A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

“CONTENCIOSO TRIBUTÁRIO” “Jesuíno Alcântara Martins” “DIS3112”

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "“CONTENCIOSO TRIBUTÁRIO” “Jesuíno Alcântara Martins” “DIS3112”"— Transcrição da apresentação:

1 “CONTENCIOSO TRIBUTÁRIO” “Jesuíno Alcântara Martins” “DIS3112”

2 “Contencioso Tributário” Bloco 6 Os Meios Impugnatórios de Natureza Judicial A Ação para Reconhecimento de um Direito ou Interesse Legítimo em Matéria Tributária Os Meios Processuais Acessórios Intimação para um Comportamento A Intimação para Consulta de Documentos e Passagem de Certidões A Execução de Julgados Processo Especial de Derrogação de Sigilo Bancário: Recurso Interposto pelo Contribuinte A Arbitragem Os Recursos Jurisdicionais CONTENCIOSO TRIBUTÁRIO 2

3 “Os Meios Impugnatórios de Natureza Judicial” O processo judicial tributário tem por função a tutela plena, efetiva e em tempo útil dos direitos e interesses legalmente protegidos em matéria tributária. Esta tutela plena e efetiva abrange o direito de impugnar qualquer ato tributário ou em matéria tributária suscetível de afetar negativamente a esfera jurídica do contribuinte ou de outro obrigado tributário. A cada direito corresponde um meio processual de o fazer valer em juízo – Art.º 101.º da LGT e Art.º 97.º do CPPT. O direito de impugnar ou de recorrer implica o direito de obter, em prazo razoável, uma decisão que aprecie, com força de caso julgado, a pretensão regularmente deduzida em juízo. O processo judicial tributário não deve ter duração acumulada superior a dois anos contados entre a data da respetiva instauração e da decisão proferida em 1ª instância que lhe ponha termo – n.º 2 do Art.º 96.º do CPPT. CONTENCIOSO TRIBUTÁRIO 3

4 “Os Meios Impugnatórios de Natureza Judicial” Os principais meios processuais judiciais adequados à tutela dos direitos e interesses legalmente protegidos dos contribuintes são: a) A impugnação judicial; b) A oposição judicial; c) Os embargos de terceiro; d) A reclamação dos atos do órgão da execução fiscal; e) A ação administrativa especial; f) A ação para reconhecimento de um direito ou interesse em matéria tributária; g) Intimação para um comportamento; h) Os meios acessórios de intimação para consulta de processos ou documentos administrativos e passagem de certidões; i) A execução de julgados; j) Os recursos jurisdicionais. CONTENCIOSO TRIBUTÁRIO 4

5 “Os Meios Impugnatórios de Natureza Judicial A Impugnação Judicial – Os Fins e o Objeto” A impugnação judicial tem por finalidade a anulação, total ou parcial, do ato tributário ou do ato em matéria tributária. Na impugnação judicial também é possível obter a condenação da administração tributária, designadamente, quando é determinado pelo juiz o dever de pagamento de juros indemnizatórios ao contribuinte. Qualquer ato em matéria tributária que afete a esfera jurídica do contribuinte terá de poder ser controlado judicialmente - n.º 4 do art.º 268.º da CRP. A exigência de prévia apresentação de impugnação administrativa é uma exceção e apenas acontece em situações específicas e tem por objetivo permitir à Administração Fiscal resolver a situação controvertida. CONTENCIOSO TRIBUTÁRIO 5

6 “Os Meios Impugnatórios de Natureza Judicial A Impugnação Judicial – Os Fins e o Objeto” São vários os atos cuja ilegalidade pode ser invocada através da impugnação judicial: a) A impugnação dos tributos, incluindo os parafiscais (contribuições para a segurança social) e os atos de autoliquidação, retenção na fonte e pagamento por conta; b) A impugnação do indeferimento total ou parcial das reclamações graciosas; c) A impugnação da fixação da matéria tributável, quando não dê origem à liquidação de tributo; d) A impugnação de fixação de valores patrimoniais; e) A impugnação dos atos administrativos em matéria tributável que comportem a apreciação da legalidade do ato de liquidação; f) A impugnação do agravamento à coleta aplicado em virtude da apresentação de reclamação graciosa ou de pedido de revisão da matéria tributável sem fundamento; g) A impugnação dos atos de apreensão de bens; h) A impugnação das providências cautelares adotadas pela administração tributária. CONTENCIOSO TRIBUTÁRIO 6

7 “Os Meios Impugnatórios de Natureza Judicial A Impugnação Judicial – Os Fins e o Objeto” Salvo nos casos de erro na autoliquidação, na retenção na fonte ou no pagamento por conta, a impugnação judicial não depende de prévia reclamação graciosa. A impugnação judicial tem por fundamento qualquer ilegalidade, designadamente a: (Art.º 99.º do CPPT) a) Errónea qualificação e quantificação dos rendimentos, lucros, valores patrimoniais e outros factos tributários; b) Incompetência; c) Ausência ou vício da fundamentação legalmente exigida; d) Preterição de outras formalidades legais. CONTENCIOSO TRIBUTÁRIO 7

8 “Os Meios Impugnatórios de Natureza Judicial A Impugnação Judicial – A Legitimidade e Tempestividade” A impugnação judicial é interposta através de petição articulada subscrita pelo próprio impugnante ou por outra pessoa que tenha legitimidade para representar o sujeito passivo, os substitutos, os responsáveis solidários e subsidiários ou outro obrigado tributário – art.º 9.º do CPPT e n.º 4 do Art.º 22.º da LGT. Se o pedido formulado na impugnação judicial exceder o décuplo da alçada do tribunal tributário de 1ª instância, tem de ser constituído mandatário judicial – Art.º 6.º do CPPT. A impugnação judicial está sujeita ao pagamento de custas processuais e, eventualmente, à constituição de mandatário judicial. Em regra, os contribuintes optam pela impugnação judicial, quando o fundamento desta for matéria de direito, ou pela reclamação graciosa quando existir matéria de facto controvertida que possa e deva ser decidida pela Administração Tributária. CONTENCIOSO TRIBUTÁRIO 8

9 “Os Meios Impugnatórios de Natureza Judicial A Impugnação Judicial – A Legitimidade e Tempestividade” O prazo para interposição da impugnação judicial é 90 dias a contar dos factos seguintes: a) Termo do prazo para pagamento voluntário das prestações tributárias legalmente notificadas ao contribuinte; b) Notificação dos restantes atos tributários, mesmo quando não deem origem a qualquer liquidação; c) Citação dos responsáveis subsidiários em processo de execução fiscal; d) Formação da presunção de indeferimento tácito; e) Notificação dos restantes atos que possam ser objeto de impugnação autónoma; f) Conhecimento dos atos lesivos dos interesses legalmente protegidos não abrangidos nas alíneas anteriores. CONTENCIOSO TRIBUTÁRIO 9

10 “Os Meios Impugnatórios de Natureza Judicial A Impugnação Judicial – A Legitimidade e Tempestividade” O prazo para apresentar a impugnação judicial é de 30 dias nos casos de: -Autoliquidação; -Retenção na fonte; -Pagamento por conta. Quando o fundamento da impugnação judicial for a nulidade do ato tributário ou do ato em matéria tributária, a sua interposição pode ocorrer a todo o tempo - n.º 3 do Art.º 102.º do CPPT. O prazo para interposição da ação de impugnação é um prazo substantivo – Art.º 20.º do CPPT, pelo que se conta nos termos do Art.º 279.º do Código Civil. CONTENCIOSO TRIBUTÁRIO 10

11 “Os Meios Impugnatórios de Natureza Judicial A Impugnação Judicial – A Legitimidade e Tempestividade” Nas situações de: - Decisão de indeferimento expresso da reclamação graciosa; - Atos de apreensão de bens praticados pela Administração Tributária; - Providências Cautelares adotadas pela Administração tributária. A impugnação judicial tem de ser interposta no prazo de 15 dias a contar dos seguintes factos: Notificação da decisão de indeferimento; Do levantamento do auto de apreensão; Da realização das providências cautelares ou do seu conhecimento efetivo pelo interessado. CONTENCIOSO TRIBUTÁRIO 11

12 “Os Meios Impugnatórios de Natureza Judicial A Impugnação Judicial – A Legitimidade e Tempestividade” A impugnação judicial tem de ser apresentada no prazo de - Prazo regra 90 dias - Prazos Especiais: 15 dias 30 dias Legitimidade – Art.º 9.º do CPPT Art.º 102.º do CPPT Art.º 131.º; 132.º; 133.º do CPPT CONTENCIOSO TRIBUTÁRIO 12 n.º 2 Art.º 102.º art.ºs 143.º e 144.º Do CPPT

13 “Os Meios Impugnatórios de Natureza Judicial A Impugnação Judicial – A Decisão” O órgão competente para decidir a impugnação judicial é o juiz do tribunal tributário – art.ºs 113.º e 122.º do CPPT. Durante a pendência da impugnação judicial – aquando da organização do processo administrativo – a Administração Fiscal ainda pode efetuar a revogação total ou parcial do ato impugnado. Em caso de revogação total o representante da Fazenda Pública promove a extinção da impugnação judicial – n.º 4 do Art.º 112.º do CPPT. Em caso de revogação parcial, o impugnante é notificado da decisão para, no prazo de 10 dias, se pronunciar se desiste da impugnação ou se a mantém com o objeto restrito à parte subsistente da liquidação. Se o impugnante nada disser ou se declarar que mantém a impugnação esta prossegue a sua normal tramitação – n.º 3 do Art.º 112.º do CPPT. CONTENCIOSO TRIBUTÁRIO 13

14 “Os Meios Impugnatórios de Natureza Judicial A Impugnação Judicial – A Decisão” Se contra o ato impugnado – ato de liquidação – tiver sido ou vier a ser apresentada reclamação graciosa, esta é apensada à impugnação judicial na fase em que se encontrar. Idêntico procedimento se verifica em caso de recurso hierárquico – n.º 3, 4 e 5 do Art.º 111.º do CPPT. Daqui resulta a proeminência do processo judicial tributário sobre o procedimento tributário, o que se compreende, porquanto é este o mais adequado à composição dos litígios e a salvaguardar os direitos e interesses legalmente protegidos dos contribuintes e tem por corolário evitar a existência de decisões contraditórias sobre a mesma matéria. A decisão do juiz pode ser no sentido de considerar a pretensão do impugnante procedente ou improcedente, total ou parcialmente, sendo esta suscetível de recurso. CONTENCIOSO TRIBUTÁRIO 14

15 “Os Meios Impugnatórios de Natureza Judicial A Impugnação Judicial” PETIÇÃO PRAZOS FUNDAMENTOS Dirigida ao Juiz do Tribunal Administrativo e Fiscal Instaurada no Tribunal Notificação do RFP Organização do Processo Administrativo INDEFERIMENTO LIMINAR PRODUÇÃO DE PROVA NO TRIBUNAL DECISÃO: (JUIZ) PROCEDENTE IMPROCEDENTE RECURSO:TCA ou STA Art.º 102.º e Art.º 99.º do CPPT Art.º 279.º do CPPT CONTENCIOSO TRIBUTÁRIO 15

16 “Contencioso Tributário” EXEMPO PRÁTICO: A empresa ALFA & ALFA, SA., foi notificada no dia 19 de Julho de 2011 da decisão proferida na Reclamação Graciosa apresentada, nos termos do Art.º 131.º do CPPT, contra a Autoliquidação de IRC do ano de A decisão foi de Indeferimento. A empresa não concordou com a decisão e decidiu apresentar impugnação judicial. Prazo para a impugnação judicial 30 dias – n.º 2 do Art.º 131.º do CPPT. CONTENCIOSO TRIBUTÁRIO 16 Notificação da Decisão da R.G dias Termo do prazo para apresentar a Impugnação Judicial As Férias Judiciais são entre 15 de Julho e 31 de Agosto A impugnação Judicial teve de ser apresentada no 1.º dia útil ( ) pós as Férias Judiciais

17 “Contencioso Tributário” Meritíssimo Juiz do Tribunal Administrativo e Fiscal de _____________ A empresa ALFA & ALFA, SA., NIPC , com sede social em Avó da Estrela. N.º 111, em ______, vem, ao abrigo da alínea a) do n.º 1 do artigo 97.º e n.º 2 do artigo 131.º ambos do CPPT, apresentar Impugnação Judicial, nos termos e com os fundamentos seguintes: Os Factos: 1 …. 2, etc. O Direito: 1 … 2, etc. Conclusão: Pelo que, com o sempre mui douto suprimento de V. Exa., pede a anulação da liquidação e a condenação da Administração Fiscal no pagamento de juros indemnizatórios. Testemunhas Valor da ação O ADVOGADO CONTENCIOSO TRIBUTÁRIO 17

18 “Os Meios Impugnatórios de Natureza Judicial A Oposição Judicial – Os Fins e o Objeto” A oposição judicial é a contestação da execução fiscal. A discussão sobre a exigibilidade ou não da dívida exequenda deve ser feita através da oposição judicial. A oposição judicial está diretamente dependente do processo de execução fiscal, apenas podendo ser deduzida após a instauração deste e, em caso de pagamento ou anulação da dívida exequenda, o juiz do tribunal tributário determina a extinção da oposição, salvo nos casos em que o seu fundamento for a ilegalidade do ato de liquidação. O executado que pretenda discutir a inexigibilidade da dívida exequenda não deve proceder ao pagamento da mesma – n.º 5 do Art.º 203.º do CPPT. A ilegalidade em concreto do ato de liquidação não é fundamento de oposição judicial, salvo se a lei não assegurar meio judicial de impugnação ou recurso contra a liquidação do tributo. CONTENCIOSO TRIBUTÁRIO 18

19 “Os Meios Impugnatórios de Natureza Judicial A Oposição Judicial – Os Fins e o Objeto” Em regra, todos os atos de liquidação de tributos são suscetíveis de impugnação judicial ou de reclamação graciosa, pelo que a ilegalidade tem de ser invocada e apreciada nestes processos e não na oposição judicial. As formalidades da oposição judicial são idênticas às da impugnação judicial, devendo ser elaborada em articulado e entregue em triplicado no órgão de execução fiscal com legitimidade para a tramitação da respetiva execução fiscal, que, em regra, é o serviço periférico local ou regional da área do domicílio ou sede do executado. A oposição judicial não pode, não deve, ser entregue diretamente no tribunal tributário – Art.º 207.º do CPPT O órgão da execução fiscal é que procede ao seu envio ao tribunal caso não proceda à revogação do ato que lhe tenha dado fundamento – n.º 2 do Art.º 208.º do CPPT. A oposição judicial também está sujeita à constituição de mandatário judicial, nos termos previstos no Art.º 6.º do CPPT, e às regras em matéria de custas processuais. CONTENCIOSO TRIBUTÁRIO 19

20 “Os Meios Impugnatórios de Natureza Judicial A Oposição Judicial – Os Fins e o Objeto” A oposição judicial só poderá ser deduzida com base em algum dos seguintes fundamentos: a)Inexistência do imposto, taxa ou contribuição nas leis em vigor à data dos factos a que respeita a obrigação ou, se for o caso, não estar autorizada a sua cobrança à data em que tiver ocorrido a respetiva liquidação; b)Ilegitimidade da pessoa citada por esta não ser o próprio devedor que figura no título ou seu sucessor ou, sendo o que nele figura, não ter sido, durante o período a que respeita a dívida exequenda, o possuidor dos bens que a originaram, ou por não figurar no título e não ser responsável pelo pagamento da dívida; c)Falsidade do título executivo, quando possa influir nos termos da execução; d)Prescrição da dívida exequenda; CONTENCIOSO TRIBUTÁRIO 20

21 “Os Meios Impugnatórios de Natureza Judicial A Oposição Judicial – Os Fins e o Objeto” A oposição judicial só poderá ser deduzida com base em algum dos seguintes fundamentos: e) Falta da notificação da liquidação do tributo no prazo de caducidade; f) Pagamento ou anulação da dívida exequenda; g) Duplicação de coleta; h) Ilegalidade da liquidação da dívida exequenda, sempre que a lei não assegure meio judicial de impugnação ou recurso contra o ato de liquidação; i)Quaisquer fundamentos não referidos nas alíneas anteriores, a provar apenas por documento, desde que não envolvam apreciação da legalidade da liquidação da dívida exequenda, nem representem interferência em matéria de exclusiva competência da entidade que houver extraído o título. CONTENCIOSO TRIBUTÁRIO 21

22 “Os Meios Impugnatórios de Natureza Judicial A Oposição Judicial – A legitimidade e a Tempestividade” A oposição só pode ser deduzida pela pessoa contra quem tiver sido instaurado um processo de execução fiscal, ainda que por via da figura da reversão da execução fiscal – Art.º 9.º do CPPT. Podem ser executados no processo de execução fiscal o sujeito passivo da relação jurídica tributária, os substitutos, os responsáveis solidários e subsidiários, os sucessores, os adquirentes de bens e outros obrigados tributários. Todas estas pessoas adquirem a condição de executado a partir do momento em que são citados. CONTENCIOSO TRIBUTÁRIO 22

23 “Os Meios Impugnatórios de Natureza Judicial A Oposição Judicial – A legitimidade e a Tempestividade” A oposição judicial é deduzida no prazo de 30 dias a contar: a) Da citação pessoal ou, não a tendo havido, da primeira penhora; b) Da data em que tiver ocorrido o facto superveniente ou do seu conhecimento pelo executado. O prazo para deduzir a oposição judicial, conta-se nos termos do Art.º 144.º do Código Processo Civil – n.º 2 do Art.º 20.º do CPPT. O prazo de 30 dias conta-se de forma contínua, isto é, inclui sábados, domingos e feriados, porém, suspende-se durante as férias judiciais. Se o prazo terminar em dia em que o tribunal esteja encerrado, transfere-se o seu termo para o primeiro dia útil seguinte. CONTENCIOSO TRIBUTÁRIO 23

24 “Os Meios Impugnatórios de Natureza Judicial A Oposição Judicial – A Decisão” A oposição judicial é decidida pelo juiz do tribunal tributário de 1ª instância. Para não frustrar os seus objetivos, o executado deve ter um especial cuidado na interposição da oposição judicial. O juiz do tribunal tributário pode rejeitar liminarmente a oposição judicial. Uma vez recebido o processo em tribunal, o juiz pode logo rejeitar a oposição caso se verifique algumas das situações seguintes: (Art.º 209.º do CPPT) a) Ter sido deduzida fora do prazo de 30 dias a contar da citação pessoal; b) Não ter sido alegado algum dos fundamentos elencados no n.º 1 do Art.º 204.º do CPPT; c) Ser manifesta a improcedência do fundamento invocado. CONTENCIOSO TRIBUTÁRIO 24

25 “Os Meios Impugnatórios de Natureza Judicial A Oposição Judicial – A Decisão” Se a oposição for admitida pelo juiz, uma vez concluídos os atos processuais relativos à fase da produção da prova e das alegações, quer do oponente, quer da entidade exequente, a decisão do juiz materializa-se numa sentença e pode ter um dos seguintes sentidos: a) Considerar procedente a pretensão do oponente, ou b) Considerá-la, total ou parcialmente, improcedente. Esta decisão é suscetível de recurso jurisdicional. O recurso é interposto, no prazo de 10 dias a contar da notificação da sentença, para o Tribunal Central Administrativo (TCA) ou para o Supremo Tribunal Administrativo (STA) – art.ºs 279.º e 280.º do CPPT. O recurso é para o STA se o seu fundamento for exclusivamente de direito. Sempre que o fundamento do recurso abranja matéria de facto, o recurso é interposto para o TCA e da decisão deste não existe recurso para o STA. CONTENCIOSO TRIBUTÁRIO 25

26 Apresentar durante 30 dias SERVIÇO DE FINANÇAS OPOSIÇÃO JUDICIAL Juiz do Tribunal Administrativo e Fiscal INSTAURAÇÃO E INSTRUÇÃO DO PROCESSO Representante da Fazenda Pública Ministério Público DECISÃO SENTENÇA JUIZ Contribuinte ou Mandatário TRIBUNALTRIBUNAL ENVIO REVOGAÇÃO DO ACTO (20 dias) “Os Meios Impugnatórios de Natureza Judicial - A Oposição Judicial” CONTENCIOSO TRIBUTÁRIO

27 “Os Meios Impugnatórios de Natureza Judicial A Oposição Judicial – A Decisão” CONTENCIOSO TRIBUTÁRIO 27 Dirigida ao Juiz do Tribunal Administrativo e Fiscal Entregue no Serviço de Finanças onde correr termos a execução fiscal Notificação do RFP Contestação PRODUÇÃO DE PROVA NO TRIBUNAL DECISÃO: (JUIZ) PROCEDENTE IMPROCEDENTE RECURSO:TCA ou STA Enviada a tribunal Rejeição liminar Art.º 203.º e Art.º 204.º do CPPT Art.º 279.º do CPPT PETIÇÃO FUNDAMENTOSPRAZOS

28 “Contencioso Tributário” EXEMPLO PRÁTICO: António de Sousa, em 12 de Julho de 2011, foi citado, na qualidade de responsável subsidiário, para pagar a dívida exequenda e acrescido de que é devedora a empresa ALFA & ALFA, SA., no valor de € 3 578,50, relativa a IVA do 1.º, 2.º e 3.º trimestres do ano de António de Sousa exerceu, na verdade, o cargo de administrador da referida empresa, mas cessou funções em António de Sousa, para defender os seus interesses, vai ter de apresentar Oposição Judicial já que a AF não atendeu ao seu direito de audição e procedeu à efetivação da responsabilidade subsidiária (reversão da execução fiscal). Prazo para a Oposição judicial: 30 dias 28 CONTENCIOSO TRIBUTÁRIO CITAÇÃO Início das Férias Judiciais Termo das Férias Suspensão do prazo para a Oposição O PRAZO FICOU SUSPENSO EM E RECOMEÇOU A CONTAR EM , A OPOSIÇÃO JUDICIAL TEM DE SER APRESENTADA ATÉ

29 “Os Meios Impugnatórios de Natureza Judicial Embargos de Terceiro” Se a penhora ou qualquer outro ato judicialmente ordenado de apreensão de bens ofender a posse ou qualquer outro direito incompatível com a realização ou o âmbito da diligência, de que seja titular um terceiro, o meio processual a utilizar é os embargos de terceiro. Terceiro é uma pessoa estranha à execução fiscal que só tem legitimidade para deduzir embargos de terceiro porque no processo de execução fiscal foi praticado um ato lesivo dos seus direitos e interesses legalmente protegidos. Os embargos de terceiro são uma forma de processo judicial tributário que, em termos formais e processuais, se lhe aplicam as regras da oposição judicial – Art.º 167.º do CPPT. O prazo para a dedução dos embargos de terceiro é de 30 dias contados a partir do dia em que foi praticado o ato ofensivo da posse ou direito ou daquele em que o terceiro teve conhecimento da ofensa – Art.º 237.º do CPPT. CONTENCIOSO TRIBUTÁRIO 29

30 “Os Meios Impugnatórios de Natureza Judicial A Reclamação das Decisões do Órgão da Execução Fiscal” Esta reclamação tem por objeto a impugnação de quaisquer decisões do órgão da execução fiscal ou de outras autoridades da administração tributária que afetem os direitos ou interesses executado ou de terceiro – art.ºs 276.º a 278.º do CPPT. A reclamação é dirigida ao juiz do tribunal tributário, mas é entregue no órgão da execução fiscal. A reclamação tem de ser apresentada no órgão da execução fiscal no prazo de 10 dias a contar da notificação da decisão ou do conhecimento efetivo do ato lesivo. A reclamação tem carácter de processo urgente, pelo que na petição têm de ser indicados os fundamentos e as conclusões. Em regra, o tribunal só conhecerá da reclamação depois de realizadas a penhora e a venda. CONTENCIOSO TRIBUTÁRIO 30

31 “Os Meios Impugnatórios de Natureza Judicial A Reclamação das Decisões do Órgão da Execução Fiscal” A reclamação subirá de imediato a tribunal, se o reclamante invocar prejuízo irreparável causado por qualquer uma das seguintes ilegalidades: Inadmissibilidade da penhora dos bens concretamente apreendidos ou da extensão com que foi realizada; Imediata penhora dos bens que só subsidiariamente respondem pela dívida exequenda; Incidência sobre bens que, não respondendo, nos termos de direito substantivo, pela dívida exequenda, não deviam ter sido abrangidos pela diligência; Determinação da prestação de garantia indevida ou superior à devida; Erro na verificação ou graduação de créditos. CONTENCIOSO TRIBUTÁRIO 31

32 CONTENCIOSO TRIBUTÁRIO “Os Meios Impugnatórios de Natureza Judicial A Reclamação das Decisões do Órgão da Execução Fiscal” Esfera jurídica do Executado e de outros interessados Atos do órgão da execução fiscal Podem ser atacados através da Reclamação prevista no Art.º 276.º do CPPT RECLAMAÇÃO dos atos do órgão da execução fiscal Dirigida ao Juiz do Tribunal Administrativo e Fiscal Entregue no Serviço de Finanças, dado que se trata de uma reclamação no próprio processo Verificação e graduação dos créditos Esta reclamação tem um regime específico 32

33 Síntese dos meios de reação no Processo de Execução Fiscal Executado Terceiro Embargos de terceiro Interessado Reclamação do Art.º 276.º do CPPT CONTENCIOSO TRIBUTÁRIO Oposição judicial Reclamação do Art.º 276.º do CPPT 33 “Os Meios Impugnatórios de Natureza Judicial”

34 “Os Meios Impugnatórios de Natureza Judicial A Ação Administrativa Especial” A ação administrativa especial deve ser o meio processual judicial a utilizar quando estiver em causa a impugnação de atos em matéria tributária ou de outros atos administrativos relativos a questões tributárias que não comportem a apreciação da legalidade do ato de liquidação. Se o objeto da impugnação não for um ato de liquidação, mas sim outro ato tributário ou em matéria tributária, o meio processual judicial a utilizar pelo contribuinte deve ser a ação administrativa especial. A ação administrativa especial tem de ser interposta perante o Tribunal Administrativo e Fiscal (tribunal tributário), no prazo de três meses a contar da notificação ou do conhecimento do ato lesivo – Art.º 58.º do CPTA. CONTENCIOSO TRIBUTÁRIO 34

35 “Os Meios Impugnatórios de Natureza Judicial A Ação Para Reconhecimento de um Direito ou Interesse Legítimo em Matéria Tributária” A ação para reconhecimento de um direito ou interesse legítimo em matéria tributária apenas pode ser proposta se a ação for o meio processual mais adequado para assegurar uma tutela plena, eficaz e efetiva do direito ou interesse legalmente protegido – Art.º 145.º do CPPT. A ação tem de ser interposta no prazo de quatro anos após a constituição do direito ou o conhecimento da lesão do interessado. Esta ação tem, de certa forma, uma função residual, isto é, deve ser proposta quando não existir um meio processual mais adequado para garantir e assegurar a tutela plena e efetiva dos direitos e interesses do contribuinte. A ação para reconhecimento de um direito ou interesse legítimo em matéria tributária segue os termos do processo de impugnação judicial. CONTENCIOSO TRIBUTÁRIO 35

36 “Os Meios Impugnatórios de Natureza Judicial Os Meios Processuais Acessórios – Intimação para um Comportamento” Em face de omissão por parte dos órgãos da Administração Tributária do dever de qualquer prestação jurídica suscetível de lesar direito ou interesse legítimo em matéria tributária, pode o interessado requerer ao tribunal tributário de 1ª instância a intimação da Administração Tributária para a prática do ato ou da prestação jurídica omitida – Art.º 147.º do CPPT. A intimação para um comportamento é uma forma de processo judicial tributário – Art.º 97.º do CPPT. Este meio processual tem um carácter residual, visto que só deve ser usado se for o mais adequado para assegurar a tutela plena, eficaz e efetiva dos direitos ou interesses do contribuinte. CONTENCIOSO TRIBUTÁRIO 36

37 “Os Meios Impugnatórios de Natureza Judicial Os Meios Processuais Acessórios – Intimação para Consulta de Documentos e Passagem de Certidões” Os contribuintes têm direito a consultar os documentos dos processos administrativos e judiciais e a ser informados sobre o seu andamento, bem como a conhecer as resoluções definitivas que sobre eles forem tomadas – Art.º 268.º da CRP. Este direito abrange todos os processos, pendentes ou arquivados, em que os contribuintes tenham um interesse direto e pode ser exercido por aqueles ou pelos seus representantes legais – Art.º 30.º do CPPT. Feito o pedido de informação ou de consulta de processo por pessoa com legitimidade, quando não for dada integral satisfação aos pedidos formulados, o interessado pode requerer a intimação do órgão competente da Administração Tributária para que este proceda à execução da prestação jurídica devida. A intimação para consulta de documentos e passagem de certidões tem a sua regulação prevista nos art.ºs 104.º a 108.º do CPTA – n.º 1, JN fine, do Art.º 146.º do CPPT. CONTENCIOSO TRIBUTÁRIO 37

38 “Os Meios Impugnatórios de Natureza Judicial Os Meios Processuais Acessórios – A Execução de Julgados” A Administração Tributária está obrigada, em caso de procedência total ou parcial de reclamação graciosa, impugnação judicial ou recurso a favor do sujeito passivo, à imediata e plena reconstituição da legalidade do ato ou situação objeto do litígio. O dever de executar a decisão é da responsabilidade do órgão que tiver praticado o ato anulado, dever que deve ser integralmente cumprido no prazo de três meses. A execução da sentença quando consista no pagamento de uma quantia pecuniária deve ser realizado no prazo de trinta dias. CONTENCIOSO TRIBUTÁRIO 38

39 “Os Meios Impugnatórios de Natureza Judicial Os Meios Processuais Acessórios – A Execução de Julgados” Quando a Administração não dê execução à sentença de anulação no prazo estabelecido na lei, pode o interessado fazer valer o seu direito à execução perante o tribunal que tenha proferido a sentença em primeiro grau de jurisdição. A petição de execução deve ser apresentada no prazo de seis meses a contar do termo do prazo de execução espontânea da sentença. De acordo com a jurisprudência do STA, se o lesado não tiver exercido o direito à indemnização dentro do processo tributário de impugnação judicial, pode proceder à formulação desse pedido em execução coerciva do julgado. CONTENCIOSO TRIBUTÁRIO 39

40 “Os Meios Impugnatórios de Natureza Judicial Os Meios Processuais Acessórios – Processo Especial de Derrogação de Sigilo Bancário: Recurso Interposto pelo Contribuinte” A Administração Tributária tem o poder de aceder a todas as informações ou documentos bancários sem dependência do consentimento do titular dos elementos protegidos (Art.º 63.º-B da LGT): a) Quando existam indícios da prática de crime em matéria tributária; b) Quando se verifiquem indícios da falta de veracidade do declarado ou esteja em falta declaração legalmente exigível; c) Quando se verifiquem indícios da existência de acréscimos de património não justificados, nos termos da alínea f) do n.º 1 do Art.º 87.º da LGT; d) Quando se trate da verificação de conformidade de documentos de suporte de registos contabilísticos dos sujeitos passivos de IRS e IRC que se encontrem sujeitos a contabilidade organizada; CONTENCIOSO TRIBUTÁRIO 40

41 “Os Meios Impugnatórios de Natureza Judicial Os Meios Processuais Acessórios – Processo Especial de Derrogação de Sigilo Bancário: Recurso Interposto pelo Contribuinte” A Administração Tributária tem o poder de aceder a todas as informações ou documentos bancários sem dependência do consentimento do titular dos elementos protegidos (Art.º 63.º-B da LGT): e) Quando exista a necessidade de controlar os pressupostos de regimes fiscais privilegiados de que o contribuinte usufrua; f) Quando se verifique a impossibilidade de comprovação e quantificação direta e exata da matéria tributável, nos termos do Art.º 88.º da LGT, e, em geral, quando estejam verificados os pressupostos para o recurso a uma avaliação indireta; g) Quando se verifique a existência comprovada de dívidas à administração fiscal ou à segurança social. CONTENCIOSO TRIBUTÁRIO 41

42 “Os Meios Impugnatórios de Natureza Judicial Os Meios Processuais Acessórios – Processo Especial de Derrogação de Sigilo Bancário: Recurso Interposto pelo Contribuinte” A Administração Tributária tem, ainda, o poder de aceder diretamente aos documentos bancários, nas situações de recusa da sua exibição ou de autorização para a sua consulta, quando se trate de familiares ou terceiros que se encontrem numa relação especial com o contribuinte. Os órgãos com competência para derrogar o sigilo bancário são: o Diretor-Geral da DGCI ou o seu substituto legal; o Diretor-Geral da DGAIEC; ou seu substituto legal; o Conselho Directivo do IGFSS. Esta competência não pode ser delegada – n.º 4 do Art.º 63.º-B da LGT. CONTENCIOSO TRIBUTÁRIO 42

43 “Os Meios Impugnatórios de Natureza Judicial Os Meios Processuais Acessórios – Processo Especial de Derrogação de Sigilo Bancário: Recurso Interposto pelo Contribuinte” Em regra, a derrogação administrativa do sigilo bancário ocorre no âmbito do procedimento de inspeção tributária. A este propósito refira-se que o n.º 11 do Art.º 89.º-A da LGT dispõe que: ”A avaliação indireta no caso da alínea f) do n.º 1 do artigo 87.º deve ser feita no âmbito de um procedimento que inclua a investigação das contas bancárias…” A decisão administrativa de derrogação de sigilo bancário é suscetível de controlo jurisdicional por via do recurso judicial, nos termos previstos no n.º 5 do Art.º 63.º-B da LGT. CONTENCIOSO TRIBUTÁRIO 43

44 “Os Meios Impugnatórios de Natureza Judicial Os Meios Processuais Acessórios – Processo Especial de Derrogação de Sigilo Bancário: Recurso Interposto pelo Contribuinte” O recurso judicial que o contribuinte e demais interessados podem utilizar para atacar a decisão administrativa que determinar a derrogação do sigilo bancário tem a sua tramitação regulada nos art.ºs 146.º-A a 146.º-D do CPPT. Também neste domínio existe uma tutela plena e efetiva dos direitos e interesses legalmente protegidos do contribuinte. O prazo para o recurso é de 10 dias a contar da notificação da decisão, sendo a petição dirigida ao juiz do tribunal tributário de 1ª instância da área do seu domicílio do interessado, devendo este justificar sumariamente as razões da sua discordância. A petição do requerimento não obedece a qualquer formalidade especial e não tem de ser subscrita por advogado. São admitidos todos os meios de prova (documental, testemunhal, pericial). CONTENCIOSO TRIBUTÁRIO 44

45 “Os Meios Impugnatórios de Natureza Judicial Os Meios Processuais Acessórios – Processo Especial de Derrogação de Sigilo Bancário: Recurso Interposto pelo Contribuinte” As entidades que se encontrem em relação de domínio com o contribuinte, também ficam sujeitas ao regime de derrogação de sigilo bancário previsto no Art.º 63.º-B da LGT. Se a decisão de derrogação do sigilo bancário visar as contas do sujeito passivo da relação jurídica tributária, o recurso judicial tem efeito meramente devolutivo. Se a decisão de derrogação do sigilo bancário tiver por objeto as contas bancárias de familiar ou de terceiro o recurso judicial tem efeito suspensivo. Este recurso judicial é tramitado como processo urgente pelo que deve estar decidido no prazo de 90 dias a contar da data da apresentação da petição – n.º 2 do Art.º 146.º-D do CPPT. CONTENCIOSO TRIBUTÁRIO 45

46 “A Arbitragem” A arbitragem constitui uma forma de resolução de um litígio através de um árbitro escolhido pelas partes ou designado pelo Centro de Arbitragem Administrativa (CAAD) e cuja decisão tem o mesmo valor que as sentenças judiciais. Os tribunais arbitrais funcionam sob a organização do Centro de Arbitragem Administrativa, o qual funciona sob a égide do Conselho Superior dos Tribunais Administrativos e Fiscais – Decreto-Lei n.º 10/2011. A arbitragem tributária poder-se-á vir a revelar uma efetiva alternativa de resolução dos conflitos em matéria fiscal, caso se venha a confirmar ser possível obter a decisão arbitral no prazo de seis meses ou no máximo de um ano. CONTENCIOSO TRIBUTÁRIO 46

47 “A Arbitragem” A arbitragem em matéria tributária tem o propósito de ser uma forma alternativa de resolução jurisdicional de conflitos no domínio fiscal e visa três objetivos fundamentais que se traduzem no seguinte: a) Reforçar a tutela eficaz dos direitos e interesses legalmente protegidos dos sujeitos passivos; b) Imprimir uma maior celeridade na resolução de litígios que opõem a Administração Tributária ao sujeito passivo; c) Reduzir a pendência de processos nos tribunais administrativos e fiscais. CONTENCIOSO TRIBUTÁRIO 47

48 “A Arbitragem” As matérias tributárias que podem ser objeto de decisão nos tribunais arbitrais são todas as que tenham por base as seguintes pretensões dos contribuintes: a)A declaração de ilegalidade de atos de liquidação de tributos, de autoliquidação, de retenção na fonte e de pagamento por conta; b)A declaração de ilegalidade de atos de determinação da matéria tributável, de atos de determinação da matéria coletável e de atos de fixação de valores patrimoniais; c)A apreciação de qualquer questão, de facto ou de direito, relativa ao projeto de decisão de liquidação, sempre que a lei não assegure a faculdade de deduzir a pretensão referida na alínea anterior. CONTENCIOSO TRIBUTÁRIO 48

49 “A Arbitragem” O pedido de constituição de tribunal arbitral é feito mediante requerimento, enviado por via eletrónica, dirigido ao Presidente do CAAD nos seguintes prazos: a)90 dias, contados a partir dos factos previstos nos n.ºs 1 e 2 do Art.º 102.º do Código de Procedimento e de Processo Tributário, quanto aos atos suscetíveis de impugnação autónoma e, bem assim, da notificação da decisão ou do termo do prazo de decisão do recurso hierárquico; a)30 dias, contados a partir da notificação dos atos previstos nas alíneas b) e c) acima indicadas, nos restantes casos. CONTENCIOSO TRIBUTÁRIO 49

50 “A Arbitragem” A vinculação da DGCI e da DGAIEC ao regime da arbitragem constante do Decreto-Lei n.º 10/2011 foi efetuada através da Portaria n.º 112-A/2011, de 22 de Março. A vinculação daquelas Direções-Gerais ficou limitada a litígios de valor não superior a € e sujeitas às seguintes condições: a)Nos litígios de valor superior a € , o árbitro presidente deve ter exercido funções públicas de magistratura nos tribunais tributários ou possuir o grau de mestre em Direito Fiscal; b)Nos litígios de valor igual ou superior a € , o árbitro presidente deve ter exercido funções públicas de magistratura nos tribunais tributários ou possuir o grau de doutor em Direito Fiscal. CONTENCIOSO TRIBUTÁRIO 50

51 “A Arbitragem” Foram excluídas da jurisdição dos tribunais arbitrais as seguintes pretensões: a)Relativas à declaração de ilegalidade de atos de autoliquidação, de retenção na fonte e de pagamento por conta que não tenham sido precedidos de recurso à via administrativa, nos termos dos art.ºs 131.º a 133.º do Código de Procedimento e de Processo Tributário; b)Relativas a atos de determinação da matéria coletável e de atos de determinação da matéria tributável por métodos indiretos, incluindo a decisão do procedimento de revisão; c)Relativas a direitos aduaneiros sobre a importação e demais impostos indiretos que incidam sobre mercadorias sujeitas a direitos de importação; d)Relativas à classificação pautal, origem e valor aduaneiro das mercadorias e a contingentes pautais, ou cuja resolução dependa de análise laboratorial ou de diligências a efetuar por outro Estado membro no âmbito da cooperação administrativa em matéria aduaneira. CONTENCIOSO TRIBUTÁRIO 51

52 “Os Recursos Jurisdicionais” Os atos praticados pelos órgãos jurisdicionais - decisões do juiz - que afetem os direitos e interesses legalmente protegidos dos sujeitos da relação jurídica tributária são passíveis de recurso. Existe recurso dos atos jurisdicionais praticados no processo judicial e no processo de execução fiscal. Os atos jurisdicionais suscetíveis de recurso judicial são os despachos que ponham termo ao processo, as sentenças, e no processo de execução fiscal, designadamente as decisões sobre incidentes, oposição, pressupostos da responsabilidade subsidiária, decisão da reclamação verificação e graduação de créditos, anulação da venda e reclamação dos demais atos praticados pelo órgão da execução fiscal. CONTENCIOSO TRIBUTÁRIO 52

53 “Os Recursos Jurisdicionais” O prazo para o recurso jurisdicional é de 10 dias. O recurso pode ser interposto pelo contribuinte, pelo Ministério Público, pelo representante da Fazenda Pública e por qualquer interveniente que no processo fique vencido. O recurso é interposto para o Tribunal Central Administrativo, salvo quando a matéria for exclusivamente de direito, caso em que o recurso é para a Secção do Contencioso Tributário do Supremo Tribunal Administrativo – Art.º 280.º do CPPT. CONTENCIOSO TRIBUTÁRIO 53

54 “Os Recursos Jurisdicionais” Os recursos jurisdicionais nos processos urgentes são apresentados, no prazo de 10 dias, por meio de requerimento conjuntamente com as alegações – Art.º 283.º do CPPT. Não há lugar a recurso das decisões dos tribunais tributários de 1ª instância proferidas em processo de impugnação judicial ou de execução fiscal quando o valor da causa não ultrapassar um quarto (€ 312,50) alçadas fixadas para os tribunais judiciais de 1ª instância. Os recursos têm efeito meramente devolutivo, salvo se for prestada garantia, nos termos do CPPT, ou o efeito devolutivo afetar o efeito útil dos recursos – n.º 2 do Art.º 286.º do CPPT. CONTENCIOSO TRIBUTÁRIO 54

55 “Os Recursos Jurisdicionais” Os recursos dos atos jurisdicionais sobre meios processuais acessórios comuns à jurisdição administrativa e tributária são regulados pelas normas sobre processo nos tribunais administrativos – art.ºs 140.º a 156.º do CPTA. Nos recursos jurisdicionais, independentemente do valor do processo, é sempre obrigatória a constituição de mandatário judicial – Art.º 6.º do CPPT. Nas ações para o tribunal tributário de 1ª instância, a constituição de advogado só é obrigatória se o seu valor exceder o décuplo da alçada daquele tribunal, isto é, se o valor da causa judicial for superior a € ,00 – Art.º 6.º do CPPT. CONTENCIOSO TRIBUTÁRIO 55

56 “Os Recursos Jurisdicionais” A decisão arbitral sobre o mérito que ponha termo ao processo é suscetível de recurso para o STA quando esteja em oposição, quanto à mesma questão fundamental de direito, com acórdão proferido pelo TCA ou pelo STA, sendo aplicável ao recurso, com as necessárias adaptações, o regime previsto no Art.º 152.º do CPTA. A decisão arbitral pode ser anulada pelo TCA, caso a decisão tenha sido proferida por decisão de tribunal arbitral coletivo, constituído por árbitros designados pelas partes, nos termos da al. b) do n.º 2 do Art.º 6.º e do Art.º 27.º do regime da arbitragem tributária. O regime de recurso para os Tribunais Tributários Superiores da decisão proferida pelo tribunal arbitral é extremamente restritivo. CONTENCIOSO TRIBUTÁRIO 56

57 Contencioso Tributário 57 STA TCA Norte TCA Sul BragaCoimbraMirandela PenafielPortoViseu FunchalLeiriaLisboaLoulé Ponta Delgada AlmadaBeja C. Branco Sintra STA – Supremo Tribunal Administrativo TCA – Tribunal Central Administrativo: Norte e Sul Aveiro

58 “Contencioso Tributário” FIM MUITO OBRIGADO PELO VOSSO INTERESSE E ATENÇÃO CONTENCIOSO TRIBUTÁRIO 58


Carregar ppt "“CONTENCIOSO TRIBUTÁRIO” “Jesuíno Alcântara Martins” “DIS3112”"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google