserto e vi uma mulher sentada sobre uma besta escarlate, cheia de nomes de blasfêmia, tendo sete cabeças e dez chifres. E a mulher estava trajada de púrpura e escarlate e adornada de ouro, pedras preciosas e pérolas, tendo na mão uma taça dourada cheia das abominações e da imundície de sua fornicação. E na fronte tinha escrito: Mistério, Babilônia, a grande mãe das fornicações e abominações da terra (Apocalipse 17, 3) Taça das abominações - como se fosse um "anti-graal"

23 Mulher montando a besta Apocalipse

24 Galaaz acaba a demanda (o Graal de novo em Sarras - nave de Salomão) … o homem bom (Josefes) tirou a patena de cima do santo Vaso, chamou Galaaz e disse-lhe: "- Vem adiante, servo de Jesus Cristo, e verás o que tanto desejaste sempre ver." E ele se aproximou logo e olhou o santo Vaso e depois que olhou um pouco, começou a tremer muito violentamente, tão logo a mortal carne começou a ver as coisas espirituais, e estendeu logo suas mãos para o céu e disse: - Senhor, a ti dou graças e a ti oro e a ti bendigo, porque me fizeste tão grande mercê, que vejo abertamente o que língua mortal não poderia dizer, nem coração sentir. Aqui vejo o começo das grandes audácias. Aqui vejo a razão das grandes maravilhas. E pois assim é, Senhor, que cumpristes minha vontade de me deixardes ver o que sempre desejei, ora vos rogo que, nesta hora em que nesta grande alegria estou, vos agrade que eu passe desta terreal vida e vá à celestial.

25 Última visão do Graal Morte de Galaaz Uma grande maravilha: veio do céu uma mão, mas não viram o corpo de quem era a mão, e tomou o santo Vaso e levou-o para o céu com tão grande canto e com tão grande alegria, que nunca alguém viu mais agradável coisa de ouvir, assim como nunca houve quem na terra depois pudesse dizer com verdade que alguma vez também viu. Persival entra em uma ermida fora de Sarras Morre após um ano e dois meses Boorz o faz sepultar no Paço Espiritual com a irmã e perto de Galaaz Boorz retorna a Camalote e narra as aventuras, e o rei Artur as faz escrever

26 Perguntas que ficam Como justificar a partida de 150 cavaleiros se já tinha sido predito que um apenas acabaria plenamente a demanda? Qual o sentido da demanda? Que significa "acabá-la"? Que relação - positiva ou negativa - tem o mundo de Artur com a demanda?

27 É revelada a deslealdade de Lancelote Morderete e Agravaim denunciam o caso de Lancelote com a rainha Genevra (seus desenhos na parede de Morgana) Artur vai à caça, Lancelote entra na câmara da rainha - fecha-se a armadilha, Lancelote combate e se retira e a rainha é presa Condenada à fogueira, é salva por Lancelote que a leva à Joiosa Guarda Lancelote - sem saber - matara Gaeriete, seu amigo e irmão de Galvão. Por isso incorre no ódio de Galvão Guerra entre Artur e Lancelote, decidida em duelo deste contra Galvão - que mais tarde morreria do ferimento Guerra de Artur na Bretanha contra os romanos

28 Batalha do campo de Salaber Morderete se faz coroar, Artur retorna, Morderete parte de Logres, onde mantinha a rainha cercada O exército do rei e o do traidor se ajuntam no campo de Salaber Artur atravessa com a lança o peito de Morderete. E diz a estória que, depois que tirou a lança dele, passou pelo meio da chaga um raio de sol De tal modo como vos conto, matou rei Artur Morderete e Morderete o feriu de morte. E isto foi grande mal e grande dano, porque não houve, depois de rei Artur, rei cristão tão venturoso e que tão bem fizesse seus feitos e que tanto amasse e honrasse a cavalaria

29 A espada é jogada no lago Artur: "Ai, Excalibur, espada boa e honrada, a melhor que alguma vez entrou no reino de Logres, fora a da estranha cinta (de Galaaz), agora perderás teu dono" Então chamou Gilfrete e disse-lhe: "Tomai esta espada e ide sobre aquele outeiro e achareis lá um lago; e jogai-a nele, porque não quero que os maus, que depois de nós reinarão, tenham esta espada" Então (Gilfrete) a lançou o mais que pôde; e quando chegou perto da água viu uma mão que aparecia até o cotovelo, mas do corpo não viu nada. A mão recebeu a espada pelo punho e brandiu-a três vezes ou quatro; depois que a brandiu, meteu-se com ela na água. Artur: "… se vos perguntarem novas de mim, respondei-lhes que rei Artur veio porventura e porventura partiu, e só ele foi rei venturoso"

30 Morte de Artur? A barca aportou diante do rei Artur e as mulheres saíram e dirigiram-se ao rei. E andava entre elas Morgana, a fada, irmã de rei Artur, que dirigiu-se ao rei com todas aquelas mulheres que trazia, e rogou-lhe então muito, que, por seu rogo, teve o rei que entrar na sua barca. E depois que estava dentro, fez meter lá seu cavalo e todas as suas armas; depois começou a barca a ir pelo mar com ele e com as mulheres, em tal hora, que não houve depois cavaleiro nem outrem no reino de Logres que dissesse depois, com certeza, que o tivesse visto. Na capela Veira um túmulo muito rico: "Aqui jaz rei Artur que, por sua proeza e por sua bondade, conquistou doze reinos." Então (Gilfrete) mandou erguer a lápide e quando olhou dentro, nada viu, senão o elmo de rei Artur, aquele mesmo que trouxera na dolorosa batalha.

31 Espada na água - outros exemplos Mencionado na primeira apresentação: o herói sármata Batraz, antes de morrer, manda lançar sua espada ao mar Lenda japonesa: a espada Kusanagi (retirada da cauda de um dragão pelo deus Susano-o) é um dos três objetos (espada, espelho, adereço) dados por sua irmã Amaterasu, deusa do sol, aos imperadores do Japão. É mergulhada para sempre no mar, quando, levando-a consigo, a avó do imperador menino Antoku afoga-se com ele no final da batalha de Dan-no-ura - narrada no Heike Monogatari

32 Lancelote se redime Lancelote guerreia contra os filhos de Morderete Genevra, recolhida a um convento, ouve o boato de que Lancelote teria morrido Fica sabendo tarde demais a verdade. Ao morrer, pede que levem a Lancelote seu coração, dentro de um elmo que fôra dele Lancelote mete-se numa ermida, onde se dedica ao serviço de Deus durante 5 anos O arcebispo da Cantuária o vê em sonhos, sendo levado por anjos

33 O desmoronamento do reino O rei Mars, sabendo que o reino de Logres está desprotegido, decide vingar-se invadindo e destruindo tudo Em Camalote lhe revelam que Boorz, o arcebispo da Cantuária e Meraugis vivem ainda, como ermitães, naquela mesma ermida Ergue a espada contra Boorz, mas o arcebispo se interpõe e é morto O cavaleiro Paulas, da linhagem do rei Bam, mata o rei Mars

34 Final … e os ermitães ficaram na ermida em serviço de Deus. E assim acabemos nós. Amém.


Carregar ppt "O Mundo do Rei Artur - 7 - Antonio L. Furtado. Ementa Introdução: Rei Artur - história, lenda, ficção? 1. Primeira fase: crônicas pseudo-históricas -"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google