A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Cobertura de crime organizado Bruno Thys Cobertura de crime organizado Bruno Thys Cobertura de crime organizado Bruno Thys.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Cobertura de crime organizado Bruno Thys Cobertura de crime organizado Bruno Thys Cobertura de crime organizado Bruno Thys."— Transcrição da apresentação:

1 Cobertura de crime organizado Bruno Thys Cobertura de crime organizado Bruno Thys Cobertura de crime organizado Bruno Thys

2 Cobertura de crime organizado Bruno Thys RIO DE JANEIRO Município com 156 bairros e cerca de 730 favelas. Aproximadamente 80% delas são dominadas pelas quadrilhas de traficantes de drogas

3 Cobertura de crime organizado Bruno Thys

4 DELINQÜÊNCIA ORGANIZADA

5 Cobertura de crime organizado Bruno Thys DELINQÜÊNCIA ORGANIZADA DELINQÜÊNCIA ORGANIZADA Três facções criminosas atuam no Estado: COMANDO VERMELHO (CV) COMANDO VERMELHO (CV) É a mais antiga. O equívoco de "crime organizado" surgiu desde a sua criação. A idéia de organização dos bandidos veio da convivência de presos comuns com presos políticos. TERCEIRO COMANDO TERCEIRO COMANDO Dissidência do Comando Vermelho, ganhou força nos anos 80. AMIGOS DOS AMIGOS Criada em meados da década de 90, dentro da Penitenciária Laércio da Costa Pellegrino, o BANGU 1, após uma guerra.

6 Cobertura de crime organizado Bruno Thys ESTRUTURA PRIMÁRIA DE ORGANIZAÇÃO As três facções criminosas funcionam com estrutura parecida: Patrão - é o chefe, dono do morro ou dos pontos de venda de drogas. Gerentes - Prestam conta da venda com o patrão. Método primário de anotação em cadernos escolares. Da Maconha - Responsável por controlar a embalagem e a venda de maconha. Da Cocaína - Responsável pela mistura da droga com outros produtos, embalagem e distribuição. Do arrego - Pessoa responsável pelo contato com policiais corruptos para pagamento de propina.

7 Cobertura de crime organizado Bruno Thys ESTRUTURA PRIMÁRIA DE ORGANIZAÇÃO Vapor: Geralmente menores, que são responsáveis pela venda de drogas. Ganham por comissão, geralmente 10% do valor de cada carregamento. Soldado: Responsável pela segurança dos pontos de venda de drogas. Também são os escolhidos para invasões a morros dominados por facções rivais. Advogado: Figura responsável não só para tratar dos assuntos criminais dos integrantes do grupo, como por fazer pagamento de acertos entre bandidos e maus policiais durante uma "mineira" (extorsão).

8 Cobertura de crime organizado Bruno Thys * Diferente das quadrilhas que atuam no chamado "Crime Organizado", essas definições de papéis não são respeitados. É comum que esses "funcionários" migrem para outros tipos de crimes como roubo e furto de carros, residências, cargas e bancos. Sempre usando armamento de guerra com fuzis AR-15, FAL e HK-G3. * Boa parte desses crimes são cometidos por menores, associados com maiores, mas todos usuários de cocaína e maconha. Cometem outros crimes além do tráfico puramente para se capitalizar. É comum em ações como essas as vítimas serem morta por esses jovens bandidos. * Outra característica do grupos criminosos organizados é a capilaridade no poder público em esferas como o judiciário e no legislativo, o que ainda não acontece com essas facções criminosa, que exerce um poder quase patronal com policiais para que seu negócio funcione.

9 Cobertura de crime organizado Bruno Thys Beira-Mar - Comando Vermelho Da base da Favela Parque Beira-Mar, em Duque de Caxias, montou uma estrutura familiar de tráfico internacional. Colômbia, Paraguai (base) e Suriname (armas). Investimento em construção civil, imóveis, carros, aeronaves, empresas de transporte etc. (PRESO) MODELO DIFERENCIADO DE ASSOCIAÇÃO DE TRÁFICO: ASSOCIAÇÃO LUCRATIVA ESTRUTURADA CRIMINOSOS QUE ADOTARAM O SISTEMA

10 Cobertura de crime organizado Bruno Thys UÊ - Amigos dos Amigos Fundador dessa facção em 1996, era "dono" de pontos em 13 morros do Rio. Base -Morro do Adeus, em Ramos O traficante iniciou uma guerra com sua antiga facção Comando Vermelho para dominar a distribuição de armas e drogas. Com o dinheiro das drogas investiu em aviões, construção civil e imóveis em Novo Hamburgo e em residências de luxo no Rio. Tinha uma política expansionista, investia em guerras. Mesmo preso em Bangu 1, presídio onde foi executado numa rebelião, chegou a comprar de um fornecedor colombiano um carregamento de 300 fuzis. Também montou uma estrutura familiar para cuidar dos negócios. (MORTO) MODELO DIFERENCIADO DE ASSOCIAÇÃO DE TRÁFICO: ASSOCIAÇÃO LUCRATIVA ESTRUTURADA CRIMINOSOS QUE ADOTARAM O SISTEMA

11 Cobertura de crime organizado Bruno Thys Robinho Pinga - Terceiro Comando Da Favela da Coréia, Zona Oeste do Rio Principal fornecedor de drogas de sua facção. Conseguiu ainda contatos com fornecedores de armas e explosivos. Montou base em São Paulo. Enriqueceu com as drogas e investiu seu dinheiro em imóveis, carros e uma pedreira em Minas Gerais. Chegou a se associar a Uê, mas uma briga acabou com o acordo entre as duas facções. O bandido foi o único criminoso que quando estava foragido fazia questão de declarar Imposto de Renda (PRESO) MODELO DIFERENCIADO DE ASSOCIAÇÃO DE TRÁFICO: ASSOCIAÇÃO LUCRATIVA ESTRUTURADA CRIMINOSOS QUE ADOTARAM O SISTEMA

12 Cobertura de crime organizado Bruno Thys * 92 comunidades já estão dominadas por grupos formados por policiais militares da ativa ou excluídos, bombeiros, agentes penitenciários, policiais civis e pessoas comuns. * Objetivo: substituir os traficantes para controlar o comércio e serviços até então explorados pelos traficantes como: transporte alternativo, TV a cabo clandestina, telefone público, segurança privada, entre outras fontes de renda. * A estrutura tem ainda pouca organização e reproduz o modelo das facções criminosas. MILÍCIA: ORGANIZAÇÃO "MILITAR" CRIMINOSA EM FASE DE ESTRUTURAÇÃO

13 Cobertura de crime organizado Bruno Thys COBERTURAS EM ÁREAS DOMINADAS PELO CRIME DESORGANIZADO * Desde a morte de Tim Lopes a imprensa passou a tomar uma série de cuidados para cobertura policial e até mesmo de cidade, em áreas conflagradas. * Isso distanciou a comunidade dos veículos, aumentando a carência de notícias relevantes dessas regiões. Antes, os jornalistas recorriam com mais freqüência aos representantes das comunidades para chancelar uma visita. Hoje, após a constatação do envolvimento de alguns líderes com as facções, é arriscado confiar a segurança da equipe a outra pessoa. * O EXTRA está iniciando uma experiência inédita: se aproximar das comunidades através de uma parceria com o Viva Favela e os jovens jornalistas que moram em áreas de conflito.

14 Cobertura de crime organizado Bruno Thys COBERTURAS EM ÁREAS DOMINADAS PELO CRIME DESORGANIZADO

15 Cobertura de crime organizado Bruno Thys O QUE FAZER? Só polícia não resolve. É preciso resolver o problema da favela: urbanização, serviços públicos, investimentos permanente e, sobretudo educação. Sem isso a situação continuará assim...

16 Cobertura de crime organizado Bruno Thys

17


Carregar ppt "Cobertura de crime organizado Bruno Thys Cobertura de crime organizado Bruno Thys Cobertura de crime organizado Bruno Thys."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google